Cardiopatias

8.324 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.324
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
159
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cardiopatias

  1. 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO IPA METODISTA Curso de Educação Física Disciplina de Musculação CARDIOPATIAS Docente: Deninson Ferenci Dicentes: Cristina Saupe Marilia Preussler Rodrigo Selback Machado Thais Flores
  2. 2. O Que São? <ul><li>O termo cardiopatia é uma designação genérica que abrange todas as patologias que acometem o coração. </li></ul><ul><li>As cardiopatias dividem-se por quatro tipos genéricos: congênitas, das válvulas, do miocárdio e infeciosas. </li></ul>
  3. 3. As Mais Comuns <ul><li>- Síndromes Coronárias Agudas; </li></ul><ul><li>- Doença Cardiovascular; </li></ul><ul><li>- Doença Coronária; </li></ul><ul><li>- Isquemia do Miocárdio; </li></ul><ul><li>- Infarto do Miocárdio </li></ul>
  4. 4. Principais Causas <ul><li>- Genética; </li></ul><ul><li>- Sedentarismo; </li></ul><ul><li>- Maus hábitos. </li></ul>
  5. 5. Fatores: Alteráveis: Inalteráveis - Tabagismo; - Obesidade - Pressão Alta; - Colesterol alterado; - Sedentarismo - Hereditariedade; - Sexo (masculino) - Idade
  6. 6. Regra Básica <ul><li>O Programa de Reabilitação deve primariamente: </li></ul><ul><li>PERMITIR QUE OS PACIENTES POSSAM RETORNAR COM MAIOR SEGURANÇA PARA AS AVD DENTRO DOS LIMITES IMPOSTOS PELA SUA DCV </li></ul>
  7. 7. Indicações <ul><li>- Pós infarto do miocárdio; </li></ul><ul><li>- Angina estável; </li></ul><ul><li>- Miocardiopatia; </li></ul><ul><li>- Doença arterial periférica; </li></ul><ul><li>- Doença cardiovascular; </li></ul><ul><li>- Insuficiência cardíaca congestiva; </li></ul><ul><li>- Síndrome de morte cardíaca súbita. </li></ul>
  8. 8. Contraindicações <ul><li>- Angina instável; </li></ul><ul><li>- Disritmias atriais ou ventricular; </li></ul><ul><li>- Bloqueio atrioventricular; </li></ul><ul><li>- Pericardite ou miocardite ativa; </li></ul><ul><li>- Embolia recente; </li></ul><ul><li>- Taquicardia sinusal descontrolada; </li></ul><ul><li>- Tromboflebite. </li></ul>
  9. 9. Como o exercício previne a doença coronária? <ul><li>“ As pessoas fisicamente treinadas apresentam outros fatores físicos sob controle. Além disso, o coração é maior e mais forte, com um aumento do suprimento de sangue e de oxigênio e com as artérias coronárias que podem expandir-se melhor e são mais largas e menos rígidas na velhice.” </li></ul>David C. Nieman – Exercício e Saúde
  10. 10. Qual a quantidade necessária de exercício para diminuir o risco de uma doença cardíaca? <ul><li>“ Aproximadamente 30 minutos de atividade física de intensidade moderada por dia é o suficiente, com maior diminuição do risco quando são realizadas quantidades maiores de exercícios” </li></ul>David C. Nieman – Exercício e Saúde
  11. 11. Objetivos da Reabilitação Cardíaca <ul><li>- Desenvolver e ajudar; </li></ul><ul><li>- Supervisão e monitoramento; </li></ul><ul><li>- Ajudar no retorno das AVD's; </li></ul><ul><li>- Educação. </li></ul>
  12. 12. Prescrição <ul><li>- Frequência: </li></ul><ul><li>Sessões de dois dias da semana; </li></ul><ul><li>Capacidade limitadas: múltiplas sessões curtas. </li></ul><ul><li>- Intensidade: </li></ul><ul><li>TEP de 11 a 16 em uma escala de 6 a 20; </li></ul><ul><li>FC abaixo do limiar isquêmico. </li></ul>
  13. 13. 6 7 8 9 10 11 Muito, muito leve Muito leve Leve 12 13 14 Um pouco pesado 15 16 17 18 19 20 Pesado Muito pesado Muito, muito pesado Máximo
  14. 14. Prescrição <ul><li>- Duração: </li></ul><ul><li>Aquecimento e volta a calma de 5 a 10 minuto; </li></ul><ul><li>- Aeróbico: começando de 5 a 10 minutos, podendo chegar de 20 a 60 minutos. </li></ul>
  15. 15. Quando Começar? <ul><li>“ Os programas de reabilitação cardíaca para pacientes externos podem começar logo após a alta hospitalar. A maioria dos pacientes é capaz de iniciar um programa de exercícios supervisionado dentro de uma a duas semanas após deixarem o hospital. </li></ul>“ Manual de Pesquisa das Diretrizes do ACSM para os Testes de Esforço e sua Prescrição” do American College of Sports Medicine
  16. 16. Orientações para Treinamento de Peso - Cardíacos de Baixo Risco <ul><li>1 - Para prevenir dor e lesão, escolher inicialmente um peso que permitirá a realização de 12-15 repetições confortavelmente; </li></ul><ul><li>2 - Realizar cada exercício de uma a três vezes. </li></ul><ul><li>3 - Evitar esforço violento. </li></ul><ul><li>4 - Expirar (soltar o ar) durante a fase de esforço do levantamento. Por exemplo, expirar quando estiver empurrando um peso acima da cabeça e inspirar quando estiver abaixando-o. </li></ul><ul><li>5 - Levantar pesos com movimentos lentos e controlados; enfatizar extensão completa dos membros quando estiver levantando. </li></ul>
  17. 17. Orientações para Treinamento de Peso - Cardíacos de Baixo Risco <ul><li>6 - Exercitar grandes grupos de músculos antes dos menores. Incluir aparelhos (exercícios) para as extremidades inferiores e superiores. </li></ul><ul><li>7 - Empunhar sem apertar quando possível; sustentar, uma empunhadura apertada pode evocar uma resposta da pressão sanguínea excessiva ao levantamento. </li></ul><ul><li>8 - Cancelar os exercícios diante de sinais de tontura, arritmias, falta de ar não usual e/ou angina pectoris. </li></ul><ul><li>9 - Permitir períodos mínimos de repouso entre os exercícios (por exemplo, 30-60 segundos) para maximizar a tolerância muscular e benefícios do treinamento aeróbio. </li></ul>

×