SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
AE MV 08/09 PROFª SANDRA NASCIMENTO
“Aproxima-se o momento do parto e a família mais próxima da Isabel, que está prestes a
dar à luz a Margarida, manifesta alguma ansiedade. Especulam sobre o dia em que a
bebé vai nascer, o local e até fazem previsões sobre a cor dos olhos.
- Aí não há dúvidas – diz a Maria, única irmã da Isabel. – Terá como eu e os seus dois
irmãos os olhos castanhos. O pai e a mãe também o têm.
- Não sei – responde avó Ana (mãe da Isabel) com o ar sensato que a caracteriza. – A
minha mãe tinha olhos azuis, embora os do meu pai e os da minha única irmã fossem
castanhos como os meus.
- Azuis? Isso é que nunca! – diz o Nuno, marido da Isabel. O que é que a bisavó da
criança tem a ver com o assunto? Atrevo-me mesmo a fazer uma aposta.
- Quem quer apostar comigo?”
1º - Aí não há dúvidas – diz a Maria,
                                          única irmã da Isabel. – Terá como
Bisavó   Bisavô
                                          eu e os seus dois irmãos os olhos
                                          castanhos. O pai e a mãe também o
                                          têm.

                                          2º - Não sei – responde avó Ana
         Ana                              (mãe da Isabel) com o ar sensato
                                          que a caracteriza. – A minha mãe
                                          tinha olhos azuis, embora os do
                                          meu pai e os da minha única irmã
                                          fossem castanhos como os meus.
                                   Nuno
                  Isabel
         Maria


                                          3º - Azuis? Isso é que nunca! – diz o
                                          Nuno, marido da Isabel. O que é
                                          que a bisavó da criança tem a ver
                                          com o assunto?
                       Margarida
                           ???
Considerando, de forma simplifica, que estão em jogo dois genes
                                 para a cor dos olhos, indica:
Bisavó           Bisavô


                                                      1. Os genes considerados.

                                                         O gene que determina a cor castanha dos
                                                         olhos e o gene que determina a cor azul.
                 Ana
                 Cc
                                                      2. O gene dominante

                                                         O gene que determina a cor castanha é
                                                         dominante relativamente ao gene que
                                               Nuno
                              Isabel                     determina a cor azul.
                  Maria

                                                      3. O genótipo provável da avó Ana.

                                                         A Avó Ana apresenta um gene que
                                                         determina a cor castanha e o gene que
 c – cor azul/recessivo
                                   Margarida             determina a cor azul.
 C – cor castanha/dominante
                                       ???
C – cor castanha dominante
                                                    c – cor azul/recessivo

Considerando, de forma simplifica, que estão em jogo dois genes alelos para a cor
dos olhos…
    olhos…


              Castanho                  CC               Cc



                   Azul                  cc


                                              Genótipo
                   Fenótipo
Qual a tua opinião sobre o que disse o pai da Margarida… “Azuis?
                                                                         Margarida…
                           Isso é que nunca!… O que é que a bisavó da criança tem a ver com
                                      nunca!…
Bisavó         Bisavô
                           o assunto? “
                                                 1. Existe a possibilidade de a Margarida herdar
                                                    o gene para a cor azul da mãe, uma vez que
                                                    a avó Ana o tem. Se o pai também possuir
                                                                  tem.
                                                    esse gene, ela poderá ter olhos azuis.
                                                                                    azuis.
               Ana
               Cc
                                                                         x
                                                                  Cc                      Cc
                                                      Pai                    Mãe

                                                        Pai
                                                      Mãe
                                                                       C              c
                                          Nuno
                        Isabel
                Maria
                         Cc               Cc
                                                              C     CC           Cc
    Existe alguma
    probabilidade
  de a Margarida ter
                                                                                 cc
                                                              c     Cc
     olhos azuis.             Margarida
                                 ???
A Margarida nasceu com olhos verdes!




É que a transmissão genética da cor dos olhos é um processo complexo que
envolve vários pares de genes que actuam ao mesmo tempo.



