SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 272
Baixar para ler offline
A família é responsável pela vida e pelo desenvolvimento
de suas crianças, com o apoio da comunidade e do governo.
Quem faz parte da sua família
e como são tomadas as decisões?
Cuidar, educar, respeitar e proteger
também são responsabilidades da família.
A família
A família é responsável por criar, cuidar, educar, brincar,
proteger e garantir o desenvolvimento de suas crianças.
Para isso, deve ter o apoio da comunidade e do governo.
(Artigo 227 da Constituição Federal e Art. 19 do Estatuto da Criança e do Adolescente)
O papel da famíliaA família
01
tenha momentos de encontro.
A hor
um desses momentos.
Parte do dinheiro da família deve ser
r
A di
ve ser decidida em
conjunto e de acordo com a organização
de cada família.
v
F
conviv
se casam ou vivem juntas, com ou sem filhos.
T veres e
Atenção:
02Como vocês receberam
a notícia da gravidez?
Gravidez não é doença, mas é preciso garantir os
cuidados para preservar a saúde da gestante e do bebê.
Vá à Unidade de Saúde assim que confirmar a gravidez
para início do pré-natal. Você receberá o Cartão da
Gestante e a vacina antitetânica, se necessário.
Medo, surpresa, alegria, ansiedade e preocupação são
sentimentos que podem surgir com a notícia da gravidez.
É importante que a família converse sobre esses
sentimentos.
Mãe e bebê precisam ser respeitados e protegidos.
O pré-natal deve ser iniciado
assim que a gravidez
for confirmada.
Gravidez
A mãe e o bebê precisam ser respeitados e protegidos.
A notícia da gravidezGravidez
Uma gravidez planejada certamente
é recebida com alegria.
Nem sempre a gravidez é planejada.
Se a notícia é uma surpresa, também
pode ser recebida com alegria.
De qualquer forma a mamãe e o bebê
precisam se sentir amados, respeitados
e protegidos.
Preste atenção:
a notícia de que vai chegar um bebê.
rce
a paternidade desde a gestação.
dos amigos e da comunidade.
de Saúde para confirmar a gravidez
e começar o pré-natal.
02
03
Gestante e bebê têm direito ao pré-natal: exames,
sete consultas, no mínimo, e orientações gratuitas.
Vá à Unidade de Saúde assim que desconfiar
que está grávida.
Está na hora de começar o pré-natal
E agora, o que você e sua
família devem fazer?
Lá, você receberá apoio e orientações
e fará exames de sangue, urina,
ginecológico, dentário e outros.
Quanto antes começar o pré-natal, melhor.
Assim você terá uma gravidez com menor
risco. E, se houver algum problema, mais
cedo ele será descoberto e tratado.
Pré-natal
É responsabilidade do Conselho Municipal de Saúde definir,
acompanhar e fiscalizar a garantia dos direitos da gestante e do bebê.
Pré-natal Está na hora de começar o pré-natal
v
r iv
V
v
r
r
Tr
r
F
Ati iv i iv
Preste atenção:
Se o pai e a família demonstram cuidados com
a grávida e com o bebê que vai nascer.
Esses cuidados são fundamentais para a gestante e o bebê.
03
ra v
ra r
r
r v r
ra r
Informe a família sobre como deve ser
o pré-natal de qualidade:
r
r
nv
r
r
No Cartão da Gestante
são acompanhadas as
informações sobre a saúde da
gestante e a evolução do bebê.
04Para que serve o Cartão
da Gestante?
O Cartão da Gestante serve
para anotar e acompanhar:
Durante a gravidez e até cinco meses após o parto, a mulher tem
estabilidade no emprego. Só poderá ser demitida por justa causa.
(Consolidação das Leis do Trabalho - CLT)
O Cartão da GestanteCartão da
Gestante
O Cartão da Gestante, que a grávida recebe
na Unidade de Saúde ao começar o pré-natal,
é onde devem estar anotados os exames,
as consultas e as ocorrências durante a gestação.
Nele deve estar anotado o número do cadastro
do SIS-PRÉNATAL, que será utilizado pelo
serviço onde ocorrer o parto.
Essas anotações facilitam o acompanhamento
da gestação pelos profissionais de saúde
e estimulam a gestante e a família a ficar
mais atentas.
O Cartão também funciona como uma
agenda: ajuda a lembrar o dia da consulta
e os exames que a grávida precisa fazer.
É por meio do Cartão que um profissional
se comunica com outro.
04
Assim, mesmo que a gestante precise mudar
de médico ou necessite de atendimento em outra
Unidade de Saúde, o profissional vai saber tudo
o que já foi feito no pré-natal.
Atenção:
vem estar
anotadas informações sobre a saúde
da mãe e sua gravidez.
Confira:
ao fazer a primeira consulta do pré-natal.
ram solicitados os exames.
rcada a próxima consulta.
05O que você pode fazer
para diminuir os riscos na gravidez?
A gravidez é considerada de alto risco quando
existe maior possibilidade de comprometimento
da saúde da gestante, do bebê ou dos dois.
No pré-natal, a gestante precisa fazer pelo menos
sete consultas, e depois a consulta do pós-parto.
Você deve comparecer a todas as consultas do
pré-natal.
É importante fazer todos os exames e seguir as
orientações dos profissionais.
Não consuma bebidas alcoólicas, cigarro,
drogas e medicamentos sem receita.
A saúde da mãe e do bebê depende
muito da qualidade do pré-natal.
Riscos na
gravidez
Situações de risco na gravidezRiscos na
gravidez
A gestante tem o direito de mudar de função ou setor
no trabalho se isso afetar a sua saúde ou a do bebê.
Fique de olho:
As gestantes nessas situações necessitam
de mais apoio da família e cuidados
especiais do serviço de saúde.
Atenção:
A pressão alta pode matar a mãe e o bebê.
, HIV/aids e hepatite podem passar
da mãe para o bebê.
que podem ser tratadas durante a gravidez.
rante a gravidez
pode provocar deficiência mental no bebê.
As drogas prejudicam o desenvolvimento e
podem criar dependência química no bebê.
Todas as gestantes precisam
de cuidados, mas algumas delas
precisam de atenção redobrada.
Têm menos de quatro anos de estudo.
Têm mais de 35 anos de idade.
Tiveram complicações em gravidez anterior.
Têm alguma doença como aids,
diabetes, anemia, sífilis, pressão alta,
epilepsia, hepatite, lúpus.
Têm problemas do coração.
ras drogas.
iveram muitos filhos.
Estão vivendo em situação de risco.
05
Sinais de perigo na gravidez
A família deve conhecer
os sinais de perigo na gravidez.
1. Sangramento.
2. Vômitos frequentes.
3. Ardência ao urinar.
4. Febre alta ou dor de cabeça.
5. Inchaço anormal das pernas
e/ou dos braços.
6. Bebê que não se mexe.
7. Perda de líquido.
06
Quando devo procurar com urgência o serviço de saúde?
Riscos na
gravidez
Os serviços de saúde devem estar preparados
para acolher e tratar as gestantes de risco.
Sinais de perigo na gravidez
Riscos na
gravidez
Atenção:
rceber alguns desses
sinais,
vai av
r
Procure saber:
r
ra
06
r
volver
ra
dev r
P v
F
r
c
07Quais os direitos
da gestante soropositiva?
O exame para HIV não é obrigatório,
mas é importante que seja feito. O resultado
do exame só pode ser informado para a
gestante.
A mãe HIV positivo não deve amamentar.
Ela tem direito de receber orientações
e apoio para alimentar o seu bebê. Tem
direito de receber, de graça, medicamentos
para HIV/aids durante a gravidez.
O companheiro deve fazer os exames
e receber medicamentos, se necessário.
Os testes para HIV/aids são de graça
e têm que ser autorizados pela gestante.
Gestante
soropositiva
As Doenças Sexualmente Transmissíveis
aumentam o risco de pegar HIV/aids.
Gestante soropositivaGestante
soropositiva
O vírus da aids pode passar da mãe para o
filho durante a gravidez, o parto e a
amamentação. Esse vírus precisa ser identificado
por exames. A gestante soropositiva precisa ser
tratada com medicamentos adequados. O
companheiro também deve fazer os exames
e receber medicamentos, se necessário.
O casal deve ser sempre orientado a usar
preservativo, mesmo que os dois parceiros
estejam infectados pelo HIV, para evitar
infecção cruzada e risco de transmissão
de grupos de vírus resistentes.
A gestante soropositiva tem direito a receber,
de graça, medicamentos para HIV/aids.
Lembre-se que a gestante tem direito
à privacidade.
Atenção:
ra HIV/aids e sífilis
devem ser fornecidos, gratuitamente,
pelos serviços de saúde e usados pela
mãe de acordo com a indicação médica.
ivo NÃO deve
amamentar seu bebê.
A mãe tem o direito de receber orientações
e apoio para alimentar o seu bebê. Ela deve
ser encaminhada ao serviço de saúde. O
fornecimento da fórmula láctea deve ser
garantido a todas as crianças expostas ao HIV.
ratamento adequado, a gestante
soropositiva pode ter um bebê saudável.
ve ser amamentado
por outra mãe devido ao risco de infecção
pelo leite materno.
07
08
Se o exame para sífilis for positivo e a mãe e o parceiro não
forem tratados, o bebê poderá nascer com má-formação.
O que fazer quando o resultado
do teste de sífilis é positivo?
O tratamento da sífilis durante a gravidez proteje
o bebê, evitando complicações, inclusive o risco de morte.
ratamento da mãe durante
a gravidez trata também o bebê.
ratamento é gratuito e cura a doença.
ve ser tratado
ao mesmo tempo.
A mãe poderá amamentar
normalmente o seu bebê.
Pergunte sobre os resultados
dos exames realizados para sífilis.
Sífilis e Sífilis
Congênita
08
A ocorrência da sífilis congênita pode ser
evitada com um pré-natal de qualidade.
Sífilis e Sífilis
Congênita
UDAT - PN
DST/AIDS
Gestante com sífilis
De maneira semelhante ao HIV, a sífilis
também pode passar da mãe para o filho no
período da gravidez. Exames para sífilis que
são realizados na rotina do pré-natal identificam
a infecção. Nesse caso, deve-se iniciar
rapidamente o tratamento.
O tratamento do parceiro deve ser
simultâneo ao da gestante.
Os casos de sífilis materna e congênita
devem ser devidamente tratados e notificados
à vigilância epidemiológica municipal.
O tratamento adequado cura a infecção
materna e evita a transmissão ao bebê. A falha
no tratamento materno poderá determinar
situações graves, tais como aborto ou sequelas
graves no bebê, com risco de morte.
Após o diagnóstico da sífilis, o casal deve
ser orientado a usar preservativos nas relações
sexuais até que ambos tenham sido tratados
simultaneamente para evitar reinfecção.
Os exames para sífilis devem ser realizados
regularmente nas consultas do pré-natal para
verificar se o tratamento foi adequado.
Atenção:
O teste para sífilis (VDRL) deve ser realizado
na primeira consulta e na fase inicial
da gestação, no início do terceiro trimestre
gestacional e no momento do parto.
Os resultados devem ser anotados
no Cartão da Gestante.
Não há contraindicações à amamentação.
09
As famílias com dificuldade de acesso à alimentação têm
direito de ser incluídas nos programas do governo.
Qual a melhor comida para
a gestante e o bebê?
A alimentação deve ser variada
com produtos da região e da época.
Sempre que puder, comer
frutas, legumes e verduras.
Comer também arroz, feijão,
milho, macaxeira, castanha,
carnes, galinha ou frango,
peixes e ovos. Beber leite.
Beber, pelo menos, dois
litros de líquidos, que podem
ser água, chás e sucos
de frutas regionais.
Alimentação
Alimentação saudávelAlimentação
Comer muito não quer dizer comer bem.
Uma boa alimentação precisa ser variada,
à base de leite, frutas, vegetais, carne, peixe,
ovos, arroz, feijão, batata, mandioca, milho,
pão, para suprir as necessidades nutricionais.
Dicas para a família:
Valorizar os alimentos da região e da época.
Tomar pelo menos dois litros de líquidos
por dia, que podem ser água, chás e sucos
de frutas regionais.
A gestante precisa comer, todos os dias,
alimentos ricos em ferro, vitaminas A e C,
iodo e cálcio.
O cálcio é importante para a gestante
e o bebê, porque ajuda a formar e manter
ossos e dentes fortes. Ele é encontrado
principalmente no leite e seus derivados,
em folhas escuras e sardinhas.
Preste atenção:
Se a família tem comida em quantidade
e qualidade.
Se tem o hábito de comer frutas, verduras
e legumes.
Se come carne ou peixe com alguma
regularidade.
Famílias com dificuldade para
obter alimentos devem ser encaminhadas
para programas do governo.
Igrejas, associações comunitárias e outras
instituições também podem ajudar as famílias
a se alimentar melhor.
Oriente as famílias a consumir alimentos nutricionalmente
ricos, considerando sempre os costumes regionais.
09
10
Os alimentos mais ricos
em vitamina A são:
Ovos; leite e seus derivados; carnes,
fígado, peixes; azeite de dendê, de oliva
e óleos de cozinha em geral; frutas
amarelas e alaranjadas em geral, buriti,
banana, mamão, manga, pupunha, etc;
legumes como abóbora ou jerimum,
cenoura e beterraba; hortaliças e vegetais;
folhagens verde-escuras como couve,
jambu, vinagreira, coentro, salsa, folha
da taioba, mastruz, batata doce, inhame
e outras.
Onde posso encontrar vitamina A?
A vitamina A favorece o crescimento da criança
e previne doenças da pele e deficiência visual.
Ajuda na cicatrização e fortalece a defesa do corpo.
Alimentação
A Constituição Federal garante a toda pessoa
o direito à alimentação saudável e adequada
às suas necessidades e sua idade.
Vitamina A
A vitamina A melhora o sistema
de defesa do corpo, previne infecções,
protege a visão e ajuda no crescimento
do bebê.
A vitamina A é encontrada em ovos,
leite e seus derivados; carnes, fígado,
peixes gordos; azeite de dendê e óleos;
frutas, como buriti, manga e mamão
maduros, pequi ou piquiá, pitanga
e pupunha; legumes, como abóbora
ou jerimum, batata-doce e cenoura;
hortaliças e vegetais de folhagem escura,
como azedinha ou vinagreira, couve,
espinafre, beldroega, bertalha, caruru,
taioba e jurubeba, batata doce e inhame.
Atenção:
Toda refeição deve ter, pelo menos, um
desses alimentos crus; pode ser uma salada
ou uma fruta, lavadas com água limpa.
Se as crianças da família queixam-se
de dificuldade para enxergar ao entardecer
e à noite, devem ser encaminhadas ao
serviço de saúde.
Alimentação
10
11
É preciso comer alimentos ricos em ferro, como fígado, carnes, ovos, feijão,
castanha e verduras verde-escuras, como couve, jambu e outras. Coma frutas
cítricas e amarelas ou alaranjadas como laranja, tangerina, cajarana, limão,
caju, goiaba, manga, mamão, acerola, açaí, araçá-boi, buriti e outras. As
frutas cítricas ajudam o organismo a aproveitar melhor o ferro dos alimentos.
A gestante tem o direito de receber medicamento
com ferro, receitado no serviço de saúde.
Como prevenir a anemia?
Alimentação
A anemia é também
conhecida como sangue fraco.
Sinais de anemia:
Palidez da língua, da parte
interior dos lábios e da palma
das mãos, cansaço e falta
de ar e batimentos acelerados
do coração.
Ferro
FerroAlimentação
O ferro dos alimentos é melhor aproveitado
pelo organismo quando a pessoa come esses
alimentos junto com os ricos em vitamina C,
como limão, laranja, caju, goiaba, manga
e acerola.
O suplemento de ferro, isto é, o medicamento
com ferro, durante a gestação, trata a anemia
da mãe e previne a anemia do bebê.
Atenção:
Os sinais de anemia são:
Palidez da língua, da parte interior
dos lábios e da palma das mãos.
acelerado do coração.
vermes podem agravar a anemia.
A falta de ferro no organismo da mãe
prejudica o desenvolvimento do bebê.
A falta de ferro causa anemia, que
é a carência nutricional mais comum no
ve pode
prejudicar o desenvolvimento do bebê.
A anemia durante a gravidez aumenta
as complicações no parto, como a
hemorragia, que é uma das principais
causas de morte materna.
com anemia e baixo peso ao nascer.
Alimentos como fígado, carnes, ovos,
feijão, lentilha, verduras verde-escuras são
ricos em ferro e protegem contra a anemia.
11
12
Usar pequenas quantidades de sal iodado na
comida previne deficiência mental no bebê.
O iodo é encontrado no sal iodado,
nos alimentos do mar e também nas
verduras, legumes e frutas cultivados
em terras perto do mar.
A falta de iodo no corpo da gestante
prejudica o desenvolvimento do bebê e
poderá causar deficiência mental na criança.
A falta de iodo também pode causar
bócio ou “papeira”. Para preveni-lo
compre e use somente sal iodado.
Deixe o sal iodado em pote fechado,
longe do fogo, em local fresco e seco.
Não consuma “sal para gado”.
É prejudicial à saúde humana.
Onde encontrar iodo?Alimentação
O iodo é importante para o
desenvolvimento físico e mental.
A falta de iodo no corpo da gestante pode
provocar aborto ou afetar a formação do
cérebro do bebê. Poderá, também, causar
deficiência mental no bebê, atrasar o
crescimento da criança e prejudicar sua
capacidade de aprendizagem.
Os alimentos que contêm iodo são: sal
iodado; alimentos do mar, como peixes e
mariscos; verduras, legumes e frutas
cultivados em terras perto do mar.
A falta de iodo na alimentação por muito
tempo causa aumento da glândula tireóide,
doença conhecida como bócio ou “papo”.
A melhor forma de se evitar a deficiência
de iodo é comprar e usar o sal iodado.
Pequenas quantidades de sal iodado na comida
previnem a deficiência de iodo no organismo.
Iodo
12
Alimentação
Atenção:
Dicas para o uso do sal iodado
Ao comprar o sal, observe se ele é iodado
e está dentro do prazo de validade.
Guarde o sal iodado na embalagem,
dentro de um pote fechado, sempre em
local fresco e ventilado, longe do calor
e de lugares úmidos.
Não guarde o sal na geladeira.
Agindo assim, você garante a qualidade
do seu sal iodado.
O sal usado na alimentação do gado e
para curtir couro não deve ser usado pelas
pessoas, pois não contém iodo.
Saneamento básico 13
Como manter a higiene da sua casa?
Garantir a coleta de lixo, rede
de esgoto e abastecimento
de água é obrigação
do governo.
Para manter a higiene, a família precisa de:
Está na Constituição: todo cidadão tem direito
aos serviços básicos de saneamento e saúde.
Higiene Saneamento básico
A família e a gestante precisam ter acesso
a um ambiente limpo para garantir sua saúde
e desenvolvimento.
Coleta de lixo, rede de esgoto,
abastecimento de água são serviços básicos
e devem ser garantidos pelos governos.
A rede de esgoto e a coleta adequada
de lixo evitam a disseminação de doenças.
Procure saber se as famílias se organizam
para conseguir coleta de lixo, abastecimento
de água e rede de esgoto para a comunidade.
Onde não houver água tratada, é necessário
usar o hipoclorito de sódio na água de beber
e de lavar os alimentos.
Para acondicionar a água de beber
é importante usar filtros.
13
Atenção:
Incentive a família a participar
de associações e grupos comunitários,
a fim de buscar soluções para os problemas
de saneamento básico.
Nas áreas rurais, o lixo deve ser
queimado ou enterrado para não atrair
ratos e insetos que causam doenças.
Se não tiver garantido o seu direito
a serviços de saneamento básico,
a população deve procurar a Prefeitura,
os Conselhos de Direitos ou a Promotoria
de Justiça de sua cidade.
Higiene
14
Quando as famílias se unem,
é mais fácil exigir das
autoridades o direito à água
e ao saneamento básico.
Manter a casa limpa, fazer a higiene
do corpo e das mãos, lavar alimentos
e utensílios evitam doenças, como
verminoses e diarreias.
A higiene corporal da mulher é
importante para prevenir infecções
e complicações nela e no seu bebê.
Como ter bons hábitos de higiene?
Higiene
Toda pessoa tem direito a água de
boa qualidade para manter sua saúde.
Higiene
Para prevenir muitas doenças,
são importantes estes hábitos
de higiene:
Tomar banho todos os dias.
avar os cabelos com frequência.
ovar os dentes pela manhã,
após as refeições, depois de comer
doces e antes de dormir.
avar as mãos, com sabão, antes das
refeições, antes de mexer em alimentos
e depois de usar o sanitário.
avar as roupas com água e sabão
e lavar o sanitário e as latrinas.
14
iver num
ambiente limpo é fundamental
para uma vida saudável.
Atenção:
Os alimentos devem ser lavados
com água limpa antes de preparados
ou consumidos.
Pratos, copos, talheres, canecas, panelas
e outros utensílios de cozinha devem
ser lavados e guardados em local protegido
de moscas, baratas, ratos e poeira.
A família e a gestante precisam
ter acesso a água limpa para manter bons
hábitos de higiene.
Aleitamento materno 15
Por que é bom dar o peito?
Aleitamento
materno
O leite materno protege o bebê contra doenças.
É limpo e não dá trabalho para preparar, pois já está
pronto. Amamente seu bebê exclusivamente ao seio
até os 6 meses de idade.
Criança amamentada desenvolve-se mais rápido,
cresce inteligente e saudável. O uso de chupetas
ou mamadeira pode atrapalhar a amamentação
e deformar os dentes.
A mãe HIV positivo NÃO pode amamentar, mas
o bebê pode receber a alimentação com a mesma
atenção e carinho.
Para amamentar, a mulher precisa
do apoio da família e da comunidade.
Aleitamento
materno Aleitamento materno
Nenhum leite substitui o leite materno.
O aleitamento reforça os laços afetivos.
15
Amamentar = dar leite do peito.
O leite da mãe é adequado, completo,
econômico e suficiente para o bebê.
Sua digestão é mais fácil, pois é feito
especialmente para o estômago da criança.
Contém vitaminas, minerais, gorduras,
açúcares e proteínas na quantidade de que
o bebê precisa. Por isso, não é preciso
dar chás nem água.
Possui substâncias que não são
encontradas em nenhum outro leite e que
protegem o bebê de doenças, como diarreia,
pneumonia, infecção de ouvido, alergias.
Atenção:
O leite materno é o único alimento
de que o bebê precisa até os 6 meses
de idade.
O aleitamento materno deve ser
continuado até os 2 anos ou mais,
juntamente com outros alimentos.
Toda gestante deve ser orientada sobre
a importância do aleitamento materno.
A amamentação supre todas
as necessidades do bebê nos primeiros
seis meses de vida.
Ela reforça os laços afetivos da mãe com
o bebê e contribui para o desenvolvimento
físico e mental da criança.
Mãe HIV positivo NÃO pode amamentar.
16Orientações para a amamentaçãoAleitamento
materno
O leite da mãe é o melhor leite para o bebê.
Durante a gravidez:
r
r r
r
r
r
Atenção:
A gestante HIV positivo deverá receber
o “Guia prático de preparo de alimentos para
crianças menores de 12 meses que não podem
ser amamentadas”.
A mãe soropositiva deverá ter sua lactação
inibida logo após o parto por uso de inibidor
de lactação. Deverá receber apoio tanto
da equipe de saúde como das pessoas
em quem confia para não se sentir
discriminada por não estar amamentando.
Importante:
É desejável que ao amamentar o bebê
o ambiente seja aconchegante, tranquilo,
de troca de carinho. Criar esse ambiente
ajudará no crescimento e desenvolvimento
emocional do bebê.
Aleitamento
materno
Orientações para a amamentação
O bebê tem direito a ser amamentado
e a mãe precisa de apoio para amamentar.
16
Durante a gravidez:
ra sustentar o peso das mamas.
ou sabonete nos mamilos.
ra retirar colostro,
pois isso pode estimular a contração do útero.
do peito não interferem na amamentação.
A criança que abocanha bem a parte escura
do peito retira o leite com facilidade.
Grupo de gestantes 17
O grupo favorece a parceria e laços
de solidariedade entre as gestantes.
No grupo de gestantes, você tem
oportunidade de trocar ideias e
experiências com outras grávidas.
Os profissionais de saúde podem
esclarecer dúvidas e orientar sobre
cuidados que devem ser tomados
durante a gravidez.
As outras grávidas sentem
as mesmas coisas que eu?
Grupo de
gestantes
Grupo de
gestantes
Em grupo, a gestante
sente-se mais fortalecida
Em grupo, as gestantes trocam
experiências, informações e se fortalecem.
A Unidade de Saúde deve informar
o local onde a gestante vai ter o parto.
Deve também organizar as visitas em
grupos de gestantes para conhecer
a equipe e o local do parto.
Procure saber:
de grupos já formados.
de gestantes.
Estimule a formação de grupos de gestantes.
No grupo, as gestantes podem trocar
informações, comparar sentimentos
e relatar medos e sonhos comuns.
Conversando com outras gestantes,
elas ficam mais à vontade para falar
das mudanças no corpo, da sexualidade,
das ansiedades em relação à gravidez,
parto e nascimento do bebê.
Para alívio da ansiedade e das tensões
físicas, indique ou descubra quem poderá
proporcionar exercícios de relaxamento
e respiração no grupo de gestantes.
Eles contribuem para a tranquilidade e um
melhor preparo para o momento do parto.
17
Mudanças no corpo
da gestante e do bebê
A amamentação ajuda o
útero a voltar ao seu
tamanho normal.
Tudo começa com o encontro de um espermatozoide
do homem e um óvulo da mulher.
Ao final do primeiro mês, o bebê tem o tamanho
de um grão de arroz.
Ao final da gestação, o bebê, em geral, mede cerca
de 50 cm e pode pesar em torno de 3 quilos e 400 gramas.
A primeira mudança no corpo da gestante é o aumento dos
seios. Ao final da gravidez, ela terá ganho entre 9 e 12 quilos.
A gestante
e o bebê
18
Como se forma o corpo do bebê?
A gestante
e o bebê
Mudanças no corpo
da gestante e do bebê
Na gravidez, o corpo do bebê e o corpo
da gestante passam por mudanças de peso,
tamanho e forma.
No primeiro trimestre, o corpo da gestante
tem poucas mudanças: as mamas estão
maiores e as aréolas mais escuras.
O corpo do bebê está em formação.
O pré-natal acompanha mês a mês as mudanças
que ocorrem no corpo da gestante e do bebê.
18
No segundo trimestre, a barriga está
maior e a gestante começa a perceber
os movimentos do bebê, que cresce
muito nesse período.
No terceiro trimestre, a mulher
tem as veias das mamas bem visíveis,
o umbigo pode ficar saliente e o bebê
ganha mais peso.
19
É importante que o pai do bebê ou o companheiro da
gestante acompanhe o desenvolvimento da gestação.
Os três primeiros meses de gestação
Como está o bebê na barriga?
Primeiro
trimestre
Ao final do primeiro mês,
o bebê tem o tamanho de
um grão de arroz.
Com três meses de gestação,
o bebê está quase do tamanho
da mão fechada de um adulto.
1 mês e 15 dias
tamanho real
2 meses
tamanho real
3 meses
tamanho real
1 mês
tamanho real
Evite fumo, bebidas alcoólicas ou drogas.
Não tome nenhum medicamento sem orientação médica.
Primeiro
trimestre
No primeiro trimestre, há poucas modificações
no corpo da gestante.
As mamas estão maiores e ela pode sentir enjoos,
muito sono e tonturas, porém gravidez não é doença.
Ao final do primeiro mês, o bebê é do tamanho
de um grão de arroz. O coração, o cérebro e a coluna
estão em formação.
No final do terceiro mês, ele tem quase o tamanho
da mão fechada de um adulto. O cérebro, o estômago,
os intestinos, o esqueleto e os músculos estão
mais desenvolvidos.
Procure saber:
ra urinar.
vosa ou preocupada.
Do primeiro ao terceiro
mês de gestação
Sugira que a mãe escute música, que é muito
importante para o desenvolvimento da criança.
nvolve alguma atividade.
Atenção:
ramento vaginal, dores e cólicas muito fortes
sinais, dev
A gestante, no primeiro trimestre, deve tomar
a vacina antitetânica para que ela e o bebê fiquem
protegidos contr
com interv
podem ser administradas dependendo da situação
e da indicação médica. A vacina contra a gripe
é indicada para todas as gestantes.
19
20
A gestante tem direito
a um acompanhante nas
consultas de pré-natal.
Do quarto ao sexto mês de gestação
Como está o bebê na barriga?
Ao final do quarto mês, o bebê mexe
com as mãos, com o corpo, dá chutes.
Ele já percebe sons. Converse com
seu bebê.
Começam a se formar os dentes
e os dedos das mãos e dos pés.
No fim do sexto mês, a pele do
bebê é fina e brilhante, e ele começa
a abrir os olhos.
Parece que o bebê gosta quando as
pessoas tocam a barriga da sua mãe.
Segundo
trimestre
6 meses
tamanho
aproximado
do real
nofimdosextomês,medeaproximadante30cm
Gestantes que estão sem companheiro
precisam de mais apoio da família e da comunidade.
Segundo
trimestre Do quarto ao sexto mês de gestação
Nessa fase, os enjoos já diminuíram.
A gestante sente-se mais segura e acompanha
com prazer sua barriga crescendo.
A gestante e a família começam a perceber
os movimentos do bebê.
Ele dá chutes, mexe com as mãos e com
o corpo.
Além da voz da mãe, o bebê percebe
outros sons.
A gestante pode convidar o pai a sentir
o bebê se mexendo na barriga. É emocionante
para os três.
Importante:
vem conversar
com o bebê que vai nascer. Enquanto isso,
podem acariciar a barriga da gestante.
Sinais de risco:
chaço nas pernas, mãos e rosto ao acordar,
perda de água ou sangramento pela vagina,
dores e cólicas muito fortes.
Na presença desses sinais, é preciso
encaminhar a gestante ao serviço de saúde.
20
21
Como está o bebê na barriga?
Não esqueça da última dose
da vacina contra tétano.
O bebê ainda na barriga da mãe já percebe
muito do que acontece a seu redor. Sente gosto
amargo e doce, ouve sons, portanto, converse
com o seu bebê e acaricie a barriga. Ele mexe
menos, pois está mais apertado dentro do útero.
No final do nono mês, os pulmões estão
maduros.
Sinais de risco:
exe por mais
de 12 horas; perda de água ou sangue pela vagina;
pressão alta; inchaço nas pernas, mãos e rosto;
dores de cabeça.
Diante desses sinais, a família deve levar
a gestante com urgência ao serviço de saúde.
Terceiro
trimestre
Do sétimo ao nono mês de gestação
no fim
do nono mês,
o bebê mede
aproximadante
50 cm
Terceiro
trimestre Do sétimo ao nono mês de gestação
Oriente a gestante a:
r
r
P
i r
V
Sinais de risco:
r
P
c
Com esses sinais, levar a gestante
para o serviço de saúde.
r
r
P
r r
r
r
Pressão alta é doença grave. Se não for controlada durante
a gravidez, poderá causar a morte da gestante e do bebê.
21
Preparando a
casa
Preparando a casa para receber o bebê
Onde o bebê vai ficar?
O lugar onde o bebê
vai ficar deve ser protegido,
limpo e arejado.
É importante que a gestante
possa contar com o apoio e
ajuda dos parentes, vizinhos
e amigos na hora de ter bebê.
É um direito da gestante
conhecer o local onde terá o seu bebê.
22
Preparando
a casa
Preparando a casa para
receber o bebê
Está chegando a hora do bebê nascer.
A mãe, com a ajuda dos familiares,
deve escolher o nome do bebê.
Isso facilita a formação do vínculo.
Além disso, algumas crianças deixam
de ser registradas por ainda não ter seu
nome escolhido ao nascer.
Ao nascer, o bebê precisa de um lugar
seguro e limpo e de roupa de cama
e banho só para ele. A família deve
ajudar a gestante a preparar a casa para
a chegada do bebê.
Para evitar que o bebê seja picado
pelos mosquitos que transmitem dengue
e malária, é necessário cobrir o berço
com mosquiteiro.
Nas últimas semanas antes do parto, é bom que a
gestante fique mais próxima do local onde vai ter o bebê.
Preste atenção:
á fez uma visita prévia
à maternidade para se familiarizar com
o ambiente. Ajuda a diminuir a sua
ansiedade e cria vínculo com a equipe
que fará seu parto.
de alguém para cuidar das crianças
e da casa enquanto ela vai ter o bebê.
Assim, ficará mais tranquila durante
o trabalho de parto.
Veja como mobilizar ajuda para a mãe
quando ela não conta com ninguém
ao voltar para casa.
22
Preparando-se
para o parto
Cartão da Gestante.
Documento de identidade, que
pode ser carteira de identidade,
certidão de nascimento ou de
casamento, carteira de motorista.
Roupas para a gestante e o bebê.
Artigos de higiene.
A Lei 11.108, de 2005, assegura o direito do pai a acompanhar
a mãe e o bebê no hospital, antes, durante e após o parto.
A gestante já deve deixar preparada, com
antecedência, uma sacola com:
23
O que é preciso levar para o hospital?
Preparando para o parto
A mãe e o pai que trabalham com carteira assinada
têm direito a licença pelo nascimento do bebê.
Preparando-se
para o parto
Se o parto for no hospital:
Verifique se o hospital ou maternidade
já cumprem a lei, garantindo a presença
do pai durante e após o parto.
e ter acesso
facilitado par
e o bebê, a qualquer hora do dia.
A gestante tem direito a seis meses
de licença-maternidade, que pode
ser iniciada um mês antes do parto.
de licença
após o nascimento do bebê. Assim, ele
