Sebenta espiritualidade parte vii

144 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
144
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sebenta espiritualidade parte vii

  1. 1. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) ESPIRITUALIDADE SÉC. XV - XVI Pe. José Carlos A.A. Martins
  2. 2. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) FILIPE DE NERI [E O ORATÓRIO]. (1515-1595) Nasce em Florença numa família modesta embora da nobreza provincial. Rapaz alegre, simpático, pacífico nos seus modos, dificilmente se enraivecia. Pela bondade da sua natureza era chamado de “Filipe Bom”. A estas qualidades de temperamento juntava uma espontânea religiosidade. Aos 18 anos Filipe deixa Florença e transfere-se para junto de um tio paterno, muito rico, que habita junto a Montecassino. Aqui conhece os monges beneditinos: a sua vida é de oração e de silêncio. Nele começam a surgir também os desejos próprios da idade juvenil. Por um lado a vida monacal e por outro a vida que tinha o seu tio como rico. Durante esta estadia de alguns meses, outro lugar que teve muita importância para as suas escolhas futuras, foi o monte chamado de “Montanha parada” esse lugar beneditino, com o santuário da Trindade, onde Filipe se recolhia somente para rezar e meditar sobre a paixão e o crucifixo. Um dia ele sente-se como que iluminado e comovido e decide voltar as costas à riqueza e decide ir a Roma e ali encontrar uma resposta para a sua inquietação vocacional. Hospedado numa família Florentina, trabalha como preceptor dos seus filhos e ao mesmo tempo frequenta alguns cursos de filosofia e teologia na Universidade de Roma. Mais de que se dedicar à vida intelectual, ele queria ajudar o próximo. Encontrou-se com Inácio, Francisco Xavier e outros jesuítas que em 1538 chegaram a Roma para se colocarem ao serviço da Igreja. As sua relações mais estáveis foram com o Oratório ou Companhia do Divino Amor. Sob este nome existiam várias associações e confrarias que em diversas cidades de Itália tinham uma singular importância no movimento de espiritualidade e de actividade caritativa até ao fim do séc. XV e início do XVI.
  3. 3. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) O mais conhecido de entre todos é o romano S. Jerónimo da caridade. Este nasce por volta de 1515 com sede na igreja de Santa Doroteia, de qual um dos seus principais membros senão mesmo fundador, foi S. Caetano, que depois fundará a ordem dos clérigos regulares, os Teatinos. O Oratório de Roma contou entre os seus membros os principais promotores da reforma da Cúria Pontifícia, mais tarde eleito Papa com o nome de Paulo IV. Estas associações tinham como ideal a santificação, favorecendo uma sólida piedade e um exercício prático do amor para com Deus e para com o próximo, em particular nos hospitais. Neste ambiente de oração e de serviço Filipe vive alguns anos. No Pentecostes de 1544, nas catacumbas de S. Sebastião, teve uma profunda experiência mística. Em Maio de 1551 foi ordenado sacerdote e foi habitar para o Oratório de S. Jerónimo da caridade, onde já moravam alguns sacerdotes. “S. Jerónimo” converte-se num centro comunitário para os sacerdotes seculares. Rezava-se e celebrava-se a missa e faziam-se obras de caridade, tudo isto livremente sem uma regra determinada. Este centro comunitário torna-se a base para a “Congregação do Oratório”. Filipe amava condividir a sua vida com os outros. Não lhe agradava que os padres vivessem sozinhos e por isso começa a reagrupar e a reunir, a gerar os fundamentos de uma vida em comum, familiar, que pudesse servir à perfeição humana e cristã. Participavam na vida destes grupos sacerdotais também pessoas leigas e de diversos estratos sociais. O Oratório de S. Filipe apresenta-se como uma unidade livre de vários cristãos, chamados a várias funções em horas determinadas por práticas religiosas em comum e pela escuta da Palavra de Deus, tudo de modo muito familiar. Na espiritualidade do Oratório mostrou-se patente a personalidade viva de Filipe e isto levou a que se tornasse numa das personalidades mais populares de Roma. Pela sua originalidade e espontaneidade e pelo sigilo da autenticidade cristã, o Oratório Filipino torna-se um maravilhoso instrumento de reforma da
  4. 4. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) vida cristã; isto parecia renovar o espírito da primeira comunidade cristã, onde todos eram um só coração e uma só alma. Era uma sua convicção que a vida espiritual, considerada particularmente como algo de aborrecido, se tornasse familiar e doméstica em cada pessoa, que se tornasse grata e fácil em casa de cada um, clérigo ou leigo, prelado, príncipe, pai de família ou consagrado, artesão ou erudito, de modo que todos eram capazes de a viver. Os escritos de Filipe (cartas, poesias, fragmentos) são poucos e quase todos redigidos por outros, tendo dele praticamente só mesmo a sua assinatura. De destacar, a sua profunda devoção a Maria, invocando-a com o título de “Mater Gratiae”.
