SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 64
Prefeitura Municipal de Olinda Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional SEMINÁRIO A COBERTURA VEGETAL  NA PAISAGEM DO SÍTIO HISTÓRICO DE OLINDA Olinda, 2011
A  Contribuição dos Quintais na Cobertura Vegetal do Sítio Histórico Profa. Isabelle Meunier – Departamento de Ciência Florestal – UFRPE Olinda, 2011
As florestas urbanas cooperam para o equilíbrio microclimático, melhoram a qualidade do ar, reduzem a poluição sonora e a visual, promovem e conservam a diversidade de espécies vegetais e animais e colaboram com a melhoria da saúde física e mental da população. Trazem também benefícios econômicos e sociais.
1.Melhoria microclimática Interceptação da energia luminosa -> energia química (fotossíntese)	 Sombreamento Evapotranspiração (economia de até 20% da energia gasta com condicionamento térmico)
2. Auxílio no controle das poluições atmosférica, sonora e visual Filtragem do ar Fixação de elementos poluentes (CO, CO2, SO2, O3 e o flúor). Diminuição dos ruídos das cidades, ao servir de anteparo ao som. Controle da poluição visual
3. Promoção da diversidade de espécies A árvores urbanas abrigam e alimentam animais, principalmente as aves e pequenos répteis que são de grande importância na composição dos ambientes urbanos e ajudam no controle biológico de pragas e doenças.
4. Ação sobre a saúde física e mental do homem As árvores têm grande influência sobre os estados físico e psicológico do ser humano, pois as mesmas agem diretamente e indiretamente sobre a saúde do homem. 	A prática ativa da jardinagem e da arboricultura e o lazer contemplativo são oportunidades que os quintais representam para o maior equilíbrio  físico e mental.
5. Benefícios econômicos Valorização imobiliária Turismo Geração de emprego e renda na implantação e manutenção da arborização Produção de alimento, matéria prima para fitoterápicos, aromáticos, materiais para artesanato, etc...
6. Benefícios sociais Fortalecimento comunitário: oportunidades de convívio social, prática de esportes, atividades culturais, “troca” de frutas entre a vizinhança. Oportunidade de Educação Ambiental e Educação para a Cidadania
Onde estão nossas Florestas Urbanas? Nas Unidades de Conservação; Nas áreas de preservação permanente; Nos jardins, quintais, sítios e pomares de propriedades particulares; Nos espaços livres de clubes, escolas, hospitais, universidades; Nas áreas comuns de condomínios; Nos parques, praças e jardins urbanos; Na arborização de ruas e avenidas
Áreas verdes - Conceitos “As áreas não edificadas de uma cidade, de propriedade do Município, Estado, União ou de particulares, independentes de sua destinação de uso, são chamadas de espaços livres. Quando destinados à preservação ou implantação de vegetação ou ao lazer público, passam a chamar-se áreas verdes, as quais podem ser dotadas de vegetação de ocorrência natural ou implantada”. SANCHOTENE, M. C. C. Conceito e com posição do índice de áreas verdes. São Paulo:SBAU. 2004 (Boletim Informativo, 1)
“As florestas urbanas são um todo integrado a cidade, isto é, toda a área que serve à população urbana. ....Neste contexto, a floresta urbana não deve ser mais entendida apenas como um conjunto ou aglomerado de árvores que pode ser manejado, mas sim como um conjunto de espaços combinado à vegetação, cujo manejo deve ser feito de forma integrada aos ambientes da cidade.” 	BADITU et al. Método para a Classificação Tipológica da Floresta Urbana visando o Planejamento e a Gestão das Cidades. Anais XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Goiânia, Brasil, 16-21 abil 2005, INPE, p. 1427-1433
Parques urbanos ,[object Object],Kliass (1993), citado por Scalise, W. Parques urbanos: evolução, projeto, funções e usos. 2002. ,[object Object],Loboda, C. R.; De Angelis, B. L. Áreas verdes públicas urbanas: conceitos, usos e funções. Ambiência, v.1, n.1, 2005.
ATUAÇÃO DIRETA DO PODER PÚBLICO NO PLANEJAMENTO E GESTÃO. ATUAÇÃO INDIRETA DO PODER PÚBLICO (CONTROLE): 	REGULAMENTAÇÃO; NORMATIZAÇÃO, FISCALIZAÇÃO, INCENTIVO.  ,[object Object]
ESPAÇOS PLANEJADOS (Áreas verdes e outros espaços livres)
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO
TERRAS DEVOLUTAS (União, estado, município)
ESPAÇOS  LIVRES PÚBLICOS COM GESTAO PRIVADA OU PARTICULARES POTENCIALMENTE COLETIVOS
Escolas, campus, clubes, cemitérios, RPPN...
ESPAÇOS LIVRES PARTICULARES
Jardins, quintais, chácaras, terrenos baldios (especulação ou litígio)4/10/2011
Todas essas categorias são importantes e fornecem benefícios complementares. Todas precisam de cuidados e atenção, mas exigem tipo e intensidade de manejo diferenciados. Juntas, elas se completam na oferta de serviços essenciais à vida nas cidades.
Essas áreas, que necessitam do nosso compromisso e da nossa ação cidadã para que seja garantida a conservação, são laboratórios vivos para as ciências e oportunidades (hoje) raras de desenvolvimento de valores éticos, de prática de lazer sem consumismo, de interação social saudável, de educação ambiental contextualizada, de exercício do respeito aos bens coletivos.
Características ideais para a potencialização dos impactos ambientais positivos dos quintais urbanos ,[object Object]
Estrutura complexa (resiliência e diversidade de nichos)
Riqueza e biodiversidade elevada (conservação da biodiversidade, educação ambiental, resiliência, estética)
Elevada cobertura de copa (proteção ao solo e à água, sombreamento, amenização de extremos de temperatura)
Grande proporção de espécies arbóreas nativas (relação V/A, melhor adaptação, suporte à fauna, educação ambiental, valorização histórica).,[object Object]
Fragmentos conservados em UC (UC de Proteção Integral ou Zona de Preservação/Zona primitiva em UC de Uso Sustentável): 	Composição florística; estrutura horizontal, vertical e dendrométrica. Biomassa e ciclagem de nutrientes. Estágio sucessional. Espécies endêmicas, ameaçadas, focais e invasoras. Síndromes de dispersão. Efeito de borda e parâmetros de ecologia da paisagem. Relações com a fauna silvestre. Capacidade suporte; sistema de trilhas. Status de conservação (v. ex. simplificado). Situação do entorno. Condução do Plano de Manejo (êxito nos programas). 4/10/2011