pode fazer o registro de nascimento, ajudar
Preparando-se para o parto
le ar para o hospital.
Atenção:
ra do parto.
rantido
pela Lei no 11.108, de 2005.
23
O bebê vai nascer
Qual é a hora certa de ir para o hospital?
Parto 24
Se o hospital é próximo, a gestante pode
esperar em casa até as contrações do útero
acontecerem com um tempo próximo
de 10 em 10 minutos.
Também pode ocorrer eliminação repentina
de água, que significa o rompimento da
“bolsa das águas”, indicando que é preciso
procurar o hospital.
Quando o hospital é longe e há dificuldade
de transporte, é bom sair de casa antes das
contrações ficarem mais fortes.
A gestante sente-se mais tranquila
quando pode contar com o apoio
do companheiro, da família
e da comunidade.
Todo hospital ou maternidade tem que acolher
a gestante e garantir a assistência ao parto.
Parto O bebê vai nascer
Sinais de que o parto está próximo:
v
br r
r
v
r
v
v r
r
r r
24
O r r r
Oriente a gestante:
r
r
r v
r
r
v r o
r
Parto 25Chegando à maternidade
O que vai acontecer com a gestante?
Ao chegar à maternidade, a
ficha de internação é preenchida.
É importante conhecer a equipe
de saúde.
São feitos os exames para
acompanhar o trabalho de parto.
A gestante pode se movimentar,
tomar banho e receber massagem.
É um direito da gestante ser acompanhada por
pessoa da sua escolha, antes, durante e depois do parto.
Parto
Chegando à maternidade
A gestante deve ser recebida com carinho
e respeito pelos profissionais de saúde.
O profissional de saúde vai escutar
o coração do bebê, contar quantas vezes
o útero se contrai e fazer toque vaginal para
ver como está a dilatação do colo do útero.
Com isso, ele vai avaliar se está na hora do
bebê nascer.
Dependendo do resultado, a gestante vai
para o quarto ou para a sala de pré-parto
até que se complete a dilatação do colo
do útero. Ela pode andar, tomar banho
e receber massagem. Tudo isso ajuda
a relaxar.
Por lei, a gestante tem direito a acompanhante
antes, durante e após o parto.
Importante:
vel que a gestante e seu
acompanhante conheçam previamente
a rotina da maternidade e se possível
a equipe de saúde.
Valendo os direitos:
Toda gestante tem direito à assistência
ao parto e pós-parto de forma humanizada.
25
26
O parto pode ser feito sem dor?Parto
No parto normal, a gestante
pode receber medicamentos
que diminuem a dor do parto.
O parto normal, geralmente,
é a melhor maneira de trazer o bebê
ao mundo. O bebê nasce mais ativo
e tem logo vontade de mamar.
Cesariana é uma cirurgia e só deve
ser feita pelo médico e quando for,
de fato, necessária.
O SUS paga o medicamento
contra dor para o parto normal.
Atenção:
As casas de parto devem estar próximas
da maternidade para o caso de ser necessário
outro tipo de intervenção.
Oriente a gestante:
ral, o parto normal é a melhor maneira
para o bebê nascer ivo e mostra
v ras horas
de vida.
disposta para amamentar e cuidar do seu bebê
Parto O parto
No hospital, maternidade ou casa de parto,
ral, é assistida por médica(o)
ra(o) obstetra.
diminue ou inibe a participação da mãe,
ser assistida pela parteira tradicional capacitada.
Natural é parto normal; cesariana
só se for, de fato, necessária.
26
27
A melhor posição para o parto
é aquela em que a gestante se sente
mais confortável.
No parto normal, a gestante
pode escolher a posição deitada,
sentada ou de cócoras.
Procure saber se o local onde você
vai ter o bebê já utiliza a cadeira
de parto ou a cama inclinada.
Na posição semideitada ou sentada,
fica mais fácil para a mulher fazer
força e participar ativamente
do nascimento do bebê.
Parto A gestante pode escolher
a posição para o parto?
Parto
O bebê e a mãe participam ativamente
do parto normal.
O bebê faz força para nascer, e a sua
cabeça vai alargando o colo do útero
e a vagina para poder passar.
A gestante pode escolher a posição
que achar mais confortável: deitada,
sentada ou de cócoras.
O hospital ou maternidade são obrigados a permitir
que a gestante esteja acompanhada por pessoa
da sua escolha, antes, durante e depois do parto.
Posições para o parto
As posições sentada e de cócoras
facilitam o trabalho de parto.
Algumas maternidades já usam cadeira
de parto, banheiras e mesa inclinada,
que são mais confortáveis para a mulher.
Também no parto em casa, assistido por
parteira tradicional, a mulher pode escolher
a melhor posição para o parto: de cócoras,
deitada de lado ou ajoelhada.
27
Parto
28Cuidados no parto de gestante soropositiva
O que acontece no momento do parto?
A gestante HIV positivo recebe,
no momento do parto, medicação na veia.
O bebê não faz testagem para HIV
na maternidade. Ele recebe medicamento
pela boca, imediatamente após o
nascimento e durante as seis primeiras
semanas de vida.
O bebê recebe fórmula infantil que
é um leite em pó apropriado para ele, que
será dado em copinho, com muito carinho.
Mãe e bebê soropositivos têm
direito a exames, remédios e
acompanhamento da Equipe de Saúde.
Toda gestante tem o direito de fazer o exame para o HIV
e receber medicamento durante a gestação e o parto.
Parto Cuidados no parto
de gestante soropositiva
O bebê não fará a testagem para HIV
na maternidade. Receberá medicamento
imediatamente após o nascimento
e durante as seis primeiras semanas
de vida (42 dias). Ele deverá ser
encaminhado para o serviço de saúde
especializado para crianças expostas
ao HIV.
O bebê recebe fórmula infantil que
é um leite em pó apropriado para ele.
O bebê deve ter alta da maternidade
com consulta agendada em um serviço
especializado, que fará os testes de acordo
com determinações do Ministério da Saúde.
28
O vírus da aids pode passar da mãe
para o filho durante o parto.
Se a mulher não fez o teste para
o HIV/aids durante a gestação, ela tem
direito a fazer o teste rápido no momento
do parto.
A gestante soropositiva recebe,
no momento do parto, medicação
injetável.
Mãe soropositiva não pode amamentar
devido ao risco do vírus ser transmitido
pelo leite materno. Não se recomenda,
também, que o bebê seja amamentado
por outra mãe.
29
Alojamento conjunto é um direito da família.
É bom para a mãe, o pai e o bebê.
O que acontece depois do parto
Por que é bom o bebê ficar junto da mãe?
O alojamento conjunto
é bom para toda a família.
A mãe pode olhar, tocar
e amamentar o bebê sempre
que quiser.
O pai e outros familiares
podem participar mais
ativamente desses momentos
de intimidade com o bebê.
A mãe de primeiro filho
vai aprender a cuidar do seu
bebê com as outras mães e
profissionais de saúde.
O
nascimento
Alojamento conjunto é um direito da
família. É bom para a mãe, o pai e o bebê.
O que acontece depois do parto?
Logo que nasce, o bebê deve ser colocado
em cima do corpo da mãe para sentir seu
cheiro e calor e sugar seu seio. É muito
importante que a gestante seja apoiada
para amamentá-lo já na sala de parto.
Ao nascer, o bebê recebe uma pulseira
com o nome da mãe. Se eles estão bem,
vão para o alojamento conjunto, onde
o bebê fica o tempo todo junto da mãe.
Assim os dois vão se conhecendo melhor.
O
nascimento
29
Com o bebê sempre junto de si, a mãe
sente mais segurança e pode amamentá-lo
sempre que ele quiser.
No alojamento conjunto, ela pode contar
com a ajuda e orientação dos profissionais
de saúde.
30
Quanto mais tempo o bebê ficar
aconchegado no peito da mãe, melhor.
Ele mama mais vezes, ganha peso
mais rápido, mantém a temperatura
do corpo e se sente mais protegido.
O pai deve dividir com a mãe
a responsabilidade de cuidar do bebê
prematuro e de baixo peso.
Bebê prematuro e de baixo peso
Como posso cuidar do meu bebê?
O
nascimento
Método
cangurú
Ficar pertinho da mãe,
do pai e da família ajuda
o bebê a crescer e a se
desenvolver.
Método
Canguru
A mãe tem direito a permanecer no
hospital cuidando de bebê prematuro.
O
nascimento Bebê prematuro e de baixo peso
O bebê prematuro e de baixo peso muitas
vezes precisa ficar em incubadora ou ser
colocado sem roupa bem junto do corpo da mãe
(contato pele a pele precoce), ou de outro
familiar, para que possa se manter aquecido,
como recomenda o método Canguru.
Mesmo que fique em incubadora,
é importante o contato do bebê com
a mãe, o pai ou outros familiares.
Esse contato propicia maior ligação
afetiva entre a família e o bebê e facilita
o aleitamento materno.
Se o bebê prematuro ainda não
consegue sugar o peito da mãe, o leite
materno pode ser retirado e dado com
copinho até ele conseguir mamar.
Mamando mais vezes, o bebê ganha peso
e se fortalece mais rápido.
A mãe também pode doar o leite excedente
para o banco de leite.
Verifique se há postos de coleta
no município ou na região.
O pai pode dividir com a mãe a tarefa
de cuidar do bebê e mantê-lo aquecido.
Preste atenção:
do bebê, porque ele é prematuro. Nesse caso,
é necessário que o serviço de saúde oriente
e acompanhe essa família mais de perto.
30
31Deixando o hospital
O que acontece antes da alta?
O cartório não pode cobrar pelo registro civil
e pela primeira via da certidão de nascimento.
A mãe recebe a Caderneta
de Saúde da Criança preenchida
com as informações do parto
e do nascimento do bebê.
O Serviço de Saúde onde nasceu
o bebê fornece a Declaração de
Nascido Vivo, para que os pais
possam fazer o registro civil e
receber a certidão de nascimento
do bebê.
Se o parto foi domiciliar e tiver
sido realizado por parteira, ela vai
entregar para a mãe ou o pai uma
ficha de notificação de parto
em domicílio. Eles deverão ir ao
cartório com seus documentos
e a ficha para registrar a criança.
Voltando
para casa
O ideal é que o registro civil seja feito logo
após o nascimento, ainda na maternidade.
É direito do bebê ser registrado e
receber a certidão de nascimento.
Deixando o hospitalVoltando
para casa
31
Atenção:
As vacinas BCG e contra a hepatite B devem
ser aplicadas logo após o nascimento,
de preferência na maternidade.
A mãe deve ser vacinada contra a rubéola,
receber a vitamina A e marcar a consulta
de pós-parto.
Importante:
O Teste do Pezinho é um exame que
descobre algumas doenças graves que podem
afetar o desenvolvimento do cérebro do bebê.
Esse teste deve ser feito entre o 4º e o 7º dia
após o nascimento, no hospital ou Unidade
de Saúde.
Antes da alta, o hospital deve fornecer:
A Caderneta de Saúde da Criança preenchida
com os dados do parto e nascimento.
A via amarela da Declaração de Nascido Vivo
para fazer a certidão de nascimento do bebê.
Alguns hospitais fazem o registro civil antes
da alta do bebê.
Para fazer o registro civil da criança,
pais casados precisam apresentar a certidão
de casamento. Caso não sejam casados,
é necessária a presença do pai como
declarante ou sua autorização escrita.
Se a mãe for a declarante e o pai não
reconhecer a paternidade, constará somente
o nome da mãe na certidão de nascimento.
32
O Cartão da Gestante contém informações
sobre a gravidez, o parto e o pós-parto.
Deve ser levado à Unidade de Saúde,
na consulta pós-parto e na próxima gestação.
A Caderneta de Saúde da Criança é um
documento importante para acompanhar o
crescimento, o desenvolvimento, a alimentação
e a vacinação da criança até os 9 anos de idade.
A Caderneta de Saúde da Criança deve
ser guardada com cuidado e levada sempre
que a criança for à Unidade de Saúde
ou a campanhas de vacinação.
Cartão da
Criança
Por que é importante guardar
o Cartão da Gestante e a
Caderneta de Saúde da Criança?
O Cartão da Gestante e a
Caderneta de Saúde da Criança
contêm informações importantes
sobre a saúde da mãe e da criança.
O Cartão da Gestante, que já tinha informações
sobre o pré-natal, agora é devolvido à mãe com
as anotações sobre o parto e nascimento da criança.
A Caderneta de Saúde da Criança começa
a ser preenchida onde o bebê nasceu e acompanha
a criança até os 9 anos de idade.
Na Caderneta de Saúde da Criança, são anotados
o nome da criança, a data e local do nascimento, peso,
comprimento, medida da cabeça, vacinas recebidas
e tipo de parto.
Os pais podem acompanhar o crescimento
e o desenvolvimento do bebê pelas anotações
da Caderneta de Saúde da Criança.
O direito à saúde está previsto na Constituição
e deve ser garantido pelo Sistema Único de Saúde.
Cartão da Gestante
e Caderneta de Saúde da Criança
Cartão da
Criança
Atenção:
Oriente a família a conservar o Cartão da Gestante
e a Caderneta de Saúde da Criança com muito
cuidado, pois são documentos importantes.
32
33
Toda mãe precisa fazer consulta de revisão do parto,
até 10 dias após o parto ou antes, se houver necessidade.
Atenção, família:
c
Procure atendimento médico
com urgência.
Chegando em casa
Como vamos cuidar da mãe e do bebê?
A mãe precisa da ajuda do companheiro e das outras
pessoas para que possa amamentar e cuidar do seu bebê.
A mãe necessita da ajuda da família para
que possa amamentar e cuidar do bebê.
Sinais de risco:
v
Atenção:
v
Chegando em casa
Após o parto, a mulher deve voltar ao serviço de saúde:
33
01A família acolhe a mãe e o bebê em casa
Como vamos cuidar da mãe e do bebê?
Mãe e bebê
em casa
A fam lia, a comunidade
e o mun c pio são
responsáveis pela educação
e proteção da criança.
Mãe e bebê devem ser bem
acolhidos. Eles precisam de atenção,
cuidados e muito afeto.
A família deve cuidar do dia a dia
da casa para que a mãe possa tocar,
amamentar, cuidar e ficar perto
do bebê.
Mãe e bebê
em casa
O governo, a sociedade e a família são responsáveis
por cuidar da criança, protegê-la e educá-la.
A família acolhe a mãe
e o bebê em casa
Preste atenção:
Se a mãe tem apoio familiar, caso contrário,
procure ajuda com os vizinhos e visite mais
vezes essa família.
ra o bebê ficar
deitado e participar da vida em família.
ou de outras pessoas nas tarefas da casa.
nversar sobre o
ra da mãe cuidar e se relacionar
com o bebê.
Importante:
A família deve receber mãe e bebê num ambiente
ra viver. Ajudada
nas tarefas da casa, a mãe pode cuidar do bebê e
amamentá-lo.
ra para cuidar do bebê e precisa de apoio.
Com a ajuda de outr iveram
ra. As mães sem
companheiro precisam de mais apoio da família.
Se a mãe fez cesariana, pode sentir dor na
ra andar e cuidar do bebê.
iveram parto normal e
precisaram fazer um corte na entrada da v
podem sentir o desconforto dos pontos.
01
02Cuidados com bebê prematuro e de baixo peso
O que vamos fazer?
Bebê prematuro e de
baixo peso precisa de
mais atenção da família
e do serviço de saúde.
A saúde
do bebê
Manter o bebê mais tempo junto do corpo
da mãe ou do pai. Assim ele fica quentinho,
como se ainda estivesse dentro da barriga.
O bebê precisa mamar
mais vezes, durante o dia e
também à noite, para ganhar
peso mais rápido.
No primeiro mês, as famílias com bebês prematuros ou de baixo peso
devem ser visitadas com mais frequência pela equipe de saúde.
Cuidados com bebê prematuro
e de baixo peso
A saúde
do bebê
Os bebês que nasceram prematuros
ou com baixo peso podem ficar um tempo
maior no hospital.
Esses bebês precisam de cuidados especiais,
porque têm pouca defesa e podem pegar
infecções; têm pouca gordura no corpo e não
conseguem se manter aquecidos; os pulmões
ainda não estão maduros, por isso, eles podem
ter problemas respiratórios.
A melhor maneira de cuidar desse bebê
é mantê-lo o maior tempo possível junto
ao corpo da mãe.
O contato pele a pele aquece e conforta
o bebê. Ele pode mamar mais vezes e, assim,
ganhar peso mais rápido.
Importante:
O aleitamento materno é essencial para
ajudar o bebê a se fortalecer e ficar protegido
das doenças. A equipe de saúde deve
reforçar o apoio e a motivação na necessidade
de amamentação.
Atenção:
Bebês prematuros muito pequenos podem
ter dificuldade para sugar o peito da mãe.
Nesses casos, recomenda-se retirar o leite
materno e dar com colher ou copinho.
02
03
O município é responsável pelo funcionamento das equipes
de saúde da família, incluindo os agentes de saúde.
Serviços básicos de saúde para o bebê e a família
Temos esses serviços na comunidade?
Serviços
A tarefa de educar, proteger e cuidar
do bebê é especialmente da famíl a.
Para isso, ela precisa contar com serviços
de boa qualidade próximos do local onde
vive e do apoio da comunidade.
Os profissionais de Saúde da Família,
da Pastoral da Criança, do Centro
de Referência da Assistência Social - C
e de outros serviços públicos
ou comunitários ajudam a família
nos cuidados com o bebê.
O governo municipal é responsável por organizar
e manter serviços de atenção básica à saúde.
Serviços básicos de saúde
para o bebê e a família
Serviços
A Unidade de Saúde deve estar próxima
de onde mora a família. Assim, fica mais fácil
vacinar o bebê e ter a atenção dos profissionais
de saúde.
Os profissionais de Saúde da Família, da
Pastoral da Criança, do Centro de Referência
da Assistência Social - CRAS e de outros serviços
públicos ou comunitários ajudam os pais e a
família a cuidar da saúde e do desenvolvimento
das crianças.
Outros grupos também são parceiros no
fortalecimento da família. Grupos de pais,
de gestantes, de jovens, de igrejas, esportivos
e culturais colaboram no cuidado, educação
e proteção das crianças.
As equipes de saúde devem dar atenção
especial às famílias com bebês recém-nascidos.
É necessário fazer a visita domiciliar logo
após a alta do bebê. Essa visita ajuda a
identificar problemas de saúde com a mãe
e o bebê e dá o apoio para a amamentação.
Aproveite para observar o tipo de moradia e
condições de higiene e dê orientações.
Atenção:
Para os bebês prematuros ou de baixo peso,
a visita deve ser feita nos três primeiros dias, e
para os demais bebês, até o final da primeira
semana.
03
A mãe deve voltar ao serviço de saúde:
Imediatamente, em caso de febre, dor forte
na barriga, perda de líquidos, sangramento ou
corrimento com cheiro forte.
Dez dias depois do parto para avaliar
a cicatrização dos pontos, as condições
das mamas e do útero.
Quarenta dias depois do parto para receber
orientações sobre planejamento familiar.
É importante o companheiro ir junto para essa
revisão pós-parto para que recebam orientação
sobre a necessidade de um espaço de pelo
menos dois anos entre um filho e outro.
Todas as mulheres têm direito a informações
e acesso aos métodos anticoncepcionais,
inclusive os naturais.
04
A Unidade de Saúde tem o dever
de atender as mulheres no pós-parto.
Cuidados com a saúde da mãe
Quando devo voltar ao serviço de saúde?
A saúde
da mãe
É importante que a família também conheça
os sinais de risco depois do parto.
Cuidados com a saúde da mãe
A saúde
da mãe
A mulher precisa se alimentar bem, tomar
mais líquidos e descansar mais para recuperar
as forças, produzir leite e cuidar do bebê.
Se teve parto normal e levou pontos, a
mulher precisa lavar o local com água e sabão
toda vez que urinar e evacuar. Esses pontos
caem sozinhos. Os pontos da cesariana
são retirados no serviço de saúde.
Depois do parto, é normal a mulher ter
um pequeno sangramento que vai diminuindo
e clareando.
A mulher deve ir ao serviço de saúde:
r forte
na barriga, perda de líquidos, sangramento
ou corrimento com mau cheiro.
dos pontos, as condições das mamas e do útero.
orientações sobre planejamento familiar.
É importante orientar a mãe e, se possível,
o companheiro, para que haja um espaço de pelo
menos dois anos entre um filho e outro. Assim,
a mulher consegue recuperar-se da gestação
e do parto e dar o leite do peito com mais
tranquilidade.
Oriente sobre o direito que todas as mulhere têm a
informações e acesso aos métodos anticoncepcionais,
inclusive os naturais.
04
05Estado emocional da mulher no pós-parto
O que precisamos fazer?
A saúde
da mãe
Nos primeiros dias depois do parto,
a mãe pode se sentir triste, desanimada
e cansada.
Quando esses sentimentos não passam
ou se agravam, a mãe pode estar com
depressão pós-parto.
Sinais de depressão pós-parto:
Alteração súbita de humor.
Crises de choro.
Tristeza e desânimo.
Dificuldade para cuidar de si e do bebê.
Nessas situações, é preciso levá-la
ao serviço de saúde.
A depressão pós-parto é uma condição
que pode ser grave e precisa ser tratada.
As mulheres necessitam de muito apoio do companheiro, da família,
dos profissionais de saúde e da comunidade para cuidar do bebê.
Estados emocionais no pós-partoA saúde
da mãe
As mulheres podem sentir-se abatidas
e desanimadas depois do parto. Isso
logo passa.
Mas, quando esses sintomas se
prolongam por mais tempo e a mãe tem
crises de choro e não consegue cuidar do
bebê, pode estar com depressão pós-parto.
A depressão pós-parto é doença
e não pode ser confundida com um
mal-estar passageiro.
A mãe precisa receber tratamento
médico adequado e mais apoio da família.
Preste atenção:
ra interesse e alegria
ao cuidar do bebê.
rada pela
família e pela comunidade.
instabilidade emocional na fam lia.
05
Mãe bem alimentada
produz mais leite.
Alimentação da mãe que amamenta
O que devo comer quando
estou amamentando?
Alimentação
da mãe
06
Mãe que amamenta pode comer todo tipo
de alimento e deve tomar bastante líquidos.
Isso ajuda a produzir leite.
Não há alimentos específicos para aumentar
a produção de leite.
Os melhores alimentos são os da própria região
e de cada época do ano, pois são mais baratos,
frescos e nutritivos.
Ao amamentar, a mãe não deve consumir
álcool, fumo, drogas ou medicamentos
sem receita médica.
O governo deve providenciar apoio alimentar à mãe que amamenta.
Está no Estatuto da Criança e do Adolescente.
Alimentação da mãe que amamenta
Alimentação
da mãe
Não existe “leite fraco”, mas a mãe que
amamenta precisa de uma quantidade maior
de alimentos e de líquidos.
A mãe pode comer todo tipo de alimento.
Ela deve comer frutas, verduras, carnes,
miúdos, legumes, feijão e arroz, que possuem
os nutrientes e vitaminas de que ela precisa.
Também deve beber bastante líquido: chás,
água, sucos ou leite. Isso ajuda a produzir
leite materno.
Assim, ela supre suas necessidades e
produz leite em quantidade e qualidade
adequadas ao bebê.
A mãe não deve consumir álcool, fumo
e outras drogas, nem tomar medicamentos
sem receita médica.
A família deve comprar e consumir os
alimentos que são próprios da região e de
cada época do ano. Eles são mais baratos,
frescos e nutritivos.
Se a família está com dificuldade para
conseguir comida, é preciso buscar apoio
na comunidade e nas instituições que possam
complementar a sua alimentação.
06
Na primeira semana de vida, o bebê precisa ser levado à
Unidade Básica de Saúde para:
F T P
O bebê deve ser levado com urgência ao serviço de
saúde se tiver:
F
3- T
P
07
Se o bebê não estiver bem de saúde, durante o dia,
leve-o imediatamente à Unidade Básica de Saúde,
e, à noite, ao serviço de pronto-socorro.
Quando devo levar o bebê
ao serviço de saúde?
1
2
3
4
5
6
Atenção:
O bebê deve ser levado com urgência ao serviço
de saúde se:
Tiver febre.
A temperatura do corpo estiver
Tiver dificuldade de respirar.
A barriga estiver estufada.
A pele estiver muito amarelada.
iv
Tiver dificuldade para mamar.
em torno do umbigo.
Contar com o apoio de outras mulheres
que já tiveram filhos ajuda a mãe a identificar
problemas de saúde no bebê.
Primeira ida ao serviço de saúde e
sinais de perigo para o bebê
em casa
O bebê deve ser lev
de Saúde na primeira semana de vida par
o Teste do P
Esses testes servem para identificar precocemente
transtornos que podem prejudicar o crescimento e
o desenvolvimento do bebê.
r
ratamento.
ve ser vacinado contra
tuberculose e hepatite B
ele deve receber essas vacinas na visita à Unidade
ra semana de vida.
07
08
Os profissionais de saúde e as mulheres que já tiveram
filhos podem ajudar as famílias a cuidar de seus bebês.
Outros cuidados com o bebê
O que podemos fazer?
Dia a dia
do bebê
O bebê chora quando tem cólicas,
quando está molhado, com frio ou
fome, e quando quer carinho.
Ele pode também estar com gases,
nariz entupido, soluço.
Nesses casos, existem cuidados
simples que a mãe pode aprender
com pessoas mais experientes.
Família informada cuida melhor do bebê.
Outros cuidados com o bebêDia a dia
do bebê
Algumas orientações para ajudar as mães:
soluços:
Choro que não passa:
Cólicas:
Gases:
dob
Golfadas:
av
Nariz entupido:
08
v v
Pa
iv
v
av
O bebê passa a maior parte
do tempo dormindo.
A melhor posição para ele dormir
é de barriga para cima.
O bebê se comunica pelo choro
quando quer mamar, se está molhado,
tem dor e também quando quer carinho.
09
Ficar perto da mãe ajuda o bebê a se desenvolver.
Como é o bebê no primeiro mês
Como é o bebê?
Características
do bebê
Ficar perto da mãe ajuda
o bebê a se desenvolver.
Como é o bebê no primeiro mêsCaracterísticas
do bebê
Nos primeiros dias, o bebê perde um pouco
de peso e dorme a maior parte do tempo.
Com 15 dias, se mama bem, já deve ter
recuperado o peso do nascimento.
A cabeça é grande e os ossos não estão
emendados. Pode ter inchaço no couro
cabeludo, resultado da pressão da cabeça
no canal de parto.
Comunica-se pelo choro quando sente dor,
fome, frio ou calor, está com fralda molhada
ou suja e também quando quer carinho.
Parece que se assusta ou quer abraçar quando
ouve sons ou é tocado.
As fezes dos primeiros dias são quase pretas
e viscosas. Bebê que mama no peito tem fezes
amarelas e meio líquidas. Isso não é diarreia.
O bebê nunca deve dormir de barriga para
baixo (de bruços). Recomenda-se que ele
durma de barriga para cima. Cuide para que
a boca e o nariz não fiquem cobertos. Para
aquecê-lo, é preferível agasalhá-lo
com mais roupas em vez de cobri-lo com
muitas cobertas.
Importante:
O bebê está se desenvolvendo bem quando
mama, dorme bastante, respira suavemente,
faz cocô e xixi várias vezes ao dia.
09
Cada bebê tem seu jeito
de se desenvolver.
Conversar e brincar com
o bebê desde o nascimento é
muito importante para que ele
se desenvolva bem.
Se achar que sua criança não
está se desenvolvendo como você
espera, fale sobre isso com um
profissional de saúde.
Como o bebê se desenvolve?
O desenvolvimento do bebê é influenciado
pelos costumes e hábitos da família e da comunidade.
Desenvolvimento 10
O desenvolvimento do bebêDesenvolvimento
Cada criança aprende e se desenvolve
à sua maneira e no seu tempo.
Primeiro, o bebê comanda o olhar, depois
sustenta a cabeça, o pescoço e os ombros,
para mais tarde se sentar, engatinhar e ficar
em pé. Em seguida, anda.
O bebê não faz isso sozinho, ele depende
das pessoas que convivem com ele.
Sinais de que o bebê está se desenvolvendo bem:
Olha para o rosto da mãe enquanto
está mamando.
ovimentos diante de sons
mais fortes.
Acompanha com o olhar os movimentos
da mãe.
ra o seio da mãe para mamar quando
é colocado no colo.
O convívio com a família e a comunidade é
fundamental para o desenvolvimento do bebê.
10
Neste primeiro mês, a pessoa mais
importante para o bebê é a mãe.
Vínculo entre mãe e bebê
Por que o bebê precisa ser
cuidado pela mãe?
Vínculo
mãe/bebê
11
O bebê gosta muito quando a mãe
conversa com ele, canta baixinho,
olha nos seus olhos, toca e massageia
o corpo dele.
Na falta da mãe, é bom que o bebê
seja cuidado na maior parte do tempo
pela mesma pessoa, porque ele precisa
reconhecer quem cuida dele.
O bebê começa a conhecer o mundo
por meio da sua relação com a mãe.
Vínculo entre mãe e bebê
Vínculo
mãe/bebê
O bebê precisa reconhecer quem cuida
dele, por isso, precisa ser cuidado, na
maior parte do tempo, pela mesma pessoa.
Neste primeiro mês, o melhor para
o bebê é ser cuidado pela mãe.
Ela deve aproveitar os momentos da
troca de fralda e do banho para conversar
com o bebê, cantar baixinho, massagear
o corpo dele, olhá-lo nos olhos.
Assim, os dois vão se conhecendo
e se amando mais. O pai deve participar
ativamente desses momentos.
11
Como saber se o vínculo entre mãe
e bebê está sendo estabelecido:
rante a amamentação, o bebê procura
o olhar da mãe e ela olha para ele.
chorando e a mãe
o pega no colo, ele se acalma.
ele tenta acompanhar, com os olhos, os
movimentos dela.
12Ambiente favorável ao
desenvolvimento do bebê
Qual é o melhor lugar para o bebê ficar?
O ambiente
do bebê
O bebê precisa de tranquilidade.
Evite levá-lo a lugares onde haja muita
gente e barulho, como supermercados,
shoppings e restaurantes.
Não deixe que fumem dentro de
casa. A fumaça faz mal para a criança.
Se os pais fumam, não devem pegar
o bebê enquanto fumam ou logo após
terem fumado. E devem lavar bem as mãos
após fumar.
Agasalhe a criança e deixe sempre
as janelas abertas para arejar a casa.
Evite usar produtos de limpeza
com cheiro forte.
O bebê necessita de tranquilidade. Evite ambientes
com muito barulho e muitas pessoas.
Para se desenvolver, o bebê precisa das pessoas
que convivem com ele.
Ambiente favorável ao
desenvolvimento do bebê
O ambiente
do bebê
12
A casa deve ser limpa e o local onde
o bebê fica deve ser seguro e bem arejado.
Ele reconhece e presta atenção
na voz da mãe e gosta também de ouvir
a voz do pai.
O bebê precisa de tranquilidade.
Evite levá-lo a lugares onde haja muita
gente e barulho.
Não deixe que fumem dentro de casa.
A fumaça faz mal para a criança. Se os pais
fumam, não devem pegar o bebê enquanto
fumam ou logo após terem fumado. E
devem lavar bem as mãos após fumar.
Agasalhe a criança e deixe sempre as
janelas abertas para arejar a casa. Evite
usar produtos de limpeza com cheiro forte.
Preste atenção:
o bebê possa olhar e tentar pegar;
nversa e pega
o bebê no colo, mesmo quando ele
não está chorando. Isso é bom para
o desenvolvimento dele.
Toda criança tem direito ao registro civil e à
primeira via da certidão de nascimento gratuitos.
Lei nº 9.534 de 10/12/1997.
13O Registro Civil
O registro
do bebê
PARTO NO HOSPITAL
Pais casados
Apresentar a Declaração de NascidoVivo fornecida pelo hospital.
certidão de casamento, presença do pai ou da mãe.
Pais não casados
Apresentar a Declaração de Nascido Vivo.
Presença do pai e da mãe, ou um dos dois, trazendo a carteira
de identidade.
Se o pai é o declarante, será feito o registro de filiação paterna
e materna.
Se o pai não puder ir junto, a mãe só poderá fazer o registro com
o nome paterno se tiver uma procuração pública do pai para isso.
Se a mãe não tiver essa procuração, ela pode fazer o registro
em seu nome apenas e, a qualquer tempo, o pai pode comparecer
espontaneamente ou por ordem da justiça ao cartório para registrar
a paternidade. Se o pai se recusar a registrar a criança, a mãe deve
informar o nome dele no cartório para que o juiz encaminhe o
processo de reconhecimento de paternidade.
PARTO FORA DO HOSPITAL- Sem a Declaração de Nascido
Vivo é preciso levar os pais e duas testemunhas que assistiram ao
parto ou confirmem a gravidez.
Como registrar o bebê?
O Registro Civil
O registro
do bebê
O hospital onde o bebê nasceu fornecerá
a Declaração de Nascido Vivo. Esse
documento é exigido para a emissão da
certidão de nascimento.
Alguns hospitais fornecem o registro civil
do bebê.
Devem ser registrados em cartório:
Os bebês que não foram registrados
no hospital.
Os bebês que nasceram em casa.
Para registrar o bebê que nasceu
em casa, é preciso levar ao cartório duas
testemunhas que assistiram ao parto ou
confirmem a gravidez. A parteira pode
ser testemunha.
A família deve procurar o conselho tutelar, o promotor ou juiz da infância
e da juventude se tiver problemas para fazer o Registro Civil do bebê.
13
Preste atenção:
a Declaração de Nascido Vivo (via amarela)
e se a criança já foi registrada.
ras crianças e pessoas adultas da
O registro civil e a primeira via
da certidão de nascimento, por lei,
sempre são gratuitos.
de nascimento é um direito de todo
cidadão brasileiro.
14
É dever do profissional de saúde preencher
a Caderneta de Saúde da Criança.
