Amebas
• Subfilo: Sarcodina
• Superclasse: Rhizopoda
• Classe: Lobosea
• Locomoção: Pseudópodes
• Reprodução: Divisão biná...
GÊNERO : Iodamoeba

FAMÍLIA ENDAMOEBIDAE
I. bütschlii

GÊNERO : Endolimax
E. nana
GÊNERO : Entamoeba
E. coli
E. hartmanni
...
Amebas intestinais
Ordem: Amoebida

                                                                

 

Endolimax nana
 E...
TROFOZOÍTO
 Forma vegetativa
 Ativa
 Alimentação
 Reprodução
 Movimentação

CISTO
 Forma infectante
 Não se locomov...
Trofozoítos da Entamoeba histolytica
•
•
•
•
•
•

10-40um
Núcleo com cromatina periferica
Cariosomo central
Ingerem hemáci...
Cistos da Entamoeba histolytica
Cistos jovens com 1-2 núcleos
Cistos maduros com 4 núcleos
10-40 micras diâmetro( 20 um)
C...
Entamoeba histolytica e Entamoeba dispar são
morfologicamente idênticas
E. histolytica é patogênica
10% da população mundi...
Transmissão da amebíase
oral

fecal-

Água e alimentos
contaminados com
cistos

forma de resistência do parasito
no meio a...
Ciclo de vida
1. CICLO NÃO INVASIVO
NÃO PATOGÊNICO
Ingestão de cistos
Trofozoítos liberados no final do íleo
Colonização d...
2. CICLO INVASIVO
PATOGÊNICO
Ingestão de cistos
Trofozoítos liberados no final do íleo
Colonização do Intestino grosso
Mul...
Manifestações clínicas
1. ASSINTOMÁTICO
Entamoeba dispar
não invasiva
Entamoeba histolytica
90% das infecções
 Autolimita...
2. SINTOMÁTICO
2.1. Manifestações intestinais
Agudas
Disenteria amebiana aguda ou colite disentérica
Colite fulminante
Crô...
Adesão e ativação das enzimas –
citólise direta

Lesão das células liberação de IL1,
IL8 e mediadores iflamatórios

COLITE...
Amebíase intestinal
(A) Trofozoitos de E.
histolytica aderidos ao epitélio
interglandular
(B) Região de microinvasão
ulcer...
ÚLCERAS EM BOTÃO DE CAMISA

Bordas levantadas
e fundo necrótico
Pequena área de
lesão na superfície
da mucosa IG
Intensa d...
COLITE AMEBIANA AGUDA

Ulcerações
mucosa do intestino
grosso

Úlceras em botão de
camisa
Amebíase aguda
Úlceras em botão de camisa
Bordas arredondas e elevadas com centro necrótico
Áreas de mucosa normal ou m...
Disenteria aguda por E. histolytica
Ulcerações no intestino
grosso

Diarréia
Exsudativa
Muco
Sangue
Tenesmo
Puxo
Disenteria amebiana aguda
Diarréia hiperperistáltica – tenesmo, cólicas
intensas no quadrante inferior do abdome
Muco e sa...
Colite Fulminante
 Quadro grave da amebíase aguda
 Mulheres durante a gravidez e após parto
 Pacientes imunossuprimidos...
Complicações da amebíase aguda
•
•
•
•
•

Hemorragia
Peritonite
Apendicite
Perfurações
Associações bacterianas
Manifestações intestinais crônicas
1. Colite não disentérica
Manifestação clínica mais frequente
Quadros diarréicos de cur...
AMEBÍASE EXTRA INTESTINAL
Disseminação hematogênica
(veias do sistema porta)

Trofozoítos resistentes à lise
mediada por c...
Abscesso hepático amebiano
Material necrótico dentro do abscesso
cercado por uma borda fibrinosa
Parênquima hepático adjac...
Sintomatologia
Dor constante no quadrante superior direito ou
esquerdo de início súbito
30 – 40% história clínica de disen...
DIAGNÓSTICO DO
ABSCESSO
HEPÁTICO
AMEBIANO

