INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

Aula 1

IDEP

2/03/2013

Princípios básicos:
O que é a Espiritualidade como experiência reli...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

Aplicado a Deus:
Sabemos algo mas não tudo. Diz S. Paulo “quando …”. Aquele totalmente...
IDEP

INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE
Aula 2

16/03/2013
Experiência na teologia moral

Os que estudam teologia – os primeiro...
IDEP

INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

saborear, mastigar internamente a experiência. O mesmo criador comunica-se à
criatura....
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

Não equivale apenas a pensar, é uma experimentação que pode ser pensar e …. Integrar,
...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

Experimental diferente de experiência, intelecto/coração.
Numa experiência religiosa e...
IDEP

INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE
Aula 3 (gravada)

25/03/2013
EXPERIÊNCIA RELIGIOSA

Serve-nos como lastro para entender...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

No campo da história das religiões e da sociologia das religiões é sempre este o
probl...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

religiosa, apareceu a
escola fenomenológica
Max Scheller – reagia a esta orientação di...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

Há um prefácio muito interessante da eucaristia (é importante tudo o que se reza na
eu...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

Então, podemos perguntar-nos:
Mas se é assim não há limites, até que ponto nós podemos...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

descoberta constante e desconcertante das nossas vidas, quando nós descobrimos em
Deus...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

S. Paulo tem uma frase que parece uma contradição mas que entendemos à luz desta
exper...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

Todo o nosso dinamismo vivencial, com todas as nossas
condicionantes, históricas, cult...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

sobre a graça que Deus nos dá continuamente, Deus não dá só hoje e agora, dá sempre,
m...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

integradora e integrante, todos os aspectos mais importantes da pessoa encontram-se
pr...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

Eu sei que Deus me ama quando estou mal disposto, é a minha finitude e a infinitude de...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

(como vimos até aqui), a nossa própria relação com o mundo, com os outros (ninguém
viv...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

católica e também para contrapor devemos ver algumas ambiguidades desta própria
experi...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE
Aula 4

IDEP
06/04/2013

As propriedades essenciais da Experiência Religiosa:
Como a Sagrada ...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

truncado tudo o resto, é uma falha. Temos de ter cuidado mesmo com os movimentos da
no...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

A experiência só se faz tendo em conta a comunidade, por isso é que somos Igreja,
ecle...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

conhecer-nos a nós próprios, para sermos prudentes, para percebermos onde está a nossa...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

O homem é um ser singular, e aqui entra a dimensão espiritual, a espiritualidade
aplic...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

diz teologicamente. É esta dimensão que nos falta entender para vivermos a nossa fé de...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

deixa ser infelizes, é tão exigente e chato mas ama-nos e o amor dele supera todas as
...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

Deus vem entendido como uma espécie de raio de luz que nos remete para a fonte,
voltam...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

pessoa.


Toda a experiência religiosa é mediatizada através de símbolos – os
Sacrame...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE
Aula 5

IDEP
13/04/2013

Vamos falar sobre a experiência religiosa na Sagrada Escritura e dep...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

que mais tarde Jesus Cristo a plenitude nos veio revelar, ou seja, o nosso Deus não er...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

tudo sentido, filho pródigo, última ceia, discípulos de Emaús. Cordeiro, entrar, bater...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

É uma espécie de semente pequenina que Deus lança na terra que é o nosso coração,
como...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

*****

Os 3 atos referidos anteriormente:
Dt 26, 5-9
Gn 24, 1-13

Deus como nos criou ...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

Deus revela-se-nos todo, a todos e totalmente.
É este evento, esta busca
Traduz-se na ...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

O Senhor individualiza a sua presença, Deus revela-se aos homens.
Exige-se que estamos...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

“o deserto”, “a noite escura”

Vimos a espiritualidade em termos gerais.
Agora, qual a...
IDEP

INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE
Aula 6

27/04/2013

Falamos da especificidade da experiência cristã, religiosa, da espi...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

Ideia da ECLESIA SUPRA: a Igreja é maior que o nosso pecado, que o nosso coração,
supr...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

Deus.
A Igreja teve ao longo dos séculos múltiplas formas de divulgar e viver os sacra...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

desta forma não corres o risco de pecares.
Pecado – tudo aquilo que nos desvia da graç...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

O acontecimento Jesus Cristo é a realidade que o crente cristão faz ou é chamado a
faz...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

objetivo, Deus transporta-se para outro ponto, é sempre mais, é sempre o totalmente
ou...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

Inferno – infelicidade plena, ausência de Deus, é a desgraça, é o contrário da felicid...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

pela consciência, pelo conhecimento, em plenitude.
S. João da Cruz – experiência tradu...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE
Aula 7

IDEP
04/05/2013

Vamos falar de 3 conceitos / temas / palavras que têm de estar sempr...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

Deus é plenitude e por isso o nosso Deus é (não foi nem será).
E é neste processo dinâ...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

O homem experimenta espontaneamente o sentimento de uma presença que o
transcende semp...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

A oração ganha uma nova forma se tivermos a aplicar o que aprendemos. Já não é o
grand...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

distância infinita entre Deus e o homem e por isso é mistério profundo que se
transfor...
INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

IDEP

partida, e aterrorizada, cativada, amedrontada e confiante.
Esta paradoxal estrutura é...
IDEP

INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE

ou está o santo que é Deus, O totalmente outro, do outro lado o profano, que é o impur...
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Aulas Introdução Espiritualidade  IDEP
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aulas Introdução Espiritualidade IDEP

1.121 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.121
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aulas Introdução Espiritualidade IDEP

