SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 58
Baixar para ler offline
Ao longo destes 6 anos par/cipamos de muitos trabalhos 
que começaram com um escopo simples e, no final, 
transformaram-­‐se em um grande projeto. Acreditamos 
que uma simples ideia possa virar um case -­‐ seja de uma 
startup ou de uma mul/nacional -­‐ a grande questão é saber 
cul/var! Cada pessoa responsável pelo crescimento do 
projeto precisa se adaptar ao universo do que será feito, 
aplicar o seu melhor, admirar e manter as condições ideais 
para que ele con/nue a se desenvolver. 
ASSIM COMO AS PLANTAS, UM NEGÓCIO TAMBÉM 
PRECISA SER CULTIVADO E É ISSO QUE QUEREMOS 
FAZER JUNTO COM VOCÊ E PELO SEU PROJETO. 
TUIA, CRESCEMOS JUNTOS!
MARCAS ATENDIDAS 
EM 6 ANOS, SÃO MAIS DE 100 MARCAS E 400 PROJETOS
INTENSIVO DE UX 
PARA AGÊNCIAS 
E STARTUPS
1. O QUE É E O 
QUE NÃO É UX
1. O QUE É E O QUE NÃO É UX? 
O QUE É UX? 
"User Experience" ou "Experiência 
do usuário" envolve todos os aspectos 
da interação dos usuários finais 
com sua empresa, serviços e produtos. 
(NIELSEN NORMAN GROUP)
1. O QUE É E O QUE NÃO É UX? 
O QUE NÃO É UX? 
DESIGN VISUAL/ INTERFACE/ USER INTERFACE 
(Etapa iniciada após a finalização da etapa de UX) 
PROGRAMAÇÃO/ DESENVOLVIMENTO 
Também iniciada após a finalização da etapa de UX)
2. BENEFÍCIOS 
DE UX
2. BENEFÍCIOS DO UX 
O QUE NÃO É UX? 
DESIGN Foco apenas no aspecto visual e subjetividade; 
PROGRAMAÇÃO Foco apenas na programação; 
CLIENTE Entendimento melhor do projeto; 
USUÁRIO Melhor usabilidade e maior satisfação.
3. BOAS 
PRÁTICAS
3. BOAS PRÁTICAS 
BRIEFING 
• O briefing deve ser o ponto inicial de um projeto de UX; 
• Através dele, é possível aprofundar o entendimento do projeto e começar a 
integração da equipe; 
• É interessante que seja levantado e/ou confirmado na reunião de kick-­‐off do 
projeto, que preferencialmente deve ser presencial e contar com toda a equipe 
do projeto, para projetos de qualquer tamanho (desde um hotsite até um portal.
3. BOAS PRÁTICAS 
BRIEFING 
PERGUNTAS INTERESSANTES PARA UM BOM BRIEFING: 
• O cliente quer mesmo um site? 
• Quais são os problemas do site atual? 
• O que precisa ser melhorado? 
• Qual é o público que o usa o site atual? 
• Quais são os benefícios do site atual? 
• Quais são as fontes de receita do site? 
• Quem são os concorrentes? 
• Qual é o diferencial do site atual? 
• Quais são os pontos fracos do site atual? 
• Quais são as referências do cliente? 
• Qual é a fase do projeto? 
• Quem são as pessoas que formam a equipe do projeto?
3. BOAS PRÁTICAS 
BENCHMARKING 
• Benchmarking COMPETITIVO: análise dos concorrentes para entender 
pontos fracos e fortes e perceber oportunidades de melhoria no site do cliente 
(geralmente utilizado em novas versões de sites para serviços já estabelecidos 
no mercado) 
• Benchmarking INSPIRACIONAL: análise de sites similares e referências de 
outros segmentos para entender pontos fracos e fortes e identificar padrões de 
navegação e de conteúdo (geralmente utilizado em novas versões de sites para 
novos serviços a serem oferecidos para o mercado)
3. BOAS PRÁTICAS 
BENCHMARKING 
• Geralmente são analisados até 5 sites concorrentes / similares 
• São definidos de 4 a 5 itens para serem analisados no projeto; por exemplo, 
em um site para indústria farmacêutica, podemos analisar os seguintes itens: 
-­‐I) Serviços oferecidos para o usuário 
-­‐II) Conteúdo 
-­‐III) Integração com outros sites da marca 
-­‐IV) Experiência de uso (usabilidade, navegação e estética) 
• Também podem ser utilizados dados de navegação oferecidas por ferramentas 
específicas, como Alexa (que oferece dados de navegação do site do seu cliente 
e dos concorrentes) 
• Entregável é um relatório final mostrando os pontos fortes e fracos de cada 
concorrente e um comparativo
3. BOAS PRÁTICAS 
BENCHMARKING
3. BOAS PRÁTICAS 
PERFIS DE USUÁRIOS 
• Definição dos perfis de usuários e tarefas 
• Parecidos com caso de uso ou cenários (usados em 
Engenharia de Software) 
