SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
A
Acomodação
É um processo social em que as partes concorrentes arranjam um novo “modus vivendi”
através de ajustamentos entre si. O antagonismo é resolvido temporariamente, podendo
perdurar ou agudizar-se.
In Sociologia do 12º ano, 1995, Lisboa Editora
Margarida Tavares
Actividade lúdica
“ Quanto mais activa for esta força lúdica, mais a criança, candidata a homem, é inteligente
e disponível para um destino superior (…) uma potente mola da educação.” (E. Planchard,
1961).
Fonte: Educação pela Arte e Artes na Educação, 2º volume
Agrupamentos não estruturados
Os agrupamentos não estruturados são constituídos por indivíduos que se encontram
ocasionalmente, não têm uma finalidade comum, nem possuem organização, isto é, não
possuem uma estrutura.
In Sociologia 12º ano, 1995, Lisboa Editora
Margarida Tavares
Animação
"(...) conjunto de práticas sociais que visam estimular a iniciativa e a participação das
populações no seu próprio desenvolvimento e na dinâmica global da vida sócio-politica em
que estão integradas."
(UNESCO)



Animação 2
A animação desdobra-se numa infinidade de significados, tais como "animar","dar vida",
"movimento", "motivar", ou seja dar motivação e dinamizar algo. A animação pode abranger
diversos contextos, desde de o contexto social, ambiental, politico, educacional, empresarial,
etc.
Animação 3


O Sindicato dos Trabalhadores Sociais (1977) refere o “ Animador Sócio – cultural é todo
aquele que, tendo recebido uma formação específica, é capaz de elaborar e executar um
plano de animação numa comunidade, instituição ou organismo utilizando actividades
recreativas, culturais e ou desportivas visando em última análise o desenvolvimento das
potencialidades dos elementos dessa comunidade em ordem a tornarem-se agentes
transformadoras do seu meio.” Marcelino Lopes (2006:526).
(Acção: acompanhamento de crianças - técnicas de animação)
Animação (4)
Animação Sociocultural baseia-se num conjunto de práticas sociais (métodos de trabalho ex.
análise da realidade: detectar necessidades do grupo e instituição) que permitem satisfazer
as necessidades do grupo e respectiva instituição de forma dinâmica e criativa. Tem como
finalidade promover a iniciativa e participação, assim como o desenvolvimento.
(Manual: Animação Sociocultural “Definições e Noções”)
Animação (5)
“a animação sociocultural é o eixo estruturador de uma intervenção educativa globalizada
que apela a diferentes tipos de articulação: a articulação entre modalidades educativas
formais e não formais; a articulação entre actividades escolares e não escolares; a
articulação entre educação das crianças e dos adultos” (Canário,2000 p.136).
Animador de Grupo
Aquele a quem cabe esclarecer as situações, levar as pessoas a interiorizar os seus
problemas, provocar uma sincera reflexão, despertar a solidariedade grupal e ainda criar um
ambiente de compreensão e de aceitação mútua, de autêntica fraternidade e acolhimento,
para que cada qual, sustentando psicologicamente, encontre resposta positiva às suas
inclinações naturais de segurança, de reconhecimento, de aceitação e de valorização
pessoal.
(www.scribd.com)
Animador
“o animador deve pensar global e agir localmente, defendendo as culturas locais e
populares, salvaguardando as identidades regionais, resistindo à globalização nos seus
efeitos mais perversos e redutores da riqueza ou pobreza, terminus absolutos, da ausência
de igualdade de oportunidades.
O animador deve ajudar a compreender e a enfrentar um mundo cada vez mais Inteligível,
descodificando os seus sinais, apetrechando os menos preparados na revolução da
sociedade do conhecimento e da informação.” (Tracana, 2006p. 13)


Arte
"(...) a arte é uma actividade humana que consiste nisto: um homem, conscientemente, por
meio de simbolos externos, transmite a outros determinados sentimentos que experimenta
de forma que esses outros sejam afectados por esses mesmos sentimentos e também os
experimentem."Tolstoi, 1968
Assimilação
É um processo social através do qual os individuos ou grupos aceitam e adquirem padrões
comportamentais uns dos outros, isto é, verifica-se um processo de integração.
in Sociologia do 12º ano, 1995, Lisboa Editora
Margarida Tavares
Atitudes
As atitudes podem ser definida como uma organização duradoura de crenças e cognições
em geral, dotada de uma carga afectiva pró ou contra um dado objecto social definido. Ela
determina uma predisposição para encarar ou reagir a uma dada situação ou objecto social.
As atitudes referem-se sempre a objectos específicos, que estão presentes ou que
são lembrados através de um indicio do objecto.
Atitudes são processos de consciência individual que determinam actividades reais ou
possíveis do indivíduo no mundo social.
(Thomas e Znaniecki, 1915,p.22)
                                              C
Cooperação
É um tipo de processo social em que dois ou mais indivíduos, ou grupos actuam
conjuntamente tendo em vista um objectivo comum. São numerosos os interesses que
levam os indivíduos à cooperação: de ordem material (por exemplo: a constituição de uma
sociedade comercial), e de ordem espiritual (como a constituição de uma associação com
fins culturais e não lucrativos).
In Sociologia 12º ano, 1995, Lisboa Editora
Margarida Tavares
Criatividade
Processo de se tornar sensível a problemas, deficiências, lacunas no conhecimento,
desarmonias; identificar a dificuldade; buscar soluções, formulando hipóteses a respeito das
deficiências; testar e retestar estas hipóteses; e, finalmente, comunicar os resultados.
(Torrance,1965 apud ALENCAR, 1993, p.13)
Criatividade (2)
A criatividade é uma propriedade ou característica dos seres humanos que se converteu
num valor de cambio importante nas sociedades ocidentais. Ser "criativo" não é apenas o
sinonimo de ser original, mas actualmente é uma ocupação de prestígio na nossa
sociedade.
CASQUEIRA, Joana M.
disponível em http://www.psicologia.com.pt/artigos/textos/TL0104.pdf consultado em 25-11-
2010
Criatividade (3)
A criatividade é um conjunto de processos de pensamentos que se interligam com a
imaginação, intervenção, inovação, intuição e inspiração.
“A criatividade tem de a ver com a disposição e disponibilidade para cada indivíduo pensar e
ter ideias diferentes (...)”
(Wechsler Solange,1998, p.25)
                                               E
Educação
No sentido amplo do termo, identifica-se com a socialização, como processo de transmissão
de valores, normas, crenças e comportamentos. Mas sustem-se geralmente que a educação
é só uma parte do processo de socialização. Num sentido mais restrito, o termo educação
designa todo acto ou acção intencional, sistemática e metódica que o educador realiza sobre
o educando para favorecer o desenvolvimento das qualidades morais, intelectuais ou físicas
que toda a pessoa possui em estado potencial.
(Livro:"O Léxico do Animador", Ezequiel Ander-Egg)
                                               F
Funções da liderança
Consistem em planificar, avaliar, informar, controlar “punir” para atingir metas.
(In Eficácia na Gestão I)
                                               G
Grupo
Unidade social constituída por pessoas com papéis interdependentes orientadas para
objectivos comuns e que regulam o seu comportamento por um conjunto de normas
estabelecidas pelos próprios elementos do grupo.
(pt.shvoong.com)


