SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
ARTE NOVA E O 
FUNCIONALISMO
O que foi? 
 A Arte Noveau (Arte Nova) foi um estilo estético que 
surgiu nos finais do século XIX, nomeadamente na 
França e Bélgica, em plena Belle Époque. 
 Este tipo de arte estava relacionada com o movimento 
arts & crafts, tendo produzido obras de grande beleza e 
requinte, relacionando-se especialmente com a 
2ª Revolução Industrial em curso na Europa, com a 
exploração de novos materiais (como o ferro e o vidro, 
principais elementos constituintes dos edifícios que 
passaram a ser construídos segundo a nova estética) e 
os avanços tecnológicos na área gráfica, como a 
técnica da litografia colorida que teve grande influência 
nos cartazes.
A Arte Nova abrangeu os mais 
variados sectores artísticos: 
 Pintura; 
 Arquitetura; 
 Mobiliário; 
 Joalharia; 
 Vestuário; 
 Escultura; 
 Tipografia
Pintura 
 Peças bidimensionais de Art Nouveau foram pintadas, 
desenhadas e impressas em formas populares como 
propagandas, pósteres, rótulos, revistas entre outros. 
 A estampa Japonesa, com suas linhas curvas, 
superfícies estampadas, vazios contrastantes e a 
planicidade do plano visual, também inspiraram o Art 
Nouveau. 
 Alguns padrões de linhas e curvas se tornaram em 
clichés gráficos que foram posteriormente encontrados 
em obras de artistas de muitas partes do mundo.
Pintura 
 Como um estilo artístico, Art Nouveau tem afinidades 
com os pré-rafaelitas e estilos simbolistas, e artistas 
como Aubrey Beardsley, Alphonse Mucha, Edward 
Burne-Jones, Gustav Klimt e Jan Toorop poderia ser 
classificados em mais de um desses estilos. 
 Ao contrário da pintura simbolista, no entanto, o Art 
Nouveau tem uma aparência distinta e, ao contrario do 
movimento artesão-orientado de Arts and Crafts, artistas 
Art Nouveau rapidamente usavam novos materiais, 
superfícies usinadas e abstração a serviço do design 
puro.
Pintura pré-rafaelita
Exemplo da influência da Arte nova na pintura
Arquitetura 
 O Art Nouveau na arquitetura e design interior evitou os 
estilos ecléticos revivalistas do século XIX. 
 Apesar dos designers Art Nouveau selecionaram e 
modernizaram alguns dos mais abstratos elementos do 
estilo Rococó, como as texturas da chama e da concha, 
ele também defenderam o uso de formas orgânicas 
muito estilizadas como fonte de inspiração, expandindo 
o repertório “natural” de usar alga, grama e insetos.
Arquitetura 
 A arquitetura Art Nouveau fez uso de muitas das 
inovações tecnológicas do fim do século XIX, 
especialmente o uso de ferro exposto e grandes 
pedaços irregulares de vidro para a arquitetura. 
 No inicio da Primeira Guerra Mundial, no entanto, a 
natureza estilizada do design Art Nouveau – que era 
caro para produzir – começou a ser abandonada em 
favor de um modernismo mais ágil e retilíneo, que era 
mais barato e mais fiel à indústria estética mais simples 
que se tornou Art Déco.
Fachada no Estilo Arte 
Nova
Hotel Tassel em Bruxelas
Mobiliário 
 O mobiliário Art Nouveau é particularmente 
interessante e existem vários designers de 
móveis importantes. 
 Na França, Louis Majorelle ligado à Escola de 
Nancy adota o estilo e cria móveis com linhas 
florais e orgânicos. Na Bélgica, Gustave Serrurier- 
Bovy adota um estilo mais linear do Art Nouveau, 
uma de suas obras icônicas é o gabinete "Silex". 
Não devemos esquecer também as linhas 
geométricas de Charles Rennie Mackintosh, na 