• Servem para definir conteúdo do site, conteúdo da página 
e prioridade para equipes de Design e Programação
3. BOAS PRÁTICAS 
PERFIS DE USUÁRIOS
3. BOAS PRÁTICAS 
SITEMAP 
• Importante para conhecimento detalhado e dimensionamento do projeto; 
• Ferramenta auxiliar para equipes de Design e Programação; 
• Auxílio para definição de perfis de usuário e conteúdo disponibilizado 
para cada perfil.
3. BOAS PRÁTICAS 
SITEMAP
3. BOAS PRÁTICAS 
PROTOTIPAÇÃO 
• Os wireframes são uma espécie de “planta baixa” do site; 
• Protótipo navegável de alta fidelidade: todas as páginas e funcionalidades do site 
devem ser detalhadas no protótipo; 
• Contém todo o escopo levantado no briefing, com especificações técnicas 
e todas as informações do cliente; 
• É desenvolvido pensando na usabilidade do projeto e nos usuários, levando em 
consideração os objetivos de negócio do projeto; 
• Em um projeto tradicional de agência digital, acaba se tornando a documentação 
do projeto, por ser mais tangível e bem mais detalhado que o briefing; 
• Em uma agência, as fases de Design Visual e Programação geralmente começam 
apenas após a aprovação dos wireframes.
3. BOAS PRÁTICAS 
PROTOTIPAÇÃO
4. PESQUISA
4. PESQUISA 
PESQUISA COM USUÁRIO 
• Objetivo é descobrir as percepções, crenças e atitudes em 
relação a um produto ou marca/ 
• Pode ser de vários tipos: 
I) Teste de usabilidade 
II) Questionário 
III) Entrevista 
IV) Pesquisa em campo 
V) Pesquisa baseada em etnografia
4. PESQUISA 
TESTE DE USABILIDADE 
-­‐-­‐ Testes com público-­‐alvo do site para entender a aceitação do novo site 
e levantar possíveis pontos de melhoria 
-­‐-­‐ São conduzidos por um monitor 
-­‐-­‐ São realizados em salas com salas de espelho cego e gravação dos movimentos do 
mouse e webcam 
-­‐-­‐ Paga-­‐se gratificação em dinheiro para os participantes 
-­‐-­‐ É um projeto complexo que demora em média 20 a 30 dias úteis 
-­‐-­‐ O projeto é composto por 6 etapas: Planejamento, Preparação, Teste Piloto, Execução 
dos Testes, Criação de Relatório e Apresentação dos Resultados 
-­‐ Entregável: Relatório com conteúdo do Teste -­‐ Problemas de pesquisa definidos, 
Método, Resultados, Destaques das Entrevistas e Recomendações gerais
4. PESQUISA 
TESTE DE USABILIDADE
4. PESQUISA 
FOCUS GROUP 
• Pesquisa de mercado feita com um grupo de pessoas; 
• Conversa é conduzida para gerar “insights"; 
• Mais focada para tomada de decisões mercadológicas 
(preço, praça, promoção, desenvolvimento); 
• Resultado é um relatório de impressões gerais.
5. MÉTRICAS E 
CONTEÚDO
5. MÉTRICAS E CONTEÚDO 
WEB ANALYTICS 
• É o planejamento das métricas do site: tudo que deve ser medido 
e como deve ser medido 
• Uso do framework DM3 (Digital Marketing and Measurement Model); 
• Configuração do Google Analytics (ou ferramenta similar): 
-­‐I) Funis de Conversão 
-­‐II) Metas do Site 
-­‐III) Elementos em cada página 
• Os entregáveis são dois documentos: 
-­‐I) Framework DM3; 
-­‐II) Mapa de Tags, uma planilha em Excel onde todos os elementos que devem 
ser tagueados no site são descritos, junto com o código para implementação no site 
pelo desenvolvedor.
5. MÉTRICAS E CONTEÚDO 
WEB ANALYTICS
5. MÉTRICAS E CONTEÚDO 
WEB ANALYTICS
5. MÉTRICAS E CONTEÚDO 
SEO (Search Engine Optimization) 
• No estudo inicial de SEO, chamado de Setup, é analisado o contéudo do site atual, 
o segmento do cliente (quais são as palavras-­‐chaves mais procuradas, quais são usadas 
pelos concorrentes) e também são analisados os sites dos concorrentes; 
• Com base neste estudo de SEO, pode ser definida uma estratégia de atualização 
de conteúdo para o site, além de campanhas de Adwords (e ferramentas similares); 
• O trabalho de manutenção de SEO pode trabalhar em conjunto com o trabalho 
de busca paga, podendo o SEO focar nas palavras-­‐chaves mais caras construindo 
relevância para tais palavras e o trabalho de Adwords focando nas palavras menos 
utilizadas pelos concorrentes (e provavelmente mais baratas). 
•Os entregáveis são 3 documentos: 
-­‐I) Termos de Uso e Concorrentes; 