Considerar que na cor dos olhos apenas intervém um par de genes é uma
abordagem muito simplificada.
3- EXERCÍCIOS HERED.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
mauro dinis
 
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
 ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA... ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
AMLDRP
 
Poetas do séc.xx Sophia de Mello Breyner
Poetas do séc.xx  Sophia de Mello BreynerPoetas do séc.xx  Sophia de Mello Breyner
Poetas do séc.xx Sophia de Mello Breyner
Rosário Cunha
 
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os LusíadasA Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
sin3stesia
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Funções sintáticas exercícios
Funções sintáticas   exercíciosFunções sintáticas   exercícios
Funções sintáticas exercícios
António Fernandes
 
Resumo biologia e geologia 10º e 11º ano
Resumo biologia e geologia 10º e 11º anoResumo biologia e geologia 10º e 11º ano
Resumo biologia e geologia 10º e 11º ano
Rita Pereira
 

Mais procurados (20)

Resumo a saga
Resumo a sagaResumo a saga
Resumo a saga
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasApresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
IAVE Biologia Geologia 2017
IAVE Biologia Geologia 2017IAVE Biologia Geologia 2017
IAVE Biologia Geologia 2017
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voarHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
 
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
 ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA... ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
 
Poetas do séc.xx Sophia de Mello Breyner
Poetas do séc.xx  Sophia de Mello BreynerPoetas do séc.xx  Sophia de Mello Breyner
Poetas do séc.xx Sophia de Mello Breyner
 
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura ClássicaFrei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
 
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os LusíadasA Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
 
ficha-de-leitura-gato-malhado-e-andorinha-sinha
ficha-de-leitura-gato-malhado-e-andorinha-sinhaficha-de-leitura-gato-malhado-e-andorinha-sinha
ficha-de-leitura-gato-malhado-e-andorinha-sinha
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Funções sintáticas exercícios
Funções sintáticas   exercíciosFunções sintáticas   exercícios
Funções sintáticas exercícios
 
Projeto Individual de Leitura
Projeto Individual de LeituraProjeto Individual de Leitura
Projeto Individual de Leitura
 
A legitimidade da experimentação animal
A legitimidade da experimentação animalA legitimidade da experimentação animal
A legitimidade da experimentação animal
 
Resumo biologia e geologia 10º e 11º ano
Resumo biologia e geologia 10º e 11º anoResumo biologia e geologia 10º e 11º ano
Resumo biologia e geologia 10º e 11º ano
 
12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal
12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal
12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal
 
Louvor das virtudes aos peixes
Louvor das virtudes aos peixesLouvor das virtudes aos peixes
Louvor das virtudes aos peixes
 

Destaque (20)

IV - FATORES BIÓTICOS
IV - FATORES BIÓTICOSIV - FATORES BIÓTICOS
IV - FATORES BIÓTICOS
 
Determinação do sexo no ser humano- C.Naturais 9ºano
Determinação do sexo no ser humano- C.Naturais 9ºanoDeterminação do sexo no ser humano- C.Naturais 9ºano
Determinação do sexo no ser humano- C.Naturais 9ºano
 
2- MENDEL
2- MENDEL2- MENDEL
2- MENDEL
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
4- DETERMINAÇÃO DO SEXO
4- DETERMINAÇÃO DO SEXO4- DETERMINAÇÃO DO SEXO
4- DETERMINAÇÃO DO SEXO
 
U5 - TERMOS E CONCEITOS
U5 - TERMOS E CONCEITOSU5 - TERMOS E CONCEITOS
U5 - TERMOS E CONCEITOS
 
Introdução genética 2013
Introdução   genética  2013Introdução   genética  2013
Introdução genética 2013
 
