ÁREAS            PROTEGIDAS  A actual legislação portuguesa respeitante a ÁreasProtegidas consagra cinco figuras classific...
CATEGORIAS        PARQUE NACIONAL        Área com ecossistemas pouco alterados pelo homem, amostras de regiões naturais   ...
PARQUE NATURAL DE MONTESINHO                 Área planáltica, sem cumes abruptos, cortada por                 vales fluvia...
PARQUE NATURAL DO ALVÃO                O Alvão, maciço essencialmente                granítico, culmina no Alto das       ...
PARQUE NATURAL DA SERRA DA ESTRELA               A Estrela apresenta-se como um               monolíto visivelmente destac...
PARQUE NATURAL DO TEJO INTERNACIONAL                O troço fronteiriço internacional                do rio Tejo, bem como...
PARQUE NATURAL DE SINTRA-CASCAIS                O maciço de Sintra contrasta com a                zona de colinas baixas q...
PARQUE NATURAL DO SW ALENTEJANO E COSTA               VICENTINA               Faixa litoral marginada por um planalto cost...
PARQUE NATURAL DA RIA FORMOSARia polvilhada de sapais, salinas, bancos devasa ou de areia, ilhotas, praias, dunas einúmero...
PARQUE NATURAL DAS DUNAS DE S. JACINTO               Outrora, locais como Ovar, Estarreja, Aveiro               ou Mira co...
PARQUE NATURAL DO PAUL DE ARZILA                Antes do seu encanamento artificial, o rio                Mondego apresent...
PARQUE NATURAL DO PAUL DE BOQUILOBO           Situado nas imediações da Golegã, a Quinta do           Paul do Boquilobo, f...
PARQUE NATURAL DO ESTUÁRIO DO SADO                 Formação estuarina de grandes                 dimensões com margens bai...
PARQUE NATURAL DO SAPAL DE CASTROMARIM – V.R.S.A.Desse belo mirante que é o castelo de Castro Marim,mandado erguer por Afo...
PAISAGEM PROTEGIDA DAS LAGOAS DE               BERTIANDOS E S. PEDRO DE ARCOS               A Paisagem Protegida das Lagoa...
PAISAGEM PROTEGIDA DA ALBUFEIRA DO AZIBO               Albufeira com evidente valor ambiental e paisagístico,             ...
PAISAGEM PROTEGIDA DA SERRA DE MONTEJUNTO               Erguendo-se abruptamente entre o litoral e o vale do Tejo, a Serra...
MONUMENTO NATURAL DAS PEGADAS DE DINOSSÁURIOS DEOURÉM/TORRES NOVAS                                      CARENQUE
LAGOSTEIROS
áReas protegidas
áReas protegidas
áReas protegidas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