Para que serve a Caderneta
de Saúde da Criança?
Saúde
do bebê
A Caderneta de Saúde da Criança
serve para a família e a equipe de saúde
acompanharem mês a mês o crescimento
e o desenvolvimento da criança.
Na Caderneta, são registrados os dados
da saúde da criança desde o nascimento
até os 9 anos.
A Caderneta de Saúde da Criança deve
ser guardada em lugar seguro e levada
sempre a consultas, exames e campanhas de
vacinação para ser preenchida.
Com a Caderneta de Saúde preenchida, é possível
acompanhar o crescimento e desenvolvimento da criança.
A Caderneta de Saúde da CriançaSaúde
do bebê
A Caderneta de Saúde da Criança,
fornecida pelo serviço de saúde, serve
para acompanhar o crescimento e
desenvolvimento da criança do
nascimento aos 9 anos. Deve ser levada
ao Serviço de Saúde nas consultas.
A Caderneta de Saúde da Criança
contém informação sobre alimentação,
agenda de vacinação, segurança e
prevenção de acidentes e desenvolvimento
afetivo e emocional da criança.
A curva de peso mostra se a criança
está ganhando ou perdendo peso
de um mês para outro.
14
Preste atenção:
de Saúde da Criança em lugar adequado.
va a Caderneta de Saúde
da Criança a todas as consultas nos
serviços de saúde.
15
É direito das famílias ter Unidade de Saúde perto
do lugar onde moram para vacinar suas crianças.
Vacina Por que você tem que vacinar seu bebê?
Calendário de vacinação infantil
O bebê precisa ser vacinado, porque ele nasce sem defesa para algumas doenças.
Calendário vigente em 2013
Aonascer 1mês 2meses 3meses 4meses 5meses 6meses 7meses 8meses 9meses 12meses 15meses 18meses 24meses 4anos 5anos 6anos 9a10anos
BCGID Doseúnica
HepatiteB 1ªdose 2ªdose 3ªdose
Tríplicebacteriana(DTPwouDTPa) 1ªdose 2ªdose 3ªdose
Haemophilusinfluenzaeb 1ªdose 2ªdose 3ªdose
Poliomelite(vírusinativados) 1ªdose 2ªdose 3ªdose
Rotavírus
Pneumocócicaconjugada 1ªdose 2ªdose 3ªdose
MeningocócicaCconjugada 1ªdose 2ªdose
Influenza(gripe)
Poliomeliteoral(vírusvivosatenuados)
Febreamarela 1ªdose Reforço
HepatiteA 1ªdose 2ªdose
Trípliceviral(sarampo,caxumbaerubéola) 1ªdose
Varicela(catapora) 1ªdose
HPV Trêsdoses
Vacinas
Duasoutrêsdoses,deacordocomofabricante
Reforço
Reforço
Reforço
Reforço
Reforço
Duasdosesnaprimovacinaçãoantesdos9anosdeidade.Doseanualdereforço.
DONASCIMENTOAOS2ANOSDEIDADE DOS2AOS10ANOS
DIASNACIONAISDEVACINAÇÃO
2ªdose
2ªdose
Reforço
Reforço
Reforço
15
A melhor proteção para o bebê é a
combinação de leite materno e vacinas.
Vacina é proteçãoVacina
Atenção:
v
a
v
B.
Importante:
V
v
av
Pa v
Pa
v
v v v
v
v
v
av
16
O bebê fica mais calmo quando a família
organiza seus horários de sono e banho de sol.
A rotina
do bebê
A família precisa ter uma rotina para organizar a vida do bebê.
De dia, ele deve ficar num lugar claro e, à noite, num lugar
silencioso e escuro.
É bom banhar o bebê para ele relaxar e dormir melhor.
O bebê deve tomar sol somente antes das 9 horas da manhã
ou depois das 4 horas da tarde.
Para evitar risco de sufocação, o bebê não deve dormir junto
com outras pessoas.
Como organizar a vida do bebê?
A organização dos cuidados e da rotina
diária dá mais tranquilidade ao bebê.
Rotina que organiza a vida do bebêA rotina
do bebê
É importante que a família estabeleça
algumas rotinas para ajudar a organizar
a vida do bebê.
Nos primeiros dias, o bebê não tem
noção de dia ou noite. Por isso, é comum
dormir o dia inteiro e acordar à noite.
Durante o dia, o bebê pode ficar
em lugares mais claros.
À noite, ele deve ficar em ambiente
mais escuro e silencioso.
O banho acalma e ajuda o bebê a dormir.
O bebê deve ser colocado para tomar
sol antes das 9 horas da manhã ou depois
das 4 horas da tarde.
16
Amamentação
Por que o leite materno é melhor
para a mãe e para o bebê?
O aleitamento materno é melhor porque:
O leite materno é melhor porque:
17
Leite materno é o melhor
alimento e protege o bebê.
17
Oriente a mãe em relação a ordenha e armazenamento de leite
materno, caso ela necessite se afastar por algum tempo.
AmamentaçãoAleitamento
O leite materno é a única alimentação
necessária ao bebê até os 6 meses de idade.
Não é necessário dar chá nem outros
líquidos. Se o bebê está ganhando peso,
o leite materno está sendo suficiente.
Após os 6 meses, é preciso dar outros
alimentos e continuar amamentando.
O bebê dorme muito e, ao sentir fome,
acorda para mamar. Cada bebê tem
seu jeito de mamar e de dormir.
O bebê dorme tranquilo se estiver
de banho tomado, fralda limpa e bem
alimentado. Quando o bebê chora,
é bom oferecer o peito.
Atenção:
O leite materno é o melhor alimento
para o bebê porque:
É feito na medida certa para as suas
necessidades.
Possui anticorpos que protegem o bebê
de diarreia, pneumonia e alergias.
É de mais fácil digestão.
É mais limpo e sem risco de contaminação,
pois sai direto do seio da mãe para a boca
do bebê.
18
Se o bebê está ganhando peso,
o leite materno está sendo suficiente.
Posição e pega na amamentação
Como vou saber se a pega está certa, isto
é, se estou amamentando corretamente?
Aleitamento
A pega está correta quando:
Posição e pega na amamentaçãoAleitamento
A mãe deve escolher uma posição bem
confortável para dar de mamar ao bebê,
para que ele abocanhe bem o mamilo
e a parte escura do seio. Assim,
a amamentação será prazerosa para os dois.
O bebê deve ficar com a barriga
encostada no corpo da mãe.
Com um braço, a mãe apoia o pescoço
e o tronco do bebê, aproximando a barriga
dele do seu corpo. Com a outra mão,
aproxima a boca do bebê do bico do peito.
Ao sentir o cheiro da mãe, o bebê abre
a boca e abocanha o mamilo e a parte
escura da mama.
Como saber se a “pega” está adequada:
ve estar bem aberta.
rados para fora.
ve tocar o peito da mãe.
ra da mama deve
estar dentro da boca do bebê, ficando
visível um pedaço da parte de cima.
checha deve estar redonda, cheia.
ve envolver
o bico do peito.
Importante:
A mãe deve aproveitar a hora de
amamentar para olhar nos olhos do bebê,
conversar com ele e acariciá-lo.
18
O leite de todas as mães é forte e bom.
A cor do leite pode variar, mas ele nunca é fraco.
19
Quanto mais o bebê mama, mais a mãe produz leite.
Amamentação: problemas mais frequentes
O que eu faço agora?
Aleitamento
A melhor maneira de evitar e tratar
rachadura, ingurgitamento e inflamação
da mama (mastite) é:
v
e
Mastite
19
Na maioria dos problemas da amamentação,
a mãe pode continuar amamentanto.
Amamentação:
problemas mais frequentes
Aleitamento
1) Fissura ou rachadura - ocorre quando
a posição do bebê e a pega do mamilo
estão erradas.
Como evitar e tratar:
2) Ingurgitamento - ocorre quando a mãe
mamar. As mamas ficam endurecidas ou
empedradas.
Como evitar e tratar:
de mamar para amolecer a mama e facilitar
a sucção.
3) Mastite - ocorre quando o seio inflama.
muito dolorida. A mãe pode sentir febre e
calafrios.
Como evitar e tratar:
ser tratada.
Mamadeira, chuca, bico ou chupeta
ser usados.
Quanto mais o bebê mama, mais a mãe
20
O bebê gosta do contato da
água morna e das mãos da mãe.
Higiene
Aproveitar o momento do banho para
conversar com o bebê.
Usar água limpa e morna e pouco sabonete.
Para evitar queimaduras, sempre verificar a
temperatura da água antes de colocar o bebê.
Segurar o bebê com firmeza para que ele
não escorregue.
Não usar talco, que pode causar alergia
e problemas respiratórios no bebê.
Como dar banho no bebê?
O banho proporciona conforto,
bem-estar e protege o bebê de doenças.
O banho do bebêHigiene
Na hora do banho, a mãe deve:
20
21
No curativo do umbigo, somente álcool a 70%.
Higiene
do bebê
O curativo do umbigo deve ser feito
todos os dias depois do banho.
Seque bem o umbigo com pano limpo
ou gaze, passe álcool a 70% e espere secar.
O cordão do umbigo leva de sete
a dez dias para cair.
Faixa, umbigueira e esparadrapo
dificultam a respiração do bebê e o cordão
do umbigo demora mais a secar e cair.
Como faço o curativo do umbigo?
Faixa ou umbigueira dificultam a respiração
do bebê e o cordão do umbigo demora mais a cair.
Como fazer:
r r
r
v
r
r
O curativo do umbigo
21
v
v av
r v v
v
Higiene
22
As famílias devem cobrar dos governantes
seus direitos aos serviços de saneamento.
A higiene da casa e da comunidade
Como manter a limpeza dentro
e fora de casa?
Cuidados em casa:
Varrer o chão, seja de terra batida, cimento,
cerâmica, madeira.
rar a poeira com pano úmido.
Lavar sempre as mãos, alimentos e utensílios
de cozinha.
Abrir portas e janelas para arejar.
Colocar roupas ao sol.
Manter os animais fora de casa.
Cuidados fora de casa:
Manter o lixo tampado.
Não jogar lixo na rua.
Limpar o quintal.
Enterrar o lixo ou colocar no local da coleta pública.
A higiene da casa e da comunidade depende das pessoas
e também dos serviços básicos de saneamento.
Higiene da casa e da comunidadeHigiene
Os cuidados com a higiene dentro e
fora da casa previnem muitas doenças.
Por isso, a limpeza é importante
para toda a família e, principalmente,
para a saúde do bebê.
Para manter a higiene da casa e
da comunidade, a família precisa ser
atendida pelos serviços básicos de
saneamento: abastecimento de água,
coleta de lixo e rede de esgotos.
Cuidados em casa:
Varrer o chão, seja de terra batida,
cimento, cerâmica, madeira.
Passar pano úmido para retirar a poeira.
22
Abrir portas e janelas para arejar.
avar as roupas do bebê separadas
das outras roupas.
de fora da casa.
avar as mãos antes e depois
de lidar com o bebê.
rar, só para o uso do bebê,
roupas, toalhas, lençóis e cobertas.
Cuidados fora de casa:
na rua, para evitar ratos, baratas e moscas,
que transmitem doenças para pessoas.
23
A segurança do bebê depende do cuidado
e da atenção dos pais e da família.
Cuidados com a segurança do bebê
Como evitar acidentes com o bebê?
Prevenção de
acidentes
A segurança do bebê depende dos
adultos que convivem com ele.
O lugar onde o bebê dorme deve ficar
longe de fogão, lamparina, vela e lampião.
Bebê que dorme junto com os pais
pode ser sufocado pelo corpo deles.
Não deixe que ele fique sozinho
em cima de qualquer móvel, nem
por um segundo.
Nunca dê remédio que não tenha
sido receitado para ele.
23
A criança tem direito à proteção e à segurança. A família,
a comunidade e o governo têm o dever de garantir esse direito.
Cuidados com a segurança do bebêPrevenção
de acidentes
A segurança do bebê depende muito
dos adultos que convivem com ele.
A maior parte dos acidentes, nessa
fase, acontece no local onde o bebê fica.
O lugar onde o bebê dorme precisa
ser limpo, estar longe do chão, para
evitar umidade e insetos, e longe de
fogão, lamparina, vela e lampião,
para evitar queimaduras.
Não é recomendável para o bebê
dormir na mesma cama ou rede que
o adulto, pelo risco de sufocá-lo.
A família precisa ficar atenta:
Crianças maiores - podem derrubar
o bebê do colo, da cama ou da rede.
Medicamentos - muita atenção
na dose receitada para evitar intoxicação.
Banho - segurar bem o bebê para
que ele não escorregue.
Temperatura da água do banho -
para evitar queimaduras no bebê.
24Malária e dengue
O que podemos fazer para
acabar com essas doenças?
Malária
e dengue
Para acabar com a malária e a dengue,
é preciso acabar com os mosquitos
que transmitem essas doenças.
Para evitar essas doenças, é preciso:
Não deixar água parada
e em recipiente sem tampa.
Tampar caixas d’água e tanques.
Usar mosquiteiro.
Não tomar banho de rio ao entardecer.
Casa e quintal limpos evitam a criação de mosquitos.
Manter limpos a casa e o quintal é uma
forma de evitar a criação de mosquitos.
Malária e dengueMalária e
dengue
Para evitar que o mosquito da malária
ou da dengue pique as pessoas:
r
e amanhecer.
r.
Atenção:
r.
24
raves,
r
r
Para acabar com a dengue, é preciso
eliminar os locais onde os mosquitos
põem os ovos:
’água
r r
r
Parabéns pai, mãe, irmãos, avós, tios e amigos.
Todos vocês são muito importantes para o bebê.
O bebê faz 1 mês
Vamos comemorar!
Um mês
de vida
25
A família tem motivos de sobra para
comemorar o primeiro mês do bebê.
A dedicação intensa da mãe, o carinho
da família, o apoio e o cuidado do pai foram
muito importantes para o bebê crescer
e se desenvolver.
Todo esse amor e esses cuidados
continuarão sendo importantes e necessários
para a vida do bebê.
Agora, mais uma vez, é importante lembrar
que é preciso deixar um espaço de pelo menos
dois anos entre o nascimento de um filho e
outro porque dá tempo da mulher se recuperar
e cuidar melhor da criança que já nasceu.
Bem alimentado e cuidado, o bebê
cresce e se desenvolve saudável.
O bebê faz 1 mêsUm mês
de vida
O bebê faz 1 mês e a família tem motivos
de sobra para comemorar, pois essa foi uma
fase muito delicada na vida da criança.
No Brasil, a maior parte das mortes
de crianças com menos de 1 ano acontece
no primeiro mês.
Criar condições para que essas crianças
cresçam saudáveis e felizes é dever de cada
um e de todos.
Na visita domiciliar, preste atenção:
ras.
vacinas.
para dormir.
Tudo isso é sinal de que o bebê está
sendo bem cuidado.
Quando identificar problemas, oriente
as fam lias.
Importante:
ânimo para continuar a cuidar bem do bebê.
25
01
Nesta fase, o bebê vira a cabeça e olha
para tudo o que lhe chama atenção.
Ao mamar, gosta de tocar o seio
da mãe e olhar nos olhos dela.
Em geral, faz cocô e xixi depois
de cada mamada.
Como é o nosso bebê de 2 e 3 meses?
O bebê gosta de ser tocado
e acarinhado pelas pessoas da família.
O bebê de
2 e 3 meses
Como é o bebê de 2 e 3 meses
01
O bebê de
2 e 3 meses
Cada bebê é diferente do outro, mas,
em cada fase do desenvolvimento, eles têm
algumas características comuns:
Podem dormir muitas horas por dia, mas
se interessam e participam cada vez mais
pelo que acontece à sua volta.
Viram a cabeça e seguem pessoas
e objetos com o olhar.
ras pessoas,
principalmente dos pais.
Leve o seu bebê à unidade de saúde aos 2 meses para tomar
as vacinas, acompanhar o crescimento e desenvolvimento
e receber as orientações necessárias.
raídos por vozes e gostam
de olhar rostos.
v
razer e conforto em olhar
veis ao toque e precisam sentir
que outras pessoas os respondem.
Atenção:
A família deve respeitar o jeito e o ritmo
do seu bebê dormir, acordar, mamar e brincar.
O nosso bebê está
se desenvolvendo bem?
02
O bebê está se desenvolvendo
quando dorme tranquilo, mama
bem e se comunica com as pessoas
pelo choro, riso, olhar, movimentos
do corpo e sons que faz com
a garganta.
Falar bastante para o bebê
é o melhor caminho para
desenvolver sua linguagem.
A Caderneta de Saúde da Criança ajuda a família
a acompanhar o desenvolvimento do bebê.
O bebê de
2 e 3 meses
O desenvolvimento do bebê
02
O bebê de
2 e 3 meses
Importante:
A melhor forma de fortalecer o desenvolvimento
do cérebro do bebê é oferecer-lhe interação com
pessoas e coisas.
Por volta dos três meses, o bebê:
vozes.
ra ele
e mo
vanta a cabeça.
nvolvimento se:
F
mamar direito.
F r
Atenção:
desenvolvimento deve ser encaminhada ao serviço
ratar as doenças
O serviço de saúde deve acompanhar o crescimento e o
desenvolvimento do bebê, informar e orientar a família.
Para o bebê se desenvolv v
abr
desenv
r nvolver-se dev
c
nvolver socialmente.
F nvolve
v
pelo choro e movimentos do corpo. Movimenta
pernas e br chor
Como podemos ajudar o
bebê a se desenvolver?
03
O bebê aprende e se desenvolve
quando é criado pela família
com amor, carinho, conversa,
músicas e brincadeiras.
A família precisa se organizar
para que o bebê tenha horário
de dormir, passear e tomar
banho. Isso também ajuda
no seu desenvolvimento.
O bebê gosta que falem com ele utilizando a linguagem
e entonação carinhosa que as mães costumam usar.
O bebê de
2 e 3 meses
Como o bebê aprende
e se desenvolve
Atenção:
iv
v
v
iv
v v
v
O bebê aprende com a família
a se relacionar com os outros.
03
iv
v
Por que nosso bebê precisa brincar? 04
Porque o bebê se desenvolve
e aprende quando brinca com objetos
e com as pessoas da família.
Todos os momentos em que a família
passa com o bebê, conversando, lendo,
cantando, tocando-o e brincando
são importantes para desenvolver
sua inteligência e suas emoções.
Brincar promove o relacionamento
entre o bebê e seus pais.
É brincando que o bebê aprende a se comunicar
e a descobrir o mundo.
O bebê de
2 e 3 meses
O bebê aprende a brincar
04
Atenção:
v
c
c .
v
v c
v
O bebê aprende e se desenvolve
por meio das brincadeiras.
O bebê e a família
Como cuidar do bebê?
05
Todas as crianças têm direito
de ter uma família e precisam dela.
Pai e mãe devem cuidar do bebê.
A responsabilidade é dos dois.
A família deve amar, proteger,
cuidar e educar.
Uma parte do dinheiro
da família deve ser destinada
às despesas com o bebê.
Ter família é um direito e uma necessidade do bebê.
O bebê de
2 e 3 meses
O bebê e a família
05
O bebê de
2 e 3 meses
Ter uma família é direito de todas as crianças,
que precisam ser amadas, protegidas, cuidadas
e educadas.
Algumas famílias apresentam graves problemas
que as impedem de cuidar bem de suas crianças,
tais como uso de drogas, negligência, maus-tratos
e violência. Esses casos devem ser encaminhados
para o Conselho Tutelar, Promotor de Justiça,
Juiz da Comarca.
Cada família tem seu jeito de ser e de educar
suas crianças. Todas as famílias merecem ser
respeitadas e valorizadas.
Toda criança tem direito de ter uma família,
um nome e sobrenome.
Observe:
de casa para a mãe poder cuidar do bebê.
Se a família destina uma parte do dinheiro
para as despesas da criança.
Se a criança já foi registrada e tem sua certidão
de nascimento.
Atenção:
Se a criança ainda não foi registrada, oriente
a família como fazer para registrá-la no cartório
mais próximo da residência.
A rotina da família e do bebê
O que deve ser feito todos os dias?
06
A família deve repetir alguns cuidados
com o bebê:
v
T v
v
v
A rotina de cuidados ajuda a família a se organizar
e é necessária para a saúde e bem-estar do bebê.
A rotina da família e do bebê
06
Alguns cuidados com o bebê devem
ser repetidos todos os dias.
A rotina não precisa ser cansativa, pesada
ou aborrecida. Com amor e criatividade,
a rotina transforma-se em momentos agradáveis
de contato entre família e bebê.
O bebê:
ras para crescer
e se desenvolver. Conforme vai crescendo,
fica mais tempo acordado durante o dia e dorme
ras durante a noite.
Adora colo e conversa.
Gosta também de massagens, de brincadeiras
suaves, de ouvir
Oriente a família a:
de
Observe se a família consegue
criar uma rotina de cuidados com o bebê.
Isso o ajuda a acostumar-se com a vida da
família.
A rotina de cuidados ajuda o bebê a organizar suas
necessidades de sono, alimentação, passeio e higiene.
O bebê de
2 e 3 meses
Como cuidar do bebê? 07
Nos primeiros meses de vida, é recomendável
que uma única pessoa cuide do bebê a maior
parte do tempo.
Na falta dos pais, o bebê precisa ser cuidado
por outro adulto, com carinho e atenção.
Para ajudar no desenvolvimento:
Abrace, beije e converse com o bebê.
aves e cantigas de ninar.
P
aninhado em seu corpo, e passeie pelo quarto.
de
2 e 3 meses
Cuidados, proteção e amor dão segurança ao bebê
para que ele cresça e se desenvolva.
Cuidados com o bebê
07
O bebê de
2 e 3 meses
O bebê precisa ter uma relação afetiva com quem
cuida dele. Isso é extremamente importante para
um saudável desenvolvimento emocional, social
e mental do bebê.
O contato diário com a mesma pessoa dá segurança.
Quem cuida sempre percebe melhor o que o bebê
quer pelo jeito como chora, sorri e se movimenta.
É bom para o bebê ser cuidado pelo pai e pela mãe.
Se isso não for possível, ele precisa ser atendido por
outro adulto com carinho e atenção.
Atenção:
nverse com os pais sobre o perigo
de deixar o bebê ser cuidado por outras crianças
quando eles não estão em casa.
Oriente:
A pessoa que cuida do bebê deve conversar sobre o
que está fazendo, por exemplo: “Agora vou trocar suas
fraldas, porque você está molhado”; “Acho que você
está com sono, você não quer dormir um pouquinho?”;
“Hoje você está bastante animado”.
Isso vai ajudar o bebê a se sentir seguro e vai ajudar no
desenvolvimento de sua linguagem.
Observe:
na amamentação.
ra prazer em amamentar.
O bebê cria laços de afeto com as pessoas
que cuidam sempre dele.
08
O leite materno é o único alimento
de que o bebê precisa nos primeiros
seis meses de vida.
O bebê está mamando bem quando:
o leite.
Faz xixi várias vezes ao dia e evacua
normalmente.
Depois das mamadas, o bebê deve
ser colocado no colo em pé para arrotar.
O leite materno é de graça, já vem pronto, quentinho
e previne doenças na mãe e no bebê.
O bebê de
2 e 3 meses
O bebê está mamando bem?
Aleitamento materno
Aleitamento materno
08
O bebê de
2 e 3 meses
Importante:
Os pais podem ter certeza de que o leite é suficiente
e o bebê está mamando bem, quando o bebê faz xixi
várias vezes ao dia, evacua normalmente
e está aumentando de peso.
Oriente:
Depois das mamadas, o bebê deve ser colocado
em pé no colo para arrotar.
O leite materno é o único alimento de que o bebê
precisa até os 6 meses de idade. A amamentação pode ser
um grande momento de prazer para a mãe e o bebê.
O contato pele a pele e olho no olho é importante
para a formação dos laços afetivos e para
o desenvolvimento do bebê.
Para ganhar peso, é preciso que o bebê mame
até esgotar uma mama antes de mamar na outra.
É preciso começar uma nova mamada pela mama
que terminou a última mamada.
O leite do início da mamada mata a sede e o leite final
faz o bebê engordar.
O leite materno oferece tudo o que o bebê precisa.
09
Os pais podem suspeitar de problemas
no desenvolvimento do bebê quando ele:
r r r
r r
v v
r
T
r
r r
Bebê com deficiência precisa de cuidados especiais
da família, comunidade e serviços de saúde.
Bebê com deficiência
Como você percebe problemas no
desenvolvimento do bebê?
Bebê com deficiência
09
O bebê de
2 e 3 meses
Doenças e problemas durante a gestação
e o parto podem atrasar o desenvolvimento
do bebê.
A família deve ser apoiada para não se sentir
culpada se o bebê não está se desenvolvendo
como ela acha que deveria.
O atraso no desenvolvimento do bebê,
em alguns casos, pode ser recuperado
com os cuidados da família. Em outros, necessita
de cuidados especializados.
Família de bebê com atraso no desenvolvimento ou deficiência
física precisa de mais apoio da comunidade e do serviço de saúde.
Oriente a família:
ve ser levado ao serviço de saúde
se o seu desenvolvimento for muito diferente do
de outras crianças da mesma idade.
Sinais de alerta:
do corpo do bebê.
sons e movimentos.
ou sonoros como barulhos, luz forte, etc.
Bebê com problemas de saúde
Como saber se o bebê está doente?
10
Sinais de que o bebê está doente
e precisa de atendimento urgente:
1. Dificuldade para mamar
2. Pouca reação quando
tocam ou mexem nele.
3. Vômito.
4. Diarreia.
5. Febre alta e persistente.
6. Convulsões.
A família precisa do apoio da comunidade e do serviço
de saúde para cuidar do bebê quando ele está doente.
O bebê de
2 e 3 meses
1
54
3
6
2
Bebê com problemas de saúde
10
O bebê de
2 e 3 meses
A maioria dos bebês nasce e cresce saudável.
No entanto, alguns podem apresentar sinais
de doença, como:
V
Ter convulsões.
Ter dificuldade para respirar.
Uma criança doente precisa ser cuidada
e confortada constantemente pelos adultos.
Bebê com doença grave pode precisar
veis têm o direito
de ficar junto com a criança no hospital.
Atenção:
os sinais de doença para procurar o serviço
vel.
Nas visitas domiciliares, observe os seguintes
sinais de perigo no bebê:
r
- mo
ra acordar.
ra respirar
ou respir
r.
Crianças doentes têm prioridade de atendimento
nos serviços de saúde.
11
A criança com infecção
respiratória aguda tem:
O que fazer?
Leite materno e vacinas protegem a criança
das doenças respiratórias.
Infecção respiratória aguda
Como saber se o bebê está doente?
Infecção respiratória agudaO bebê de
2 e 3meses
As infecções respiratórias são doenças
responsáveis por grande número
de internações e mortes de crianças.
Essas infecções são causadas
por micróbios que atacam o sistema respiratório.
A pneumonia é a forma mais grave.
O que fazer:
Levar ao médico.
e pelo tempo recomendados pelo médico.
geral piorar.
Atenção:
de infecção respiratória e levar a criança
Sinais que podem indicar pneumonia:
ou respiração rápida.
A pneumonia é a forma mais grave de infecção
respiratória aguda nas crianças.
11
O bebê de
2 e 3 meses Como prevenir a diarreia
e a desidratação?
12
Bebê com diarreia precisa mamar ou se alimentar
mais vezes e tomar soro de reidratação oral.
1 copo cheio
de água limpa
1 medida
rasa de sal
2 medidas
rasas de açúcar
Misture e prove.
O soro caseiro
deve ser menos
salgado que
a lágrima
Quando as fezes estão líquidas, comece
a oferecer o soro oral após cada evacuação ou vômito.
Como preparar o soro caseiro - Use colher-medida
Como preparar o soro de reidratação oral.
Colocar em um litro de
água todo o pó de um
envelope de sais de
reidratação e mexer bem.
Atenção no preparo e uso dos sais de reidratação
um litro de soro.
A diarreia é um desarranjo do intestino com
aumento do número de evacuações e fezes amolecidas
ou líquidas.
Uma das complicações da diarreia é a desidratação
causada pela grande perda de líquidos.
A familia deve estar atenta e preparada com
a ajuda da equipe de saúde para prevenir e tratar
a diarreia e a desidratação. O soro caseiro e o soro
de reidratação oral são fundamentais para evitar
e tratar a desidratação.
Diarreia e desidratação
A diarreia acontece com mais frequência quando:
As condições de saneamento básico são precárias.
As pessoas não têm condições para lavar bem
as mãos antes de preparar os alimentos, depois
de usar o banheiro, e antes e depois de trocar
as fraldas do bebê.
ra.
Evitando a diarreia
uente, principalmente, quando:
Você pode prevenir a diarreia lavando bem as mãos:
Cuidando da criança com diarreia
Criança com diarreia precisa de mais alimentação para não ficar
desnutrida, por isso:
ofereça os alimentos que a criança está habituada a comer.
Evitando a desidratação
podem piorar a diarreia.
A criança precisa ser levada ao serviço de saúde quando:
pouco xixi.
2 e 3 meses
Pele seca, olhos fundos, pouca saliva, pouca lágrima
e pouca urina são sinais de desidratação.
12
O bebê de
2 a 4 meses
13
Vacinas e leite materno protegem o bebê de muitas doenças graves.
A criança precisa ser vacinada para ficar
protegida de doenças que prejudicam
seu desenvolvimento, causam deficiências
ou até mesmo a morte.
Aos 2 meses, o bebê deve receber as primeiras
doses das seguintes vacinas:
1ª dose da vacina Sabin - contra
paralisia infantil.
1ª dose de vacina pentavalente - a pentavalente
é contra tétano, contra difteria, contra
coqueluche, contra certos tipos de meningite,
contra pneumonia e contra hepatite B.
1ª dose de vacina contra rotavírus.
1ª dose de vacina pneumocócica 10,
contra pneumonia.
O bebê precisa continuar o esquema de vacinação!
Aos 2 meses, o bebê vai receber várias vacinas
Vacinação
13
O bebê de
2 a 4 meses
As vacinas são importantes porque protegem as crianças
de diversas e graves doenças.
Mesmo que a criança esteja doente, deve ser levada
à Unidade de Saúde para ser vacinada. Lá os profissionais
de saúde vão decidir se ela pode tomar vacina. O calendário
de vacina é parte da Caderneta de Saúde da Criança.
As vacinas que a criança recebeu são anotadas a caneta,
e a data da próxima dose está escrita a lápis.
As crianças ficam bem protegidas de algumas doenças
quando tomam todas as doses de vacinas nas datas certas.
Aos 2 meses, o bebê deve tomar as primeiras doses das
seguintes vacinas:
Pentavalente - contra tétano, contra difteria, contra
coqueluche, contra certos tipos de meningite, contra
pneumonia e contra hepatite B.
Fique atento:
tomou todas as vacinas indicadas para a sua idade.
Ao final dos dois meses, a criança já deve ter recebido
as seguintes vacinas:
A primeira dose da vacina antipólio.
na maternidade.
contra difteria, contra coqueluche, contra certos tipos
de meningite, contra pneumonia e contra hepatite B.
Aos 3 meses:
Os pais devem levar a criança para ser vacinada
nos serviços de saúde de rotina e nas campanhas.
O bebê de
4 a 6 meses
14Vacinação
O município tem o dever de manter serviços de vacinação
próximos ao lugar onde as famílias moram.
Aos 4 meses:
v r
v r a
v
v
Aos 5 meses:
v
Aos 6 meses:
v r
vacina
v r
Que vacinas o bebê precisa tomar?
Vacinação
O bebê de
4 a 6 meses
As vacinas protegem as crianças
de diversas doenças graves. Para ficar bem
protegido, o bebê precisa tomar todas
as vacinas indicadas para a sua idade.
A criança dos 4 aos 6 meses deve tomar
as seguintes vacinas:
Aos 4 meses:
vacina contra a pólio.
vacina pentavalente, contra tétano,
contra difteria, contra coqueluche, contra certos
tipos de meningite, contra pneumonia e contra
hepatite B.
vacina contra o rotavírus.
vacina pneumocócica 10.
Aos 5 meses:
vacina meningocócica C,
contra meningite.
Aos 6 meses:
vacina contra a pólio.
vacina pentavalente, contra tétano,
contra difteria, contra coqueluche, contra certos
tipos de meningite, contra pneumonia e contra
hepatite B.
vacina pneumocócica 10.
Os pais precisam estar atentos para manter as vacinas
de suas crianças em dia.
14
O bebê de
2 a 11 meses Por que a vitamina A é importante? 15
O leite materno oferece a quantidade de vitamina A
de que o bebê precisa até os 6 meses de idade.
A vitamina A é importante porque
previne as complicações de doenças,
como diarreia, infecções e problemas
na visão.
A mãe que amamenta deve comer
frutas e verduras amarelas
e alaranjadas, vegetais de folhas
verde-escuras, fígado, carnes, óleos
e peixes. Assim, seu leite terá
a quantidade de vitamina A de que
o bebê precisa.
A vitamina A
15
O bebê de
2 a 11 meses
A vitamina A fortalece o sistema de defesa do corpo.
Quando a criança não ingere a quantidade necessária
de vitamina A, tem maiores riscos de diarreia mais
grave e prolongada.
As pessoas com deficiência de vitamina A enxergam
mal em ambientes pouco iluminados.
Criança com diarreia há mais de 14 dias,
com desnutrição grave, tem riscos maiores de lesão
nos olhos e cegueira por deficiência de vitamina A.
A mãe com boa reserva de vitamina A no corpo
fornece, pelo seu leite, a quantidade da vitamina de
que o bebê precisa nos primeiros seis meses de vida.
Importante:
A mãe deve comer frutas e verduras amarelas
e alaranjadas, vegetais de folhas verde-escuras, óleos,
fígado, peixes e carnes. Assim, o leite materno
terá uma boa quantidade de vitamina A.
As crianças de 6 meses a 4 anos e 11 meses,
residentes em área de risco para deficiência
de vitamina A, devem receber suplementação. Para
mais informações, veja a Caderneta de Saúde
da Criança.
Observe:
A.
de enxergar em ambiente pouco iluminado,
ou dificuldade de voltar para casa ao anoitecer.
A vitamina A previne doenças e evita lesões nos olhos.
O bebê de
2 a 11 meses
16
O ferro do leite materno é o mais aproveitado
pelo organismo do bebê.
O ferro previne infecções, anemia
e ajuda no desenvolvimento da criança.
A anemia pode provocar fraqueza
e falta de apetite.
O bebê recebe o ferro de que precisa
pelo leite materno.
As outras fontes de ferro são: fígado,
carnes magras, feijão, lentilha, farinha
de trigo e milho fortificado com ferro
e ácido fólico e vegetais folhosos
verde-escuros.
Comer laranja, limão, acerola ajuda
o organismo a aproveitar melhor o ferro
dos alimentos.
Por que o ferro é importante?
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância
Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides semana do idoso
Slides semana do idosoSlides semana do idoso
Slides semana do idosoVânia Sampaio
 