  1. 1. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE Aula 1 IDEP 2/03/2013 Princípios básicos: O que é a Espiritualidade como experiência religiosa? É a base que nos permite compreender o conteúdo das outras disciplinas, sem Cristo nada tem interesse. Etimologia: Espiritualidade: é a experiência religiosa pessoal de cada um, deriva de vários verbos que significam 1. Pôr à prova (história de Abraão); experimentar, fazer a prova; 2. Aprender a conhecer; conhecer por dentro a experiência; interiorizar; 3. Procurar de, traduzir na prática; Ex-pe-riência Indica uma experiência obtida a partir de, tentar sair de si; abrir-se aos outros; abrir-se ao exterior, diálogo que é comunhão com o outro; encetar um diálogo com o outro, com Deus, com o mundo porque não somos ilhas, vigiar sobre o local de trabalho, estar atento, emergir-se em qualquer coisa; Do grego validar = passo através do qual validamos, penetrar, ir além, experimentar, procurar, validar; penetrar; ir além (remete para a metafísica “o totalmente outro – DEUS”) Esta raiz projeta-nos para a metafísica transcendente, é o totalmente outro, é o mistério, o que não conhecemos mas queremos conhecer Mistério – é algo do qual não se sabe tudo. É uma realidade completamente desconhecida, é o totalmente outro. O que é? É algo do qual não se sabe tudo mas do qual se sabe o suficiente para podermos continuar na senda da descoberta. 1
  2. 2. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP Aplicado a Deus: Sabemos algo mas não tudo. Diz S. Paulo “quando …”. Aquele totalmente outro do qual não sabemos tudo mas sabemos o suficiente para nos aproximarmos, cada dia sabemos um pouco mais. As disciplinas ajudam-nos a ir ao encontro do mistério que é Deus. O Mistério de Deus é tão complexo, mas ao mesmo tempo acessível. O mistério humano é tão difícil como o de Deus. O amor de Deus não tem falhas, são os homens que as arranjam para se justificarem. Remete para a metafísica: é a experiência … que tem o mesmo modelo esquemático … Experiência:  É cada percepção de conteúdos e de dados (há-de ser);  Cada modificação de vida consciente do Eu;  Cada determinação da vida consciente do meu eu;  É o complexo de todos os fenómenos conscientes,  É o mistério do ser humano, o mistério humano é tão difícil como o mistério de Deus. Deus que é totalmente outro é amor. Tudo é amor de Deus. A experiência que cada um de nós faz do amor de Deus. 2
  3. 3. IDEP INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE Aula 2 16/03/2013 Experiência na teologia moral Os que estudam teologia – os primeiros dois anos é filosofia, ajuda a pensar. Na aula anterior falei da experiência a partir da etimologia, hoje é a filosofia do séc. XX. O termo experiência assumiu conotações mais amplas: consciência abstrata, separa do sujeito, não designa só a consciência dos estados interiores do sujeito, não fica só no psicológico. A dificuldade gerada nos séculos anteriores foi superada no séc. XX. A experiência é a presença imediata e direta daquilo que se nos mostra a nós, algo vivido, assumido pela vivência. Esta é a noção concetual. Aa noção de experiência religiosa segundo alguns mestres da espiritualidade: Experiências Religiosas de alguns Mestres da Espiritualidade:  S. Bernardo – Idade Média – reformou a espiritualidade beneditina.  Santa Teresa de Ávila – Renascimento - (“Bem pouco eu pude aprender nos livros, não consegui senão saber aquilo que fazia até à majestade que é Deus senão me tivesse sido dado pela experiência) O Deus que Sta. Teresa viveu foi por meio de experiência e não dos livros.  Guilherme de Saint Thierry – contraste entre a inteligência e a experiência propriamente dita – o Amor Iluminado pela inteligência que leva à vivência do coração. Devemos temperar a nossa fé no equilíbrio da nossa inteligência, razão e coração. Jesus “sede sal e luz”  Francisco de Osuna – o mestre desta experiência do coração é a própria experiência, os que não fizeram a experiência não percebem estas coisas. O que conta é o coração mas um coração equilibrado. Integrar todos os valores para viver uma fé esclarecida, para viver de forma sã. Todo o cristão devia trazer sempre no bolso um espelho para saber onde se deve corrigir.  Santo Inácio de Loiola – Exercícios espirituais. Usa a palavra experiência muitas vezes à volta do discernimento, da capacidade que devemos pedir a Deus para Viver a pessoa de Jesus Cristo. Somos a expressão das fontes Sentir, gostar, 3
  4. 4. IDEP INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE saborear, mastigar internamente a experiência. O mesmo criador comunica-se à criatura. O Senhor pode agir imediatamente e opera.  D. Helder da Câmara – Contemporâneo - Proximidade dos pobres. Livro “O deserto é fértil”.  Madre Teresa de Calcutá – caridade afetiva. Passava duas horas diante do sacrário de manhã e antes de dormir. Saía para pedir esmola para os pobres. “Às vezes pareces-me ausente. Onde está Senhor?”(passagens do seu diário).  Cardeal Martini – dizem que foi ele que interveio no Céu para a escolha do papa Francisco. Não falamos da espiritualidade monacal. NOÇÕES: INTEGRAR / SAL / TEMPERO - Sempre presentes Experiência na Teologia Espiritual Comporta sempre 2 coisas: 1. Um contacto objetivo com a realidade; 2. Um sujeito que, mediante este contacto objetivo, estabelece uma relação de consciência. Ao mesmo tempo da parte da pessoa que passa pela experiência: 1. Recetividade passiva e abertura; 2. Reação de consciência (que pode ser de aceitação ou rejeição provocatória, que nos obriga internamente a pôr em ordem as nossas ideias e as nossas obrigações). Não se distingue facilmente o elemento recetivo e interpretativo na experiência religiosa. Ex. de receptividade ativa: Maria A Experiência como Saber a Realidade 4
  5. 5. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP Não equivale apenas a pensar, é uma experimentação que pode ser pensar e …. Integrar, experiência religiosa totalizante porque envolve a pessoa toda, sermos mistério, um todo totalizante como sujeito  Pode ser pensado:  Ver a experiência religiosa mais completa, totalizante. O sujeito que faz a experiência é um ser concreto, que existe, aberto ao exterior. Também é razão porque esta experiência é também ciência por isso é verdadeira consciência. Afetividade, inteligência e intelecto, sempre em equilíbrio. A experiência realiza-se no encontro recíproco entre objeto e sujeito, por isso é relação na modificação que se realiza nesta tomada de consciência de Deus. Deus é uma pessoa que vem ao nosso coração. Experiência (resumo) – ato por meio do qual a pessoa percebe a relação consigo própria, o mundo e Deus, percebe-se a si mesma. Temos de nos perceber a nós próprios e compreendermo-nos na relação com Deus e os outros. Perceber-se a si mesmo, sentir e intelectual, não se nega o caráter como vivido. A experiência: implica captar diretamente; acontecer; quando o sujeito se põe a pensar. É necessário distinguir sempre e saber integrá-las:  passividade pura (sofrimento)  passividade ativa, acatar livre e consciente a vontade de Deus. Ex: amor visto através de uma criação artística, significado ativo e pessoal que o sujeito coloca através da experiência, integrar, capacidade de equilíbrio, acolher. A experiência que se converte num acolhimento que vem da parte de Deus. Acolhida como um ato livre, consciente, integrado. A realidade da experiência é uma realidade muito complexa, é um entrelaçar de relações, num movimento em que o sujeito se realiza a si próprio. É um mistério. Devese considerar como uma ato simples mas também um entrelaçar de relações na qual o sujeito se realiza a si próprio. 5
  6. 6. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP Experimental diferente de experiência, intelecto/coração. Numa experiência religiosa espiritual temos de ter em conta todas as variáveis: Generosidade do amor que se entrega. Deus entregou-Se por Amor. A fé comporta a experiência e requer experiência vivida e entendida. A fé que ama; é aquela fé que faz experiência do eterno. «Deus é amor» (S. João), porque é o eterno transformado em experiência de amor. Experiência doada, totalizante que preenche o homem. Amar como Deus amou é amar aqueles que são nossos e também os nossos inimigos. O eterno que se faz amor. Experiência diferencia de modo empírico, passa para o nível experiencial, experiência considerada na sua totalidade, variáveis, princípios e valores. Experiência religiosa equilibrada, vida de fé verdadeiramente esclarecida, generosidade do amor que se entrega, expressão de um amor generoso. A fé comporta a experiência e requer esta experiência vivida e entendida. A fé que ama é aquela que faz a experiência do eterno. Só assim se entende “Deus é amor”, porque é o eterno transformado em experiência de amor. Experiência que só se pode adquirir se a fizermos. Deus ensinanos a amar como Deus amou. Na próxima aula: experiência religiosa propriamente dita. 6
  7. 7. IDEP INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE Aula 3 (gravada) 25/03/2013 EXPERIÊNCIA RELIGIOSA Serve-nos como lastro para entender a profundidade que é viver Deus com fé … não é fácil. Vamos ver, tentar responder: Poder-se-á ter um contacto efetivo com a realidade transcendente? Quem é o sujeito da experiência religiosa? se somos sempre nós, se é Deus? Quem é o objeto da experiência religiosa? se somos sempre nós, se Deus às vezes também é objeto? Se somos sempre agentes passivos? Se somos sempre agentes ativos? Se Deus é simplesmente ele sempre o agente ativo ou se às vezes também é agente passivo da experiência religiosa? Depois vamos tentar ver a perceção religiosa, como percebemos, entendemos a experiência religiosa e algumas das suas caraterísticas fundamentais, porque é na perceção da experiência presente que nós tomamos ou não contacto com esta realidade transcendente. Depois vamos tentar abordar a seguinte questão: Ver que o ser humano é tão misterioso, é tão complexo que a experiência religiosa que faz tem de ser entendida de acordo com as suas possibilidades, ou seja, tem de ter em conta a sua cultura, a sua biologia, o contacto dele consigo próprio, com os outros, com a sua realidade. Vamos ver a forma como se pode visualizar e exteriorizar a experiência religiosa. Aquela que é mais visível é o culto mas não é só o culto que está na experiência religiosa. Vamos ver as várias correntes e ver a experiência pessoal de cada um, depois vamos abordar a experiência religiosa na Sagrada Escritura, na Bíblia. Partindo deste pressuposto, vamos tentar responder a: É possível ter um contacto com a realidade transcendental, com o transcendente? 7
  8. 8. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP No campo da história das religiões e da sociologia das religiões é sempre este o problema central, o homem é desde sempre um ser religioso. Ex: gravuras rupestres que aparecem – os antropólogos quase todos se inclinam para dizer que aquilo que ali está é a tentativa de explicação de algo muito concreto que eles não conseguem explicar, é o tal contacto com o transcendente, ou seja, uma das caraterísticas do homem é ser religioso. Os ateus são religiosos? Porque o que negam? O nada não existe, se se nega Deus negase alguma coisa, se negam Deus é porque Deus existe. É uma abordagem a partir da qual nós temos sempre de partir, o homem é essencialmente um ser religioso, é o tema central desde sempre da sociologia das religiões e da história das religiões. William James no seu livro diz: a experiência religiosa fica reduzida muitas vezes à experiência afetiva, prescindindo de cada contacto objetivo. A experiência religiosa fica reduzida à experiência afetiva, ficam com um contacto meramente afetivo, muitos começam assim, nomeadamente as seitas. Fazem um entendimento redutor do que é a experiência religiosa. As seitas prescindem do elemento objetivo, não o negam mas prescindem dele. Na mesma direção temos a escola psicanalítica não prescindem do contacto objetivo mas negam-lhe a mesma consistência da perceção afetiva. A perceção afetiva não é mais de que um produto derivado dos condicionalismos individuais de cada uma das pessoas. Ex: escola de Freud, que insiste na componente afetiva identificando-a com a sublimação dos pulsões mas que tem sempre como fundo a dimensão sexual. Também é uma forma redutora de entender a experiência religiosa. Neste curso, não podemos estudar só determinadas orientações, temos sempre de contrapor, reagir, sugerir, rebater. Como reação à escola psicanalítica, do entendimento desta perceção de experiência 8
  9. 9. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP religiosa, apareceu a escola fenomenológica Max Scheller – reagia a esta orientação dizendo: a reação consiste em submeter algumas experiências religiosas fundamentais à análise fenomenológica. Como por ex. a oração, a mística, o sacrifício, a adoração. São experiências religiosas que reagem àquela maneira de entender a perceção religiosa na escola freudiana e do outro senhor americano. Fazendo esta análise vamos ver algumas das personagens que nos interessam como agentes reativos a esta escola e que foram capazes não de sublimar mas de entender a experiência religiosa neste contacto com o transcendente. Voltamos à pergunta da qual partimos: Será possível um encontro real com o transcendente? Alguns exemplos daqueles que foram capazes de o fazer. Exemplos de perfeição para a qual tendemos mas aonde não estamos. Os chamados místicos: Sta Teresa de Ávila e Sto Inácio Eles afirmaram que toda a experiência religiosa é uma simples ilusão, mas ilusão sobretudo subjetiva, falam de 2 níveis de transcendência. Fizeram uma experiência religiosa baseada na oração, na adoração, no sacrifício, na mística. Quais são então estes 2 grandes níveis de contacto com a transcendência? 1º uma transcendência da consciência da pessoa, nos seus confrontos com a sua própria vida, com a sua atividade concreta de todos os dias, a contemplação do mundo, entra aqui muito da poesia. Sta Teresa foi uma das santas que conseguiu nos seus escritos dizer de forma bela a sua experiência religiosa, o seu contacto com o transcendente. Mais à frente vamos ver a importância da estética que é uma das componentes da perceção da experiência religiosa. 2º A transcendência do ser, de um ser divino como absoluto. Que se oferece como absoluto ao sujeito que é finito. Por mais que nós queiramos é sempre Deus que toma a iniciativa. A experiência é nossa, somos ser finitos mas é sempre Deus que toma a iniciativa e quando nós entendemos as coisas ao contrário estamos a inverter a experiência religiosa. 9