Áreas Particulares: Posse da terra, história de ocupação, extensão da área, tipo de vizinhança, renda familiar, usos da área verde. Natureza da vegetação: nativa/exótica; espontânea/cultivada; arbórea, arbustiva ou herbácea. Sistemas de cultivo: culturas temporárias/perene; técnicas de preparo do terreno, plantio e colheita; aporte de insumos; mão-de-obra para manutenção. Diversidade, riqueza, índice de cobertura vegetal, conservação do solo;  importância na infiltração e drenagem; fauna associada; potencial paisagístico, percepção dos proprietários/usuários, etc... 4/10/2011
4/10/2011 Desafios da pesquisa Correlacionar características dos quintais com seu desempenho ambiental, estético e de lazer para subsidiar o processo de planejamento. Quantificar serviços ambientais dos quintais para valorá-los e valorizá-los. Ser considerada nas tomadas de decisões.
 Questionário  Dados cadastrais:      Tempo de residência no local:.................. Número de moradores.......... Residência:  própria ( )  alugada ( ) Quantas e quais árvores e/ou arbustos o morador encontrou no quintal e jardim ao se mudar ou adquirir a casa?  Quantas e quais árvores e/ou arbustos o proprietário/morador plantou? Qual o motivo o levou a plantar as árvores ou arbustos citados? Quais os benefícios que têm por ter as árvores ou arbustos do seu jardim e/ou quintal?  Quais as principais queixas em relação às árvores/arbustos? 
Quantas árvores ou arbustos ele já arrancou/abateu? Quais os motivos? Há árvores ou arbustos que ainda pensa em remover? Por que? Como vai substituí-las? Quais os cuidados que ele dedica as árvores (poda, adubação, tratamentos fitossanitários)? Quem faz isso? (ele mesmo, contrata alguém, quais as dificuldades)   Sobre as árvores da rua, quem plantou (prefeitura ou iniciativa particular?)  Quais os benefícios trazidos pelas árvores da calçada? E quais os inconvenientes?
Teria mais árvores frente à casa? Ou menos? Por que? Cuidaria da árvore que fosse plantada em  frente a casa? Sobre áreas verdes: freqüenta alguma praça ou parque? Do bairro? Onde? Com qual periodicidade? Que atividade desenvolve nesse local? No seu bairro, qual o melhor local ao ar livre para se freqüentar, encontrar amigos, fazer esportes ou qualquer coisa que lhe agrade? Se não há local assim, acha que deve haver?
CROQUI DO JARDIM OU QUINTAL     Elaborar o croqui em escala, identificando a localização das árvores e relacionando ao lado as espécies e porte das árvores (altura e diâmetro de copa).  O proprietário deve ser convidado a sugerir onde plantaria outras árvores e/ou quais ele removeria, registrando-se essa informação no croqui.
Os critérios adotados foram os propostos H. Sukopp e P. Werner, “Naturalezaenlasciudades”, Madri, 1991 ,[object Object]
Favorecimento de uma ampla conexão entre os espaços verdes do centro da cidade e de seus arredores.
Redução dos gradientes de intensidades de uso entre o centro e a periferia, sendo que somente dois terços da superfície do centro poderiam ser pavimentados e edificados.
Implantação de zonas verdes de grandes dimensões e com alto grau de conexão entre elas.
Evitar ao máximo a pavimentação nos espaços verdes.
Adequação e integração da vegetação espontânea da zona verde.,[object Object]
Evitar os gramados ornamentais primorosamente cortados e árvores exóticas que são mantidos com alto custo e com utilização de fertilizantes e pesticidas.
Substituir o gramado por campo com plantas ruderais que apresentam uma maior diversidade de espécies e cumprem melhor as funções ecológicas para a fauna.
Evitar a construção de tanques que não permitem a instalação natural da flora e da fauna.,[object Object]
A edificação em terrenos baldios deve ser considerada perda de espaço verde e deveria ser compensada.
Um terreno baldio de grande tamanho e que esteja em um estado avançado de sucessão, deveria ser conservado como zona verde merecedora de proteção e não transformado em estacionamento e posteriormente edificado. ,[object Object]
Favorecimento das espécies ruderais e das árvores nativas, diminuição da pavimentação, do uso de fertilizantes e de pesticidas nos pequenos jardins privados.
Integração dos pequenos jardins privados criando superfícies comuns que sirvam como pontos de união entre os espaços verdes.
Fomento ao reverdecimento de telhados e de fachadas. ,[object Object]
Evidentemente, não bastam as áreas onde se vivenciem os recursos ambientais e se observem as inter-relações entre organismos e meio físico: são necessárias consciência, vontade, atitudes. É necessária uma educação pautada em valores éticos, na valorização da descoberta, do respeito a todas as formas de vida, na reflexão crítica, consciente e transformadora.
Obrigada Isabelle Meunier imjmeunier@gmail.com
Um pouco de arboricultura ... Se desejamos uma cidade arborizada, é preciso nos dedicarmos a CUIDAR das árvores. Arboricultura: técnica de “cuidar” das árvores, cultivá-las para que elas sejam saudáveis, bem formadas e nos dêem os benefícios que nós precisamos.
Diferentes objetivos, diferentes práticas: Fruticultura Silvicultura Arboricultura: muitos princípios em comum, mas objetivos distintos. Foco nas árvores individuais e nos serviços ambientais, paisagísticos e socioculturais por elas gerados.
Na perspectiva da arboricultura, desejamos árvores bem formadas, saudáveis, adequadas aos NOSSOS anseios.
Os cuidados com as árvores da cidade: Na avaliação do local de plantio, suas potencialidades, necessidades e limitações; Na escolha da espécie adequada; Na produção da muda (sementes, substrato, tratos, poda de formação) No plantio (coveamento, fertilização, tutoramento, proteção, rega) Na manutenção dos plantios (limpezas, eventuais replantios, eventuais podas de limpeza e de conformação).
1) Avaliação do local de plantio 	Espaço disponível para crescimento; recuo de construções e presença de redes aéreas e subterrâneas; propriedades do solo (profundidade, origem, escoamento); tipo e intensidade de tráfego; vizinhança; usos.
2) Percepção de desejos e expectativas: objetivos. 3) Escolha da espécie ,[object Object]
Porte
Persistência das folhas
Tipo de frutos
Susceptibilidade a doenças e pragas
Tipo de crescimento,[object Object]
Aspectos estéticos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cons. da biodiversidade em espaço urbano
Cons. da biodiversidade em espaço urbanoCons. da biodiversidade em espaço urbano
Cons. da biodiversidade em espaço urbanoMário Miranda
 