Raio X de tórax
Ultrasonografia
Tomografia computadorizada
Sorologia – elevados...
Fatores que influem na
Patogenicidade
Cepas
Tipo e quantidade de enzimas produzidas pelas amebas
Zimodemas
Associação com ...
Diagnóstico Parasitológico
Detecção de cistos e trofozoítos nas fezes
CISTOS:
- Tamanho, número de núcleos, presença ou nã...
Diagnóstico Parasitológico
Detecção de cistos e trofozoítos nas fezes
Exame parasitológico das fezes (EPF)
 Método de exa...
Predomínio de cistos ou trofozoítos em
relação à consistência das fezes
Diagnóstico laboratorial

cistos em fezes formadas
trofozoítos hematófagos em fezes
diarréicas

Cistos de E. histolytica p...
Curva de eliminação de cistos

Nº de cistos

Períodos de 7-12 dias
sem eliminação de
cistos nas fezes

dias durante um mês...
Exame das fezes
 3 exames parasitológicos
Fezes coletadas com intervalo de três a quatro dias

Exame parasitológico seria...
MÉTODOS DE CONCENTRAÇÃO DE FEZES
Método de FAUST
Flutuação em sulfato de zinco
1. Misturar aproximadamente 2 gramas de fez...
Espécies com morfologia
semelhante
E. hartmanni
cistos e trofozoítos menores que 10 mm

E. histolytica / E. dispar
cistos ...
Recomendações da OMS
Resultado do EPF para cistos e trofozoítos
não hematófagos

Presença de cistos ou trofozoítos de
E. h...
ENTAMOEBA COLI
• Cistos esféricos
• 14-30 um (15-20)
• Cistos maduros com 8
núcleos
• Cromatina irregular e
cariosomo gran...
Métodos para diferenciar
E. histolytica de E. dispar
• Exame Parasitológico das Fezes (EPF) :
Cistos ⇒ indistinguíveis à l...
Cultivo de cistos e trofozoítos das
fezes
• Isolamento direto das
fezes em meio de cultura
(Pavlova, Jones, Robson,
etc.)
...
Perfil de isoenzimas (zimodema)
Hexoquinase (HK) e
Fosfoglicomutase (PGM)
diferenciam isolados de E.
histolytica e E. disp...
Métodos imunológicos
Pesquisa de Anticorpos no soro
- ELISA, Imunofluorescência indireta, Hemaglutinação
indireta, Contrai...
Pesquisa de antígenos nas fezes
• Coproantígeno ou ELISA de captura
Detecta epítopos da Lectina de 170 kDa (reconhece gala...
PCR nas fezes
DNA de cistos/trofozoítos
• PCR-SHELA (Solution Hybridization Enzime-Linked Immunoassay)
- PCR com iniciador...
OMS - Tratamento
Não tratar E.dispar ????
Decisão de tratar ou não o paciente
depende do médico
de acordo com clínica apre...
TRATAMENTO
1. Medicamentos de ação sistêmica
Absorvidas pela mucosa agem nos tecidos

Indicação
Formas invasivas
intesti...
2. Medicamentos de ação luminal
Agem na luz do IG
São pouco absorvidas
Devem ser administradas após tratamento de formas i...
PREVENÇÃO DA AMEBÍASE
 melhoria de condições sanitárias
 destino adequado das fezes
 higiene dos alimentos e das mãos
...
Medidas de Controle
1. GERAIS
Evitar contaminação fecal da água e alimentos
medidas de saneamento básico
eliminação sanitá...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula amebas final medicina 2007si

1.952 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.952
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
56
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula amebas final medicina 2007si