SEQUÊNCIA PROGRAMÁTICA 11º
SEQUÊNCIA PROGRAMÁTICA 11ºSEQUÊNCIA PROGRAMÁTICA 11º
SEQUÊNCIA PROGRAMÁTICA 11º
 
1 - O SANGUE
1 - O SANGUE1 - O SANGUE
1 - O SANGUE
 
1- HEREDITARIEDADE
1- HEREDITARIEDADE1- HEREDITARIEDADE
1- HEREDITARIEDADE
 
MC - SÍNTESE PROTEICA
MC - SÍNTESE PROTEICAMC - SÍNTESE PROTEICA
MC - SÍNTESE PROTEICA
 
U6 - TERMOS E CONCEITOS
U6 - TERMOS E CONCEITOSU6 - TERMOS E CONCEITOS
U6 - TERMOS E CONCEITOS
 
MC1 - ÁCIDOS NUCLEICOS
MC1 - ÁCIDOS NUCLEICOSMC1 - ÁCIDOS NUCLEICOS
MC1 - ÁCIDOS NUCLEICOS
 
U8 - TERMOS E CONCEITOS
U8 - TERMOS E CONCEITOSU8 - TERMOS E CONCEITOS
U8 - TERMOS E CONCEITOS
 
PROJETO POSTER 11º1A
PROJETO POSTER 11º1APROJETO POSTER 11º1A
PROJETO POSTER 11º1A
 
I- DINÂMICA INTERNA DA TERRA
I- DINÂMICA INTERNA DA TERRAI- DINÂMICA INTERNA DA TERRA
I- DINÂMICA INTERNA DA TERRA
 
1ª F.I - DRAGÃO DE KOMODO
1ª F.I - DRAGÃO DE KOMODO1ª F.I - DRAGÃO DE KOMODO
1ª F.I - DRAGÃO DE KOMODO
 
U7 - TERMOS E CONCEITOS
U7 - TERMOS E CONCEITOSU7 - TERMOS E CONCEITOS
U7 - TERMOS E CONCEITOS
 
I - SAÚDE
I - SAÚDEI - SAÚDE
I - SAÚDE
 
CORRECÇÃO DOS EXERCÍCIOS DO 10ºANO
CORRECÇÃO DOS EXERCÍCIOS DO 10ºANOCORRECÇÃO DOS EXERCÍCIOS DO 10ºANO
CORRECÇÃO DOS EXERCÍCIOS DO 10ºANO
 

Mais de sandranascimento

Mais de sandranascimento (20)

I - PAISAGENS GEOLOGICAS - Ciências naturais 7
I - PAISAGENS GEOLOGICAS - Ciências naturais 7I - PAISAGENS GEOLOGICAS - Ciências naturais 7
I - PAISAGENS GEOLOGICAS - Ciências naturais 7
 
III - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS IIIII - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS II
 
II - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS III - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS I
 
I - NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO BIOLÓGICA
I - NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO BIOLÓGICAI - NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO BIOLÓGICA
I - NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO BIOLÓGICA
 
II - A TERRA COMO SISTEMA
II - A TERRA COMO SISTEMAII - A TERRA COMO SISTEMA
II - A TERRA COMO SISTEMA
 
I - CONDIÇÕES DA TERRA
I - CONDIÇÕES DA TERRAI - CONDIÇÕES DA TERRA
I - CONDIÇÕES DA TERRA
 
XII - PAISAGENS GEOLO
XII - PAISAGENS GEOLOXII - PAISAGENS GEOLO
XII - PAISAGENS GEOLO
 
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICASIX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
 
VII - SISMOLOGIA
VII - SISMOLOGIAVII - SISMOLOGIA
VII - SISMOLOGIA
 
Vi vulcanismo secundario
Vi   vulcanismo secundarioVi   vulcanismo secundario
Vi vulcanismo secundario
 
V - VULCANISMO
V - VULCANISMOV - VULCANISMO
V - VULCANISMO
 
III - TECTÓNICA DE PLACAS
III - TECTÓNICA DE PLACASIII - TECTÓNICA DE PLACAS
III - TECTÓNICA DE PLACAS
 
II - DERIVA CONTINENTAL
II - DERIVA CONTINENTALII - DERIVA CONTINENTAL
II - DERIVA CONTINENTAL
 
I estrutura interna da ter
I   estrutura interna da terI   estrutura interna da ter
I estrutura interna da ter
 
Ficha nº5 - sistema excretor
Ficha nº5 - sistema excretorFicha nº5 - sistema excretor
Ficha nº5 - sistema excretor
 
III - SISTEMA RESPIRATÓRIO
III - SISTEMA RESPIRATÓRIOIII - SISTEMA RESPIRATÓRIO
III - SISTEMA RESPIRATÓRIO
 
II - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIOII - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIO
 
