Referenciais de qualidade_em_ead[1]

220 visualizações

Publicada em

projeto pos

Publicada em: Internet
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
220
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Referenciais de qualidade_em_ead[1]

  1. 1. Qualidade de ensino em EAD, a inexistência de dados atualizados. Sandra Ap. Ribeiro Ossada RA-2229528802 Resumo À medida que a Educação a distância vem crescendo no país e a com falta de referências de qualidade que permitam nortear os cursos disponibilizados e com a desatualização torna-se evidente que cabe a cada Instituição de ensino aferir se a qualidade ofertada é suficiente para atender a demanda e a satisfação dos alunos. A modalidade EAD tem os mesmos objetivos da educação tradicional, diferenciando-se apenas na utilização de ferramentas, especialmente a tecnologia da informação e telemática que para disponibilizar os conteúdos midiáticos, substituindo os tradicionais giz e lousa. Cabe ao Ministério de Educação (MEC), dar parâmetros de avaliação da EAD no Brasil, através de leis e portarias, no entanto esses parâmetros através da portaria específica para oferecimento de cursos a distância : Portaria Normativa nº 2 , de 10 de janeiro de 2007 nunca foi atualizada. Com isso, para a aferição da qualidade de ensino ofertado torna-se necessário que cada Instituição de
  2. 2. Ensino desenvolva ferramentas que proporcionem a verificação instantânea dos serviços ofertados. Palavras chave Qualidade de serviços ofertados, recursos midiáticos, qualidade em EAD. Introdução A Educação a Distância (EAD) é uma modalidade em constante evolução e que tem crescido muito nos últimos anos, estima-se que em 2011 o número de alunos matriculados nesta modalidade seja superior a três milhões de alunos, sugerido pela evolução do triênio 2007- 2009 (ABED, 2010). Aferir a qualidade de ensino torna-se então um mecanismo fundamental para verificar a qualidade dos cursos ofertados. Para que esse objetivo seja aferido torna-se necessário o desenvolvimento ferramentas que proporcionem uma melhor verificação da qualidade de ensino e constante divulgação dos resultados. Fundamentação Teórica À medida que a modalidade de ensino a distância vem se desenvolvendo, seja através de novas ferramentas,como novos recursos midiáticos, concepção de aprendizagem entre outros, uma questão que ainda irá levar a diversas discussões são as relativas à qualidade em EAD. Os indicadores de referencial de qualidade sugeridos seja pelo órgão responsável pela regulação em EAD ou ainda as sugeridas pelos especialistas são suficientes para que possamos realmente avaliar a qualidade das centenas ou milhares de cursos disponibilizados na atualidade? Cabe ao Ministério da Educação (MEC), através de leis e portarias regulares avaliar o funcionamento da EAD no Brasil, definindo-se critérios e ferramentas de parâmetros para aferição da qualidade, embora os referenciais estejam eqüidistantes da realidade e não sejam reguladores, servindo apenas como norteadores, em uma versão preliminar desde 2007 (MEC, 2007). Diante deste fato, torna-se necessário que dados mais atualizados sejam apresentados para que então possamos ter uma melhora continua nos referenciais de qualidade. Com a ausência de um referencial atualizado, cabem então as Instituições de Ensino que atuam na modalidade EAD, aferir sua própria qualidade de ensino. Segundo Oliveira e Rossini (2010), a EAD está alicerçada em três pilares: material didático, da tutoria e de uma avaliação contínua atendendo a uma única pessoa, em um cenário, na qual o tutor, segundo Moran (2003), passa a exercer o papel do ator que facilita, incentiva ou motiva o aprendiz. O material didático deve prover a autonomia do estudante, através de ferramentas da tecnologia da Informação, para que proporcione ao estudante
  3. 3. uma total interação e que o mesmo possa receber todas as concepções de aprendizagem, através de uma linguagem apropriada para a aprendizagem (MAIA, 2003). Seja através de recursos midiáticos, que segundo Meksenas (2001), define material didático como um ambiente ou obra, escrita ou organizada, “com a finalidade específica de ser utilizada numa situação didática”, e que Fleming (2004), define que o material didático para EAD configura-se como um conjunto de mídias (impresso, audiovisuais e informáticos), no qual os conteúdos apresentam-se de forma dialógica e contextualizada, favorecendo uma aprendizagem significativa permitindo uma avaliação da aprendizagem. As Instituições de Ensino (IES) devem então fazer uma constante avaliação dos serviços ofertados aferindo-se assim a qualidade de ensino e a satisfação dos estudantes. Considerações finais Observamos que os indicadores de qualidade de ensino que deveriam ser norteados pelo MEC se encontram defasados e se torna evidente a necessidade de dados estatísticos atualizados para que possamos nortear com mais eficácia os referenciais de qualidade das ofertas da EAD no Brasil. Com a carência dos referenciais, cabe as IES criar ferramentas que proporcione a auto-avaliação para fornecer serviços de alta qualidade, proporcionando ao estudante todas as ferramentas para que a tríade da EAD seja atingida. A auto-avaliação institucional deve assumir um caráter de verificação das necessidades dos agentes que interatuam na EAD, sendo o aluno o agente principal. Referencias Bibliográficas ABED. “Censo EAD.BR: Relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil. Disponível em: http://www.abed.org.br/censoead/CensoEaDbr0809_portugues.pdf FLEMING. D. M. “Desenvolvimento de Material Didático para Educação a Distância no contexto da Educação Matemática”. São Paulo, 2004. Disponível em: www.abed.org.br. MAIA. Marta de C. “O Uuso da Tecnologia da Informação Para a Educação a Distancia no Ensino Superior”. Tese de Doutorado. FGV:2003. Disponivel em: http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/2463/74603.pdf?se quence=2 MEC. “Referenciais de Qualidade Para Educação Superior a Distancia”. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/legislacao/refead1.pdf>.
  4. 4. MEKSENAS, P. “O uso do material didático e a pedagogia da comunicação”. In: PENTEADO, H. D. Pedagogia da Comunicação: teoria e práticas. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001. MORAN. José M. “Gestão Inovadora da Escola com Tecnologias”. In: VIEIRA, Alexandre (org.). Gestão educacional e tecnologia. São Paulo, Avercamp, 2003. OLIVEIRA. Adilaurinda R. e ROSSINI. Alessandro M. “Um Indicador para a Qualidade em EAD”. 16° CIAED Congresso Internacional ABED de Educação a Distância. Foz do Iguaçu 2010. Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2010/cd/252010094805.pdf

×