-­‐II) Avaliação de Conteúdo; 
-­‐III) Manual de boas práticas para Construção de SEO
5. MÉTRICAS E CONTEÚDO 
SEO (Search Engine Optimization)
5. MÉTRICAS E CONTEÚDO 
CRO (Convert Rate Optimization) 
• Foco na melhoria da Taxa de Conversão; 
• Voltado para sites transacionais; 
• Mix de Métricas (Google Analytics), Arquitetura de Informação e Design Visual; 
• Projetos de 4 a 6 meses; 
• Projeto dividido em ciclos, geralmente mensais, com foco específico; 
-­‐ 
-­‐EXEMPLO: 
-­‐I) No primeiro mês, focamos na página de Produtos, com levantamento dos pontos 
de melhoria, testes A/B a serem realizados, métricas e KPIs a serem monitorados; 
-­‐II) Com acompanhamento, após o atingimento das metas, o foco passa a ser a página 
-­‐de Carrinho.
6. ENTREGÁVEIS
6. ENTREGÁVEIS 
WIREFRAMES
6. ENTREGÁVEIS 
BENCHMARKING
6. ENTREGÁVEIS 
AVALIAÇÃO HEURÍSTICA 
• Feita por 2 especialistas que avaliam o site e levantam pontos de melhoria 
• Utilizada em várias situações: 
-­‐I) Cliente não quer mudar o site atual, por resistência ou falta de verba; 
-­‐II) Nova conta na agência: documento de apoio para o planejamento das ações 
para o cliente; 
-­‐III) Concorrência: documento de apoio na defesa da idéia da agência. 
Entregável é um relatório com os pontos de melhoria em cada página do site, com 
sugestões de ações para aplicação imediata e grau de gravidade, como, por exemplo: 
I) Mudança de legenda de botão; 
II) Exclusão campo de formulário; 
III) Adição de mensagem de feedback.
6. ENTREGÁVEIS 
AVALIAÇÃO HEURÍSTICA
6. ENTREGÁVEIS 
INVENTÁRIO DE CONTEÚDO 
• Tipo de projeto mais voltado para portais e sites com grande quantidade de conteúdo; 
•É levantado todo o conteúdo “esquecido" ou “escondido" do site; 
• Ótimo material para a Equipe de Programação e pelo conteúdo para adequação 
ao novo projeto; 
• Ótimo material para Equipe de SEO para manter a relevância do conteúdo e do site
6. ENTREGÁVEIS 
INVENTÁRIO DE CONTEÚDO
7. DESIGN 
RESPONSIVO X 
APP MOBILE
7. DESIGN RESPONSIVO X APP MOBILE 
DESIGN RESPONSIVO x APP MOBILE 
DESIGN RESPONSIVO: 
•Versão mobile de um site 
• Foco em conteúdo com interação e conversão (contato, vendas e afins) 
APP MOBILE: 
• Projeto mais complexo e com maior custo 
• Oferece funcionalidades específicas para mobile e diferentes ou complementares das 
funcionalidades do site
7. DESIGN RESPONSIVO X APP MOBILE 
DESIGN RESPONSIVO x APP MOBILE
8. FASES DE UM 
PROJETO DE UX
8. FASES DE UM PROJETO UX 
AGÊNCIAS E STARTUPS 
Agência (modelo tradicional) 
Startup (Lean UX)
9. CASES
ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO 
Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes 
CASA DE 
VALENTINA
ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO 
Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes 
CRUZEIRO DO 
SUL VIRTUAL
PESQUISA 
Teste de Usabilidade 
JIMBO 
MOBILE
RENAULT ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO 
Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes
IG FUTEBOL 
ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO 
Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes 
DESIGN
ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO 
Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes 
BRADESCO 
TRADING 
APP iPhone/ iPad
ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO 
SEBRAE Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes 
NACIONAL PESQUISA 
Card Sorting; User Research
OI Dashboard 
de Monitoramento 
ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO 
Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes 
DESIGN
DNA/ 
ATOS 
ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO 
Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes 
DESIGN
ROUPOLOGiA ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO 
Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes 
App iPhone/ Landing Page/ Admin DESIGN
QRANIO ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO 
Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes
OBRIGAD 
11. 2528.5014 ola@tuia.me www.tuia.me

