SlideShare uma empresa Scribd logo

Camões Lírico (10.ºano/Português)

Dina Baptista
Dina Baptista
Dina BaptistaProfessora Adjunta convidada na Universidade de Aveiro, PhD. em ESTGA-Universidade de Aveiro

Material de apoio ao estudo de Camões Lírico - Influência Tradicional e Renascentista

Camões Lírico (10.ºano/Português)

1 de 21
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EPADRV
2013/2014

| Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos

Luís Vaz de Camões
N. Lisboa (?) 1524/1525 (?)
F. Lisboa, 10/06/1580
Espaços: Lisboa, Coimbra, Ceuta, Sintra
“Numa mão sempre a espada e noutra a pena.”
Breve sinopse _ Vida de Camões
Luis de Camões - Documentário (série Grandes Portugueses). :

Caracterização: brigão, namoradeiro e galanteador, homem da corte
e do povo, soldado, desafortunado, patriota
. Epopeia: Os Lusíadas
. Poesia: Tradicional / Clássica
. Peças de teatro: Autos…
1
www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EPADRV
2013/2014

| Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos

O dia em que nasci moura e pereça,
Não o queira jamais o tempo dar;
Não torne mais ao Mundo, e, se tornar,
Eclipse nesse passo o Sol padeça.

Erros meus, má Fortuna, Amor ardente
Em minha perdição se conjuraram;
Os erros e a Fortuna sobejaram,
Que para mim bastava Amor somente.

A luz lhe falte, O Sol se [lhe] escureça,
Mostre o Mundo sinais de se acabar,
Nasçam-lhe monstros, sangue chova o ar,
A mãe ao próprio filho não conheça.

Tudo passei; mas tenho tão presente
A grande dor das cousas que passaram,
Que já as frequências suas me ensinaram
A desejos deixar de ser contente.

As pessoas pasmadas, de ignorantes,
As lágrimas no rosto, a cor perdida,
Cuidem que o mundo já se destruiu.

Errei todo o discurso de meus anos;
Dei causa a que a Fortuna castigasse
As minhas mal fundadas esperanças.

Ó gente temerosa, não te espantes,
Que este dia deitou ao Mundo a vida
Mais desgraçada que jamais se viu!

De Amor não vi senão breves enganos.
Oh! Quem tanto pudesse, que fartasse
Este meu duro Génio de vinganças!

2
www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EPADRV
2013/2014

| Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos

Renascimento: Tempo e Arte de mudança
. Movimento cultural que surgiu em Itália, no século XV, e que se prolongou até ao
século XVII, tendo o seu apogeu entre 1495 e 1520.
. Resultante de um conjunto de transformações sociais, culturais económicas,
este movimento surge em oposição à escolástica medieval: uma nova maneira
de olhar e estudar o mundo natural.
. Em termos artísticos, o renascimento caracteriza-se por uma forte tendência
naturalista. Os novos conhecimentos da anatomia, da fisiologia e da geometria
são incorporados, possibilitando, por exemplo, a representação do volume no
plano.
. Caracterizado pela retoma dos valores da cultura greco-romana
(Classicismo), visa a aceitação das formas artísticas greco-latinas e a
assimilação do espírito que as anima - “Imitar os Clássicos, imitar a Natureza”:
- procura-se a pureza formal, equilíbrio e o rigor / a mitologia passou a
ser usado como tema, a par das cenas bíblicas, realçando-se a humanização
das figuras / o retrato, normalmente enquadrado na natureza, e o nu são temas
recorrentes.
3
www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EPADRV
2013/2014

| Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos

"O homem é a medida de todas as coisas” Protágoras
Humanismo: o entendimento do mundo passa a ser feito a partir da importância do
ser humano; o trabalho, as guerras, as transformações, os amores, as contradições
humanas tornaram-se objetos de preocupação.
Racionalismo - Experimentalismo: a convicção de que tudo pode ser explicado
pela razão do homem e pela ciência, a recusa em acreditar em qualquer coisa que
não tenha sido provada.
Individualismo: emergência da burguesia e de novas relações de trabalho.
Hedonismo: visão do prazer e da felicidade como bens supremos.
Heliocentrismo: Copérnico nega o centrismo da Terra.
Expansionismo: movimento de expansão marítima que teve como ponto alto os
Descobrimentos portugueses.