Os Veredeiros: desafios para políticas públicas
Os Veredeiros: desafios para políticas públicasOs Veredeiros: desafios para políticas públicas
Os Veredeiros: desafios para políticas públicasCimos MPMG
 
Agricultura Sustentável
Agricultura Sustentável Agricultura Sustentável
Agricultura Sustentável 2016arqmiriam
 
Conservação da biodiversidade com sig
Conservação da biodiversidade com sigConservação da biodiversidade com sig
Conservação da biodiversidade com sigRenan Pereira
 
PROJETO DE ATIVIDADES nas escoalas 20-21.pptx
PROJETO DE ATIVIDADES nas escoalas 20-21.pptxPROJETO DE ATIVIDADES nas escoalas 20-21.pptx
PROJETO DE ATIVIDADES nas escoalas 20-21.pptxAMG Sobrenome
 
Projeto - O ICNF VAI À ESCOLA
Projeto - O ICNF VAI À ESCOLAProjeto - O ICNF VAI À ESCOLA
Projeto - O ICNF VAI À ESCOLAAMG Sobrenome
 
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidadesigor-oliveira
 
111115103834 7b meio_ambiente_henry
111115103834 7b meio_ambiente_henry111115103834 7b meio_ambiente_henry
111115103834 7b meio_ambiente_henrycidadaoalerta
 

Mais procurados (20)

Webquest
WebquestWebquest
Webquest
 
Cons. da biodiversidade em espaço urbano
Cons. da biodiversidade em espaço urbanoCons. da biodiversidade em espaço urbano
Cons. da biodiversidade em espaço urbano
 
Os Veredeiros: desafios para políticas públicas
Os Veredeiros: desafios para políticas públicasOs Veredeiros: desafios para políticas públicas
Os Veredeiros: desafios para políticas públicas
 
Curso de bioconstrução
Curso de bioconstruçãoCurso de bioconstrução
Curso de bioconstrução
 
Conservao ambiental zip
Conservao ambiental zipConservao ambiental zip
Conservao ambiental zip
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
PROJETO MEIO AMBIENTE
PROJETO MEIO AMBIENTEPROJETO MEIO AMBIENTE
PROJETO MEIO AMBIENTE
 
Agricultura Sustentável
Agricultura Sustentável Agricultura Sustentável
Agricultura Sustentável
 
Conservação da biodiversidade com sig
Conservação da biodiversidade com sigConservação da biodiversidade com sig
Conservação da biodiversidade com sig
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
ambiente
ambienteambiente
ambiente
 
Solo, Contaminação, PNGRS
Solo, Contaminação, PNGRSSolo, Contaminação, PNGRS
Solo, Contaminação, PNGRS
 
PROJETO DE ATIVIDADES nas escoalas 20-21.pptx
PROJETO DE ATIVIDADES nas escoalas 20-21.pptxPROJETO DE ATIVIDADES nas escoalas 20-21.pptx
PROJETO DE ATIVIDADES nas escoalas 20-21.pptx
 
Projeto - O ICNF VAI À ESCOLA
Projeto - O ICNF VAI À ESCOLAProjeto - O ICNF VAI À ESCOLA
Projeto - O ICNF VAI À ESCOLA
 
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
 
111115103834 7b meio_ambiente_henry
111115103834 7b meio_ambiente_henry111115103834 7b meio_ambiente_henry
111115103834 7b meio_ambiente_henry
 
Ecocidadao
EcocidadaoEcocidadao
Ecocidadao
 
Projeto arvore
Projeto arvoreProjeto arvore
Projeto arvore
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Projeto Reciclagem
Projeto ReciclagemProjeto Reciclagem
Projeto Reciclagem
 

Destaque

Bases legais para a preservação da cobertura vegetal do Sítio Histórico de Ol...
Bases legais para a preservação da cobertura vegetal do Sítio Histórico de Ol...Bases legais para a preservação da cobertura vegetal do Sítio Histórico de Ol...
Bases legais para a preservação da cobertura vegetal do Sítio Histórico de Ol...Prefeitura de Olinda
 
Olinda Cidade Ecológica - A Cobertura Vegetal na paisagem do Sítio Histórico ...
Olinda Cidade Ecológica - A Cobertura Vegetal na paisagem do Sítio Histórico ...Olinda Cidade Ecológica - A Cobertura Vegetal na paisagem do Sítio Histórico ...
Olinda Cidade Ecológica - A Cobertura Vegetal na paisagem do Sítio Histórico ...Prefeitura de Olinda
 
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...Prefeitura de Olinda
 
Acervo da Sala Verde Marin dos Caetés
Acervo da Sala Verde Marin dos CaetésAcervo da Sala Verde Marin dos Caetés
Acervo da Sala Verde Marin dos CaetésPrefeitura de Olinda
 
A Base Legal para Atuação na Cobertura vegetal do Sítio Histórico (César Andr...
A Base Legal para Atuação na Cobertura vegetal do Sítio Histórico (César Andr...A Base Legal para Atuação na Cobertura vegetal do Sítio Histórico (César Andr...
A Base Legal para Atuação na Cobertura vegetal do Sítio Histórico (César Andr...Prefeitura de Olinda
 
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Fábio Cavalc...
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Fábio Cavalc...A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Fábio Cavalc...
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Fábio Cavalc...Prefeitura de Olinda
 
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013Prefeitura de Olinda
 

Destaque (7)

Bases legais para a preservação da cobertura vegetal do Sítio Histórico de Ol...
Bases legais para a preservação da cobertura vegetal do Sítio Histórico de Ol...Bases legais para a preservação da cobertura vegetal do Sítio Histórico de Ol...
Bases legais para a preservação da cobertura vegetal do Sítio Histórico de Ol...
 
