Aulão TOP ENEM
Aulão TOP ENEM
Linguagem e Filosofia
Ronaldo Paula
LINGUAGEM / FILOSOFIA
DENOTAÇÃO: sentido literal ou objetivo; texto
informativo ou argumentativo.
CONOTAÇÃO: sentido figurado ou simbólico;
text...
SÓCRATES - VERDADE
Dialética socrática - A tese é um pensamento;
a antítese é um pensamento contrário à tese
e o resultado...
QUESTÃO
Na criação do texto, o chargista Iotti usa criativamente
um intertexto: os traços reconstroem uma cena de
Guernica, painel...
a. uma referência ao contexto, "trânsito no feriadão",
esclarecendo-se o referente tanto ao texto de Iotti quanto da
obra ...
a. uma referência ao contexto, "trânsito no feriadão",
esclarecendo-se o referente tanto ao texto de Iotti quanto da
obra ...
 ARTE RUPESTRE: pinturas e esculturas.
 ARTE EGÍPCIA: centrada na figura do faraó.
 ARTE GREGA: beleza (inata); virtuos...
ARTE / FILOSOFIA – PLATÃO
PLATÃO E O CONHECIMENTO
Dualismo
Dois: Mundos:
das ideias (inteligível) e da cópia (sentidos).
T...
Ética para quê?
Alcançar uma vida virtuosa.
Alcançar a via de libertação da alma.
Alcançar o bem absoluto.
ARTE / FILOSOFI...
ARTE / FILOSOFIA - ARISTÓTELES
Aristóteles discorda de Platão.
Rejeita a proposta de que existem dois mundos,
o sensível e...
ARTE / FILOSOFIA - ARISTÓTELES
Ética para quê?
O fim (telos ou teleológica) do Estado é moral.
O bem supremo, vinculado à ...
No
No centro da imagem, o filósofo Platão é retratado apontando
para o alto. Esse gesto significa que o conhecimento se en...
No
No centro da imagem, o filósofo Platão é retratado apontando
para o alto. Esse gesto significa que o conhecimento se en...
FILOSOFIA - ARISTÓTELES
ARISTÓTELES. A Política. São Paulo: Cia. das Letras, 2010.
Ao reconhecer na felicidade a reunião d...
FILOSOFIA - ARISTÓTELES
ARISTÓTELES. A Política. São Paulo: Cia. das Letras, 2010.
Ao reconhecer na felicidade a reunião d...
LINGUAGEM
VANGUARDAS EUROPEIAS
 FUTURISMO: adequação à vida moderna.
 SURREALISMO: libertação do inconsciente.
 EXPRESS...
LINGUAGEM
Século XIX e a descontinuidade
Marx 1818 - 1883
Nietzsche 1844 - 1900
Freud 1856 - 1939
FILOSOFIA - Desconstrução
FILOSOFIA - Desconstrução
Marx: “Não é a consciência dos homens
que determina o seu ser, mas, ao contrário,
é o seu ser so...
QUESTÃO
“Todas as manhãs quando acordo, experimento um prazer
supremo: o de ser Salvador Dalí.”
NÉRET, G. Salvador Dalí...
QUESTÃO
a. do fantástico, impregnado de civismo pelo governo espanhol, em que a
busca pela emoção e pela dramaticidade des...
QUESTÃO
a. do fantástico, impregnado de civismo pelo governo espanhol, em que a
busca pela emoção e pela dramaticidade des...
ENEM ACTION
FÍSICA
Antônio Marcos
FÍSICA - ONDULATÓRIA
ONDAS
São perturbações ou vibrações que
transportam energia,quantidade de
movimento, mas não transpor...
FÍSICA - ONDULATÓRIA
Quanto à natureza
• Ondas mecânicas: são aquelas que precisam de um meio
material para se propagar (n...
FÍSICA - ONDULATÓRIA
Exemplos de Ondas Eletromagnéticas
Importante!
(C).luzdaevelocidadacom
vácuonopropagamseéticaseletrom...
FÍSICA - ONDULATÓRIA
CRISTA
VALE

 
A
A
CRISTA
ELEMENTOS DE UMA ONDA:
FÍSICA - ONDULATÓRIA
ELEMENTOS DE UMA ONDA:
PERÍODO(T)
Frequência(f):
Tempo gasto para completar uma oscilação.
Determina ...
FÍSICA - ONDULATÓRIA
VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO (V) DAS ONDAS :
Considerando uma oscilação completa de uma onda, temos:
S =...
Questão
Uma manifestação comum das torcidas em
estádios de futebol é a ola mexicana.Os
espectadores de uma linha, sem sair...
Questão
Se cada período de oscilação tem 16 pessoas separadas de
0,8m podemos observar que há 15 espaçamentos entre cada
p...
Questão
Os morcegos são mamíferos voadores que dispõem de um mecanismo
denominado biossonar ou ecolocalizador, que permite...
Questão
A velocidade de propagação do som no ar é determinada por
fv . 53
10.10.5.3 
v smv /350
O tempo de propagação...
Estudo dos fluidos
Princípio de Arquimedes
Todo corpo imerso total ou parcialmente num líquido recebe uma
força vertical, ...
Estudo dos fluidos
Flutuação
P
E
PE 
imerso.volumedofluidode
pesoaoecorrespondempuxoO
Estudo dos fluidos
FLUTUAÇÃO
P
E
Questões
Em um experimento realizado para deter-minar a densidade da água de um lago,
foram utilizados alguns materiais, c...
Questão
Solução
O dinamômetro indica a medição da tração no fio. No
momento inicial não há água no recipiente, daí T=P=30N...
FÍSICA - ELETRICIDADE
Resistores
Resistor é todo dispositivo elétrico que transforma
exclusivamente energia elétrica em en...
FÍSICA - ELETRICIDADE
A resistência elétrica (R) é uma medida da
oposição ao movimento dos portadores de carga
Primeira Le...
FÍSICA - ELETRICIDADE
Segunda Lei de Ohm:
A
l
R
.

ρ é a resistividade do material, sendo que:
Baixa resistividade = Bom...
FÍSICA - ELETRICIDADE
Potência elétrica dissipada
iuP .
R
U
P
2

2
.iRP 
A Potência é determinante para o consumo de en...
FÍSICA - ELETRICIDADE
Associação de resistores
Associação em Série
Uma associação em série de resistores apresenta as segu...
FÍSICA - ELETRICIDADE
Associação em Paralelo
• 1. a ddp (voltagens) é a mesma para todos os
resistores;
• 2. a corrente el...
FÍSICA - ELETRICIDADE
Associação em Paralelo
PARTICULARIDADES:
21
21.
RR
RR
Req