Reprodução assistida
Reprodução assistida Reprodução assistida
Reprodução assistida Deise Silva
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxFranciscoFlorencio6
 
aleitamentomaterno_slide.pdf
aleitamentomaterno_slide.pdfaleitamentomaterno_slide.pdf
aleitamentomaterno_slide.pdfChristina Almeida
 
Gravidez Na Adolescencia
Gravidez Na AdolescenciaGravidez Na Adolescencia
Gravidez Na Adolescenciateresaebia
 
Gravidez Na AdoslescêNcia E Violencia Sexual
Gravidez Na AdoslescêNcia E Violencia SexualGravidez Na AdoslescêNcia E Violencia Sexual
Gravidez Na AdoslescêNcia E Violencia SexualÉrik Silva Oliveira
 
Guia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétrica
Guia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétricaGuia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétrica
Guia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétricaProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Apostila de cuidador de idosos cópia - cópiax
Apostila de cuidador de idosos   cópia - cópiaxApostila de cuidador de idosos   cópia - cópiax
Apostila de cuidador de idosos cópia - cópiaxCarlos Alberto Boock
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento maternoNadjadBarros
 

Mais procurados (20)

Cartilha Saúde da Mulher
Cartilha Saúde da Mulher Cartilha Saúde da Mulher
Cartilha Saúde da Mulher
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
 
Gravidez adolescência
Gravidez adolescênciaGravidez adolescência
Gravidez adolescência
 
Slides semana do idoso
Slides semana do idosoSlides semana do idoso
Slides semana do idoso
 
Agosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Agosto Dourado 2021: Proteger a AmamentaçãoAgosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Agosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
 
Reprodução assistida
Reprodução assistida Reprodução assistida
Reprodução assistida
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
 
aleitamentomaterno_slide.pdf
aleitamentomaterno_slide.pdfaleitamentomaterno_slide.pdf
aleitamentomaterno_slide.pdf
 
Manual Técnico do Pré-Natal e Puerpério
Manual Técnico do Pré-Natal e PuerpérioManual Técnico do Pré-Natal e Puerpério
Manual Técnico do Pré-Natal e Puerpério
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
 
Gravidez Na Adolescencia
Gravidez Na AdolescenciaGravidez Na Adolescencia
Gravidez Na Adolescencia
 
Gravidez Na AdoslescêNcia E Violencia Sexual
Gravidez Na AdoslescêNcia E Violencia SexualGravidez Na AdoslescêNcia E Violencia Sexual
Gravidez Na AdoslescêNcia E Violencia Sexual
 
Qualidade De Vida Na Maturidade
Qualidade De Vida Na MaturidadeQualidade De Vida Na Maturidade
Qualidade De Vida Na Maturidade
 
Guia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétrica
Guia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétricaGuia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétrica
Guia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétrica
 
Saude da mulher1
Saude da mulher1Saude da mulher1
Saude da mulher1
 
Apostila de cuidador de idosos cópia - cópiax
Apostila de cuidador de idosos   cópia - cópiaxApostila de cuidador de idosos   cópia - cópiax
Apostila de cuidador de idosos cópia - cópiax
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
Saude do homem
Saude do homem Saude do homem
Saude do homem
 

Destaque

Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherFernanda Marinho
 
Climatério atenção integral à mulher 2011
Climatério   atenção integral à mulher 2011Climatério   atenção integral à mulher 2011
Climatério atenção integral à mulher 2011Prof Ana Paula Gonçalves
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da MulherNeto Pontes
 
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherTania Fonseca
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulherDessa Reis
 
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no BrasilPolíticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no BrasilMarciane Missio
 
CARE - Programa para gestantes
CARE - Programa para gestantesCARE - Programa para gestantes
CARE - Programa para gestantesericamacedo
 
Guia operacional do Programa Pro-Equidade de Gênero e Raça
Guia operacional do Programa Pro-Equidade de Gênero e RaçaGuia operacional do Programa Pro-Equidade de Gênero e Raça
Guia operacional do Programa Pro-Equidade de Gênero e RaçaMovimentoMulher360
 
Manual de orientação a saúde da mulher
Manual de orientação a saúde da mulherManual de orientação a saúde da mulher
Manual de orientação a saúde da mulhereriiclima
 
Pm recife l 16004 - 20-0195 - código municipal de saúde
Pm recife   l 16004 - 20-0195 - código municipal de saúdePm recife   l 16004 - 20-0195 - código municipal de saúde
Pm recife l 16004 - 20-0195 - código municipal de saúdeabpvs
 
Intervenção profissional do assistente social e as condiçoes de trabalho no suas
Intervenção profissional do assistente social e as condiçoes de trabalho no suasIntervenção profissional do assistente social e as condiçoes de trabalho no suas
Intervenção profissional do assistente social e as condiçoes de trabalho no suasrossiapt
 

Destaque (20)

Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
 
Climatério atenção integral à mulher 2011
Climatério   atenção integral à mulher 2011Climatério   atenção integral à mulher 2011
Climatério atenção integral à mulher 2011
 
SaúDe Da Mulher
SaúDe Da MulherSaúDe Da Mulher
SaúDe Da Mulher
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no BrasilPolíticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
 
Gestação
GestaçãoGestação
Gestação
 
Orientações a gestantes
Orientações a gestantesOrientações a gestantes
Orientações a gestantes
 
CARE - Programa para gestantes
CARE - Programa para gestantesCARE - Programa para gestantes
CARE - Programa para gestantes
 