  10. 10. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP Há um prefácio muito interessante da eucaristia (é importante tudo o que se reza na eucaristia) “Deus não precisa dos nossos louvores mas podendo glorificar-vos é dom da vossa bondade”. Deus não precisa nada de nós mas quer precisar de nós que é diferente. Deus dá-nos este exemplo de humildade. Isto é espiritualidade, é tentarmos fazer uma abordagem ao totalmente outro. Deus é o totalmente outro e sempre totalmente outro porque mistério como já dissemos. O mistério está constantemente a revelar-se-nos e há-de ser pelo nosso esforço constantemente descoberto. Conceito de mistério não é algo do qual não se sabe nada, mas algo do qual se sabe o suficiente para que pelo nosso esforço se saiba cada dia cada vez mais a ponto de um dia estarmos tão próximos dele que sejamos santos. (esta resposta na oral dava direito a um 20) O 2º nível para estes místicos: a transcendência de um ser divino como absoluto que se oferece como absoluto ao sujeito que é finito, que somos nós. A iniciativa é sempre de Deus que se oferece a nós seres finitos como um dom absoluto. Sta Teresa Entendendo deus assim como o transcendente vivido desta forma dizia “meu Criador e meu Senhor”, o absoluto, o criador, o seu senhor que se lhe oferece a ponto dela o considerar seu, sua posse. Sto Inácio chamava-lhe “minha divina Majestade”. Então, podemos dizer que alcançamos a experiência religiosa quando alcançamos objetivamente o absoluto, quando fazemos a experiência objetiva do absoluto, traduzida nas nossas vidas de múltiplas formas. Temos de ter em conta múltiplos condicionalismos e ninguém faz uma experiência igual à do outro, porque partindo da base sociológica o ser humano é único e irrepetível e a perceção que nós temos é individualizada, não há uma experiência quimicamente pura que se possa transferir e transpor para o outro para que ele a viva exatamente como eu a vivo, mesmo nos mesmos ambientes, com as mesmas pessoas o contacto com o transcendente resulta sempre diferenciado porque a experiência é única, é de cada um. 10
  11. 11. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP Então, podemos perguntar-nos: Mas se é assim não há limites, até que ponto nós podemos chegar a esta realidade transcendente e dizer que já a possuímos? Nunca a possuiremos em plenitude. É o único caminho gradativo e progressivo, e mesmo quando estamos perto só se consegue a plenitude no paraíso, por isso pode dizer-se que o contacto com o absoluto está sempre condicionado. Não é verdade que em cada pessoa humana está sempre a sua história, ela efetivamente está sempre rodeada de tantas circunstâncias, mesmo até circunstâncias inconscientes, o homem é assim, é este mistério e é com base neste mistério todo que a nossa experiência religiosa se faz, é única, é de cada um, só por isso é que é bonito. Por isso é que Deus ama-nos a todos como se cada um de nós existisse sozinho no mundo, com o mesmo amor e é um amor que não é condicionado, que é infinito, é um amor total, sem reservas a cada um, com toda a nossa história, com todos os nossos pecados, com todas as nossas virtudes, com tudo aquilo que nós somos, queremos ser, com o que julgamos ser, com a nossa relação com os outros, com nós próprios, com o mundo, com o entendimento que fazemos do mundo, com aquilo que os alemães chamam o nosso contexto histórico vital que faz de nós aquilo que nós somos. É como nós somos que fazemos experiência deste Deus e deste transcendente. Então, continuando, Kant Que demonstrou no livro “A crítica da razão pura” as categorias da mente humana e que estão sempre presentes. Qual o termo que nós encontramos para alcançarmos a verdadeira experiência religiosa? O absoluto no seu ser objetivo, aqueles que são da escola fenomenológica dizem que sim, é o absoluto. Mas, então devemos fazer distinções entre a experiência religiosa dos valores morais, estéticos, por ex. o bom, o belo. Esta experiência alcança algumas partes da manifestação do ser mas não é o ser em si próprio porque o ser como ser absoluto é muito mais que isso e ainda que nós julgássemos que o tínhamos atingido porque é absoluto passava a ser muito mais, isto é, Deus é este infinito, poderá medir-se o infinito? É impossível, mas por isso é que é tão rico, por ser infinito é que é sempre uma 11
  12. 12. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP descoberta constante e desconcertante das nossas vidas, quando nós descobrimos em Deus que nos ama com este amor infinito, tem tantas faces este amor infinito, como fica interiormente satisfatório ter um Deus assim. Cada dia nos pode amar de maneira diferente e sempre muito, mesmo quando peco Deus está amar-me e a ensinar-me a amar e sente muito. E vede como entronca aqui o ensinamento de Jesus “amai os vossos inimigos”, como seria a nossa humanidade se gostássemos de toda a gente, temos sentimentos diferentes, somos assim, é a nossa própria história, mas podemos amar mesmo aqueles de quem não gostamos, já dizia Martin Luther King, cristão mas não católico, “Jesus Cristo não me mandou gostar de toda a gente, mandou-me amar toda a gente”. É um alcance fora de série. Jesus Cristo é este amor infinito que estamos a celebrar particularmente nesta semana santa, dedicada a esta temática, a entendermos o transcendente na miséria exposta naquele sofrimento que não vale nada por si mas vale tudo enquanto expressão do amor infinito que é Deus. Mas, qual é a beleza que há num homem completamente esfacelado, a ser injuriado, cuspido, nu, há toda a beleza de Deus, esperança e amor, e o amor tem uma beleza infinita e é por isso que quem ama feio bonito lhe parece como diz o povo. Entendemos agora esta realidade transcendendo-a e transpondo-a para a realidade que estamos a estudar. Então tudo ganha sentido, mesmo as nossas pequeninas coisas. Então, os valores morais, estéticos, do bom e do belo por ex. são a expressão ou uma das expressões da qual nós podemos encontrar manifestação do absoluto. Depois, distinguir também a experiência religiosa concreta, que vai mais além, porque é a experiência do absoluto na sua essência. Ex: um poeta faz a experiência do belo, vê ali a manifestação de um valor moral ou estético, mas um santo olha para uma paisagem e experimenta ali a omnipotência de Deus, faz uma experiência religiosa porque tem fé, é diferente. Se o poeta tem fé como vê de uma forma tanto mais rica esta experiência do transcendente porque o projeta num mais alto nível no totalmente outro. Por isso, precisamos de distinguir bem. 12
  13. 13. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP S. Paulo tem uma frase que parece uma contradição mas que entendemos à luz desta experiência religiosa "tudo posso naquele que me conforta”. Fez uma poderosíssima experiência de Deus, fez uma experiência do transcendente, o contexto em que faz uma experiência de Deus tão forte que lhe permite reformular e reconsiderar todos os seus esquemas mentais (forte tradição judaica, lei). E apesar da forte experiência religiosa foi três anos para o deserto da Arábia pensar, porque não se considerava preparado para anunciar aquele que se lhe tinha revelado, para consolidar a sua experiência religiosa (nós que somos nada achamos o retiro de uma semana demais). A experiência de Deus empenha-nos, compromete-nos. Se não nos compromete é porque a experiência de Deus que fazemos é de forma epidérmica, não mexe com o interior, ou seja, não nos converte que é a palavra chave. O cerne deste curso e disciplina é integrar todos os aspetos, todas as dimensões para vivermos uma fé equilibrada. Paralelismo de tudo quanto dissemos com a experiência, com a perceção comum de qualquer ser humano. Vamos ver o paralelismo desta experiência religiosa com a perceção comum do ser humano. A existência do mundo impõe-se mediante a perceção, assim paralelamente o homem na sua experiência religiosa alcança não só o valor mas o próprio ser absoluto na sua existência, faz a experiência dele em cada situação concreta. Mesmo os ateus estão a fazer uma experiência do transcendente porque não existe o nada, se negam Deus então ele existe, estão a fazer uma experiência ainda que ao contrário e pela negação estão a afirmá-lo. Então, temos de partir deste pressuposto que é em cada situação concreta se faz uma experiência única de Deus. Temos estes condicionalismos que são históricos, culturais, sociais, afetivos, a nossa perceção é sempre e tem sempre em conta uma orientação seletiva. Por ex. uma criança vê a realidade de uma maneira diferente. Os nossos desejos e ambições condicionam, as nossas perceções, a nossa maneira de entender e ver o mundo, e também fazer a experiência de Deus somos condicionados. Um homem verdadeiramente religioso tem uma experiência chave que transforma este segredo em unidade e envolve toda a sua vida porque é um dos nossos erros, é tentarmos viver a nossa experiência de Deus, do transcendente às prestações e só quando nos convém, não envolvemos toda a nossa pessoa. 13
  14. 14. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP Todo o nosso dinamismo vivencial, com todas as nossas condicionantes, históricas, culturais, sociais, afetivas, mas é só assim que temos uma experiência de Deus a tender para o completo, porque senão vemos a nossa fé reduzida à sacristia. Um padre fora da Igreja também é padre, a relação de entrega ao sacerdócio envolve-o todo e totalmente, é padre fora e dentro da Igreja, só são funções diferentes. Tanto fazemos a experiência de Deus em casa, na família, na vida consagrada, somos pessoas que nos damos totalmente para receber ativamente este dom que parte sempre de Deus. A iniciativa é sempre de Deus, nós tentamos vive-la com a totalidade da nossa pessoa, por isso o homem é um mistério. Como é que eu sendo assim com este comportamento só eu sei posso ter uma experiência de conversão? Posso ser amado por Deus, como sou, o mal está em termos uma fé separada da vida ou só vivida em algumas das nossas dimensões não na totalidade e inteireza do nosso ser porque Deus também se nos dá todo, não se dá só parte. Quando recebemos Jesus Cristo na hóstia consagrada está lá também o pai e o Espirito Santo, está todo Deus e totalmente, Deus não está só presente quando estamos bem dispostos, está sempre e é na inteireza desta nossa vida que nós temos de assumir a nossa experiência religiosa. Esta é uma orientação que nós fazemos de forma seletiva, não tendo em conta a totalidade e inteireza do nosso ser. Por mais condicionada que seja a experiência religiosa não nega que alcancemos o ser absoluto, este Deus que se nos dá em cada experiência que fazemos, que se nos dá quando tomamos café, que se nos dá quando respondemos mal, que se nos dá na mais bela experiência de Deus que fazemos quando vamos adorar o Santíssimo sacramento e estamos quase no céu, em todas as dimensões da vida, na saúde e na doença, na alegria e na tristeza como dizem os esposos. E devem entender que é neste Deus que se lhes dá todo e a todos, a um e a outro, nesses momentos, sempre, quando estão de costas voltadas Deus dá-se-lhe também e se o descobrirem logo fazem as pazes e se não as fizerem ficam predispostos a faze-las porque entendem a chatice como uma dimensão humana e depois é entendida à luz da fé e têm a capacidade interior de converter o coração “tu não mereces mas eu amo-te”. É este salto que às vezes custa a dar quando deixamos prevalecer a nossa humanidade 14
  15. 15. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP sobre a graça que Deus nos dá continuamente, Deus não dá só hoje e agora, dá sempre, mesmo quando achamos que não está a dar. Quando descobrimos que Deus está sempre ali a conceder-nos audiência permanente é o nosso grande conforto, tudo muda entre nós. Isso não acontece porque fazemos um Deus à nossa imagem quando nós é que fomos criados à imagem dele, invertemos sempre os valores como fazemos na nossa vida. Por ex. o dever de obediência aos pais. Um prof. dizia que hoje assistimos à 1ª geração de pais que obedecem aos filhos e à última geração de filhos que obedecem aos pais, os valores estão invertidos. A experiência religiosa acontece quando a pessoa se dá conta da acção de Deus na sua alma, no seu interior e isto leva à conversão e esta conversão tem de ser permanente, não é pontual (não é: converti-me está tudo feito). Estou a dar-me conta de que preciso de me converter, a conversão é permanente, contínua, progressiva, tem várias intensidades, é conversão deste mistério que é o homem, que não é uma coisa fácil de entender, isto é que é bonito. Se o homem fosse programável não teria interesse, as variáveis estavam todas identificadas. A experiência religiosa que cada um faz é sempre individualizada, cada um faz a sua experiência de Deus diferente da do outro. Isto leva-nos a que o contacto vivido com o divino ou sagrado através deste processo de conversão se torna consciente porque quando não é consciente então damos razão às escolas freudianas e outras que identificam a nossa experiência de Deus como sublimação, não são conscientes, são outras variáveis que estão em causa. A experiência religiosa é, acima de tudo e antes de tudo, cultual, vem de culto, o culto que prestamos ao transcendente que vivemos, o ser sagrado, o ser misterioso, aquele ser que nos fascina é em primeiro lugar objecto de adoração e do amor por parte da sua criatura como descobriu Sta Teresa e Sto Inácio. Por isso a experiência religiosa é o encontro de pessoa, de cada pessoa, cada pessoa criada com o seu criador. Esta relação encontro que nos compromete totalmente e que compromete a pessoa toda em todas as circunstâncias da sua vida. É esta a razão pela qual a experiência religiosa para ser verdadeira tem de ser 15