Questão
Um sistema de iluminação foi construído com um circuito de três
lâmpadas iguais conectadas a um gerador (G) de ten...
Questão
Denominemos o valor de cada uma das lâmpadas igual
a R, já que todas são iguais.
Se ligarmos em A, a lâmpada 2 não...
Questão
Se ligarmos em B, teremos a equivalência em paralelo
das lâmpadas 1 e 3, associadas em série com a lâmpada
2, daí ...
Questão
Intervalo
Retorno – 10h
Matemática
Denilton
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
ANÁLISE
COMBINATÓRIA
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
O princípio fundamental de contagem é aplicado em
problemas que se organizam em etapas s...
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
(ENEM) A escrita Braile para cegos é um
sistema de símbolos no qual cada caractere
é um ...
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
A
P1 P2 P3 P4 P5 P6
2 X = 63 possibilidades22 2 2 XXX 2X( ) - 1
64
O número total de car...
.
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
(ENEM) O diretor de uma escola convidou os
280 alunos de terceiro ano a participarem d...
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
O diretor sabe que algum aluno acertará a resposta porque
há
a) 10 alunos a mais do que ...
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
PERSONAGENS OBJETOS COMODOS
6 5 9X X = 270 possibilidades
O diretor de uma escola convid...
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
n ! = n.(n-1).(n-2).(n-3).......1 (n Є N)
FATORIAL
DEFINIÇÕES
ESPECIAIS.
0 ! = 1
1 ! = 1
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
6! = 6.5.4.3.2.1 = 720
5! = 5.4.3.2.1 = 120
6! = 6.5!
EXEMPLO
6! = 6.5.4!
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
ARRANJO SIMPLES
SÃO AGRUPAMENTOS DE
ELEMENTOS DISTINTOS EM QUE
A ORDEM DOS ELEMENTOS É
I...
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
Numa Companhia Aérea, a cada três
anos, são escolhidos dez funcionários
para exercerem c...
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
PERMUTAÇÃO SIMPLES
É O ARRANJO SIMPLES EM QUE n = p
!, nA nnnP 
PERMUTAÇÃO COM REPETIÇ...
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
Os pais e a escola - Um futuro melhor
“Pesquisa revela que famílias de alunos de escola...
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
Ariano Suassuna é um dos grandes nomes da cultura
nordestina. Exaltado principalmente pe...
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
Com base no nome desse grande escritor brasileiro, o
número de anagramas distintos que p...
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
COMBINAÇÕES SIMPLES
SÃO AGRUPAMENTOS DE
ELEMENTOS DISTINTOS EM QUE
A ORDEM DOS ELEMENTOS...
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
A casa de sucos Só Sucos tem 20 tipos de frutas no seu
estoque. Se um cliente pedir um s...
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
(ENEM) Doze times se inscreveram em um torneio
de futebol amador. O jogo de abertura do ...
MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA
Doze times : { Bahia, Itabuna, Feirense, Ipiranga, Catuense.....}
Grupo A (4 times)
Bahi...
BIOLOGIA
Emanuel
BIOLOGIA - Ecossistemas
 Apresentar uma fonte
externa de energia
 Possuir um conjunto de
elementos que permitam o
fluxo ...
BIOLOGIA - Ecossistemas
Fluxo de energia é unidirecional
A energia é consumida, dissipada e
transferida de um nível trófic...
BIOLOGIA - Ecossistemas
Espécies
nativas
Espécies
exóticas
Competição
Predatismo
Parasitismo
Amensalismo
Redução da biodiv...
BIOLOGIA - Ecossistemas
Uso de predadores, parasitas e feromônios para
controlar pragas
Redução do uso de
produtos químico...
BIOLOGIA - Ecossistemas
Sobreposição
de nichos
Exclusão
competitiva
Competição interespecífica
Questão
No Brasil, cerca de 80% da energia elétrica advém de hidrelétricas,
cuja construção implica o represamento de rios...
Questão
Apesar de belos e impressionantes, corais exóticos encontrados na Ilha Grande
podem ser uma ameaça ao equilíbrio d...
BIOLOGIA- Ecossistemas
Bioacumulação
Poder residual
Compostos não
biodegradáveis
P
O
L
U
E
N
T
E
Magnificação
trófica
BIOLOGIA- Ecossistemas
Consiste na utilização de seres vivos ou de suas
enzimas na recuperação de áreas contaminadas.
Prev...
BIOLOGIA- Ecossistemas
BIOLOGIA- Ecossistemas
BIOLOGIA – Ácidos nucléicos
BIOLOGIA – Ácidos nucléicos
BIOLOGIA – Ácidos nucléicos
Transcrição Transcrição
Tradução
RNA RNA
PROTEÍNA
Gene A
(Ativo)
Gene B
(Inativo)
Sem Transcri...
BIOLOGIA – Ácidos nucléicos
Eucariontes
Separação
espacial e
temporal entre
transcrição e
tradução
BIOLOGIA – Ácidos nucléicos
Gene A
E1
DNA
E2 E3 E4
Transcrito primário
E1 E2 E3 E4
RNAm1 – Proteína A1
E3 E1 E4 E2
E4 E2 E...
BIOLOGIA – Ácidos nucléicos
A figura seguinte representa um modelo de transmissão
da informação genética nos sistemas biol...
BIOLOGIA – Ácidos nucléicos
Depreende-se do modelo que
a) a única molécula que participa da produção de
proteínas é o DNA....
´Va
BIOLOGIA – Ácidos nucléicos
DNA mt
DNA
Nuclear
DNA mitocondrial (DNA mt)
DNA circular
Várias cópias por célula
Origem ...
BIOLOGIA – Ácidos nucléicos
DNA genômico DNA mt
BIOLOGIA – Ácidos nucléicos
Uma vítima de acidente de carro foi encontrada carbonizada
devido a uma explosão. Indícios, co...
BIOLOGIA – Ácidos nucléicos
Com base nessas informações e tendo em vista os diferentes
padrões de herança de cada fonte de...
BIOLOGIA – Evolução
Lamarck
O meio como agente
modificador
Experimentalismo ?
Genética ?
Uso e desuso
Caracteres adquiridos
BIOLOGIA – Evolução
Darwin
O meio como agente
selecionador
Reprodução diferencial
Genética ?
BIOLOGIA – Evolução
BIOLOGIA – Evolução
 Darwin insere o homem na escala
evolutiva
 Proposta de um ancestral comum
BIOLOGIA – Evolução
 Inconstância das espécies
 Ancestralidade comum
 Processo lento, gradual e ramificado
 Seleção na...
BIOLOGIA – Evolução
Adaptação
Modificação ambiental
Pressões Seletivas
Variabilidade
intraespecífica
Mutações
Recombinação...
BIOLOGIA – Evolução
Alguns anfíbios e répteis são adaptados à vida subterrânea. Nessa
situação, apresentam algumas caracte...
BIOLOGIA - Câncer
Vantagem
proliferativa
Carcinogênese
BIOLOGIA - Câncer
Autosuficiência em sinais
proliferativos
01
BIOLOGIA - Câncer02
ALTERAÇÃO NO CICLO CELULAR
(supressão de G1)
BIOLOGIA - Câncer03
COMPROMETIMENTO DA
INIBIÇÃO POR CONTATO
BIOLOGIA - Câncer04
Evasão da apoptose
BIOLOGIA - Câncer05
IMORTALIDADE EFETIVA
(telômeros e telomerase)
BIOLOGIA - Câncer06
ANGIOGÊNESE SUSTENTADA
BIOLOGIA - Câncer07
INVASÃO E METÁSTASE
BIOLOGIA - Câncer
Atualmente, os pacientes suspeitos de serem portadores de
câncer contam com aparelhos precisos para o di...
BIOLOGIA - Câncer
a) alto metabolismo e, consequentemente, consumo excessivo de glicose.
Além disso, apresentam alto índic...
GEOGRAFIA
Cadu
ENEM
2009 – 2013
GEOGRAFIA
GEOGRAFIA
RAIO – X: GEOGRAFIA
GEOGRAFIA – Meio Ambiente
 CLIMATOLOGIA do BRASIL
 Predominam climas quentes e úmidos no território
brasileiro, que tem como fator determinante a ...
MASSAS DE AR X CLIMAS DO BRASIL
GEOGRAFIA – Meio Ambiente
GEOGRAFIA
ZONA DE CONVERGÊNCIA INTERTROPICAL
GEOGRAFIA – Meio Ambiente
ENEM - 2014
AMAZÔNICO MATA ATLÂNTICA
HETERÓCLITAS, LATIFOLIADA, PERENIFÓLIAS E MEGATÉRMICAS
GEOGRAFIA – Meio Ambiente
CAATINGA CERRADO
TROPÓFILA, MEGATÉRMICA,
ARBUSTIVA e LENHOSA
SOLO ÁCIDO
(latossolo)
MEGATÉRMICA, XERÓFILA
e ARBUSTIVA
SOLO...
MESOTÉRMICA, HOMÓCLITA e
ACICULIFOLIADA
SOLO VULCÂNICO (fértil)
MESOTÉRMICA,
GRAMÍNEAS/HERBÁCEAS
MATA DE ARAUCÁRIA PAMPAS
...
GEOGRAFIA – Meio Ambiente
ENEM - 2013
 HIDROGRAFIA do BRASIL
CURIOSIDADES SOBRE A ÁGUA
- A água é o destino final de todo poluente que
tenha sido lançado no pl...
GEOGRAFIA – Meio Ambiente
USOS DA ÁGUA
Uso consuntivo
Uso não consuntivo
GEOGRAFIA – Meio Ambiente
Os rios brasileiros...
• Exorréicos e perenes;
• Predomínio de regimes pluviais;
• Predomínio de...
GEOGRAFIA – Meio Ambiente
OS AQUÍFEROS
GEOGRAFIA – Meio Ambiente
ENEM - 2014
GEOGRAFIA – Meio Ambiente
DESERTIFICAÇÃO
• Desertificação é um fenômeno antrópico,
relacionado ao processo de perda da cap...
GEOGRAFIA – Meio Ambiente
O CASO DO MAR DE ARAL
• Com uma área equivalente à dos estados do RJ e AL
juntos, era um verdade...
GEOGRAFIA – Meio Ambiente
ENEM - 2014
GEOGRAFIA – Economia
GEOGRAFIA – Economia
• Atual interdependência entre os países nos setores
comerciais, industriais, financeiros e tecnológi...
AS “3 GLOBALIZAÇÕES”
• FÁBULA;
• PERVERSA;
• POSSIBILIDADE.
GEOGRAFIA – Economia
GEOGRAFIA
Com a Globalização o regionalismo (blocos e
associações econômicas) ganhou força e a união
econômica entre os pa...
GEOGRAFIA – Economia
ENEM - 2014
GEOGRAFIA – Economia
ENEM - 2014
GEOGRAFIA – Economia
ENEM - 2013
GEOGRAFIA – Economia
ENEM - 2013
GEOGRAFIA – População
GEOGRAFIA – População
GEOGRAFIA - População
CONCEITOS
 POP. ABSOLUTA: Número total de hab. de uma área;
 POP. RELATIVA: Refere-se à densidade ...
GEOGRAFIA - População
ENEM - 2013
GEOGRAFIA - População
ENEM - 2012
GEOGRAFIA - População
ENEM - 2014
GEOGRAFIA - População
ENEM - 2011
GEOGRAFIA - Geologia
GEOGRAFIA - Geologia
Agentes do Relevo
No estudo das formas de relevo da superfície
terrestre temos que levar em considera...
GEOGRAFIA - Geologia
TECTONISMO
Tectonismo ou diastrofismo é um termo
geral relativo a todos os movimentos da
crosta terre...
GEOGRAFIA - Geologia
ENEM - 2014
GEOGRAFIA - Geologia
ENEM - 2012
GEOGRAFIA - Geologia
ENEM - 2012
GEOGRAFIA - Geologia
Revisão para a
Bahiana de
Medicina
(Outubro)
Intervalo para
Almoço
Retorno - 13h30
HISTÓRIA
Miguel
República Velha (1889 – 1930)
 Supremacia econômica e política de Minas Gerais e de São Paulo
 Política do “Café-Com-Le...
Não se pode esquecer
Não se pode esquecer:
Guerra de Canudos 1896-1897
 Revolta da Vacina (1902)
 Ciclo da Borracha/Cac...
•Direitos
Trabalhistas
HISTÓRIA – Brasil 1889-1945
O “Desmonte” do Café-Com-Leite
 A Reação Paulista – A Revolução de 19...
HISTÓRIA – Brasil 1889-1945
A Era de Vargas
A Industrialização
O “flerte” com o Nazismo
As Pressões Americanas
A Cessã...
Visões de nossa história
Questões
Observe a gravura a seguir, que fazia parte de uma
peça de propaganda política do Partido Democrático.
Questões
1) A partir do que a gravura sugere, pode-se dizer que ela faz alusão à prática da:
a) fraude eleitoral exercida ...
Questões
Há poucos dias as picaretas, entoando um hino
jubiloso, iniciaram os trabalhos da construção da
Avenida Central,p...
Questões
Os textos acima referem-se a dois acontecimentos significativos
ocorridos na cidade do Rio de Janeiro, na primeir...
Questões
3) Em 21 de dezembro de 1941, Getúlio Vargas recebeu Osvaldo
Aranha, seu ministro das Relações Exteriores, para u...
Questões
a) As desconfianças norte-americanas eram completamente infundadas porque não
havia nenhum simpatizante do nazifa...
Questões
Questões
A criação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE), para
recolher fundos para a criação de empresas ...
Questões
“A implantação da Usina de Volta Redonda, no estado do Rio de Janeiro, e a forma de
sua constituição ficaram defi...
MATEMÁTICA
Denilton
MATEMÁTICA – PROBABILIDADE
RAZÃO
PROBABILIDADE
MATEMÁTICA - RAZÃO
O conceito de razão está associado
à comparação de quantidades, por
exemplo, quando relacionamos o
núme...
MATEMÁTICA - RAZÃO
O Curso de Engenharia Civil da UFMG tem 400
alunos. O número de moças e de rapazes do
curso, está na ra...
MATEMÁTICA - RAZÃO
O Curso de Engenharia Civil da UFMG tem
400 alunos. O número de moças e de rapazes
do curso, está na ra...
MATEMÁTICA - RAZÃO
RAZÕES ESPECIAIS
realmedida
desenhonomedida
Escala 
área
teshabidenúmero
ademográficDensidade
tan

vo...
MATEMÁTICA – RAZÃO
(ENEM) Um biólogo mediu a altura de cinco árvores
distintas e representou-as em uma mesma malha
quadric...
MATEMÁTICA – RAZÃO
cuH
H
.900
100
19
1
1