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Intensivo de UX para Agências e Startups

Requisitos ageis paulofurtado_2014
Requisitos ageis paulofurtado_2014Requisitos ageis paulofurtado_2014
Requisitos ageis paulofurtado_2014Paulo Furtado
 
Tecnologia da Informação
Tecnologia da InformaçãoTecnologia da Informação
Tecnologia da InformaçãoNatalia Lazarini
 
Guia de boas práticas para a elaboração de concorrências
Guia de boas práticas para a elaboração de concorrênciasGuia de boas práticas para a elaboração de concorrências
Guia de boas práticas para a elaboração de concorrênciasRodrigo Polacco
 
Fórum E-commerce Brasil 2010: Thiago Bacchin
Fórum E-commerce Brasil 2010: Thiago BacchinFórum E-commerce Brasil 2010: Thiago Bacchin
Fórum E-commerce Brasil 2010: Thiago BacchiniMasters
 
Seo: como se diferenciar entre tantas lojas virtuais
Seo: como se diferenciar entre tantas lojas virtuaisSeo: como se diferenciar entre tantas lojas virtuais
Seo: como se diferenciar entre tantas lojas virtuaisDeomari Fragoso
 
SEO para lojas virtuais - Curso de E-commerce
SEO para lojas virtuais - Curso de E-commerceSEO para lojas virtuais - Curso de E-commerce
SEO para lojas virtuais - Curso de E-commerceCurso de E-Commerce
 
Metodologia sugerida para gestão de projetos web
Metodologia sugerida para gestão de projetos webMetodologia sugerida para gestão de projetos web
Metodologia sugerida para gestão de projetos webdiogo_plta
 
Aula05 - Os 8 ps do marketing digital
Aula05 - Os 8 ps do marketing digitalAula05 - Os 8 ps do marketing digital
Aula05 - Os 8 ps do marketing digitalMarcio Nunes
 
Aula05 - os 8 ps do marketing digital
Aula05 - os 8 ps do marketing digitalAula05 - os 8 ps do marketing digital
Aula05 - os 8 ps do marketing digitalMarcio Nunes
 
Como preparar orçamento Gestão Redes Sociais 2015
Como preparar orçamento Gestão Redes Sociais 2015Como preparar orçamento Gestão Redes Sociais 2015
Como preparar orçamento Gestão Redes Sociais 2015Ana Mendes
 
A Experiência como Vantagem Competitiva (UX) - Goiânia 2014
A Experiência como Vantagem Competitiva (UX) - Goiânia 2014A Experiência como Vantagem Competitiva (UX) - Goiânia 2014
A Experiência como Vantagem Competitiva (UX) - Goiânia 2014Horácio Soares
 
Introdução ao web design
Introdução ao web designIntrodução ao web design
Introdução ao web designCarla Suelen
 
Apresentação do livro o guia para projetar ux
Apresentação do livro o guia para projetar uxApresentação do livro o guia para projetar ux
Apresentação do livro o guia para projetar uxLucas Darros Lorençon
 
Palestra PM Canvas - Framework
Palestra PM Canvas - FrameworkPalestra PM Canvas - Framework
Palestra PM Canvas - FrameworkEduardo Freire
 