  16. 16. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP integradora e integrante, todos os aspectos mais importantes da pessoa encontram-se presentes, integrados embora hierarquicamente e este hierarquicamente tem muito a ver com a postura de cada um, eu posso dar primazia em mim a esta dimensão e outro pode dar a outra, mas o mais importante é que todos os componentes sejam integrantes e integradores na experiência religiosa que fazem deste absoluto que é Deus. Em que consiste então a experiência de Deus, a própria experiência que fazemos de Deus? O 1º e fundamental passo é a postura que cada um de nós deve ter desta presença originante de Deus. Deus não precisa nada de nós mas quer precisar. É o consentimento que nós damos a esta presença, ou seja, à chamada de Deus. Deus chama-nos, a iniciativa é sempre dele e quando nós consentimos este chamamento respondemos-lhe integrando todas as dimensões na nossa vida, uns de uma maneira outros doutra. É isto que a fenomenologia das religiões identifica como a postura fundamental do homem, sem este reconhecimento fundamental de Deus que nos chama não se pode fazer uma autêntica experiência de Deus. Já era assim, já foi assim na experiência de Job. Ler o livro de Job constituído por duas grandes partes, uma poética e outra em prosa. Apresenta dois Job, um que responde a Deus e outro que se revolta com Deus e mesmo na revolta está a resposta diferenciada. Ele entendeu o chamamento de Deus no sentido de que entendeu o que Deus lhe estava a dizer com aquilo que lhe estava a acontecer e foi quando descobriu essa resposta ativa que se converteu permanentemente. Na fé o homem acolhe e faz a sua experiência da realidade, uma realidade que ele começa a perceber permanentemente, não há às prestações nem não é só às vezes, é sempre. Esta postura supõe que levamos em conta as condicionantes, o saber, o aceitar, o reconhecer a sua própria finitude de homem. O homem tem de dar-se conta que é um ser finito, que é como ser finito que há-de responder ao infinito e entender o infinito na sua finitude. Como é bonito entendermos as coisas assim, um Deus que é amor infinito quer juntar ao nosso amor finito para que o nosso amor finito procure a sua infinitude, é de uma beleza extraordinária. 16
  17. 17. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP Eu sei que Deus me ama quando estou mal disposto, é a minha finitude e a infinitude de Deus e quando estas coisas se juntam o meu ser de rezingão converte-se em bem disposto porque o infinito amor de Deus sobrepõe-se e muda. Podemos aplicar este exemplo a todas as outras dimensões da vida. Deus que é amor infinito pode transformar a minha chatice num momento de felicidade plena, basta que eu o entenda assim e o converta porque o amor infinito quando é aceite, a tal resposta ativa, faz com que se transforme a minha finitude e esta tende progressivamente a caminhar no sentido da infinitude que é o próprio Deus. Quando atingiremos isto na plenitude? quando tivermos fé, só no céu, mas é possível irmos construindo o céu. É aquela tensão permanente que os teólogos chamam entre o já e o ainda não. Mas podemos viver este já impregnado, emprenhado no ainda não que nos espera. O mais bonito de entendermos é esta proximidade do infinito com o finito, e isto é a experiência religiosa, isto é o contacto com o transcendente, estamos a começar a responder à pergunta inicial. ALGUMAS PROPRIEDADES ESSENCIAIS DESTA EXPERIÊNCIA RELIGIOSA: Martin Velasco Autor de espiritualidade, no livro “A experiência de Deus hoje na nossa vida” afirma que a estrutura do ato de fé supõe e comporta todo um processo de experiências na qual a pessoa através das suas mais distintas faculdades e nos seus momentos mais diversos da sua vida experimenta o mundo vital e neste faz ou tem uma postura dialogal por meio da qual a pessoa, o sujeito entra em contacto com Deus. No fundo foi o que dissemos até aqui, todo o mistério do homem entra em contacto com Deus que se lhe dá todo e totalmente. Então, a perceção da própria relação com o mundo, com os homens, consigo mesmo e com Deus, Esta perceção faz-nos fazer a experiência religiosa equilibrada. Nós fazemos uma experiência de Deus verdadeira quando temos a perceção correta 17
  18. 18. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP (como vimos até aqui), a nossa própria relação com o mundo, com os outros (ninguém vive sozinho), consigo mesmo e com Deus e Deus revela-se nestas mediações todas. Outra perceção é a participação de cada um de nós neste evento que é esta relação com Deus porque podemos fazer a experiência religiosa também a partir da experiência dos outros mas isso é sempre uma experiência fraca, não purificante porque não parte em 1º lugar da nossa própria pessoa. Depois, uma tomada de consciência subjetiva desta distancia objetiva entre o homem e Deus mas que nos permite entrar em comunhão aceitando a iniciativa de Deus que vem ao nosso encontro e a que chamamos conversão, no grego metanoia que é o processo de conversão permanente e que leva às mudanças na nossa vida, como S. Paulo mudou, perseguia-os e depois amava-os. Esta tomada de consciência faz-se sempre acompanhada de uma interpretação, aqui está a nossa humanidade, e esta interpretação faz com que nós façamos uma decifração inteligente, tal processo de discernimento que é entendido nesta perspetiva como uma reflexão permanente. Quando nós nos questionamos permanentemente. Por isso é que Deus quando toma a iniciativa e nós a acolhemos ativamente não ficamos iguais, ficamos inquietos interiormente, quando Deus não nos inquieta então não fazemos o acolhimento da sua iniciativa. Podemos então agora elencar algumas caraterísticas desta perceção, experiência religiosa, que depois explicaremos:  a passividade e a atividade  o ato de liberdade pessoal  a componente comunitária  o dinamismo interior da própria experiência  todas as condicionantes como a afetividade, a cultura (uma coisa é eu viver a fé aqui outra é vive-la em África, mas é o mesmo Deus), a cultura especifica, a microcultura, como nós vivemos diferentemente a fé Depois vamos falar da experiência tendo como fonte os vários significados e dimensão 18
  19. 19. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP católica e também para contrapor devemos ver algumas ambiguidades desta própria experiência religiosa. Depois iremos falar das componentes intelectuais, a intelectualidade da verdade, a criação do querer a criação volitiva, aquilo que nós queremos, a dimensão afetiva, a dimensão ativa e a própria dimensão do transcendente. Para terminarmos esta matéria iremos falar da experiência religiosa na Sagrada Escritura e depois traduzir tudo isto em Cristo. Ver como Cristo é isto tudo e que Cristo. E qual é o Cristo que nós amamos… É o ressuscitado? Como ele se nos dá, sempre como ressuscitado… não o entendemos sempre como ressuscitado. 19
  20. 20. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE Aula 4 IDEP 06/04/2013 As propriedades essenciais da Experiência Religiosa: Como a Sagrada Escritura aborda esta temática e depois vamos falar de alguns preâmbulos existenciais da experiência em Deus, e depois vamos começar a falar doutra matéria: O problema do nosso cristianismo é querermos ter uma vivência da fé adulta mas estando nós iniciados, tendo nós uma fé de crianças, depois queremos ter uma fé vivida adultamente mas sem a base que nos permita entender tudo aquilo que estamos a ouvir, a base que suporte a fé, precisamos de ter um suporte de fé que nos permita vivenciar tudo aquilo que acreditamos de uma maneira esclarecida e integral, porque se não é esclarecida não conseguimos integrar e se não conseguimos integrar tornamo-nos fanáticos ou alienados, somos gente que vive num mundo que não é o real e quer viver num mundo que não é o real, Deus não nos criou anjos, criou-nos pessoas com muitos problemas. Por que somos e temos defeitos é que devemos viver assim este Deus em que acreditamos e não num mundo de fantasia. Falamos da experiência da relação com o mundo, com nós próprios, com os outros. Outra das propriedades é a participação de nós próprios na primeira pessoa no tal evento religioso que é a nossa experiência de Deus, que é singular, que não é de mais ninguém. Outra propriedade essencial: tomada de consciência subjetiva daquela distância que nos separa do amor de Deus e permite a comunhão e que leva à conversão do interior do nosso coração, porque se não tivermos um coração convertido não podemos acreditar, para que a conversão seja permanente (não é automática, não há um interruptor que liga e desliga). Há movimentos dentro da nossa Igreja que permitem um despertar na nossa conversão – chamados de movimentos de conversão acelerada – mas permitem só um despertar porque depois a conversão é permanente. Ex: os cursos de cristandade. É um movimento importante para o despertar da fé, para o 1º anúncio. Mas pode ficar truncada a experiência de Deus que fazemos, é preciso dar continuidade porque senão fica pior depois. É importante darmos conta que fica 20
  21. 21. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP truncado tudo o resto, é uma falha. Temos de ter cuidado mesmo com os movimentos da nossa Madre Igreja porque, às vezes, tornamo-nos bastardos porque não nos queremos assumir com inteireza e integralmente como filhos na experiência da fé. Existe sempre uma atividade e passividade, quem toma a iniciativa é sempre Deus. Nós somos sujeitos passivos que nos convertamos em sujeitos ativos depois de assumirmos o dom de Deus que nos é dado, ele é que vem ao nosso encontro. Ex: pai pródigo vai ter com o filho, não espera que este chegue. Deus é assim, permite-nos o despertar da fé, a consciência religiosa e por mais maus que sejamos o seu amor por nós é superior e mal nos vê ao longe, isto é, mal vê esta vontade em nós de querer estar com ele, de querer este diálogo profundo, singular que é precondicionado, esta vontade no nosso coração por pequenina que seja, vai ao nosso encontro, não espera que nós chegamos, antecipa-se. Fez assim Deus connosco. Deus teve um gesto de caridade para connosco ao criar-nos, não nos criou por pena, Deus criou-nos por amor, caridade é amor, Deus amou-nos até ao limite criando-nos e nós só temos de corresponder a este amor, e este amor tornou-se pleno quando ele próprio decidiu assumir a nossa humanidade e elevou a nossa condição a uma dignidade tal que se permitiu dar-nos o seu próprio filho. Deus não precisa nada disto, quis ser como nós para que a nossa condição assumisse um relevo divino. Temos um salmo que diz “Deus criou-nos divinizando-nos”. A experiência religiosa só o é verdadeiramente quando é uma experiência religiosa feita através de um ato completamente livre, em liberdade. Funda-se num ato de liberdade e estabelece a relação de carácter afetivo com o sujeito, por isso é que nós quando nos relacionamos com alguém a afetividade entra como um fator determinante, também é com o nosso Deus assim. Por isso, quando temos relações frias uns com os outros não vamos longe, se temos relações frias com o nosso Deus não vamos longe. Então, a liberdade juntamente com o afeto que pomos na nossa relação com Deus é uma das propriedades essenciais da experiência religiosa. Outra propriedade essencial é a dimensão ou componente comunitária, de pertença a uma grande família. 21
  22. 22. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP A experiência só se faz tendo em conta a comunidade, por isso é que somos Igreja, eclesia ou paróquia. Quer dizer que nós só vivemos a fé verdadeiramente se nos sentirmos uma grande família. Daí que a fé para ser esclarecida, vivida de forma esclarecida, tem de ser uma fé que tenha em conta os outros, senão o que fazemos da palavra fraternidade, somos irmãos porque filhos do mesmo pai, somos filhos no filho, irmanados em Cristo. Como posso ficar indiferente com um irmão meu na China que está a sofrer e depois transportamonos para dentro de casa, para a família. A dimensão religiosa só faz sentido e só é vivida de uma forma esclarecida quando temos em conta a dimensão comunitária, somos Igreja quando somos irmãos, e aqui entra aquilo a que chamo o dinamismo da reciprocidade do amor. Só faz sentido se nos implicarmos, se vivermos a fé com esta dimensão comunitária, se eu entendo a fé desta forma pendo em 1º lugar no outro. Se entendo a fé como Jesus Cristo me ensina a viver o amor a melhor maneira que tenho de amar a Maria é que a Maria goste de mim, não fico prejudicado por gostar em 1º lugar dela porque se ela tem o mesmo entendimento da fé também pensa em 1º lugar em mim e todos ficamos a ganhar, ninguém perde. A dimensão da reciprocidade do amor “em Cristo, por Cristo e com Cristo”. Ex: Transfiguração de Jesus que antecipou o que será a escatologia final, a paresia, para anunciar a nova lei do amor que não escraviza. A componente comunitária é essencial para a nossa experiência religiosa, a nossa espiritualidade ser esclarecida. Jesus Cristo nas suas revelações chamadas teofanias (teofania é um acontecimento de Deus). Quando temos Deus no nosso coração, quando estamos entusiasmados (entusiasmados significa cheios de Deus) não nos lembramos em 1º lugar de nós mas dos outros. O egoísmo na fé, na nossa religião não tem sentido, é uma cruz por cima. Contudo, somos mais egoístas do que irmãos, o pecado, e até para isso Deus nos dá a solução: arrependei-vos, mudai de vida, convertei o coração. Deus sabe que somos egoístas, que erramos mas também podemos não ser, deu-nos alternativa mas simultaneamente também deu a capacidade de superar o pecado. As tentações de Jesus … permitiu-se ser tentado … Jesus jejuou 40 dias e 40 noites. O espírito do mal vem ao nosso encontro, que ele existe, sempre através da nossa maior fragilidade e por isso Deus nos previne para estarmos atentos. Em 1º lugar devemos 22