cuH
H
.450
100
29
2
2

cuH
H
.900
300
26
3
3

cuH
H
.1350
300
15,4
4
4
...
MATEMÁTICA - RAZÃO
(ENEM) Cerca de 20 milhões de brasileiros vivem
na região coberta pela caatinga, em quase 800 mil
Km² d...
MATEMÁTICA – PROBABILIDADE
)(
)(
Un
En
P 
PROBABILIDADE
DO EVENTO
n(E) : NÚMERO DE ELEMENTOS DO EVENTO
n(U) : NÚMERO DE E...
MATEMÁTICA – PROBABILIDADE
No Teatro Municipal de São Paulo, ao término de um
espetáculo, uma promotora de eventos fez uma...
MATEMÁTICA – PROBABILIDADE
300 330370
U
A B
Probabilidade do Evento
Espaço Amostral
U = { E1 , E2 , E3 ,........E1250
N(U)...
MATEMÁTICA – PROBABILIDADE
Uma urna tem 50 bolas, das quais 20 são
vermelhas e 30 são azuis.
Sorteando-se duas bolas dessa...
MATEMÁTICA – PROBABILIDADE
Primeira vermelha e Segunda azul
50
20
49
30x
49
12
P
P
Sorteando-se duas bolas dessa urna, u...
MATEMÁTICA – PROBABILIDADE
PROBABILIDADE DA
UNIÃO DE EVENTOS
)()()()( BAPBPAPBAP  
MATEMÁTICA – PROBABILIDADE
TURMA
A
TURMA
B
TURMA
C
NÚMERO DE
RAPAZES
18 21 17
NÚMERO DE
MOÇAS
22 19 23
Na tabela abaixo os...
MATEMÁTICA – PROBABILIDADE
TURMA A TURMA B TURMA C
NÚMERO DE
RAPAZES
18 21 17
NÚMERO DE MOÇAS 22 19 23
Com base nesses dad...
QUÍMICA
Rodrigo
Química – Um banho
Na concorrência
Só água limpa?
Química – Um banho
Na concorrência
LípidiosA água
Geometria angular
Molécula Polar
Forma pontes de
Hidrogênio
Bom solvente...
Química – Como limpar?
Química - Sabão
HIDROFÓBICO HIDROFÍLICO
ANFIFÍLICO
Sabão – Limpeza
Quando colocados em água, os fosfolipídeos tendem a formar
lipossomos, estruturas forma-das por uma bicamada lipídica,
con...
Ação de limpeza
• Anfifílico
• Emulsificante
• Tensoativo (reduz a tensão superficial da água)
Cremes são formas farmacêuticas constituídas por duas fases, uma oleosa e outra
aquosa. Tem consistência cremosa e fluxo n...
Sabão x Detergente
Sabão- SAL – derivado de ácido graxo
Detergente- SAL – derivado de ácido sulfônico
Produção - Sabão
Método – Hidrólise alcalina de triglicérides
Triol
(hidrofílico)
Saponificação
Impactos ambientais
Biologia – Eutrofização (NPK)
Biologia – Eutrofização (NPK)
OLIGOTRÓFICO
Baixo teor de nutrientes
Boa penetração de Luz
Alta biodiversidadeEntrada
de NP...
Biologia - Eutrofização
Solução - Resíduos
- Todo sabão é biodegradável.
-Os detergentes sintéticos podem ou não ser biodegradáveis.
Sua escolha
Sua escolha
Meu sabonete - glicerinado
E ai? Rodriguinho?
Hidrossolúvel
Lipossolúvel
QUÍMICA
Fábio
QUÍMICA - Ligações
metal
* raio grande
* muito eletropositivo
* cede elétrons
ametal
* raio pequeno
* muito eletronegativo...
QUÍMICA - Ligações
Cloreto de Sódio (Na+Cl-)
* sal de cozinha
* água do mar
* sal gema
* soro fisiológico
* desidrata as c...
QUÍMICA - Ligações
Carbonato de Cálcio
(Ca2+CO3
2-)
* calcário/mármore
* casca do ovo
* corais
* correção pH do solo
* cor...
QUÍMICA - Ligações
Carbonato de Cálcio
(Ca2+CO3
2-)
QUÍMICA - Ligações
Carbonato de Cálcio
(Ca2+CO3
2-)
QUÍMICA - Ligações
QUÍMICA - Ligações
QUÍMICA - Ligações
QUÍMICA - Ligações
QUÍMICA - Usinas
QUÍMICA - Usinas
Eletricidade
QUÍMICA - Usinas
Fluido em movimento
água
ar
vapor d'água
QUÍMICA - Usinas
QUÍMICA - Usinas
QUÍMICA - Usinas
QUÍMICA - Usinas
QUÍMICA - Usinas
QUÍMICA - Usinas
QUÍMICA - Usinas
QUÍMICA - Usinas
QUÍMICA - Usinas
QUÍMICA - Usinas
QUÍMICA - Usinas
Linguagem e Filosofia
Ronaldo Paula
LINGUAGEM / SOCIOLOGIA
O Brasil
Os povos indígenas:
Os portuguesa vindo para o Brasil
O povos africanos vindos para o Bras...
LINGUAGEM / SOCIOLOGIA
Os cinco "brasis"
- O Brasil sertanejo;
- O Brasil crioulo;
- O Brasil caboclo;
- O Brasil caipira;...
LINGUAGEM
Patrimônio Cultural: diversidade
- Patrimônio Natural
- Patrimônio Cultural
 Material
 Imaterial
LINGUAGEM
INSTITUIÇÕES
- UNESCO
- IPHAN
- SECRETARIAS DE CULTURA
QUESTÃO
No dia 1º de julho de 2012, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se
a primeira do mundo a receber o título da Unesco ...
QUESTÃO
O reconhecimento da paisagem em questão como patrimônio mundial
deriva da
A. presença do corpo artístico local.
B....
QUESTÃO
O reconhecimento da paisagem em questão como patrimônio mundial
deriva da
A. presença do corpo artístico local.
B....
Método Cartesiano
As regras auxiliam-nos a adquirir a certeza da
verdade.
Como organizar ideias
REDAÇÃO / FILOSOFIA
As qua...
I. REGISTRO FORMAL É FUNDAMENTAL;
II. COMPREENSÃO DA PROPOSTA (QUE TEMA É ESSE?);
III. SELEÇÃO E ORGANIZAÇÃO DAS INFORMAÇÕ...
1. VALORIZAÇÃO DA PLURALIDADE;
2. RECICLAR;
POSSIBILIDADES
BOA PROVA !!!
Aulão do grupo TOP - revisão
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aulão do grupo TOP - revisão

777 visualizações

Publicada em

Slides da aula de revisão #sejaalunoTOP com o grupo TOP;
Linguagens: Paula
Filosofia: Ronaldo
Física: Antônio Marcos (marquinhos)
Biologia: Emanuel
Geografia: Cadu
História: Miguel
Química; Rodriguinho e Fábio
Matemática: Denilton

Oferecimento: Ruy Barbosa,Área 1 e grupo Devry Brasil

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
777
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aulão do grupo TOP - revisão