Grupo (1)
Gurvitch define o grupo como sendo: "uma unidade colectiva real, mas parcial,
directivamente observável e fundada em atitudes colectivas contínuas e activas, tendo uma
tarefa comum a realizar, unidade de atitudes, de obras e de condutas que constitui um
quadro social estruturável,tendendo para uma coesão relativa das manifestações da
sociabilidade."
G.Gurvitch - Traité de Sociologie, tomo I, p.187
Elisabete Oliveira
Grupo primário
Segundo o sociólogo americano Charles Horton Cooley, estes grupos são por norma de
pequena dimensão e "são definidos como grupos em presença onde dominam as relações
interpessoais";
"A identificação com o colectivo é forte, e as relações de simpatia, de cooperação e de ajuda
mútua dominam no seio do grupo". Como exemplos destes grupos temos a família, os
vizinhos e o grupo de vizinhos.
in Dicionário de Sociologia,2008, Plátano Editora
Sandrina Valente
Grupo Secundário
Geralmente de maior dimensão que os grupos primários são "caracterizados por relações
mais      superficiais,     assentando           principalmente        em     bases        utilitárias";
"Apenas respeitam a uma parte da vida dos indivíduos e não os comprometem ao nível da
personalidade global".
Como exemplo deste sub-tipo de grupo temos os partidos políticos, os sindicatos e as
associações.
in Dicionário de Sociologia, 2008, Plátano Editora
Sandrina Valente
Grupos
Conjunto de pessoas ou objectos, tomados como constituindo um todo ou uma unidade.
Pequena    associação,      em    geral    de     índole   cultural,   recreativa   ou     desportiva.
www.infopedia.pt--acedido em 22-11-10
                                                   I
Intervenção centrada nos grupos
Inevitavelmente será uma intervenção centrada nos sistemas, sejam eles duais, familiares,
organizacionais, comunitários, etc. Intervenção centrada é isto mesmo: dar prioridade a...,
neste caso, não à pessoa em concreto, mas à complexidade e à totalidade sistémica do
Grupo.
in DIAS, Fernando N., Relações grupais e desenvolvimento humano, Instituto Piaget, 2004
Sandrina Valente
                                                  K
Kurt Lewin
Nasceu     na     Prússia   em     1905.        Doutorou-se     em     psicologia     em     1914.(...)
Procura encontrar uma teoria de conjunto do comportamento individual. A sua concepção
decorre da teoria gestaltista: para se compreender, o comportamento tem que ser
considerado na sua totalidade, em situação. É o que se designa por teoria de campo. (...) A
teoria de campo será aplicada ao estudo de grupos.
A dinâmica de grupo é o conceito básico da sua psicologia social, que deu lugar a múltiplas
investigações e aplicações práticas (...).
Lewin vai aplicar o método experimental desenvolvendo experiências com pequenos grupos
onde observou, experimentou e estudou o comportamento, as características e propriedades
dos grupos e as leis que lhes estão subjacentes.
in MONTEIRO, M, Santos, Milice R. Psicologia, 1º volume, Porto, Porto Editora
Sandrina Valente
                                             L
Liderança
" É o processo de conduzir um grupo de pessoas. É a habilidade de motivar e influenciar os
liderados para que contribuam, voluntariamente, da melhor forma com os objectivos do
grupo ou da organização ".
www.sapientus.blogspot.com2008/07---acedido em 21-11-2010
Liderança
É o processo de conduzir um grupo de pessoas, transformando-o numa equipe que gera
resultados. Este sistema, deve criar um clima em que todos queiram contribuir para uma
produção eficiente e eficaz, em que todos tenham interesse em aprender recursos técnicos
e teóricos para resolver os problemas e efectuar melhorias no trabalho.
Estilos de liderança:
Líder Autocrático – Apenas o líder fixa as normas, sem qualquer participação do grupo; O
líder é dominador e pessoal nos elogios e nas críticas ao trabalho de cada membro. O líder
é dominador e é “pessoal” nos elogios e nas críticas ao trabalho de cada liderado. O líder
toma decisões individuais, desconsiderando a opinião dos liderados.
Líder Paternalista - protege o funcionário, para se sentir protegido, assim não ajuda no
crescimento profissional; paternalismo é uma atrofia da Liderança, onde o Líder e sua
equipe tem relações interpessoais similares às de pai e filho. A Liderança paternalista pode
ser confortável para os liderados e evitar conflitos, mas não é o modelo adequado num
relacionamento profissional, pois numa relação paternal, o mais importante para o pai é o
filho, incondicionalmente.
Líder Democrático – O grupo participa na discussão do trabalho e na divisão das tarefas. As
decisões são tomadas pelo colectivo, o líder apoia, sugere alternativas, mas não as impõe;
A comunicação entre todos é segura, sincera, e aberta. Dá feedback sobre o trabalho. O
clima em geral é satisfatório.
Líder Liberal (Laissez Faire)- significa literalmente "deixai fazer". O líder delega todas as
tarefas, é ausente, funciona como mais um elemento do grupo, só intervém se for solicitado;
O grupo é que levanta questões e divide tarefas; O líder é passivo. Se o grupo não tiver
capacidade de auto - organizar, há tendência para discussões; verifica-se individualmente e
desempenho pode ser baixo. Por outro lado, a liderança liberal também pode ser indício de
uma liderança negligente e fraca, onde o líder deixa passar falhas e erros sem corrigi-los.
Características fundamentais de um Líder:
Conhecimento do trabalho
Conhecimento das responsabilidades
Capacidade de ensinar ou treinar
Capacidade de melhorar os métodos de trabalho
Capacidade de dirigir
Um líder não poderá transmitir: Insegurança, falta de confiança em si, inibições, timidez.
Na verdade um Líder deverá usar todos os estilos, vai depender da maturidade da equipe,
do tempo para execução do trabalho e da experiência dos membros da equipe de trabalho.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Lideran%C3%A7a
Liderança (2)
No interior dos grupos estabelece-se uma divisão de funções e relações de cooperação
entre os seus membros. O tipo de tarefas, estrutura, organização e normas variam.
Contudo, há um elemento comum a quase todos os grupos - a existência de um
coordenador, de um líder. Mesmo nos grupos mais pequenos, há a tendência para se
escolher entre os seus membros um elemento que coordene a actividade colectiva, para
melhor    atingir    os     objectivos   definidos,    para    afirmar    o    próprio   grupo.
in MONTEIRO, M, Santos, Milice R. Psicologia, 1º volume, Porto, Porto Editora
Sandrina Valente
Liderança
Liderança “Actividades de influenciar pessoas fazendo-as empenharem-se, voluntariamente,
em objectivos de equipa” George Terry (1960)
(In Eficácia na Gestão I)


