O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

CRIANES - Crianças com necessidades especiais de saúde.

128 visualizações

Publicada em

Crianças com necessidades especiais de saúde (CRIANES)são aquelas que possuem ou estão em maior risco de apresentar uma condição física, de desenvolvimento, de comportamento, ou emocional crônica, que requer um tipo e uma quantidade de atendimento, pelos serviços de saúde, para além daquela geralmente requerida por outras crianças. Cuidar dessas crianças representa um desafio para a família, cujos saberes e práticas não pertencem ao seu contexto de vida, mas ao contexto hospitalar. Essas crianças em sua maioria são egressas da terapia intensiva neonatal e ou pediátrica, apresentam doença crônicas, necessidade acompanhamento de saúde periódico por um tempo indeterminado e acompanhamento em instituições de reabilitação. São consideradas como clinicamente frágeis e socialmente vulneráveis. Portanto, o cuidado a essas crianças acontece com vários atores e cenários sociais diferentes, sendo um cuidado que implica na estruturação de uma rede social. Nesse estudo, rede de cuidados em saúde é entendida como todas ou algumas unidades sociais (indivíduos ou grupos) com as quais um indivíduo particular ou um grupo está em contato. Entendemos que as condições de vida da CRIANES afeta o modo como sua rede de cuidados em saúde se articula e estrutura para atender suas demandas cuidativas.

Publicada em: Saúde e medicina

CRIANES - Crianças com necessidades especiais de saúde.

  1. 1. CRIANES Crianças com necessidades especiais de saúde
  2. 2. Olá! Nós somos Eduardo Wolfgram e Samuel Cevidanes. Somos alunos de Medicina da Universidade Federal da Integração Latino- Americana (UNILA).
  3. 3. “Crianças (1) com alto risco para apresentar ou (2) que já possuem: - condições crônicas, físicas, de desenvolvimento, comportamental ou emocional, e que necessitam dos serviços de saúde além daqueles exigidos pelas crianças em geral.
  4. 4. Como identificar? Triagem de Crianças com Necessidades Especiais de Saúde
  5. 5. CSHCN Screener Composto por cinco perguntas estruturadas, que devem ser respondidas por quem presta cuidados às crianças, sejam eles familiares ou não. As perguntas estão agrupadas em conjunto de necessidades de saúde, conforme três domínios.
  6. 6. Domínios = necessidades Medicamentos Dependência de medicamentos prescritos para certa condição clínica. Uso dos serviços de saúde Utilização dos serviços de saúde acima do considerado normal ou de rotina. Limitações funcionais Presença de limitações funcionais.
  7. 7. FUNCIONAL Útil para conhecer prevalência e características do grupo, favorecendo planejamento e ações.
  8. 8. Reconhecer demandas É preciso conhecer o tipo de demanda da minha população. Territorialização é importantíssima.
  9. 9. Demandas de cuidado ● Cuidados contínuos: reabilitação psicomotora e social; ● Cuidados tecnológicos: incluem os aparatos tecnológicos, como cânulas de traqueostomia, entre outros; ● Cuidado medicamentoso: contínuos; ● Cuidados habituais modificados: adaptações do ambiente domiciliar ● Demandas mistas
  10. 10. Demandas de cuidado Exigem dos profissionais de saúde e das famílias um domínio de saberes. Nem sempre possuem os conhecimentos necessários ou não recebem treinamentos ou informações/explicações para cuidarem de uma CRIANES.
  11. 11. O que fazer? Extrapolar o ‘biológico’, tornar a família objeto de atenção e articular o cuidado.
  12. 12. Procedimentos importantes ● Atenção periódica da ESF ● Visita domiciliar: para identificação de problemas existentes, reforço dos pontos positivos e capacitação do cuidador/família ● Fortalecimento do vínculo entre família e os serviços de APS: almejando a longitudinalidade. ● Espaço na USF para encontro das famílias ● Fomentar cuidado escolar: entendimento dos professores e acompanhamento de equipe pedagógica.
  13. 13. ● Acolhimento às CRIANES e suas famílias; ● Empoderamento para o autocuidado: para diminuir a dependência pelo serviço de saúde; ● Ações integrais; ● Cuidado por profissionais de saúde no domicílio; ● Atendimento em serviço de referência para condições agudas; ● Fornecimento de materiais necessários para cuidar a nível domiciliar. Ações necessárias
  14. 14. Vamos contextualizar! Criança, 7 anos, masculino, sofreu uma infecção há 2 anos, ficando internada por 3 semanas com suspeita de sepse. Teve piora do quadro com gangrena em perna esquerda, levando à amputação da perna até altura do joelho. Precisou fazer com uma colostosmia, que permanece até hoje, com previsão de retirada mediante cirurgia de reconstrução do intestino grosso. Em decorrência do episódio, reprovou no último ano. Faz uso de diversas medicações diárias, inclusive algumas não ofertadas na rede. Mãe e pai trabalham o dia todo e a tia materna, de 22 anos, é a responsável pelos cuidados diários. A família procura a USF para auxílio. Trata-se de CRIANE? Quais as demandas?
  15. 15. Conheça a ‘escola hospitalar’: http://www.escolahospitalar.uerj.br/
  16. 16. Fonseca, E.S.; Wepler,B.B. Escola no Ambiente Hospitalar e Pedagogia. Disponível em: http://www.educacao.uerj.br/SemanaEducacao2008/Trabalhos/arq053.pdf. SILVA, Rosane et al; BUSCA ATIVA DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS DE SAÚDE NA COMUNIDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA; Rev Enferm UFSM 2015 Jan/Mar;5(1): ARRUÉ, Andrea et al; Tradução e adaptação do Children with Special Health Care Needs Screener para português do Brasil; Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 32(6):e00130215, jun, 2016. Referências
  17. 17. Gracias! Alguma pergunta? A professora está à disposição!

×