Escócia, ou de Josef Hoffmann da Wiener 
Werkstätte
Joalharia 
 As joias do período Art Nouveau revitalizaram a arte da 
joalharia, com a natureza como a principal fonte de 
inspiração, complementados por novos níveis de 
virtuosidade em esmalte e a introdução de novos 
materiais, tais como opalas e pedras semipreciosas. 
 O grande interesse na arte japonesa e o entusiasmo 
mais especializado para habilidades metalúrgicas 
japonesas promoveu novos temas e abordagens para 
enfeite.
Joalharia 
 Para os dois séculos anteriores, a ênfase em joias finas 
tinha sido em pedras preciosas, em especial sobre o 
diamante, e o joalheiro ou ourives tinha se concentrava 
principalmente com o fornecimento de configurações 
para sua viagem. 
 Com o Art Nouveau, um tipo diferente de joias surgiu, 
motivado pelo artista-designer ao invés de o joalheiro 
como setter de pedras preciosas.
Joalharia 
 Os joalheiros de Paris e Bruxellas definiram o Art 
Nouveau em joias, e nessas cidades alcançou seu 
maior renome. 
 Críticos franceses contemporâneos estavam unidos em 
reconhecer que a joalharia estava passando por uma 
transformação radical e que o joalheiro-vidreiro 
francês René Lalique estava popularizando as 
mudanças. 
 Lalique glorificou a natureza na joalheria, ampliando o 
repertório para incluir novos aspectos da natureza – 
como a grama ou libélulas – inspirados por seu 
encontro com a arte japonesa.
Joalharia 
 Os joalheiros estavam ansiosos para estabelecer o 
novo estilo em uma tradição nobre, e por isso usaram o 
Renascimento, com suas obras de ouro esculpido e 
esmaltado, e sua aceitação de joalheiros como artistas 
em vez de artesãos. 
 Na maior parte do trabalho esmaltado do período, 
pedras preciosas recuaram. 
 O diamante era geralmente subsidiário, usado 
juntamente com materiais menos conhecidos como 
vidro moldado, chifre e marfim.
Tigografia 
 Como a maioria dos estilos de design, o Art Nouveau 
procurou harmonizar suas formas. O texto acima da 
entrada do Metropolitano de Paris utiliza as qualidades 
do resto do trabalho de ferro na estrutura.
Escultura 
 Art Nouveau não negou as maquinas, como o 
movimento de Arts and Crafts o fez. Para escultura, os 
materiais empregados eram o vidro e o ferro forjado, 
resultando em qualidades esculturais até mesmo na 
arquitetura. Cerâmicas também foram empregadas na 
criação de edições de esculturas de artistas 
como Auguste Rodin. Os escultores incluem François- 
Raoul Larche e Charles van der Stappen.
Outros exemplos
O Funcionalismo 
 Este movimento arquitetónica teve início em 1920 e 
1930; 
 “A forma segue a função”, segundo Louis Sullivan, uma 
nova arquitetura que rompeu com a história da 
arquitetura; 
 Foi na arquitetura moderna que se começou a dar mais 
importância ao funcionamento prático excluindo assim, 
adornos desnecessários; 
 Os arquitetos seguiam este lema. «O homem e seu 
bem-estar são o motor das ideias» 
 Surge então a necessidade de confrontar as exigências 
socioeconómicas da civilização das massas.
Funcionalismo racionalista
Funcionalismo racionalista 
Movimento dos Bahaus
Funcionalismo organicista
Arte nova e o Funcionalismo
Arte nova e o Funcionalismo
Arte nova e o Funcionalismo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroA arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroCarlos Pinheiro
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaCarlos Pinheiro
 
Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Ana Barreiros
 
Movimento High Tech
Movimento High TechMovimento High Tech
Movimento High TechDe Graffi
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoCarla Freitas
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema Ana Barreiros
 
Módulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contextoMódulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contextocattonia
 
A arquitectura do ferro
A arquitectura do ferroA arquitectura do ferro
A arquitectura do ferrobecresforte
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização históricaCarla Freitas
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaAna Barreiros
 
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIXPintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIXCarlos Pinheiro
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoCarla Freitas
 

Mais procurados (20)

A arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroA arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidro
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
 
Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900
 
Movimento High Tech
Movimento High TechMovimento High Tech
Movimento High Tech
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema
 
Módulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contextoMódulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contexto
 
Art Déco
Art DécoArt Déco
Art Déco
 
A arquitectura do ferro
A arquitectura do ferroA arquitectura do ferro
A arquitectura do ferro
 
Cultura da gare
Cultura da gareCultura da gare
Cultura da gare
 
Manuelino
ManuelinoManuelino
Manuelino
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
 
Art Deco
Art DecoArt Deco
Art Deco
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
 
Art Nouveau
Art Nouveau Art Nouveau
Art Nouveau
 
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIXPintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 

Destaque (20)

Arte Nova
Arte NovaArte Nova
Arte Nova
 
O Modernismo E A Arte Nova
O Modernismo E A Arte NovaO Modernismo E A Arte Nova
O Modernismo E A Arte Nova
 
O funcionalismo na arquitectura
O funcionalismo na arquitecturaO funcionalismo na arquitectura
O funcionalismo na arquitectura
 
Funcionalismo
FuncionalismoFuncionalismo
Funcionalismo
 
Pop Art
Pop Art Pop Art
Pop Art
 
Aula 1 empresas e sua missão
Aula 1   empresas e sua missãoAula 1   empresas e sua missão
Aula 1 empresas e sua missão
 
revolução industrial_trabalho teoria design
revolução industrial_trabalho teoria designrevolução industrial_trabalho teoria design
revolução industrial_trabalho teoria design
 
Design?
Design?Design?
Design?
 
02 art nouveau
02 art nouveau02 art nouveau
02 art nouveau
 
MOVIMENTO PUNK: política, comportamento e design nos anos 70.
MOVIMENTO PUNK: política, comportamento e design nos anos 70.MOVIMENTO PUNK: política, comportamento e design nos anos 70.
MOVIMENTO PUNK: política, comportamento e design nos anos 70.
 
Porto arte nova
Porto arte novaPorto arte nova
Porto arte nova
 
Desenho industrial
Desenho industrialDesenho industrial
Desenho industrial
 
A MARCA NA PUBLICIDADE
A MARCA NA PUBLICIDADEA MARCA NA PUBLICIDADE
A MARCA NA PUBLICIDADE
 
Historia Do Design
Historia Do DesignHistoria Do Design
Historia Do Design
 
Catalogo artenova
Catalogo artenovaCatalogo artenova
Catalogo artenova
 
História do Design - Mov.Moderno.Bauhaus - Hd07
História do Design - Mov.Moderno.Bauhaus - Hd07História do Design - Mov.Moderno.Bauhaus - Hd07
História do Design - Mov.Moderno.Bauhaus - Hd07
 
03 futurismo
03 futurismo03 futurismo
03 futurismo
 
Pós modernismo
Pós modernismoPós modernismo
Pós modernismo
 
Design historia
Design historiaDesign historia
Design historia
 
Walter Gropius - Bauhaus
Walter Gropius - BauhausWalter Gropius - Bauhaus
Walter Gropius - Bauhaus
 

Semelhante a Arte nova e o Funcionalismo

Semelhante a Arte nova e o Funcionalismo (20)

Ecleticismo a Art deco - 8 º ano!
Ecleticismo a Art deco - 8 º ano!Ecleticismo a Art deco - 8 º ano!
Ecleticismo a Art deco - 8 º ano!
 
Ecleticismo a Art Deco - 8º ano!
Ecleticismo a Art Deco - 8º ano!Ecleticismo a Art Deco - 8º ano!
Ecleticismo a Art Deco - 8º ano!
 
A arte nova
A arte novaA arte nova
A arte nova
 
ArtNouveau
ArtNouveauArtNouveau
ArtNouveau
 
Art Noveau,Simb,Nabis,Fauves 2019
Art Noveau,Simb,Nabis,Fauves 2019Art Noveau,Simb,Nabis,Fauves 2019
Art Noveau,Simb,Nabis,Fauves 2019
 
Art nouveau estilo
Art nouveau   estiloArt nouveau   estilo
Art nouveau estilo
 
Arts & Crafts e Arte Nova
Arts & Crafts e Arte NovaArts & Crafts e Arte Nova
Arts & Crafts e Arte Nova
 