  1. 1. Aulão TOP ENEM
  2. 2. Aulão TOP ENEM
  3. 3. Linguagem e Filosofia Ronaldo Paula
  4. 4. LINGUAGEM / FILOSOFIA
  5. 5. DENOTAÇÃO: sentido literal ou objetivo; texto informativo ou argumentativo. CONOTAÇÃO: sentido figurado ou simbólico; texto poético ou subjetivo. POLISSEMIA: mesmo termo/expressão com mais de uma possibilidade de entendimento. LINGUAGEM
  6. 6. SÓCRATES - VERDADE Dialética socrática - A tese é um pensamento; a antítese é um pensamento contrário à tese e o resultado dos dois é a síntese. EXORTAÇÃO – Convite a discutir um tema. O interlocutor coloca uma opinião formada.. INDAGAÇÃO – Questionar o tema, confronto com outras ideias. IRONIA – diálogo que faz vários questionamentos ao suposto conhecimento. MAIÊUTICA – diálogo que ajuda os interlocutores a conceberem as ideias, ou seja, parir suas próprias ideias.
  7. 7. QUESTÃO
  8. 8. Na criação do texto, o chargista Iotti usa criativamente um intertexto: os traços reconstroem uma cena de Guernica, painel de Pablo Picasso que retrata os horrores e a destruição provocados pelo bombardeio a uma pequena cidade da Espanha. Na Charge, publicada no período de carnaval, recebe destaca a figura do carro, elemento introduzido por Iotti no intertexto. Além dessa figura, a linguagem verbal contribui para estabelecer um diálogo a obra de Picasso e charge ao explorar QUESTÃO
  9. 9. a. uma referência ao contexto, "trânsito no feriadão", esclarecendo-se o referente tanto ao texto de Iotti quanto da obra de Picasso. b. uma referência ao tempo presente, com o emprego da forma verbal "é", evidenciando-se atualidade do tema abordado tanto pelo pintor espanhol quanto pelo chargista brasileiro. c. um termo pejorativo, "trânsito", reforçando-se a imagem negativa de mundo caótico presente, tanto em Guernica quanto na charge. d. uma referência temporal, "sempre", referindo-se à permanência de tragédias retratadas tanto em Guernica, quanto na charge. e. uma expressão polissêmica, "quadro dramático", remetendo- se tanto à obra pictórica quanto ao contexto de transito brasileiro. QUESTÃO
  10. 10. a. uma referência ao contexto, "trânsito no feriadão", esclarecendo-se o referente tanto ao texto de Iotti quanto da obra de Picasso. b. uma referência ao tempo presente, com o emprego da forma verbal "é", evidenciando-se atualidade do tema abordado tanto pelo pintor espanhol quanto pelo chargista brasileiro. c. um termo pejorativo, "trânsito", reforçando-se a imagem negativa de mundo caótico presente, tanto em Guernica quanto na charge. d. uma referência temporal, "sempre", referindo-se à permanência de tragédias retratadas tanto em Guernica, quanto na charge. e. uma expressão polissêmica, "quadro dramático", remetendo- se tanto à obra pictórica quanto ao contexto de transito brasileiro. QUESTÃO
  11. 11.  ARTE RUPESTRE: pinturas e esculturas.  ARTE EGÍPCIA: centrada na figura do faraó.  ARTE GREGA: beleza (inata); virtuosidade; arte.  ARTE CRISTÃ: difusão da visão católica. LINGUAGEM
  12. 12. ARTE / FILOSOFIA – PLATÃO PLATÃO E O CONHECIMENTO Dualismo Dois: Mundos: das ideias (inteligível) e da cópia (sentidos). Teoria da Reminiscência Teoria pressupõe a existência de um saber inato que pode ser recordado. Valorização do intelecto.
  13. 13. Ética para quê? Alcançar uma vida virtuosa. Alcançar a via de libertação da alma. Alcançar o bem absoluto. ARTE / FILOSOFIA - PLATÃO Ética para quê? Alcançar uma vida virtuosa. Alcançar a via de libertação da alma. Alcançar o bem absoluto.
  14. 14. ARTE / FILOSOFIA - ARISTÓTELES Aristóteles discorda de Platão. Rejeita a proposta de que existem dois mundos, o sensível e o inteligível. Podemos obter o conhecimento através de observações concretas, feitas no mundo sensível e real.
  15. 15. ARTE / FILOSOFIA - ARISTÓTELES Ética para quê? O fim (telos ou teleológica) do Estado é moral. O bem supremo, vinculado à busca e à realização plena da felicidade, orienta as ações humanas. O homem é um ser social (ponto comum).
  16. 16. No No centro da imagem, o filósofo Platão é retratado apontando para o alto. Esse gesto significa que o conhecimento se encontra em uma instância na qual o homem descobre a a) suspensão do juízo como reveladora da verdade. b) realidade inteligível por meio do método dialético. c) salvação da condição mortal pelo poder de Deus. d) essência das coisas sensíveis no intelecto divino. e) ordem intrínseca ao mundo por meio da sensibilidade. FILOSOFIA - PLATÃO
  17. 17. No No centro da imagem, o filósofo Platão é retratado apontando para o alto. Esse gesto significa que o conhecimento se encontra em uma instância na qual o homem descobre a a) suspensão do juízo como reveladora da verdade. b) realidade inteligível por meio do método dialético. c) salvação da condição mortal pelo poder de Deus. d) essência das coisas sensíveis no intelecto divino. e) ordem intrínseca ao mundo por meio da sensibilidade. FILOSOFIA - PLATÃO
  18. 18. FILOSOFIA - ARISTÓTELES ARISTÓTELES. A Política. São Paulo: Cia. das Letras, 2010. Ao reconhecer na felicidade a reunião dos mais excelentes atributos, Aristóteles a identifica como a) busca por bens materiais e títulos de nobreza. b) plenitude espiritual a ascese pessoal. c) finalidade das ações e condutas humanas. d) conhecimento de verdades imutáveis e perfeitas. e) expressão do sucesso individual e reconhecimento público. A felicidade é portanto, a melhor, a mais nobre e a mais aprazível coisa do mundo, e esses atributos não devem estar separados como na inscrição existente em Delfos “das coisas, a mais nobre é a mais justa, e a melhor é a saúde; porém a mais doce é ter o que amamos”. Todos estes atributos estão presentes nas mais excelentes atividades, e entre essas a melhor, nós a identificamos como felicidade.
  19. 19. FILOSOFIA - ARISTÓTELES ARISTÓTELES. A Política. São Paulo: Cia. das Letras, 2010. Ao reconhecer na felicidade a reunião dos mais excelentes atributos, Aristóteles a identifica como a) busca por bens materiais e títulos de nobreza. b) plenitude espiritual a ascese pessoal. c) finalidade das ações e condutas humanas. d) conhecimento de verdades imutáveis e perfeitas. e) expressão do sucesso individual e reconhecimento público. A felicidade é portanto, a melhor, a mais nobre e a mais aprazível coisa do mundo, e esses atributos não devem estar separados como na inscrição existente em Delfos “das coisas, a mais nobre é a mais justa, e a melhor é a saúde; porém a mais doce é ter o que amamos”. Todos estes atributos estão presentes nas mais excelentes atividades, e entre essas a melhor, nós a identificamos como felicidade.
  20. 20. LINGUAGEM VANGUARDAS EUROPEIAS  FUTURISMO: adequação à vida moderna.  SURREALISMO: libertação do inconsciente.  EXPRESSIONISMO: expressão das vivências íntimas.  CUBISMO: valorização das formas geométricas.  DADAÍSMO: libertação da palavra do seu sentido lógico.
  21. 21. LINGUAGEM
  22. 22. Século XIX e a descontinuidade Marx 1818 - 1883 Nietzsche 1844 - 1900 Freud 1856 - 1939 FILOSOFIA - Desconstrução
  23. 23. FILOSOFIA - Desconstrução Marx: “Não é a consciência dos homens que determina o seu ser, mas, ao contrário, é o seu ser social que determina a sua consciência.” Nietzsche: “não há fatos eternos, como não há verdades absolutas”. Freud: “... até que ponto a evolução cível dos homens conseguirá dominar as perturbações da vida coletiva provocadas por sua pulsão agressiva e autodestruidora”.
  24. 24. QUESTÃO “Todas as manhãs quando acordo, experimento um prazer supremo: o de ser Salvador Dalí.” NÉRET, G. Salvador Dalí. Taschen, 1996. Assim escreveu o pintor dos “relógios moles” e das “girafas em chamas” em 1931. Esse artista excêntrico deu apoio ao general Franco durante a Guerra Civil Espanhola e, por esse motivo, foi afastado do movimento surrealista por seu líder, André Breton. Dessa forma, Dalí criou seu próprio estilo, baseado na interpretação dos sonhos e nos estudos de Sigmund Freud, denominado “método de interpretação paranoico”. Esse método era constituído por textos visuais que demonstram imagens
  25. 25. QUESTÃO a. do fantástico, impregnado de civismo pelo governo espanhol, em que a busca pela emoção e pela dramaticidade desenvolveram um estilo incomparável. b. do onírico, que misturava sonho com realidade e inconsciente como um universo único ou pessoal. c. da linha inflexível da razão, dando vazão a uma forma de produção despojada no traço, na temática e nas formas vinculadas ao real. d. do reflexo que, apesar do termo "paranoico", possui sobriedade e elegância advindas de uma técnica de cores discretas e desenhos precisos. e. da expressão e intensidade entre o consciente e a liberdade, declarando o amor pela forma de conduzir o enredo histórico dos personagens retratados.
  26. 26. QUESTÃO a. do fantástico, impregnado de civismo pelo governo espanhol, em que a busca pela emoção e pela dramaticidade desenvolveram um estilo incomparável. b. do onírico, que misturava sonho com realidade e inconsciente como um universo único ou pessoal. c. da linha inflexível da razão, dando vazão a uma forma de produção despojada no traço, na temática e nas formas vinculadas ao real. d. do reflexo que, apesar do termo "paranoico", possui sobriedade e elegância advindas de uma técnica de cores discretas e desenhos precisos. e. da expressão e intensidade entre o consciente e a liberdade, declarando o amor pela forma de conduzir o enredo histórico dos personagens retratados.
  27. 27. ENEM ACTION
  28. 28. FÍSICA Antônio Marcos
  29. 29. FÍSICA - ONDULATÓRIA ONDAS São perturbações ou vibrações que transportam energia,quantidade de movimento, mas não transportam matéria.
  30. 30. FÍSICA - ONDULATÓRIA Quanto à natureza • Ondas mecânicas: são aquelas que precisam de um meio material para se propagar (não se propagam no vácuo). Exemplo: Ondas em cordas, ondas sonoras (som) e ondas oceânicas. • Ondas eletromagnéticas: Não necessitam de um meio material para se propagar, podendo se propagar no vácuo. Exemplos: Ondas de rádio, de televisão, de luz, raios X, raios laser, ondas de radar etc.
  31. 31. FÍSICA - ONDULATÓRIA Exemplos de Ondas Eletromagnéticas Importante! (C).luzdaevelocidadacom vácuonopropagamseéticaseletromagnondasasTodas smxC /103 8 
  32. 32. FÍSICA - ONDULATÓRIA CRISTA VALE    A A CRISTA ELEMENTOS DE UMA ONDA:
  33. 33. FÍSICA - ONDULATÓRIA ELEMENTOS DE UMA ONDA: PERÍODO(T) Frequência(f): Tempo gasto para completar uma oscilação. Determina o número de oscilações completas da onda em um determinado intervalo de tempo. t n f   T f 1  ou f T 1 Em uma oscilação CRISTA VALE    A A CRISTA VALE
  34. 34. FÍSICA - ONDULATÓRIA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO (V) DAS ONDAS : Considerando uma oscilação completa de uma onda, temos: S =  t = T  V = S / t V =  / T Sendo:f = 1/T V =  . f EQUAÇÃO FUNDAMENTAL
  35. 35. Questão Uma manifestação comum das torcidas em estádios de futebol é a ola mexicana.Os espectadores de uma linha, sem sair do lugar e sem se deslocarem lateralmente, ficam de pé e sentam, sincronizados com os da linha adjacente. O efeito coletivo se propaga pelos espectadores do estádio, formando uma onda progressiva conforme a ilustração. Calcula-se que a velocidade de propagação dessa “onda humana” é 45km/h, e que cada período de oscilação contém 16 pessoas que se levantam e sentam organizadamente e distanciadas entre si por 80cm. Disponível e: www.ufsm. br. Acessado em: 7 dez. 2012 (adaptado) Nessa ola, a frequência da onda, em hertz, é um valor mais próximo de: a) 0,3 b) 0,5 c) 1,0 d) 1,9 e) 3,7
