Fundador da Comunidade Judaica do Porto
Arthur Carlos de Barros Bastos nasceu a 18 de Dezembro de
1887 em Amarante e faleceu no Porto a 8 de Março de
1961.
Foi um...
Barros Basto descobriu, através do seu avô, que tinha
antepassados Judeus, apesar de a sua família já não ser
praticante. ...
Em 1910, após o movimento revolucionário que
conduziu à implantação da República, foi Barros
Basto, um republicano, quem h...
Durante a Primeira Guerra Mundial o Tenente Barros
Basto comandou o batalhão do Corpo Expedicionário
Português sendo promo...
Quando regressou a Lisboa casou-se com Lea Israel
Montero Azancot, da Comunidade Israelita de Lisboa com
quem teve dois fi...
Em 1921, voltou para o Porto com a sua esposa e apercebeu-
se que na cidade havia menos de vinte judeus Ashkenazim
(judeus...
Em 1925 aparecem os primeiros alegados criptojudeus
na comunidade.
Isto fez com que Barros Basto fosse visitar
frequenteme...
No mesmo ano é lançado a “Obra do Resgate”. Vão
sendo fundadas comunidades como a de Vila Real, em
1930, ao mesmo tempo qu...
Com a mudança de regime dos anos 30 (instauração da
Ditadura Militar), o militar começou a ser perseguido pelo
Exército e ...
A sinagoga foi iniciada em 1929, com a
chegada dos primeiros fundos, e terminada
em 1937 (para ser inaugurada em Janeiro d...
Recentemente a Comunidade Israelita do
Porto assinou um protocolo com o Museu
Memorial do Holocausto dos Estados Unidos
co...
Barros Basto faleceu em 1961 e foi enterrado no
cemitério de Amarante, cidade onde nasceu,
conforme o seu desejo e enverga...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Capitao barros basto_final

601 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
601
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
356
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Capitao barros basto_final