Art Nouveau
Art NouveauArt Nouveau
Art Nouveau
 
Art Noveau, Simbolismo ,Les Nabis, Fauvismo 2019
Art Noveau, Simbolismo ,Les Nabis, Fauvismo 2019Art Noveau, Simbolismo ,Les Nabis, Fauvismo 2019
Art Noveau, Simbolismo ,Les Nabis, Fauvismo 2019
 
Art Nouveau
Art NouveauArt Nouveau
Art Nouveau
 
L'art nouveau
L'art nouveauL'art nouveau
L'art nouveau
 
L'Art Nouveau
L'Art NouveauL'Art Nouveau
L'Art Nouveau
 
Art nouveau
Art nouveauArt nouveau
Art nouveau
 
Art nouveau
Art nouveauArt nouveau
Art nouveau
 
Arte nouveau
Arte nouveauArte nouveau
Arte nouveau
 
Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)
 
Art nouveau
Art nouveauArt nouveau
Art nouveau
 
Album de Figurinhas Introdução ao Design
Album de Figurinhas Introdução ao DesignAlbum de Figurinhas Introdução ao Design
Album de Figurinhas Introdução ao Design
 
Aula 03 história do design gráfico
Aula 03   história do design gráficoAula 03   história do design gráfico
Aula 03 história do design gráfico
 
Marli
MarliMarli
Marli
 

Último

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 

Último (20)