áReas protegidas

2.167 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

áReas protegidas

  1. 1. ÁREAS PROTEGIDAS A actual legislação portuguesa respeitante a ÁreasProtegidas consagra cinco figuras classificatórias: » Parque Nacional, » Parque Natural, » Reserva Natural, » Monumento Natural e » Paisagem Protegida.
  2. 2. CATEGORIAS PARQUE NACIONAL Área com ecossistemas pouco alterados pelo homem, amostras de regiões naturais características, paisagens naturais ou humanizadas, locais geomorfológicos ou habitats de espécies com interesse ecológico, científico e educacional. PARQUE NATURAL Área que se caracteriza por conter paisagens naturais, seminaturais e humaniza-das, de interesse nacional, sendo exemplo de integração harmoniosa da actividade humana e da Natureza e que apresenta amostras de um bioma ou região natural. RESERVA NATURAL Área destinada à protecção de habitats da flora e fauna. PAISAGEM PROTEGIDA Área com paisagens naturais, seminaturais e humanizadas, de interesse regional ou local, resultantes da interacção harmoniosa do homem e da Natureza que evidencia grande valor estético ou natural. MONUMENTO NATURAL Ocorrência natural contendo um ou mais aspectos que, pela sua singularidade, raridade ou representatividade em termos ecológicos, estéticos, científicos e culturais exigem a sua conservação e a manutenção da sua integridade.
  3. 3. PARQUE NATURAL DE MONTESINHO Área planáltica, sem cumes abruptos, cortada por vales fluviais, por vezes profundos, que ajudam a distinguir a "serra" da "ribeira". Solos essencialmente xistosos aflorando o calcário em Cova da Lua e Dine. Manchas graníticas nas alturas da serra de Montesinho e em Pinheiros.PARQUE NATURAL DO LITORAL NORTEDo monte de São Lourenço domina-se a faixa costeiraentre a foz do Cávado e a Apúlia, um horizonte rasoonde, durante muito, as fainas do mar se confundiramcom o trabalhar da terra. Parte destes areais do litoralminhoto foram colonizados graças ao sargaço colhidono mar e empregue como fertilizante do solo.
  4. 4. PARQUE NATURAL DO ALVÃO O Alvão, maciço essencialmente granítico, culmina no Alto das Caravelas, ponto cimeiro da imponente escarpa rochosa que se precipita sobre os vales do Corgo e do Cabril.PARQUE NATURAL DO DOURO INTERNACIONALDe rio de águas violentas o Douro, graças àsbarragens, fez-se um vasto e tranquilo espelho deágua aprisionado entre muralhas a prumo sendonotório o contraste entre a estreita garganta por ondecorre e o ondulado das superfícies adjacentes.
  5. 5. PARQUE NATURAL DA SERRA DA ESTRELA A Estrela apresenta-se como um monolíto visivelmente destacado das terras mais baixas que a rodeiam. As suas vertentes caem abruptamente sobre a Cova da Beira e vale do Mondego.PARQUE NATURAL DAS SERRAS DE AIRE E CANDEEIROSA secura, acentuada pela ausênciade cursos de água superficiais, marcauma paisagem a que falhas,escarpas e afloramentos rochososconferem um traço vigoroso.
  6. 6. PARQUE NATURAL DO TEJO INTERNACIONAL O troço fronteiriço internacional do rio Tejo, bem como os vales e áreas aplanadas confinantes, é uma das zonas menos povoadas e menos frequentadas do continente português.PARQUE NATURAL DA SERRA DE S. MAMEDEA Serra de São Mamede é o mais importante dosrelevos alentejanos. Aos granitos, a geologiaacrescenta outras rochas que, ao longo do maciçoadquirem, por vezes, formas curiosas, caso dascristas quartzíticas, a sugerirem, o dorso de serespré-históricos.
  7. 7. PARQUE NATURAL DE SINTRA-CASCAIS O maciço de Sintra contrasta com a zona de colinas baixas que o rodeiam. Alongando-se no sentido leste-oeste a serra mergulha no mar de forma quase abrupta.PARQUE NATURAL DA ARRÁBIDAO maciço litoral da Arrábida estende-se do Outão aocabo Espichel. A costa é alta e alcantilada, caindoabrupta no oceano. Mais para o interior, a serra faz-sevale: Palmela, Picheleiro, Rasca... A pedra da Anixa,um despojo fendido a meio e ancorado na enseada doPortinho, testemunha um litoral desaparecido.
  8. 8. PARQUE NATURAL DO SW ALENTEJANO E COSTA VICENTINA Faixa litoral marginada por um planalto costeiro com falésias abruptas e muito recortadas que escondem pequenas praias de areia. Acrescentem-se troços de arriba baixa, cordões dunares, um infindável cortejo de ilhotas e recifes, a ilha do Pessegueiro, o estuário do Mira, o cabo Sardão, o promontório de Sagres... Os xistos de Arrifana e Odeceixe e os calcários de Sagres contrastam com sistemas dunares tão diversos quanto os de Milfontes ou do Sardão. Há um estranho recife de coral na Carrapateira.PARQUE NATURAL DO VALE DO GUADIANAEm torno do rio estende-se uma planície onduladapautada por uma ou outra elevação de diminutaaltitude, caso das serras de São Barão e deAlcaria, em que sobressaem os vales encaixadosdos seus afluentes, parte do ano pobres em água.