Business Case: Fintech (Product Manager)
Business Case: Fintech (Product Manager)Business Case: Fintech (Product Manager)
Business Case: Fintech (Product Manager)Tiago Ferreira
 
Apresentação Institucional
Apresentação InstitucionalApresentação Institucional
Apresentação InstitucionalInnersite
 

Semelhante a Intensivo de UX para Agências e Startups (20)

Requisitos ageis paulofurtado_2014
Requisitos ageis paulofurtado_2014Requisitos ageis paulofurtado_2014
Requisitos ageis paulofurtado_2014
 
Tecnologia da Informação
Tecnologia da InformaçãoTecnologia da Informação
Tecnologia da Informação
 
Guia de boas práticas para a elaboração de concorrências
Guia de boas práticas para a elaboração de concorrênciasGuia de boas práticas para a elaboração de concorrências
Guia de boas práticas para a elaboração de concorrências
 
Fórum E-commerce Brasil 2010: Thiago Bacchin
Fórum E-commerce Brasil 2010: Thiago BacchinFórum E-commerce Brasil 2010: Thiago Bacchin
Fórum E-commerce Brasil 2010: Thiago Bacchin
 
Seo: como se diferenciar entre tantas lojas virtuais
Seo: como se diferenciar entre tantas lojas virtuaisSeo: como se diferenciar entre tantas lojas virtuais
Seo: como se diferenciar entre tantas lojas virtuais
 
SEO para lojas virtuais - Curso de E-commerce
SEO para lojas virtuais - Curso de E-commerceSEO para lojas virtuais - Curso de E-commerce
SEO para lojas virtuais - Curso de E-commerce
 
Metodologia sugerida para gestão de projetos web
Metodologia sugerida para gestão de projetos webMetodologia sugerida para gestão de projetos web
Metodologia sugerida para gestão de projetos web
 
Aula05 - Os 8 ps do marketing digital
Aula05 - Os 8 ps do marketing digitalAula05 - Os 8 ps do marketing digital
Aula05 - Os 8 ps do marketing digital
 
Aula05 - os 8 ps do marketing digital
Aula05 - os 8 ps do marketing digitalAula05 - os 8 ps do marketing digital
Aula05 - os 8 ps do marketing digital
 
PDP FINAL.ppt
PDP  FINAL.pptPDP  FINAL.ppt
PDP FINAL.ppt
 
Como preparar orçamento Gestão Redes Sociais 2015
Como preparar orçamento Gestão Redes Sociais 2015Como preparar orçamento Gestão Redes Sociais 2015
Como preparar orçamento Gestão Redes Sociais 2015
 
A Experiência como Vantagem Competitiva (UX) - Goiânia 2014
A Experiência como Vantagem Competitiva (UX) - Goiânia 2014A Experiência como Vantagem Competitiva (UX) - Goiânia 2014
A Experiência como Vantagem Competitiva (UX) - Goiânia 2014
 
Introdução ao web design
Introdução ao web designIntrodução ao web design
Introdução ao web design
 
Apresentação do livro o guia para projetar ux
Apresentação do livro o guia para projetar uxApresentação do livro o guia para projetar ux
Apresentação do livro o guia para projetar ux
 
Modelagem de processos
Modelagem de processosModelagem de processos
Modelagem de processos
 
Palestra PM Canvas - Framework
Palestra PM Canvas - FrameworkPalestra PM Canvas - Framework
Palestra PM Canvas - Framework
 
Business Case: Fintech (Product Manager)
Business Case: Fintech (Product Manager)Business Case: Fintech (Product Manager)
Business Case: Fintech (Product Manager)
 
Apresentação Institucional
Apresentação InstitucionalApresentação Institucional
Apresentação Institucional
 
CRP-5215-0420-2014-11
CRP-5215-0420-2014-11CRP-5215-0420-2014-11
CRP-5215-0420-2014-11
 
Aula 5 semana
Aula 5 semanaAula 5 semana
Aula 5 semana
 

Último

Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx2m Assessoria
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASMarcio Venturelli
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAMarcio Venturelli
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)Alessandro Almeida
 

Último (8)

Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 

Intensivo de UX para Agências e Startups

  • 1.
  • 2. Ao longo destes 6 anos par/cipamos de muitos trabalhos que começaram com um escopo simples e, no final, transformaram-­‐se em um grande projeto. Acreditamos que uma simples ideia possa virar um case -­‐ seja de uma startup ou de uma mul/nacional -­‐ a grande questão é saber cul/var! Cada pessoa responsável pelo crescimento do projeto precisa se adaptar ao universo do que será feito, aplicar o seu melhor, admirar e manter as condições ideais para que ele con/nue a se desenvolver. ASSIM COMO AS PLANTAS, UM NEGÓCIO TAMBÉM PRECISA SER CULTIVADO E É ISSO QUE QUEREMOS FAZER JUNTO COM VOCÊ E PELO SEU PROJETO. TUIA, CRESCEMOS JUNTOS!
  • 3. MARCAS ATENDIDAS EM 6 ANOS, SÃO MAIS DE 100 MARCAS E 400 PROJETOS
  • 4. INTENSIVO DE UX PARA AGÊNCIAS E STARTUPS
  • 5. 1. O QUE É E O QUE NÃO É UX
  • 6. 1. O QUE É E O QUE NÃO É UX? O QUE É UX? "User Experience" ou "Experiência do usuário" envolve todos os aspectos da interação dos usuários finais com sua empresa, serviços e produtos. (NIELSEN NORMAN GROUP)
  • 7. 1. O QUE É E O QUE NÃO É UX? O QUE NÃO É UX? DESIGN VISUAL/ INTERFACE/ USER INTERFACE (Etapa iniciada após a finalização da etapa de UX) PROGRAMAÇÃO/ DESENVOLVIMENTO Também iniciada após a finalização da etapa de UX)
  • 9. 2. BENEFÍCIOS DO UX O QUE NÃO É UX? DESIGN Foco apenas no aspecto visual e subjetividade; PROGRAMAÇÃO Foco apenas na programação; CLIENTE Entendimento melhor do projeto; USUÁRIO Melhor usabilidade e maior satisfação.
  • 11. 3. BOAS PRÁTICAS BRIEFING • O briefing deve ser o ponto inicial de um projeto de UX; • Através dele, é possível aprofundar o entendimento do projeto e começar a integração da equipe; • É interessante que seja levantado e/ou confirmado na reunião de kick-­‐off do projeto, que preferencialmente deve ser presencial e contar com toda a equipe do projeto, para projetos de qualquer tamanho (desde um hotsite até um portal.
  • 12. 3. BOAS PRÁTICAS BRIEFING PERGUNTAS INTERESSANTES PARA UM BOM BRIEFING: • O cliente quer mesmo um site? • Quais são os problemas do site atual? • O que precisa ser melhorado? • Qual é o público que o usa o site atual? • Quais são os benefícios do site atual? • Quais são as fontes de receita do site? • Quem são os concorrentes? • Qual é o diferencial do site atual? • Quais são os pontos fracos do site atual? • Quais são as referências do cliente? • Qual é a fase do projeto? • Quem são as pessoas que formam a equipe do projeto?
  • 13. 3. BOAS PRÁTICAS BENCHMARKING • Benchmarking COMPETITIVO: análise dos concorrentes para entender pontos fracos e fortes e perceber oportunidades de melhoria no site do cliente (geralmente utilizado em novas versões de sites para serviços já estabelecidos no mercado) • Benchmarking INSPIRACIONAL: análise de sites similares e referências de outros segmentos para entender pontos fracos e fortes e identificar padrões de navegação e de conteúdo (geralmente utilizado em novas versões de sites para novos serviços a serem oferecidos para o mercado)
  • 14. 3. BOAS PRÁTICAS BENCHMARKING • Geralmente são analisados até 5 sites concorrentes / similares • São definidos de 4 a 5 itens para serem analisados no projeto; por exemplo, em um site para indústria farmacêutica, podemos analisar os seguintes itens: -­‐I) Serviços oferecidos para o usuário -­‐II) Conteúdo -­‐III) Integração com outros sites da marca -­‐IV) Experiência de uso (usabilidade, navegação e estética) • Também podem ser utilizados dados de navegação oferecidas por ferramentas específicas, como Alexa (que oferece dados de navegação do site do seu cliente e dos concorrentes) • Entregável é um relatório final mostrando os pontos fortes e fracos de cada concorrente e um comparativo
  • 15. 3. BOAS PRÁTICAS BENCHMARKING