  36. 36. Questão Se cada período de oscilação tem 16 pessoas separadas de 0,8m podemos observar que há 15 espaçamentos entre cada par de pessoas com essa distância, então o comprimento de onda λ=15x0,8=12m. Sendo V=45km/h, convertendo 45/3,6=12,5m/s. Aplicando a equação fundamental, a frequência é dada por  v f  12 5,12 f Hzf 1 ALTERNATIVA:C
  37. 37. Questão Os morcegos são mamíferos voadores que dispõem de um mecanismo denominado biossonar ou ecolocalizador, que permite ações de captura de insetos ou o desvio de obstáculos. Para isso, ele emite um ultrassom a uma distância de 5 m do objeto com uma frequência de 100 kHz e comprimento de onda de 3,5. 10-3 m. Dessa forma, o tempo de persistência acústica (permanência da sensação auditiva) desses mamíferos voadores é, aproximadamente: a) 0,01 s. b) 0,02 s. c) 0,03 s. d) 0,10 s. e) 0,30 s.
  38. 38. Questão A velocidade de propagação do som no ar é determinada por fv . 53 10.10.5.3  v smv /350 O tempo de propagação vale v s t   st 350 5  Contudo a persistência consiste em uma propagação que envolve a emissão e a reflexão, logo, st 03,0 35 1 350 10 
  39. 39. Estudo dos fluidos Princípio de Arquimedes Todo corpo imerso total ou parcialmente num líquido recebe uma força vertical, de baixo para cima, igual ao peso da porção de líquido deslocada pelo corpo. FLUIDOPE  EMPUXO: gmE . gvdE .. gvdE corpofluido .. V m d  Vdm . P E
  40. 40. Estudo dos fluidos Flutuação P E PE  imerso.volumedofluidode pesoaoecorrespondempuxoO
  41. 41. Estudo dos fluidos FLUTUAÇÃO P E
  42. 42. Questões Em um experimento realizado para deter-minar a densidade da água de um lago, foram utilizados alguns materiais, conforme ilustrado: um dinamômetro D com graduação de 0 N a 50 N e um cubo maciço e homo-gêneo de 10 cm de aresta e 3 kg de massa. Inicialmente, foi conferida a calibração do dinamômetro, constatando-se a leitura de 30 N quando o cubo era preso ao dinamômetro e suspenso no ar. Ao mergulhar o cubo na água do lago, até que metade do seu volume ficasse submersa, foi registrada a leitura de 24 N no dinamômetro. Considerando que a aceleração da gravidade local seja de 10 m/s², a densidade da água do lago, em g/cm³, é: A) 0,6 B) 1,2 C) 1,5 D) 2,4 E) 4,8
  43. 43. Questão Solução O dinamômetro indica a medição da tração no fio. No momento inicial não há água no recipiente, daí T=P=30N. Quando atinge a água, surge o Empuxo e determina uma nova relação : PTE  TPE  2430E NE 6 Para determinação do volume do fluido temos que: NE 6 6.. 2 1 . gVd 610.)10.( 2 1 . 31  d 32 /10.12 mKgd  3 /2,1 cmgd  BAALTERNATIV : E T P
  44. 44. FÍSICA - ELETRICIDADE Resistores Resistor é todo dispositivo elétrico que transforma exclusivamente energia elétrica em energia térmica. Simbolicamente é representado por:
  45. 45. FÍSICA - ELETRICIDADE A resistência elétrica (R) é uma medida da oposição ao movimento dos portadores de carga Primeira Lei de OHM : A ddp é diretamente proporcional à intensidade de corrente elétrica, ou seja, U  i. i U R 
  46. 46. FÍSICA - ELETRICIDADE Segunda Lei de Ohm: A l R .  ρ é a resistividade do material, sendo que: Baixa resistividade = Bom condutor Alta resistividade = Mau condutor ρ→0 = Supercondutor.
  47. 47. FÍSICA - ELETRICIDADE Potência elétrica dissipada iuP . R U P 2  2 .iRP  A Potência é determinante para o consumo de energia. O brilho de uma lâmpada é determinado pela potência elétrica dissipada.
  48. 48. FÍSICA - ELETRICIDADE Associação de resistores Associação em Série Uma associação em série de resistores apresenta as seguintes propriedades: 1. A corrente elétrica é a mesma em todos os resistores. 2. A ddp nos extremos da associação é igual à soma das ddps em cada resistor. 3. A resistência equivalente é igual à soma das resistências dos resistores associados.
  49. 49. FÍSICA - ELETRICIDADE Associação em Paralelo • 1. a ddp (voltagens) é a mesma para todos os resistores; • 2. a corrente elétrica total da associação é a soma das correntes elétricas em cada resistor; • 3. o inverso da resistência equivalente é igual à soma dos inversos das resistências associadas;
  50. 50. FÍSICA - ELETRICIDADE Associação em Paralelo PARTICULARIDADES: 21 21. RR RR Req  
  51. 51. Questão Um sistema de iluminação foi construído com um circuito de três lâmpadas iguais conectadas a um gerador (G) de tensão constante. Esse gerador possui uma chave que pode ser ligada nas posições A ou B. Considerando o funcionamento do circuito dado, a lâmpada 1 brilhará mais quando a chave estiver na posição a) B, pois a corrente será maior nesse caso. b) B, pois a potência total será maior nesse caso. c) A, pois a resistência equivalente será menor nesse caso. d) B, pois o gerador fornecerá uma maior tensão nesse caso. e) A, pois a potência dissipada pelo gerador será menor nesse caso.
  52. 52. Questão Denominemos o valor de cada uma das lâmpadas igual a R, já que todas são iguais. Se ligarmos em A, a lâmpada 2 não fará parte do circuito, daí 2 R n R Req  Para a corrente na associação em A, temos: RR i  2 2  Como 1 e 3 são iguais, a corrente para cada lâmpada é: R i   Adote: U=ε
  53. 53. Questão Se ligarmos em B, teremos a equivalência em paralelo das lâmpadas 1 e 3, associadas em série com a lâmpada 2, daí : R R Req  2 2 3R Req  Para a corrente temos: RR i 3 2 2 3   para as lâmpadas 1 e 3 que são iguais e estão em paralelo: R i 3   Comparativamente, como a resistência da lâmpada 1 é constante, então onde há maior corrente, maior será a potência (P=R.i²) e, consequentemente, maior brilho. Portanto, ligando-se na chave A. Alternativa: C
  54. 54. Questão Intervalo Retorno – 10h
  55. 55. Matemática Denilton
  56. 56. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA ANÁLISE COMBINATÓRIA
  57. 57. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA O princípio fundamental de contagem é aplicado em problemas que se organizam em etapas sucessivas e independentes, em que cada uma das etapas possui um determinado número de possibilidades. Considere o problema com as seguintes etapas: •Etapa 1 : m possibilidades; •Etapa 2 : n possibilidades; •Etapa 3 : p possibilidades; •Etapa n : x possibilidades. Pelo Princípio Fundamental de Contagem, o total de possibilidades de agrupamentos é dado pelo produto das possibilidades das etapas, daí m . n . p ........... x possibilidades de agrupamentos.
  58. 58. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA (ENEM) A escrita Braile para cegos é um sistema de símbolos no qual cada caractere é um conjunto de 6 pontos dispostos em forma retangular, dos quais pelo menos um se destaca em relação aos demais.Por exemplo, a letra A é representada por O número total de caracteres que podem ser representados no sistema Braile é 12 b) 31 c) 36 d) 63 e) 720
  59. 59. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA A P1 P2 P3 P4 P5 P6 2 X = 63 possibilidades22 2 2 XXX 2X( ) - 1 64 O número total de caracteres que podem ser representados no sistema Braile é a) 12 b) 31 c) 36 d) 63 e) 720
  60. 60. . MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA (ENEM) O diretor de uma escola convidou os 280 alunos de terceiro ano a participarem de uma brincadeira. Suponha que existem 5 objetos e 6 personagens numa casa de 9 cômodos; um dos personagens esconde um dos objetos em um dos cômodos da casa. O objetivo da brincadeira é adivinhar qual objeto foi escondido por qual personagem e em qual cômodo da casa o objeto foi escondido. Todos os alunos decidiram participar. A cada vez um aluno é sorteado e dá a sua resposta. As respostas devem ser sempre distintas das anteriores, e um mesmo aluno não pode ser sorteado mais de uma vez. Se a resposta do aluno estiver correta, ele é declarado vencedor e a brincadeira é encerrada.
  61. 61. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA O diretor sabe que algum aluno acertará a resposta porque há a) 10 alunos a mais do que possíveis respostas distintas. b) 20 alunos a mais do que possíveis respostas distintas. c) 119 alunos a mais do que possíveis respostas distintas. d) 260 alunos a mais do que possíveis respostas distintas. e) 270 alunos a mais do que possíveis respostas distintas.
  62. 62. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA PERSONAGENS OBJETOS COMODOS 6 5 9X X = 270 possibilidades O diretor de uma escola convidou os 280 alunos de terceiro ano a participarem de uma brincadeira. Suponha que existem 5 objetos e 6 personagens numa casa de 9 cômodos; um dos personagens esconde um dos objetos em um dos cômodos da casa .... O diretor sabe que algum aluno acertará a resposta porque há a) 10 alunos a mais do que possíveis respostas distintas. b) 20 alunos a mais do que possíveis respostas distintas. c) 119 alunos a mais do que possíveis respostas distintas. d) 260 alunos a mais do que possíveis respostas distintas. e) 270 alunos a mais do que possíveis respostas distintas.
  63. 63. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA n ! = n.(n-1).(n-2).(n-3).......1 (n Є N) FATORIAL DEFINIÇÕES ESPECIAIS. 0 ! = 1 1 ! = 1
  64. 64. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA 6! = 6.5.4.3.2.1 = 720 5! = 5.4.3.2.1 = 120 6! = 6.5! EXEMPLO 6! = 6.5.4!
  65. 65. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA ARRANJO SIMPLES SÃO AGRUPAMENTOS DE ELEMENTOS DISTINTOS EM QUE A ORDEM DOS ELEMENTOS É IMPORTANTE. )!( ! , pn n A pn   1204.5.63,6 A
  66. 66. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA Numa Companhia Aérea, a cada três anos, são escolhidos dez funcionários para exercerem cargos de direção, supervisão e coordenação do setor de logística. O número de possibilidades distintas de ocupação dos três cargos é igual a a) 640 b) 680 c) 712 d) 720 e) 768 DIREÇÃO SUPERVISÃO COORDENAÇÃO 7208.9.103,10 A PAULO JOÃO PEDRO PAULO JOÃOPEDRO
  67. 67. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA PERMUTAÇÃO SIMPLES É O ARRANJO SIMPLES EM QUE n = p !, nA nnnP  PERMUTAÇÃO COM REPETIÇÃO !!. !, yx n P yx n 
  68. 68. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA Os pais e a escola - Um futuro melhor “Pesquisa revela que famílias de alunos de escolas públicas esperam encontrar professores e diretores eficientes, e computadores para garantir um bom trabalho para os filhos e menos violência.” Fonte : http://revistaescola.abril.com.br Com base na manchete dada na Revista Escola, o número de anagramas distintos que podem ser formados com as letras da palavra ESCOLA é igual a a) 240 b) 420 c) 560 d) 720 e) 800 P 6 = 6! = 6.5.4.3.2.1 = 720 E S C O L A
  69. 69. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA Ariano Suassuna é um dos grandes nomes da cultura nordestina. Exaltado principalmente pela atuação no teatro brasileiro, o escritor, dramaturgo e poeta fundou o Movimento Armorial nos anos 70, que tinha como objetivo utilizar a cultura popular para formar uma arte erudita. Além de teatrólogo, Suassuna é professor, romancista e advogado. Fonte : http://educacao.globo.com
  70. 70. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA Com base no nome desse grande escritor brasileiro, o número de anagramas distintos que podem ser formados com as letras da palavra SUASSUNA é igual a a) 1240 b) 1426 c) 1570 d) 1680 e) 1800 S U A S S U N A P 2,2,3 8 1680 1.2.1.2!.3 !3.4.5.6.7.8  !2!.2!.3 !8 
  71. 71. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA COMBINAÇÕES SIMPLES SÃO AGRUPAMENTOS DE ELEMENTOS DISTINTOS EM QUE A ORDEM DOS ELEMENTOS NÃO É IMPORTANTE. ! , , p A C pn pn  35 1.2.3 5.6.7 !3 3,7 3,7  A C
  72. 72. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA A casa de sucos Só Sucos tem 20 tipos de frutas no seu estoque. Se um cliente pedir um suco feito com três frutas distintas, quantas opções distintas a Só sucos pode oferecer? a) 734 b) 876 c) 924 d) 1054 e) 1140 CAJÚ MAÇÃ GOIABA 1140 1.2.3 18.19.20 !3 3,20 3,20  A C CAJÚ MAÇÃGOIABA
