Os Fundamentalismos

1.300 visualizações

Publicada em

Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Geografia C

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.300
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os Fundamentalismos

  1. 1. • Doutrina ou prática social que visa seguir determinados fundamentos tradicionais, baseados em algum livro sagrado ou práticas habituais. • O fundamentalista vive na convicção plena de que a sua doutrina é a única verdadeira, desvalorizando as restantes.
  2. 2. • Algumas manifestações fundamentalistas ocupam um papel central. – Globalização imperante – Fundamentalismo Suicidário
  3. 3. • Preconizado pelos radicais islâmicos, rompe com os marcos da globalização moderna, tornou-se desinteressante ao capitalismo e é também combatido com violência.
  4. 4. • O 11 de setembro foi o fator detonador, ao ser encarado como a justificação para os EUA expandirem o seu poder. • A própria expansão assume-se como um elemento revelador do poder efetivo dos EUA e dificuldade de relações transatlânticas e intereuropeias, nomeadamente na questão iraquiana.
  5. 5. • O alargamento militar/económico ao Médio Oriente, sobretudo aos países do Golfo e outras regiões do mundo, associa-se ao fator estrutural de riqueza e de poder, que o domínio do mercado mundial de petróleo e gás natural representa, especialmente quando se depende em termos energéticos.
  6. 6. • Como resposta à ação capitalista e neoliberal, promovida pelos EUA, seguida por todos periféricos globalizados, os atores assimétricos não estatais proliferam, especialmente as redes terroristas.
  7. 7. • São dois os movimentos geoestratégicos que marcam o mundo atual: – A guerra mundial contra o terror; – O jogo de ações de terror como combate a essa guerra
  8. 8. • Em termos históricos a Inquisição praticada pelos católicos na Idade Média assumiu-se como uma primeira forma de fundamentalismo religioso. • No atual cenário mundial, o fundamentalismo de origem islâmica ganha expressão e notoriedade pelo impacto das suas manifestações, nomeadamente o caso de atos terroristas.
  9. 9. • O fundamentalismo suicidário praticado por muçulmanos parte da convicção de que o seu inimigo é o Ocidente, porque este se baseia numa perspetiva materialista e imperialista.
  10. 10. • O termo Islão significa “submissão a Deus”, na palavra salam ou paz. A essência do Islamismo acaba por ser distorcida pelos radicais que praticam atos hediondos em nome do Islão.
  11. 11. • Jihad é um conceito essencial da religião islâmica e significa “empenho”, “esforço” e luta contra os inimigos de Deus. • Alguns versículos que descrevem a luta armada de Maomé contra os inimigos dão aos radicais de hoje um pretexto.
  12. 12. • Sobre a égide de Jihad, grupos extremistas mostram- se empenhados numa luta global contra o inimigo, o Ocidente, tido como corrupto e opressor. • Da ação destes grupos destaca-se a tentativa de impor a teocracia em terras muçulmanas e eliminar as influências “impuras” do Ocidente.
  13. 13. • Segundo a CIA, a face mais visível e mortífera deste proceder aparece associada a Bin Laden e á Al- Qaeda, com células identificadas e/ou suspeitas em 68 países.
  14. 14. • Os ataques levados a cabo em Madrid, a 11 de março de 2004 por um grupo com relações à rede Al-Qaeda são um exemplo de manifestação do fundamentalismo através de práticas terroristas. • O fundamentalismo religioso ultrapassa os limites da nacionalidade humana. Nesta rede intricada de legitimações e justificações, a religião desempenha um papel central. • As guerras de religião são o espelho das guerras políticas.
  15. 15. • O fundamentalismo verde assume-se como um movimento de deslegitimação, do processo de crescimento económico baseado na exploração desenfreada dos recursos naturais.
