Gravidez adolescência em Viseu

3.033 visualizações

Publicada em

Hospital S. Teotónio

Publicada em: Educação, Tecnologia, Negócios
  • Seja o primeiro a comentar

Gravidez adolescência em Viseu

  1. 1. GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIAINTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ Enf. Isabel Sampaio
  2. 2. Segunda-feira, 21 de Maio de 2007É preocupante constatar que com tanta divulgação e informação disponívelcontinuem a haver adolescentes grávidas.A gravidez na adolescência leva na maior parte dos casos ao abandono escolar ea uma responsabilidade exageradamente grande para quem ainda não seestabeleceu na vida e passa a ter que integrar outra pessoa completamentedependente na sociedade. Através de um simples acto de irresponsabilidadetoda uma vida é alterada. Surgem problemas quer ao nível financeiro querpsicológico. Na generalidade dos casos a adolescente tem que trabalhar paracom o auxilio dos pais e/ou da segurança social conseguir sustentar as despesasque a educação de uma criança representa. Para além disso surgem conflitos aonível pessoal e familiar. O simples facto de encarar uma gravidez poderepresentar um factor extremamente depressivo. É necessário encarar as maisdiversas reacções por parte dos pais, namorado, colegas, professores, tios,primos, etc.A falta de habilitações académicas, a falta de meios económicos, a falta de tempopara estar com os amigos e para fazer o que todos os adolescentes fazem, anecessidade de trabalhar, o fim de uma vida independente que passa a serdedicada a uma nova vida que precisa de muita atenção e cuidado podem-setornar num pesadelo.Tudo isto pode ser evitado tomando as devidas precauções. Em caso de dúvidanão hesites em pedir auxilio pois este pode ser mais importante para a prevençãodo que para o problema em si! Publicada por AP_grupo4
  3. 3. Nº DE GRAVIDEZES REGISTADAS NO HOSPITAL S.T.VISEU EM 2010 IDADE GRAVIDEZ 10 ANOS 1 12 ANOS 6 11 ANOS 2 13 ANOS 10 14 ANOS 9 15 ANOS 13 16 ANOS 22 17 ANOS 32 TOTAL 95
  4. 4. Causas• Amadurecimento mais precoce• Maior liberdade e maior tolerância• Contexto familiar, falta de diálogo, condições socio-económicas baixas, jovens sem ambição e com necessidade de afecto, necessidade de sair de casa, forma de castigar os pais, …• Mensagens e modelos de comportamento sexual irresponsável e de risco (novelas, etc.)• "Poderosa deseducação sexual" nos Media
  5. 5. Consequências Na nossa sociedade, a gravidez na adolescência é vista como um grave problema de saúde pública Porquê?
  6. 6. Consequências• Interfere negativamente no desenvolvimento psico- social dos jovens• Forte impacto na imaturidade: • Biológica (grávida e filho) • Psicológica ( baixa autoestima/depressão) • Social (exclusão, abondono escolar, cuidados negligenciados ao RN) • Pai adolescente (ausente, irresponsável, ridicularizado pelo grupo de amigos)
  7. 7. "Portugal é dos países da Europa com maioríndice de mães adolescentes" E agora?
  8. 8. A utilização regular e correcta de um métodos contraceptivo permite à mulher/casal controlar o seu processo reprodutivo, isto é ter filhos se e quando desejar.O acesso às consultas de planeamento familiar/ adolescência é gratuito nos Centros de Saúde e Hospitais.
  9. 9. INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ• A Declaração dos Objectivos para o Milénio,das Nações Unidas, estabelece como meta para2015 a redução da taxa de mortalidadematerna, reflectindo assim a importância dadaà promoção da saúde reprodutiva, comocomponente essencial para o desenvolvimento,a redução da pobreza e das desigualdades anível mundial.
  10. 10. INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ• De acordo com a Organização Mundial da Saúde,cerca de 13% das mortes maternas conhecidas, emtodo o mundo, foram atribuídas acomplicaçõesdecorrentes de aborto inseguro. O abortoinseguro pode, também, comprometer o futuroreprodutivo da mulher, causando, por exemplo,infertilidade.• A Lei n.º 16/2007, de 17 de Abril trouxe apossibilidade de acabar com o aborto clandestino emPortugal
  11. 11. A LEI – Principais disposições legais O Código Penal permite a interrupção da gravidez até às 10 semanas a todas as mulheres grávidas que o solicitem, desde que realizada em estabelecimentos de saúde oficial ou oficialmente reconhecido.
  12. 12. Qual é o prazo legal para a interrupção da gravidez por opção da mulher?E m Portugal, a interrupção da gravidez por opção da mulher pode ser efectuada nas primeiras 10 semanas de gravidez, calculadas a partir da data da última menstruação.
  13. 13. Quem pode solicitar uma interrupção da gravidez?Apenas a própria mulher pode pedir a interrupção da gravidez (ou o seu representante legal, no caso de ser psiquicamente incapaz ou menor de 16 anos).
  14. 14. Quem pode fazer a interrupção da gravidez?A interrupção da gravidez só pode ser realizada por médico, ou sob sua orientação e com o consentimento da mulher.
  15. 15. Onde se pode fazer uma interrupção da gravidez?As interrupções da gravidez podem ser efectuadas em estabelecimentos de saúde oficiais ou oficialmente reconhecidos.
  16. 16. As mulheres estrangeiras poderão fazer uma interrupção da gravidez em Portugal?As mulheres imigrantes têm os mesmos direitos de acesso à interrupção da gravidez, independentemente da sua situação legal.
  17. 17. Resumo das etapas de uma interrupção da gravidezAntes da interrupção da gravidez• Consulta prévia• Período de reflexão de 3 dias• Possibilidade de consulta com psicólogo ou assistente socialA interrupção da gravidez• A toma da 1ª dose de medicamentos• A toma da 2ª dose de medicamentos (36/48 horas após o 1.º medicamento)Após a interrupção da gravidez• Consulta médica de controlo (cerca de 15 dias depois da 1ª toma)• Consulta de planeamento familiar
  18. 18. Qualquer prestação de cuidados de saúde está sujeita a confidencialidade e ao segredo profissional, incluindo todas as etapas do processo de interrupção da gravidez.
  19. 19. Para que cada etapa da tua vida seja umsucesso…"Mais vale prevenir que remediar"

×