PROGRAMA: SAÚDE INFANTIL
PROGRAMA: SAÚDE INFANTILPROGRAMA: SAÚDE INFANTIL
PROGRAMA: SAÚDE INFANTIL
 
FT10 - DEFORMAÇÕES
FT10 - DEFORMAÇÕESFT10 - DEFORMAÇÕES
FT10 - DEFORMAÇÕES
 
FT9 - ROCHAS MAGMÁTICAS
FT9 - ROCHAS MAGMÁTICASFT9 - ROCHAS MAGMÁTICAS
FT9 - ROCHAS MAGMÁTICAS
 

3- EXERCÍCIOS HERED.

  • 1. AE MV 08/09 PROFª SANDRA NASCIMENTO
  • 2. “Aproxima-se o momento do parto e a família mais próxima da Isabel, que está prestes a dar à luz a Margarida, manifesta alguma ansiedade. Especulam sobre o dia em que a bebé vai nascer, o local e até fazem previsões sobre a cor dos olhos. - Aí não há dúvidas – diz a Maria, única irmã da Isabel. – Terá como eu e os seus dois irmãos os olhos castanhos. O pai e a mãe também o têm. - Não sei – responde avó Ana (mãe da Isabel) com o ar sensato que a caracteriza. – A minha mãe tinha olhos azuis, embora os do meu pai e os da minha única irmã fossem castanhos como os meus. - Azuis? Isso é que nunca! – diz o Nuno, marido da Isabel. O que é que a bisavó da criança tem a ver com o assunto? Atrevo-me mesmo a fazer uma aposta. - Quem quer apostar comigo?”
  • 3. 1º - Aí não há dúvidas – diz a Maria, única irmã da Isabel. – Terá como Bisavó Bisavô eu e os seus dois irmãos os olhos castanhos. O pai e a mãe também o têm. 2º - Não sei – responde avó Ana Ana (mãe da Isabel) com o ar sensato que a caracteriza. – A minha mãe tinha olhos azuis, embora os do meu pai e os da minha única irmã fossem castanhos como os meus. Nuno Isabel Maria 3º - Azuis? Isso é que nunca! – diz o Nuno, marido da Isabel. O que é que a bisavó da criança tem a ver com o assunto? Margarida ???
  • 4. Considerando, de forma simplifica, que estão em jogo dois genes para a cor dos olhos, indica: Bisavó Bisavô 1. Os genes considerados. O gene que determina a cor castanha dos olhos e o gene que determina a cor azul. Ana Cc 2. O gene dominante O gene que determina a cor castanha é dominante relativamente ao gene que Nuno Isabel determina a cor azul. Maria 3. O genótipo provável da avó Ana. A Avó Ana apresenta um gene que determina a cor castanha e o gene que c – cor azul/recessivo Margarida determina a cor azul. C – cor castanha/dominante ???
  • 5. C – cor castanha dominante c – cor azul/recessivo Considerando, de forma simplifica, que estão em jogo dois genes alelos para a cor dos olhos… olhos… Castanho CC Cc Azul cc Genótipo Fenótipo
  • 6. Qual a tua opinião sobre o que disse o pai da Margarida… “Azuis? Margarida… Isso é que nunca!… O que é que a bisavó da criança tem a ver com nunca!… Bisavó Bisavô o assunto? “ 1. Existe a possibilidade de a Margarida herdar o gene para a cor azul da mãe, uma vez que a avó Ana o tem. Se o pai também possuir tem. esse gene, ela poderá ter olhos azuis. azuis. Ana Cc x Cc Cc Pai Mãe Pai Mãe C c Nuno Isabel Maria Cc Cc C CC Cc Existe alguma probabilidade de a Margarida ter cc c Cc olhos azuis. Margarida ???
  • 7. A Margarida nasceu com olhos verdes! É que a transmissão genética da cor dos olhos é um processo complexo que envolve vários pares de genes que actuam ao mesmo tempo. Considerar que na cor dos olhos apenas intervém um par de genes é uma abordagem muito simplificada.