  16. 16. Alerta para ataque suicida nos transportes parisienses veio dos argelinos. O ministro do Interior francês confirmou ontem que a ameaça de um atentado terrorista no país é "real e a vigilância foi reforçada", enquanto fontes dos serviços de informações nacionais, que foram citadas pelos media, falam em "ameaça iminente de atentado" contra território francês. Na origem do ataque estaria a Al-Qaeda no Magrebe Islâmico, grupo que levou ao cancelamento do rali Lisboa-Dacar em 2008. O tipo de atentado seria suicida e o alvo mais provável seriam os transportes públicos da zona de Paris. "Nós mobilizámos todos os meios necessários para conseguir evitar um ato tão perigoso", garantiu Brice Hortefeux, indicando que o plano de segurança Vigipirate se mantém no nível vermelho. Este é o terceiro dos quatro níveis de alerta que esse sistema tem. O nível máximo tem a cor escarlate (um vermelho mais vivo). A França encontra-se em alerta vermelho desde os atentados de Londres em Julho de 2005. Fonte do Ministério do Interior francês confirmou à AFP que as informações sobre um possível atentado vieram da Argélia - país de origem do Grupo Salafita para a Prédica e o Combate, que há três anos se transformou na Al-Qaeda do Magrebe Islâmico. O Ministério Público de Paris abriu entretanto uma investigação a uma mulher que teria como objetivo fazer-se explodir na capital francesa. Fontes policiais citadas pela mesma agência indicaram que duas células terroristas adormecidas foram ativadas depois da chegada de vários radicais islâmicos vindos da conturbada zona de fronteira entre o Paquistão e o Afeganistão.
  17. 17. Aquilo que todos os britânicos temiam aconteceu no dia 7 de Julho de 2005. Ao início da manhã, três bombas explodiram na rede de metro e num autocarro de Londres, fazendo mais de meia centena de mortos e pelo menos sete centenas de feridos. Na origem daqueles que foram os piores atentados no Reino Unido desde Lockerbie, em 1988, estiveram quatro extremistas islâmicos que atuaram como bombistas suicidas. Alguns deles tinham estado recentemente a receber instruções em madrassas paquistanesas. Alguns dias mais tarde, a 21 de Julho, outros extremistas tentaram repetir o ataque. Foram mal sucedidos e acabaram presos, uns em Londres, outros em Birmingham, mas também em Roma, na Itália, à luz do mandado de captura europeu. A ameaça terrorista mantém os serviços secretos e as forças de segurança britânicas em constante alerta e em 2006, em Agosto, foi desmantelada uma alegada conspiração para fazer explodir uma série de voos que faziam a ligação entre o Reino Unido e os Estados Unidos. A seguir a isto foram aprovadas, a nível da União Europeia, uma série de restrições em relação à quantidade de líquidos que os passageiros podem transportar na bagagem de mão.
  18. 18. Na manhã do dia 11 de Março de 2004 dez bombas explodiram em quarto comboios que faziam a ligação entre Alcalá de Denares e a estação madrilena de Atocha. 191 pessoas morreram na altura, milhares ficaram feridas, com maior ou menor gravidade. Os principais autores dos atentados suicidaram-se, um mês depois, no apartamento do bairro madrileno de Legam és em que estavam escondidos desde o ataque. A maioria dos restantes envolvidos foram condenados, em 2007, a penas máximas de prisão. Mas o alegado cérebro do ataque, Mohamed, o Egípcio, detido em Itália, foi absolvido das acusações por não haver provas consistentes contra si. A justiça espanhola considerou provada a ligação à Al-Qaeda e afastou definitivamente uma relação com a ETA. Apesar da acção contraterrorista os sucessivos relatórios sobre segurança, em Espanha, referem que o país continua a ser um alvo dos terroristas islâmicos, nomeadamente aqueles que estão agrupados na chamada Al-Qaeda para o Magrebe Islâmico. O objetivo, dizem, é recuperar o Al-Andaluz, zona da Península Ibérica que, até ao século XV, era árabe. No seu entender uma terra uma vez muçulmana é para sempre muçulmana.
  19. 19. • Na sociedade refletem-se várias manifestações fundamentalistas, em campos como a economia, religião e o ambiente. Não obstante dessa diversidade, o seu eixo estruturante é que todas elas se consideram possuidoras da verdade e de legitimidade, mesmo que a imposição ao outro assuma um caráter violento.

×