  1. 1. Fundador da Comunidade Judaica do Porto
  2. 2. Arthur Carlos de Barros Bastos nasceu a 18 de Dezembro de 1887 em Amarante e faleceu no Porto a 8 de Março de 1961. Foi um militar de carreira, mas também um escritor que publicou várias obras relacionadas com o Judaísmo. Foi um importante líder judaico e fundou a Comunidade Israelita do Porto juntamente com vinte Judeus homens ashkenazim e suas familias. No conjunto seriam cerca de quarenta pessoas. Ajudou ao retorno dos criptojudeus ao Judaísmo e os refugiados judeus na Segunda Guerra Mundial. Imagem 1. Barros Basto condecorado (Fonte: Arquivo da família Barros Basto).
  3. 3. Barros Basto descobriu, através do seu avô, que tinha antepassados Judeus, apesar de a sua família já não ser praticante. Este só teve conhecimento da existência de judeus em Portugal em 1904, ao ler um artigo de jornal sobre a inauguração da sinagoga de Shaaré Tikva em Lisboa. Ao iniciar a sua vida militar, foi obrigado a frequentar um curso na Escola Politécnica de Lisboa. Dirigiu-se, então, à Sinagoga da cidade numa tentativa falhada de ser admitido. Apesar disso não desistiu. Imagem 2. Medalhas, espada e boné do Capitão.
  4. 4. Em 1910, após o movimento revolucionário que conduziu à implantação da República, foi Barros Basto, um republicano, quem hasteou a bandeira republicana na cidade do Porto, na Câmara Municipal. Imagem 3. Telegrama onde é relatado o hastear da bandeira por Barros Basto em 1910, na sequência da Revolução Republicana. (Fonte: Arquivo da família Barros Basto).
  5. 5. Durante a Primeira Guerra Mundial o Tenente Barros Basto comandou o batalhão do Corpo Expedicionário Português sendo promovido a Capitão. Após aprender hebraico foi para Marrocos onde iniciou o processo de conversão ao Judaísmo. Quando concluiu este processo em Tânger foi circuncisado (ritual judeu) e passou a chamar-se Abraham Israel Ben-Rosh. Imagem 4. Grupo de militares portugueses na I Guerra Mundial onde também está o Capitão Barros Basto (Fonte: Arquivo da família Barros Basto).
  6. 6. Quando regressou a Lisboa casou-se com Lea Israel Montero Azancot, da Comunidade Israelita de Lisboa com quem teve dois filhos . Teve vários netos incluindo Isabel Ferreira Lopes que é a atual Vice-Presidente da Comunidade Israelita do Porto. Imagem 6. Barros Basto no seu casamento com Lea Azancot (Fonte: Arquivo da família Barros Basto). Imgem 5. Convite para o casamento do militar. (Fonte: Arquivo da família Barros Basto).
  7. 7. Em 1921, voltou para o Porto com a sua esposa e apercebeu- se que na cidade havia menos de vinte judeus Ashkenazim (judeus tradicionais provenientes da Europa Central e Europa Oriental) que não possuíam Sinagoga e não estavam organizados, de modo a que se tinham de deslocar até Lisboa sempre que necessário por motivos religiosos. Quando tomou conhecimento desta situação começou a pensar na construção de uma Sinagoga e em 1923 decidiu registar oficialmente no Governo Civil do Porto a Comunidade Israelita e mais tarde o Centro Teológico Israelita. A Sinagoga só começou a ser construída anos mais tarde, em 1929, mas a comunidade já estava organizada numa casa arrendada. Imagem 7. Barros Basto em 1927 (Fonte: Arquivo da família Barros Basto).
  8. 8. Em 1925 aparecem os primeiros alegados criptojudeus na comunidade. Isto fez com que Barros Basto fosse visitar frequentemente aldeias e vilas de Trás-os-Montes e das Beiras à procura de mais pessoas interessadas em voltar ao judaísmo. Esta medida tomou a atenção de algumas pessoas, como é o caso da comunidade de Judeus em Londres, que criou em 1927 o “Portuguese Marranos Committee”, uma organização com o intuito de ajudar as pessoas que queriam retornar ao Judaísmo. Imagem 8 . Obra do resgate (Fonte: Arquivo da família Barros Basto).
  9. 9. No mesmo ano é lançado a “Obra do Resgate”. Vão sendo fundadas comunidades como a de Vila Real, em 1930, ao mesmo tempo que vão sendo admitidos marranos como membros da Comunidade Israelita do Porto. Alguns indivíduos intitulam-se marranos sem o serem, imbuídos de interesses materiais, vindo depois as suas histórias a ser descobertas e eles expulsos da comunidade. A partir de 1935 ficou decidido pela Direção que somente seria admitido na comunidade aquele que “provasse absolutamente” a sua origem judaica, sendo que a admissão dependia de um outro requisito: a recolha de boas informações sobre o comportamento moral do candidato a novo membro da comunidade. Imagem 9. Obra do resgate (Fonte: Arquivo da família Barros Basto).
  10. 10. Com a mudança de regime dos anos 30 (instauração da Ditadura Militar), o militar começou a ser perseguido pelo Exército e começaram a afastá-lo cada vez mais do Porto, numa tentativa de o afastarem da Sinagoga e da Comunidade. Em 1937, Barros Basto foi julgado pelo Conselho Superior de Disciplina do Exército e foi afastado da instituição militar por participar em cerimónias de circuncisão, o que então foi considerado imoral. Uma alegação de homossexualidade foi feita, anonimamente, muito antes (dezembro de 1934 e novamente no decorrer do ano de 1935) mas tal denúnia veio a ser considerada não provada por unanimidade nos tribunais civis e militares do Estado Novo. Imagem 10. Barros Bastos à civil (Fonte: Arquivo da família Barros Basto).
  11. 11. A sinagoga foi iniciada em 1929, com a chegada dos primeiros fundos, e terminada em 1937 (para ser inaugurada em Janeiro de 1938) com o generoso donativo de 5000 libras da família Kadoorie de Hong Kong. Esta é a sede da Comunidade Israelita do Porto e ainda hoje mantém as suas funções religiosas. Depois de afastado do Exército continuou a ajudar centenas de Judeus que escaparam a Segunda Guerra Mundial e ao Holocausto. Imagem 11 e 12. Construção e sinagoga pronta em 1938 (Fonte: Arquivo da família Barros Basto).
  12. 12. Recentemente a Comunidade Israelita do Porto assinou um protocolo com o Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos com a finalidade de lhe fornecer milhares de documentos e fichas individuais de refugiados que, com ajuda de Barros Basto puderam reconstruir as suas vidas a partir do Porto. Imagem 13. Grupo de refugiados à entrada da Sinagoga do Porto (Fonte: Arquivo da família Barros Basto).
  13. 13. Barros Basto faleceu em 1961 e foi enterrado no cemitério de Amarante, cidade onde nasceu, conforme o seu desejo e envergando a farda com a qual sempre serviu a sua pátria. No leito de morte exclamou que um dia lhe seria feita justiça, justiça esta que só haveria de chegar em 2012, mais de 50 anos após a sua morte, e após a intervenção incansável da sua neta, Isabel Lopes. Assim, em fevereiro de 2012 foi aprovado um parecer da 1ª Comissão da Assembleia da Républica que “reabilita” o bom nome de Barros Basto e procede à “responsabilização” do Estado Novo pela perseguição que lhe foi feita. Em Julho de 2012 foi aprovada a resolução da Assembleia da Républica n.º 119/2012 que reintegra simbolicamente no Exército o capitão de infantaria Artur Carlos Barros Basto Imagem 14. Resolução da Assembleia da República n.º 119/2012 – Recomendação da Assembleia da Républica para reintegrar simbólicamente no Exército o capitão de infantaria Artur Carlos Barros Basto

×