Sistemas de prevenção e combate a incêndio

4.231 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.231
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistemas de prevenção e combate a incêndio

  1. 1. Instituto Federal de Pernambuco – campus IpojucaDisciplina: Fundamentos de Controle de EmergênciaProfessor: Eraldo Alves da Silva Principais Sistemas de Prevenção e Combate a IncêndiosNormas Pertinentes ● NR. 23 – Proteção contra incêndios (portaria 3.214/78 do MTBE). ● Código de segurança contra incêndio e pânico do Estado de Pernambuco (COSCIPE) - Norma Técnica do Corpo de Bombeiros do Estado de Pernambuco. ● Tarifa do Instituto de Resseguros do Brasil (IRB)1. Sistema de Hidrantes – composto por: ● Reservatório de água: térreo ou elevado. ● Bombas para pressurização do sistema. ● Canalização em aço carbono com diâmetro variado na cor vermelha. ● Hidrantes com válvulas e conexão storz. ● Mangueiras de incêndio. ● Chaves para conexão de mangueiras. ● Esguicho universal ou tipo agulheta. ● Caixa para guarda das mangueiras e demais materiais.1.1. Reservatório de água O reservatório de água (caixa d’água) é responsável por manter a quantidade de água necessária para abastecer o sistema de hidrantes durante o seu uso nas situações de emergência. Os reservatórios podem ser do tipo elevado (foto) ou térreo.1.2. Bombas de Incêndio São bombas hidráulicas, destinadas a recalcar água nas redes hidráulicas para uso em ações deprevenção e combate a incêndios. São abastecidas por dois processos diferentes:a) pressão – quando a água corre para a bomba pela pressão gerada por seu próprio peso.
  2. 2. b) sucção – quando a bomba se abastece num manancial abaixo do nível em que ela se encontra. As bombas podem ser acionadas por motores elétricos ou à explosão.1.2.1. Bombas elétricas Bomba Jockey – bomba hidráulica, movida a eletricidade, que é acionada e desligadaautomaticamente através da diferença de pressão na rede hidráulica de incêndio. Sua finalidade émanter o sistema permanentemente pressurizado, quando os hidrantes não estão sendo usados. Bomba elétrica principal – bomba hidráulica, movida a eletricidade, que é acionada e desligadaautomaticamente através da diferença de pressão na rede hidráulica de incêndio. Sua finalidade émanter o sistema permanentemente pressurizado quando a bomba jockey não suporta a demanda devazão. O seu acionamento ocorre quando o hidrante é aberto para uso no combate a um incêndio.Nesta foto a primeira bomba (menor e à esquerda) é a bomba jockey e a outra a elétrica1.2.2 Bomba a combustão - bomba hidráulica, movida por motor à combustão (geralmente diesel),que é acionada e desligada automaticamente através da diferença de pressão na rede hidráulica deincêndio, nos casos de incêndio. Sua finalidade é manter o sistema permanentemente pressurizado,quando os hidrantes estão sendo usados. As bombas de incêndio são instaladas na “Casa de Bombas de Incêndio”. Deve sempre existir na casa de bombas duas bombas com diferentes formas de acionamento: uma acoplada a motor elétrico e outra acoplada a motor com combustão interna (geralmente diesel), pois em caso de falha de uma das bombas existirá a outra poderá ser usada.1.3. Hidrante É um ponto de tomada de água provido de dispositivo de manobra (válvulas angulares) comunião tipo engate rápido (storz) para combate a incêndio. Podem ser do tipo coluna, parede esubterrâneo. Em áreas industriais o hidrante de coluna é o mais usado. Em áreas comerciais eedificações (parte interna) o hidrante de parede é mais frequente. O hidrante subterrâneo é o tipo