20. metodologia selo unicef
20. metodologia selo unicef20. metodologia selo unicef
20. metodologia selo unicef
 
Guia operacional do Programa Pro-Equidade de Gênero e Raça
Guia operacional do Programa Pro-Equidade de Gênero e RaçaGuia operacional do Programa Pro-Equidade de Gênero e Raça
Guia operacional do Programa Pro-Equidade de Gênero e Raça
 
Manual de orientação a saúde da mulher
Manual de orientação a saúde da mulherManual de orientação a saúde da mulher
Manual de orientação a saúde da mulher
 
Pm recife l 16004 - 20-0195 - código municipal de saúde
Pm recife   l 16004 - 20-0195 - código municipal de saúdePm recife   l 16004 - 20-0195 - código municipal de saúde
Pm recife l 16004 - 20-0195 - código municipal de saúde
 
POEMAS para ALMAS APRESSADAS - livro
POEMAS para ALMAS APRESSADAS - livro POEMAS para ALMAS APRESSADAS - livro
POEMAS para ALMAS APRESSADAS - livro
 
Intervenção profissional do assistente social e as condiçoes de trabalho no suas
Intervenção profissional do assistente social e as condiçoes de trabalho no suasIntervenção profissional do assistente social e as condiçoes de trabalho no suas
Intervenção profissional do assistente social e as condiçoes de trabalho no suas
 
Cartilha+mídia unicef
Cartilha+mídia unicefCartilha+mídia unicef
Cartilha+mídia unicef
 
Serviço social
Serviço socialServiço social
Serviço social
 
Infeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torchInfeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torch
 

Semelhante a Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância

Edgar guerra pedrofeiteira
Edgar guerra pedrofeiteiraEdgar guerra pedrofeiteira
Edgar guerra pedrofeiteirafcivic
 
caderneta_gestante_versao_eletronica.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica.pdfcaderneta_gestante_versao_eletronica.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica.pdfsedepoy260
 
caderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdfcaderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdfkarolyne26
 
Gravidez na adolescencia grupo c_9ºc
Gravidez na adolescencia grupo c_9ºcGravidez na adolescencia grupo c_9ºc
Gravidez na adolescencia grupo c_9ºcgabinetedossegredos
 
Gravidez saudável e parto seguro
Gravidez saudável e parto seguroGravidez saudável e parto seguro
Gravidez saudável e parto seguroadrianomedico
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaAnaRaquel16
 
SaúDe Materna E Do RecéM Nascido
SaúDe Materna E Do RecéM NascidoSaúDe Materna E Do RecéM Nascido
SaúDe Materna E Do RecéM NascidoBiblioteca Virtual
 
Parentalidade responsável - Gravidez na adolescência
Parentalidade responsável - Gravidez na adolescênciaParentalidade responsável - Gravidez na adolescência
Parentalidade responsável - Gravidez na adolescênciapsicologiaestoi
 
NASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBP
NASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBPNASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBP
NASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBPProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidadehugo1993
 

Semelhante a Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância (20)

Edgar guerra pedrofeiteira
Edgar guerra pedrofeiteiraEdgar guerra pedrofeiteira
Edgar guerra pedrofeiteira
 
caderneta_gestante_versao_eletronica.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica.pdfcaderneta_gestante_versao_eletronica.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica.pdf
 
caderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdfcaderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdf
caderneta_gestante_versao_eletronica_2022.pdf
 
Gravidez na adolescencia grupo c_9ºc
Gravidez na adolescencia grupo c_9ºcGravidez na adolescencia grupo c_9ºc
Gravidez na adolescencia grupo c_9ºc
 
Gravidez saudável e parto seguro
Gravidez saudável e parto seguroGravidez saudável e parto seguro
Gravidez saudável e parto seguro
 
Caderneta gest-internet
Caderneta gest-internetCaderneta gest-internet
Caderneta gest-internet
 
CADERNETA da GESTANTE: 8a edição / 2023
CADERNETA da GESTANTE: 8a edição / 2023 CADERNETA da GESTANTE: 8a edição / 2023
CADERNETA da GESTANTE: 8a edição / 2023
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
Fasciculo Nutricao 04
Fasciculo Nutricao 04Fasciculo Nutricao 04
Fasciculo Nutricao 04
 
Caderneta de saúde da criança
Caderneta de saúde da criançaCaderneta de saúde da criança
Caderneta de saúde da criança
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
Folder transmissão vertical hiv sífilis
Folder transmissão vertical hiv sífilisFolder transmissão vertical hiv sífilis
Folder transmissão vertical hiv sífilis
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
 
Pediatria
PediatriaPediatria
Pediatria
 
Trabalho sobre sífilis
Trabalho sobre sífilisTrabalho sobre sífilis
Trabalho sobre sífilis
 
SaúDe Materna E Do RecéM Nascido
SaúDe Materna E Do RecéM NascidoSaúDe Materna E Do RecéM Nascido
SaúDe Materna E Do RecéM Nascido
 
Parentalidade responsável - Gravidez na adolescência
Parentalidade responsável - Gravidez na adolescênciaParentalidade responsável - Gravidez na adolescência
Parentalidade responsável - Gravidez na adolescência
 
Apresentação Final - Grupo 6
Apresentação Final - Grupo 6Apresentação Final - Grupo 6
Apresentação Final - Grupo 6
 
NASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBP
NASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBPNASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBP
NASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBP
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 

Mais de Samuel Lima

(Artigo) Jornalismo Investigativo, por Rivaldo Chinem
(Artigo) Jornalismo Investigativo, por Rivaldo Chinem(Artigo) Jornalismo Investigativo, por Rivaldo Chinem
(Artigo) Jornalismo Investigativo, por Rivaldo ChinemSamuel Lima
 
(Artigo) Assessoria de Imprensa e o Content Marketing
(Artigo) Assessoria de Imprensa e o Content Marketing(Artigo) Assessoria de Imprensa e o Content Marketing
(Artigo) Assessoria de Imprensa e o Content MarketingSamuel Lima
 
(Trabalho acadêmico) Jornal Folha de Veneza
(Trabalho acadêmico) Jornal Folha de Veneza(Trabalho acadêmico) Jornal Folha de Veneza
(Trabalho acadêmico) Jornal Folha de VenezaSamuel Lima
 
(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no Facebook
(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no Facebook(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no Facebook
(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no FacebookSamuel Lima
 
Artigo - Ciberinfância - Rivaldo Chinem
Artigo - Ciberinfância - Rivaldo ChinemArtigo - Ciberinfância - Rivaldo Chinem
Artigo - Ciberinfância - Rivaldo ChinemSamuel Lima
 
(Artigo) no jornalismo mentira não tem vez eduardo tessler
(Artigo) no jornalismo mentira não tem vez   eduardo tessler(Artigo) no jornalismo mentira não tem vez   eduardo tessler
(Artigo) no jornalismo mentira não tem vez eduardo tesslerSamuel Lima
 
(Artigo) Limites Éticos, por Rivaldo Chinem
(Artigo) Limites Éticos, por Rivaldo Chinem(Artigo) Limites Éticos, por Rivaldo Chinem
(Artigo) Limites Éticos, por Rivaldo ChinemSamuel Lima
 
Traducao intersemiotica em grafismos e cantos htamha e steromkwa
Traducao intersemiotica em grafismos e cantos htamha e steromkwaTraducao intersemiotica em grafismos e cantos htamha e steromkwa
Traducao intersemiotica em grafismos e cantos htamha e steromkwaSamuel Lima
 
Se queiras, podes sair
Se queiras, podes sairSe queiras, podes sair
Se queiras, podes sairSamuel Lima
 
Artigo // Afinal, quem são os evangélicos?
Artigo // Afinal, quem são os evangélicos?Artigo // Afinal, quem são os evangélicos?
Artigo // Afinal, quem são os evangélicos?Samuel Lima
 
(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de Salomão
(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de Salomão(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de Salomão
(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de SalomãoSamuel Lima
 
Niilismo eclesiástico
Niilismo eclesiásticoNiilismo eclesiástico
Niilismo eclesiásticoSamuel Lima
 
Declaração da Convenção Batista Brasileira
Declaração da Convenção Batista BrasileiraDeclaração da Convenção Batista Brasileira
Declaração da Convenção Batista BrasileiraSamuel Lima
 
Artigo - Palavras de Mudança - Jânio de Freitas
Artigo - Palavras de Mudança - Jânio de FreitasArtigo - Palavras de Mudança - Jânio de Freitas
Artigo - Palavras de Mudança - Jânio de FreitasSamuel Lima
 
Reportagem Especial - Palmas Outros Olhares
Reportagem Especial - Palmas Outros OlharesReportagem Especial - Palmas Outros Olhares
Reportagem Especial - Palmas Outros OlharesSamuel Lima
 
Espiritualidade versus profissionalismo
Espiritualidade versus profissionalismoEspiritualidade versus profissionalismo
Espiritualidade versus profissionalismoSamuel Lima
 
Arte em papel, by Calvin Nicholls
Arte em papel, by Calvin NichollsArte em papel, by Calvin Nicholls
Arte em papel, by Calvin NichollsSamuel Lima
 
Aguias e papagaios
Aguias e papagaiosAguias e papagaios
Aguias e papagaiosSamuel Lima
 
Guilherme - 10 anos
Guilherme - 10 anosGuilherme - 10 anos
Guilherme - 10 anosSamuel Lima
 
Direitos quilombolas
Direitos quilombolasDireitos quilombolas
Direitos quilombolasSamuel Lima
 

Mais de Samuel Lima (20)

(Artigo) Jornalismo Investigativo, por Rivaldo Chinem
(Artigo) Jornalismo Investigativo, por Rivaldo Chinem(Artigo) Jornalismo Investigativo, por Rivaldo Chinem
(Artigo) Jornalismo Investigativo, por Rivaldo Chinem
 
(Artigo) Assessoria de Imprensa e o Content Marketing
(Artigo) Assessoria de Imprensa e o Content Marketing(Artigo) Assessoria de Imprensa e o Content Marketing
(Artigo) Assessoria de Imprensa e o Content Marketing
 
(Trabalho acadêmico) Jornal Folha de Veneza
(Trabalho acadêmico) Jornal Folha de Veneza(Trabalho acadêmico) Jornal Folha de Veneza
(Trabalho acadêmico) Jornal Folha de Veneza
 
(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no Facebook
(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no Facebook(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no Facebook
(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no Facebook
 
Artigo - Ciberinfância - Rivaldo Chinem
Artigo - Ciberinfância - Rivaldo ChinemArtigo - Ciberinfância - Rivaldo Chinem
Artigo - Ciberinfância - Rivaldo Chinem
 
(Artigo) no jornalismo mentira não tem vez eduardo tessler
(Artigo) no jornalismo mentira não tem vez   eduardo tessler(Artigo) no jornalismo mentira não tem vez   eduardo tessler
(Artigo) no jornalismo mentira não tem vez eduardo tessler
 
(Artigo) Limites Éticos, por Rivaldo Chinem
(Artigo) Limites Éticos, por Rivaldo Chinem(Artigo) Limites Éticos, por Rivaldo Chinem
(Artigo) Limites Éticos, por Rivaldo Chinem
 
Traducao intersemiotica em grafismos e cantos htamha e steromkwa
Traducao intersemiotica em grafismos e cantos htamha e steromkwaTraducao intersemiotica em grafismos e cantos htamha e steromkwa
Traducao intersemiotica em grafismos e cantos htamha e steromkwa
 
Se queiras, podes sair
Se queiras, podes sairSe queiras, podes sair
Se queiras, podes sair
 
Artigo // Afinal, quem são os evangélicos?
Artigo // Afinal, quem são os evangélicos?Artigo // Afinal, quem são os evangélicos?
Artigo // Afinal, quem são os evangélicos?
 
(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de Salomão
(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de Salomão(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de Salomão
(Artigo) Do coreto e a funerária ao Templo de Salomão
 
Niilismo eclesiástico
Niilismo eclesiásticoNiilismo eclesiástico
Niilismo eclesiástico
 
Declaração da Convenção Batista Brasileira
Declaração da Convenção Batista BrasileiraDeclaração da Convenção Batista Brasileira
Declaração da Convenção Batista Brasileira
 
Artigo - Palavras de Mudança - Jânio de Freitas
Artigo - Palavras de Mudança - Jânio de FreitasArtigo - Palavras de Mudança - Jânio de Freitas
Artigo - Palavras de Mudança - Jânio de Freitas
 
Reportagem Especial - Palmas Outros Olhares
Reportagem Especial - Palmas Outros OlharesReportagem Especial - Palmas Outros Olhares
Reportagem Especial - Palmas Outros Olhares
 
Espiritualidade versus profissionalismo
Espiritualidade versus profissionalismoEspiritualidade versus profissionalismo
Espiritualidade versus profissionalismo
 
Arte em papel, by Calvin Nicholls
Arte em papel, by Calvin NichollsArte em papel, by Calvin Nicholls
Arte em papel, by Calvin Nicholls
 
Aguias e papagaios
Aguias e papagaiosAguias e papagaios
Aguias e papagaios
 
Guilherme - 10 anos
Guilherme - 10 anosGuilherme - 10 anos
Guilherme - 10 anos
 
Direitos quilombolas
Direitos quilombolasDireitos quilombolas
Direitos quilombolas
 

Último

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 

Último (20)