4
www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EPADRV
2013/2014

| Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos

Humanização das figuras / Perspetiva, luz e harmonia / Ideal de beleza / Simetria

Madona no prado, Rafael

Danae, Antonio Allegri

O homem vitruviano, Leonardo
Da Vinci

O Nascimento de Vénus, Sandro Botticelli

David, Michelangelo

www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista

5
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EPADRV
2013/2014

| Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos

LEITURA DE IMAGEM

Descreva-a,
considerando:
. A figura central: Vénus, a
deusa romana do Amor;
. As figuras da esquerdaos Ventos d’Oeste – as
figuras da direita – Flora
ou uma das Horas
(deusas das estações do
ano)
. A harmonia criada pelas
formas onduladas;

. A simbologia das cores;
. O equilíbrio de todo o quadro e do corpo de Vénus em particular;
. A figura feminina representada por Vénus e a sua relação com a mulher
renascentista.
6

www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
Anúncio

Recomendados

A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesCristina Martins
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lurdes Augusto
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana Sara Afonso
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoRaffaella Ergün
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoGijasilvelitz 2
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"MiguelavRodrigues
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoLurdes Augusto
 
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCanto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCatarina Sousa
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardenteHelena Coutinho
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiroguest155834
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerHelena Coutinho
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106nanasimao
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteHelena Coutinho
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralHelena Coutinho
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasMaria Rodrigues
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesGijasilvelitz 2
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteHelena Coutinho
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesCatarina Castro
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemPaulo Vitorino
 

Mais procurados (20)

Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCanto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 

Destaque

Camões lírico: vida obra
Camões lírico: vida obraCamões lírico: vida obra
Camões lírico: vida obraDina Baptista
 
Teste/Fevereiro/Camões Lírico
Teste/Fevereiro/Camões LíricoTeste/Fevereiro/Camões Lírico
Teste/Fevereiro/Camões LíricoVanda Sousa
 
As rosas amo dos jardins de adónis
As rosas amo dos jardins de adónisAs rosas amo dos jardins de adónis
As rosas amo dos jardins de adónisJoão Pereira
 
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obraLuís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obramariacosta
 
Os Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoOs Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoDina Baptista
 
Resumo globalde portugues 10º-ano
Resumo globalde portugues 10º-anoResumo globalde portugues 10º-ano
Resumo globalde portugues 10º-anoRita Pereira
 
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAnalise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAngela Silva
 
Introdução ao estudo das funções
Introdução ao estudo das funçõesIntrodução ao estudo das funções
Introdução ao estudo das funçõeslilianamcvieira1986
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...FilipaFonseca
 
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVASORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVASAngela Santos
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAnabela Fernandes
 

Destaque (16)

Camões lírico: vida obra
Camões lírico: vida obraCamões lírico: vida obra
Camões lírico: vida obra
 
Teste/Fevereiro/Camões Lírico
Teste/Fevereiro/Camões LíricoTeste/Fevereiro/Camões Lírico
Teste/Fevereiro/Camões Lírico
 
Camões sonetos
Camões sonetosCamões sonetos
Camões sonetos
 
As rosas amo dos jardins de adónis
As rosas amo dos jardins de adónisAs rosas amo dos jardins de adónis
As rosas amo dos jardins de adónis
 
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obraLuís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
 
Os Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoOs Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacao
 
Resumo globalde portugues 10º-ano
Resumo globalde portugues 10º-anoResumo globalde portugues 10º-ano
Resumo globalde portugues 10º-ano
 
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAnalise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Introdução ao estudo das funções
Introdução ao estudo das funçõesIntrodução ao estudo das funções
Introdução ao estudo das funções
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Funções
FunçõesFunções
Funções
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticas
 