  23. 23. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP conhecer-nos a nós próprios, para sermos prudentes, para percebermos onde está a nossa maior fragilidade, a ponto de superarmos a tentação. Deus não permite que sejamos tentados acima das nossas forças. Diz: conta com isto e desta forma. É totalmente transparente e leal, não nos esconde o jogo. E assim é que dá gozo viver na fé, com um Deus que não nos mente, senão não era Deus. Para a experiência religiosa é essencial percebermos esta componente comunitária. A experiência é dinamismo por natureza, é dinâmica por natureza, o homem faz a experiência. Esta experiência de Deus entende-a como um ato de busca ao mesmo tempo que a entende como um ato que é um dom de Deus. É Deus que nos dá o dom, é um pleonasmo, Deus oferecesse-nos e nós só temos que o acolher. Este Deus que nós possuímos nunca o possuímos, lembrai-vos do conceito de mistério. Por mais que nós possuamos Deus, por mais que a nossa experiência de Deus seja forte, pode ser sempre muito mais, ir mais longe, porque Deus não se esgota. E a este processo de proximidade a Deus chamamos no nosso vocabulário cristão santidade. Andamos aqui para sermos santos e não beatos, estes são hipócritas, pensam uma coisa, dizem outra e fazem outra. Santos são o contrário, fazem uma experiência de Deus que é coerente, que sabe integrar, que custa permanentemente, processo permanente e contínuo de conversão, progressivo e gradativo, consciente que nunca o atingirá, mas pode sempre ser mais, pode estar sempre mais perto, conscientes que nunca o esgotaremos, senão não era Deus. Beato se fosse entendido à letra significa feliz. Felicidade é o que nos motiva e move, seremos tanto mais santos quanto mais felizes. Mas, distorceu-se o conceito. Esta experiência religiosa que nós fazemos é sempre uma experiência pré-condicionada, como e porquê? É uma experiência de interação de vários movimentos interiores, aqui entra a dimensão psicológica da fé, porque todos somos diferentes uns dos outros, a nossa singularidade que é o que nos distingue como pessoas leva a que nós façamos experiências religiosas de fé diferenciadas e singulares. 23
  24. 24. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP O homem é um ser singular, e aqui entra a dimensão espiritual, a espiritualidade aplicada à pessoa, ao indivíduo, a cada um de nós, o que é a nossa alma? É aquilo que nós somos e mais ninguém é por nós, é a nossa singularidade. Quando deixarmos de peregrinar por esta terra a carcaça que suportou a nossa alma desfaz-se, pela nossa fé mantém-se a nossa singularidade, no vocabulário cristão chamamos alma. Jesus apareceu aos 11: aparece com o objetivo de os confirmar na fé, aparece com um corpo glorioso, com a sua singularidade visibilizada. Maria Madalena não o reconheceu, só a voz. Mas, Jesus permite que entrem os 5 sentidos na experiência religiosa que fazemos. Quando estivermos na paresia, a viver a escatologia final, quando formos todos em Cristo, por Cristo e com Cristo, é a nossa singularidade que vai viver, Jesus vai fazendo com que a nossa experiência religiosa se clarifique. A dimensão da espiritualidade é tão profunda que nunca chegaremos ao entendimento do total destas coisas, por isso é mistério. Quando formos tudo em Cristo com a nossa singularidade, com que corpo é que viveríamos na paresia? O de criança? A nossa singularidade é que não muda, o nosso corpo muda, não sabemos com que corpo, será com um corpo glorioso … não sabemos. Porque o próprio Senhor aparecia e não o reconheciam, reconheceram a voz porque o permitiu, com o partir do pão que era sacramento, entre outras manifestações. Hoje o Senhor continua a manifestar-se … pode ser num filme … é a experiência que fazemos dele que depois nos leva à vida conformada com a proposta de amor e felicidade que nos vai fazendo. Pode manifestar-se com uma palavra que ouvimos, um livro que lemos, com um acontecimento marcante nas nossas vidas. Jesus continua a manifestar-se assim nós tenha-mos o discernimento para o reconhecer. Aqui também entra a perspetiva dos discípulos de Emaús. Qual é a diferença entre Cristo e Jesus? Cristo é o ressuscitado, a vida em plenitude. Jesus foi aquele que possibilitou o ressuscitado, a ressurreição, a vida em plenitude. Jesus Cristo depois de ressuscitado, hoje em dia não se podem dissociar. É a nossa singularidade na singularidade de Jesus transformado em Cristo recapitulado, como se 24
  25. 25. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP diz teologicamente. É esta dimensão que nos falta entender para vivermos a nossa fé de forma esclarecida e equilibrada. Só foi possível haver ressurreição porque houve cruz. Às vezes, nós temos uma fé cega porque queremos um Cristo sem cruz. Temos um conjunto de propostas que nos ajudam a crescer na fé, propostas que Jesus nos fez no Evangelho e a que a Igreja dá seguimento através de aplicações práticas à nossa vida, que são exigentes. A nossa vida de fé é exigente, nós só queremos um Cristo ressuscitado e esquecemos que para haver ressurreição é preciso haver cruz, Jesus precisou de morrer para ressuscitar, quando só queremos as coisas menos exigentes que o Evangelho nos propõe e a Igreja vai aplicando à nossa vida, quando queremos tudo? Quando temos capacidade de ser gente capaz de integrar na cruz a ressurreição? EX: amor conjugal Finalmente encontrei a pessoa que sou capaz e desejo fazer feliz (e não a pessoa capaz de me fazer feliz), este amor não acaba porque o assento tónico está em nós. Se tenho a capacidade de fazer o outro feliz, de quotidianamente me esforçar, o amor não acaba porque a responsabilidade está em cada um que tem o objetivo de fazer o outro feliz diariamente, aqui é que reside o segredo, João tem de amar a sua Maria com os defeitos que tem também, amar os defeitos do outro é que é difícil e é este amor quotidiano que é preciso renovar continuamente um pelo outro, que implica e dá origem ao sucesso da relação, é a cruz, esforço constante. O que é importante é perceber a dimensão da cruz para nos levar à ressurreição, não conseguimos sempre porque não somos anjos, para isso existe a conversão do coração, o pedir perdão, o aceitar o perdão. Tão importante como pedir o perdão é aceitar o perdão. O João foi humano e não resistiu à Joana, pediu perdão, reconheceu o erro, a sua humanidade cedeu, e a Maria aceitou o perdão. Como é difícil a vivência da nossa fé mas ao mesmo tempo é bonita porque nos dá felicidade, o que está em causa é a felicidade. Se descobrirmos Cristo é importante e é quase impossível desprendermo-nos dele. Só que tem uma abordagem epidérmica de Cristo é que o abandona, porque quem conhece Jesus Cristo, quem se apaixona pela pessoa de Jesus Cristo, o conhece, vê a profundidade da sua proposta de felicidade que nos faz, é impossível deixá-lo para trás, podemos andar mais para trás, para o lado, mas não o largamos porque ele não nos 25
  26. 26. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP deixa ser infelizes, é tão exigente e chato mas ama-nos e o amor dele supera todas as dificuldades porque nos faz felizes. A experiência religiosa, a experiência de Deus, integra hierarquicamente os aspetos mais importantes da nossa pessoa humana: a sua componente intelectual, volitiva (seu querer), afetiva, ativa, comunitária e depois transcende a própria pessoa. A nossa componente afetiva é a que nos dá mais problemas. Eu só faço uma experiência equilibrada de Deus se a minha componente afetiva for também equilibrada como pessoa. A dimensão afetiva é importantíssima, aqui entram os cinco sentidos. Ex: sentirmo-nos bem naquele espaço, com aquele cheiro. A importância dos nossos cinco sentidos na nossa pessoa, na nossa relação com o transcendente. A nossa relação com Deus está marcada e é influenciada determinantemente pelos nossos sentidos todos. Esta dimensão é muito importante. A experiência é este mistério que transcende o homem e nos leva a tocar o transcendente que vem ao nosso encontro e a nossa fé simplesmente acolheu, eu experimento, faço a experiência ativa da presença de Deus através da sua eficácia em mim. Deus produz em mim um efeito e toda a experiência religiosa é uma experiência mediatizada através de símbolos, que são os sacramentos e há os símbolos que sem serem sacramentos mediatizam a experiência de Deus em nós, isto é, não vou diretamente, Deus não vai diretamente falar-me. As pessoas que dizem ter visões, são alienadas muitos deles, não têm integrada a sua própria pessoa em todas as suas dimensões. A experiência religiosa é sempre mediada e compete-nos a nós fazer o discernimento das mediações. Só os místicos têm a graça de ter uma experiência direta com o Senhor. Deus não é uma experiência que se faça face a face, como fez Moisés, mas é uma experiência por meio de sinais. A experiência religiosa é exatamente a consciência desta relação que se estabelece entre Deus e o homem, em pensamentos e atitudes, em sentimentos, e tudo isto são mediações que nos levam a fazer a experiência de Deus. 26
  27. 27. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP Deus vem entendido como uma espécie de raio de luz que nos remete para a fonte, voltamos sempre à fonte que é ele, é ele que nos criou, é ele que nos ama. Neste sentido a experiência que fazemos de Deus supera a própria experiência de o alcançarmos porque nos damos conta que é uma realidade desconcertante, sempre nova, Ele vai sempre mais além do que aquilo que estamos a querer viver, porque Deus, numa palavra, é sempre O totalmente outro, totalmente e outro, porque ele se nos dá sempre todo e nunca às prestações, é sempre novo, por isso é que é uma experiência de Deus em nós. RESUMINDO As propriedades essenciais da Experiência Religiosa:  a passividade e a atividade;  o ato de liberdade pessoal; a experiência religiosa só o é verdadeiramente quando é feita através de um ato de liberdade e estabelecer a relação de carater afetivo com um sujeito. A liberdade mais afeto que pomos na nossa relação com Deus.  a componente comunitária; de pertença a uma grande família (Igreja, Eclesia, Paróquia). A fé para ser vivida tem que ser em comunidade, quando somos Igreja, quando somos irmãos. Dinamismo de reciprocidade do amor: Em Cristo, com Cristo e por Cristo. Para pensar em mim em primeiro lugar tenho de pensar no outro.  o dinamismo interior da própria experiência; a experiência religiosa é dinâmica por natureza, é um ato de busca, um dom de Deus, Deus oferece-Se-nos, só temos de o acolher.  A experiência religiosa é pré-condicionada, da interação de vários movimentos. As condicionantes como a afetividade, a cultura (uma coisa é eu viver a fé aqui outra é vive-la em África, mas é o mesmo Deus), a cultura específica, a microcultura, como nós vivemos diferentemente a fé.  A singularidade (experiências religiosas singulares).  Integra hierarquicamente os aspetos mais importantes da pessoa: componente intelectual; volitiva (o nosso querer); afetiva (os cinco sentidos, ex: Maria Madalena conheceu Cristo pela voz), ativa, comunitária, transcende a própria 27
  28. 28. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP pessoa.  Toda a experiência religiosa é mediatizada através de símbolos – os Sacramentos. 28
  29. 29. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE Aula 5 IDEP 13/04/2013 Vamos falar sobre a experiência religiosa na Sagrada Escritura e depois falaremos sobre os preâmbulos da existência da experiência de Deus e, por último, breve conclusão, síntese de tudo o que tratamos: como experimentar Deus hoje nas nossas vidas e concluiremos a 1ª parte da matéria. Experiência religiosa na Bíblia Tudo o que vai ser falado resume-se a: Deus que toma conta do homem, não é o homem que procura Deus, mas é Deus que toma conta do homem e o homem vai-se dando conta que Deus toma conta dele e depois acolhe-o, procurando-o, muitas vezes, outras vezes nem se dá conta que Deus está a tomar conta dele e quando descobre é uma maravilha. Vamos ver como isto sempre aconteceu desde o princípio na Sagrada Escritura. Mesmo quando a Sagrada Escritura se tratou de plasmar através do hagiógrafo - que é aquele que escreve a palavra de Deus inspirado – etiologias – que são histórias narrativas construídas pelo homem para transmitir uma mensagem de Deus. O que temos na Sagrada Escritura de histórico é, basicamente, o que começa com a história dos patriarcas de Abraão para a frente, mas tudo o resto é construído a partir da forte experiência do Êxodo, a 1ª grande experiência do povo de Deus como povo de Deus. E a partir desta grande experiência de libertação que sentiram na pele resolveram escrever tudo o que estava para trás atribuindo-o a esse Deus que experimentaram na pele, toda a criação. A experiência religiosa na Bíblia não é tanto uma experiência do povo sobre Deus mas sobretudo uma experiência de Deus, é diferente. É uma experiência de Deus, que o povo faz de Deus, plasmada numa história concreta de um povo que é o eleito de Israel. De facto, no princípio existe uma experiência criadora de Deus que passa pela busca da experiência do homem, a autorrevelação de Deus está sempre presente. Êxodo 22 (facultativo: ler para TPC) “Eu sou o teu Deus” Carta de João 8,58 “Antes que Abraão fosse Eu sou” Leitura espiritual da palavra de Deus “Eu sou”. Como é que Deus se revela a Moisés quando este lhe pergunta que devo dizer “Quem és?”, resposta: “Eu sou Aquele que sou”. Está aqui plasmada a omnipotência de Deus projetada no horizonte de eternidade 29