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 

Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância

  • 1. A família é responsável pela vida e pelo desenvolvimento de suas crianças, com o apoio da comunidade e do governo. Quem faz parte da sua família e como são tomadas as decisões? Cuidar, educar, respeitar e proteger também são responsabilidades da família. A família
  • 2. A família é responsável por criar, cuidar, educar, brincar, proteger e garantir o desenvolvimento de suas crianças. Para isso, deve ter o apoio da comunidade e do governo. (Artigo 227 da Constituição Federal e Art. 19 do Estatuto da Criança e do Adolescente) O papel da famíliaA família 01 tenha momentos de encontro. A hor um desses momentos. Parte do dinheiro da família deve ser r A di ve ser decidida em conjunto e de acordo com a organização de cada família. v F conviv se casam ou vivem juntas, com ou sem filhos. T veres e Atenção:
  • 3. 02Como vocês receberam a notícia da gravidez? Gravidez não é doença, mas é preciso garantir os cuidados para preservar a saúde da gestante e do bebê. Vá à Unidade de Saúde assim que confirmar a gravidez para início do pré-natal. Você receberá o Cartão da Gestante e a vacina antitetânica, se necessário. Medo, surpresa, alegria, ansiedade e preocupação são sentimentos que podem surgir com a notícia da gravidez. É importante que a família converse sobre esses sentimentos. Mãe e bebê precisam ser respeitados e protegidos. O pré-natal deve ser iniciado assim que a gravidez for confirmada. Gravidez
  • 4. A mãe e o bebê precisam ser respeitados e protegidos. A notícia da gravidezGravidez Uma gravidez planejada certamente é recebida com alegria. Nem sempre a gravidez é planejada. Se a notícia é uma surpresa, também pode ser recebida com alegria. De qualquer forma a mamãe e o bebê precisam se sentir amados, respeitados e protegidos. Preste atenção: a notícia de que vai chegar um bebê. rce a paternidade desde a gestação. dos amigos e da comunidade. de Saúde para confirmar a gravidez e começar o pré-natal. 02
  • 5. 03 Gestante e bebê têm direito ao pré-natal: exames, sete consultas, no mínimo, e orientações gratuitas. Vá à Unidade de Saúde assim que desconfiar que está grávida. Está na hora de começar o pré-natal E agora, o que você e sua família devem fazer? Lá, você receberá apoio e orientações e fará exames de sangue, urina, ginecológico, dentário e outros. Quanto antes começar o pré-natal, melhor. Assim você terá uma gravidez com menor risco. E, se houver algum problema, mais cedo ele será descoberto e tratado. Pré-natal
  • 6. É responsabilidade do Conselho Municipal de Saúde definir, acompanhar e fiscalizar a garantia dos direitos da gestante e do bebê. Pré-natal Está na hora de começar o pré-natal v r iv V v r r Tr r F Ati iv i iv Preste atenção: Se o pai e a família demonstram cuidados com a grávida e com o bebê que vai nascer. Esses cuidados são fundamentais para a gestante e o bebê. 03 ra v ra r r r v r ra r Informe a família sobre como deve ser o pré-natal de qualidade: r r nv r r
  • 7. No Cartão da Gestante são acompanhadas as informações sobre a saúde da gestante e a evolução do bebê. 04Para que serve o Cartão da Gestante? O Cartão da Gestante serve para anotar e acompanhar:
  • 8. Durante a gravidez e até cinco meses após o parto, a mulher tem estabilidade no emprego. Só poderá ser demitida por justa causa. (Consolidação das Leis do Trabalho - CLT) O Cartão da GestanteCartão da Gestante O Cartão da Gestante, que a grávida recebe na Unidade de Saúde ao começar o pré-natal, é onde devem estar anotados os exames, as consultas e as ocorrências durante a gestação. Nele deve estar anotado o número do cadastro do SIS-PRÉNATAL, que será utilizado pelo serviço onde ocorrer o parto. Essas anotações facilitam o acompanhamento da gestação pelos profissionais de saúde e estimulam a gestante e a família a ficar mais atentas. O Cartão também funciona como uma agenda: ajuda a lembrar o dia da consulta e os exames que a grávida precisa fazer. É por meio do Cartão que um profissional se comunica com outro. 04 Assim, mesmo que a gestante precise mudar de médico ou necessite de atendimento em outra Unidade de Saúde, o profissional vai saber tudo o que já foi feito no pré-natal. Atenção: vem estar anotadas informações sobre a saúde da mãe e sua gravidez. Confira: ao fazer a primeira consulta do pré-natal. ram solicitados os exames. rcada a próxima consulta.
  • 9. 05O que você pode fazer para diminuir os riscos na gravidez? A gravidez é considerada de alto risco quando existe maior possibilidade de comprometimento da saúde da gestante, do bebê ou dos dois. No pré-natal, a gestante precisa fazer pelo menos sete consultas, e depois a consulta do pós-parto. Você deve comparecer a todas as consultas do pré-natal. É importante fazer todos os exames e seguir as orientações dos profissionais. Não consuma bebidas alcoólicas, cigarro, drogas e medicamentos sem receita. A saúde da mãe e do bebê depende muito da qualidade do pré-natal. Riscos na gravidez
  • 10. Situações de risco na gravidezRiscos na gravidez A gestante tem o direito de mudar de função ou setor no trabalho se isso afetar a sua saúde ou a do bebê. Fique de olho: As gestantes nessas situações necessitam de mais apoio da família e cuidados especiais do serviço de saúde. Atenção: A pressão alta pode matar a mãe e o bebê. , HIV/aids e hepatite podem passar da mãe para o bebê. que podem ser tratadas durante a gravidez. rante a gravidez pode provocar deficiência mental no bebê. As drogas prejudicam o desenvolvimento e podem criar dependência química no bebê. Todas as gestantes precisam de cuidados, mas algumas delas precisam de atenção redobrada. Têm menos de quatro anos de estudo. Têm mais de 35 anos de idade. Tiveram complicações em gravidez anterior. Têm alguma doença como aids, diabetes, anemia, sífilis, pressão alta, epilepsia, hepatite, lúpus. Têm problemas do coração. ras drogas. iveram muitos filhos. Estão vivendo em situação de risco. 05
  • 11. Sinais de perigo na gravidez A família deve conhecer os sinais de perigo na gravidez. 1. Sangramento. 2. Vômitos frequentes. 3. Ardência ao urinar. 4. Febre alta ou dor de cabeça. 5. Inchaço anormal das pernas e/ou dos braços. 6. Bebê que não se mexe. 7. Perda de líquido. 06 Quando devo procurar com urgência o serviço de saúde? Riscos na gravidez
  • 12. Os serviços de saúde devem estar preparados para acolher e tratar as gestantes de risco. Sinais de perigo na gravidez Riscos na gravidez Atenção: rceber alguns desses sinais, vai av r Procure saber: r ra 06 r volver ra dev r P v F r c
  • 13. 07Quais os direitos da gestante soropositiva? O exame para HIV não é obrigatório, mas é importante que seja feito. O resultado do exame só pode ser informado para a gestante. A mãe HIV positivo não deve amamentar. Ela tem direito de receber orientações e apoio para alimentar o seu bebê. Tem direito de receber, de graça, medicamentos para HIV/aids durante a gravidez. O companheiro deve fazer os exames e receber medicamentos, se necessário. Os testes para HIV/aids são de graça e têm que ser autorizados pela gestante. Gestante soropositiva
  • 14. As Doenças Sexualmente Transmissíveis aumentam o risco de pegar HIV/aids. Gestante soropositivaGestante soropositiva O vírus da aids pode passar da mãe para o filho durante a gravidez, o parto e a amamentação. Esse vírus precisa ser identificado por exames. A gestante soropositiva precisa ser tratada com medicamentos adequados. O companheiro também deve fazer os exames e receber medicamentos, se necessário. O casal deve ser sempre orientado a usar preservativo, mesmo que os dois parceiros estejam infectados pelo HIV, para evitar infecção cruzada e risco de transmissão de grupos de vírus resistentes. A gestante soropositiva tem direito a receber, de graça, medicamentos para HIV/aids. Lembre-se que a gestante tem direito à privacidade. Atenção: ra HIV/aids e sífilis devem ser fornecidos, gratuitamente, pelos serviços de saúde e usados pela mãe de acordo com a indicação médica. ivo NÃO deve amamentar seu bebê. A mãe tem o direito de receber orientações e apoio para alimentar o seu bebê. Ela deve ser encaminhada ao serviço de saúde. O fornecimento da fórmula láctea deve ser garantido a todas as crianças expostas ao HIV. ratamento adequado, a gestante soropositiva pode ter um bebê saudável. ve ser amamentado por outra mãe devido ao risco de infecção pelo leite materno. 07
  • 15. 08 Se o exame para sífilis for positivo e a mãe e o parceiro não forem tratados, o bebê poderá nascer com má-formação. O que fazer quando o resultado do teste de sífilis é positivo? O tratamento da sífilis durante a gravidez proteje o bebê, evitando complicações, inclusive o risco de morte. ratamento da mãe durante a gravidez trata também o bebê. ratamento é gratuito e cura a doença. ve ser tratado ao mesmo tempo. A mãe poderá amamentar normalmente o seu bebê. Pergunte sobre os resultados dos exames realizados para sífilis. Sífilis e Sífilis Congênita
  • 16. 08 A ocorrência da sífilis congênita pode ser evitada com um pré-natal de qualidade. Sífilis e Sífilis Congênita UDAT - PN DST/AIDS Gestante com sífilis De maneira semelhante ao HIV, a sífilis também pode passar da mãe para o filho no período da gravidez. Exames para sífilis que são realizados na rotina do pré-natal identificam a infecção. Nesse caso, deve-se iniciar rapidamente o tratamento. O tratamento do parceiro deve ser simultâneo ao da gestante. Os casos de sífilis materna e congênita devem ser devidamente tratados e notificados à vigilância epidemiológica municipal. O tratamento adequado cura a infecção materna e evita a transmissão ao bebê. A falha no tratamento materno poderá determinar situações graves, tais como aborto ou sequelas graves no bebê, com risco de morte. Após o diagnóstico da sífilis, o casal deve ser orientado a usar preservativos nas relações sexuais até que ambos tenham sido tratados simultaneamente para evitar reinfecção. Os exames para sífilis devem ser realizados regularmente nas consultas do pré-natal para verificar se o tratamento foi adequado. Atenção: O teste para sífilis (VDRL) deve ser realizado na primeira consulta e na fase inicial da gestação, no início do terceiro trimestre gestacional e no momento do parto. Os resultados devem ser anotados no Cartão da Gestante. Não há contraindicações à amamentação.
  • 17. 09 As famílias com dificuldade de acesso à alimentação têm direito de ser incluídas nos programas do governo. Qual a melhor comida para a gestante e o bebê? A alimentação deve ser variada com produtos da região e da época. Sempre que puder, comer frutas, legumes e verduras. Comer também arroz, feijão, milho, macaxeira, castanha, carnes, galinha ou frango, peixes e ovos. Beber leite. Beber, pelo menos, dois litros de líquidos, que podem ser água, chás e sucos de frutas regionais. Alimentação
  • 18. Alimentação saudávelAlimentação Comer muito não quer dizer comer bem. Uma boa alimentação precisa ser variada, à base de leite, frutas, vegetais, carne, peixe, ovos, arroz, feijão, batata, mandioca, milho, pão, para suprir as necessidades nutricionais. Dicas para a família: Valorizar os alimentos da região e da época. Tomar pelo menos dois litros de líquidos por dia, que podem ser água, chás e sucos de frutas regionais. A gestante precisa comer, todos os dias, alimentos ricos em ferro, vitaminas A e C, iodo e cálcio. O cálcio é importante para a gestante e o bebê, porque ajuda a formar e manter ossos e dentes fortes. Ele é encontrado principalmente no leite e seus derivados, em folhas escuras e sardinhas. Preste atenção: Se a família tem comida em quantidade e qualidade. Se tem o hábito de comer frutas, verduras e legumes. Se come carne ou peixe com alguma regularidade. Famílias com dificuldade para obter alimentos devem ser encaminhadas para programas do governo. Igrejas, associações comunitárias e outras instituições também podem ajudar as famílias a se alimentar melhor. Oriente as famílias a consumir alimentos nutricionalmente ricos, considerando sempre os costumes regionais. 09
  • 19. 10 Os alimentos mais ricos em vitamina A são: Ovos; leite e seus derivados; carnes, fígado, peixes; azeite de dendê, de oliva e óleos de cozinha em geral; frutas amarelas e alaranjadas em geral, buriti, banana, mamão, manga, pupunha, etc; legumes como abóbora ou jerimum, cenoura e beterraba; hortaliças e vegetais; folhagens verde-escuras como couve, jambu, vinagreira, coentro, salsa, folha da taioba, mastruz, batata doce, inhame e outras. Onde posso encontrar vitamina A? A vitamina A favorece o crescimento da criança e previne doenças da pele e deficiência visual. Ajuda na cicatrização e fortalece a defesa do corpo. Alimentação
  • 20. A Constituição Federal garante a toda pessoa o direito à alimentação saudável e adequada às suas necessidades e sua idade. Vitamina A A vitamina A melhora o sistema de defesa do corpo, previne infecções, protege a visão e ajuda no crescimento do bebê. A vitamina A é encontrada em ovos, leite e seus derivados; carnes, fígado, peixes gordos; azeite de dendê e óleos; frutas, como buriti, manga e mamão maduros, pequi ou piquiá, pitanga e pupunha; legumes, como abóbora ou jerimum, batata-doce e cenoura; hortaliças e vegetais de folhagem escura, como azedinha ou vinagreira, couve, espinafre, beldroega, bertalha, caruru, taioba e jurubeba, batata doce e inhame. Atenção: Toda refeição deve ter, pelo menos, um desses alimentos crus; pode ser uma salada ou uma fruta, lavadas com água limpa. Se as crianças da família queixam-se de dificuldade para enxergar ao entardecer e à noite, devem ser encaminhadas ao serviço de saúde. Alimentação 10
  • 21. 11 É preciso comer alimentos ricos em ferro, como fígado, carnes, ovos, feijão, castanha e verduras verde-escuras, como couve, jambu e outras. Coma frutas cítricas e amarelas ou alaranjadas como laranja, tangerina, cajarana, limão, caju, goiaba, manga, mamão, acerola, açaí, araçá-boi, buriti e outras. As frutas cítricas ajudam o organismo a aproveitar melhor o ferro dos alimentos. A gestante tem o direito de receber medicamento com ferro, receitado no serviço de saúde. Como prevenir a anemia? Alimentação A anemia é também conhecida como sangue fraco. Sinais de anemia: Palidez da língua, da parte interior dos lábios e da palma das mãos, cansaço e falta de ar e batimentos acelerados do coração. Ferro
  • 22. FerroAlimentação O ferro dos alimentos é melhor aproveitado pelo organismo quando a pessoa come esses alimentos junto com os ricos em vitamina C, como limão, laranja, caju, goiaba, manga e acerola. O suplemento de ferro, isto é, o medicamento com ferro, durante a gestação, trata a anemia da mãe e previne a anemia do bebê. Atenção: Os sinais de anemia são: Palidez da língua, da parte interior dos lábios e da palma das mãos. acelerado do coração. vermes podem agravar a anemia. A falta de ferro no organismo da mãe prejudica o desenvolvimento do bebê. A falta de ferro causa anemia, que é a carência nutricional mais comum no ve pode prejudicar o desenvolvimento do bebê. A anemia durante a gravidez aumenta as complicações no parto, como a hemorragia, que é uma das principais causas de morte materna. com anemia e baixo peso ao nascer. Alimentos como fígado, carnes, ovos, feijão, lentilha, verduras verde-escuras são ricos em ferro e protegem contra a anemia. 11
  • 23. 12 Usar pequenas quantidades de sal iodado na comida previne deficiência mental no bebê. O iodo é encontrado no sal iodado, nos alimentos do mar e também nas verduras, legumes e frutas cultivados em terras perto do mar. A falta de iodo no corpo da gestante prejudica o desenvolvimento do bebê e poderá causar deficiência mental na criança. A falta de iodo também pode causar bócio ou “papeira”. Para preveni-lo compre e use somente sal iodado. Deixe o sal iodado em pote fechado, longe do fogo, em local fresco e seco. Não consuma “sal para gado”. É prejudicial à saúde humana. Onde encontrar iodo?Alimentação
  • 24. O iodo é importante para o desenvolvimento físico e mental. A falta de iodo no corpo da gestante pode provocar aborto ou afetar a formação do cérebro do bebê. Poderá, também, causar deficiência mental no bebê, atrasar o crescimento da criança e prejudicar sua capacidade de aprendizagem. Os alimentos que contêm iodo são: sal iodado; alimentos do mar, como peixes e mariscos; verduras, legumes e frutas cultivados em terras perto do mar. A falta de iodo na alimentação por muito tempo causa aumento da glândula tireóide, doença conhecida como bócio ou “papo”. A melhor forma de se evitar a deficiência de iodo é comprar e usar o sal iodado. Pequenas quantidades de sal iodado na comida previnem a deficiência de iodo no organismo. Iodo 12 Alimentação Atenção: Dicas para o uso do sal iodado Ao comprar o sal, observe se ele é iodado e está dentro do prazo de validade. Guarde o sal iodado na embalagem, dentro de um pote fechado, sempre em local fresco e ventilado, longe do calor e de lugares úmidos. Não guarde o sal na geladeira. Agindo assim, você garante a qualidade do seu sal iodado. O sal usado na alimentação do gado e para curtir couro não deve ser usado pelas pessoas, pois não contém iodo.
  • 25. Saneamento básico 13 Como manter a higiene da sua casa? Garantir a coleta de lixo, rede de esgoto e abastecimento de água é obrigação do governo. Para manter a higiene, a família precisa de:
  • 26. Está na Constituição: todo cidadão tem direito aos serviços básicos de saneamento e saúde. Higiene Saneamento básico A família e a gestante precisam ter acesso a um ambiente limpo para garantir sua saúde e desenvolvimento. Coleta de lixo, rede de esgoto, abastecimento de água são serviços básicos e devem ser garantidos pelos governos. A rede de esgoto e a coleta adequada de lixo evitam a disseminação de doenças. Procure saber se as famílias se organizam para conseguir coleta de lixo, abastecimento de água e rede de esgoto para a comunidade. Onde não houver água tratada, é necessário usar o hipoclorito de sódio na água de beber e de lavar os alimentos. Para acondicionar a água de beber é importante usar filtros. 13 Atenção: Incentive a família a participar de associações e grupos comunitários, a fim de buscar soluções para os problemas de saneamento básico. Nas áreas rurais, o lixo deve ser queimado ou enterrado para não atrair ratos e insetos que causam doenças. Se não tiver garantido o seu direito a serviços de saneamento básico, a população deve procurar a Prefeitura, os Conselhos de Direitos ou a Promotoria de Justiça de sua cidade.
  • 27. Higiene 14 Quando as famílias se unem, é mais fácil exigir das autoridades o direito à água e ao saneamento básico. Manter a casa limpa, fazer a higiene do corpo e das mãos, lavar alimentos e utensílios evitam doenças, como verminoses e diarreias. A higiene corporal da mulher é importante para prevenir infecções e complicações nela e no seu bebê. Como ter bons hábitos de higiene?
  • 28. Higiene Toda pessoa tem direito a água de boa qualidade para manter sua saúde. Higiene Para prevenir muitas doenças, são importantes estes hábitos de higiene: Tomar banho todos os dias. avar os cabelos com frequência. ovar os dentes pela manhã, após as refeições, depois de comer doces e antes de dormir. avar as mãos, com sabão, antes das refeições, antes de mexer em alimentos e depois de usar o sanitário. avar as roupas com água e sabão e lavar o sanitário e as latrinas. 14 iver num ambiente limpo é fundamental para uma vida saudável. Atenção: Os alimentos devem ser lavados com água limpa antes de preparados ou consumidos. Pratos, copos, talheres, canecas, panelas e outros utensílios de cozinha devem ser lavados e guardados em local protegido de moscas, baratas, ratos e poeira. A família e a gestante precisam ter acesso a água limpa para manter bons hábitos de higiene.
  • 29. Aleitamento materno 15 Por que é bom dar o peito? Aleitamento materno O leite materno protege o bebê contra doenças. É limpo e não dá trabalho para preparar, pois já está pronto. Amamente seu bebê exclusivamente ao seio até os 6 meses de idade. Criança amamentada desenvolve-se mais rápido, cresce inteligente e saudável. O uso de chupetas ou mamadeira pode atrapalhar a amamentação e deformar os dentes. A mãe HIV positivo NÃO pode amamentar, mas o bebê pode receber a alimentação com a mesma atenção e carinho. Para amamentar, a mulher precisa do apoio da família e da comunidade.
  • 30. Aleitamento materno Aleitamento materno Nenhum leite substitui o leite materno. O aleitamento reforça os laços afetivos. 15 Amamentar = dar leite do peito. O leite da mãe é adequado, completo, econômico e suficiente para o bebê. Sua digestão é mais fácil, pois é feito especialmente para o estômago da criança. Contém vitaminas, minerais, gorduras, açúcares e proteínas na quantidade de que o bebê precisa. Por isso, não é preciso dar chás nem água. Possui substâncias que não são encontradas em nenhum outro leite e que protegem o bebê de doenças, como diarreia, pneumonia, infecção de ouvido, alergias. Atenção: O leite materno é o único alimento de que o bebê precisa até os 6 meses de idade. O aleitamento materno deve ser continuado até os 2 anos ou mais, juntamente com outros alimentos. Toda gestante deve ser orientada sobre a importância do aleitamento materno. A amamentação supre todas as necessidades do bebê nos primeiros seis meses de vida. Ela reforça os laços afetivos da mãe com o bebê e contribui para o desenvolvimento físico e mental da criança. Mãe HIV positivo NÃO pode amamentar.
  • 31. 16Orientações para a amamentaçãoAleitamento materno O leite da mãe é o melhor leite para o bebê. Durante a gravidez: r r r r r r
  • 32. Atenção: A gestante HIV positivo deverá receber o “Guia prático de preparo de alimentos para crianças menores de 12 meses que não podem ser amamentadas”. A mãe soropositiva deverá ter sua lactação inibida logo após o parto por uso de inibidor de lactação. Deverá receber apoio tanto da equipe de saúde como das pessoas em quem confia para não se sentir discriminada por não estar amamentando. Importante: É desejável que ao amamentar o bebê o ambiente seja aconchegante, tranquilo, de troca de carinho. Criar esse ambiente ajudará no crescimento e desenvolvimento emocional do bebê. Aleitamento materno Orientações para a amamentação O bebê tem direito a ser amamentado e a mãe precisa de apoio para amamentar. 16 Durante a gravidez: ra sustentar o peso das mamas. ou sabonete nos mamilos. ra retirar colostro, pois isso pode estimular a contração do útero. do peito não interferem na amamentação. A criança que abocanha bem a parte escura do peito retira o leite com facilidade.
  • 33. Grupo de gestantes 17 O grupo favorece a parceria e laços de solidariedade entre as gestantes. No grupo de gestantes, você tem oportunidade de trocar ideias e experiências com outras grávidas. Os profissionais de saúde podem esclarecer dúvidas e orientar sobre cuidados que devem ser tomados durante a gravidez. As outras grávidas sentem as mesmas coisas que eu? Grupo de gestantes
  • 34. Grupo de gestantes Em grupo, a gestante sente-se mais fortalecida Em grupo, as gestantes trocam experiências, informações e se fortalecem. A Unidade de Saúde deve informar o local onde a gestante vai ter o parto. Deve também organizar as visitas em grupos de gestantes para conhecer a equipe e o local do parto. Procure saber: de grupos já formados. de gestantes. Estimule a formação de grupos de gestantes. No grupo, as gestantes podem trocar informações, comparar sentimentos e relatar medos e sonhos comuns. Conversando com outras gestantes, elas ficam mais à vontade para falar das mudanças no corpo, da sexualidade, das ansiedades em relação à gravidez, parto e nascimento do bebê. Para alívio da ansiedade e das tensões físicas, indique ou descubra quem poderá proporcionar exercícios de relaxamento e respiração no grupo de gestantes. Eles contribuem para a tranquilidade e um melhor preparo para o momento do parto. 17
  • 35. Mudanças no corpo da gestante e do bebê A amamentação ajuda o útero a voltar ao seu tamanho normal. Tudo começa com o encontro de um espermatozoide do homem e um óvulo da mulher. Ao final do primeiro mês, o bebê tem o tamanho de um grão de arroz. Ao final da gestação, o bebê, em geral, mede cerca de 50 cm e pode pesar em torno de 3 quilos e 400 gramas. A primeira mudança no corpo da gestante é o aumento dos seios. Ao final da gravidez, ela terá ganho entre 9 e 12 quilos. A gestante e o bebê 18 Como se forma o corpo do bebê?
  • 36. A gestante e o bebê Mudanças no corpo da gestante e do bebê Na gravidez, o corpo do bebê e o corpo da gestante passam por mudanças de peso, tamanho e forma. No primeiro trimestre, o corpo da gestante tem poucas mudanças: as mamas estão maiores e as aréolas mais escuras. O corpo do bebê está em formação. O pré-natal acompanha mês a mês as mudanças que ocorrem no corpo da gestante e do bebê. 18 No segundo trimestre, a barriga está maior e a gestante começa a perceber os movimentos do bebê, que cresce muito nesse período. No terceiro trimestre, a mulher tem as veias das mamas bem visíveis, o umbigo pode ficar saliente e o bebê ganha mais peso.
  • 37. 19 É importante que o pai do bebê ou o companheiro da gestante acompanhe o desenvolvimento da gestação. Os três primeiros meses de gestação Como está o bebê na barriga? Primeiro trimestre Ao final do primeiro mês, o bebê tem o tamanho de um grão de arroz. Com três meses de gestação, o bebê está quase do tamanho da mão fechada de um adulto. 1 mês e 15 dias tamanho real 2 meses tamanho real 3 meses tamanho real 1 mês tamanho real Evite fumo, bebidas alcoólicas ou drogas. Não tome nenhum medicamento sem orientação médica.
  • 38. Primeiro trimestre No primeiro trimestre, há poucas modificações no corpo da gestante. As mamas estão maiores e ela pode sentir enjoos, muito sono e tonturas, porém gravidez não é doença. Ao final do primeiro mês, o bebê é do tamanho de um grão de arroz. O coração, o cérebro e a coluna estão em formação. No final do terceiro mês, ele tem quase o tamanho da mão fechada de um adulto. O cérebro, o estômago, os intestinos, o esqueleto e os músculos estão mais desenvolvidos. Procure saber: ra urinar. vosa ou preocupada. Do primeiro ao terceiro mês de gestação Sugira que a mãe escute música, que é muito importante para o desenvolvimento da criança. nvolve alguma atividade. Atenção: ramento vaginal, dores e cólicas muito fortes sinais, dev A gestante, no primeiro trimestre, deve tomar a vacina antitetânica para que ela e o bebê fiquem protegidos contr com interv podem ser administradas dependendo da situação e da indicação médica. A vacina contra a gripe é indicada para todas as gestantes. 19
  • 39. 20 A gestante tem direito a um acompanhante nas consultas de pré-natal. Do quarto ao sexto mês de gestação Como está o bebê na barriga? Ao final do quarto mês, o bebê mexe com as mãos, com o corpo, dá chutes. Ele já percebe sons. Converse com seu bebê. Começam a se formar os dentes e os dedos das mãos e dos pés. No fim do sexto mês, a pele do bebê é fina e brilhante, e ele começa a abrir os olhos. Parece que o bebê gosta quando as pessoas tocam a barriga da sua mãe. Segundo trimestre 6 meses tamanho aproximado do real nofimdosextomês,medeaproximadante30cm
  • 40. Gestantes que estão sem companheiro precisam de mais apoio da família e da comunidade. Segundo trimestre Do quarto ao sexto mês de gestação Nessa fase, os enjoos já diminuíram. A gestante sente-se mais segura e acompanha com prazer sua barriga crescendo. A gestante e a família começam a perceber os movimentos do bebê. Ele dá chutes, mexe com as mãos e com o corpo. Além da voz da mãe, o bebê percebe outros sons. A gestante pode convidar o pai a sentir o bebê se mexendo na barriga. É emocionante para os três. Importante: vem conversar com o bebê que vai nascer. Enquanto isso, podem acariciar a barriga da gestante. Sinais de risco: chaço nas pernas, mãos e rosto ao acordar, perda de água ou sangramento pela vagina, dores e cólicas muito fortes. Na presença desses sinais, é preciso encaminhar a gestante ao serviço de saúde. 20
  • 41. 21 Como está o bebê na barriga? Não esqueça da última dose da vacina contra tétano. O bebê ainda na barriga da mãe já percebe muito do que acontece a seu redor. Sente gosto amargo e doce, ouve sons, portanto, converse com o seu bebê e acaricie a barriga. Ele mexe menos, pois está mais apertado dentro do útero. No final do nono mês, os pulmões estão maduros. Sinais de risco: exe por mais de 12 horas; perda de água ou sangue pela vagina; pressão alta; inchaço nas pernas, mãos e rosto; dores de cabeça. Diante desses sinais, a família deve levar a gestante com urgência ao serviço de saúde. Terceiro trimestre Do sétimo ao nono mês de gestação no fim do nono mês, o bebê mede aproximadante 50 cm
  • 42. Terceiro trimestre Do sétimo ao nono mês de gestação Oriente a gestante a: r r P i r V Sinais de risco: r P c Com esses sinais, levar a gestante para o serviço de saúde. r r P r r r r Pressão alta é doença grave. Se não for controlada durante a gravidez, poderá causar a morte da gestante e do bebê. 21
  • 43. Preparando a casa Preparando a casa para receber o bebê Onde o bebê vai ficar? O lugar onde o bebê vai ficar deve ser protegido, limpo e arejado. É importante que a gestante possa contar com o apoio e ajuda dos parentes, vizinhos e amigos na hora de ter bebê. É um direito da gestante conhecer o local onde terá o seu bebê. 22
  • 44. Preparando a casa Preparando a casa para receber o bebê Está chegando a hora do bebê nascer. A mãe, com a ajuda dos familiares, deve escolher o nome do bebê. Isso facilita a formação do vínculo. Além disso, algumas crianças deixam de ser registradas por ainda não ter seu nome escolhido ao nascer. Ao nascer, o bebê precisa de um lugar seguro e limpo e de roupa de cama e banho só para ele. A família deve ajudar a gestante a preparar a casa para a chegada do bebê. Para evitar que o bebê seja picado pelos mosquitos que transmitem dengue e malária, é necessário cobrir o berço com mosquiteiro. Nas últimas semanas antes do parto, é bom que a gestante fique mais próxima do local onde vai ter o bebê. Preste atenção: á fez uma visita prévia à maternidade para se familiarizar com o ambiente. Ajuda a diminuir a sua ansiedade e cria vínculo com a equipe que fará seu parto. de alguém para cuidar das crianças e da casa enquanto ela vai ter o bebê. Assim, ficará mais tranquila durante o trabalho de parto. Veja como mobilizar ajuda para a mãe quando ela não conta com ninguém ao voltar para casa. 22
