Sebenta espiritualidade parte vi

130 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
130
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sebenta espiritualidade parte vi

  1. 1. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) ESPIRITUALIDADE SÉC. XV - XVI Pe. José Carlos A.A. Martins
  2. 2. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) TOMÁS MORO (1478-1535) Em amigável relação com Erasmo, Tomás Moro apresenta uma visão mais autêntica do Humanismo em sentido cristão. Eleito deputado do parlamento inglês é nomeado chanceler do reino (1529). Pela sua recusa de reconhecer a supremacia religiosa do Rei (Henrique VIII) foi condenado à pena de morte. A Igreja católica declarou-o santo e patrono dos políticos. O seu conceito de Homem leva-o a reflectir também sobre a ordem social em sentido cristão, analisando qual poderia ser a óptima constituição social que pode efectivamente garantir a plena liberdade do Homem. Isto desenvolveu-o no seu conhecido escrito “Utopia”(1516). Aqui ele faz uma critica à sociedade do seu tempo, partindo da sociedade inglesa. Por exemplo, no que diz respeito à delinquência, diz que as punições não servem muito porque o furto é provocado por uma profunda injustiça que consente ao rico explorar, e desfrutar do pobre. Segundo a “Utopia”, todos devem trabalhar, mas não mais de seis horas por dia: três antes do meio dia e três depois, o resto deve ser tempo livre. A vida das pessoas desenvolve-se tanto quanto é possível, num ambiente comunitário, e deve ser dirigida para encontrar um harmónico equilíbrio entre prazer do corpo e do espírito. A religião na “Utopia” é fundada sobre a crença de uma divindade inconcebível, eterna, acima de cada sociedade, e cada indivíduo é livre de adorar esta divindade com o culto que preferir. Estes termos, que hoje são de todo actuais, mostram a modernidade do humanismo cristão, que o Vaticano II revelou: a liberdade de consciência, o diálogo inter religioso, a igualdade fundamental de todas as pessoas, a justiça social,, e assim, construir a “sociedade do amor”, como antecipação e participação do Reino escatológico, de verdade, de justiça, amor e paz. Em resumo, na “Utopia” Tomás Moro apresenta-nos a vida do céu como um modelo para ávida sobre a terra.
  3. 3. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) II – De INÁCIO DE LOYOLA A CARLOS BORROMEU Em 1515 o humanismo renascentista e a Devotio Moderna encontram-se num movimento chamado “Evangelismo” que se propõe a reforma da vida cristã através do estudo e do retorno às fontes: O Evangelho e Paulo. O seu representante mais importante é Le Févre d’Etapes (1455-1536). O Concílio Latranense V (1512-1517) reforçou a necessidade da reforma da vida cristã, e se não teve resultados avultados foi porque os seus decretos ficaram letra morta. Propostas audazes, que pouco depois Lutero colocará em prática, tais como a de traduzir a Bíblia para as línguas modernas, a reforma do Código de Direito Canónico, a formação do clero. Pouco depois do seu encerramento, um leigo de profunda cultura humanista, Pico de Mirandola(1469-1533) faz ouvir a sua voz, revelando, diante da assembleia conciliar, a exigência de um clero bem formado, de vida sóbria, atento à cura pastoral; assim era mais fácil estar atento à luxúria que grassava, à ambição e ao luxo. Isto, dizia o Papa, vale mais do que qualquer cruzada e exortava ao empenho pessoal nesta tarefa. Tudo isto permanecerá ineficaz até ao Concílio de Trento (1545). O Papa Adriano VI escreveu em 1522:”Todos nós prelados e eclesiásticos desviámo- nos da estrada do justo e são raros os que procedem bem”. Em Espanha, por seu lado, crescia e intensificava-se o esforço por uma vida cristã mais autêntica. O Cardeal Francisco Jimenez de Cisneros,(1436- 1515), animado e apoiado pela Rainha Isabel de Castela, reforçou uma reforma estrutural e espiritual da Igreja em Espanha: reforma do episcopado, do clero secular e regular. Tal reforma começava com coisas muito concretas, entre as quais a celebração anual do sínodo diocesano, a obrigação de cada sacerdote em ter um confessor; cada pároco devia explicar a doutrina cristã ao menos uma vez por semana. Ordenar e proibir não chegam para uma reforma eficaz, era necessário formar clérigos e leigos de modo a melhorar e para aprofundar as questões do momento.