  30. 30. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP que mais tarde Jesus Cristo a plenitude nos veio revelar, ou seja, o nosso Deus não era nem será é e é este conceito de eternidade que é presença permanente, quotidiana, na vida do homem, que nós temos de assumir, porque se não partirmos daqui tudo o resto fica sem conteúdo, fica vazio. Então, o nosso Deus é e porque é é eterno e este conceito de eternidade vai para além do conceito cronológico, não se confunde nem se identifica com espaço e com tempo mas sim com plenitude. O nosso Deus é, não foi nem será, e é porque é foi e será. O nosso Deus é e ele revela-se assim “Eu sou porque Eu sou”. Tudo isto é a base da experiência religiosa na Bíblia a partir da qual vamos trabalhar. Papa João XXIII e Papa João Paulo I “Deus na sua materna misericórdia toma conta do homem” (também é mãe) Cf Isaías 49, 14, 16 É sempre necessário recordar que antes que o homem busque Deus para o encontrar é Deus que em 1º lugar toma conta do homem, desde a experiência que já falamos (pai pródigo) o texto sagrado continuamente emerge o primado desta autorrevelação divina, desta busca humana, e então daqui inferimos que a graça de Deus é uma iniciativa de Deus e não do homem. O que é então viver na graça? É vivermos em plena comunhão com Deus, ou seja, correspondermos à iniciativa de Deus em nosso favor, quando nós não estamos em comunhão com ele estamos em pecado, que é o dizer não a Deus, ao seu plano de felicidade, à sua iniciativa de nos tornar felizes. Então, quando não estamos na graça de Deus, somos uns desgraçados, não correspondemos à iniciativa de Deus, ao seu plano para sermos felizes, posso dizer não e quando digo não estou a dizer não à felicidade que Deus me propõe, estou a fazer rutura com ele, dizer não à graça. Então, antes ainda que o homem procure Deus já Deus está à porta do seu coração para poder entrar. Apocalipse 3, 20 “Eis que Eu estou à porta e bato, se algum de vós escuta a minha voz e me abre a porta Eu virei a ele, cearei com ele e ele comigo”. A imagem da ceia, da comida, Deus dá-se-nos como alimento, fica connosco. Ganha 30
  31. 31. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP tudo sentido, filho pródigo, última ceia, discípulos de Emaús. Cordeiro, entrar, bater à porta, ficar, estar, ser “Sou aquele que sou”, tudo ganha sentido. Ajuda a compreender tudo este conjunto de relações que estão entrelaçadas: espiritualidade tem a ver com todos estes fatores que devidamente integrados, que é a palavra chave, nos dão uma ideia lógica, nos remete tanto quanto possível para a eternidade. João Batista “Eis o cordeiro de Deus”  Em hebraico cordeiro significa cordeiro que vai para o matadouro sem berrar;  Filho “Eis o filho de Deus” na autorrevelação que nos é dada a plenitude que se faz humanidade;  Servo “Eis o servo de Deus”, serviço;  Pão “Eis o pão de Deus”, é aquele que é o alimento que nos fortalece para a vida, que não é o alimento biológico mas que é a plenitude. Outra experiência: a de Paulo, foi conquistado por Deus, era um doutor da lei, sabia a lei e foi conquistado por Deus, só uma experiência muito forte de Deus o levaria a deixar a lei e entender a lei como lei nova, e lei do amor. Este que era um doutor da lei teve necessidade de refazer todos os seus esquemas mentais e retirou-se 3 anos para a Arábia para fazer retiro e só depois se julgou capaz de anunciar aquele Cristo do qual tinha feito uma experiência forte. Foi conquistado por Jesus Cristo, a diferença entre Jesus e Cristo, este homem nunca conheceu Jesus, foi conquistado por Cristo, fez uma experiência fortíssima de Cristo. Filipenses 3, 12 “Quando estava longe de Jesus Cristo ele confirmou a verdade que é Jesus Cristo” A intervenção de Deus na história do homem nasce por isso desta experiência religiosa que nos é transportada, vivida através da Sagrada Escritura e que põe sempre em relevo o predomínio da iniciativa de Deus, o que em linguagem teológica se chama autorrevelação. Sobre a nossa busca do transcendente, do totalmente outro, desse mistério, que não é algo do qual não se sabe nada mas do qual se sabe alguma coisa mas nunca se saberá tudo e nos impele numa busca permanente e a este processo de busca permanente chamamos processo de santificação, de aproximação a Deus que é a santidade. Então, percebemos que nós somos tomados por Deus. Marcos 4, 26, 29 31
  32. 32. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP É uma espécie de semente pequenina que Deus lança na terra que é o nosso coração, como qualquer agricultor vai cuidando para que se desenvolva, cresça e produza abundância. A 1ª epifania de Deus. A epifania é uma manifestação. A 1ª manifestação de Deus revela como único protagonista de toda a criação o próprio Deus na história do homem e assinala-o com um gesto concreto, o filho de Jesus Cristo. Daqui que o 1º credo de Israel será a confissão do omnipotente Javé que libertou o seu povo da escravidão do Egipto e que mais tarde tudo vai concorrer para Jesus Cristo. Se nós pegarmos em todas as pontas, desde o Êxodo à Anunciação de Maria, veremos que tudo concorre para aí e aos poucos vamos descobrindo esta iniciativa de Deus junto do homem, para o levar ao homem com H maiúsculo, que é o filho do homem Jesus Cristo, veio daqui, nasce. Cf. Êxodo 22 História da libertação, a profissão de fé por parte de Israel. Vai articular-se sobre 3 atos salvíficos de Yavé:  A vocação dos patriarcas desde Abraão;  A libertação do Êxodo;  O dom da terra prometida. É interessantíssimo vermos a partir daqui a graça de Deus e a nossa debilidade. Ex: depois cada um fará os seus confrontos interiores para crescer na fé e ajuda a entender esta matéria. A quem é que Deus confiou a libertação do povo? Moisés. Quem introduziu o povo na terra prometida? Josué. Moisés não porque duvidou, bateu na rocha 2 vezes e não uma vez como Deus lhe tinha dito. Conceitos  Dúvida – é o que nós temos permanentemente, o nosso pecado, a nossa desgraça, o nosso afastamento de deus. Moisés esteve próximo de Deus, aquele a quem foi pedido que descalçasse as sandálias porque o terreno que pisava era sagrado.  Deserto.  Rocha – sobre quem é que Jesus fundou a sua Igreja, Pedro, rocha, firmeza de alma.  Água – vida, fonte da vida, graça, Deus quis dar a vida em abundância. 32
  33. 33. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP ***** Os 3 atos referidos anteriormente: Dt 26, 5-9 Gn 24, 1-13 Deus como nos criou seres livres respeita a nossa liberdade. Quando fizermos aquilo para que Deus nos destinou consideramo-nos seres inúteis porque não fazemos mais do que aquilo a que estamos obrigados. Este acreditar do povo de Israel, este credo, é cantado no Salmo 136 (ler). Artífice Kerigma – o anúncio cristão, não faz mais do que proclamar esta epifania que é Cristo. Cristo é a grande epifania de Deus na História do Homem. S. Marcos abre o seu Evangelho Mc 1, 1, 15 Lc 11, 20 “O reino de Deus está próximo e presente no coração de cada homem”. Proximidade de Deus Fé já anunciada e começada a viver 1 Cor 15, 3-5 Salienta-se a dimensão histórica da morte de Cristo, para a escatologia da ressurreição. Escatologia – dimensão outra em que todos sabemos tudo em Cristo. Também S. Pedro – no anúncio que faz volta-se para a mesma realidade noutro contexto, os pagãos. O que Jesus curava em cada coração é através do espírito ressuscitado. A experiência religiosa na Bíblia é uma grande epifania, na história humana. O Deus da história do homem revelasse-nos através dos factos mais simples da nossa existência e temos de pedir a Deus Ex: Deus caminha com os discípulos de Emaús que não o reconheceram, às vezes é a palavra de um amigo, é ele a revelar-se-nos, ele manifesta-se-nos multiplicado e nós andamos distraídos. Quando estamos sem pecado estamos ligados a ele em graça. 33
  34. 34. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP Deus revela-se-nos todo, a todos e totalmente. É este evento, esta busca Traduz-se na busca/encontro com Deus, nesta consciência de que a palavra se fez carne A meta última desta comunhão Esta comunhão entre o homem e Deus que dá sentido ao nosso sentir, à nossa caridade. Esta caridade se não tiver esta ligação a Deus é existencialismo. Fé sem obras é morte. Arder o coração – presença efetiva de Deus no nosso coração. Madre Teresa: nunca saíam para os pobres, caridade, sem estarem primeiro duas horas perante o Santíssimo. Preâmbulos existenciais da existência de Deus “Escuta Israel” Nós somos os da palavra … adaptada a cada necessidade de escutar Deus que nos fala. Precisamos de entender Deus como um mistério que entra no nosso coração. Este mundo, Deus é superior a nós próprios que estamos na presença de Deus e temos de ter a generosidade de nos colocarmos á disposição de Deus Rm 10, 8 Actos dos Apóstolos ??? Não se revela aos homens em alguns olhares. Deus não se manifesta no:  Olhar disperso, distraído, na pessoa perdida, esquecida de si mesma.  Olhar anónimo, o homem massificado.  Olhara superficial, capaz de não perceber a presença de Deus. Aqueles que se contentam com o pouco das coisas e não o todo.  Olhar interessado.  Olhar dominador, manipulador, que faz e desfaz, no olhar que explora. O encontro de Deus supõe uma existência que caminha para o íntimo da pessoa. Da multiplicidade à unificação só assim entenderemos Deus, quando temos um olhar anónimo não chegamos lá. 34
  35. 35. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP O Senhor individualiza a sua presença, Deus revela-se aos homens. Exige-se que estamos predispostos a entendermo-nos como indivíduo e não como massa. Os homens contentam-se com o pouco das coisas, movidos só pela utilidade que desfruta simplesmente. S. João da Cruz … o como para chegar á contemplação … a sua pobreza, o seu desprendimento … … que explora … Deus não se nos revela, não fazemos a experiência de Deus aí A Experiência religiosa é feita no interior, que se enriquece, que é plenitude COMO EXPERIMENTAR DEUS HOJE, FAZER ESTA EXPERIÊNCIA DE DEUS? Buscarmos caminho da procura a felicidade, o amor, a plenitude de não finito, até encontrar o infinito que é Deus alcança completamente o infinito e quando o julgamos atingido fica infinito busca permanente, insaciável encontramos Deus quando nos encontramos a nós próprios o encontro consigo próprio, Deus está perto de nós … a experiência de alteridade, do outro …descobrir Deus nos outros, Deus está no outro mesmo desfigurado … É difícil entender mas ele é amor e o amor é vida a experiência do universo, dimensão cosmológica universal. o homem encontra no meio do universo sentimo-nos fascinados S. Tomás de Loyola dimensão … Deus também se nos manifesta na experiência reveladora da palavra Deus está presente na sua palavra, Sagrada Escritura, e nos Sacramentos e experimentamos Deus no serviço e depois de o encontrarmos somos servos experiência de encontro de Deus hoje experiência de ausência de Deus Sta Teresa 35
  36. 36. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP “o deserto”, “a noite escura” Vimos a espiritualidade em termos gerais. Agora, qual a especificidade da espiritualidade católica? refere-se a Jesus o crente cristão quando se dá conta da sua fé sabe Deus 36
  37. 37. IDEP INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE Aula 6 27/04/2013 Falamos da especificidade da experiência cristã, religiosa, da espiritualidade. Alguns dos termos que nos ajudam a compreender a experiência religiosa que fazemos, um dos quais é: O TEMOR DE DEUS Não é ter medo de Deus. Vamos ver como se realiza, como se concretiza, qual a sua base e conteúdo. A especificidade desta nossa experiência, tudo se resume e vai dar ao mesmo, a ideia é sempre a mesma: é Deus que vai ao encontro do homem, é o amor de Deus pelo homem que realiza tudo isto e depois cada um de nós, seres únicos e irrepetíveis realizam essa experiência, esse encontro de Deus à sua maneira e é este à sua maneira que nós temos estado a tentar balizar para não sairmos do caminho, meta que nos conduz a Deus. E Deus é mistério, constante e permanente revelação que se nos dá continuamente sem medida, e vamos descobrindo pouco a pouco e, às vezes, com muita dificuldade. Às vezes, temos tanta preocupação em buscar Deus que nos esqueçamos da nossa humanidade e é esta que falha. E porque falha não o encontramos mas ele está lá e nós temos dificuldade nisto, mas os místicos também (apesar de ter feito uma experiência de Deus mais forte) duvidaram “ausência de Deus”, “a noite escura” Sta Teresa. São experiências que nos devem levar a repensar a nossa humanidade, Deus vem de facto ao nosso encontro, nós precisamos é de identifica-lo, reconhece-lo. Antes de mais, é preciso sublinhar a fundamental referência a Jesus de Nazaré enquanto que estruturalmente acontece um acontecimento decisivo da revelação. É a verdade que se converte depois em normatividade. Toda esta verdade absoluta que é Deus, temos necessidade de converte-la em normas, algumas regras. E quando as convertemos em muitas regras e depois nos deixamos escravizar por elas é que estragamos tudo. O direito canónico é uma necessidade mas quando nós não entendemos o direito como uma ajuda, como algo que é pastoral, e nos deixamos escravizar por ele estraga tudo. O direito é importantíssimo mas para não banalizar. Mas, temos de espiritualizar o direito, pastoralizar o direito. Entender o direito desta forma, não como algo que escraviza mas como algo que nos liberta. 37