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVASORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 

Semelhante a Camões Lírico (10.ºano/Português)

Semelhante a Camões Lírico (10.ºano/Português) (20)

Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os Maias
 
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
 
Trovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismoTrovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismo
 
Poesia do século XX - 1
Poesia do século XX - 1Poesia do século XX - 1
Poesia do século XX - 1
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Os Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IVOs Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IV
 
Aquisições - Biblioteca de Jugueiros
Aquisições - Biblioteca de JugueirosAquisições - Biblioteca de Jugueiros
Aquisições - Biblioteca de Jugueiros
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Quinhentismo(1)
Quinhentismo(1)Quinhentismo(1)
Quinhentismo(1)
 
Trovadorismo (2)
Trovadorismo (2)Trovadorismo (2)
Trovadorismo (2)
 
DeClara nº30 fevereiro 2020
DeClara nº30 fevereiro  2020DeClara nº30 fevereiro  2020
DeClara nº30 fevereiro 2020
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
 
FPessoa Heterónimos
FPessoa HeterónimosFPessoa Heterónimos
FPessoa Heterónimos
 
Fernando Pessoa - Heterónimos
Fernando Pessoa - HeterónimosFernando Pessoa - Heterónimos
Fernando Pessoa - Heterónimos
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Contacto abril 2017
Contacto abril   2017Contacto abril   2017
Contacto abril 2017
 
Renascimento e Epopeia
Renascimento e EpopeiaRenascimento e Epopeia
Renascimento e Epopeia
 
Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014
 
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
 
Rogerio francisco
Rogerio franciscoRogerio francisco
Rogerio francisco
 

Mais de Dina Baptista

Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi Dina Baptista
 
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitaisO ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitaisDina Baptista
 
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...Dina Baptista
 
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊSREPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊSDina Baptista
 
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficazA importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficazDina Baptista
 
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)Dina Baptista
 
Análise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralAnálise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralDina Baptista
 
Jantar no Hotel Central
Jantar no Hotel CentralJantar no Hotel Central
Jantar no Hotel CentralDina Baptista
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralDina Baptista
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 
Repreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesRepreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesDina Baptista
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIIDina Baptista
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasDina Baptista
 
Contos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoContos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoDina Baptista
 
Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4Dina Baptista
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade   Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade Dina Baptista
 
Mário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de VasconcelosMário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de VasconcelosDina Baptista
 
José Ary dos Santos
José Ary dos SantosJosé Ary dos Santos
José Ary dos SantosDina Baptista
 

Mais de Dina Baptista (20)

Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
 
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitaisO ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
 
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
 
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊSREPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
 
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficazA importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
 
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
 
Análise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralAnálise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel Central
 
Jantar no Hotel Central
Jantar no Hotel CentralJantar no Hotel Central
Jantar no Hotel Central
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Repreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesRepreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particulares
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Contos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoContos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismo
 
Manuel Alegre
Manuel AlegreManuel Alegre
Manuel Alegre
 
Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade   Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Mário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de VasconcelosMário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de Vasconcelos
 
José Ary dos Santos
José Ary dos SantosJosé Ary dos Santos
José Ary dos Santos
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
 

Último

5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfkeiciany
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOColaborar Educacional
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfalexandrerodriguespk
 
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...azulassessoriaacadem3
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
CURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdfCURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdfdaniele690933
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfAndreiaSilva852193
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...manoelaarmani
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxssuser86fd77
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
 
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
CURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdfCURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdf
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
 

Camões Lírico (10.ºano/Português)