  3. 3. utilizado nas áreas públicas para acoplamento das viaturas do corpo de bombeiros. Hidrante de coluna Hidrante de parede Hidrante subterrâneo Válvula angular1.4. Mangueiras de Incêndio Conduto flexível utilizado para conduzir a água, sob pressão, da fonte de suprimento ao lugaronde deve ser lançada. ● Confeccionadas em fibras sintéticas na parte externa e revestimento interno de borracha. ● Resistentes à pressão de acordo com o uso a que se destina. ● Possuem na extremidade conexões tipo storz, que permitem conectar no hidrante, a união entre mangueiras e a conexão do esguicho. ● O comprimento das mangueiras, usualmente empregadas nas empresas é de 15 metros. ● Possuem dois diâmetros distintos: 2 ½” e 1 ½”.Cuidados com as mangueiras de incêndio ● Evitar arrastar por cantos vivos ou pontiagudos. ● Evitar manobras violentas de derivantes ou fechamento abrupto de esguichos ou hidrantes. ● Evitar curva acentuada na extremidade conectada ao hidrante. ● Evitar o contato direto com o fogo, brasas ou superfícies quentes. ● Evitar queda ou arraste das uniões sobre o piso. ● Não utilizar para outros fins que não o combate a incêndio. ● Quando fora de uso, guardar enrolada e abrigada em local ventilado e isento de umidade. ● Não colocar a mangueira para secar ao sol, nem guardar a mesma úmida.1.4. Chaves para conexão de mangueiras. Peça metálica utilizada para facilitar os acoplamentos e desacoplamentos das mangueiras quando, por motivo de pressão, a força física não for suficiente para executar essas operações.
  4. 4. 1.5. Esguichos agulheta e universal Peça metálica adaptada à extremidade da linha de mangueira, destinada a dar forma econtrolar o jato d’água. O esguicho agulheta só permite que se forme o jato d’água compacto, sólido ou pleno. Ele não permite que se interrompa o fluxo da água, devendo neste caso se fechar o registro do hidrante. O seu uso principal é nas operações de rescaldo. O esguicho regulável permite que se regule a forma do jato, chegando à formação de neblina, muito usada nas operações de resfriamento e combate a incêndio. Esse tipo de esguichoEsguicho agulheta Esguicho regulável permite que se interrompa o fluxo de água.1.6. Caixa para guarda das mangueiras e demais materiais A caixa de mangueiras é o local onde devem ser acondicionados os seguintes equipamentos: mangueiras de incêndio, esguichos e chaves de mangueiras. Deve ficar o mais próximo possível do hidrante e conter os equipamentos nas quantidades adequadas às quantidades de saídas existentes no hidrante. Exemplo: Para um hidrante de duas saídas a caixa de mangueiras deve conter: 4 mangueiras, 4 chaves de mangueiras e dois esguichos. Pode ser fabricada em metal, fibra de vidro ou alvenaria.1.7. Derivante Dispositivo metálico destinado a dividir uma linha de mangueira em outras de igual diâmetroou de diâmetro inferior O uso do derivante permite que as equipes de brigada possam a partir de uma linha de mangueiras de 2 ½” conectada ao hidrante, formar duas linhas de mangueira de 1 ½” e, com isso, melhorar a eficiência no combate ao incêndio.
  5. 5. 2. Sistema de Detecção e Alarme de Emergência Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente dispostos e adequadamenteinterligados, que fornece informações de princípios de incêndio, por meio de indicações sonoras evisuais, e controla os dispositivos de segurança e de combate automático instalados no prédio. Tem a finalidade de informar à brigada de emergência, quando da ocorrência de um sinistro.É composto dos seguintes elementos: • Quadro sinótico com os pontos de alarme (painel central de alarme). • Detectores automáticos (fumaça, temperatura etc) • Botoeiras de acionamento manual (acionadores manuais). • Sirenes.2.1. Quadro sinótico com os pontos de alarme (painel central de alarme) • Processa os sinais provenientes dos circuitos de detecção, convertendo-os em indicações adequadas e controlando o acionamento dos demais componentes do sistema. • Supervisiona os laços dos detectores e acionadores manuais. Na central de alarme convencional não há a indicação do local exato onde está ocorrendo a emergência. Na central de alarme endereçável aparece no display do painel o local exato onde se localiza a botoeira de emergência que foi acionada manualmente ou do detector acionadoCentral de Alarme Convencional Central de Alarme Endereçável automaticamente.O painel central de alarme deve ser instalado em um local onde haja a presença permanente depessoas, durante todos os horários. Nas empresas em geral, a central de alarme é instalada naportaria da empresa.2.2. Detectores Automáticos São dispositivos que, de forma automática, captam a presença de fumaça, variação detemperatura etc e enviam o sinal para a central de alarme de incêndio.