  38. 38. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP Ideia da ECLESIA SUPRA: a Igreja é maior que o nosso pecado, que o nosso coração, supre. EX: história dos casais que se recasaram. À base do direito canónico estão proibidos de participar plenamente na vida da Igreja mas, em termos de vida espiritual, podem estar muito ligados a Deus e estão proibidos por uma norma de participar plenamente. Têm uma ligação a Deus baseada na verdade, o direito é importante mas para balizar, temos de o espiritualizar e pastorizar, ver a lei como algo que nos liberta. EX: Casal com 2 filhos na plenitude da vida conjugal decidiu que não pode ter mais filhos e usa anticoncepcionais. Se são cristãos entram num dilema interior, a Igreja não autoriza mas a vinda de outro filho vai pôr em causa um bem maior, a estabilidade matrimonial. Devem ir ter com o director espiritual, cada caso é um caso, a Igreja é pela vida e não pode aconselhar algo que limita a vida, mas está em causa um bem maior. A Igreja ama a pessoa, Deus liberta, não escraviza. Critica-se a Igreja injustamente, pode ser contra por uma questão de princípio, mas aceitar, a Igreja ama a pessoa. Temos uma visão redutora da instituição. Partiu da normatividade e se a norma é radical impede que a nossa experiência de Deus seja feita naturalmente. Então, Jesus de Nazaré é imprescindível e intranscendível nesta comunhão com Deus, é por Jesus com o Espírito Santo que entendemos a experiência que fazemos de Deus. Jesus diz “Eu e o meu Pai somos um só” com o Espírito Santo como é óbvio. Nós só podemos fazer uma experiência de Deus completo se entendermos que ele se identifica completamente com o Pai pela força do Espírito Santo. EX: Acidente Homem sem fé – ajuda por filantropia e altruísmo Homem com fé – faz a mesma coisa mas vê no outro um irmão, a garantia de estar a ver Cristo que veio para o salvar e o prolongamento desta ação na eternidade. Temos de nos deixar formar (tomar a forma) por este Cristo que é com o Pai um só pela força do Espírito. Esta referência ao outro trinitário é uma referência funcional, através da palavra da Sagrada Escritura que lemos, através dos Sacramentos que celebramos. Os Sacramentos são algo muito importante, são um sinal concreto da presença de 38
  39. 39. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP Deus. A Igreja teve ao longo dos séculos múltiplas formas de divulgar e viver os sacramentos. Na idade média eram milhares: beijar a mão do bispo, água benta. Houve necessidade de não banalizar o sacramento como um ato concreto, específico, mas um sinal de amor de Deus por nós. Hoje são 7 – para simbolicamente referir a plenitude da vida desde o nascimento até à morte natural. 7 é um número simbólico, significa a plenitude, é a junção do 4 e 3.  4 significa a universalidade presente nos pontos cardeais, nada fica de fora disto, do universo todo;  3 porque entendemos pela nossa fé que a experiência de Deus que nós fazemos é trinitária, nada é mais perfeito do que Deus. Logo, a universalidade (4) mais a perfeição (3) dá a plenitude. 7 sacramentos através do quais Deus se manifesta por forma efetiva e particular na vida de cada um, por isso é fundamental nós termos esta referência bíblica e sacramental para termos uma referência orgânica fundamental da presença de Deus nas nossas vidas, porque tudo isto são mediações, Deus não se nos revela directamente, só os místicos, nós só temos mediações. Existe ainda uma outra dimensão na nossa experiência religiosa, espiritualidade a ter em conta: DIMENSÃO ECLESIAL Sermos Igreja. Ninguém consegue viver a fé em plenitude sozinho. Os sociólogos dizem que ninguém consegue viver sozinho. Temos este sentido de Igreja. EX: um irmão nosso a sofrer na China é como se estivesse aqui porque é nossa família. Vivemos em Igreja. Esta dimensão eclesial não a podemos dispensar na nossa experiência religiosa. Às vezes não temos um entendimento correto da fé. Ex: “Eu cá tenho a minha fé”, isto não é a fé da Igreja, ter a fé da Igreja implica ter a fé naquilo que ela tem de mais gratificante e do que tem de mais exigente. Não queremos nem podemos ter só Cristo ressuscitado, para ressuscitar teve de passar pela Cruz. Ou seja, a nossa fé só é verdadeiramente fé se for a fé da Igreja. É uma hierarquia que é mistério de comunhão, vivida de forma hierárquica. Por isso se enquadram aqui os dogmas, se acreditares nisto 39
  40. 40. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP desta forma não corres o risco de pecares. Pecado – tudo aquilo que nos desvia da graça, nos torna infelizes, nos deixarmos vencer pela tentação, pelo mais fácil. Temos a fé da Igreja e não a nossa fé porque esta desvirtua. Igreja é também cruz. Nós temos de entender a vida da fé como uma vida da fé em Igreja, assumirmos os sofrimentos dos outros e alegrarmo-nos com as alegrias dos outros. Implica-nos na referência concreta a uma comunidade que nos ajude a viver. É importante termos estas três dimensões da experiência religiosa:  BÍBLICA  SACRAMENTAL  ECLESIAL (comunitária) Estes 3 estruturam hierarquicamente, ajudam-nos a encontrar caminhos concretos “Não vos deixarei órfãos” disse o Senhor. Ter sempre como referência Jesus Cristo. Âncora que nos segura mesmo quando nos sentimos a naufragar, é a comunidade que nos suporta, somos irmãos, é a vida em Igreja, este acontecimento Cristo que é palavra escrita traduzido em sacramento vivido em comunidade, é o lugar onde deve terminar a nossa experiência religiosa, é o lugar onde autenticamente a palavra se interpreta, onde o sacramento se recebe e sobretudo se vive. A figura do crente cristão tem, trás consigo, uma interioridade e uma profundidade que nos leva a estarmos unidos a Cristo e chamamos a isto COMUNHÃO (se estou sozinho unido não comungo) – que é estarmos unidos a Cristo, que é comunhão, que em si é família porque com o Pai, Filho e Espírito Santo (por isso não faz sentido não comungar, estou ali a presenciar outra comunhão da qual aquela é símbolo) e comunidade onde me insiro em intimidade com o Senhor. É esta ligação numa Igreja que leva a descobrir a transparência real deste mistério profundamente, Cristo ressuscitado, vivo. A experiência espiritual cristã parte da experiência pascal de Cristo, que acontece na existência concreta de cada vida de cada crente, isto implica viver pelo espírito desta vida, tomar consciência que a própria relação filial com Deus só existe se tiver mediação de Cristo porque senão não é a fé da Igreja. Significava viver espiritualmente no abandono do espírito de Cristo discernindo qual a experiência que progressivamente nos orienta mais para Ele, porque cada um de nós é um ser único e irrepetível. 40
  41. 41. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP O acontecimento Jesus Cristo é a realidade que o crente cristão faz ou é chamado a fazer, não simplesmente como informação. LÊR livro da sabedoria Deus é sabedoria, não é informação. Deus é sabedoria que se traduz na vida concreta de cada dia, que vive e procura viver segundo a referência fundamental ao Filho e no Filho que é Jesus Cristo, e esta experiência transporta-a para a vida de cada batizado, ressuscitado que é o centro da mensagem cristã. É este Deus que é revelado em Cristo que morreu e ressuscitou para salvar cada homem. Se nós só nos entendemos a viver a fé de uma forma eclesial, Jesus Cristo teria salvo a humanidade se cada um de nós fizesse sozinho parte da humanidade (porque não somos massa), fosse de facto humanidade, para Ele não somos massa, somos indivíduos com um nome concreto, com os nossos defeitos e virtudes, não nos criou anjos, e é assim que nos faz uma proposta de felicidade e salvação, ama cada homem como se existisse sozinho no mundo. Quando descobrimos este amor infinito somos levados a vive-lo e a transporta-lo para todos aqueles que envolvem e fazem parte da história das nossas vidas. O cristão na sua experiência cristã, fundada sobre a fé, toma consciência que na sua realidade imutável e finita existe, está uma semente eterna alimentada pela semente do divino que está em si – que é o BATISMO. Deus criou no nosso coração uma semente de eternidade que a nós compete fazer crescer e fortificar até à eternidade. É no fortificar e crescer que está a nossa ação, porque o mais difícil já foi feito por ele, já nos salvou. A nós compete não perder aquilo que Ele já nos ganhou. Mas, sendo fácil é difícil porque vivemos num mundo cheio de dificuldades, mas é possível porque Deus não nos pede nada que nós não possamos e, mais, não permite que sejamos tentados acima das nossas forças. É nesta experiência progressiva que o cristão tem e descobre o suporte da sua fé que é um dom de Deus. A fé é um dom de Deus. Podemos ter racionalmente fé e faltar descobrir Deus no nosso coração, nas nossas orações. A experiência cristã é a experiência do conhecimento e desta consciência efetiva da oferta que nos faz o Espírito Santo através de Cristo. Trata-se de um conhecimento experiencial da realidade divina que vai para além da consciência especulativa da verdade divina, ou seja, Deus é sempre muito mais do que aquilo que nós possamos imaginar, quando chegamos a determinado ponto, o nosso 41
  42. 42. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP objetivo, Deus transporta-se para outro ponto, é sempre mais, é sempre o totalmente outro e sempre outro, por isso é sempre mistério desconcertante nas nossas vidas. Conhecemo-lo mas temos a possibilidade de o conhecer sempre mais – a este processo progressivo chama-se CAMINHO DA SANTIDADE. Nunca chegaremos a ser santos? Sim, mas temos vários graus de santidade, fomos santificados com o batismo, a semente de Deus entrou no nosso coração, com fé vamos revelando, efetivando essa santidade, compete-nos a nós fazer esse esforço. A experiência do espírito é também uma experiência de fé. Todos os cristãos indistintamente são chamados a fazer esta experiência de Deus, esta experiência de fé que tende para a plenitude da vida cristã como antecipação da vida futura. É aquilo a que os teólogos chamam a tensão permanente entre o já e o ainda não. Nós tendemos para a santidade na expetativa da vida plena que nos está reservada, ainda não a vivemos mas podemos vive-la já ainda que imperfeita. E é este processo contínuo que nós temos de percorrer, esta tensão permanente entre o já e o ainda não. ESCATOLOGIA – CÉU e INFERNO Estas categorias não são lugares físicos, não vamos para o céu, vamos viver em céu. São categorias espirituais, nós vivemos já em céu se vivermos na graça de Deus e se continuarmos a viver a graça de Deus espiritualmente, então vivemos permanentemente em Deus e ganha forma e consistência o que rezamos “Em Cristo, por Cristo e com Cristo”. Então, é este estado de espírito que depois se eterniza na nossa singularidade a que chamamos alma que é viver em Deus, a que chamamos céu, em céu, não é no céu. Inferno é viver num estado de sofrimento tal que nos vem da ausência de Deus. Se Deus é a felicidade plena, a ausência da felicidade plena é a infelicidade plena. Não há dor maior que ser infeliz, isso é infelicidade, viver em infelicidade é viver fora de Deus, ausentes de Deus. Conetou-se o inferno com a imagem das chamas por causa da lixeira de Jerusalém – hades – onde se queimava continuamente o lixo, foi identificada biblicamente como o lugar da ausência de Deus. Deus sabe bem o que faz senão não era Deus. 42
  43. 43. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP Inferno – infelicidade plena, ausência de Deus, é a desgraça, é o contrário da felicidade plena, não é um lugar físico, é um estado de espírito. Quando deixarmos de existir como existimos agora, quando ressuscitarmos em Cristo teremos um corpo glorioso como o do Senhor onde vamos estar com a nossa singularidade, somos únicos, o corpo é carcaça. É viver sem Deus no coração. Os 3 pastorinhos: como crianças que eram foram transportadas para um imaginário físico que lhes permitiu entender ao nível do seu conhecimento o que é o sofrimento da ausência de Deus. Segundo os teólogos, temos a obrigação de transportar para a realidade da vida em Igreja – Purgatório – é possível por isso acontecer pela força da nossa oração aplicado por aqueles que estão noutra dimensão em purgatório (a fazer esta experiência de proximidade com Deus) e da vontade de Deus. Purgatório é um estado de espírito em que nós nos purificamos espiritualmente para atingir a felicidade. Mas, é um estado de espírito, por isso celebramos pelos defuntos, porque somos Igreja e eles são Igreja connosco, são Igreja purgante (junta à Igreja triunfante e Igreja peregrina) e a comunhão dos santos e a nossa caridade. Aplico-a por alguém que está lá e o Senhor aproveita o meu gesto de acordo com o seu beneplácito, só o Senhor sabe como, mas eu é que não posso dispensar-me de o lembrar. A experiência religiosa, experiência cristã coloca-se a partir da origem sobre um plano de conhecer por amor e, enquanto tal, esta experimentação com base no que os teólogos chamam a tensão entre o já e ainda não. Quando a Sagrada Escritura fala de experiência religiosa indica um conhecimento vivido, ou seja, concreto, unido à vida de amor que é o substrato de toda a vida mística, esta vida mística sendo inata ao homem é uma consciência natural de Deus transcendente que supera a ordem de pensar. Deus é sempre mais. Quem é Deus para ti? É o totalmente outro, é aquele que eu persigo completamente todos os dias mas que nunca atingirei porque Ele se me revela sempre diferente (esta resposta valia 20 valores). É esta experiência vivida que eu persigo mas que tenho consciência que nunca atingirei na sua plenitude, ninguém, é inato a nós mas está sempre para além de nós e é por este motivo que S. Paulo fala de um conhecimento de amor. Ele amou Cristo que nos passa 43
  44. 44. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP pela consciência, pelo conhecimento, em plenitude. S. João da Cruz – experiência traduzida em palavras – “Conhece-se por amor no qual as coisas não se conhecem mas se saboreiam porque não as conseguimos atingir pelo intelecto.” Só um místico pode dizer isto. Deus é de tal foram inatingível que só o vamos saboreando aos poucos nas pequenas coisas do dia a dia e é por isso que Ele é fantástico. Expressão que nos ensina a perceber um pouco mais este Deus, esta experiência religiosa: TEMOR DE DEUS O que é? Não é ter medo de Deus. Tem a ver com amor. É amarmos Deus de uma forma referencial, é não o tratarmos por Tu, ou seja, não nos familiarizarmos tanto com Ele que o banalizamos. É termos a preocupação de não banalizar Deus, de não julgarmos por nos relacionarmos com Ele de uma forma tão intensa e intima que o podemos banalizar. É entende-Lo como superior a nós, é o amor referencial, não sermos capazes de o banalizar. Diz o povo “ás vezes tratamos os santos pelo nome”. Há coisas pequenas que são o reflexo da falta de tacto, de capacidade de lidar com o transcendente. Ex: benzer com a mão esquerda. Devemos aprender a tratar Deus como deve ser tratado. Se entendermos o conceito as nossas atitudes são em consonância com tal. 44