  73. 73. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA (ENEM) Doze times se inscreveram em um torneio de futebol amador. O jogo de abertura do torneio foi escolhido da seguinte forma: primeiro foram sorteados 4 times para compor o Grupo A. Em seguida, entre os times do Grupo A, foram sorteados 2 times para realizar o jogo de abertura do torneio, sendo que o primeiro deles jogaria em seu próprio campo, e o segundo seria o time visitante. A quantidade total de escolhas possíveis para o Grupo A e a quantidade total de escolhas dos times do jogo de abertura podem ser calculadas através de a) uma combinação e um arranjo, respectivamente. b) um arranjo e uma combinação, respectivamente. c) um arranjo e uma permutação, respectivamente. d) duas combinações. e) dois arranjos.
  74. 74. MATEMÁTICA – ANÁLISE COMBINATÓRIA Doze times : { Bahia, Itabuna, Feirense, Ipiranga, Catuense.....} Grupo A (4 times) Bahia Itabuna Feirence Ipiranga Ipiranga FeirenseItabunaBahia Jogo de abertura (2 times) Próprio campo Visitante Feirense Itabuna FeirenseItabuna Arranjo Simples C 4,12 Combinação Simples A 2,4
  75. 75. BIOLOGIA Emanuel
  76. 76. BIOLOGIA - Ecossistemas  Apresentar uma fonte externa de energia  Possuir um conjunto de elementos que permitam o fluxo de energia e ciclo de matéria
  77. 77. BIOLOGIA - Ecossistemas Fluxo de energia é unidirecional A energia é consumida, dissipada e transferida de um nível trófico para outro Ecossitema Fluxo de matéria é cíclico A matéria circula entre os níveis tróficos
  78. 78. BIOLOGIA - Ecossistemas Espécies nativas Espécies exóticas Competição Predatismo Parasitismo Amensalismo Redução da biodiversidade das espécies nativas
  79. 79. BIOLOGIA - Ecossistemas Uso de predadores, parasitas e feromônios para controlar pragas Redução do uso de produtos químicos Controle biológico
  80. 80. BIOLOGIA - Ecossistemas Sobreposição de nichos Exclusão competitiva Competição interespecífica
  81. 81. Questão No Brasil, cerca de 80% da energia elétrica advém de hidrelétricas, cuja construção implica o represamento de rios. A formação de um reservatório para esse fim, por sua vez, pode modificar a ictiofauna local. Um exemplo é o represamento do Rio Paraná, onde se observou o desaparecimento de peixes cascudos quase que simultaneamente ao aumento do número de peixes de espécies exóticas introduzidas, como o mapará e a corvina, as três espécies com nichos ecológicos semelhantes Nessa modificação da ictiofauna, o desaparecimento de cascudos é explicado pelo(a) A) redução do fluxo gênico da espécie nativa. B) diminuição da competição intraespecífica. C) aumento da competição interespecífica. D) isolamento geográfico dos peixes. E) extinção de nichos ecológicos
  82. 82. Questão Apesar de belos e impressionantes, corais exóticos encontrados na Ilha Grande podem ser uma ameaça ao equilíbrio dos ecossistemas do litoral do Rio de Janeiro. Originários do Oceano Pacífico, esses organismos foram trazidos por plataformas de petróleo e outras embarcações, provavelmente na década de 1980, e disputam com as espécies nativas elementos primordiais para a sobrevivência, como espaço e alimento. Organismos invasores são a segunda maior causa de perda de biodiversidade, superados somente pela destruição direta de hábitats pela ação do homem. As populações de espécies invasoras crescem indefinidamente e ocupam o espaço de organismos nativos As populações de espécies invasoras crescem bastante por terem a vantagem de A) não apresentarem genes deletérios no seu pool gênico. B) não possuírem parasitas e predadores naturais presentes no ambiente exótico. C) apresentarem características genéticas para se adaptarem a qualquer clima ou condição ambiental. D) apresentarem capacidade de consumir toda a variedade de alimentos disponibilizados no ambiente exótico. E) apresentarem características fisiológicas que lhes conferem maior tamanho corporal que o das espécies nativas.
  83. 83. BIOLOGIA- Ecossistemas Bioacumulação Poder residual Compostos não biodegradáveis P O L U E N T E Magnificação trófica
  84. 84. BIOLOGIA- Ecossistemas Consiste na utilização de seres vivos ou de suas enzimas na recuperação de áreas contaminadas. Prevenir ou remediar ? BIORREMEDIAÇÃO
  85. 85. BIOLOGIA- Ecossistemas
  86. 86. BIOLOGIA- Ecossistemas
  87. 87. BIOLOGIA – Ácidos nucléicos
  88. 88. BIOLOGIA – Ácidos nucléicos
  89. 89. BIOLOGIA – Ácidos nucléicos Transcrição Transcrição Tradução RNA RNA PROTEÍNA Gene A (Ativo) Gene B (Inativo) Sem Transcrição
  90. 90. BIOLOGIA – Ácidos nucléicos Eucariontes Separação espacial e temporal entre transcrição e tradução
  91. 91. BIOLOGIA – Ácidos nucléicos Gene A E1 DNA E2 E3 E4 Transcrito primário E1 E2 E3 E4 RNAm1 – Proteína A1 E3 E1 E4 E2 E4 E2 E3 E1 RNAm2 – Proteína A2 RNAm3 – Proteína A3 Splicing alternativo I I I 1 Gene Várias proteínas Fluxo da informação gênica
  92. 92. BIOLOGIA – Ácidos nucléicos A figura seguinte representa um modelo de transmissão da informação genética nos sistemas biológicos. No fim do processo, que inclui a replicação, a transcrição e a tradução, há três formas protéicas diferentes denominadas a, b e c.
  93. 93. BIOLOGIA – Ácidos nucléicos Depreende-se do modelo que a) a única molécula que participa da produção de proteínas é o DNA. b) o fluxo de informação genética, nos sistemas biológicos, é unidirecional. c) as fontes de informação ativas durante o processo de transcrição são as proteínas. d) é possível obter diferentes variantes protéicas a partir de um mesmo produto de transcrição. e) a molécula de DNA possui forma circular e as demais moléculas possuem forma de fita simples linearizadas
  94. 94. ´Va BIOLOGIA – Ácidos nucléicos DNA mt DNA Nuclear DNA mitocondrial (DNA mt) DNA circular Várias cópias por célula Origem materna
  95. 95. BIOLOGIA – Ácidos nucléicos DNA genômico DNA mt
  96. 96. BIOLOGIA – Ácidos nucléicos Uma vítima de acidente de carro foi encontrada carbonizada devido a uma explosão. Indícios, como certos adereços de metal usados pela vítima, sugerem que a mesma seja filha de um determinado casal. Uma equipe policial de perícia teve acesso ao material biológico carbonizado da vítima, reduzido, praticamente, a fragmentos de ossos. Sabe-se que é possível obter DNA em condições para análise genética de parte do tecido interno de ossos. Os peritos necessitam escolher, entre cromossomos autossômicos, cromossomos sexuais (X e Y) ou DNAmt (DNA mitocondrial), a melhor opção para identificação do parentesco da vítima com o referido casal. Sabe-se que, entre outros aspectos, o número de cópias de um mesmo cromossomo por célula maximiza a chance de se obter moléculas não degradadas pelo calor da explosão.
  97. 97. BIOLOGIA – Ácidos nucléicos Com base nessas informações e tendo em vista os diferentes padrões de herança de cada fonte de DNA citada, a melhor opção para a perícia seria a utilização a) do DNAmt, transmitido ao longo da linhagem materna, pois, em cada célula humana, há várias cópias dessa molécula. b) do cromossomo X, pois a vítima herdou duas cópias desse cromossomo, estando assim em número superior aos demais. c) do cromossomo autossômico, pois esse cromossomo apresenta maior quantidade de material genético quando comparado aos nucleares, como, por exemplo, o DNAmt. d) do cromossomo Y, pois, em condições normais, este é transmitido integralmente do pai para toda a prole e está presente em duas cópias em células de indivíduos do sexo feminino. e) de marcadores genéticos em cromossomos autossômicos, pois estes, além de serem transmitidos pelo pai e pela mãe, estão presentes em 44 cópias por célula, e os demais, em apenas uma.
  98. 98. BIOLOGIA – Evolução Lamarck O meio como agente modificador Experimentalismo ? Genética ? Uso e desuso Caracteres adquiridos
  99. 99. BIOLOGIA – Evolução Darwin O meio como agente selecionador Reprodução diferencial Genética ?
  100. 100. BIOLOGIA – Evolução
  101. 101. BIOLOGIA – Evolução  Darwin insere o homem na escala evolutiva  Proposta de um ancestral comum
  102. 102. BIOLOGIA – Evolução  Inconstância das espécies  Ancestralidade comum  Processo lento, gradual e ramificado  Seleção natural
  103. 103. BIOLOGIA – Evolução Adaptação Modificação ambiental Pressões Seletivas Variabilidade intraespecífica Mutações Recombinação Genética
  104. 104. BIOLOGIA – Evolução Alguns anfíbios e répteis são adaptados à vida subterrânea. Nessa situação, apresentam algumas características corporais como, por exemplo, ausência de patas, corpo anelado que facilita o deslocamento no subsolo e, em alguns casos, ausência de olhos. Suponha que um biólogo tentasse explicar a origem das adaptações mencionadas no texto utilizando conceitos da teoria evolutiva de Lamarck. Ao adotar esse ponto de vista, ele diria que a) as características citadas no texto foram originadas pela seleção natural. b) a ausência de olhos teria sido causada pela falta de uso dos mesmos, segundo a lei do uso e desuso. c) o corpo anelado é uma característica fortemente adaptativa, mas seria transmitida apenas à primeira geração de descendentes. d) as patas teriam sido perdidas pela falta de uso e, em seguida, essa característica foi incorporada ao patrimônio genético e então transmitida aos descendentes. e) as características citadas no texto foram adquiridas por meio de mutações e depois, ao longo do tempo, foram selecionadas por serem mais adaptadas ao ambiente em que os organismos se encontram
  105. 105. BIOLOGIA - Câncer Vantagem proliferativa Carcinogênese
  106. 106. BIOLOGIA - Câncer Autosuficiência em sinais proliferativos 01
  107. 107. BIOLOGIA - Câncer02 ALTERAÇÃO NO CICLO CELULAR (supressão de G1)
  108. 108. BIOLOGIA - Câncer03 COMPROMETIMENTO DA INIBIÇÃO POR CONTATO
  109. 109. BIOLOGIA - Câncer04 Evasão da apoptose
  110. 110. BIOLOGIA - Câncer05 IMORTALIDADE EFETIVA (telômeros e telomerase)
  111. 111. BIOLOGIA - Câncer06 ANGIOGÊNESE SUSTENTADA
  112. 112. BIOLOGIA - Câncer07 INVASÃO E METÁSTASE
  113. 113. BIOLOGIA - Câncer Atualmente, os pacientes suspeitos de serem portadores de câncer contam com aparelhos precisos para o diagnóstico da doença. Um deles é o PET-CT, uma fusão da medicina nuclear com a radiologia. “Esse equipamento é capaz de rastrear o metabolismo da glicose e, consequentemente, as células tumorais”, afirma um dos médicos especialistas. O exame consiste na injeção de um radiofármaco (glicose marcada pelo material radioativo Flúor 18) que se distribui pelo organismo, gerando imagens precisas que, registradas pelo equipamento, permitem associar anatomia interna e funcionamento. Dentre as características das células tumorais que favorecem o emprego do PET-CT, pode-se dizer que apresentam
  114. 114. BIOLOGIA - Câncer a) alto metabolismo e, consequentemente, consumo excessivo de glicose. Além disso, apresentam alto índice mitótico, falta de inibição por contato e capacidade para se instalarem em diferentes tecidos. b) alto metabolismo e, consequentemente, consumo excessivo de glicose. Além disso, apresentam inibição por contato, o que favorece o desenvolvimento de tumores localizados. c) alto metabolismo, o que favorece o acúmulo de glicose no hialoplasma. Além disso, apresentam alto índice mitótico, o que favorece a distribuição da glicose marcada por todo o tecido. d) baixo metabolismo e, consequentemente, consumo excessivo de glicose. Além disso, apresentam baixo índice mitótico e inibição por contato, o que leva à instalação das células cancerosas em diferentes tecidos. e) baixo metabolismo, o que favorece o acúmulo de glicose na área vascularizada ao redor do tecido tumoral. Além disso, apresentam intensa morte celular, o que provoca a migração de macrófagos marcados para a área do tecido doente
  115. 115. GEOGRAFIA Cadu