  6. 6. Detector de fumaça - Sua ativação ocorre quando da presença de partículas e/ou gases, visíveis ou não, e de produtos de combustão, no ponto da instalação.Detector de Fumaça Fotoelétrico Detector térmico - Sua ativação ocorre quando a temperatura ambiente (caso dos térmicos) ou o gradiente da temperatura (caso dos termovelocimétricos) ultrapassa um valor pré-determinado.Detector de térmico2.3. Acionador manual Dispositivo destinado a transmitir a informação de um princípio de incêndio, quandoacionado pelo elemento humano. O seu funcionamento consiste basicamente no envio do sinal de alarme através do circuitoeletrônico, à Central de Controle. O tipo de acionador manual depende da central de alarme instalada e pode ser convencional ou endereçável (indica exatamente o local onde está localizado o acionador). Em alguns há necessidade de quebra do vidro. Em outros, basta ser feita uma pressão sobre oAcionador manual convencional Acionador manual endereçável mesmo para que este seja acionado.2.4. Sirenes Dispositivo que indica de forma sonora e, em alguns casos, visual, a ocorrência de umaemergência que foi informada através do acionador manual ou do detector automático. Sirene tipo corneta à prova Sirene eletrônica à prova Sirene corneta d’àgua d’água Sirene audiovisual
  7. 7. 3. Sistema de combate a incêndio com espuma A espuma mecânica é amplamente aplicada para combate a incêndios em líquidoscombustíveis e inflamáveis. A espuma destinada à extinção de incêndio é um agregado estável de bolhas, que tem apropriedade de cobrir e aderir aos líquidos combustíveis e inflamáveis, formando uma camadaresistente e contínua que isola do ar, e impede a saída para a atmosfera dos vapores voláteis desseslíquidos. Sua atuação se baseia na criação de uma capa de cobertura sobre a superfície livre doslíquidos, com a finalidade de:1) Separar combustível e comburente;2) Impedir e reduzir a liberação de vapores inflamáveis;3) Separar as chamas da superfície dos combustíveis;4) Esfriar o combustível e superfícies adjacentes. Sua aplicação destina-se ao combate de incêndio de grandes dimensões que envolvam locaisque armazenem líquido combustível e inflamável.Também se destina a:a) extinção de fogos de líquidos de menor densidade que a água;b) prevenção da ignição em locais onde ocorra o derrame de líquidos inflamáveis;A espuma não é eficaz em:a) fogo em gases;b) fogo em vazamento de líquidos sobre pressão;c) fogo em materiais que reagem com a água. A espuma é um agente extintor condutor de eletricidade e, normalmente, não deve seraplicada na presença de equipamentos elétricos energizados. Os vários tipos de espuma apresentam características peculiares ao tipo de fogo a combater,que as tornam mais ou menos adequadas.