  1. 1. Amebas • Subfilo: Sarcodina • Superclasse: Rhizopoda • Classe: Lobosea • Locomoção: Pseudópodes • Reprodução: Divisão binária simples
  2. 2. GÊNERO : Iodamoeba FAMÍLIA ENDAMOEBIDAE I. bütschlii GÊNERO : Endolimax E. nana GÊNERO : Entamoeba E. coli E. hartmanni E. dispar E. histolytica E. gingivalis INTESTINO GROSSO BOCA
  3. 3. Amebas intestinais Ordem: Amoebida                                                                    Endolimax nana  Entamoeba coli Iodamoeba butschlii            Entamoeba hartmanni  Entamoeba dispar Não patogênicas Indicam contaminação fecal Entamoeba histolytica   Patogênica
  4. 4. TROFOZOÍTO  Forma vegetativa  Ativa  Alimentação  Reprodução  Movimentação CISTO  Forma infectante  Não se locomove  Não alimenta  Resistente
  5. 5. Trofozoítos da Entamoeba histolytica • • • • • • 10-40um Núcleo com cromatina periferica Cariosomo central Ingerem hemácias Produzem lesões Pseudopodes
  6. 6. Cistos da Entamoeba histolytica Cistos jovens com 1-2 núcleos Cistos maduros com 4 núcleos 10-40 micras diâmetro( 20 um) Corpos cromatoidais elípticos Núcleos - cromatina periférica e cariossomo central Formados pela desidratação das fezes CISTOS Resistência Sobrevivência no meio ambiente Forma responsável pela transmissão  
  7. 7. Entamoeba histolytica e Entamoeba dispar são morfologicamente idênticas E. histolytica é patogênica 10% da população mundial infectada por E. dispar e/ou E. histolytica 50 milhões de casos invasivos/ano principalmente em países em desenvolvimento Infecções são transmitidas por cistos através da via fecal-oral 90% dos infectados podem eliminar o parasito durante 12 meses
  8. 8. Transmissão da amebíase oral fecal- Água e alimentos contaminados com cistos forma de resistência do parasito no meio ambiente
  9. 9. Ciclo de vida 1. CICLO NÃO INVASIVO NÃO PATOGÊNICO Ingestão de cistos Trofozoítos liberados no final do íleo Colonização do Intestino grosso Multiplicação dos trofozoítos na superfície da mucosa do I.grosso Formação e eliminação do cistos ASSINTOMÁTICO COLITE NÃO
  10. 10. 2. CICLO INVASIVO PATOGÊNICO Ingestão de cistos Trofozoítos liberados no final do íleo Colonização do Intestino grosso Multiplicação dos trofozoítos e invasão da mucosa e submucosa do I.grosso Úlceras em botão de camisa Localizações extra intestinais (fígado, coração, pulmão, cérebro) Disenteria amebiana aguda Não há formação de cistos Disenteria amebiana aguda Abscesso hepático
  11. 11. Manifestações clínicas 1. ASSINTOMÁTICO Entamoeba dispar não invasiva Entamoeba histolytica 90% das infecções  Autolimitada  Recorrente  Presença de cistos nas fezes  Disseminadores da infecção
  12. 12. 2. SINTOMÁTICO 2.1. Manifestações intestinais Agudas Disenteria amebiana aguda ou colite disentérica Colite fulminante Crônicas Colite não disentérica Ameboma 2.2. Extra intestinais Abscesso hepático Pulmão – Coração – Cérebro - Pele
  13. 13. Adesão e ativação das enzimas – citólise direta Lesão das células liberação de IL1, IL8 e mediadores iflamatórios COLITE AMEBIANA INDUÇÃO DA INFLAMAÇÃO E LESÕES TECIDUAIS 1. ADESÃO : Trofozoítos da E histolytica aderem à mucosa do intestino grosso – Adesina ou lectina de adesão (Galactosamina) 2. CITÓLISE DIRETA : Após adesão dos trofozoítos ocorre ativação das enzimas - Lise das células por ação de cisteína-proteinases liberadas pelos amebaporos dos trofozoítos que destroem a matriz extra celular Migração de neutrófilos e macrófagos – Citólise indireta 3. INFLAMAÇÃO: A necrose das células epiteliais induz liberação de interleucina IL1 e outras citocinas Atração de neutrófilos e macrófagos (TNF alfa) - processo inflamatório 4. CITÓLISE INDIRETA: Os trofozoítos da E.histolytica matam os neutrófilos liberação de mediadores que lesam as células epiteliais . INVASÃO DA SUBMUCOSA