Olinda Cidade Ecológica - A Cobertura Vegetal na paisagem do Sítio Histórico ...
Olinda Cidade Ecológica - A Cobertura Vegetal na paisagem do Sítio Histórico ...Olinda Cidade Ecológica - A Cobertura Vegetal na paisagem do Sítio Histórico ...
Olinda Cidade Ecológica - A Cobertura Vegetal na paisagem do Sítio Histórico ...
 
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...
 
Acervo da Sala Verde Marin dos Caetés
Acervo da Sala Verde Marin dos CaetésAcervo da Sala Verde Marin dos Caetés
Acervo da Sala Verde Marin dos Caetés
 
A Base Legal para Atuação na Cobertura vegetal do Sítio Histórico (César Andr...
A Base Legal para Atuação na Cobertura vegetal do Sítio Histórico (César Andr...A Base Legal para Atuação na Cobertura vegetal do Sítio Histórico (César Andr...
A Base Legal para Atuação na Cobertura vegetal do Sítio Histórico (César Andr...
 
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Fábio Cavalc...
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Fábio Cavalc...A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Fábio Cavalc...
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Fábio Cavalc...
 
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
 

Semelhante a A Contribuição dos Quintais na Cobertura Vegetal do Sítio Histórico (Isabelle Meunier)

Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...
Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...
Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...Felipe Fonseca
 
Centro de Referência em Desenvolvimento Sustentável
Centro de Referência em Desenvolvimento SustentávelCentro de Referência em Desenvolvimento Sustentável
Centro de Referência em Desenvolvimento SustentávelClaudia Jung
 
Educação ambiental preservação, sociedade blog
Educação ambiental  preservação, sociedade blogEducação ambiental  preservação, sociedade blog
Educação ambiental preservação, sociedade blogmcrislu
 
Giselle Dziura - Inovação das cidades a aprtir da sustentabilidade aplicada a...
Giselle Dziura - Inovação das cidades a aprtir da sustentabilidade aplicada a...Giselle Dziura - Inovação das cidades a aprtir da sustentabilidade aplicada a...
Giselle Dziura - Inovação das cidades a aprtir da sustentabilidade aplicada a...CICI2011
 
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação Leandro A. Machado de Moura
 
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014Deise Mara do Nascimento
 
Sementes de conhecimento
Sementes de conhecimentoSementes de conhecimento
Sementes de conhecimentoJosé André
 
Aventura Ambiental No Parque AclimaçãO
Aventura Ambiental No Parque AclimaçãOAventura Ambiental No Parque AclimaçãO
Aventura Ambiental No Parque AclimaçãOEfraim Neto
 
52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdfAMG Sobrenome
 
Folder da Sala Verde Inhotim
Folder da Sala Verde InhotimFolder da Sala Verde Inhotim
Folder da Sala Verde InhotimRicardo Ferrao
 
seminario cbh velhas 27 10 15 - Sisema
seminario cbh velhas 27 10 15 - Sisema seminario cbh velhas 27 10 15 - Sisema
seminario cbh velhas 27 10 15 - Sisema CBH Rio das Velhas
 
A cidade como parte de um ecossistema e a diminuição da arborização decorrent...
A cidade como parte de um ecossistema e a diminuição da arborização decorrent...A cidade como parte de um ecossistema e a diminuição da arborização decorrent...
A cidade como parte de um ecossistema e a diminuição da arborização decorrent...Gabriela Cristina Sganzerla
 
Análise silvicultural do angico e da aroeira na arborização da cidade de bras...
Análise silvicultural do angico e da aroeira na arborização da cidade de bras...Análise silvicultural do angico e da aroeira na arborização da cidade de bras...
Análise silvicultural do angico e da aroeira na arborização da cidade de bras...paulosarruda
 
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar NativoArvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativomargosanta
 
Projetos de pesquisa turmas
Projetos de pesquisa turmasProjetos de pesquisa turmas
Projetos de pesquisa turmasDaniela Menezes
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental-
 

Semelhante a A Contribuição dos Quintais na Cobertura Vegetal do Sítio Histórico (Isabelle Meunier) (20)

Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...
Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...
Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...
 
Centro de Referência em Desenvolvimento Sustentável
Centro de Referência em Desenvolvimento SustentávelCentro de Referência em Desenvolvimento Sustentável
Centro de Referência em Desenvolvimento Sustentável
 
Educação ambiental preservação, sociedade blog
Educação ambiental  preservação, sociedade blogEducação ambiental  preservação, sociedade blog
Educação ambiental preservação, sociedade blog
 
Giselle Dziura - Inovação das cidades a aprtir da sustentabilidade aplicada a...
Giselle Dziura - Inovação das cidades a aprtir da sustentabilidade aplicada a...Giselle Dziura - Inovação das cidades a aprtir da sustentabilidade aplicada a...
Giselle Dziura - Inovação das cidades a aprtir da sustentabilidade aplicada a...
 
Conservação ambiental
Conservação ambientalConservação ambiental
Conservação ambiental
 
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
 
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
 
Sementes de conhecimento
Sementes de conhecimentoSementes de conhecimento
Sementes de conhecimento
 
Aventura Ambiental No Parque AclimaçãO
Aventura Ambiental No Parque AclimaçãOAventura Ambiental No Parque AclimaçãO
Aventura Ambiental No Parque AclimaçãO
 
52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf
 
Piloto arborização
Piloto arborizaçãoPiloto arborização
Piloto arborização
 
52 gestos para a Biodiversidade
52 gestos para a Biodiversidade52 gestos para a Biodiversidade
52 gestos para a Biodiversidade
 
Folder da Sala Verde Inhotim
Folder da Sala Verde InhotimFolder da Sala Verde Inhotim
Folder da Sala Verde Inhotim
 
seminario cbh velhas 27 10 15 - Sisema
seminario cbh velhas 27 10 15 - Sisema seminario cbh velhas 27 10 15 - Sisema
seminario cbh velhas 27 10 15 - Sisema
 
A cidade como parte de um ecossistema e a diminuição da arborização decorrent...
A cidade como parte de um ecossistema e a diminuição da arborização decorrent...A cidade como parte de um ecossistema e a diminuição da arborização decorrent...
A cidade como parte de um ecossistema e a diminuição da arborização decorrent...
 
Análise silvicultural do angico e da aroeira na arborização da cidade de bras...
Análise silvicultural do angico e da aroeira na arborização da cidade de bras...Análise silvicultural do angico e da aroeira na arborização da cidade de bras...
Análise silvicultural do angico e da aroeira na arborização da cidade de bras...
 