  8. 8. 3.1. Os sistemas de espuma são classificados conforme:3.1.1. Capacidade de mobilidade:a) Fixos - são equipamentos para proteção de tanque de armazenamento de combustível, cujoscomponentes são fixos, permanentemente, desde a estação geradora de espuma até à câmaraaplicadora;b) Semifixos - são equipamentos destinados à proteção de tanque de armazenamento decombustível, cujos componentes, permanentemente fixos, são complementados por equipamentosmóveis para sua operação. São, normalmente, móveis o reservatório de extrato e o conjunto dosador(proporcionador).c) Móveis - são as instalações totalmente independentes, normalmente veículos ou carretas,podendo se locomover e aplicar session ("aonde") forem necessários, requerendo somente suaconexão a um abastecimento de água adequado.3.1.2. Forma de funcionamento:a) automático;b) semi-automático;c) manual.3.2. Principais Componentes do Sistema de Espuma3.2.1. Líquido Gerador de Espuma (LGE) O LGE é o produto base para a formação da espuma de combate a incêndio em líquidos combustíveis e inflamáveis, a partir da sua mistura com água em proporções adequadas. O tipo de LGE a ser usado depende da categoria de combustível ou inflamável. Por exemplo, existe LGE para derivados de hidrocarbonetos derivados de petróleo e para combustíveis da família do álcool. O LGE tem um tempo de vida útil e, portanto, é importante que se observe a validade do mesmo antes de disponibilizá-lo para uso.3.2.2. Reserva (tanque) de extrato São reservatórios, tanques nos quais se armazena a quantidade de líquido gerador de espumanecessária para o funcionamento do sistema.
  9. 9. Componentes básicos: a) Indicador de nível, com válvula de isolamento; b) registro para abertura e fechamento; c) conexão para enchimento e esvaziamento; d) conexão para o proporcionador.O material com que é construído o tanque de extrato deve ser adequado ao líquido gerador quearmazena (problemas de corrosão e etc.).3.2.3. Elemento dosador (proporcionador) São equipamentos responsáveis pela mistura do líquido gerador de espuma e a água, naproporção adequada para formação da espuma que se deseja. Seu funcionamento se baseia no efeito "venturi", que é passagem da água proporcionando asucção do líquido gerador de espuma na dosagem preestabelecida.A proporção é fundamental para permitir uma espuma eficiente ao combate ao fogo. Normalmentea proporção é de 3% para hidrocarburentes e 6% para combustíveis polares. Representação do efeito Venturi ocorrido durante a interligação do proporcionador de LGE ao sistema de hidrante.3.2.4. Esguichos e canhões lançadores de espuma São elementos portáteis e fixos, cuja função é dar forma a espuma e fazê-la atingir ao tanquede combustível em chama. Os esguichos lançadores utilizados no sistema manual diferencia-se dos canhões de espuma quanto à capacidade de lançar e alcançar os tanques de combustíveis no que tange a sua altura. Os esguichos só são recomendados para tanques de até 6m de altura, enquanto que os canhões atingem alturas mais elevadas. Os esguichos de espuma são utilizados nos sistemas móveis ou como complemento de apoio às instalações fixas. O uso desses dispositivos expõem os operadores a sérios riscos.
  10. 10. 3,2.5. Câmaras de espuma São elementos especialmente projetados para a aplicação de espuma de baixa expansão, sobrea superfície de combustíveis contidos em tanques de armazenamento de grande diâmetro e altura. Tem a característica de aplicar a espuma no interior do tanque em chamas por meio dadescarga na parede do tanque. Pode ser constituído de elementos especiais no interior do tanque,que fazem com que a espuma caia de forma mais suave sobre a superfície do líquido. É composta por um selo de vidro que impede a saída de vapores voláteis do interior dotanque, mas que se rompem quando o sistema entra em funcionamento, permitindo a passagem daespuma. Dispõe também de uma placa de orifício que regula a pressão, de forma a possibilitar aformação de uma espuma adequada.3.2.6. Tubulações e acessóriosAs tubulações são responsáveis pela condução da água ou pré-mistura para os equipamentos queformam ou aplicam espuma. Deve ser resistente à corrosão.Quantos aos acessórios, estes devem resistir a altas pressões uma vez que os sistemas de espuma,normalmente, trabalham com valores elevados de pressão, decorrente das perdas de carga nosequipamentos e pressões mínimas para a formação da espuma.

×