Liderança– funções
Consiste em planificar, avaliar, informar, controlar “punir” para atingir metas.
(In Eficácia na Gestão I)
Liderar
"é mais do que isso, é a habilidade de exercer influência e ser influenciado pelo grupo,
através de um processo de relações interpessoais adequadas para a consecução de um ou
mais objectivos comuns a todos os participantes".( Rosa Neves Gestosa)
Liderança e Condução de Grupos"
                                            M
Motivação
Motivação é tudo aquilo que leva a pessoa a agir de determinada forma, podendo este
impulso ser provocado por um estímulo externo (provido do ambiente), ou interno (nos
processos mentais do individuo). O estudo da motivação comporta a busca de princípios que
nos auxiliam a compreender, porque é que os seres humanos em determinadas situações
específicas escolhem e mantêm determinadas acções.
A motivação activa e dirige o comportamento, é o gosto e a paixão de fazer o que se faz. A
motivação actua em geral sobre as necessidades do ser humano, a fim de suprimi-las para
atingir objectivos pessoais ou profissionais. Essas necessidades agem como formas activas
e impulsionadoras do comportamento. E o comportamento por sua vez nunca é aleatório,
mas sempre orientado e dirigido para algum objectivo.


                                            P
Psicodrama
Técnica de improvisação dramática que tem por objectivo desenvolver a espontaneidade
dos sujeitos, permitindo a expressão dos afectos, sendo muito usada como psicoterapia de
conflitos interpessoais.
Sandrina Valente
in MONTEIRO, M, Santos, Milice R. Psicologia, 1º volume, Porto, Porto Editora
                                            S
Socialização
Processo de aprendizagem que um indivíduo faz das atitudes, normas e valores próprios de
um grupo, operando-se a sua integração social por meio das relações vividas.
FISCHER, G.N, Os conceitos fundamentais da psicologia social, Instituto Piaget, 1996
Sandrina Valente


Sociodrama
Técnica de improvisação dramática em que o que se pretende analisar é o grupo, e não o
indivíduo como no psicodrama. Pede-se a 1 grupo que improvise uma cena sobre um tema
social. A situação vai permitir que os subgrupos exprimam e analisem a dinâmica do grupo,
os seus conflitos e fontes de tensão.
Sandrina Valente
in MONTEIRO, M, Santos, Milice R. Psicologia, 1º volume, Porto, Porto Editora
Sociometria
Estudo das relações entre os indivíduos de um mesmo grupo, e entre vários grupos
dependentes entre si.
http://wwwverbetes.com
                                                 T
Técnica
Origem- a palavra técnica origina do grego tekné que significa, arte, sagacidade, habilidade
de fazer as coisas com certa desenvoltura.
www.jornaldaciencia.org.br - acedido em 22-11-10
Teoria
" Teoria é um conjunto de hipóteses coerentemente interligadas tendo por finalidade
explicar,   elucidar,   interpretar   ou   unificar   um   dado   domínio   do   conhecimento".
www.scribd.com/doc/7247893/o-Que-E-Teoria--acedido em 21-11-2010


Tipos de grupo


GRUPO PRIMÁRIO
"Os sociólogos, sobretudo os americanos (Cooley e outros), chamam grupo primário a um
grupo geralmente espontâneo ou aceite, definido mais por motivações afectivas do que por
objectivos utilitários. O grupo familiar, o grupo de vizinhança, os grupos de ócio ou de jogo,
são grupos primários. Têm uma dimensão limitada; todos os elementos se conhecem e
estabelecem entre si relações directas.
Distinguem-se geralmente duas categorias de grupos primários:
a) Os grupos naturais em que nos achamos sem o termos directamente procurado ou
querido: está neste caso a família, as ligações de parentesco, a vizinhança;
b) Os grupos de associação a que se adere por afinidade ou comunidade de interesses:
clube, sociedade desportiva ou cultural.
Esta divisão não é absoluta, pois os grupos de ócio e de jogo, por exemplo, podem
considerar-se simultaneamente como fazendo parte das duas categorias.
Consideramo-los primários porque são os primeiros grupos em que a criança se encontra na
aprendizagem da vida social, diversamente dos grupos secundários. No entanto, como os
grupos do primeiro tipo subsistem durante toda a vida, seria mais correcto designá-los por
«grupos de contacto directo». Um clube, um grupo de amigos, pertencem a esta categoria.
As pessoas reúnem-se por motivos de simpatia e para manterem entre si relações imediatas
e contactos recíprocos.
[Alain Birou - Dicionário de Ciências Sociais]