  116. 116. ENEM 2009 – 2013 GEOGRAFIA GEOGRAFIA
  117. 117. RAIO – X: GEOGRAFIA
  118. 118. GEOGRAFIA – Meio Ambiente
  119. 119.  CLIMATOLOGIA do BRASIL  Predominam climas quentes e úmidos no território brasileiro, que tem como fator determinante a posição geográfica (quase inteiramente tropical);  O relevo (altitude) exerce também grande influência, apesar do país não possuir grandes elevações.  Grande influência das massas de ar. Destaque também para a ZCIT no clima da Amazônia. GEOGRAFIA – Meio Ambiente
  120. 120. MASSAS DE AR X CLIMAS DO BRASIL GEOGRAFIA – Meio Ambiente
  121. 121. GEOGRAFIA ZONA DE CONVERGÊNCIA INTERTROPICAL
  122. 122. GEOGRAFIA – Meio Ambiente ENEM - 2014
  123. 123. AMAZÔNICO MATA ATLÂNTICA HETERÓCLITAS, LATIFOLIADA, PERENIFÓLIAS E MEGATÉRMICAS GEOGRAFIA – Meio Ambiente
  124. 124. CAATINGA CERRADO TROPÓFILA, MEGATÉRMICA, ARBUSTIVA e LENHOSA SOLO ÁCIDO (latossolo) MEGATÉRMICA, XERÓFILA e ARBUSTIVA SOLO ALCALINO, RASO e PEDREGOSO (litossolo) GEOGRAFIA – Meio Ambiente
  125. 125. MESOTÉRMICA, HOMÓCLITA e ACICULIFOLIADA SOLO VULCÂNICO (fértil) MESOTÉRMICA, GRAMÍNEAS/HERBÁCEAS MATA DE ARAUCÁRIA PAMPAS GEOGRAFIA – Meio Ambiente
  126. 126. GEOGRAFIA – Meio Ambiente ENEM - 2013
  127. 127.  HIDROGRAFIA do BRASIL CURIOSIDADES SOBRE A ÁGUA - A água é o destino final de todo poluente que tenha sido lançado no planeta. - As doenças transmitidas pela água são responsáveis por mais da metade das internações no Brasil (Ministério da Saúde): GEOGRAFIA – Meio Ambiente
  128. 128. GEOGRAFIA – Meio Ambiente USOS DA ÁGUA Uso consuntivo Uso não consuntivo
  129. 129. GEOGRAFIA – Meio Ambiente Os rios brasileiros... • Exorréicos e perenes; • Predomínio de regimes pluviais; • Predomínio de rios de planaltos. IMPORTANTE
  130. 130. GEOGRAFIA – Meio Ambiente OS AQUÍFEROS
  131. 131. GEOGRAFIA – Meio Ambiente ENEM - 2014
  132. 132. GEOGRAFIA – Meio Ambiente DESERTIFICAÇÃO • Desertificação é um fenômeno antrópico, relacionado ao processo de perda da capacidade produtiva do solo. • Desertização é um processo natural que independe da ação antrópica sendo ecologicamente um fato acabado.
  133. 133. GEOGRAFIA – Meio Ambiente O CASO DO MAR DE ARAL • Com uma área equivalente à dos estados do RJ e AL juntos, era um verdadeiro oásis. Suas águas estão densamente salinizadas.
  134. 134. GEOGRAFIA – Meio Ambiente ENEM - 2014
  135. 135. GEOGRAFIA – Economia
  136. 136. GEOGRAFIA – Economia • Atual interdependência entre os países nos setores comerciais, industriais, financeiros e tecnológicos. • Características: - “Aniquilamento” da relação espaço-tempo; - Aumento na velocidade de transportes; - Aumento na velocidade da comunicação; - Formação de uma “Aldeia Global”. Globalização
  137. 137. AS “3 GLOBALIZAÇÕES” • FÁBULA; • PERVERSA; • POSSIBILIDADE. GEOGRAFIA – Economia
  138. 138. GEOGRAFIA Com a Globalização o regionalismo (blocos e associações econômicas) ganhou força e a união econômica entre os países passou a fazer muito sucesso. REGIONALISMO ECONÔMICO
  139. 139. GEOGRAFIA – Economia ENEM - 2014
  140. 140. GEOGRAFIA – Economia ENEM - 2014
  141. 141. GEOGRAFIA – Economia ENEM - 2013
  142. 142. GEOGRAFIA – Economia ENEM - 2013
  143. 143. GEOGRAFIA – População
  144. 144. GEOGRAFIA – População
  145. 145. GEOGRAFIA - População CONCEITOS  POP. ABSOLUTA: Número total de hab. de uma área;  POP. RELATIVA: Refere-se à densidade demográfica;  TX. DE MORTALIDADE: Nº de óbitos a cada ano em cada mil hab.;  TX. DE NATALIDADE: Nº de nascimentos a cada ano em cada mil hab.;  TX. DE FECUNDIDADE: Nº médio de filhos por mulher em idade reprod.;  EXPECTATIVA DE VIDA: Nº médio de anos que uma pessoa sobrevive;  MÉDIA DE VIDA: Idade média de uma determinada população.
  146. 146. GEOGRAFIA - População ENEM - 2013
  147. 147. GEOGRAFIA - População ENEM - 2012
  148. 148. GEOGRAFIA - População ENEM - 2014
  149. 149. GEOGRAFIA - População ENEM - 2011
  150. 150. GEOGRAFIA - Geologia
  151. 151. GEOGRAFIA - Geologia Agentes do Relevo No estudo das formas de relevo da superfície terrestre temos que levar em consideração os agentes de transformações:  Internos (endógenos)  Externos (exógenos)
  152. 152. GEOGRAFIA - Geologia TECTONISMO Tectonismo ou diastrofismo é um termo geral relativo a todos os movimentos da crosta terrestre com origem em processos tectônicos.
  153. 153. GEOGRAFIA - Geologia
  154. 154. ENEM - 2014 GEOGRAFIA - Geologia
  155. 155. ENEM - 2012 GEOGRAFIA - Geologia
  156. 156. ENEM - 2012 GEOGRAFIA - Geologia
  157. 157. Revisão para a Bahiana de Medicina (Outubro)
  158. 158. Intervalo para Almoço Retorno - 13h30
  159. 159. HISTÓRIA Miguel
  160. 160. República Velha (1889 – 1930)  Supremacia econômica e política de Minas Gerais e de São Paulo  Política do “Café-Com-Leite”  Coronelismo Voto de cabresto  Voto aberto – Grandes fraudes eleitorais  Persistência da economia e da sociedade agrárias HISTÓRIA – Brasil 1889-1945  Supremacia econômica e política de Minas Gerais e de São Paulo.  Política do “Café-Com-Leite”  Coronelismo Voto de cabresto  Voto aberto – Grandes fraudes eleitorais  Persistência da economia e da sociedade agrárias República Velha (1889 – 1930)
  161. 161. Não se pode esquecer Não se pode esquecer: Guerra de Canudos 1896-1897  Revolta da Vacina (1902)  Ciclo da Borracha/Cacau – Compra do Acre  Surto Industrial – Movimentos Operários  Semana de Arte Moderna de 1922  Crise na Sucessão de Washington Luiz  A Revolução de 1930 HISTÓRIA – Brasil 1889-1945
  162. 162. •Direitos Trabalhistas HISTÓRIA – Brasil 1889-1945 O “Desmonte” do Café-Com-Leite  A Reação Paulista – A Revolução de 1932  A Constituição de 1934 • Voto feminino • Criação da Justiça Eleitoral • Voto Secreto •Direitos Trabalhistas •jornada de trabalho limitação a 48 hs. •Criação de sindicatos •Férias anuais remuneradas •Repouso semanal remunerado A Era de Vargas (1930 – 1954)
  163. 163. HISTÓRIA – Brasil 1889-1945 A Era de Vargas A Industrialização O “flerte” com o Nazismo As Pressões Americanas A Cessão das Bases Nordestinas – A C.S.N A Impossibilidade da Ditadura – O Queremismo  A Renúncia e o Período Dutra
  164. 164. Visões de nossa história
  165. 165. Questões Observe a gravura a seguir, que fazia parte de uma peça de propaganda política do Partido Democrático.
  166. 166. Questões 1) A partir do que a gravura sugere, pode-se dizer que ela faz alusão à prática da: a) fraude eleitoral exercida durante o Estado Novo pelas oligarquias regionais, por meio dos novos órgãos de controle social criados durante a ditadura varguista. b) compra de votos pelas oligarquias regionais do Segundo Reinado, que tiravam proveito da precária situação econômica da maior parte do eleitorado brasileiro. c) fraude eleitoral exercida durante o período da ditadura militar pelas elites financeiras, que utilizavam recursos públicos e privados para influir nos sufrágios. d) compra do voto pelas elites financeiras do Primeiro Reinado, que se valiam da ausência de democracia para exercer seus mecanismos de pressão no eleitorado. e) manipulação eleitoral exercida pelas oligarquias regionais da República Velha, assentada no controle dos eleitores através do chamado "voto de cabresto".
  167. 167. Questões Há poucos dias as picaretas, entoando um hino jubiloso, iniciaram os trabalhos da construção da Avenida Central,pondo abaixo as primeiras casas condenadas". Olavo Bilac. Revista Kosmos, março de 1904. "No Largo do Depósito, onde já chegavam as forças em seu avanço, travava-se um tremendo tiroteio. Numerosos mortos e feridos. Notabilizou-se pela sua bravura um negro de porte e musculatura de atleta - Pata Negra. Era o chefe da sedição no bairro." Jornal do Comércio, 16 de novembro de 1904. . 2) Considere os trechos abaixo:
  168. 168. Questões Os textos acima referem-se a dois acontecimentos significativos ocorridos na cidade do Rio de Janeiro, na primeira década do século XX. Foram eles, respectivamente: a) a Proclamação da República e a Revolta da Vacina. b) o Encilhamento e a Revolta da Armada. c) a Reforma Urbana e a Revolta da Vacina. d) a construção do Palácio Monroe e a Revolta de Canudos. e) a campanha contra a febre amarela e a destruição dos cortiços
  169. 169. Questões 3) Em 21 de dezembro de 1941, Getúlio Vargas recebeu Osvaldo Aranha, seu ministro das Relações Exteriores, para uma reunião. Leia alguns trechos do diário do presidente: "À noite, recebi o Osvaldo. Disse-me que o governo americano não nos daria auxílio, porque não confiava em elementos do meu governo, que eu deveria substituir. Respondi que não tinha motivos para desconfiar dos meus auxiliares, que as facilidades que estávamos dando aos americanos não autorizavam essas desconfianças, e que eu não substituiria esses auxiliares por imposições estranhas.“ VARGAS, Getúlio, Diário. São Paulo / Rio de Janeiro, Siciliano/ Fundação Getúlio Vargas, 1995, vol. II, p. 443. A alternativa que tece considerações verdadeiras a respeito desse período é:
  170. 170. Questões a) As desconfianças norte-americanas eram completamente infundadas porque não havia nenhum simpatizante do nazifascismo entre os integrantes do governo brasileiro. b) Com sua política pragmática, Vargas negociou vantagens econômicas com o governo americano e manteve em seu governo simpatizantes dos regimes nazi- fascistas. c) Apesar das semelhanças entre o Estado Novo e os regimes fascistas, Vargas não permitiu nenhum tipo de relacionamento diplomático entre o Brasil e os países do Eixo. d) No alto escalão do governo Vargas havia uma série de simpatizantes do regime comunista da União Soviética e de seu líder Joseph Stalin. e) As pressões do governo norte-americano levaram Vargas a demitir seu ministro da Guerra, o general Eurico Gaspar Outra, admirador dos regimes nazifascistas.
  171. 171. Questões
  172. 172. Questões A criação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE), para recolher fundos para a criação de empresas estatais de energia, transporte, siderurgia; a criação do Instituto Brasileiro do Café (IBC) e a do Ministério da Saúde (que se desliga do Ministério da Educação); a formulação de um Plano Geral de Industrialização; a criação do Serviço de Bem-Estar Social, do Instituto de Migração e Colonização, do Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq) foram realizações: a) do governo de Getúlio Vargas (1951-1954); b) do governo de Eurico Dutra (1946-1950); c) do governo de Juscelino Kubitschek (1956-1961); d) do governo de João Goulart ( 1961-1964 ); e) do governo do Marechal Castello Branco (1964-1967).
  173. 173. Questões “A implantação da Usina de Volta Redonda, no estado do Rio de Janeiro, e a forma de sua constituição ficaram definidas em julho de 1940. Foi financiada por créditos americanos, concedidos pelo Export-Import Bank, e por recursos do governo brasileiro. Seu controle ficou nas mãos de uma empresa de economia mista, a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).” ( O texto faz referência: a) Ao processo de consolidação da indústria de base no Brasil, revelando o viés socialista do governo Vargas. b) Iniciou um processo de reconstrução das relações entre Estados Unidos e Brasil, interrompidas quando Getúlio passou a apoiar militarmente as potências do Eixo. c) Impediu que o país tivesse uma dependência para com os produtos industrializados importados, pois o Brasil passou a ser autossuficiente na produção de bens de consumo. d) Aumentou a influência norte-americana no Brasil, revelando os fortes laços de submissão que Vargas sempre teve com os Estados Unidos. e) Criou as bases para um processo de industrialização, na medida que criou a primeira siderúrgica do país, diminuindo a dependência para com as importações de aço