  14. 14. Amebíase intestinal (A) Trofozoitos de E. histolytica aderidos ao epitélio interglandular (B) Região de microinvasão ulceração superficial (C) Estágio avançado de invasão tecidual, vários trofozoítos penetrando na úlcera. (Microscopia eletrônica de varredura)
  15. 15. ÚLCERAS EM BOTÃO DE CAMISA Bordas levantadas e fundo necrótico Pequena área de lesão na superfície da mucosa IG Intensa destruição da submucosa IG Citólise direta por ação de enzimas da E. histolytica Citólise indireta por ação de enzimas liberadas dos neutrofilos destruídos pelas amebas
  16. 16. COLITE AMEBIANA AGUDA Ulcerações mucosa do intestino grosso Úlceras em botão de camisa
  17. 17. Amebíase aguda Úlceras em botão de camisa Bordas arredondas e elevadas com centro necrótico Áreas de mucosa normal ou mucosa edemaciada com hiperemia
  18. 18. Disenteria aguda por E. histolytica Ulcerações no intestino grosso Diarréia Exsudativa Muco Sangue Tenesmo Puxo
  19. 19. Disenteria amebiana aguda Diarréia hiperperistáltica – tenesmo, cólicas intensas no quadrante inferior do abdome Muco e sangue Restos celulares e pouca matéria fecal Presença de trofozoítos hematófagos Lesões principalmente no ceco e retosigmoíde Sem febre Sem leucócitos nas fezes Diferenciar de infecções bacterianas
  20. 20. Colite Fulminante  Quadro grave da amebíase aguda  Mulheres durante a gravidez e após parto  Pacientes imunossuprimidos (corticoídes)  Perfuração intestinal  Necrose  Hemorragia intestinal  Febre, dores intensas
  21. 21. Complicações da amebíase aguda • • • • • Hemorragia Peritonite Apendicite Perfurações Associações bacterianas
  22. 22. Manifestações intestinais crônicas 1. Colite não disentérica Manifestação clínica mais frequente Quadros diarréicos de curta duração intercalados com períodos de fezes normais ou de constipação intestinal sem sintomas Inflamação dos cólons sem invasão de tecidos e situações invasivas com ulcerações leves superficiais Dor leve 2. Ameboma Massa tumoral na mucosa intestinal Tecido granulomatoso , crescimento contínuo Reação de hipersensibilidade do hospedeiro Diferenciar de tumores benignos, esquistossomose etc Poucas amebas dificultam diagnóstico em biopsias
  23. 23. AMEBÍASE EXTRA INTESTINAL Disseminação hematogênica (veias do sistema porta) Trofozoítos resistentes à lise mediada por complemento Fígado Pulmão – coração- cérebro
  24. 24. Abscesso hepático amebiano Material necrótico dentro do abscesso cercado por uma borda fibrinosa Parênquima hepático adjacente normal Raio X de tórax de paciente com abscesso hepático amebiano Ruptura do abscesso para o espaço pleural direito Formação de fístula hepatobronquial e elevação do hemidiafragma direito (US Centers for Disease Control and Prevention)
  25. 25. Sintomatologia Dor constante no quadrante superior direito ou esquerdo de início súbito 30 – 40% história clínica de disenteria amebiana 3- 5 meses após quadro intestinal sem diarreía concomitante Febre Hepatomegalia Anorexia, naúseas , vômito Maioria dos casos Maior frequência no sexo masculino é raro em crianças