  4. 4. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) Assim, Cisneros projectou e organizou diversas casas de formação; a intervenção cultural mais importante foi a fundação da Universidade de Alcalà (perto de Madrid). Fez vir óptimos professores humanistas (Erasmo) e fez publicar a “Bíblia Poliglota Complutensis”: uma obra monumental, que mostra bem como o desejo de voltar às fontes da Revelação não pertencia só à vontade de Lutero ou de Erasmo. Voltar à origem da fé cristã era uma vontade muito cara a todos aqueles que procuravam reformas, ainda que de formas e maneiras diferentes. A Universidade de Salamanca, Francisco de Vitória, dominicano, tentou dar uma resposta teológica ao problema da descoberta da América, levando a sério os protestos dos missionários, como Las Casas, contra a brutalidade da conquista. Na Abadia Beneditina de Monssserat (Barcelona) o Abade, Garcia de Cisneros (+1510) introduzirá a Devotio. Este clima de renovação originou uma “primavera” religiosa, teológica, literária e artística, que faz do séc. XVI uma época de grande esplendor espiritual e cultural em Espanha, chamado “Século de Ouro”. De particular importância é o complexo movimento dos “Alumbrados”, nascido nos anos (1507-1512) com grande vontade de perfeição, aberto à doutrina da “Devotio moderna” e ao “cristianismo interior” de Erasmo, mas que progressivamente cai em alguns excessos de misticismo iluminístico. Detenhamo-nos agora em algumas figuras espirituais relevantes deste período.
  5. 5. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) JOÃO D´ÁVILA S. João d’Ávila estuda em Alcalà e Salamanca e torna-se sacerdote. Depois da morte dos seus pais, vende as suas ricas posses para ir como missionário para a América, mas por diversas causas é impedido de realizar o seu desejo. O arcebispo de Sevilha pede-lhe para trabalhar na diocese, na reforma da vida cristã e particularmente na reforma do clero. O seu modelo de vida espiritual e apostólica era S. Paulo. S. João organiza a catequese para as crianças e adultos, cria missões populares e a ajuda aos enfermos. Foi acusado de heresia e foi processado pela Inquisição e metido na cadeia(1531-1533), onde escreveu a sua obra principal “Audi Figlia”. Com outros sacerdotes forma um grupo de oração, de estudo e de ascese, que dá origem à chamada “Escola sacerdotal S. João de Ávila”. Renunciou a dois episcopados e ao cardinalato. O seu grande magistério espiritual e teológico é chamado “Mestre d´Ávila”. Relacionou-se com Sto Inácio e S. Francisco de Bórgia e com Sta Teresa e foi canonizado por Paulo VI em 31 de Maio de 1970. Os temas fundamentais da sua obra são: 1) O mistério de Cristo: Cristo é a Palavra de Deus, o esposo, que dá significado à perfeição cristã; 2) A Igreja como esposa de Cristo; 3) A vida em Cristo é marcada pela fé, esperança e caridade. Na “Audi Figlia” utiliza o colóquio entre Cristo e o crente para descrever como se vive a união com Cristo. Para começar, o cristão deve tornar-se consciente da sua situação; assim, exercita a própria consciência como ponto de partida. Para este fim é necessário fazer silêncio, exterior e interior. A espiritualidade sacerdotal é centrada, segundo S. João de Ávila, na pregação e na Eucaristia, no orientar os crentes para o seguimento de Cristo, com uma vida de oração e de penitência; não procurando cargos ou lugares importantes, mas revelando o sentir com a Igreja, a direcção espiritual, por outras palavras: a conformação a Cristo esposo e pastor dá a razão de ser ao ministério
  6. 6. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) sacerdotal. Assim aparece uma clara semelhança com a Exortação Apostólica pós sinodal “Pastores Dabo Vobis” (1992). INÁCIO DE LOYOLA (1491-1556) A opinião geral é a de que o santo de Loyola era soldado de profissão. Mas isto não é bem assim. A sua formação antes de se ter convertido era antes de mais administrativa como cortesão e cavaleiro. O cavaleiro, sobretudo no Renascimento, é muito diferente de um militar sobretudo no sentido actual. Próprio do ambiente cortesão renascentista, no qual o jovem Inácio cresceu era normal um forte desejo que se vivia por um estilo de vida alegre e livre. A auto afirmação do eu, o orgulho desmesurado a vontade de fama e de honras, eram valores fundamentais daquela sociedade renascentista. A este ambiente faz referência a sua biografia quando ele mesmo afirma:” Até aos 26 anos fui um homem do mundo, absorvido pela vaidade. Amava sobretudo exercitar-me no uso das armas, atraído por uma imensa vontade de conquistar honras vãs”. A ferida de Pamplona, isto é o desabar de projectos importantes e o facto de ter estado próximo da morte levou-o a fazer uma longa reflexão. A leitura de livros espirituais (A vida de Cristo e a vida dos santos) leva-o a mudar de vida:” E se também eu fizesse o que fizeram Francisco e Domingos”? Inácio encontra-se numa situação de escolha, na qual a sua liberdade de decisão é posta à prova. Sente-se interiormente dividido, inseguro. Contudo havia uma diferença: pensando nas coisas do mundo isso dava-lhe muito prazer, mas quando por cansaço as abandonava sentia-se desiludido e vazio; enquanto pensava em viver como os santos fazendo penitências permanecia alegre. O ideal de perfeição segundo a vida de Cristo e dos santos colocava-o em confronto com a sua vida antiga.