  • 16. 3. BOAS PRÁTICAS PERFIS DE USUÁRIOS • Definição dos perfis de usuários e tarefas • Parecidos com caso de uso ou cenários (usados em Engenharia de Software) • Servem para definir conteúdo do site, conteúdo da página e prioridade para equipes de Design e Programação
  • 17. 3. BOAS PRÁTICAS PERFIS DE USUÁRIOS
  • 18. 3. BOAS PRÁTICAS SITEMAP • Importante para conhecimento detalhado e dimensionamento do projeto; • Ferramenta auxiliar para equipes de Design e Programação; • Auxílio para definição de perfis de usuário e conteúdo disponibilizado para cada perfil.
  • 19. 3. BOAS PRÁTICAS SITEMAP
  • 20. 3. BOAS PRÁTICAS PROTOTIPAÇÃO • Os wireframes são uma espécie de “planta baixa” do site; • Protótipo navegável de alta fidelidade: todas as páginas e funcionalidades do site devem ser detalhadas no protótipo; • Contém todo o escopo levantado no briefing, com especificações técnicas e todas as informações do cliente; • É desenvolvido pensando na usabilidade do projeto e nos usuários, levando em consideração os objetivos de negócio do projeto; • Em um projeto tradicional de agência digital, acaba se tornando a documentação do projeto, por ser mais tangível e bem mais detalhado que o briefing; • Em uma agência, as fases de Design Visual e Programação geralmente começam apenas após a aprovação dos wireframes.
  • 21. 3. BOAS PRÁTICAS PROTOTIPAÇÃO
  • 23. 4. PESQUISA PESQUISA COM USUÁRIO • Objetivo é descobrir as percepções, crenças e atitudes em relação a um produto ou marca/ • Pode ser de vários tipos: I) Teste de usabilidade II) Questionário III) Entrevista IV) Pesquisa em campo V) Pesquisa baseada em etnografia
  • 24. 4. PESQUISA TESTE DE USABILIDADE -­‐-­‐ Testes com público-­‐alvo do site para entender a aceitação do novo site e levantar possíveis pontos de melhoria -­‐-­‐ São conduzidos por um monitor -­‐-­‐ São realizados em salas com salas de espelho cego e gravação dos movimentos do mouse e webcam -­‐-­‐ Paga-­‐se gratificação em dinheiro para os participantes -­‐-­‐ É um projeto complexo que demora em média 20 a 30 dias úteis -­‐-­‐ O projeto é composto por 6 etapas: Planejamento, Preparação, Teste Piloto, Execução dos Testes, Criação de Relatório e Apresentação dos Resultados -­‐ Entregável: Relatório com conteúdo do Teste -­‐ Problemas de pesquisa definidos, Método, Resultados, Destaques das Entrevistas e Recomendações gerais
  • 25. 4. PESQUISA TESTE DE USABILIDADE
  • 26. 4. PESQUISA FOCUS GROUP • Pesquisa de mercado feita com um grupo de pessoas; • Conversa é conduzida para gerar “insights"; • Mais focada para tomada de decisões mercadológicas (preço, praça, promoção, desenvolvimento); • Resultado é um relatório de impressões gerais.
  • 27. 5. MÉTRICAS E CONTEÚDO
  • 28. 5. MÉTRICAS E CONTEÚDO WEB ANALYTICS • É o planejamento das métricas do site: tudo que deve ser medido e como deve ser medido • Uso do framework DM3 (Digital Marketing and Measurement Model); • Configuração do Google Analytics (ou ferramenta similar): -­‐I) Funis de Conversão -­‐II) Metas do Site -­‐III) Elementos em cada página • Os entregáveis são dois documentos: -­‐I) Framework DM3; -­‐II) Mapa de Tags, uma planilha em Excel onde todos os elementos que devem ser tagueados no site são descritos, junto com o código para implementação no site pelo desenvolvedor.
  • 29. 5. MÉTRICAS E CONTEÚDO WEB ANALYTICS
  • 30. 5. MÉTRICAS E CONTEÚDO WEB ANALYTICS
  • 31. 5. MÉTRICAS E CONTEÚDO SEO (Search Engine Optimization) • No estudo inicial de SEO, chamado de Setup, é analisado o contéudo do site atual, o segmento do cliente (quais são as palavras-­‐chaves mais procuradas, quais são usadas pelos concorrentes) e também são analisados os sites dos concorrentes; • Com base neste estudo de SEO, pode ser definida uma estratégia de atualização de conteúdo para o site, além de campanhas de Adwords (e ferramentas similares); • O trabalho de manutenção de SEO pode trabalhar em conjunto com o trabalho de busca paga, podendo o SEO focar nas palavras-­‐chaves mais caras construindo relevância para tais palavras e o trabalho de Adwords focando nas palavras menos utilizadas pelos concorrentes (e provavelmente mais baratas). •Os entregáveis são 3 documentos: -­‐I) Termos de Uso e Concorrentes; -­‐II) Avaliação de Conteúdo; -­‐III) Manual de boas práticas para Construção de SEO