  174. 174. MATEMÁTICA Denilton
  175. 175. MATEMÁTICA – PROBABILIDADE RAZÃO PROBABILIDADE
  176. 176. MATEMÁTICA - RAZÃO O conceito de razão está associado à comparação de quantidades, por exemplo, quando relacionamos o número de óbitos causados pela infecção do vírus Ebola no mundo e o número de pessoas que contraíram o vírus. Daí, a razão pode ser representada por uma fração 0, b b a
  177. 177. MATEMÁTICA - RAZÃO O Curso de Engenharia Civil da UFMG tem 400 alunos. O número de moças e de rapazes do curso, está na razão de 2 moças para 3 rapazes. O número de rapazes é igual a a) 120 b) 160 c) 240 d) 300 e) 360
  178. 178. MATEMÁTICA - RAZÃO O Curso de Engenharia Civil da UFMG tem 400 alunos. O número de moças e de rapazes do curso, está na razão de 2 moças para 3 rapazes. O número de rapazes é igual a a) 120 b) 160 c) 240 d) 300 e) 360 Resolução: Seja x o número de moças e y número de rapazes pertencentes ao Curso de Engenharia Civil, daí 240 3 2400 3 2 400              y y y y x yx
  179. 179. MATEMÁTICA - RAZÃO RAZÕES ESPECIAIS realmedida desenhonomedida Escala  área teshabidenúmero ademográficDensidade tan  volume corpodomassa corpodoDensidade  gastotempo percorridadistância médiaVelocidade 
  180. 180. MATEMÁTICA – RAZÃO (ENEM) Um biólogo mediu a altura de cinco árvores distintas e representou-as em uma mesma malha quadriculada, utilizando escalas diferentes, conforme indicações na figura a seguir. Qual é a árvore que apresenta a maior altura real? a) I b) II c) III d) IV e) V
  181. 181. MATEMÁTICA – RAZÃO cuH H .900 100 19 1 1  cuH H .450 100 29 2 2  cuH H .900 300 26 3 3  cuH H .1350 300 15,4 4 4  cuH H .675 300 25,4 5 5  Qual é a árvore que apresenta a maior altura real? a) I b) II c) III d) IV e) V
  182. 182. MATEMÁTICA - RAZÃO (ENEM) Cerca de 20 milhões de brasileiros vivem na região coberta pela caatinga, em quase 800 mil Km² de área. Quando não chove, o homem do sertão e sua família precisam caminhar quilômetros em busca da água dos açudes. A irregularidade climática é um dos fatores que mais interferem na vida do sertanejo. Disponível em: http://www.wwf.org.br. Acesso em: 23 abr. 2010. Segundo este levantamento, a densidade demográfica da região coberta pela caatinga, em habitantes por km² , é de a) 250. b) 25. c) 2,5. d) 0,25. e) 0,025. ²000.800 tan000.000.20 km teshabi Dd  ² 25 km habiantes 
  183. 183. MATEMÁTICA – PROBABILIDADE )( )( Un En P  PROBABILIDADE DO EVENTO n(E) : NÚMERO DE ELEMENTOS DO EVENTO n(U) : NÚMERO DE ELEMENTOS DO ESPAÇO AMOSTRAL
  184. 184. MATEMÁTICA – PROBABILIDADE No Teatro Municipal de São Paulo, ao término de um espetáculo, uma promotora de eventos fez uma pesquisa na qual se perguntava a peça teatral que o entrevistado gostaria de assistir “MacBeth“ ou “Hamlet”. Os resultados obtidos foram os seguintes: – o “MacBeth” obteve 670 votos; – o “Hamlet” obteve 630 votos; – 300 pessoas votaram nas duas peças; – 250 pessoas votaram contra as duas peças. Escolhendo-se aleatoriamente um dos votantes, qual é a probabilidade de ele ter votado apenas no “MacBeth” ou “Hamlet”? 25 7 )a 25 11 )b 25 17 )e 25 14 )d 25 13 )c
  185. 185. MATEMÁTICA – PROBABILIDADE 300 330370 U A B Probabilidade do Evento Espaço Amostral U = { E1 , E2 , E3 ,........E1250 N(U) = 370 + 300 + 330 + 250 = 1250 EVENTO : Assistir apenas “MacBeth“ ou “Hamlet” N(E) = 370 + 330 = 700 )( )( Un En P  25 14  P 1250 700  - o “MacBeth” obteve 670 votos; - o “Hamlet” obteve 630 votos; - 300 pessoas votaram nas duas peças; - 250 pessoas votaram contra as duas peças. 250
  186. 186. MATEMÁTICA – PROBABILIDADE Uma urna tem 50 bolas, das quais 20 são vermelhas e 30 são azuis. Sorteando-se duas bolas dessa urna, uma de cada vez, sem reposição, qual a probabilidade da primeira bola ser vermelha e a segunda ser azul? 49 10 )a 49 11 )b 49 12 )c 49 13 )d 49 14 )e
  187. 187. MATEMÁTICA – PROBABILIDADE Primeira vermelha e Segunda azul 50 20 49 30x 49 12 P P Sorteando-se duas bolas dessa urna, uma de cada vez, sem reposição, qual a probabilidade da primeira bola ser vermelha e a segunda ser azul?
  188. 188. MATEMÁTICA – PROBABILIDADE PROBABILIDADE DA UNIÃO DE EVENTOS )()()()( BAPBPAPBAP  
  189. 189. MATEMÁTICA – PROBABILIDADE TURMA A TURMA B TURMA C NÚMERO DE RAPAZES 18 21 17 NÚMERO DE MOÇAS 22 19 23 Na tabela abaixo os dados referem-se aos alunos matriculados nas três turmas de um curso de Espanhol oferecido gratuitamente pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Com base nesses dados, é correto afirmar que sorteando-se um estudante do curso, a probabilidade de ser uma moça ou ser da turma B é igual a 24 13 )a 24 15 )b 24 17 )c 24 19 )d 24 23 )e
  190. 190. MATEMÁTICA – PROBABILIDADE TURMA A TURMA B TURMA C NÚMERO DE RAPAZES 18 21 17 NÚMERO DE MOÇAS 22 19 23 Com base nesses dados, é correto afirmar que sorteando-se um estudante do curso, a probabilidade de ser uma moça ou ser da turma B é igual a )()()()( BMPBPMPBMP                       120 19 120 1921 120 231922 )( BMP 120 19 120 40 120 64 )(  BMP 24 17 120 85 )(  BMP
  191. 191. QUÍMICA Rodrigo
  192. 192. Química – Um banho Na concorrência Só água limpa?
  193. 193. Química – Um banho Na concorrência LípidiosA água Geometria angular Molécula Polar Forma pontes de Hidrogênio Bom solvente de substâncias polares Caráter apolar – óleos e gorduras de origem vegetal e animal.
  194. 194. Química – Como limpar?
  195. 195. Química - Sabão HIDROFÓBICO HIDROFÍLICO ANFIFÍLICO
  196. 196. Sabão – Limpeza
  197. 197. Quando colocados em água, os fosfolipídeos tendem a formar lipossomos, estruturas forma-das por uma bicamada lipídica, conforme mostrado na figura. Quando rompida, essa estrutura tende a se reorganizar em um novo lipossomo. Esse arranjo característico se deve ao fato de os fosfolipídios apresentarem uma natureza: a) polar, ou seja, serem inteiramente solúveis em água. b) apolar, ou seja, não serem solúveis em solução aquosa. c) anfotérica, ou seja, podem comportar-se como ácidos e bases. d) insaturada, ou seja, possuírem duplas ligações em sua estrutura. e) anfifílica, ou seja, possuírem uma parte hidrofílica e outra hidrofóbica.
  198. 198. Ação de limpeza • Anfifílico • Emulsificante • Tensoativo (reduz a tensão superficial da água)
  199. 199. Cremes são formas farmacêuticas constituídas por duas fases, uma oleosa e outra aquosa. Tem consistência cremosa e fluxo newtoniano ou pseudoplástico, devido ao seu alto teor do componente aquoso. As preparações farmacêuticas designadas por cremes são emulsões semi-sólidas contendo fármacos medicamentosos dissolvidos ou suspensos nas suas fases aquosas ou oleosas. Disponível em: http://dicasdefarmacotecnica.blogspot.com.br/2013 /01/cremes.html Para preparar um creme contendo óleo/ fase aquosa, são utilizados agentes emulsificantes, substâncias acrescentadas com a finalidade de misturar a fase oleosa na aquosa. Os emulsificantes são utilizados na fabricação de cremes pelo fato de serem: a) Anfipróticos b) Hidrofóbicos c) Polares d) Iônicos e) Anfifílicos
  200. 200. Sabão x Detergente Sabão- SAL – derivado de ácido graxo Detergente- SAL – derivado de ácido sulfônico
  201. 201. Produção - Sabão Método – Hidrólise alcalina de triglicérides Triol (hidrofílico) Saponificação
  202. 202. Impactos ambientais
  203. 203. Biologia – Eutrofização (NPK)
  204. 204. Biologia – Eutrofização (NPK) OLIGOTRÓFICO Baixo teor de nutrientes Boa penetração de Luz Alta biodiversidadeEntrada de NPK Entrada de NPK EUTRÓFICO Alto teor de nutrientes Proliferação anaeróbica Baixa biodiversidade Floração das águas Baixa penetração de luz Redução dos teores de O2
  205. 205. Biologia - Eutrofização
  206. 206. Solução - Resíduos - Todo sabão é biodegradável. -Os detergentes sintéticos podem ou não ser biodegradáveis.
  207. 207. Sua escolha
  208. 208. Sua escolha
  209. 209. Meu sabonete - glicerinado
  210. 210. E ai? Rodriguinho?
  211. 211. Hidrossolúvel
  212. 212. Lipossolúvel
  213. 213. QUÍMICA Fábio
  214. 214. QUÍMICA - Ligações metal * raio grande * muito eletropositivo * cede elétrons ametal * raio pequeno * muito eletronegativo * ganha elétrons
  215. 215. QUÍMICA - Ligações Cloreto de Sódio (Na+Cl-) * sal de cozinha * água do mar * sal gema * soro fisiológico * desidrata as células * osmose
  216. 216. QUÍMICA - Ligações Carbonato de Cálcio (Ca2+CO3 2-) * calcário/mármore * casca do ovo * corais * correção pH do solo * corroído por chuva ácida * reage com ácidos
  217. 217. QUÍMICA - Ligações Carbonato de Cálcio (Ca2+CO3 2-)
  218. 218. QUÍMICA - Ligações Carbonato de Cálcio (Ca2+CO3 2-)
  219. 219. QUÍMICA - Ligações
  220. 220. QUÍMICA - Ligações
  221. 221. QUÍMICA - Ligações
  222. 222. QUÍMICA - Ligações
  223. 223. QUÍMICA - Usinas
  224. 224. QUÍMICA - Usinas Eletricidade
  225. 225. QUÍMICA - Usinas Fluido em movimento água ar vapor d'água
  226. 226. QUÍMICA - Usinas
  227. 227. QUÍMICA - Usinas
  228. 228. QUÍMICA - Usinas
  229. 229. QUÍMICA - Usinas
  230. 230. QUÍMICA - Usinas
  231. 231. QUÍMICA - Usinas
  232. 232. QUÍMICA - Usinas
  233. 233. QUÍMICA - Usinas
  234. 234. QUÍMICA - Usinas
  235. 235. QUÍMICA - Usinas
  236. 236. QUÍMICA - Usinas
  237. 237. Linguagem e Filosofia Ronaldo Paula
  238. 238. LINGUAGEM / SOCIOLOGIA O Brasil Os povos indígenas: Os portuguesa vindo para o Brasil O povos africanos vindos para o Brasil
  239. 239. LINGUAGEM / SOCIOLOGIA Os cinco "brasis" - O Brasil sertanejo; - O Brasil crioulo; - O Brasil caboclo; - O Brasil caipira; - O Brasil sulino.
  240. 240. LINGUAGEM Patrimônio Cultural: diversidade - Patrimônio Natural - Patrimônio Cultural  Material  Imaterial
  241. 241. LINGUAGEM INSTITUIÇÕES - UNESCO - IPHAN - SECRETARIAS DE CULTURA
  242. 242. QUESTÃO No dia 1º de julho de 2012, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se a primeira do mundo a receber o título da Unesco de Patrimônio Mundial como Paisagem Cultural. A candidatura, apresentada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), foi aprovada durante a 36.ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial. O presidente do Iphan explicou que “a paisagem carioca é a imagem mais explícita do que podemos chamar de civilização brasileira, com sua originalidade, desafios, contradições e possibilidades”. A partir de agora, os locais da cidade valorizados com o título da Unesco serão alvo de ações integradas visando à preservação da sua paisagem cultural. Disponível em: www.cultura.gov.br. Acesso em: 7 mar. 2013 (adaptado).
  243. 243. QUESTÃO O reconhecimento da paisagem em questão como patrimônio mundial deriva da A. presença do corpo artístico local. B. imagem internacional da metrópole. C. herança de prédios da ex-capital do país. D. diversidade de culturas presente na cidade. E. relação sociedade-natureza de caráter singular.
  244. 244. QUESTÃO O reconhecimento da paisagem em questão como patrimônio mundial deriva da A. presença do corpo artístico local. B. imagem internacional da metrópole. C. herança de prédios da ex-capital do país. D. diversidade de culturas presente na cidade. E. relação sociedade-natureza de caráter singular.
  245. 245. Método Cartesiano As regras auxiliam-nos a adquirir a certeza da verdade. Como organizar ideias REDAÇÃO / FILOSOFIA As quatro regras do método: EVIDENCIAR admitir idéias que são distintas ANALISAR dividir separar SINTETIZAR totalidade dedução REVISAR rever para ter certeza
  246. 246. I. REGISTRO FORMAL É FUNDAMENTAL; II. COMPREENSÃO DA PROPOSTA (QUE TEMA É ESSE?); III. SELEÇÃO E ORGANIZAÇÃO DAS INFORMAÇÕES; IV. ARGUMENTAR É A RAZÃO DO TEXTO; V. PROPOSTAS DE INTERVENÇÃO / DIREITOS HUMANOS. COMPETÊNCIAS
  247. 247. 1. VALORIZAÇÃO DA PLURALIDADE; 2. RECICLAR; POSSIBILIDADES
  248. 248. BOA PROVA !!!

×