  5. 5. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) CARLOS BORROMEU (1538-1584) E A REFORMA TRIDENTINA Entre aqueles que durante a segunda metade do Séc. XVI, se empenham na acção de reforma apresentada pelo Concílio de Trento (1545- 1563), encontra-se em primeiro lugar S. Carlos Borromeu. Nascido em Milão numa família de tradição pontifícia como eram os Medici, foi destinado à vida eclesiástica; assim, aos sete anos recebeu a tonsura eclesial. Estuda em Pádua. O seu tio foi eleito Papa, Pio IV, e fez cardeal o seu sobrinho Carlos com apenas 22 anos. Trabalhou muito perto do seu tio, para colocar em prática as reformas do Concílio de Trento. Sendo ainda diácono quer ser ordenado presbítero em Julho de 1563. Para a ordenação faz os exercícios espirituais de Sto Inácio, que o influenciarão durante toda a sua vida espiritual. Em Dezembro do mesmo ano foi consagrado arcebispo de Milão com 25 anos. Durante todo o seu episcopado, Carlos Borromeu foi um grande pregador. Geralmente pregava todos os domingos pelo menos uma vez. Por dia tinha discursos três ou quatro vezes diferentes para abordar vários temas. Preparava-se sempre muito bem. É importante salientar como ele fazia as visitas pastorais às paroquias; a sua chegada era sempre precedida por alguns dias em que primeiro um grupo de sacerdotes pregavam e confessavam. As visitas pastorais eram minuciosas a ponto de terem relatórios detalhados, e de decretos para que estes não ficassem letra morta! Para isso mandava inspectores para averiguar do seu cumprimento. Assim a maior diocese do mundo foi sendo aos poucos organizada segundo as reformas saídas do Concílio de Trento. O Seminário, fundado durante o seu episcopado, foi confiado a um corpo de sacerdotes diocesanos (com este fim fundou os “Oblatos de Sto. Ambrósio) com o objectivo de dar ao clero de Milão unidade de formação espiritual e intelectual.
  6. 6. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) A essência principal da espiritualidade sacerdotal de Carlos Borromeu é o de Cristo Bom Pastor. Os passos bíblicos onde podemos encontrar isto nos seus escritos são frequentes, como o mostram muitas das suas obras. O objectivo principal das suas preocupaçoes era o de dar à sua diocese padres excelentes, elevar em todos os sentidos a qualidade do clero, insistir continuamente na sua responsabilidade e, em primeiro lugar, tender à perfeição apostólica. S. Carlos compreende rápido que o impulso renovador era em vão sem a reforma daqueles que teriam a responsabilidade de a colocar em prática. A primeira reforma foi para os cónegos da sua catedral. Depois procedeu a uma nova organização territorial e administrativa da diocese e uma reforma da prática da vida da fé. Começou a reforma por si próprio, isso mesmo o disse numa carta ao tio, Papa. Outra característica da pastoral de Carlos Borromeu é o seu carácter comunitário, centrado sobre o valor humano e cristão da família, em particular o papel dos pais. S. Carlos é incansável no chamar os pais e em lembrar-lhes a sua grande responsabilidade na educação dos filhos. S. Carlos salienta a importância do ministério apostólico dos leigos. Assim ele soube valorizar as numerosas associações de fieis leigos e movimentos laicais que existiam. Carlos Borromeu é sem dúvida o melhor exemplo para reconhecer a vasta e longa acção reformadora iniciada pelo Concílio de Trento. Aqui as diversas tendências reformadoras ja existentes, com excepção das Luteranas, uniram-se. Nas suas 25 sessões, o Concílio afronta as questões colocadas pelos Protestantes, entre as quais as que dizem respeito à Sagrada Escritura e à Tradição, com uma particular atenção à interpretação e à leitura da dos textos bíblicos, para melhorar a formação do clero e a pregação.
  7. 7. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) O Concílio evita o pessimismo antropológico que já Erasmo tinha observado na teologia Luterana. Descrevendo, depois, o dinamismo da vida cristã, que não se limita à confiança na fé, mas compreende uma complexidade de comportamentos da liberdade humana, o Concílio releva que o pecador está sempre justificado pela fé, porque a fé em Cristo “é o princípio de uma salvação, o fundamento é a raiz de cada justificação, sem a qual é impossível agradar a Deus” e fomentar a comunhão com Ele. A Reforma protestante não teve muito efeito em Espanha nem em Itália graças ao fermento renovador e operante, em especial através das figura aqui tratada. O Concílio de Trento deu à vida Cristã um robusto ancoramento teológico, sacramental e espiritual. No seu centro colocou-se a Eucaristia, entendida sobretudo como “Presença Real” de Cristo o que favoreceu o culto eucarístico fora das celebrações, a adoração ao Santíssimo Sacramento, em paralelo com a prática da confissão frequente. Trento relançou a catequese e a importância dos santos como reflexo humano da santidade divina, como intercessores na obra salvífica de Cristo e ajuda moral, encorajante, no seu seguimento. Infelizmente, a esperança da reforma tridentina foi depressa uma desilusão no “depois” Trento, por causa da polarização dada entre Reforma e Contra Reforma, que durou até ao fim com Concílio Vaticano II, ou seja até aos nossos dias.

×