GRUPO SECUNDÁRIO
Os grupos secundários são grupos de grande dimensão, mais organizados, menos
espontâneos, que os grupos primários. Os contactos entre os membros não se fazem
sempre directamente, mas através de uma organização central ou de chefes. As pessoas de
uma empresa, os alunos de uma escola, os membros de um sindicato, um regimento,
constituem exemplos de grupos secundários.
Além do simples motivo de contactos recíprocos, estes grupos constituem-se para fins
utilitários comuns aos membros, por necessidades estranhas à simpatia recíproca que pode
resultar desses contactos.
Para o funcionamento correcto da sociedade industrial, estes grupos devem multiplicar-se,
por vezes em detrimento dos grupos primários, mais persistentes nas sociedades
tradicionais. O conflito entre o meio de trabalho e a família é um exemplo desta oposição
possível entre grupos secundários e primários.
[Alain Birou - Dicionário de Ciências Sociais]
                                                 U
Unesco
Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Estabelecida em
1946, tem a sua sede em Paris e é um dos quatorze organismos especializados que formam
o sistema das Nações Unidas, cada um dos quais com uma esfera de competências bem
defenidas. No caso da Unesco, além da educação, a ciência e a cultura, as suas funções
abarcam a comunicação, a ecologia, as ciências sociais, os direitos humanose, de maneira
particular, está orientada para a realização da paz entre os povos.
(Livro:"O léxico do Animador", Ezequiel Ander-Egg)
Elisabete Oliveira
                                                 V
Voluntariado
Denomina-se voluntariado o sistema de organizar o trabalho voluntário, isto é, aquele que se
faz sem remuneração alguma. Pessoas que livremente, além do cumprimento dos seus
deveres civis e obrigações como cidadãos, se consagram a realizar uma serie de
actividades para atender os problemas que afligem a individuos, grupos, sectores sociais,
etc.
(Livro:"O léxico do Animador", Ezequiel Ander-Egg)
Elisabete Oliveira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Qual é a cor do amor
Qual é a cor do amorQual é a cor do amor
Qual é a cor do amorElisete Nunes
 
3.teorias do desenvolvimento adolescência
3.teorias do desenvolvimento adolescência3.teorias do desenvolvimento adolescência
3.teorias do desenvolvimento adolescênciaUlisses Vakirtzis
 
A evolucao-do-desenho-infantil-slides44
A evolucao-do-desenho-infantil-slides44A evolucao-do-desenho-infantil-slides44
A evolucao-do-desenho-infantil-slides44Lucia Barbosa
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectosguested634f
 
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudoO relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudoAna Cristina Balthazar
 
Vygotsky e o desenvolvimento humano
Vygotsky e o desenvolvimento humanoVygotsky e o desenvolvimento humano
Vygotsky e o desenvolvimento humanoCaio Grimberg
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemDébora Silveira
 
Cartazes de Rotina para Educação Infantil
Cartazes de Rotina para Educação InfantilCartazes de Rotina para Educação Infantil
Cartazes de Rotina para Educação InfantilAlice Lima
 
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposIntrodução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposClaudson Cerqueira Santana
 
Projeto.doc teatro na ed. infantil
Projeto.doc teatro na ed. infantilProjeto.doc teatro na ed. infantil
Projeto.doc teatro na ed. infantilCecília Alcântara
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - PiagetElisms88
 
Proposta do berçário educação infantil
Proposta do berçário   educação infantilProposta do berçário   educação infantil
Proposta do berçário educação infantilRosemary Batista
 
O monstro das cores
O monstro das coresO monstro das cores
O monstro das coresPamela Nunes
 
Apresentação mem
Apresentação memApresentação mem
Apresentação memJoão Soeiro
 

Mais procurados (20)

HENRI WALLON
HENRI WALLONHENRI WALLON
HENRI WALLON
 
Henry wallon
Henry wallonHenry wallon
Henry wallon
 
Qual é a cor do amor
Qual é a cor do amorQual é a cor do amor
Qual é a cor do amor
 
3.teorias do desenvolvimento adolescência
3.teorias do desenvolvimento adolescência3.teorias do desenvolvimento adolescência
3.teorias do desenvolvimento adolescência
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Competencias socioemocionais--nova-escola
Competencias socioemocionais--nova-escolaCompetencias socioemocionais--nova-escola
Competencias socioemocionais--nova-escola
 
A evolucao-do-desenho-infantil-slides44
A evolucao-do-desenho-infantil-slides44A evolucao-do-desenho-infantil-slides44
A evolucao-do-desenho-infantil-slides44
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
 
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallonA teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
 
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudoO relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
 
Vygotsky e o desenvolvimento humano
Vygotsky e o desenvolvimento humanoVygotsky e o desenvolvimento humano
Vygotsky e o desenvolvimento humano
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
 
Cartazes de Rotina para Educação Infantil
Cartazes de Rotina para Educação InfantilCartazes de Rotina para Educação Infantil
Cartazes de Rotina para Educação Infantil
 
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposIntrodução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
 
Fatores que influenciam o Desenvolvimento Infantil
Fatores que influenciam o Desenvolvimento InfantilFatores que influenciam o Desenvolvimento Infantil
Fatores que influenciam o Desenvolvimento Infantil
 
Projeto.doc teatro na ed. infantil
Projeto.doc teatro na ed. infantilProjeto.doc teatro na ed. infantil
Projeto.doc teatro na ed. infantil
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - Piaget
 
Proposta do berçário educação infantil
Proposta do berçário   educação infantilProposta do berçário   educação infantil
Proposta do berçário educação infantil
 
O monstro das cores
O monstro das coresO monstro das cores
O monstro das cores
 
Apresentação mem
Apresentação memApresentação mem
Apresentação mem
 

Semelhante a Glossário - Técnicas de Animação de Grupo

Teorias psicogenéticas em discussão.pdf
Teorias psicogenéticas em discussão.pdfTeorias psicogenéticas em discussão.pdf
Teorias psicogenéticas em discussão.pdfkarlliny martins
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socializaçãohomago
 
Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012Bruna Talita
 
Enlaces - volume 3
Enlaces - volume 3Enlaces - volume 3
Enlaces - volume 3Vira e Mexe
 