  45. 45. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE Aula 7 IDEP 04/05/2013 Vamos falar de 3 conceitos / temas / palavras que têm de estar sempre presentes quando abordamos a experiência espiritual:  O temor de Deus;  A santidade (falar de espiritualidade sem termos como objetivo o principal não tem interesse);  A ascese – é aquele caminho de esforço que nos conduz à perfeição. O TEMOR DE DEUS Não é mais do que uma relação de respeito para com o nosso Deus, não é medo. Temos sempre de partir da palavra de Deus, da escritura, porque toda a nossa experiência religiosa cristã se baseia na Sagrada Escritura. Desde sempre há uma relação muito estreita, quando se fala de temor a Deus, entre o Deus entendido como um ser terrível e um Ser que nos fascina. O terror e o amor andam muito ligados. A relação é tão estreita que muitas vezes se confunde e se passa rapidamente da imagem de Deus terrível, ao qual não se pode chegar, distante, para o Deus próximo, que nos fascina, que é admirável porque é amor. Palavra para refletir este fascínio de Deus: Estupor – é uma admiração, baralha-nos os esquemas mentais, ficamos estupefactos, é um fascínio. Partamos, então, deste conceito e vamos desventrando o seu conteúdo. A experiência fundamental bíblica que invoca e que é invocada, nesta área da espiritualidade, como temor de Deus: É um processo, é sempre um processo, na espiritualidade tudo implica um processo, nunca é algo completamente acabado. É um processo e processo dinâmico, é uma caminhada que vamos fazer. Aliás, temos sempre de partir deste pressuposto, nós cristãos, a nossa cidadania é uma cidadania celeste. Nós não somos deste mundo (?), nós não nos pertencemos, nós andamos aqui emprestados uns aos outros pelo tempo que Deus quer e o tempo nós identificamo-lo como cronológico mas para Deus não é cronológico. O tempo para 45
  46. 46. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP Deus é plenitude e por isso o nosso Deus é (não foi nem será). E é neste processo dinâmico que nós exercitamos a nossa cidadania celeste e exercitamo-la, ou seja, vivemo-lo já aqui, de uma forma limitada, por defeito (senão não teria sentido a eternidade entendida como plenitude, não tinha sentido vivermos em céu). O Céu não é um lugar físico mas um estado de espírito onde todos seremos tudo em Cristo. Então, o temor de Deus, entendido na área da espiritualidade, é um processo que começa com a experiência de que Deus é e permanece sempre um mistério terrificante, e vamos ver como Deus é e permanece sempre para o homem como um mistério. À partida Deus é sempre isto: é e é sempre um processo gradativo, progressivo, mas para o homem que é imanente é sempre terrificante e é mistério. Partindo da perspetiva humana esta experiência é assumida ao mesmo tempo por duas caraterísticas: a passividade e a atividade. É algo que nos coenvolve, é sempre uma relação a dois – Deus e o transcendente, imanente e transcendente, o homem e Deus, é um coenvolvimento que se converte, pela forma de ser dinâmica e de ser processo, de terrível em fascínio, em amor. Deus revelase ao homem, primeiro o homem tem medo d’Ele e quando o começa a descobrir entende-O como amor. Por isso, Deus não é aquele Ente que quer escravizar, que mete medo, é um Ente superior que ama e nos ensina a amar. O Temor de Deus toma forma, ganha forma e consistência numa vida reverente e é aperfeiçoado no amor, este sim amor reverente. Devemos ter o cuidado de não tratar “Deus por tu”, não banalizar os sacramentos. Não é pelo facto de nos familiarizarmos muito com Ele que devemos perder-Lhe o respeito. Pode-se converter numa dinâmica de amor, amor reverente e não terrífico. A relação face a face pode ser respeitosa. No Antigo Testamento, o termo Temor de Deus, foi muitas vezes entendido como terror e piedade, mas piedade não é o conceito correto de piedade, é o de pena. E Deus não nos amou por pena mas por caridade, é amor apelativo. É a forma mais perfeita de amar – é a caridade. Deus não criou o universo por pena, criou-o por caridade, por amor. Entendendo Temor de Deus de uma forma mais técnica: Mistério tremendo, ou seja, como aquele mistério que nos faz tremer, que é tremendo. 46
  47. 47. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP O homem experimenta espontaneamente o sentimento de uma presença que o transcende sempre e diante da qual aprofunda a sua pequenez. Vamos colocarmos á milhares de anos quando o homem começou a fazer esta experiência mais clarividente de Deus, não entendia determinados fenómenos. Deus como terrível está plasmado em alguns dos salmos. Então, quando se dá conta que este Deus é assim grande o homem dá-se ao mesmo tempo conta da sua pequenez e começamos a fazer comparação com Ele e ao compararmo-nos com Ele damos conta deste processo que é dinâmico, que vai evoluindo e chegamos a um ponto que é de união, ou seja, Deus cuja iniciativa parte sempre dele, a sua grandeza - a pequenez do homem. Um processo dinâmico de aproximação em que o pequeno vê o grande com medo mas pela aproximação que se faz, à medida que o pequeno se vai coenvolvendo neste dinamismo dá-se conta de que se junta e reconhece como amor e a experiência mais acabada disto é a encarnação. Ele não precisava nada de encarnar mas quis encarnar para assumir a nossa condição … em tudo igualdade exceto no pecado. Para elevar a nossa pequenez à sua grandeza e nos ensinar o caminho de humildade que passa, que se traduz por ir ao encontro, a grandeza vir ao encontro da pequenez, ou seja, Deus vir ao encontro do homem, a transcendência juntar-se com a imanência e levando a imanência à transcendência. Ascensão – é este mistério que celebramos, a nossa humanidade está presente na humanidade redentora de Cristo e a nossa humanidade porque se torna grande na humanidade de Cristo e a nossa pequenez se transforma em grandeza e a nossa imanência de alguma forma se torna transcendência e nós já nos encontramos sendo humanos divinos porque a nossa humanidade na humanidade de Cristo encontra-se já resgatada no Céu – ficamos divinizados. E este processo de divinização começou quando? no nosso batismo. Como é bonito e se enquadra neste processo dinâmico de entendermos Deus como um amor reverente, não temos de ter medo de Deus, temos de ter temor de Deus. Mistério tremendo O homem não só se dá conta da grandeza de Deus como aprofunda a sua pequenez. Como Deus aparece na sua santidade e grandeza Ele pede um profundo respeito. É natural que tendo diante de nós a Santidade a olhamos com profundo respeito. Diz o salmo “louvem o Seu nome grande e terrível porque Ele é Santo”. 47
  48. 48. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP A oração ganha uma nova forma se tivermos a aplicar o que aprendemos. Já não é o grande dos nossos esquemas mentais porque está filtrado por esta espiritualidade que estamos a aprender. Moisés cobriu a sua face quando Deus lhe apareceu “Eus sou o Deus de teus pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac, o Deus de Jacob”, cobriu o rosto porque tinha medo de olhar para Deus, é este medo que ele ainda não tinha entendido como amor, que progressivamente vai entender porque Deus está connosco. Os judeus têm uma coisa simbólica para entender esta dimensão desta forma. Kipá – dos judeus, usam-no por causa de serem fiéis a esta revelação de Deus a Moisés, tapam a cabeça diante de Deus. Solidéu do bispo – bispos quando vão falar com o Santo Papa tiram o solidéu porque fazem uma reverência, só a Deus, só diante de Deus. Entendendo-o, agora, sob a forma de espiritualidade cristã. Ao mesmo tempo e já mais tarde, quando Elias ouviu a voz do Senhor cobriu o rosto com um manto (1Reis). Não somente a aparição de Deus suscita um temoroso respeito mas também a sua ação na própria criação e na história. Cf Salmo 33 Depois com a libertação do povo da escravidão do Egipto, cf Ex 14 Deus que julga mas com amor expresso no Salmo 76. Tudo isto são experiências fortes de um Deus que é terrível neste sentido mas que o medo se transforma em amor à medida que Ele se vai revelando. Deus é verdadeiramente distinto do homem, aquele que se aproxima de Deus, aquele que responde à Sua Voz que o chama, a iniciativa parte sempre de Deus, parte de uma distância abissal, o homem sente que Deus ao princípio lhe é totalmente estranho, a sua voz não é compreensível, o homem experimenta a necessidade de se superar a si mesmo para dar um salto no vazio, para se lançar naquele fogo que queima mas que o purifica porque o queima. Só em último caso se dará conta que aquela Voz não era nem procedia de uma distância infinita mas de uma distância próxima que nasce da própria intimidade do homem consigo próprio, nós encontramos Deus quando nos encontramos a nós próprios, encontramos Deus dentro de nós, é uma proximidade tão intíma que se revela assim. Esta distância abissal no princípio converte-se no fim numa proximidade intíma porque dentro de nós. O medo e quase repulsa inicial corresponde à transcendência de Deus, à 48
  49. 49. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP distância infinita entre Deus e o homem e por isso é mistério profundo que se transforma depois em mistério de amor. Extingue-se esta aproximação feita pelo homem, é mais próximo, Deus está mais próximo de nós que nós mesmos, Deus criou-nos, quere-nos mais do que nós próprios e quando nós descobrimos que ele está mais próximo de nós que nós mesmos, Deus identifica-se completamente connosco, é o chamado (o que os padres da Igreja chamavam) “intimo meo Deus”, ou seja, Deus misturado com o próprio homem que ganha uma consistência diferente quando entendemos a eucaristia. Não há maior intimidade do que aquela, um Deus como o estamos a entender que se fez comida para nós o comermos, se mistura connosco que é transcendência, ou seja, imanência, que nos dê a força que vem do alto. Querem maior intimidade que esta, misturar-se connosco? É o grande amor de Deus quando Ele me toca, me faz sentir qualquer coisa, a sua presença trás uma paz interior que invade o meu coração, os místicos chamam de paz interior esta interioridade – é esta paz a Deus interior, íntimo, não há palavras que expliquem esta paz, é uma suavidade, uma doçura, que não tem comparação com qualquer coisa de semelhante no mundo. Trata-se de uma suavidade distinta daquilo que vem dos afetos humanos, é uma paz que o homem sonha e cujo sonho se torna realidade quando faz a experiência de Deus desta forma. É a plenitude, numa palavra, que invade o nosso coração, que nos invade a nós mesmos, que nos abre aos outros, e entendemos Deus presente no outro, tudo ganha sentido. “Tudo o que fizerdes ao mais pequenino é a Mim que o fazeis”. Quando nós entendemos Deus no outro é a tal dinâmica da simplicidade do amor de que já falamos – não fico prejudicado se me lembrar em primeiro lugar do outro porque o outro se tiver os mesmos sentimentos que eu há-de lembrar-se em primeiro lugar de mim. É nesta reciprocidade e nesta dinâmica do amor que nós fazemos a experiência deste Deus amor. Deus também na sua imanência se revela transcendente. O mesmo mistério é imanente e transcendente e ao mesmo tempo mistério tremendo e fascinando (o tal estupor). Em termos mais técnicos: A tradução do Temor de Deus. Deus entendeu-o também desta forma o nosso ser, a nossa singularidade (alma) diante deste Deus tremendo experimenta uma reacção paradoxal, é ao mesmo tempo fascinada, 49
  50. 50. INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE IDEP partida, e aterrorizada, cativada, amedrontada e confiante. Esta paradoxal estrutura é frequentemente descrita por alguns verbos: tremer, estar partido, estar aterrorizado e, ao mesmo tempo, amar, servir, seguir (que nos implica e compromete). O Temor de Deus é uma reverência completa que se traduz num amor respeitoso. Concluindo: O Temor de Deus abraça inteiramente o caminho espiritual do homem começando por afastar a pessoa do mal, depois conduz a pessoa à penitência, ao arrependimento verdadeiro, levando-a a observar os mandamentos e entendendo-os como algo que nos liberta e não que nos escraviza, abrindo assim uma perspetiva de um amor respeitoso, elevando a nossa alma até à sapiência mística, ou seja, a um entendimento perfeito de Deus. O Temor de Deus verdadeiro deve ser entendido assim e só faz sentido se nos levar a isto. QUE É SANTIDADE Sempre que se faz uma experiência de Deus não se pode falar em espiritualidade cristã sem falar em santidade, é para isto que cá andamos, é para ser santo. Todo o cristão comprometido, esclarecido, só tem um caminho e um objetivo: ser santo. E vamos ver que para entendermos este caminho de santidade, este conceito, temos de fazer comparações (como graça e desgraça, felicidade e infelicidade). Este tema tem em conta um elemento essencial, presente em todas as espiritualidades: todos querem ser santos à sua maneira (Ex. budistas), todas as religiões percorrem um caminho de perfeição. Devemos amar a Deus desta forma profunda mas devemos respeitar os outros que sendo fiéis aos seus princípios se salvam na mesma como nós (Leiam documentos do Vaticano II). Então, todas as religiões, todas as espiritualidades, compreendem este processo de santificação no qual predomina um aspeto mais ativo, muitas vezes, doutras vezes, um elemento mais passivo. Aqueles que interpretam a espiritualidade à luz desta dimensão essencial que é a santidade situam o fenómeno num campo específico de tensão – por um lado é o santo 50
  51. 51. IDEP INTRODUÇÃO À ESPIRITUALIDADE ou está o santo que é Deus, O totalmente outro, do outro lado o profano, que é o impuro, o não santo. Deus vem ao nosso encontro e quando nos demos conta tomamos consciência de que Ele vem ao nosso encontro e vamos ao encontro d’ Ele, e então nós os impuros ao aproximarmo-nos do puro vamos perder impureza. NÀ

×