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar NativoArvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
 
Ecoaldeia
EcoaldeiaEcoaldeia
Ecoaldeia
 
Projetos de pesquisa turmas
Projetos de pesquisa turmasProjetos de pesquisa turmas
Projetos de pesquisa turmas
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
 

Mais de Prefeitura de Olinda

Balanço da Gestão 2009-2016 - Um legado de conquistas
Balanço da Gestão 2009-2016 - Um legado de conquistasBalanço da Gestão 2009-2016 - Um legado de conquistas
Balanço da Gestão 2009-2016 - Um legado de conquistasPrefeitura de Olinda
 
Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - (12/07/2016)
Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - (12/07/2016)Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - (12/07/2016)
Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - (12/07/2016)Prefeitura de Olinda
 
Plano Diretor - Apresentação "Patrimônio Cultural e Desenvolvimento Econômico"
Plano Diretor - Apresentação "Patrimônio Cultural e Desenvolvimento Econômico"Plano Diretor - Apresentação "Patrimônio Cultural e Desenvolvimento Econômico"
Plano Diretor - Apresentação "Patrimônio Cultural e Desenvolvimento Econômico"Prefeitura de Olinda
 
Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - Minuta Final (28/03/2016)
Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - Minuta Final (28/03/2016)Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - Minuta Final (28/03/2016)
Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - Minuta Final (28/03/2016)Prefeitura de Olinda
 
Revisão do Plano Diretor de Olinda - 1ª Audiência Pública
Revisão do Plano Diretor de Olinda - 1ª Audiência PúblicaRevisão do Plano Diretor de Olinda - 1ª Audiência Pública
Revisão do Plano Diretor de Olinda - 1ª Audiência PúblicaPrefeitura de Olinda
 
Projeto Orla - Anexo 1 – Unidade I - Trecho 3 - Planta da Situação Atual Ocup...
Projeto Orla - Anexo 1 – Unidade I - Trecho 3 - Planta da Situação Atual Ocup...Projeto Orla - Anexo 1 – Unidade I - Trecho 3 - Planta da Situação Atual Ocup...
Projeto Orla - Anexo 1 – Unidade I - Trecho 3 - Planta da Situação Atual Ocup...Prefeitura de Olinda
 
Projeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de Olinda
Projeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de OlindaProjeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de Olinda
Projeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de OlindaPrefeitura de Olinda
 
Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...
Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...
Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...Prefeitura de Olinda
 
A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...
A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...
A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...Prefeitura de Olinda
 
Apresentação do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAMOB/Olinda) - Oswaldo Lima ...
Apresentação do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAMOB/Olinda) - Oswaldo Lima ...Apresentação do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAMOB/Olinda) - Oswaldo Lima ...
Apresentação do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAMOB/Olinda) - Oswaldo Lima ...Prefeitura de Olinda
 
Relatório - Olinda em Ação 2015
Relatório - Olinda em Ação 2015Relatório - Olinda em Ação 2015
Relatório - Olinda em Ação 2015Prefeitura de Olinda
 
Cartilha Lixo, quem se lixa? : o bê-á-bá da Política Nacional de Resíduos Sól...
Cartilha Lixo, quem se lixa? : o bê-á-bá da Política Nacional de Resíduos Sól...Cartilha Lixo, quem se lixa? : o bê-á-bá da Política Nacional de Resíduos Sól...
Cartilha Lixo, quem se lixa? : o bê-á-bá da Política Nacional de Resíduos Sól...Prefeitura de Olinda
 
Elaboração do Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda
Elaboração do Plano de Gestão do Sítio Histórico de OlindaElaboração do Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda
Elaboração do Plano de Gestão do Sítio Histórico de OlindaPrefeitura de Olinda
 
Seminário "Diagnóstico dos instrumentos normativos que incidem sobre os Sítio...
Seminário "Diagnóstico dos instrumentos normativos que incidem sobre os Sítio...Seminário "Diagnóstico dos instrumentos normativos que incidem sobre os Sítio...
Seminário "Diagnóstico dos instrumentos normativos que incidem sobre os Sítio...Prefeitura de Olinda
 
Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 2
Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 2Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 2
Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 2Prefeitura de Olinda
 
Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 1
Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 1Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 1
Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 1Prefeitura de Olinda
 
Plano de Manejo da Mata do Passarinho
Plano de Manejo da Mata do PassarinhoPlano de Manejo da Mata do Passarinho
Plano de Manejo da Mata do PassarinhoPrefeitura de Olinda
 
Portaria Conjunta SEPAC/SEPLAC 001-2014 (Procedimento para autorização de fun...
Portaria Conjunta SEPAC/SEPLAC 001-2014 (Procedimento para autorização de fun...Portaria Conjunta SEPAC/SEPLAC 001-2014 (Procedimento para autorização de fun...
Portaria Conjunta SEPAC/SEPLAC 001-2014 (Procedimento para autorização de fun...Prefeitura de Olinda
 
Manual de Identidade Visual - Prefeitura de Olinda - 2013
Manual de Identidade Visual - Prefeitura de Olinda - 2013Manual de Identidade Visual - Prefeitura de Olinda - 2013
Manual de Identidade Visual - Prefeitura de Olinda - 2013Prefeitura de Olinda
 

Mais de Prefeitura de Olinda (20)

Balanço da Gestão 2009-2016 - Um legado de conquistas
Balanço da Gestão 2009-2016 - Um legado de conquistasBalanço da Gestão 2009-2016 - Um legado de conquistas
Balanço da Gestão 2009-2016 - Um legado de conquistas
 
Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - (12/07/2016)
Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - (12/07/2016)Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - (12/07/2016)
Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - (12/07/2016)
 
Plano Diretor - Apresentação "Patrimônio Cultural e Desenvolvimento Econômico"
Plano Diretor - Apresentação "Patrimônio Cultural e Desenvolvimento Econômico"Plano Diretor - Apresentação "Patrimônio Cultural e Desenvolvimento Econômico"
Plano Diretor - Apresentação "Patrimônio Cultural e Desenvolvimento Econômico"
 
Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - Minuta Final (28/03/2016)
Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - Minuta Final (28/03/2016)Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - Minuta Final (28/03/2016)
Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda - Minuta Final (28/03/2016)
 
Revisão do Plano Diretor de Olinda - 1ª Audiência Pública
Revisão do Plano Diretor de Olinda - 1ª Audiência PúblicaRevisão do Plano Diretor de Olinda - 1ª Audiência Pública
Revisão do Plano Diretor de Olinda - 1ª Audiência Pública
 
Projeto Orla - Anexo 1 – Unidade I - Trecho 3 - Planta da Situação Atual Ocup...
Projeto Orla - Anexo 1 – Unidade I - Trecho 3 - Planta da Situação Atual Ocup...Projeto Orla - Anexo 1 – Unidade I - Trecho 3 - Planta da Situação Atual Ocup...
Projeto Orla - Anexo 1 – Unidade I - Trecho 3 - Planta da Situação Atual Ocup...
 
Projeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de Olinda
Projeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de OlindaProjeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de Olinda
Projeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de Olinda
 
Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...
Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...
Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...
 
A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...
A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...
A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...
 
Apresentação do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAMOB/Olinda) - Oswaldo Lima ...
Apresentação do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAMOB/Olinda) - Oswaldo Lima ...Apresentação do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAMOB/Olinda) - Oswaldo Lima ...
Apresentação do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAMOB/Olinda) - Oswaldo Lima ...
 
Relatório - Olinda em Ação 2015
Relatório - Olinda em Ação 2015Relatório - Olinda em Ação 2015
Relatório - Olinda em Ação 2015
 
Cartilha Lixo, quem se lixa? : o bê-á-bá da Política Nacional de Resíduos Sól...
Cartilha Lixo, quem se lixa? : o bê-á-bá da Política Nacional de Resíduos Sól...Cartilha Lixo, quem se lixa? : o bê-á-bá da Política Nacional de Resíduos Sól...
Cartilha Lixo, quem se lixa? : o bê-á-bá da Política Nacional de Resíduos Sól...
 
Elaboração do Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda
Elaboração do Plano de Gestão do Sítio Histórico de OlindaElaboração do Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda
Elaboração do Plano de Gestão do Sítio Histórico de Olinda
 
Seminário "Diagnóstico dos instrumentos normativos que incidem sobre os Sítio...
Seminário "Diagnóstico dos instrumentos normativos que incidem sobre os Sítio...Seminário "Diagnóstico dos instrumentos normativos que incidem sobre os Sítio...
Seminário "Diagnóstico dos instrumentos normativos que incidem sobre os Sítio...
 
Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 2
Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 2Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 2
Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 2
 
Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 1
Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 1Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 1
Seminário "O papel dos órgãos de Controle Urbano e Ambiental" - 1
 
Plano de Manejo da Mata do Passarinho
Plano de Manejo da Mata do PassarinhoPlano de Manejo da Mata do Passarinho
Plano de Manejo da Mata do Passarinho
 
Portaria Conjunta SEPAC/SEPLAC 001-2014 (Procedimento para autorização de fun...
Portaria Conjunta SEPAC/SEPLAC 001-2014 (Procedimento para autorização de fun...Portaria Conjunta SEPAC/SEPLAC 001-2014 (Procedimento para autorização de fun...
Portaria Conjunta SEPAC/SEPLAC 001-2014 (Procedimento para autorização de fun...
 
Programação 9ª Fliporto
Programação 9ª Fliporto Programação 9ª Fliporto
Programação 9ª Fliporto
 
Manual de Identidade Visual - Prefeitura de Olinda - 2013
Manual de Identidade Visual - Prefeitura de Olinda - 2013Manual de Identidade Visual - Prefeitura de Olinda - 2013
Manual de Identidade Visual - Prefeitura de Olinda - 2013
 

A Contribuição dos Quintais na Cobertura Vegetal do Sítio Histórico (Isabelle Meunier)