O Que É Um Fato Social: uma leitura de Durkheim
 O Que É Um Fato Social: uma leitura de Durkheim  O Que É Um Fato Social: uma leitura de Durkheim
O Que É Um Fato Social: uma leitura de Durkheim Professor Belinaso
 
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptxSLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptxTharykBatatinha
 
LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...
LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...
LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...Pedagoga Claudia Oliveira Andrade
 
Vygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológicoVygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológicoNuap Santana
 
Serviço Social e Educação:
Serviço Social e Educação: Serviço Social e Educação:
Serviço Social e Educação: profadnilson
 
Clínica e saúde coletiva compartilhadas teoria paidéia
Clínica e saúde coletiva compartilhadas   teoria paidéiaClínica e saúde coletiva compartilhadas   teoria paidéia
Clínica e saúde coletiva compartilhadas teoria paidéiamonicarochag
 
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...Rosario Lacerda
 
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...Rosario Lacerda
 
livro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdflivro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdfJaneNi5
 
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallonDesenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallonElisa Maria Gomide
 

Semelhante a Glossário - Técnicas de Animação de Grupo (20)

Teorias psicogenéticas em discussão.pdf
Teorias psicogenéticas em discussão.pdfTeorias psicogenéticas em discussão.pdf
Teorias psicogenéticas em discussão.pdf
 
durkheim
durkheimdurkheim
durkheim
 
8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
 
Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012
 
Politecnia palestra
Politecnia palestraPolitecnia palestra
Politecnia palestra
 
Enlaces - volume 3
Enlaces - volume 3Enlaces - volume 3
Enlaces - volume 3
 
O Que É Um Fato Social: uma leitura de Durkheim
 O Que É Um Fato Social: uma leitura de Durkheim  O Que É Um Fato Social: uma leitura de Durkheim
O Que É Um Fato Social: uma leitura de Durkheim
 
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptxSLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
 
LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...
LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...
LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...
 
Vygotsky slides
Vygotsky slidesVygotsky slides
Vygotsky slides
 
Vygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológicoVygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológico
 
La taylle, dantas e oliveira aula 6
La taylle, dantas e oliveira aula 6La taylle, dantas e oliveira aula 6
La taylle, dantas e oliveira aula 6
 
Serviço Social e Educação:
Serviço Social e Educação: Serviço Social e Educação:
Serviço Social e Educação:
 
Clínica e saúde coletiva compartilhadas teoria paidéia
Clínica e saúde coletiva compartilhadas   teoria paidéiaClínica e saúde coletiva compartilhadas   teoria paidéia
Clínica e saúde coletiva compartilhadas teoria paidéia
 
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
 
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
 
livro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdflivro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdf
 
Sociologia 2
Sociologia 2Sociologia 2
Sociologia 2
 
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallonDesenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
 

Mais de sandrinavalente

Mais de sandrinavalente (20)

Marca
MarcaMarca
Marca
 
As Mãos
As MãosAs Mãos
As Mãos
 
Planificação da Dinâmica de Grupo
Planificação da Dinâmica de GrupoPlanificação da Dinâmica de Grupo
Planificação da Dinâmica de Grupo
 
Marca
MarcaMarca
Marca
 
Marca
MarcaMarca
Marca
 
Brainstorming
BrainstormingBrainstorming
Brainstorming
 
Escudo da Personalidade
Escudo da PersonalidadeEscudo da Personalidade
Escudo da Personalidade
 
Focusgroup
FocusgroupFocusgroup
Focusgroup
 
Focusgroup
FocusgroupFocusgroup
Focusgroup
 
Licínio Lima - entrevista
Licínio Lima - entrevistaLicínio Lima - entrevista
Licínio Lima - entrevista
 
Aspectos Psicossociais da Dinâmica de Grupos
Aspectos Psicossociais da Dinâmica de GruposAspectos Psicossociais da Dinâmica de Grupos
Aspectos Psicossociais da Dinâmica de Grupos
 
História da Comunicação e Contextos Educativos
História da Comunicação e Contextos EducativosHistória da Comunicação e Contextos Educativos
História da Comunicação e Contextos Educativos
 
Comunicação - Recensão Crítica
Comunicação - Recensão CríticaComunicação - Recensão Crítica
Comunicação - Recensão Crítica
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Experiência de Asch
Experiência de AschExperiência de Asch
Experiência de Asch
 
Os Quatro Pilares da Educação
Os Quatro Pilares da EducaçãoOs Quatro Pilares da Educação
Os Quatro Pilares da Educação
 
Glossário - Técnicas de Animação de Grupo
Glossário - Técnicas de Animação de GrupoGlossário - Técnicas de Animação de Grupo
Glossário - Técnicas de Animação de Grupo
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
1 Tesouro
1 Tesouro1 Tesouro
1 Tesouro
 
Educadores Sociais - Quem são e o que fazem
Educadores Sociais - Quem são e o que fazemEducadores Sociais - Quem são e o que fazem
Educadores Sociais - Quem são e o que fazem
 