  • 1. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos Luís Vaz de Camões N. Lisboa (?) 1524/1525 (?) F. Lisboa, 10/06/1580 Espaços: Lisboa, Coimbra, Ceuta, Sintra “Numa mão sempre a espada e noutra a pena.” Breve sinopse _ Vida de Camões Luis de Camões - Documentário (série Grandes Portugueses). : Caracterização: brigão, namoradeiro e galanteador, homem da corte e do povo, soldado, desafortunado, patriota . Epopeia: Os Lusíadas . Poesia: Tradicional / Clássica . Peças de teatro: Autos… 1 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 2. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos O dia em que nasci moura e pereça, Não o queira jamais o tempo dar; Não torne mais ao Mundo, e, se tornar, Eclipse nesse passo o Sol padeça. Erros meus, má Fortuna, Amor ardente Em minha perdição se conjuraram; Os erros e a Fortuna sobejaram, Que para mim bastava Amor somente. A luz lhe falte, O Sol se [lhe] escureça, Mostre o Mundo sinais de se acabar, Nasçam-lhe monstros, sangue chova o ar, A mãe ao próprio filho não conheça. Tudo passei; mas tenho tão presente A grande dor das cousas que passaram, Que já as frequências suas me ensinaram A desejos deixar de ser contente. As pessoas pasmadas, de ignorantes, As lágrimas no rosto, a cor perdida, Cuidem que o mundo já se destruiu. Errei todo o discurso de meus anos; Dei causa a que a Fortuna castigasse As minhas mal fundadas esperanças. Ó gente temerosa, não te espantes, Que este dia deitou ao Mundo a vida Mais desgraçada que jamais se viu! De Amor não vi senão breves enganos. Oh! Quem tanto pudesse, que fartasse Este meu duro Génio de vinganças! 2 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 3. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos Renascimento: Tempo e Arte de mudança . Movimento cultural que surgiu em Itália, no século XV, e que se prolongou até ao século XVII, tendo o seu apogeu entre 1495 e 1520. . Resultante de um conjunto de transformações sociais, culturais económicas, este movimento surge em oposição à escolástica medieval: uma nova maneira de olhar e estudar o mundo natural. . Em termos artísticos, o renascimento caracteriza-se por uma forte tendência naturalista. Os novos conhecimentos da anatomia, da fisiologia e da geometria são incorporados, possibilitando, por exemplo, a representação do volume no plano. . Caracterizado pela retoma dos valores da cultura greco-romana (Classicismo), visa a aceitação das formas artísticas greco-latinas e a assimilação do espírito que as anima - “Imitar os Clássicos, imitar a Natureza”: - procura-se a pureza formal, equilíbrio e o rigor / a mitologia passou a ser usado como tema, a par das cenas bíblicas, realçando-se a humanização das figuras / o retrato, normalmente enquadrado na natureza, e o nu são temas recorrentes. 3 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 4. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos "O homem é a medida de todas as coisas” Protágoras Humanismo: o entendimento do mundo passa a ser feito a partir da importância do ser humano; o trabalho, as guerras, as transformações, os amores, as contradições humanas tornaram-se objetos de preocupação. Racionalismo - Experimentalismo: a convicção de que tudo pode ser explicado pela razão do homem e pela ciência, a recusa em acreditar em qualquer coisa que não tenha sido provada. Individualismo: emergência da burguesia e de novas relações de trabalho. Hedonismo: visão do prazer e da felicidade como bens supremos. Heliocentrismo: Copérnico nega o centrismo da Terra. Expansionismo: movimento de expansão marítima que teve como ponto alto os Descobrimentos portugueses. 4 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 5. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos Humanização das figuras / Perspetiva, luz e harmonia / Ideal de beleza / Simetria Madona no prado, Rafael Danae, Antonio Allegri O homem vitruviano, Leonardo Da Vinci O Nascimento de Vénus, Sandro Botticelli David, Michelangelo www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista 5