  7. 7. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) Um profundo sentido de culpa e de pecado apareciam na sua consciência. Depois de tomar consciência da infinita misericórdia de Deus encontra a iluminação mística, e torna-se um conhecedor experimentado da vida espiritual. (Ter em conta sobretudo os “Exercícios Espirituais”- um mês...) Mais à frente se houver tempo falaremos do esquema completo das quatro semanas! Em resumo, a espiritualidade inaciana é trinitária, porque se insere na história da salvação; é cristocêntrica porque leva o crente ao seguimento de Cristo; é pneumática porque se realiza como discernimento no Espírito e segundo o Espírito; é eclesial porque se sente em comunhão particularmente com o vigário de Cristo e ao seu serviço (quarto voto dos jesuítas); é apostólica porque se santifica santificando os outros.
  8. 8. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) TERESA DE JESUS (1515-1582) Entre as diversas formas de espiritualidade feminina, a de Santa Teresa teve um relevo particular. Seguindo os seus escritos auto-biográficos, em particular o “Livro da Vida”, constata-se que na sua infância teve uma formação cristã recebida dos seus pais. A jovem Teresa, lia a vida dos santos, provavelmente o “Flos Santorum”. Aos oito anos, fervorosa a partir dos exemplos heróicos de santidade, vai juntamente com o seu irmão para a “terra dos mouros” para se tornar mártir. Depois da morte da mãe,(1528), Teresa confia-se à Virgem da Caridade. Nos anos seguintes lê apaixonadamente livros sobre romances cavaleirescos, alimenta amizades precoces com seus primos e dedica-se a vida pouco recomendada. A vaidade e o demonstrar publicamente a sua feminilidade que espicaça neste tempo, impedem-na de levar uma vida cristã sadia, para grande desagrado do pai, que para a proteger a leva ao mosteiro das Agostinianas em Ávila. Ali conhece uma monja que a ajuda a descobrir a profundidade do Evangelho. Durante todo este tempo amadurece a sua vocação à vida religiosa. Em Novembro de 1535 foge de casa para se refugiar no mosteiro carmelita da Encarnação em Ávila, onde apesar de tudo é admitida como postulante. Em 3 de Novembro de 1537 faz a sua profissão religiosa, mas depressa teve que deixar o convento por causa duma doença; é conduzida a casa de um tio. Neste período lê o “terceiro Abecedário” de Francisco Osuna, um livro que a ajuda muito na sua meditação. Em Julho deste mesmo ano, e porque as anteriores doenças são mal curadas, Teresa é conduzida, gravemente doente, a casa de seu pai. Permanece três dias em estado de coma, a ponto de a darem como morta. Volta quase curada ao convento da Encarnação.
  9. 9. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) Não obstante a sua precária saúde, durante quase três anos, confia-se em tudo a S. José, ao qual atribui a sua cura. Em 1543 morre o pai. De 1544- 54 Teresa sofre uma penosa crise espiritual. Debate-se entre as suas amigas, os relacionamentos humanos e as exigências da vida consagrada. Durante este período sente-se só, árida, dividida, infiel ao Senhor. Na Quaresma de 1544 sente um chamamento especial diante da estátua do “Hecce Homo”: cai de joelhos chorando e suplica ao Senhor que a ajude a não o ofender mais. Em seguida lê as “Confissões” de Sto. Agostinho e que lhe responderam a muitas das suas questões. No fim deste período começa a experimentar numerosas graças místicas. Teresa coloca em dúvida a origem destas experiências, que culminam na visão de Cristo ressuscitado. Tranquilizada pelo franciscano P. D’Alcântara no que diz respeito à visão do inferno e encorajada por algumas irmãs da Encarnação, decide fundar um novo mosteiro com base na oração e no silêncio; um mosteiro pobre, pequeno a que porá o nome de S. José. Em 1567 encontra João da Cruz, que ganha para a reforma do Carmelo, ainda que ele pensasse entrar na Cartuxa. Em Novembro de 1568 Teresa de visita a Duruelo, fica contente pelo que fez João da Cruz. Em 14 de Maio de 1569 santa Teresa funda um outro mosteiro em Toledo. O P. Geral pede-lhe para acabar a fundação e para se retirar para o mosteiro de Toledo; isto também por causa de uma acusação junto do tribunal da Inquisição. Na sua defesa, ou para sua defesa escreve a quarta “relação” onde se vê a sua fidelidade à Igreja. No meio destas peripécias, encontra pessoas que são para ela de grande conforto como J. Grazian, amigo fiel de toda a sua vida. Em 1573, por ordem do P. Risalda, começa a escrever as “Fundações”. Leva a termo a segunda redacção do comentário ao “Cântico dos Cânticos”.