  9. 9. PARQUE NATURAL DA RIA FORMOSARia polvilhada de sapais, salinas, bancos devasa ou de areia, ilhotas, praias, dunas einúmeros canais e em que as ilhas barreirastraçam um estranho limite à uma extensa árealagunar. As penínsulas do Ancão e da MantaRota separam a Ria Formosa do mar.
  10. 10. PARQUE NATURAL DAS DUNAS DE S. JACINTO Outrora, locais como Ovar, Estarreja, Aveiro ou Mira confrontavam-se, directamente, com o oceano. Uma ampla baía antecedeu a laguna contemporânea que adquiriu a sua configuração actual a partir do século X.PARQUE NATURAL DA SERRA DA MALCATAParedes meias com Espanha, a Malcata é terra dehorizontes, suavemente, ondulados sem qualqueracidente evidente a quebrar-lhe a forma. Nasvertentes mais sombrias ou em depressões maisprofundas surgem bosquetes de carvalho e florescemgiestas, medronheiros e urzes.
  11. 11. PARQUE NATURAL DO PAUL DE ARZILA Antes do seu encanamento artificial, o rio Mondego apresentava um curso caprichoso espraiando-se através de um emaranhado de ramificações por toda a lezíria.PARQUE NATURAL DAS BERLENGASA ilha é um possante bloco granítico ancorado apoucas milhas da costa, a noroeste do CaboCarvoeiro. O tempo infligiu-lhe visível corrosão. Oscarreiros do Mosteiro e dos Cações estrangulam-nade forma evidente sugerindo a existência de duasilhas.
  12. 12. PARQUE NATURAL DO PAUL DE BOQUILOBO Situado nas imediações da Golegã, a Quinta do Paul do Boquilobo, foi pertença das Ordens do Templo e de Cristo, sendo doada pelo rei D. João I ao seu filho Henrique.PARQUE NATURAL DO ESTUÁRIO DO TEJO
  13. 13. PARQUE NATURAL DO ESTUÁRIO DO SADO Formação estuarina de grandes dimensões com margens baixas e alagadiças, comunica com o mar através de uma estreita garganta.PARQUE NATURAL DAS LAGOAS DE SANCHA E DA SANCHAAs lagoas costeiras de Santo André e da Sancha,ambas situadas no litoral alentejano, a norte de Sines,bem como a faixa marítima adjacente - zona desubstrato arenoso com uma largura de 1,5 km eabundante em anelídeos e bivalves que servem dealimento a várias espécies piscícolas - constituem umaReserva Natural criada no início deste século.
  14. 14. PARQUE NATURAL DO SAPAL DE CASTROMARIM – V.R.S.A.Desse belo mirante que é o castelo de Castro Marim,mandado erguer por Afonso III em 1242 e em torno doqual cresceu a vila, pode admirar-se o curiosoreticulado da paisagem, misto de estuário, sapais,corpos de água salobra, salinas, pastagens, charcos,esteios e extensões sem vegetação.
  15. 15. PAISAGEM PROTEGIDA DAS LAGOAS DE BERTIANDOS E S. PEDRO DE ARCOS A Paisagem Protegida das Lagoas de Bertiandos e S. Pedro d’Arcos desenvolve-se em torno de duas lagoas e das margens do rio Estorãos num espaço dividido em duas zonas: a zona das tapadas, onde se inserem as lagoas e o rio Estorãos com galerias de vegetação ripícola e a zona das veigas: a veiga de Bertiandos e a veiga de Sobreiro.PAISAGEM PROTEGIDA DE CORNO DO BICOEnquadrada por uma envolvente essencialmentemontanhosa esta Área Protegida integra ascabeceiras dos três principais cursos de água doAlto Minho - Labrujo, Coura e Vez - e possui umaextensa mancha florestal com predomínio docarvalho-alvarinho.
  16. 16. PAISAGEM PROTEGIDA DA ALBUFEIRA DO AZIBO Albufeira com evidente valor ambiental e paisagístico, marginada por formações de sobreiro e manchas de carvalho-negral e carvalho-cerquinho. Em termos de fauna regista-se a ocorrência do lagostim-do-rio. Interessante variedade avifaunística. Dominância da agricultura na envolvente da albufeira.PAISAGEM PROTEGIDA DA SERRA DO AÇORNo Açor, domínio do xisto, as dobras e fracturas originam umtipo de relevo característico, vigoroso mas de contornosarredondados, sulcado por vales com grandes quedas de nível, linhas de água encaixadas e onde por vezesse encontram curiosos acidentes geológicos, caso dasquedas de água da Fraga da Pena.
  17. 17. PAISAGEM PROTEGIDA DA SERRA DE MONTEJUNTO Erguendo-se abruptamente entre o litoral e o vale do Tejo, a Serra de Montejunto demarca-se da paisagem envolvente pela altitude e pelas suas características naturais. Numa região caracterizada por intensa actividade agrícola o Montejunto apresenta-se como um refúgio para muitas plantas - a serra alberga considerável diversidade florística tendo sido identificadas cerca de 400 espécies de plantas em que se incluem alguns endemismos das zonas calcárias - e animais. Destes últimos destacam-se as aves, aqui nidificando mais de 70 espécies, e os quirópteros, que aproveitam a existência de cavidades para aí hibernar e se reproduzir.PAISAGEM PROTEGIDA DA ARRIBA FÓSSIL DA COSTA DA CAPARICAA Costa da Caparica corresponde a uma extensa faixa arenosaassociada a um cordão dunar sendo acompanhada, emtoda a sua extensão, por uma arriba, ora relativamentepróxima, ora mais afastada do mar, a que se segueuma plataforma litoral, a Arriba Fóssil, que atinge acentena de metros nos Capuchos.
  18. 18. MONUMENTO NATURAL DAS PEGADAS DE DINOSSÁURIOS DEOURÉM/TORRES NOVAS CARENQUE
  19. 19. LAGOSTEIROS

×