  • 45. Preparando-se para o parto Cartão da Gestante. Documento de identidade, que pode ser carteira de identidade, certidão de nascimento ou de casamento, carteira de motorista. Roupas para a gestante e o bebê. Artigos de higiene. A Lei 11.108, de 2005, assegura o direito do pai a acompanhar a mãe e o bebê no hospital, antes, durante e após o parto. A gestante já deve deixar preparada, com antecedência, uma sacola com: 23 O que é preciso levar para o hospital? Preparando para o parto
  • 46. A mãe e o pai que trabalham com carteira assinada têm direito a licença pelo nascimento do bebê. Preparando-se para o parto Se o parto for no hospital: Verifique se o hospital ou maternidade já cumprem a lei, garantindo a presença do pai durante e após o parto. e ter acesso facilitado par e o bebê, a qualquer hora do dia. A gestante tem direito a seis meses de licença-maternidade, que pode ser iniciada um mês antes do parto. de licença após o nascimento do bebê. Assim, ele pode fazer o registro de nascimento, ajudar Preparando-se para o parto le ar para o hospital. Atenção: ra do parto. rantido pela Lei no 11.108, de 2005. 23
  • 47. O bebê vai nascer Qual é a hora certa de ir para o hospital? Parto 24 Se o hospital é próximo, a gestante pode esperar em casa até as contrações do útero acontecerem com um tempo próximo de 10 em 10 minutos. Também pode ocorrer eliminação repentina de água, que significa o rompimento da “bolsa das águas”, indicando que é preciso procurar o hospital. Quando o hospital é longe e há dificuldade de transporte, é bom sair de casa antes das contrações ficarem mais fortes. A gestante sente-se mais tranquila quando pode contar com o apoio do companheiro, da família e da comunidade.
  • 48. Todo hospital ou maternidade tem que acolher a gestante e garantir a assistência ao parto. Parto O bebê vai nascer Sinais de que o parto está próximo: v br r r v r v v r r r r 24 O r r r Oriente a gestante: r r r v r r v r o r
  • 49. Parto 25Chegando à maternidade O que vai acontecer com a gestante? Ao chegar à maternidade, a ficha de internação é preenchida. É importante conhecer a equipe de saúde. São feitos os exames para acompanhar o trabalho de parto. A gestante pode se movimentar, tomar banho e receber massagem. É um direito da gestante ser acompanhada por pessoa da sua escolha, antes, durante e depois do parto.
  • 50. Parto Chegando à maternidade A gestante deve ser recebida com carinho e respeito pelos profissionais de saúde. O profissional de saúde vai escutar o coração do bebê, contar quantas vezes o útero se contrai e fazer toque vaginal para ver como está a dilatação do colo do útero. Com isso, ele vai avaliar se está na hora do bebê nascer. Dependendo do resultado, a gestante vai para o quarto ou para a sala de pré-parto até que se complete a dilatação do colo do útero. Ela pode andar, tomar banho e receber massagem. Tudo isso ajuda a relaxar. Por lei, a gestante tem direito a acompanhante antes, durante e após o parto. Importante: vel que a gestante e seu acompanhante conheçam previamente a rotina da maternidade e se possível a equipe de saúde. Valendo os direitos: Toda gestante tem direito à assistência ao parto e pós-parto de forma humanizada. 25
  • 51. 26 O parto pode ser feito sem dor?Parto No parto normal, a gestante pode receber medicamentos que diminuem a dor do parto. O parto normal, geralmente, é a melhor maneira de trazer o bebê ao mundo. O bebê nasce mais ativo e tem logo vontade de mamar. Cesariana é uma cirurgia e só deve ser feita pelo médico e quando for, de fato, necessária. O SUS paga o medicamento contra dor para o parto normal.
  • 52. Atenção: As casas de parto devem estar próximas da maternidade para o caso de ser necessário outro tipo de intervenção. Oriente a gestante: ral, o parto normal é a melhor maneira para o bebê nascer ivo e mostra v ras horas de vida. disposta para amamentar e cuidar do seu bebê Parto O parto No hospital, maternidade ou casa de parto, ral, é assistida por médica(o) ra(o) obstetra. diminue ou inibe a participação da mãe, ser assistida pela parteira tradicional capacitada. Natural é parto normal; cesariana só se for, de fato, necessária. 26
  • 53. 27 A melhor posição para o parto é aquela em que a gestante se sente mais confortável. No parto normal, a gestante pode escolher a posição deitada, sentada ou de cócoras. Procure saber se o local onde você vai ter o bebê já utiliza a cadeira de parto ou a cama inclinada. Na posição semideitada ou sentada, fica mais fácil para a mulher fazer força e participar ativamente do nascimento do bebê. Parto A gestante pode escolher a posição para o parto?
  • 54. Parto O bebê e a mãe participam ativamente do parto normal. O bebê faz força para nascer, e a sua cabeça vai alargando o colo do útero e a vagina para poder passar. A gestante pode escolher a posição que achar mais confortável: deitada, sentada ou de cócoras. O hospital ou maternidade são obrigados a permitir que a gestante esteja acompanhada por pessoa da sua escolha, antes, durante e depois do parto. Posições para o parto As posições sentada e de cócoras facilitam o trabalho de parto. Algumas maternidades já usam cadeira de parto, banheiras e mesa inclinada, que são mais confortáveis para a mulher. Também no parto em casa, assistido por parteira tradicional, a mulher pode escolher a melhor posição para o parto: de cócoras, deitada de lado ou ajoelhada. 27
  • 55. Parto 28Cuidados no parto de gestante soropositiva O que acontece no momento do parto? A gestante HIV positivo recebe, no momento do parto, medicação na veia. O bebê não faz testagem para HIV na maternidade. Ele recebe medicamento pela boca, imediatamente após o nascimento e durante as seis primeiras semanas de vida. O bebê recebe fórmula infantil que é um leite em pó apropriado para ele, que será dado em copinho, com muito carinho. Mãe e bebê soropositivos têm direito a exames, remédios e acompanhamento da Equipe de Saúde.
  • 56. Toda gestante tem o direito de fazer o exame para o HIV e receber medicamento durante a gestação e o parto. Parto Cuidados no parto de gestante soropositiva O bebê não fará a testagem para HIV na maternidade. Receberá medicamento imediatamente após o nascimento e durante as seis primeiras semanas de vida (42 dias). Ele deverá ser encaminhado para o serviço de saúde especializado para crianças expostas ao HIV. O bebê recebe fórmula infantil que é um leite em pó apropriado para ele. O bebê deve ter alta da maternidade com consulta agendada em um serviço especializado, que fará os testes de acordo com determinações do Ministério da Saúde. 28 O vírus da aids pode passar da mãe para o filho durante o parto. Se a mulher não fez o teste para o HIV/aids durante a gestação, ela tem direito a fazer o teste rápido no momento do parto. A gestante soropositiva recebe, no momento do parto, medicação injetável. Mãe soropositiva não pode amamentar devido ao risco do vírus ser transmitido pelo leite materno. Não se recomenda, também, que o bebê seja amamentado por outra mãe.
  • 57. 29 Alojamento conjunto é um direito da família. É bom para a mãe, o pai e o bebê. O que acontece depois do parto Por que é bom o bebê ficar junto da mãe? O alojamento conjunto é bom para toda a família. A mãe pode olhar, tocar e amamentar o bebê sempre que quiser. O pai e outros familiares podem participar mais ativamente desses momentos de intimidade com o bebê. A mãe de primeiro filho vai aprender a cuidar do seu bebê com as outras mães e profissionais de saúde. O nascimento
  • 58. Alojamento conjunto é um direito da família. É bom para a mãe, o pai e o bebê. O que acontece depois do parto? Logo que nasce, o bebê deve ser colocado em cima do corpo da mãe para sentir seu cheiro e calor e sugar seu seio. É muito importante que a gestante seja apoiada para amamentá-lo já na sala de parto. Ao nascer, o bebê recebe uma pulseira com o nome da mãe. Se eles estão bem, vão para o alojamento conjunto, onde o bebê fica o tempo todo junto da mãe. Assim os dois vão se conhecendo melhor. O nascimento 29 Com o bebê sempre junto de si, a mãe sente mais segurança e pode amamentá-lo sempre que ele quiser. No alojamento conjunto, ela pode contar com a ajuda e orientação dos profissionais de saúde.
  • 59. 30 Quanto mais tempo o bebê ficar aconchegado no peito da mãe, melhor. Ele mama mais vezes, ganha peso mais rápido, mantém a temperatura do corpo e se sente mais protegido. O pai deve dividir com a mãe a responsabilidade de cuidar do bebê prematuro e de baixo peso. Bebê prematuro e de baixo peso Como posso cuidar do meu bebê? O nascimento Método cangurú Ficar pertinho da mãe, do pai e da família ajuda o bebê a crescer e a se desenvolver. Método Canguru
  • 60. A mãe tem direito a permanecer no hospital cuidando de bebê prematuro. O nascimento Bebê prematuro e de baixo peso O bebê prematuro e de baixo peso muitas vezes precisa ficar em incubadora ou ser colocado sem roupa bem junto do corpo da mãe (contato pele a pele precoce), ou de outro familiar, para que possa se manter aquecido, como recomenda o método Canguru. Mesmo que fique em incubadora, é importante o contato do bebê com a mãe, o pai ou outros familiares. Esse contato propicia maior ligação afetiva entre a família e o bebê e facilita o aleitamento materno. Se o bebê prematuro ainda não consegue sugar o peito da mãe, o leite materno pode ser retirado e dado com copinho até ele conseguir mamar. Mamando mais vezes, o bebê ganha peso e se fortalece mais rápido. A mãe também pode doar o leite excedente para o banco de leite. Verifique se há postos de coleta no município ou na região. O pai pode dividir com a mãe a tarefa de cuidar do bebê e mantê-lo aquecido. Preste atenção: do bebê, porque ele é prematuro. Nesse caso, é necessário que o serviço de saúde oriente e acompanhe essa família mais de perto. 30
  • 61. 31Deixando o hospital O que acontece antes da alta? O cartório não pode cobrar pelo registro civil e pela primeira via da certidão de nascimento. A mãe recebe a Caderneta de Saúde da Criança preenchida com as informações do parto e do nascimento do bebê. O Serviço de Saúde onde nasceu o bebê fornece a Declaração de Nascido Vivo, para que os pais possam fazer o registro civil e receber a certidão de nascimento do bebê. Se o parto foi domiciliar e tiver sido realizado por parteira, ela vai entregar para a mãe ou o pai uma ficha de notificação de parto em domicílio. Eles deverão ir ao cartório com seus documentos e a ficha para registrar a criança. Voltando para casa O ideal é que o registro civil seja feito logo após o nascimento, ainda na maternidade.
  • 62. É direito do bebê ser registrado e receber a certidão de nascimento. Deixando o hospitalVoltando para casa 31 Atenção: As vacinas BCG e contra a hepatite B devem ser aplicadas logo após o nascimento, de preferência na maternidade. A mãe deve ser vacinada contra a rubéola, receber a vitamina A e marcar a consulta de pós-parto. Importante: O Teste do Pezinho é um exame que descobre algumas doenças graves que podem afetar o desenvolvimento do cérebro do bebê. Esse teste deve ser feito entre o 4º e o 7º dia após o nascimento, no hospital ou Unidade de Saúde. Antes da alta, o hospital deve fornecer: A Caderneta de Saúde da Criança preenchida com os dados do parto e nascimento. A via amarela da Declaração de Nascido Vivo para fazer a certidão de nascimento do bebê. Alguns hospitais fazem o registro civil antes da alta do bebê. Para fazer o registro civil da criança, pais casados precisam apresentar a certidão de casamento. Caso não sejam casados, é necessária a presença do pai como declarante ou sua autorização escrita. Se a mãe for a declarante e o pai não reconhecer a paternidade, constará somente o nome da mãe na certidão de nascimento.
  • 63. 32 O Cartão da Gestante contém informações sobre a gravidez, o parto e o pós-parto. Deve ser levado à Unidade de Saúde, na consulta pós-parto e na próxima gestação. A Caderneta de Saúde da Criança é um documento importante para acompanhar o crescimento, o desenvolvimento, a alimentação e a vacinação da criança até os 9 anos de idade. A Caderneta de Saúde da Criança deve ser guardada com cuidado e levada sempre que a criança for à Unidade de Saúde ou a campanhas de vacinação. Cartão da Criança Por que é importante guardar o Cartão da Gestante e a Caderneta de Saúde da Criança? O Cartão da Gestante e a Caderneta de Saúde da Criança contêm informações importantes sobre a saúde da mãe e da criança.
  • 64. O Cartão da Gestante, que já tinha informações sobre o pré-natal, agora é devolvido à mãe com as anotações sobre o parto e nascimento da criança. A Caderneta de Saúde da Criança começa a ser preenchida onde o bebê nasceu e acompanha a criança até os 9 anos de idade. Na Caderneta de Saúde da Criança, são anotados o nome da criança, a data e local do nascimento, peso, comprimento, medida da cabeça, vacinas recebidas e tipo de parto. Os pais podem acompanhar o crescimento e o desenvolvimento do bebê pelas anotações da Caderneta de Saúde da Criança. O direito à saúde está previsto na Constituição e deve ser garantido pelo Sistema Único de Saúde. Cartão da Gestante e Caderneta de Saúde da Criança Cartão da Criança Atenção: Oriente a família a conservar o Cartão da Gestante e a Caderneta de Saúde da Criança com muito cuidado, pois são documentos importantes. 32
  • 65. 33 Toda mãe precisa fazer consulta de revisão do parto, até 10 dias após o parto ou antes, se houver necessidade. Atenção, família: c Procure atendimento médico com urgência. Chegando em casa Como vamos cuidar da mãe e do bebê? A mãe precisa da ajuda do companheiro e das outras pessoas para que possa amamentar e cuidar do seu bebê.
  • 66. A mãe necessita da ajuda da família para que possa amamentar e cuidar do bebê. Sinais de risco: v Atenção: v Chegando em casa Após o parto, a mulher deve voltar ao serviço de saúde: 33
  • 67. 01A família acolhe a mãe e o bebê em casa Como vamos cuidar da mãe e do bebê? Mãe e bebê em casa A fam lia, a comunidade e o mun c pio são responsáveis pela educação e proteção da criança. Mãe e bebê devem ser bem acolhidos. Eles precisam de atenção, cuidados e muito afeto. A família deve cuidar do dia a dia da casa para que a mãe possa tocar, amamentar, cuidar e ficar perto do bebê.
  • 68. Mãe e bebê em casa O governo, a sociedade e a família são responsáveis por cuidar da criança, protegê-la e educá-la. A família acolhe a mãe e o bebê em casa Preste atenção: Se a mãe tem apoio familiar, caso contrário, procure ajuda com os vizinhos e visite mais vezes essa família. ra o bebê ficar deitado e participar da vida em família. ou de outras pessoas nas tarefas da casa. nversar sobre o ra da mãe cuidar e se relacionar com o bebê. Importante: A família deve receber mãe e bebê num ambiente ra viver. Ajudada nas tarefas da casa, a mãe pode cuidar do bebê e amamentá-lo. ra para cuidar do bebê e precisa de apoio. Com a ajuda de outr iveram ra. As mães sem companheiro precisam de mais apoio da família. Se a mãe fez cesariana, pode sentir dor na ra andar e cuidar do bebê. iveram parto normal e precisaram fazer um corte na entrada da v podem sentir o desconforto dos pontos. 01
  • 69. 02Cuidados com bebê prematuro e de baixo peso O que vamos fazer? Bebê prematuro e de baixo peso precisa de mais atenção da família e do serviço de saúde. A saúde do bebê Manter o bebê mais tempo junto do corpo da mãe ou do pai. Assim ele fica quentinho, como se ainda estivesse dentro da barriga. O bebê precisa mamar mais vezes, durante o dia e também à noite, para ganhar peso mais rápido.
  • 70. No primeiro mês, as famílias com bebês prematuros ou de baixo peso devem ser visitadas com mais frequência pela equipe de saúde. Cuidados com bebê prematuro e de baixo peso A saúde do bebê Os bebês que nasceram prematuros ou com baixo peso podem ficar um tempo maior no hospital. Esses bebês precisam de cuidados especiais, porque têm pouca defesa e podem pegar infecções; têm pouca gordura no corpo e não conseguem se manter aquecidos; os pulmões ainda não estão maduros, por isso, eles podem ter problemas respiratórios. A melhor maneira de cuidar desse bebê é mantê-lo o maior tempo possível junto ao corpo da mãe. O contato pele a pele aquece e conforta o bebê. Ele pode mamar mais vezes e, assim, ganhar peso mais rápido. Importante: O aleitamento materno é essencial para ajudar o bebê a se fortalecer e ficar protegido das doenças. A equipe de saúde deve reforçar o apoio e a motivação na necessidade de amamentação. Atenção: Bebês prematuros muito pequenos podem ter dificuldade para sugar o peito da mãe. Nesses casos, recomenda-se retirar o leite materno e dar com colher ou copinho. 02
  • 71. 03 O município é responsável pelo funcionamento das equipes de saúde da família, incluindo os agentes de saúde. Serviços básicos de saúde para o bebê e a família Temos esses serviços na comunidade? Serviços A tarefa de educar, proteger e cuidar do bebê é especialmente da famíl a. Para isso, ela precisa contar com serviços de boa qualidade próximos do local onde vive e do apoio da comunidade. Os profissionais de Saúde da Família, da Pastoral da Criança, do Centro de Referência da Assistência Social - C e de outros serviços públicos ou comunitários ajudam a família nos cuidados com o bebê.
  • 72. O governo municipal é responsável por organizar e manter serviços de atenção básica à saúde. Serviços básicos de saúde para o bebê e a família Serviços A Unidade de Saúde deve estar próxima de onde mora a família. Assim, fica mais fácil vacinar o bebê e ter a atenção dos profissionais de saúde. Os profissionais de Saúde da Família, da Pastoral da Criança, do Centro de Referência da Assistência Social - CRAS e de outros serviços públicos ou comunitários ajudam os pais e a família a cuidar da saúde e do desenvolvimento das crianças. Outros grupos também são parceiros no fortalecimento da família. Grupos de pais, de gestantes, de jovens, de igrejas, esportivos e culturais colaboram no cuidado, educação e proteção das crianças. As equipes de saúde devem dar atenção especial às famílias com bebês recém-nascidos. É necessário fazer a visita domiciliar logo após a alta do bebê. Essa visita ajuda a identificar problemas de saúde com a mãe e o bebê e dá o apoio para a amamentação. Aproveite para observar o tipo de moradia e condições de higiene e dê orientações. Atenção: Para os bebês prematuros ou de baixo peso, a visita deve ser feita nos três primeiros dias, e para os demais bebês, até o final da primeira semana. 03
  • 73. A mãe deve voltar ao serviço de saúde: Imediatamente, em caso de febre, dor forte na barriga, perda de líquidos, sangramento ou corrimento com cheiro forte. Dez dias depois do parto para avaliar a cicatrização dos pontos, as condições das mamas e do útero. Quarenta dias depois do parto para receber orientações sobre planejamento familiar. É importante o companheiro ir junto para essa revisão pós-parto para que recebam orientação sobre a necessidade de um espaço de pelo menos dois anos entre um filho e outro. Todas as mulheres têm direito a informações e acesso aos métodos anticoncepcionais, inclusive os naturais. 04 A Unidade de Saúde tem o dever de atender as mulheres no pós-parto. Cuidados com a saúde da mãe Quando devo voltar ao serviço de saúde? A saúde da mãe
  • 74. É importante que a família também conheça os sinais de risco depois do parto. Cuidados com a saúde da mãe A saúde da mãe A mulher precisa se alimentar bem, tomar mais líquidos e descansar mais para recuperar as forças, produzir leite e cuidar do bebê. Se teve parto normal e levou pontos, a mulher precisa lavar o local com água e sabão toda vez que urinar e evacuar. Esses pontos caem sozinhos. Os pontos da cesariana são retirados no serviço de saúde. Depois do parto, é normal a mulher ter um pequeno sangramento que vai diminuindo e clareando. A mulher deve ir ao serviço de saúde: r forte na barriga, perda de líquidos, sangramento ou corrimento com mau cheiro. dos pontos, as condições das mamas e do útero. orientações sobre planejamento familiar. É importante orientar a mãe e, se possível, o companheiro, para que haja um espaço de pelo menos dois anos entre um filho e outro. Assim, a mulher consegue recuperar-se da gestação e do parto e dar o leite do peito com mais tranquilidade. Oriente sobre o direito que todas as mulhere têm a informações e acesso aos métodos anticoncepcionais, inclusive os naturais. 04
  • 75. 05Estado emocional da mulher no pós-parto O que precisamos fazer? A saúde da mãe Nos primeiros dias depois do parto, a mãe pode se sentir triste, desanimada e cansada. Quando esses sentimentos não passam ou se agravam, a mãe pode estar com depressão pós-parto. Sinais de depressão pós-parto: Alteração súbita de humor. Crises de choro. Tristeza e desânimo. Dificuldade para cuidar de si e do bebê. Nessas situações, é preciso levá-la ao serviço de saúde. A depressão pós-parto é uma condição que pode ser grave e precisa ser tratada.
  • 76. As mulheres necessitam de muito apoio do companheiro, da família, dos profissionais de saúde e da comunidade para cuidar do bebê. Estados emocionais no pós-partoA saúde da mãe As mulheres podem sentir-se abatidas e desanimadas depois do parto. Isso logo passa. Mas, quando esses sintomas se prolongam por mais tempo e a mãe tem crises de choro e não consegue cuidar do bebê, pode estar com depressão pós-parto. A depressão pós-parto é doença e não pode ser confundida com um mal-estar passageiro. A mãe precisa receber tratamento médico adequado e mais apoio da família. Preste atenção: ra interesse e alegria ao cuidar do bebê. rada pela família e pela comunidade. instabilidade emocional na fam lia. 05
  • 77. Mãe bem alimentada produz mais leite. Alimentação da mãe que amamenta O que devo comer quando estou amamentando? Alimentação da mãe 06 Mãe que amamenta pode comer todo tipo de alimento e deve tomar bastante líquidos. Isso ajuda a produzir leite. Não há alimentos específicos para aumentar a produção de leite. Os melhores alimentos são os da própria região e de cada época do ano, pois são mais baratos, frescos e nutritivos. Ao amamentar, a mãe não deve consumir álcool, fumo, drogas ou medicamentos sem receita médica.
  • 78. O governo deve providenciar apoio alimentar à mãe que amamenta. Está no Estatuto da Criança e do Adolescente. Alimentação da mãe que amamenta Alimentação da mãe Não existe “leite fraco”, mas a mãe que amamenta precisa de uma quantidade maior de alimentos e de líquidos. A mãe pode comer todo tipo de alimento. Ela deve comer frutas, verduras, carnes, miúdos, legumes, feijão e arroz, que possuem os nutrientes e vitaminas de que ela precisa. Também deve beber bastante líquido: chás, água, sucos ou leite. Isso ajuda a produzir leite materno. Assim, ela supre suas necessidades e produz leite em quantidade e qualidade adequadas ao bebê. A mãe não deve consumir álcool, fumo e outras drogas, nem tomar medicamentos sem receita médica. A família deve comprar e consumir os alimentos que são próprios da região e de cada época do ano. Eles são mais baratos, frescos e nutritivos. Se a família está com dificuldade para conseguir comida, é preciso buscar apoio na comunidade e nas instituições que possam complementar a sua alimentação. 06
  • 79. Na primeira semana de vida, o bebê precisa ser levado à Unidade Básica de Saúde para: F T P O bebê deve ser levado com urgência ao serviço de saúde se tiver: F 3- T P 07 Se o bebê não estiver bem de saúde, durante o dia, leve-o imediatamente à Unidade Básica de Saúde, e, à noite, ao serviço de pronto-socorro. Quando devo levar o bebê ao serviço de saúde? 1 2 3 4 5 6
  • 80. Atenção: O bebê deve ser levado com urgência ao serviço de saúde se: Tiver febre. A temperatura do corpo estiver Tiver dificuldade de respirar. A barriga estiver estufada. A pele estiver muito amarelada. iv Tiver dificuldade para mamar. em torno do umbigo. Contar com o apoio de outras mulheres que já tiveram filhos ajuda a mãe a identificar problemas de saúde no bebê. Primeira ida ao serviço de saúde e sinais de perigo para o bebê em casa O bebê deve ser lev de Saúde na primeira semana de vida par o Teste do P Esses testes servem para identificar precocemente transtornos que podem prejudicar o crescimento e o desenvolvimento do bebê. r ratamento. ve ser vacinado contra tuberculose e hepatite B ele deve receber essas vacinas na visita à Unidade ra semana de vida. 07
  • 81. 08 Os profissionais de saúde e as mulheres que já tiveram filhos podem ajudar as famílias a cuidar de seus bebês. Outros cuidados com o bebê O que podemos fazer? Dia a dia do bebê O bebê chora quando tem cólicas, quando está molhado, com frio ou fome, e quando quer carinho. Ele pode também estar com gases, nariz entupido, soluço. Nesses casos, existem cuidados simples que a mãe pode aprender com pessoas mais experientes.
  • 82. Família informada cuida melhor do bebê. Outros cuidados com o bebêDia a dia do bebê Algumas orientações para ajudar as mães: soluços: Choro que não passa: Cólicas: Gases: dob Golfadas: av Nariz entupido: 08 v v Pa iv v av
  • 83. O bebê passa a maior parte do tempo dormindo. A melhor posição para ele dormir é de barriga para cima. O bebê se comunica pelo choro quando quer mamar, se está molhado, tem dor e também quando quer carinho. 09 Ficar perto da mãe ajuda o bebê a se desenvolver. Como é o bebê no primeiro mês Como é o bebê? Características do bebê
  • 84. Ficar perto da mãe ajuda o bebê a se desenvolver. Como é o bebê no primeiro mêsCaracterísticas do bebê Nos primeiros dias, o bebê perde um pouco de peso e dorme a maior parte do tempo. Com 15 dias, se mama bem, já deve ter recuperado o peso do nascimento. A cabeça é grande e os ossos não estão emendados. Pode ter inchaço no couro cabeludo, resultado da pressão da cabeça no canal de parto. Comunica-se pelo choro quando sente dor, fome, frio ou calor, está com fralda molhada ou suja e também quando quer carinho. Parece que se assusta ou quer abraçar quando ouve sons ou é tocado. As fezes dos primeiros dias são quase pretas e viscosas. Bebê que mama no peito tem fezes amarelas e meio líquidas. Isso não é diarreia. O bebê nunca deve dormir de barriga para baixo (de bruços). Recomenda-se que ele durma de barriga para cima. Cuide para que a boca e o nariz não fiquem cobertos. Para aquecê-lo, é preferível agasalhá-lo com mais roupas em vez de cobri-lo com muitas cobertas. Importante: O bebê está se desenvolvendo bem quando mama, dorme bastante, respira suavemente, faz cocô e xixi várias vezes ao dia. 09
  • 85. Cada bebê tem seu jeito de se desenvolver. Conversar e brincar com o bebê desde o nascimento é muito importante para que ele se desenvolva bem. Se achar que sua criança não está se desenvolvendo como você espera, fale sobre isso com um profissional de saúde. Como o bebê se desenvolve? O desenvolvimento do bebê é influenciado pelos costumes e hábitos da família e da comunidade. Desenvolvimento 10
  • 86. O desenvolvimento do bebêDesenvolvimento Cada criança aprende e se desenvolve à sua maneira e no seu tempo. Primeiro, o bebê comanda o olhar, depois sustenta a cabeça, o pescoço e os ombros, para mais tarde se sentar, engatinhar e ficar em pé. Em seguida, anda. O bebê não faz isso sozinho, ele depende das pessoas que convivem com ele. Sinais de que o bebê está se desenvolvendo bem: Olha para o rosto da mãe enquanto está mamando. ovimentos diante de sons mais fortes. Acompanha com o olhar os movimentos da mãe. ra o seio da mãe para mamar quando é colocado no colo. O convívio com a família e a comunidade é fundamental para o desenvolvimento do bebê. 10
  • 87. Neste primeiro mês, a pessoa mais importante para o bebê é a mãe. Vínculo entre mãe e bebê Por que o bebê precisa ser cuidado pela mãe? Vínculo mãe/bebê 11 O bebê gosta muito quando a mãe conversa com ele, canta baixinho, olha nos seus olhos, toca e massageia o corpo dele. Na falta da mãe, é bom que o bebê seja cuidado na maior parte do tempo pela mesma pessoa, porque ele precisa reconhecer quem cuida dele.
  • 88. O bebê começa a conhecer o mundo por meio da sua relação com a mãe. Vínculo entre mãe e bebê Vínculo mãe/bebê O bebê precisa reconhecer quem cuida dele, por isso, precisa ser cuidado, na maior parte do tempo, pela mesma pessoa. Neste primeiro mês, o melhor para o bebê é ser cuidado pela mãe. Ela deve aproveitar os momentos da troca de fralda e do banho para conversar com o bebê, cantar baixinho, massagear o corpo dele, olhá-lo nos olhos. Assim, os dois vão se conhecendo e se amando mais. O pai deve participar ativamente desses momentos. 11 Como saber se o vínculo entre mãe e bebê está sendo estabelecido: rante a amamentação, o bebê procura o olhar da mãe e ela olha para ele. chorando e a mãe o pega no colo, ele se acalma. ele tenta acompanhar, com os olhos, os movimentos dela.
  • 89. 12Ambiente favorável ao desenvolvimento do bebê Qual é o melhor lugar para o bebê ficar? O ambiente do bebê O bebê precisa de tranquilidade. Evite levá-lo a lugares onde haja muita gente e barulho, como supermercados, shoppings e restaurantes. Não deixe que fumem dentro de casa. A fumaça faz mal para a criança. Se os pais fumam, não devem pegar o bebê enquanto fumam ou logo após terem fumado. E devem lavar bem as mãos após fumar. Agasalhe a criança e deixe sempre as janelas abertas para arejar a casa. Evite usar produtos de limpeza com cheiro forte. O bebê necessita de tranquilidade. Evite ambientes com muito barulho e muitas pessoas.
  • 90. Para se desenvolver, o bebê precisa das pessoas que convivem com ele. Ambiente favorável ao desenvolvimento do bebê O ambiente do bebê 12 A casa deve ser limpa e o local onde o bebê fica deve ser seguro e bem arejado. Ele reconhece e presta atenção na voz da mãe e gosta também de ouvir a voz do pai. O bebê precisa de tranquilidade. Evite levá-lo a lugares onde haja muita gente e barulho. Não deixe que fumem dentro de casa. A fumaça faz mal para a criança. Se os pais fumam, não devem pegar o bebê enquanto fumam ou logo após terem fumado. E devem lavar bem as mãos após fumar. Agasalhe a criança e deixe sempre as janelas abertas para arejar a casa. Evite usar produtos de limpeza com cheiro forte. Preste atenção: o bebê possa olhar e tentar pegar; nversa e pega o bebê no colo, mesmo quando ele não está chorando. Isso é bom para o desenvolvimento dele.