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 

Arte nova e o Funcionalismo

  • 1. ARTE NOVA E O FUNCIONALISMO
  • 2. O que foi?  A Arte Noveau (Arte Nova) foi um estilo estético que surgiu nos finais do século XIX, nomeadamente na França e Bélgica, em plena Belle Époque.  Este tipo de arte estava relacionada com o movimento arts & crafts, tendo produzido obras de grande beleza e requinte, relacionando-se especialmente com a 2ª Revolução Industrial em curso na Europa, com a exploração de novos materiais (como o ferro e o vidro, principais elementos constituintes dos edifícios que passaram a ser construídos segundo a nova estética) e os avanços tecnológicos na área gráfica, como a técnica da litografia colorida que teve grande influência nos cartazes.
  • 3. A Arte Nova abrangeu os mais variados sectores artísticos:  Pintura;  Arquitetura;  Mobiliário;  Joalharia;  Vestuário;  Escultura;  Tipografia
  • 4. Pintura  Peças bidimensionais de Art Nouveau foram pintadas, desenhadas e impressas em formas populares como propagandas, pósteres, rótulos, revistas entre outros.  A estampa Japonesa, com suas linhas curvas, superfícies estampadas, vazios contrastantes e a planicidade do plano visual, também inspiraram o Art Nouveau.  Alguns padrões de linhas e curvas se tornaram em clichés gráficos que foram posteriormente encontrados em obras de artistas de muitas partes do mundo.
  • 5. Pintura  Como um estilo artístico, Art Nouveau tem afinidades com os pré-rafaelitas e estilos simbolistas, e artistas como Aubrey Beardsley, Alphonse Mucha, Edward Burne-Jones, Gustav Klimt e Jan Toorop poderia ser classificados em mais de um desses estilos.  Ao contrário da pintura simbolista, no entanto, o Art Nouveau tem uma aparência distinta e, ao contrario do movimento artesão-orientado de Arts and Crafts, artistas Art Nouveau rapidamente usavam novos materiais, superfícies usinadas e abstração a serviço do design puro.
  • 7. Exemplo da influência da Arte nova na pintura
  • 8. Arquitetura  O Art Nouveau na arquitetura e design interior evitou os estilos ecléticos revivalistas do século XIX.  Apesar dos designers Art Nouveau selecionaram e modernizaram alguns dos mais abstratos elementos do estilo Rococó, como as texturas da chama e da concha, ele também defenderam o uso de formas orgânicas muito estilizadas como fonte de inspiração, expandindo o repertório “natural” de usar alga, grama e insetos.
  • 9. Arquitetura  A arquitetura Art Nouveau fez uso de muitas das inovações tecnológicas do fim do século XIX, especialmente o uso de ferro exposto e grandes pedaços irregulares de vidro para a arquitetura.  No inicio da Primeira Guerra Mundial, no entanto, a natureza estilizada do design Art Nouveau – que era caro para produzir – começou a ser abandonada em favor de um modernismo mais ágil e retilíneo, que era mais barato e mais fiel à indústria estética mais simples que se tornou Art Déco.
  • 10. Fachada no Estilo Arte Nova
  • 11. Hotel Tassel em Bruxelas
  • 12.
  • 13. Mobiliário  O mobiliário Art Nouveau é particularmente interessante e existem vários designers de móveis importantes.  Na França, Louis Majorelle ligado à Escola de Nancy adota o estilo e cria móveis com linhas florais e orgânicos. Na Bélgica, Gustave Serrurier- Bovy adota um estilo mais linear do Art Nouveau, uma de suas obras icônicas é o gabinete "Silex". Não devemos esquecer também as linhas geométricas de Charles Rennie Mackintosh, na Escócia, ou de Josef Hoffmann da Wiener Werkstätte
  • 14.
  • 15. Joalharia  As joias do período Art Nouveau revitalizaram a arte da joalharia, com a natureza como a principal fonte de inspiração, complementados por novos níveis de virtuosidade em esmalte e a introdução de novos materiais, tais como opalas e pedras semipreciosas.  O grande interesse na arte japonesa e o entusiasmo mais especializado para habilidades metalúrgicas japonesas promoveu novos temas e abordagens para enfeite.
  • 16. Joalharia  Para os dois séculos anteriores, a ênfase em joias finas tinha sido em pedras preciosas, em especial sobre o diamante, e o joalheiro ou ourives tinha se concentrava principalmente com o fornecimento de configurações para sua viagem.  Com o Art Nouveau, um tipo diferente de joias surgiu, motivado pelo artista-designer ao invés de o joalheiro como setter de pedras preciosas.
  • 17. Joalharia  Os joalheiros de Paris e Bruxellas definiram o Art Nouveau em joias, e nessas cidades alcançou seu maior renome.  Críticos franceses contemporâneos estavam unidos em reconhecer que a joalharia estava passando por uma transformação radical e que o joalheiro-vidreiro francês René Lalique estava popularizando as mudanças.  Lalique glorificou a natureza na joalheria, ampliando o repertório para incluir novos aspectos da natureza – como a grama ou libélulas – inspirados por seu encontro com a arte japonesa.
  • 18. Joalharia  Os joalheiros estavam ansiosos para estabelecer o novo estilo em uma tradição nobre, e por isso usaram o Renascimento, com suas obras de ouro esculpido e esmaltado, e sua aceitação de joalheiros como artistas em vez de artesãos.  Na maior parte do trabalho esmaltado do período, pedras preciosas recuaram.  O diamante era geralmente subsidiário, usado juntamente com materiais menos conhecidos como vidro moldado, chifre e marfim.
  • 19.
  • 20. Tigografia  Como a maioria dos estilos de design, o Art Nouveau procurou harmonizar suas formas. O texto acima da entrada do Metropolitano de Paris utiliza as qualidades do resto do trabalho de ferro na estrutura.
  • 21. Escultura  Art Nouveau não negou as maquinas, como o movimento de Arts and Crafts o fez. Para escultura, os materiais empregados eram o vidro e o ferro forjado, resultando em qualidades esculturais até mesmo na arquitetura. Cerâmicas também foram empregadas na criação de edições de esculturas de artistas como Auguste Rodin. Os escultores incluem François- Raoul Larche e Charles van der Stappen.
  • 22.
  • 24. O Funcionalismo  Este movimento arquitetónica teve início em 1920 e 1930;  “A forma segue a função”, segundo Louis Sullivan, uma nova arquitetura que rompeu com a história da arquitetura;  Foi na arquitetura moderna que se começou a dar mais importância ao funcionamento prático excluindo assim, adornos desnecessários;  Os arquitetos seguiam este lema. «O homem e seu bem-estar são o motor das ideias»  Surge então a necessidade de confrontar as exigências socioeconómicas da civilização das massas.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.