Último

HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 

Glossário - Técnicas de Animação de Grupo

  • 1. A Acomodação É um processo social em que as partes concorrentes arranjam um novo “modus vivendi” através de ajustamentos entre si. O antagonismo é resolvido temporariamente, podendo perdurar ou agudizar-se. In Sociologia do 12º ano, 1995, Lisboa Editora Margarida Tavares Actividade lúdica “ Quanto mais activa for esta força lúdica, mais a criança, candidata a homem, é inteligente e disponível para um destino superior (…) uma potente mola da educação.” (E. Planchard, 1961). Fonte: Educação pela Arte e Artes na Educação, 2º volume Agrupamentos não estruturados Os agrupamentos não estruturados são constituídos por indivíduos que se encontram ocasionalmente, não têm uma finalidade comum, nem possuem organização, isto é, não possuem uma estrutura. In Sociologia 12º ano, 1995, Lisboa Editora Margarida Tavares Animação "(...) conjunto de práticas sociais que visam estimular a iniciativa e a participação das populações no seu próprio desenvolvimento e na dinâmica global da vida sócio-politica em que estão integradas." (UNESCO) Animação 2 A animação desdobra-se numa infinidade de significados, tais como "animar","dar vida", "movimento", "motivar", ou seja dar motivação e dinamizar algo. A animação pode abranger diversos contextos, desde de o contexto social, ambiental, politico, educacional, empresarial, etc. Animação 3 O Sindicato dos Trabalhadores Sociais (1977) refere o “ Animador Sócio – cultural é todo aquele que, tendo recebido uma formação específica, é capaz de elaborar e executar um plano de animação numa comunidade, instituição ou organismo utilizando actividades
  • 2. recreativas, culturais e ou desportivas visando em última análise o desenvolvimento das potencialidades dos elementos dessa comunidade em ordem a tornarem-se agentes transformadoras do seu meio.” Marcelino Lopes (2006:526). (Acção: acompanhamento de crianças - técnicas de animação) Animação (4) Animação Sociocultural baseia-se num conjunto de práticas sociais (métodos de trabalho ex. análise da realidade: detectar necessidades do grupo e instituição) que permitem satisfazer as necessidades do grupo e respectiva instituição de forma dinâmica e criativa. Tem como finalidade promover a iniciativa e participação, assim como o desenvolvimento. (Manual: Animação Sociocultural “Definições e Noções”) Animação (5) “a animação sociocultural é o eixo estruturador de uma intervenção educativa globalizada que apela a diferentes tipos de articulação: a articulação entre modalidades educativas formais e não formais; a articulação entre actividades escolares e não escolares; a articulação entre educação das crianças e dos adultos” (Canário,2000 p.136). Animador de Grupo Aquele a quem cabe esclarecer as situações, levar as pessoas a interiorizar os seus problemas, provocar uma sincera reflexão, despertar a solidariedade grupal e ainda criar um ambiente de compreensão e de aceitação mútua, de autêntica fraternidade e acolhimento, para que cada qual, sustentando psicologicamente, encontre resposta positiva às suas inclinações naturais de segurança, de reconhecimento, de aceitação e de valorização pessoal. (www.scribd.com) Animador “o animador deve pensar global e agir localmente, defendendo as culturas locais e populares, salvaguardando as identidades regionais, resistindo à globalização nos seus efeitos mais perversos e redutores da riqueza ou pobreza, terminus absolutos, da ausência de igualdade de oportunidades. O animador deve ajudar a compreender e a enfrentar um mundo cada vez mais Inteligível, descodificando os seus sinais, apetrechando os menos preparados na revolução da sociedade do conhecimento e da informação.” (Tracana, 2006p. 13) Arte "(...) a arte é uma actividade humana que consiste nisto: um homem, conscientemente, por meio de simbolos externos, transmite a outros determinados sentimentos que experimenta
  • 3. de forma que esses outros sejam afectados por esses mesmos sentimentos e também os experimentem."Tolstoi, 1968 Assimilação É um processo social através do qual os individuos ou grupos aceitam e adquirem padrões comportamentais uns dos outros, isto é, verifica-se um processo de integração. in Sociologia do 12º ano, 1995, Lisboa Editora Margarida Tavares Atitudes As atitudes podem ser definida como uma organização duradoura de crenças e cognições em geral, dotada de uma carga afectiva pró ou contra um dado objecto social definido. Ela determina uma predisposição para encarar ou reagir a uma dada situação ou objecto social. As atitudes referem-se sempre a objectos específicos, que estão presentes ou que são lembrados através de um indicio do objecto. Atitudes são processos de consciência individual que determinam actividades reais ou possíveis do indivíduo no mundo social. (Thomas e Znaniecki, 1915,p.22) C Cooperação É um tipo de processo social em que dois ou mais indivíduos, ou grupos actuam conjuntamente tendo em vista um objectivo comum. São numerosos os interesses que levam os indivíduos à cooperação: de ordem material (por exemplo: a constituição de uma sociedade comercial), e de ordem espiritual (como a constituição de uma associação com fins culturais e não lucrativos). In Sociologia 12º ano, 1995, Lisboa Editora Margarida Tavares Criatividade Processo de se tornar sensível a problemas, deficiências, lacunas no conhecimento, desarmonias; identificar a dificuldade; buscar soluções, formulando hipóteses a respeito das deficiências; testar e retestar estas hipóteses; e, finalmente, comunicar os resultados. (Torrance,1965 apud ALENCAR, 1993, p.13) Criatividade (2) A criatividade é uma propriedade ou característica dos seres humanos que se converteu num valor de cambio importante nas sociedades ocidentais. Ser "criativo" não é apenas o sinonimo de ser original, mas actualmente é uma ocupação de prestígio na nossa sociedade.