  26. 26. DIAGNÓSTICO DO ABSCESSO HEPÁTICO AMEBIANO Raio X de tórax Ultrasonografia Tomografia computadorizada Sorologia – elevados títulos e anticorpos Punção não é indicada para diagnóstico
  27. 27. Fatores que influem na Patogenicidade Cepas Tipo e quantidade de enzimas produzidas pelas amebas Zimodemas Associação com bactérias Alimentação do hospedeiro (carboidratos, colesterol, ferro) Potencial de oxi-redução no intestino - stress Estrógeno e progesterona Corticoídes Eritrofagocitose Colesterol - amebaporos
  28. 28. Diagnóstico Parasitológico Detecção de cistos e trofozoítos nas fezes CISTOS: - Tamanho, número de núcleos, presença ou não e formato dos corpos cromatóides, características da cromatina nuclear, localização do cariossoma, etc. TROFOZOÍTOS : - Tamanho, características da cromatina nuclear, localização do cariossoma, presença ou não de hemácias internalizadas, etc.
  29. 29. Diagnóstico Parasitológico Detecção de cistos e trofozoítos nas fezes Exame parasitológico das fezes (EPF)  Método de exame à fresco (solução salina)  Métodos de concentração das fezes Centrifugação: método de RITCHIE ou formol-éter Flutuação: método de FAUST
  30. 30. Predomínio de cistos ou trofozoítos em relação à consistência das fezes
  31. 31. Diagnóstico laboratorial cistos em fezes formadas trofozoítos hematófagos em fezes diarréicas Cistos de E. histolytica podem ser confundidos com os de espécies comensais de Entamoeba sp bastão diferenciação pela morfologia tamanho número de núcleos corpos cromatoídais em forma de
  32. 32. Curva de eliminação de cistos Nº de cistos Períodos de 7-12 dias sem eliminação de cistos nas fezes dias durante um mês Exame de fezes negativo
  33. 33. Exame das fezes  3 exames parasitológicos Fezes coletadas com intervalo de três a quatro dias Exame parasitológico seriado 1 exame parasitológico semanal durante 4 semanas Amostras de fezes coletadas dias alternados Uso de fixadores: Formol 10% MIF ( mertiolate, iodo e formol)
  34. 34. MÉTODOS DE CONCENTRAÇÃO DE FEZES Método de FAUST Flutuação em sulfato de zinco 1. Misturar aproximadamente 2 gramas de fezes com 15mL de solução de sulfato de zinco a 33% (33 g de sulfato de zinco em 100mL de água destilada, gravidade específica 1,18). 2. Filtrar a solução. 3. Colocar o filtrado num tubo de centrífuga de 15mL (preferível usar tubos de plástico) 4. Colocar o tubo na centrífuga. 5. Centrifugar a 1 500 rpm por 3 a 5 minutos. 6. Retirar 1 a 2 gotas da superfície e colocar em lâmina/lamínula. Visualizar em microscópio óptico. Nos casos de esteatorréia realizar a sedimentação com éter ( Método de Ritchie).
  35. 35. Espécies com morfologia semelhante E. hartmanni cistos e trofozoítos menores que 10 mm E. histolytica / E. dispar cistos e trofozoítos maiores que 10 mm
  36. 36. Recomendações da OMS Resultado do EPF para cistos e trofozoítos não hematófagos Presença de cistos ou trofozoítos de E. histolytica / E. dispar Trofozoítos hematófagos E. histolytica
  37. 37. ENTAMOEBA COLI • Cistos esféricos • 14-30 um (15-20) • Cistos maduros com 8 núcleos • Cromatina irregular e cariosomo grande e excêntrico Corados pelo Lugol
  38. 38. Métodos para diferenciar E. histolytica de E. dispar • Exame Parasitológico das Fezes (EPF) : Cistos ⇒ indistinguíveis à luz da MO Trofozoítos ⇒ indistinguíveis presença de hemácias internalizadas hematofagismo da E. histolytica ⇒ falso-positivo: semelhança com macrófagos e células de descamação O EPF tem baixa sensibilidade (~60 %) período de negativação dos cistos e trofozoítos