  • 6. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos LEITURA DE IMAGEM Descreva-a, considerando: . A figura central: Vénus, a deusa romana do Amor; . As figuras da esquerdaos Ventos d’Oeste – as figuras da direita – Flora ou uma das Horas (deusas das estações do ano) . A harmonia criada pelas formas onduladas; . A simbologia das cores; . O equilíbrio de todo o quadro e do corpo de Vénus em particular; . A figura feminina representada por Vénus e a sua relação com a mulher renascentista. 6 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 7. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos A OBRA LÍRICA CAMONIANA É MARCADA POR UMA DUALIDADE: A)Tradição Lírica Lírica trovadoresca: cantigas de amigo Poesia palaciana: cantigas de amor • As formas poéticas tradicionais: cantigas e vilancetes (com mote), esparsas, endechas, trovas (sem mote)... • Uso da medida velha: redondilha menor (versos de 5 sílabas métricas) e maior (versos de 7 sílabas métricas) • Temas tradicionais e populares; a menina que vai à fonte; o verde dos campos e dos olhos; o amor simples e natural; a saudade e o sofrimento; a dor e a mágoa; o ambiente cortesão com as suas “cousas de folgar” e as futilidades; a exaltação da beleza de uma mulher de condição servil, de olhos pretos e tez morena (a “Barbara, escrava”); a infelicidade presente e a felicidade passada. 7 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 8. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos A) Tradição Lírica Verdes são os campos, De cor de limão: Assim são os olhos Do meu coração. Campo, que te estendes Com verdura bela; Ovelhas, que nela Vosso pasto tendes, De ervas vos mantendes Que traz o Verão, E eu das lembranças Do meu coração. Gados que pasceis Com contentamento, Vosso mantimento Não no entendereis; Isso que comeis Não são ervas, não: São graças dos olhos Do meu coração. (Cantiga:_1 mote de 3 ou 4 versos e uma ou mais glosas de 8, 9 ou 10 versos) 8 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 9. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos Mote: Descalça vai para a fonte Leonor pela verdura; Vai fermosa, e não segura. Voltas Leva na cabeça o pote, O testo nas mãos de prata, Cinta de fina escarlata1, Sainho2 de chamalote3; Traz a vasquinha4 de cote5, Mais branca que a neve pura; Vai fermosa, e não segura Descobre a touca a garganta, Cabelos d’ouro o trançado6, Fita de cor de encarnado, Tão linda que o mundo espanta; Chove nela graça tanta Que dá graça à fermosura; Vai fermosa, e não segura. Tema: Exaltação da beleza de Leanor. Conteúdo: A descrição da beleza e graciosidade de Leanor concretizada de variadas maneiras e a vários níveis. Forma: vilancete em redondilha maior, com mote de três versos, com esquema rimático ABB/cddccBB. 1-Escarlata: tecido de lã ou de seda vermelho-vivo; 2- sainho: espécie de camisa ou colete; 3- chamalote: tecido de lã misturado com seda; 4- vasquinha: saia com muitas pregas na cintura; 5- cote: de todos os dias, 6- fita/rede de atar os cabelos www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista 9
  • 10. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos Poema da Autoestrada (António Gedeão) Com um rasgão na paisagem corta a lambreta afiada, engole as bermas da estrada e a rumorosa folhagem. Urrando, estremece a terra, bramir de rinoceronte, enfia pelo horizonte como um punhal que se enterra. Tudo foge à sua volta, o céu, as nuvens, as casas, e com os bramidos que solta, lembra um demónio com asas. Voando vai para a praia Leonor na estrada preta. Vai na brasa, de lambreta. Agarrada ao companheiro Leva calções de pirata, na volúpia da escapada vermelho de alizarina, pincha no banco traseiro modelando a coxa fina, em cada volta da estrada. de impaciente nervura. Grita de medo fingido, como guache lustroso, que o receio não é com ela, amarelo de idantreno, mas por amor e cautela Na confusão dos sentidos blusinha de terileno abraça-o pela cintura. desfraldada na cintura. Vai ditosa e bem segura. já nem percebe Leonor se o que lhe chega aos ouvidos são ecos de amor perdidos Fuge, fuge, Leonoreta: se os rugidos do motor. Vai na brasa, de lambreta. Fuge, fuge, Leonoreta Vai na brasa, de lambreta. www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista 10