  • 4. CASQUEIRA, Joana M. disponível em http://www.psicologia.com.pt/artigos/textos/TL0104.pdf consultado em 25-11- 2010 Criatividade (3) A criatividade é um conjunto de processos de pensamentos que se interligam com a imaginação, intervenção, inovação, intuição e inspiração. “A criatividade tem de a ver com a disposição e disponibilidade para cada indivíduo pensar e ter ideias diferentes (...)” (Wechsler Solange,1998, p.25) E Educação No sentido amplo do termo, identifica-se com a socialização, como processo de transmissão de valores, normas, crenças e comportamentos. Mas sustem-se geralmente que a educação é só uma parte do processo de socialização. Num sentido mais restrito, o termo educação designa todo acto ou acção intencional, sistemática e metódica que o educador realiza sobre o educando para favorecer o desenvolvimento das qualidades morais, intelectuais ou físicas que toda a pessoa possui em estado potencial. (Livro:"O Léxico do Animador", Ezequiel Ander-Egg) F Funções da liderança Consistem em planificar, avaliar, informar, controlar “punir” para atingir metas. (In Eficácia na Gestão I) G Grupo Unidade social constituída por pessoas com papéis interdependentes orientadas para objectivos comuns e que regulam o seu comportamento por um conjunto de normas estabelecidas pelos próprios elementos do grupo. (pt.shvoong.com) Grupo (1) Gurvitch define o grupo como sendo: "uma unidade colectiva real, mas parcial, directivamente observável e fundada em atitudes colectivas contínuas e activas, tendo uma tarefa comum a realizar, unidade de atitudes, de obras e de condutas que constitui um quadro social estruturável,tendendo para uma coesão relativa das manifestações da sociabilidade."
  • 5. G.Gurvitch - Traité de Sociologie, tomo I, p.187 Elisabete Oliveira Grupo primário Segundo o sociólogo americano Charles Horton Cooley, estes grupos são por norma de pequena dimensão e "são definidos como grupos em presença onde dominam as relações interpessoais"; "A identificação com o colectivo é forte, e as relações de simpatia, de cooperação e de ajuda mútua dominam no seio do grupo". Como exemplos destes grupos temos a família, os vizinhos e o grupo de vizinhos. in Dicionário de Sociologia,2008, Plátano Editora Sandrina Valente Grupo Secundário Geralmente de maior dimensão que os grupos primários são "caracterizados por relações mais superficiais, assentando principalmente em bases utilitárias"; "Apenas respeitam a uma parte da vida dos indivíduos e não os comprometem ao nível da personalidade global". Como exemplo deste sub-tipo de grupo temos os partidos políticos, os sindicatos e as associações. in Dicionário de Sociologia, 2008, Plátano Editora Sandrina Valente Grupos Conjunto de pessoas ou objectos, tomados como constituindo um todo ou uma unidade. Pequena associação, em geral de índole cultural, recreativa ou desportiva. www.infopedia.pt--acedido em 22-11-10 I Intervenção centrada nos grupos Inevitavelmente será uma intervenção centrada nos sistemas, sejam eles duais, familiares, organizacionais, comunitários, etc. Intervenção centrada é isto mesmo: dar prioridade a..., neste caso, não à pessoa em concreto, mas à complexidade e à totalidade sistémica do Grupo. in DIAS, Fernando N., Relações grupais e desenvolvimento humano, Instituto Piaget, 2004 Sandrina Valente K Kurt Lewin Nasceu na Prússia em 1905. Doutorou-se em psicologia em 1914.(...)
  • 6. Procura encontrar uma teoria de conjunto do comportamento individual. A sua concepção decorre da teoria gestaltista: para se compreender, o comportamento tem que ser considerado na sua totalidade, em situação. É o que se designa por teoria de campo. (...) A teoria de campo será aplicada ao estudo de grupos. A dinâmica de grupo é o conceito básico da sua psicologia social, que deu lugar a múltiplas investigações e aplicações práticas (...). Lewin vai aplicar o método experimental desenvolvendo experiências com pequenos grupos onde observou, experimentou e estudou o comportamento, as características e propriedades dos grupos e as leis que lhes estão subjacentes. in MONTEIRO, M, Santos, Milice R. Psicologia, 1º volume, Porto, Porto Editora Sandrina Valente L Liderança " É o processo de conduzir um grupo de pessoas. É a habilidade de motivar e influenciar os liderados para que contribuam, voluntariamente, da melhor forma com os objectivos do grupo ou da organização ". www.sapientus.blogspot.com2008/07---acedido em 21-11-2010 Liderança É o processo de conduzir um grupo de pessoas, transformando-o numa equipe que gera resultados. Este sistema, deve criar um clima em que todos queiram contribuir para uma produção eficiente e eficaz, em que todos tenham interesse em aprender recursos técnicos e teóricos para resolver os problemas e efectuar melhorias no trabalho. Estilos de liderança: Líder Autocrático – Apenas o líder fixa as normas, sem qualquer participação do grupo; O líder é dominador e pessoal nos elogios e nas críticas ao trabalho de cada membro. O líder é dominador e é “pessoal” nos elogios e nas críticas ao trabalho de cada liderado. O líder toma decisões individuais, desconsiderando a opinião dos liderados. Líder Paternalista - protege o funcionário, para se sentir protegido, assim não ajuda no crescimento profissional; paternalismo é uma atrofia da Liderança, onde o Líder e sua equipe tem relações interpessoais similares às de pai e filho. A Liderança paternalista pode ser confortável para os liderados e evitar conflitos, mas não é o modelo adequado num relacionamento profissional, pois numa relação paternal, o mais importante para o pai é o filho, incondicionalmente. Líder Democrático – O grupo participa na discussão do trabalho e na divisão das tarefas. As decisões são tomadas pelo colectivo, o líder apoia, sugere alternativas, mas não as impõe;
  • 7. A comunicação entre todos é segura, sincera, e aberta. Dá feedback sobre o trabalho. O clima em geral é satisfatório. Líder Liberal (Laissez Faire)- significa literalmente "deixai fazer". O líder delega todas as tarefas, é ausente, funciona como mais um elemento do grupo, só intervém se for solicitado; O grupo é que levanta questões e divide tarefas; O líder é passivo. Se o grupo não tiver capacidade de auto - organizar, há tendência para discussões; verifica-se individualmente e desempenho pode ser baixo. Por outro lado, a liderança liberal também pode ser indício de uma liderança negligente e fraca, onde o líder deixa passar falhas e erros sem corrigi-los. Características fundamentais de um Líder: Conhecimento do trabalho Conhecimento das responsabilidades Capacidade de ensinar ou treinar Capacidade de melhorar os métodos de trabalho Capacidade de dirigir Um líder não poderá transmitir: Insegurança, falta de confiança em si, inibições, timidez. Na verdade um Líder deverá usar todos os estilos, vai depender da maturidade da equipe, do tempo para execução do trabalho e da experiência dos membros da equipe de trabalho. Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Lideran%C3%A7a Liderança (2) No interior dos grupos estabelece-se uma divisão de funções e relações de cooperação entre os seus membros. O tipo de tarefas, estrutura, organização e normas variam. Contudo, há um elemento comum a quase todos os grupos - a existência de um coordenador, de um líder. Mesmo nos grupos mais pequenos, há a tendência para se escolher entre os seus membros um elemento que coordene a actividade colectiva, para melhor atingir os objectivos definidos, para afirmar o próprio grupo. in MONTEIRO, M, Santos, Milice R. Psicologia, 1º volume, Porto, Porto Editora Sandrina Valente Liderança Liderança “Actividades de influenciar pessoas fazendo-as empenharem-se, voluntariamente, em objectivos de equipa” George Terry (1960) (In Eficácia na Gestão I) Liderança– funções Consiste em planificar, avaliar, informar, controlar “punir” para atingir metas. (In Eficácia na Gestão I)