  39. 39. Cultivo de cistos e trofozoítos das fezes • Isolamento direto das fezes em meio de cultura (Pavlova, Jones, Robson, etc.) • Não permite um diagnóstico diferencial seguro
  40. 40. Perfil de isoenzimas (zimodema) Hexoquinase (HK) e Fosfoglicomutase (PGM) diferenciam isolados de E. histolytica e E. dispar Execução demorada Requer cultivo de trofozoítos
  41. 41. Métodos imunológicos Pesquisa de Anticorpos no soro - ELISA, Imunofluorescência indireta, Hemaglutinação indireta, Contraimunoeletroforese, etc. Métodos sensíveis e específicos. - - Indicados em casos de suspeita de Amebíase invasiva extra intestinal
  42. 42. Pesquisa de antígenos nas fezes • Coproantígeno ou ELISA de captura Detecta epítopos da Lectina de 170 kDa (reconhece galactose) São usados anticorpos monoclonais epítopo-específicos contra a Lectina de E. histolytica / E. dispar Os resultados variam com a especificidade dos anticorpos utilizados Tem demonstrado mais sensibilidade que o EPF A execução é rápida e fácil (3 a 4 h) quando comparado com técnicas de PCR, cultivo ou zimodema Kit comercial (TechLab) resultados promissores estudos para confirmar a sensibilidade e a especificidade.
  43. 43. PCR nas fezes DNA de cistos/trofozoítos • PCR-SHELA (Solution Hybridization Enzime-Linked Immunoassay) - PCR com iniciadores específicos de E. h e de E. d - O produto da PCR é detectado por método colorimétrico baseado em ensaio imunoabsorvente ligado à peroxidase • NESTED PCR - Utiliza dois ciclos de amplificação - Amplifica um fragmento de DNA ribossomal (sub-unidade pequena) iniciadores comuns à E. h e E. d - nova PCR utilizando-se 2 pares de iniciadores E. h - fragmento de 427 pb E. d - fragmento de 195 pb • MULTIPLEX PCR A amplificação de DNA circular extra-cromossomal E. h - fragmento de 132 pb E. d - fragmento de 96 pb
  44. 44. OMS - Tratamento Não tratar E.dispar ???? Decisão de tratar ou não o paciente depende do médico de acordo com clínica apresentada
  45. 45. TRATAMENTO 1. Medicamentos de ação sistêmica Absorvidas pela mucosa agem nos tecidos Indicação Formas invasivas intestinais extra intestinais Derivados nitroimidazólicos Metronidazol Tinidazol
  46. 46. 2. Medicamentos de ação luminal Agem na luz do IG São pouco absorvidas Devem ser administradas após tratamento de formas invasiva (40-60% pacientes tratados persistem trofozoítos na mucosa) Podem causar diarréia Indicação Assintomáticos Colite não disentérica Paramomicina Etofamida
  47. 47. PREVENÇÃO DA AMEBÍASE  melhoria de condições sanitárias  destino adequado das fezes  higiene dos alimentos e das mãos  consumo de água fervida ou filtrada  tratamento dos portadores
  48. 48. Medidas de Controle 1. GERAIS Evitar contaminação fecal da água e alimentos medidas de saneamento básico eliminação sanitária das fezes água encanada controle dos indivíduos que manipulam alimentos 2. ESPECÍFICAS Lavar as mãos após uso do sanitário Lavar vegetais com água potável e imersão em ácido acético ou vinagre (15 minutos) eliminar os cistos Evitar práticas sexuais que favoreçam o contato fecal-oral. Investigação dos contatos e da fonte de infecção com exame de fezes dos membros do grupo familiar e contatos O diagnóstico de casos em quartéis, creches, orfanatos e outras instituições indica a realização de inquérito coproscópico para detecção e tratamento dos portadores de cistos Fiscalização dos prestadores de serviços na área de alimentos, pela vigilância sanitária.

×