  • 11. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos B) Corrente RENASCENTISTA : • O estilo novo: soneto, canção, écloga, ode, entre outros. • Uso da Medida Nova: decassílabos SONETO composição constituída por 14 versos, distribuídos por 2 quadras com rima interpolada e emparelhada (abba/ abba) e 2 tercetos com rima cruzada (cde/cde ou cdc/dcd), com versos de 10 sílabas métricas (versos decassilábicos) A estrutura externa corresponde a uma estrutura interna, geralmente, organizada da seguinte forma: Primeira quadra: apresentação do tema a desenvolver: Segunda quadra: desenvolvimento do tema; Primeiro terceto: confirmação; Segundo terceto: conclusão O soneto deve terminar com chave de ouro, terminando com um pensamento elevado , habitualmente emotivo. 11 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 12. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos •Classicismo: Equilíbrio; Humanismo; Universalismo; Mitologia pagã; Imitação; ideal ético-estético; verosimilhança •Petrarquismo: Ideal de mulher petrarquista: retrato idealizado da amada, cuja beleza física e qualidades morais e psicológicas resultam num quadro perfeito, quase celestial e, por isso, intocável e inatingível: longos cabelos “de ouro”, ondulados, pele branca e delicada, olhos claros e cintilantes que refletem um temperamento sereno, uma alegria discreta. Em plena harmonia com a Natureza, o retrato da mulher amada oscila entre o ideal de amor espiritual e carnal, e, por isso, provocador de contradições amorosa. 12 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 13. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos Platonismo: mundo inteligível vs mundo sensível: busca do amor platónico, elevado e espiritual. A ALEGORIA DA CAVERNA Platão convida-nos a imaginar como seria se aquilo que conhecemos fosse diferente … ilusoriamente, vivemos acorrentados a falsas crenças, preconceitos, ideias enganosas … •Experiência pessoal: o exílio, os erros, a má fortuna (Destino) e o amor que lhe causa sofrimento; a predestinação quase maldita e apocalíptica, o desconcerto do mundo… •Temas Bíblicos 13 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 14. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos ÁREAS TEMÁTICAS O AMOR surge sempre como fonte de contradições, entre a vida e a morte, a água e o fogo, a esperança e o desengano, a ideia (platonismo) e o desejo de carnalidade. Por isso, o poeta sofre um intenso conflito amoroso, quase sempre provocado pelos efeitos contraditórios do amor (assim se explica o abuso das antíteses e dos oximoros) Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer; É um não querer mais que bem querer; É solitário andar por entre a gente; É nunca contentar-se de contente; É cuidar que se ganha em se perder; É querer estar preso por vontade; É servir a quem vence, o vencedor; É ter com quem nos mata lealdade. Mas como causar pode seu favor Nos corações humanos amizade, Se tão contrário a si é o mesmo Amor? 14 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 15. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos SETE ANOS DE PASTOR JACOB SERVIA Sete anos de pastor Jacob servia Labão, pai de Raquel, serrana bela; Mas não servia ao pai, servia a ela, E a ela só por prémio pretendia. Os dias, na esperança de um só dia, Passava, contentando-se com vê-la; Porém o pai, usando de cautela, Em lugar de Raquel lhe dava Lia. Vendo o triste pastor que com enganos Lhe fora assim negada a sua pastora, Como se a não tivera merecida, Poema/Soneto de inspiração bíblica. Embora Jacob se sacrifique devido ao amor por Raquel, este amor acaba por se enquadrar no que se considera ser o alto amor, já que subsiste platonicamente durante catorze anos. Escute com atenção a música “A PAIXÃO”, cantada por Rui Veloso e estabeleça um comparação com o poema Começa de servir outros sete anos, Dizendo: - “Mais servira, senão fora Para tão longo amor tão curta a vida!” 15 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 16. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos A MULHER – em íntima ligação com a temática do amor e da natureza (“locus amenus”), a amada surge umas vezes como ser angélico, outras como ser maléfico; A mulher amada é espiritualizada, fonte de perfeição moral. A sua beleza física espelha a beleza interior, inspirada no modelo de Laura (ideal de amor espiritual) e no modelo renascentista de Vénus (ideal de amor carnal). Ondados fios de ouro reluzente, Que agora da mão bela recolhidos, Agora sobre as rosas estendidos Fazeis que sua graça se acrecente; Olhos, que vos moveis tão docemente, Em mil divinos raios encendidos, Se de cá me levais alma e sentidos, Que fora, se de vós não fora ausente? Honesto riso, que entre a mor fineza De perlas e corais nace e parece, Se n'alma em doces ecos não o ouvisse! Se imaginando só tanta beleza, De si, em nova glória, a alma se esquece, Que será quando a vir? Ah! quem a visse! 16 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 17. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos A SAUDADE – faz sofrer, mas inspira; a ausência da amada é insuportável e divide o sujeito poético. Aquela triste e leda madrugada, Cheia toda de mágoa e de piedade, Enquanto houver no mundo saudade Quero que seja sempre celebrada. … ______________ Ah! minha Dinamene! Assim deixaste Quem não deixara nunca de querer-te! Ah! Ninfa minha, já não posso ver-te, Tão asinha esta vida desprezaste!... … A Página perdida de Camões Banda Polifônicos e Luciano Milici 17 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 18. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos A NATUREZA – locus amoenus ‘lugar ameno’ – descrição da paisagem ideal, num ambiente tranquilo e bucólico ou pastoril. O DESTINO – é sobretudo na sua vida amorosa que Camões sente a presença maléfica do destino: tentando lutar contra a má fortuna, o sujeito recorda, muitas vezes, o bem passado. Alegres campos, verdes arvoredos, claras e frescas águas de cristal, que em vós os debuxais ao natural discorrendo da altura dos rochedos; … Depois que quis Amor que eu só passasse Quanto mal já por muitos repartiu, Entregou-me à Fortuna, porque viu Que não tinha mais mal que em mim mostrasse. Lembranças, que lembrais meu bem passado, Pera que sinta mais o mal presente, Deixai-me, se quereis, viver contente, Não me deixeis morrer em tal estado. www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista 18
  • 19. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 2: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, Muda-se o ser, muda-se a confiança; Todo o mundo é composto de mudança, Tomando sempre novas qualidades. O TEMPO EA MUDANÇA – a mudança Continuamente vemos novidades, Diferentes em tudo da esperança; Do mal ficam as mágoas na lembrança, E do bem, se algum houve, as saudades. é cíclica e o tempo anula qualquer esperança. O tempo cobre o chão de verde manto, Que já coberto foi de neve fria, E em mim converte em choro o doce canto. E, afora este mudar-se cada dia, Outra mudança faz de mor espanto: Que não se muda já como soía. 19 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 20. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 1: Textos de Caráter Autobiográfico e Outros de Natureza Utilitária LINGUAGEM E ESTILO – ANÁLISE ESTILÍSTICA •adjetivação expressiva; •pontuação emotiva (exclamações, interrogações); •expressividade de tempos e modos verbais; •uso de vocabulário erudito; •recurso à mitologia; •predomínio de metáforas, apóstrofes, hipérboles, anáforas e hipérbatos, paralelismos anafóricos; antítese, oximoros etc.; •alternância entre ritmo rápido e lento. 20 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista
  • 21. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EPADRV 2013/2014 | Português– 10.ºano | Módulo 1: Textos de Caráter Autobiográfico e Outros de Natureza Utilitária Assim andou e continua a andar o mundo… desconsertado… O desconserto do Mundo Os bons vi sempre passar no mundo graves tormentos; e, para mais m’ espantar, os maus vi sempre nadar em mar de contentamentos. Cuidando alcançar assim o bem tão mal ordenado, fui mau; mas fui castigado. Assim que só para mim anda o mundo concertado. Camões, Esparsa 21 www.sebentadigital.com | Português-10.ºano-Prof. | A professora: Dina Baptista