Controle da Leishmaniose

1.381 visualizações

Publicada em

Apresentação ao Conselho de Saúde Distrital Barreiro: Victor Dias

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.381
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
87
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Controle da Leishmaniose

  1. 1. Leishmaniose Visceral
  2. 2. LEISHMANIOSES As leishmanioses são doenças infecciosas graves que pode ocorrer no homem, assim como, em alguns animais principalmente o cão. É causada por um parasita chamado leishmania e é transmitida através da picada do mosquito. Formas clínicas: → Leishmaniose tegumentar → Leishmaniose visceral
  3. 3. → Leishmaniose tegumentar
  4. 4. → Leishmaniose visceral
  5. 5. Distribuição geográfica das Leishmanioses
  6. 6. Vetor -Flebotomíneos (Diptera / Psychodidae / Phlebotominae) - Tatuquira, mosquito palha, asa dura, asa branca, cangalhinha, birigui, anjinho, entre outros. -A espécie Lutzomyia longipalpis é considerada a principal espécie transmissora da Leishmaniose Visceral no Brasil.
  7. 7. Características gerais dos flebotomíneos •Insetos de pequeno porte (1 a 3 mm de comprimento) • Corpo e pernas cobertos de cerdas • Hábitos de vôo crepusculares ( 18:00 às 21:00) • Asas em posição vertical durante o pouso • Apenas as fêmeas alimentam-se de sangue (hematófagas). Abrigos: Ambientes modificados pela ação humana, tais como: abrigos de animais domésticos (canis, galinheiros, chiqueiros e currais).
  8. 8. Características gerais dos flebotomíneos LARVA -Desenvolvimento: 20 – 30 dias. -Alimentação: Matéria orgânica. PUPA -Resistentes à variação de umidade. - Duração de uma a duas semanas.  O desenvolvimento do ovo ao inseto adulto decorre um período de, aproximadamente, 30 a 40 dias de acordo com a temperatura.  Em áreas urbanas, o cão é considerado a principal reservatório da Leishmania.  A longevidade das fêmeas é estimada a uma média de 20 dias.
  9. 9. O CICLO
  10. 10. SINTOMAS DA DOENÇA NO CÃO -Emagrecimento; - Vômitos - Prostração; - Apatia; - Febre irregular; - Queda de pêlos; - Aumento exagerado das unhas; ( ONICOGRIFOSE) - Feridas persistentes, que não cicatrizam; - Dilatação do fígado e do baço.
  11. 11. Sintomas da Doença no Homem • Leishmaniose Visceral: Hepatoesplenomegalia (aumento fígado e baço), febre de duração igual ou maior do que 14 dias e tosse seca. • Leishmaniose tegumentar: As lesões podem ocorrer na pele e/ou mucosas. As lesões de pele podem ser única, múltiplas, disseminada ou difusa. Apresentam aspecto de úlceras, com bordas elevadas e fundo granuloso, geralmente indolor. • Tratamento: GLUCANTIME IM OU EV OU ANFOTERICINA-B.
  12. 12. MEDIDAS DE CONTROLE - GERCZO - INQUÉRITO SOROLÓGICO CANINO - ATENDIMENTO A DENÚNCIAS. - RECOLHIMENTO DE CÃES POSITIVOS - BORRIFAÇÃO DE IMÓVEIS. - CAMPANHA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE.
  13. 13. MEDIDAS DE CONTROLE - GERCZO
  14. 14. NUMERO DE COLETAS E POSITIVOS FONTE :SMSA 2013
  15. 15. MEDIDAS DE PREVENÇÃO • MANEJO AMBIENTAL Uso de repelentes. Utilização de mosquiteiros de tela fina, dentro do possível, a colocação de telas de proteção nas janelas. Limpeza dos ambientes, com a retirada de matéria orgânica de qualquer tipo: folhas, troncos apodrecidos, frutos caídos, fezes de animais. Depois da limpeza, ensacar e retirar do local. Fazer capina de mato rasteiro e aparar os gramados.
  16. 16. • Manejo Ambiental Podar as árvores e os arbustos para diminuir o sombreamento excessivo de jardins e quintais e a umidade excessiva do solo. Embalar e armazenar o lixo corretamente. Não jogá-lo em lotes vagos e barrancos. Evitar produzir e armazenar adubo orgânico (esterco , folhas, restos de vegetais) em área urbana. Caso a pessoa precise usar adubo orgânico em hortas, pomares ou jardins, deve cobri-lo com uma camada de terra ou cal. Limpar os lotes vagos com capina, poda e retirada de entulhos e lixo. MEDIDAS DE PREVENÇÃO
  17. 17. •para o cão Usar coleira impregnada com inseticida ou produtos repelentes de ação prolongada. Evitar tosas no período de aumento da densidade do mosquito palha - setembro a abril. Os banhos não podem ser muito freqüentes. Evitar os passeios com o cão no final da tarde e início da noite. Colocar telas do tipo malha fina no canil ou na casinha do cão para dormir. MEDIDAS DE PREVENÇÃO
  18. 18. Obrigado ! gerczob@pbh.com.br

×