  • 8. Liderar "é mais do que isso, é a habilidade de exercer influência e ser influenciado pelo grupo, através de um processo de relações interpessoais adequadas para a consecução de um ou mais objectivos comuns a todos os participantes".( Rosa Neves Gestosa) Liderança e Condução de Grupos" M Motivação Motivação é tudo aquilo que leva a pessoa a agir de determinada forma, podendo este impulso ser provocado por um estímulo externo (provido do ambiente), ou interno (nos processos mentais do individuo). O estudo da motivação comporta a busca de princípios que nos auxiliam a compreender, porque é que os seres humanos em determinadas situações específicas escolhem e mantêm determinadas acções. A motivação activa e dirige o comportamento, é o gosto e a paixão de fazer o que se faz. A motivação actua em geral sobre as necessidades do ser humano, a fim de suprimi-las para atingir objectivos pessoais ou profissionais. Essas necessidades agem como formas activas e impulsionadoras do comportamento. E o comportamento por sua vez nunca é aleatório, mas sempre orientado e dirigido para algum objectivo. P Psicodrama Técnica de improvisação dramática que tem por objectivo desenvolver a espontaneidade dos sujeitos, permitindo a expressão dos afectos, sendo muito usada como psicoterapia de conflitos interpessoais. Sandrina Valente in MONTEIRO, M, Santos, Milice R. Psicologia, 1º volume, Porto, Porto Editora S Socialização Processo de aprendizagem que um indivíduo faz das atitudes, normas e valores próprios de um grupo, operando-se a sua integração social por meio das relações vividas. FISCHER, G.N, Os conceitos fundamentais da psicologia social, Instituto Piaget, 1996 Sandrina Valente Sociodrama Técnica de improvisação dramática em que o que se pretende analisar é o grupo, e não o indivíduo como no psicodrama. Pede-se a 1 grupo que improvise uma cena sobre um tema
  • 9. social. A situação vai permitir que os subgrupos exprimam e analisem a dinâmica do grupo, os seus conflitos e fontes de tensão. Sandrina Valente in MONTEIRO, M, Santos, Milice R. Psicologia, 1º volume, Porto, Porto Editora Sociometria Estudo das relações entre os indivíduos de um mesmo grupo, e entre vários grupos dependentes entre si. http://wwwverbetes.com T Técnica Origem- a palavra técnica origina do grego tekné que significa, arte, sagacidade, habilidade de fazer as coisas com certa desenvoltura. www.jornaldaciencia.org.br - acedido em 22-11-10 Teoria " Teoria é um conjunto de hipóteses coerentemente interligadas tendo por finalidade explicar, elucidar, interpretar ou unificar um dado domínio do conhecimento". www.scribd.com/doc/7247893/o-Que-E-Teoria--acedido em 21-11-2010 Tipos de grupo GRUPO PRIMÁRIO "Os sociólogos, sobretudo os americanos (Cooley e outros), chamam grupo primário a um grupo geralmente espontâneo ou aceite, definido mais por motivações afectivas do que por objectivos utilitários. O grupo familiar, o grupo de vizinhança, os grupos de ócio ou de jogo, são grupos primários. Têm uma dimensão limitada; todos os elementos se conhecem e estabelecem entre si relações directas. Distinguem-se geralmente duas categorias de grupos primários: a) Os grupos naturais em que nos achamos sem o termos directamente procurado ou querido: está neste caso a família, as ligações de parentesco, a vizinhança; b) Os grupos de associação a que se adere por afinidade ou comunidade de interesses: clube, sociedade desportiva ou cultural. Esta divisão não é absoluta, pois os grupos de ócio e de jogo, por exemplo, podem considerar-se simultaneamente como fazendo parte das duas categorias. Consideramo-los primários porque são os primeiros grupos em que a criança se encontra na aprendizagem da vida social, diversamente dos grupos secundários. No entanto, como os
  • 10. grupos do primeiro tipo subsistem durante toda a vida, seria mais correcto designá-los por «grupos de contacto directo». Um clube, um grupo de amigos, pertencem a esta categoria. As pessoas reúnem-se por motivos de simpatia e para manterem entre si relações imediatas e contactos recíprocos. [Alain Birou - Dicionário de Ciências Sociais] GRUPO SECUNDÁRIO Os grupos secundários são grupos de grande dimensão, mais organizados, menos espontâneos, que os grupos primários. Os contactos entre os membros não se fazem sempre directamente, mas através de uma organização central ou de chefes. As pessoas de uma empresa, os alunos de uma escola, os membros de um sindicato, um regimento, constituem exemplos de grupos secundários. Além do simples motivo de contactos recíprocos, estes grupos constituem-se para fins utilitários comuns aos membros, por necessidades estranhas à simpatia recíproca que pode resultar desses contactos. Para o funcionamento correcto da sociedade industrial, estes grupos devem multiplicar-se, por vezes em detrimento dos grupos primários, mais persistentes nas sociedades tradicionais. O conflito entre o meio de trabalho e a família é um exemplo desta oposição possível entre grupos secundários e primários. [Alain Birou - Dicionário de Ciências Sociais] U Unesco Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Estabelecida em 1946, tem a sua sede em Paris e é um dos quatorze organismos especializados que formam o sistema das Nações Unidas, cada um dos quais com uma esfera de competências bem defenidas. No caso da Unesco, além da educação, a ciência e a cultura, as suas funções abarcam a comunicação, a ecologia, as ciências sociais, os direitos humanose, de maneira particular, está orientada para a realização da paz entre os povos. (Livro:"O léxico do Animador", Ezequiel Ander-Egg) Elisabete Oliveira V Voluntariado Denomina-se voluntariado o sistema de organizar o trabalho voluntário, isto é, aquele que se faz sem remuneração alguma. Pessoas que livremente, além do cumprimento dos seus deveres civis e obrigações como cidadãos, se consagram a realizar uma serie de
  • 11. actividades para atender os problemas que afligem a individuos, grupos, sectores sociais, etc. (Livro:"O léxico do Animador", Ezequiel Ander-Egg) Elisabete Oliveira