  • 1. Prefeitura Municipal de Olinda Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional SEMINÁRIO A COBERTURA VEGETAL NA PAISAGEM DO SÍTIO HISTÓRICO DE OLINDA Olinda, 2011
  • 2. A Contribuição dos Quintais na Cobertura Vegetal do Sítio Histórico Profa. Isabelle Meunier – Departamento de Ciência Florestal – UFRPE Olinda, 2011
  • 3. As florestas urbanas cooperam para o equilíbrio microclimático, melhoram a qualidade do ar, reduzem a poluição sonora e a visual, promovem e conservam a diversidade de espécies vegetais e animais e colaboram com a melhoria da saúde física e mental da população. Trazem também benefícios econômicos e sociais.
  • 4. 1.Melhoria microclimática Interceptação da energia luminosa -> energia química (fotossíntese) Sombreamento Evapotranspiração (economia de até 20% da energia gasta com condicionamento térmico)
  • 5. 2. Auxílio no controle das poluições atmosférica, sonora e visual Filtragem do ar Fixação de elementos poluentes (CO, CO2, SO2, O3 e o flúor). Diminuição dos ruídos das cidades, ao servir de anteparo ao som. Controle da poluição visual
  • 6. 3. Promoção da diversidade de espécies A árvores urbanas abrigam e alimentam animais, principalmente as aves e pequenos répteis que são de grande importância na composição dos ambientes urbanos e ajudam no controle biológico de pragas e doenças.
  • 7.
  • 8. 4. Ação sobre a saúde física e mental do homem As árvores têm grande influência sobre os estados físico e psicológico do ser humano, pois as mesmas agem diretamente e indiretamente sobre a saúde do homem. A prática ativa da jardinagem e da arboricultura e o lazer contemplativo são oportunidades que os quintais representam para o maior equilíbrio físico e mental.
  • 9. 5. Benefícios econômicos Valorização imobiliária Turismo Geração de emprego e renda na implantação e manutenção da arborização Produção de alimento, matéria prima para fitoterápicos, aromáticos, materiais para artesanato, etc...
  • 10. 6. Benefícios sociais Fortalecimento comunitário: oportunidades de convívio social, prática de esportes, atividades culturais, “troca” de frutas entre a vizinhança. Oportunidade de Educação Ambiental e Educação para a Cidadania
  • 11. Onde estão nossas Florestas Urbanas? Nas Unidades de Conservação; Nas áreas de preservação permanente; Nos jardins, quintais, sítios e pomares de propriedades particulares; Nos espaços livres de clubes, escolas, hospitais, universidades; Nas áreas comuns de condomínios; Nos parques, praças e jardins urbanos; Na arborização de ruas e avenidas
  • 12. Áreas verdes - Conceitos “As áreas não edificadas de uma cidade, de propriedade do Município, Estado, União ou de particulares, independentes de sua destinação de uso, são chamadas de espaços livres. Quando destinados à preservação ou implantação de vegetação ou ao lazer público, passam a chamar-se áreas verdes, as quais podem ser dotadas de vegetação de ocorrência natural ou implantada”. SANCHOTENE, M. C. C. Conceito e com posição do índice de áreas verdes. São Paulo:SBAU. 2004 (Boletim Informativo, 1)
  • 13. “As florestas urbanas são um todo integrado a cidade, isto é, toda a área que serve à população urbana. ....Neste contexto, a floresta urbana não deve ser mais entendida apenas como um conjunto ou aglomerado de árvores que pode ser manejado, mas sim como um conjunto de espaços combinado à vegetação, cujo manejo deve ser feito de forma integrada aos ambientes da cidade.” BADITU et al. Método para a Classificação Tipológica da Floresta Urbana visando o Planejamento e a Gestão das Cidades. Anais XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Goiânia, Brasil, 16-21 abil 2005, INPE, p. 1427-1433
  • 14.
  • 15.
  • 16. ESPAÇOS PLANEJADOS (Áreas verdes e outros espaços livres)
  • 18. TERRAS DEVOLUTAS (União, estado, município)
  • 19. ESPAÇOS LIVRES PÚBLICOS COM GESTAO PRIVADA OU PARTICULARES POTENCIALMENTE COLETIVOS
  • 20. Escolas, campus, clubes, cemitérios, RPPN...
  • 22. Jardins, quintais, chácaras, terrenos baldios (especulação ou litígio)4/10/2011
  • 23. Todas essas categorias são importantes e fornecem benefícios complementares. Todas precisam de cuidados e atenção, mas exigem tipo e intensidade de manejo diferenciados. Juntas, elas se completam na oferta de serviços essenciais à vida nas cidades.
  • 24. Essas áreas, que necessitam do nosso compromisso e da nossa ação cidadã para que seja garantida a conservação, são laboratórios vivos para as ciências e oportunidades (hoje) raras de desenvolvimento de valores éticos, de prática de lazer sem consumismo, de interação social saudável, de educação ambiental contextualizada, de exercício do respeito aos bens coletivos.
  • 25.
  • 26. Estrutura complexa (resiliência e diversidade de nichos)
  • 27. Riqueza e biodiversidade elevada (conservação da biodiversidade, educação ambiental, resiliência, estética)
  • 28. Elevada cobertura de copa (proteção ao solo e à água, sombreamento, amenização de extremos de temperatura)
  • 29.
  • 30. Fragmentos conservados em UC (UC de Proteção Integral ou Zona de Preservação/Zona primitiva em UC de Uso Sustentável): Composição florística; estrutura horizontal, vertical e dendrométrica. Biomassa e ciclagem de nutrientes. Estágio sucessional. Espécies endêmicas, ameaçadas, focais e invasoras. Síndromes de dispersão. Efeito de borda e parâmetros de ecologia da paisagem. Relações com a fauna silvestre. Capacidade suporte; sistema de trilhas. Status de conservação (v. ex. simplificado). Situação do entorno. Condução do Plano de Manejo (êxito nos programas). 4/10/2011
  • 31. Áreas Particulares: Posse da terra, história de ocupação, extensão da área, tipo de vizinhança, renda familiar, usos da área verde. Natureza da vegetação: nativa/exótica; espontânea/cultivada; arbórea, arbustiva ou herbácea. Sistemas de cultivo: culturas temporárias/perene; técnicas de preparo do terreno, plantio e colheita; aporte de insumos; mão-de-obra para manutenção. Diversidade, riqueza, índice de cobertura vegetal, conservação do solo; importância na infiltração e drenagem; fauna associada; potencial paisagístico, percepção dos proprietários/usuários, etc... 4/10/2011
  • 32. 4/10/2011 Desafios da pesquisa Correlacionar características dos quintais com seu desempenho ambiental, estético e de lazer para subsidiar o processo de planejamento. Quantificar serviços ambientais dos quintais para valorá-los e valorizá-los. Ser considerada nas tomadas de decisões.
  • 33. Questionário Dados cadastrais: Tempo de residência no local:.................. Número de moradores.......... Residência: própria ( ) alugada ( ) Quantas e quais árvores e/ou arbustos o morador encontrou no quintal e jardim ao se mudar ou adquirir a casa?  Quantas e quais árvores e/ou arbustos o proprietário/morador plantou? Qual o motivo o levou a plantar as árvores ou arbustos citados? Quais os benefícios que têm por ter as árvores ou arbustos do seu jardim e/ou quintal?  Quais as principais queixas em relação às árvores/arbustos? 