  10. 10. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) Por volta do fim de 1575 no capítulo geral carmelita é preso S. João da Cruz e seus novos companheiros. Teresa é forçada a retirar-se para um convento de Castela. Em Junho de 1576 Teresa chega a Toledo onde redige o “Modo de visitar os conventos dos carmelitas descalços” e inicia o “Castelo interior”, obra prima dos seus escritos espirituaias. Entretanto continuam as perseguições contra a reforma Teresiana. S. João da Cruz foge da cadeia de Toledo. No mesmo ano de 1578 o P. Grazian é preso. Graças às mediações do rei de Espanha (Filipe II) obtém-se a aprovação pontifícia. A noite de 20 de Setembro, depois de diversas viagens extenuantes, Teresa chega fatigada a Alba de Tormes (entre Ávila e Salamanca). Em 4 de Outubro de 2582 morre dizendo:”Enfim, Senhor, morro filha da Igreja”.
  11. 11. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) JOÃO DA CRUZ (1542-1591) S. João da Cruz nasceu em Fontiveros, perto de Ávila. Cedo fica órfão de pai e vive na miséria com a mãe e os seus três irmãos; desde muito jovem que se interessa pelos doentes, trabalhando num hospital ate aos 21 anos em Medina del Campo, onde frequenta também o colégio dos jesuítas, estudando os clássicos latinos. Entra depois no noviciado carmelita desta cidade. Depois da profissão e dos votos (1564), dirige-se à Universidade de Salamanca, onde estuda filosofia e teologia. Aqui ensinava o grande biblista e literato Fr. Luís de Leon, que era Agostiniano. O desejo de perfeição evangélica leva-o a entrar na Cartuxa. Um encontro casual com Teresa (1567), que também procurava a reforma do Carmelo, fá-lo descobrir a direcção definitiva da sua vida, empenhando-se na reforma dos Carmelitas. Isto levá-lo-á a não poucas tensões e conflitos. A actividade exterior de João na reforma do carmelo não esteve no primeiro plano, mas a interna essa sim foi de primeiríssimo plano. Ele foi o plasmador e o moderador do espírito do carmelo reformado, sobretudo através da direcção espiritual, que se desenvolve principalmente entre os religiosos e as religiosas carmelitas, mas estende-se também aos sacerdotes e leigos. A parte melhor da sua obra é escrita em poesia, obra prima da literatura lírica em espanhol. Só depois de muitas insistências decide explicar alguns versos. A exposição da sua experiência e doutrina torna-se mais clara na “ Subida ao monte Carmelo”, que com a “Noite escura” constitui uma doutrina bem articulada. Muitos factos diz João no Prólogo da Subida, acontecem na subida àqueles que a percorrem: alegrias, penas, desejos, dores que possa, proceder do espírito perfeito e também do imperfeito. João quer ajudar o religioso para que “possa conhecer o caminho que segue e aquele que lhe convém escolher, se tem como intenção chegar ao cimo do monte”.
  12. 12. Instituto Diocesano de Estudos Pastorais (IDEP) O principiante começa um caminho de purificação de todos os aspectos sensitivos e busca as coisas exteriores, Chamada “noite dos sentidos”, activa e passiva. “noite” designa o caminho que se deve percorrer para chegar à libertação total da união com Deus. Este caminho é feito sobretudo de privações, porque, “como a noite não é outra coisa que a privação da luz e, por consequência, leva a que conheçamos todos os objectos que mediante a luz se vêem, o mesmo se pode dizer da mortificação dos apetites, noite para a alma: quando esta se priva do gosto e do apetite em cada situação, permanece na escuridão e privado de tudo”. O apetite que olha para o seu objecto só para o engolir, para o devorar; um desejo que fecha o homem em si mesmo, confinando-o à sua própria esfera, fazendo-o escravo de si mesmo. Para subir ao “Monte da Perfeição”, para se dar ao eterno convencido do amor divino, para juntar ao “Tudo” da liberdade infinita que é Deus, é necessário ainda descer à “noite do espírito”, activa e passiva, purificando a memória, o intelecto e a vontade; a vida é sempre um “nada”. Ou seja e em súmula: para chegar à purificação é preciso passar pela “noite”, pela experiência da Kenosis a fim de se chegar à Luz, à Plenitude; ser “Nada” para ser “Tudo”. O objectivo é sempre: a união plena com Deus que tem como consequência a paz e a tranquilidade, um conhecimento mais profundo do homem e de Deus.

×