  • 32. 5. MÉTRICAS E CONTEÚDO SEO (Search Engine Optimization)
  • 33. 5. MÉTRICAS E CONTEÚDO CRO (Convert Rate Optimization) • Foco na melhoria da Taxa de Conversão; • Voltado para sites transacionais; • Mix de Métricas (Google Analytics), Arquitetura de Informação e Design Visual; • Projetos de 4 a 6 meses; • Projeto dividido em ciclos, geralmente mensais, com foco específico; -­‐ -­‐EXEMPLO: -­‐I) No primeiro mês, focamos na página de Produtos, com levantamento dos pontos de melhoria, testes A/B a serem realizados, métricas e KPIs a serem monitorados; -­‐II) Com acompanhamento, após o atingimento das metas, o foco passa a ser a página -­‐de Carrinho.
  • 37. 6. ENTREGÁVEIS AVALIAÇÃO HEURÍSTICA • Feita por 2 especialistas que avaliam o site e levantam pontos de melhoria • Utilizada em várias situações: -­‐I) Cliente não quer mudar o site atual, por resistência ou falta de verba; -­‐II) Nova conta na agência: documento de apoio para o planejamento das ações para o cliente; -­‐III) Concorrência: documento de apoio na defesa da idéia da agência. Entregável é um relatório com os pontos de melhoria em cada página do site, com sugestões de ações para aplicação imediata e grau de gravidade, como, por exemplo: I) Mudança de legenda de botão; II) Exclusão campo de formulário; III) Adição de mensagem de feedback.
  • 39. 6. ENTREGÁVEIS INVENTÁRIO DE CONTEÚDO • Tipo de projeto mais voltado para portais e sites com grande quantidade de conteúdo; •É levantado todo o conteúdo “esquecido" ou “escondido" do site; • Ótimo material para a Equipe de Programação e pelo conteúdo para adequação ao novo projeto; • Ótimo material para Equipe de SEO para manter a relevância do conteúdo e do site
  • 41. 7. DESIGN RESPONSIVO X APP MOBILE
  • 42. 7. DESIGN RESPONSIVO X APP MOBILE DESIGN RESPONSIVO x APP MOBILE DESIGN RESPONSIVO: •Versão mobile de um site • Foco em conteúdo com interação e conversão (contato, vendas e afins) APP MOBILE: • Projeto mais complexo e com maior custo • Oferece funcionalidades específicas para mobile e diferentes ou complementares das funcionalidades do site
  • 43. 7. DESIGN RESPONSIVO X APP MOBILE DESIGN RESPONSIVO x APP MOBILE
  • 44. 8. FASES DE UM PROJETO DE UX
  • 45. 8. FASES DE UM PROJETO UX AGÊNCIAS E STARTUPS Agência (modelo tradicional) Startup (Lean UX)
  • 47. ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes CASA DE VALENTINA
  • 48. ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes CRUZEIRO DO SUL VIRTUAL
  • 49. PESQUISA Teste de Usabilidade JIMBO MOBILE
  • 50. RENAULT ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes
  • 51. IG FUTEBOL ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes DESIGN
  • 52. ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes BRADESCO TRADING APP iPhone/ iPad
  • 53. ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO SEBRAE Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes NACIONAL PESQUISA Card Sorting; User Research
  • 54. OI Dashboard de Monitoramento ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes DESIGN
  • 55. DNA/ ATOS ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes DESIGN
  • 56. ROUPOLOGiA ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes App iPhone/ Landing Page/ Admin DESIGN
  • 57. QRANIO ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO Sitemap; Fluxo de interação; Wireframes
  • 58. OBRIGAD 11. 2528.5014 ola@tuia.me www.tuia.me