  • 34. Quantas árvores ou arbustos ele já arrancou/abateu? Quais os motivos? Há árvores ou arbustos que ainda pensa em remover? Por que? Como vai substituí-las? Quais os cuidados que ele dedica as árvores (poda, adubação, tratamentos fitossanitários)? Quem faz isso? (ele mesmo, contrata alguém, quais as dificuldades)   Sobre as árvores da rua, quem plantou (prefeitura ou iniciativa particular?)  Quais os benefícios trazidos pelas árvores da calçada? E quais os inconvenientes?
  • 35. Teria mais árvores frente à casa? Ou menos? Por que? Cuidaria da árvore que fosse plantada em frente a casa? Sobre áreas verdes: freqüenta alguma praça ou parque? Do bairro? Onde? Com qual periodicidade? Que atividade desenvolve nesse local? No seu bairro, qual o melhor local ao ar livre para se freqüentar, encontrar amigos, fazer esportes ou qualquer coisa que lhe agrade? Se não há local assim, acha que deve haver?
  • 36. CROQUI DO JARDIM OU QUINTAL Elaborar o croqui em escala, identificando a localização das árvores e relacionando ao lado as espécies e porte das árvores (altura e diâmetro de copa). O proprietário deve ser convidado a sugerir onde plantaria outras árvores e/ou quais ele removeria, registrando-se essa informação no croqui.
  • 37.
  • 38. Favorecimento de uma ampla conexão entre os espaços verdes do centro da cidade e de seus arredores.
  • 39. Redução dos gradientes de intensidades de uso entre o centro e a periferia, sendo que somente dois terços da superfície do centro poderiam ser pavimentados e edificados.
  • 40. Implantação de zonas verdes de grandes dimensões e com alto grau de conexão entre elas.
  • 41. Evitar ao máximo a pavimentação nos espaços verdes.
  • 42.
  • 43. Evitar os gramados ornamentais primorosamente cortados e árvores exóticas que são mantidos com alto custo e com utilização de fertilizantes e pesticidas.
  • 44. Substituir o gramado por campo com plantas ruderais que apresentam uma maior diversidade de espécies e cumprem melhor as funções ecológicas para a fauna.
  • 45.
  • 46. A edificação em terrenos baldios deve ser considerada perda de espaço verde e deveria ser compensada.
  • 47.
  • 48. Favorecimento das espécies ruderais e das árvores nativas, diminuição da pavimentação, do uso de fertilizantes e de pesticidas nos pequenos jardins privados.
  • 49. Integração dos pequenos jardins privados criando superfícies comuns que sirvam como pontos de união entre os espaços verdes.
  • 50.
  • 51. Evidentemente, não bastam as áreas onde se vivenciem os recursos ambientais e se observem as inter-relações entre organismos e meio físico: são necessárias consciência, vontade, atitudes. É necessária uma educação pautada em valores éticos, na valorização da descoberta, do respeito a todas as formas de vida, na reflexão crítica, consciente e transformadora.
  • 52. Obrigada Isabelle Meunier imjmeunier@gmail.com
  • 53. Um pouco de arboricultura ... Se desejamos uma cidade arborizada, é preciso nos dedicarmos a CUIDAR das árvores. Arboricultura: técnica de “cuidar” das árvores, cultivá-las para que elas sejam saudáveis, bem formadas e nos dêem os benefícios que nós precisamos.
  • 54. Diferentes objetivos, diferentes práticas: Fruticultura Silvicultura Arboricultura: muitos princípios em comum, mas objetivos distintos. Foco nas árvores individuais e nos serviços ambientais, paisagísticos e socioculturais por elas gerados.
  • 55. Na perspectiva da arboricultura, desejamos árvores bem formadas, saudáveis, adequadas aos NOSSOS anseios.
  • 56. Os cuidados com as árvores da cidade: Na avaliação do local de plantio, suas potencialidades, necessidades e limitações; Na escolha da espécie adequada; Na produção da muda (sementes, substrato, tratos, poda de formação) No plantio (coveamento, fertilização, tutoramento, proteção, rega) Na manutenção dos plantios (limpezas, eventuais replantios, eventuais podas de limpeza e de conformação).
  • 57. 1) Avaliação do local de plantio Espaço disponível para crescimento; recuo de construções e presença de redes aéreas e subterrâneas; propriedades do solo (profundidade, origem, escoamento); tipo e intensidade de tráfego; vizinhança; usos.
  • 58.
  • 59. Porte
  • 63.
  • 70.
  • 71. COVEAMENTO Cova grande = bom desenvolvimento das mudas 40 cm 40 cm
  • 72. Rega leve anterior, para firmar o torrão; Atenção para remoção do saco plástico (corte lateral e no fundo); Cuidado com a manutenção do torrão – raízes enoveladas podem ser podadas. PLANTIO
  • 73. Adubação Adubação com esterco de gado bem curtido (5 a 10 L por cova) O esterco pode ser substituído por uma boa fonte de matéria orgânica. Adubação mineral: Fundação: 100 - 200g de NPK (04-14-08 ou 10-10-10) 100 gramas de superfosfato simples, 100 gramas de fosfato de rocha e 50 gramas de cloreto de potássio Calcário (45 dias antes do plantio; 300g/cova)
  • 74. Cobrir a área em volta da muda com o material roçado seco - “mulch”. Adubação de cobertura (mineral e/ou orgânica)
  • 75. IRRIGAÇÃO A época de plantio bem escolhida diminui o trabalho com a irrigação, mas não o evita totalmente. Passado o período das chuvas, é possível que as mudas ainda precisem ser irrigadas com baldes, tonéis, regadores, mangueiras... A situação e a criatividade é que vão determinar a melhor forma de garantir a rega das mudas.
  • 77. Podas A poda é uma operação realizada por silvicultores ou arboricultores, para criar e manter uma boa estrutura das árvores e produzir árvores saudáveis, bem conformadas, removendo o mínimo de tecido vivo em cada operação.
  • 78. Tipos de podas Podas de Formação Podas de Conformação (ou condução) Podas de Limpeza Podas para “livrar a fiação” 
  • 79. CUIDADOS ESSENCIAIS NA REALIZAÇÃO DE PODAS Capacitação e treinamento da equipe de poda Escolha da ferramenta adequada Planejamento da operação Localização dos cortes Realização dos cortes Remoção do material Tratamento da ferida
  • 80. ATENÇÃO Uma boa serra não faz o bom podador...Porém uma foice ou um facão, bons ou maus, fazem, certamente, um mau podador!! Pessoas que não conhecem árvores e não sabem trabalhar com serras manuais ou a motor NÃO DEVEM FAZER PODAS!!!
  • 82. Equipamentos individuais de segurança para operadores de motosserra.
  • 83. Uso de motopoda da Husqvarna Fotos do site http://www.br.husqvarna.com/
  • 84.
  • 85. Identificando o local do corte CRISTA COLAR
  • 86.
  • 87. CRISTA COLAR A crista e o colar indicam a localização do corte, que deve ser limpo, reto, sem rebarbas e sem agredir a casca do tronco.
  • 88. Corte correto Toco muito longo Colar
  • 89. Os três cortes para galhos médios e grossos
  • 90. A cruel combinação da poda de um galho grosso pertencente a uma árvore velha, e ainda deixando o toco, tem como inescapável resultado o apodrecimento do toco e a morte lenta da árvore.
  • 91. Atenção Quantidade de material removido: no máximo, 1/3 da copa. Rebaixamento de copa não significa decepa – As corretas técnicas de poda podem rebaixar e tornar a copa mais leve, com a correta remoção de galhos vivos, desde que haja: - Corte correto, sem rebarbas, sem tocos, sem feridas; - Respeito a arquitetura da copa, manutenção do equilíbrio e harmonia de forma; - Manutenção de massa foliar suficiente para fotossíntese. - Cortes de galhos mais grossos feitos de forma inclinada.