Spe 1, Bases

542 visualizações

Publicada em

Apresentação do nosso estilo spe

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
542
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Spe 1, Bases

  1. 1. Relaxe pela reflexologia podal Técnicas Simples do nosso estilo Workshop I Criar Raízes Duração: 4 sessões
  2. 2. <ul><li>1ª Sessão – Convidar, aquecer e conhecer o pé. </li></ul>Ser tocado nos pés é uma das melhores prendas para si, ajudando a relaxar. A reflexologia por si tem mérito como terapia, mas no nosso estilo vamos apenas “amassar” um pouco os pézinhos. O início da sessão é a higienização, um pouco de água morna, sal marinho ou um bom creme podem fazer um pequeno milagre por todos nós. Abrir, convidar ou aquecer: circular, espremer o pé todo. Mobilizar a articulação, compressão do pé, “separar” os metatarsos e mobilizar o tornozelo. De baixo para cima, dentro para fora, apertar. Cruzar os dedos ao descer e subir. Comprimir e rodar com a parte plana do punho. Deslizar com os dedos, apertar os dedos do pé. Em resumo, afagar (e aquecer) o pé.
  3. 3. <ul><ul><li>1.1 - Técnica de abrir os movimentos, apertar de forma confortável. </li></ul></ul>O uso de um creme rico em nutrientes é melhor para as calosidades do pé receptor que certos tipos de óleo. Muitos praticantes do nosso estilo optam por uma base de menta ou eucalipto para efeitos de revigorar o receptor, outros empregam o óleo da árvore do chá, desinfdectante natural, temos também praticantes mais “domésticos” que adicioam óleos essenciais ou suco de alimentos. Podemos também empregar um óleo ou creme que temos, o mais importante é ser o mais natural possível, pois vai ser absorvido pelo receptor e pelo emissor. <ul><ul><li>1.2 – Activação do “ coração” e “cabeça” do pé </li></ul></ul>A posição do receptor é muito importante (o ideial seria estarem numa cadeira-cama reclinável com as pernas levantadas e suporte para os pés.) Podemos trabalhar com este sentado ou deitado. O fundamental é estarem ambos confortáveis. O receptor deve encontrar o conforto na imobilidade, e embora o ideal é o emissor ter apenas movimentos curtos não deve sacrificar a sua postura, ao menor sinal de desconforto deve mudar de posição para reencontrar o bem-estar corporal. Se os canais estiverem direitos a energia sobe naturalmente, só podemos dar (reconforto) quando temos em excesso (relaxamento). Técnica de mão vazia De fácil execução que permite relaxar e aprofundar a respiração. Pouca pressão pode levar a cócegas, demasiada pressão é desconfortável. O emissor deve praticar no seu próprio corpo, trabalhar o receptor é simplesmente fazer ao outro o que nos dá relaxamento e prazer. Fale com o receptor, por vezes o que umas pessoas gostam as outras não acham muito agradável. Os movimentos circulares lentos devem ser executados sem esforço, o praticante deve verificar a redução da sua frequência respiratória como fonte de atenção. Durante a sessão devemos esquecer o conceito de desbloquear os pontos de tensão. Adoptando mais os alongamentos com flexibilidade progressiva. O nó solta-se naturalmente.
  4. 4. <ul><li>2ª Sessão – Linhas de Energia </li></ul>5 das 7 linhas da planta do pé Reflexo dos órgãos 3 – Trabalhar as linhas do pé Com apoio da outra mão, a figura da direita mostra uma técnica mais complexa para aprofundar o relaxamento. Disperse a energia que for acumulando. Abrir a linha: Articulação, deslizar, desenhar, deslizar, articulação. Passar para a próxima linha. Repetir o desbloqueamento é investir tempo e ganhar qualidade. Por isso o nosso estilo volta-se mais para a promoção de relaxamento, sem pressas, nem terapias. Logo aceitamos que o receptor possa estar a conversar enquanto beberica uma infusão herbal.
  5. 5. Desenhar a linha, expor os pontos com a ajuda da outra mão 4 – Técnica de manipulação dos dedos por rotação seguida de trabalho nas micro-linhas. 5 – Coluna visualizada pela praticante 6 - Reflexo da coluna em ambos os pés. 7 – Outros estilos utilizam o dedo indicador ao trabalhar a linha reflexa da coluna, no nosso estilo tentamos utilizar sempre o polegar. Mas recebemos com agrado variantes. O mais importante é a praticante sentir-se confortável.
  6. 6. <ul><li>3ª Sessão, Caminhar de dentro para fora </li></ul><ul><ul><li>9 – Localização reflexa da glândula pituitária. </li></ul></ul>Repare na forma de apoio para trabalhar estre ponto que fica exactamente a meio do dedo grande. Use a sua imaginação.
  7. 7. <ul><ul><ul><li>9. 1– Alongamento dos dedos, seguido de rotação de cada dedo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>9.2 – Pinçar bem cada dedo, pode trabalhar as micro-linhas de energia </li></ul></ul></ul>
  8. 8. <ul><ul><li>10 – Trabalho para reflexo para relaxar a tiróide e paratiróide. </li></ul></ul>A localização anatómica é a mesma, a tiróide está localizada na garganta. Sentido medial para lateral, seguido da linha complementar. Pode fazer mais do que uma passagem, comunique com o corpo. Alguns praticantes trocam de mão para facilitar este movimento. Reflicta sobre a facilidade de comunicação dos seus pensamentos, sentimentos e acções. <ul><ul><li>11 – Zona reflexa olhos e ouvidos, no sentido directo e complementar. </li><ul><li>11.1 – Variante com trabalho a duas mãos </li></ul></ul></ul>
  9. 9. <ul><li>4º Sessão - revisões </li></ul>

×