  • 91. Toda criança tem direito ao registro civil e à primeira via da certidão de nascimento gratuitos. Lei nº 9.534 de 10/12/1997. 13O Registro Civil O registro do bebê PARTO NO HOSPITAL Pais casados Apresentar a Declaração de NascidoVivo fornecida pelo hospital. certidão de casamento, presença do pai ou da mãe. Pais não casados Apresentar a Declaração de Nascido Vivo. Presença do pai e da mãe, ou um dos dois, trazendo a carteira de identidade. Se o pai é o declarante, será feito o registro de filiação paterna e materna. Se o pai não puder ir junto, a mãe só poderá fazer o registro com o nome paterno se tiver uma procuração pública do pai para isso. Se a mãe não tiver essa procuração, ela pode fazer o registro em seu nome apenas e, a qualquer tempo, o pai pode comparecer espontaneamente ou por ordem da justiça ao cartório para registrar a paternidade. Se o pai se recusar a registrar a criança, a mãe deve informar o nome dele no cartório para que o juiz encaminhe o processo de reconhecimento de paternidade. PARTO FORA DO HOSPITAL- Sem a Declaração de Nascido Vivo é preciso levar os pais e duas testemunhas que assistiram ao parto ou confirmem a gravidez. Como registrar o bebê?
  • 92. O Registro Civil O registro do bebê O hospital onde o bebê nasceu fornecerá a Declaração de Nascido Vivo. Esse documento é exigido para a emissão da certidão de nascimento. Alguns hospitais fornecem o registro civil do bebê. Devem ser registrados em cartório: Os bebês que não foram registrados no hospital. Os bebês que nasceram em casa. Para registrar o bebê que nasceu em casa, é preciso levar ao cartório duas testemunhas que assistiram ao parto ou confirmem a gravidez. A parteira pode ser testemunha. A família deve procurar o conselho tutelar, o promotor ou juiz da infância e da juventude se tiver problemas para fazer o Registro Civil do bebê. 13 Preste atenção: a Declaração de Nascido Vivo (via amarela) e se a criança já foi registrada. ras crianças e pessoas adultas da O registro civil e a primeira via da certidão de nascimento, por lei, sempre são gratuitos. de nascimento é um direito de todo cidadão brasileiro.
  • 93. 14 É dever do profissional de saúde preencher a Caderneta de Saúde da Criança. Para que serve a Caderneta de Saúde da Criança? Saúde do bebê A Caderneta de Saúde da Criança serve para a família e a equipe de saúde acompanharem mês a mês o crescimento e o desenvolvimento da criança. Na Caderneta, são registrados os dados da saúde da criança desde o nascimento até os 9 anos. A Caderneta de Saúde da Criança deve ser guardada em lugar seguro e levada sempre a consultas, exames e campanhas de vacinação para ser preenchida.
  • 94. Com a Caderneta de Saúde preenchida, é possível acompanhar o crescimento e desenvolvimento da criança. A Caderneta de Saúde da CriançaSaúde do bebê A Caderneta de Saúde da Criança, fornecida pelo serviço de saúde, serve para acompanhar o crescimento e desenvolvimento da criança do nascimento aos 9 anos. Deve ser levada ao Serviço de Saúde nas consultas. A Caderneta de Saúde da Criança contém informação sobre alimentação, agenda de vacinação, segurança e prevenção de acidentes e desenvolvimento afetivo e emocional da criança. A curva de peso mostra se a criança está ganhando ou perdendo peso de um mês para outro. 14 Preste atenção: de Saúde da Criança em lugar adequado. va a Caderneta de Saúde da Criança a todas as consultas nos serviços de saúde.
  • 95. 15 É direito das famílias ter Unidade de Saúde perto do lugar onde moram para vacinar suas crianças. Vacina Por que você tem que vacinar seu bebê? Calendário de vacinação infantil O bebê precisa ser vacinado, porque ele nasce sem defesa para algumas doenças. Calendário vigente em 2013 Aonascer 1mês 2meses 3meses 4meses 5meses 6meses 7meses 8meses 9meses 12meses 15meses 18meses 24meses 4anos 5anos 6anos 9a10anos BCGID Doseúnica HepatiteB 1ªdose 2ªdose 3ªdose Tríplicebacteriana(DTPwouDTPa) 1ªdose 2ªdose 3ªdose Haemophilusinfluenzaeb 1ªdose 2ªdose 3ªdose Poliomelite(vírusinativados) 1ªdose 2ªdose 3ªdose Rotavírus Pneumocócicaconjugada 1ªdose 2ªdose 3ªdose MeningocócicaCconjugada 1ªdose 2ªdose Influenza(gripe) Poliomeliteoral(vírusvivosatenuados) Febreamarela 1ªdose Reforço HepatiteA 1ªdose 2ªdose Trípliceviral(sarampo,caxumbaerubéola) 1ªdose Varicela(catapora) 1ªdose HPV Trêsdoses Vacinas Duasoutrêsdoses,deacordocomofabricante Reforço Reforço Reforço Reforço Reforço Duasdosesnaprimovacinaçãoantesdos9anosdeidade.Doseanualdereforço. DONASCIMENTOAOS2ANOSDEIDADE DOS2AOS10ANOS DIASNACIONAISDEVACINAÇÃO 2ªdose 2ªdose Reforço Reforço Reforço
  • 96. 15 A melhor proteção para o bebê é a combinação de leite materno e vacinas. Vacina é proteçãoVacina Atenção: v a v B. Importante: V v av Pa v Pa v v v v v v v av
  • 97. 16 O bebê fica mais calmo quando a família organiza seus horários de sono e banho de sol. A rotina do bebê A família precisa ter uma rotina para organizar a vida do bebê. De dia, ele deve ficar num lugar claro e, à noite, num lugar silencioso e escuro. É bom banhar o bebê para ele relaxar e dormir melhor. O bebê deve tomar sol somente antes das 9 horas da manhã ou depois das 4 horas da tarde. Para evitar risco de sufocação, o bebê não deve dormir junto com outras pessoas. Como organizar a vida do bebê?
  • 98. A organização dos cuidados e da rotina diária dá mais tranquilidade ao bebê. Rotina que organiza a vida do bebêA rotina do bebê É importante que a família estabeleça algumas rotinas para ajudar a organizar a vida do bebê. Nos primeiros dias, o bebê não tem noção de dia ou noite. Por isso, é comum dormir o dia inteiro e acordar à noite. Durante o dia, o bebê pode ficar em lugares mais claros. À noite, ele deve ficar em ambiente mais escuro e silencioso. O banho acalma e ajuda o bebê a dormir. O bebê deve ser colocado para tomar sol antes das 9 horas da manhã ou depois das 4 horas da tarde. 16
  • 99. Amamentação Por que o leite materno é melhor para a mãe e para o bebê? O aleitamento materno é melhor porque: O leite materno é melhor porque: 17 Leite materno é o melhor alimento e protege o bebê.
  • 100. 17 Oriente a mãe em relação a ordenha e armazenamento de leite materno, caso ela necessite se afastar por algum tempo. AmamentaçãoAleitamento O leite materno é a única alimentação necessária ao bebê até os 6 meses de idade. Não é necessário dar chá nem outros líquidos. Se o bebê está ganhando peso, o leite materno está sendo suficiente. Após os 6 meses, é preciso dar outros alimentos e continuar amamentando. O bebê dorme muito e, ao sentir fome, acorda para mamar. Cada bebê tem seu jeito de mamar e de dormir. O bebê dorme tranquilo se estiver de banho tomado, fralda limpa e bem alimentado. Quando o bebê chora, é bom oferecer o peito. Atenção: O leite materno é o melhor alimento para o bebê porque: É feito na medida certa para as suas necessidades. Possui anticorpos que protegem o bebê de diarreia, pneumonia e alergias. É de mais fácil digestão. É mais limpo e sem risco de contaminação, pois sai direto do seio da mãe para a boca do bebê.
  • 101. 18 Se o bebê está ganhando peso, o leite materno está sendo suficiente. Posição e pega na amamentação Como vou saber se a pega está certa, isto é, se estou amamentando corretamente? Aleitamento A pega está correta quando:
  • 102. Posição e pega na amamentaçãoAleitamento A mãe deve escolher uma posição bem confortável para dar de mamar ao bebê, para que ele abocanhe bem o mamilo e a parte escura do seio. Assim, a amamentação será prazerosa para os dois. O bebê deve ficar com a barriga encostada no corpo da mãe. Com um braço, a mãe apoia o pescoço e o tronco do bebê, aproximando a barriga dele do seu corpo. Com a outra mão, aproxima a boca do bebê do bico do peito. Ao sentir o cheiro da mãe, o bebê abre a boca e abocanha o mamilo e a parte escura da mama. Como saber se a “pega” está adequada: ve estar bem aberta. rados para fora. ve tocar o peito da mãe. ra da mama deve estar dentro da boca do bebê, ficando visível um pedaço da parte de cima. checha deve estar redonda, cheia. ve envolver o bico do peito. Importante: A mãe deve aproveitar a hora de amamentar para olhar nos olhos do bebê, conversar com ele e acariciá-lo. 18 O leite de todas as mães é forte e bom. A cor do leite pode variar, mas ele nunca é fraco.
  • 103. 19 Quanto mais o bebê mama, mais a mãe produz leite. Amamentação: problemas mais frequentes O que eu faço agora? Aleitamento A melhor maneira de evitar e tratar rachadura, ingurgitamento e inflamação da mama (mastite) é: v e Mastite
  • 104. 19 Na maioria dos problemas da amamentação, a mãe pode continuar amamentanto. Amamentação: problemas mais frequentes Aleitamento 1) Fissura ou rachadura - ocorre quando a posição do bebê e a pega do mamilo estão erradas. Como evitar e tratar: 2) Ingurgitamento - ocorre quando a mãe mamar. As mamas ficam endurecidas ou empedradas. Como evitar e tratar: de mamar para amolecer a mama e facilitar a sucção. 3) Mastite - ocorre quando o seio inflama. muito dolorida. A mãe pode sentir febre e calafrios. Como evitar e tratar: ser tratada. Mamadeira, chuca, bico ou chupeta ser usados. Quanto mais o bebê mama, mais a mãe
  • 105. 20 O bebê gosta do contato da água morna e das mãos da mãe. Higiene Aproveitar o momento do banho para conversar com o bebê. Usar água limpa e morna e pouco sabonete. Para evitar queimaduras, sempre verificar a temperatura da água antes de colocar o bebê. Segurar o bebê com firmeza para que ele não escorregue. Não usar talco, que pode causar alergia e problemas respiratórios no bebê. Como dar banho no bebê?
  • 106. O banho proporciona conforto, bem-estar e protege o bebê de doenças. O banho do bebêHigiene Na hora do banho, a mãe deve: 20
  • 107. 21 No curativo do umbigo, somente álcool a 70%. Higiene do bebê O curativo do umbigo deve ser feito todos os dias depois do banho. Seque bem o umbigo com pano limpo ou gaze, passe álcool a 70% e espere secar. O cordão do umbigo leva de sete a dez dias para cair. Faixa, umbigueira e esparadrapo dificultam a respiração do bebê e o cordão do umbigo demora mais a secar e cair. Como faço o curativo do umbigo?
  • 108. Faixa ou umbigueira dificultam a respiração do bebê e o cordão do umbigo demora mais a cair. Como fazer: r r r v r r O curativo do umbigo 21 v v av r v v v
  • 109. Higiene 22 As famílias devem cobrar dos governantes seus direitos aos serviços de saneamento. A higiene da casa e da comunidade Como manter a limpeza dentro e fora de casa? Cuidados em casa: Varrer o chão, seja de terra batida, cimento, cerâmica, madeira. rar a poeira com pano úmido. Lavar sempre as mãos, alimentos e utensílios de cozinha. Abrir portas e janelas para arejar. Colocar roupas ao sol. Manter os animais fora de casa. Cuidados fora de casa: Manter o lixo tampado. Não jogar lixo na rua. Limpar o quintal. Enterrar o lixo ou colocar no local da coleta pública.
  • 110. A higiene da casa e da comunidade depende das pessoas e também dos serviços básicos de saneamento. Higiene da casa e da comunidadeHigiene Os cuidados com a higiene dentro e fora da casa previnem muitas doenças. Por isso, a limpeza é importante para toda a família e, principalmente, para a saúde do bebê. Para manter a higiene da casa e da comunidade, a família precisa ser atendida pelos serviços básicos de saneamento: abastecimento de água, coleta de lixo e rede de esgotos. Cuidados em casa: Varrer o chão, seja de terra batida, cimento, cerâmica, madeira. Passar pano úmido para retirar a poeira. 22 Abrir portas e janelas para arejar. avar as roupas do bebê separadas das outras roupas. de fora da casa. avar as mãos antes e depois de lidar com o bebê. rar, só para o uso do bebê, roupas, toalhas, lençóis e cobertas. Cuidados fora de casa: na rua, para evitar ratos, baratas e moscas, que transmitem doenças para pessoas.
  • 111. 23 A segurança do bebê depende do cuidado e da atenção dos pais e da família. Cuidados com a segurança do bebê Como evitar acidentes com o bebê? Prevenção de acidentes A segurança do bebê depende dos adultos que convivem com ele. O lugar onde o bebê dorme deve ficar longe de fogão, lamparina, vela e lampião. Bebê que dorme junto com os pais pode ser sufocado pelo corpo deles. Não deixe que ele fique sozinho em cima de qualquer móvel, nem por um segundo. Nunca dê remédio que não tenha sido receitado para ele.
  • 112. 23 A criança tem direito à proteção e à segurança. A família, a comunidade e o governo têm o dever de garantir esse direito. Cuidados com a segurança do bebêPrevenção de acidentes A segurança do bebê depende muito dos adultos que convivem com ele. A maior parte dos acidentes, nessa fase, acontece no local onde o bebê fica. O lugar onde o bebê dorme precisa ser limpo, estar longe do chão, para evitar umidade e insetos, e longe de fogão, lamparina, vela e lampião, para evitar queimaduras. Não é recomendável para o bebê dormir na mesma cama ou rede que o adulto, pelo risco de sufocá-lo. A família precisa ficar atenta: Crianças maiores - podem derrubar o bebê do colo, da cama ou da rede. Medicamentos - muita atenção na dose receitada para evitar intoxicação. Banho - segurar bem o bebê para que ele não escorregue. Temperatura da água do banho - para evitar queimaduras no bebê.
  • 113. 24Malária e dengue O que podemos fazer para acabar com essas doenças? Malária e dengue Para acabar com a malária e a dengue, é preciso acabar com os mosquitos que transmitem essas doenças. Para evitar essas doenças, é preciso: Não deixar água parada e em recipiente sem tampa. Tampar caixas d’água e tanques. Usar mosquiteiro. Não tomar banho de rio ao entardecer. Casa e quintal limpos evitam a criação de mosquitos.
  • 114. Manter limpos a casa e o quintal é uma forma de evitar a criação de mosquitos. Malária e dengueMalária e dengue Para evitar que o mosquito da malária ou da dengue pique as pessoas: r e amanhecer. r. Atenção: r. 24 raves, r r Para acabar com a dengue, é preciso eliminar os locais onde os mosquitos põem os ovos: ’água r r r
  • 115. Parabéns pai, mãe, irmãos, avós, tios e amigos. Todos vocês são muito importantes para o bebê. O bebê faz 1 mês Vamos comemorar! Um mês de vida 25 A família tem motivos de sobra para comemorar o primeiro mês do bebê. A dedicação intensa da mãe, o carinho da família, o apoio e o cuidado do pai foram muito importantes para o bebê crescer e se desenvolver. Todo esse amor e esses cuidados continuarão sendo importantes e necessários para a vida do bebê. Agora, mais uma vez, é importante lembrar que é preciso deixar um espaço de pelo menos dois anos entre o nascimento de um filho e outro porque dá tempo da mulher se recuperar e cuidar melhor da criança que já nasceu.
  • 116. Bem alimentado e cuidado, o bebê cresce e se desenvolve saudável. O bebê faz 1 mêsUm mês de vida O bebê faz 1 mês e a família tem motivos de sobra para comemorar, pois essa foi uma fase muito delicada na vida da criança. No Brasil, a maior parte das mortes de crianças com menos de 1 ano acontece no primeiro mês. Criar condições para que essas crianças cresçam saudáveis e felizes é dever de cada um e de todos. Na visita domiciliar, preste atenção: ras. vacinas. para dormir. Tudo isso é sinal de que o bebê está sendo bem cuidado. Quando identificar problemas, oriente as fam lias. Importante: ânimo para continuar a cuidar bem do bebê. 25
  • 117. 01 Nesta fase, o bebê vira a cabeça e olha para tudo o que lhe chama atenção. Ao mamar, gosta de tocar o seio da mãe e olhar nos olhos dela. Em geral, faz cocô e xixi depois de cada mamada. Como é o nosso bebê de 2 e 3 meses? O bebê gosta de ser tocado e acarinhado pelas pessoas da família. O bebê de 2 e 3 meses
  • 118. Como é o bebê de 2 e 3 meses 01 O bebê de 2 e 3 meses Cada bebê é diferente do outro, mas, em cada fase do desenvolvimento, eles têm algumas características comuns: Podem dormir muitas horas por dia, mas se interessam e participam cada vez mais pelo que acontece à sua volta. Viram a cabeça e seguem pessoas e objetos com o olhar. ras pessoas, principalmente dos pais. Leve o seu bebê à unidade de saúde aos 2 meses para tomar as vacinas, acompanhar o crescimento e desenvolvimento e receber as orientações necessárias. raídos por vozes e gostam de olhar rostos. v razer e conforto em olhar veis ao toque e precisam sentir que outras pessoas os respondem. Atenção: A família deve respeitar o jeito e o ritmo do seu bebê dormir, acordar, mamar e brincar.
  • 119. O nosso bebê está se desenvolvendo bem? 02 O bebê está se desenvolvendo quando dorme tranquilo, mama bem e se comunica com as pessoas pelo choro, riso, olhar, movimentos do corpo e sons que faz com a garganta. Falar bastante para o bebê é o melhor caminho para desenvolver sua linguagem. A Caderneta de Saúde da Criança ajuda a família a acompanhar o desenvolvimento do bebê. O bebê de 2 e 3 meses
  • 120. O desenvolvimento do bebê 02 O bebê de 2 e 3 meses Importante: A melhor forma de fortalecer o desenvolvimento do cérebro do bebê é oferecer-lhe interação com pessoas e coisas. Por volta dos três meses, o bebê: vozes. ra ele e mo vanta a cabeça. nvolvimento se: F mamar direito. F r Atenção: desenvolvimento deve ser encaminhada ao serviço ratar as doenças O serviço de saúde deve acompanhar o crescimento e o desenvolvimento do bebê, informar e orientar a família. Para o bebê se desenvolv v abr desenv r nvolver-se dev c nvolver socialmente. F nvolve v pelo choro e movimentos do corpo. Movimenta pernas e br chor
  • 121. Como podemos ajudar o bebê a se desenvolver? 03 O bebê aprende e se desenvolve quando é criado pela família com amor, carinho, conversa, músicas e brincadeiras. A família precisa se organizar para que o bebê tenha horário de dormir, passear e tomar banho. Isso também ajuda no seu desenvolvimento. O bebê gosta que falem com ele utilizando a linguagem e entonação carinhosa que as mães costumam usar. O bebê de 2 e 3 meses
  • 122. Como o bebê aprende e se desenvolve Atenção: iv v v iv v v v O bebê aprende com a família a se relacionar com os outros. 03 iv v
  • 123. Por que nosso bebê precisa brincar? 04 Porque o bebê se desenvolve e aprende quando brinca com objetos e com as pessoas da família. Todos os momentos em que a família passa com o bebê, conversando, lendo, cantando, tocando-o e brincando são importantes para desenvolver sua inteligência e suas emoções. Brincar promove o relacionamento entre o bebê e seus pais. É brincando que o bebê aprende a se comunicar e a descobrir o mundo. O bebê de 2 e 3 meses
  • 124. O bebê aprende a brincar 04 Atenção: v c c . v v c v O bebê aprende e se desenvolve por meio das brincadeiras.
  • 125. O bebê e a família Como cuidar do bebê? 05 Todas as crianças têm direito de ter uma família e precisam dela. Pai e mãe devem cuidar do bebê. A responsabilidade é dos dois. A família deve amar, proteger, cuidar e educar. Uma parte do dinheiro da família deve ser destinada às despesas com o bebê. Ter família é um direito e uma necessidade do bebê. O bebê de 2 e 3 meses
  • 126. O bebê e a família 05 O bebê de 2 e 3 meses Ter uma família é direito de todas as crianças, que precisam ser amadas, protegidas, cuidadas e educadas. Algumas famílias apresentam graves problemas que as impedem de cuidar bem de suas crianças, tais como uso de drogas, negligência, maus-tratos e violência. Esses casos devem ser encaminhados para o Conselho Tutelar, Promotor de Justiça, Juiz da Comarca. Cada família tem seu jeito de ser e de educar suas crianças. Todas as famílias merecem ser respeitadas e valorizadas. Toda criança tem direito de ter uma família, um nome e sobrenome. Observe: de casa para a mãe poder cuidar do bebê. Se a família destina uma parte do dinheiro para as despesas da criança. Se a criança já foi registrada e tem sua certidão de nascimento. Atenção: Se a criança ainda não foi registrada, oriente a família como fazer para registrá-la no cartório mais próximo da residência.
  • 127. A rotina da família e do bebê O que deve ser feito todos os dias? 06 A família deve repetir alguns cuidados com o bebê: v T v v v A rotina de cuidados ajuda a família a se organizar e é necessária para a saúde e bem-estar do bebê.
  • 128. A rotina da família e do bebê 06 Alguns cuidados com o bebê devem ser repetidos todos os dias. A rotina não precisa ser cansativa, pesada ou aborrecida. Com amor e criatividade, a rotina transforma-se em momentos agradáveis de contato entre família e bebê. O bebê: ras para crescer e se desenvolver. Conforme vai crescendo, fica mais tempo acordado durante o dia e dorme ras durante a noite. Adora colo e conversa. Gosta também de massagens, de brincadeiras suaves, de ouvir Oriente a família a: de Observe se a família consegue criar uma rotina de cuidados com o bebê. Isso o ajuda a acostumar-se com a vida da família. A rotina de cuidados ajuda o bebê a organizar suas necessidades de sono, alimentação, passeio e higiene. O bebê de 2 e 3 meses
  • 129. Como cuidar do bebê? 07 Nos primeiros meses de vida, é recomendável que uma única pessoa cuide do bebê a maior parte do tempo. Na falta dos pais, o bebê precisa ser cuidado por outro adulto, com carinho e atenção. Para ajudar no desenvolvimento: Abrace, beije e converse com o bebê. aves e cantigas de ninar. P aninhado em seu corpo, e passeie pelo quarto. de 2 e 3 meses Cuidados, proteção e amor dão segurança ao bebê para que ele cresça e se desenvolva.
  • 130. Cuidados com o bebê 07 O bebê de 2 e 3 meses O bebê precisa ter uma relação afetiva com quem cuida dele. Isso é extremamente importante para um saudável desenvolvimento emocional, social e mental do bebê. O contato diário com a mesma pessoa dá segurança. Quem cuida sempre percebe melhor o que o bebê quer pelo jeito como chora, sorri e se movimenta. É bom para o bebê ser cuidado pelo pai e pela mãe. Se isso não for possível, ele precisa ser atendido por outro adulto com carinho e atenção. Atenção: nverse com os pais sobre o perigo de deixar o bebê ser cuidado por outras crianças quando eles não estão em casa. Oriente: A pessoa que cuida do bebê deve conversar sobre o que está fazendo, por exemplo: “Agora vou trocar suas fraldas, porque você está molhado”; “Acho que você está com sono, você não quer dormir um pouquinho?”; “Hoje você está bastante animado”. Isso vai ajudar o bebê a se sentir seguro e vai ajudar no desenvolvimento de sua linguagem. Observe: na amamentação. ra prazer em amamentar. O bebê cria laços de afeto com as pessoas que cuidam sempre dele.
  • 131. 08 O leite materno é o único alimento de que o bebê precisa nos primeiros seis meses de vida. O bebê está mamando bem quando: o leite. Faz xixi várias vezes ao dia e evacua normalmente. Depois das mamadas, o bebê deve ser colocado no colo em pé para arrotar. O leite materno é de graça, já vem pronto, quentinho e previne doenças na mãe e no bebê. O bebê de 2 e 3 meses O bebê está mamando bem? Aleitamento materno
  • 132. Aleitamento materno 08 O bebê de 2 e 3 meses Importante: Os pais podem ter certeza de que o leite é suficiente e o bebê está mamando bem, quando o bebê faz xixi várias vezes ao dia, evacua normalmente e está aumentando de peso. Oriente: Depois das mamadas, o bebê deve ser colocado em pé no colo para arrotar. O leite materno é o único alimento de que o bebê precisa até os 6 meses de idade. A amamentação pode ser um grande momento de prazer para a mãe e o bebê. O contato pele a pele e olho no olho é importante para a formação dos laços afetivos e para o desenvolvimento do bebê. Para ganhar peso, é preciso que o bebê mame até esgotar uma mama antes de mamar na outra. É preciso começar uma nova mamada pela mama que terminou a última mamada. O leite do início da mamada mata a sede e o leite final faz o bebê engordar. O leite materno oferece tudo o que o bebê precisa.
  • 133. 09 Os pais podem suspeitar de problemas no desenvolvimento do bebê quando ele: r r r r r v v r T r r r Bebê com deficiência precisa de cuidados especiais da família, comunidade e serviços de saúde. Bebê com deficiência Como você percebe problemas no desenvolvimento do bebê?
  • 134. Bebê com deficiência 09 O bebê de 2 e 3 meses Doenças e problemas durante a gestação e o parto podem atrasar o desenvolvimento do bebê. A família deve ser apoiada para não se sentir culpada se o bebê não está se desenvolvendo como ela acha que deveria. O atraso no desenvolvimento do bebê, em alguns casos, pode ser recuperado com os cuidados da família. Em outros, necessita de cuidados especializados. Família de bebê com atraso no desenvolvimento ou deficiência física precisa de mais apoio da comunidade e do serviço de saúde. Oriente a família: ve ser levado ao serviço de saúde se o seu desenvolvimento for muito diferente do de outras crianças da mesma idade. Sinais de alerta: do corpo do bebê. sons e movimentos. ou sonoros como barulhos, luz forte, etc.
  • 135. Bebê com problemas de saúde Como saber se o bebê está doente? 10 Sinais de que o bebê está doente e precisa de atendimento urgente: 1. Dificuldade para mamar 2. Pouca reação quando tocam ou mexem nele. 3. Vômito. 4. Diarreia. 5. Febre alta e persistente. 6. Convulsões. A família precisa do apoio da comunidade e do serviço de saúde para cuidar do bebê quando ele está doente. O bebê de 2 e 3 meses 1 54 3 6 2
  • 136. Bebê com problemas de saúde 10 O bebê de 2 e 3 meses A maioria dos bebês nasce e cresce saudável. No entanto, alguns podem apresentar sinais de doença, como: V Ter convulsões. Ter dificuldade para respirar. Uma criança doente precisa ser cuidada e confortada constantemente pelos adultos. Bebê com doença grave pode precisar veis têm o direito de ficar junto com a criança no hospital. Atenção: os sinais de doença para procurar o serviço vel. Nas visitas domiciliares, observe os seguintes sinais de perigo no bebê: r - mo ra acordar. ra respirar ou respir r. Crianças doentes têm prioridade de atendimento nos serviços de saúde.
  • 137. 11 A criança com infecção respiratória aguda tem: O que fazer? Leite materno e vacinas protegem a criança das doenças respiratórias. Infecção respiratória aguda Como saber se o bebê está doente?
  • 138. Infecção respiratória agudaO bebê de 2 e 3meses As infecções respiratórias são doenças responsáveis por grande número de internações e mortes de crianças. Essas infecções são causadas por micróbios que atacam o sistema respiratório. A pneumonia é a forma mais grave. O que fazer: Levar ao médico. e pelo tempo recomendados pelo médico. geral piorar. Atenção: de infecção respiratória e levar a criança Sinais que podem indicar pneumonia: ou respiração rápida. A pneumonia é a forma mais grave de infecção respiratória aguda nas crianças. 11
  • 139. O bebê de 2 e 3 meses Como prevenir a diarreia e a desidratação? 12 Bebê com diarreia precisa mamar ou se alimentar mais vezes e tomar soro de reidratação oral. 1 copo cheio de água limpa 1 medida rasa de sal 2 medidas rasas de açúcar Misture e prove. O soro caseiro deve ser menos salgado que a lágrima Quando as fezes estão líquidas, comece a oferecer o soro oral após cada evacuação ou vômito. Como preparar o soro caseiro - Use colher-medida Como preparar o soro de reidratação oral. Colocar em um litro de água todo o pó de um envelope de sais de reidratação e mexer bem. Atenção no preparo e uso dos sais de reidratação um litro de soro. A diarreia é um desarranjo do intestino com aumento do número de evacuações e fezes amolecidas ou líquidas. Uma das complicações da diarreia é a desidratação causada pela grande perda de líquidos. A familia deve estar atenta e preparada com a ajuda da equipe de saúde para prevenir e tratar a diarreia e a desidratação. O soro caseiro e o soro de reidratação oral são fundamentais para evitar e tratar a desidratação.
  • 140. Diarreia e desidratação A diarreia acontece com mais frequência quando: As condições de saneamento básico são precárias. As pessoas não têm condições para lavar bem as mãos antes de preparar os alimentos, depois de usar o banheiro, e antes e depois de trocar as fraldas do bebê. ra. Evitando a diarreia uente, principalmente, quando: Você pode prevenir a diarreia lavando bem as mãos: Cuidando da criança com diarreia Criança com diarreia precisa de mais alimentação para não ficar desnutrida, por isso: ofereça os alimentos que a criança está habituada a comer. Evitando a desidratação podem piorar a diarreia. A criança precisa ser levada ao serviço de saúde quando: pouco xixi. 2 e 3 meses Pele seca, olhos fundos, pouca saliva, pouca lágrima e pouca urina são sinais de desidratação. 12
  • 141. O bebê de 2 a 4 meses 13 Vacinas e leite materno protegem o bebê de muitas doenças graves. A criança precisa ser vacinada para ficar protegida de doenças que prejudicam seu desenvolvimento, causam deficiências ou até mesmo a morte. Aos 2 meses, o bebê deve receber as primeiras doses das seguintes vacinas: 1ª dose da vacina Sabin - contra paralisia infantil. 1ª dose de vacina pentavalente - a pentavalente é contra tétano, contra difteria, contra coqueluche, contra certos tipos de meningite, contra pneumonia e contra hepatite B. 1ª dose de vacina contra rotavírus. 1ª dose de vacina pneumocócica 10, contra pneumonia. O bebê precisa continuar o esquema de vacinação! Aos 2 meses, o bebê vai receber várias vacinas
  • 142. Vacinação 13 O bebê de 2 a 4 meses As vacinas são importantes porque protegem as crianças de diversas e graves doenças. Mesmo que a criança esteja doente, deve ser levada à Unidade de Saúde para ser vacinada. Lá os profissionais de saúde vão decidir se ela pode tomar vacina. O calendário de vacina é parte da Caderneta de Saúde da Criança. As vacinas que a criança recebeu são anotadas a caneta, e a data da próxima dose está escrita a lápis. As crianças ficam bem protegidas de algumas doenças quando tomam todas as doses de vacinas nas datas certas. Aos 2 meses, o bebê deve tomar as primeiras doses das seguintes vacinas: Pentavalente - contra tétano, contra difteria, contra coqueluche, contra certos tipos de meningite, contra pneumonia e contra hepatite B. Fique atento: tomou todas as vacinas indicadas para a sua idade. Ao final dos dois meses, a criança já deve ter recebido as seguintes vacinas: A primeira dose da vacina antipólio. na maternidade. contra difteria, contra coqueluche, contra certos tipos de meningite, contra pneumonia e contra hepatite B. Aos 3 meses: Os pais devem levar a criança para ser vacinada nos serviços de saúde de rotina e nas campanhas.
  • 143. O bebê de 4 a 6 meses 14Vacinação O município tem o dever de manter serviços de vacinação próximos ao lugar onde as famílias moram. Aos 4 meses: v r v r a v v Aos 5 meses: v Aos 6 meses: v r vacina v r Que vacinas o bebê precisa tomar?
  • 144. Vacinação O bebê de 4 a 6 meses As vacinas protegem as crianças de diversas doenças graves. Para ficar bem protegido, o bebê precisa tomar todas as vacinas indicadas para a sua idade. A criança dos 4 aos 6 meses deve tomar as seguintes vacinas: Aos 4 meses: vacina contra a pólio. vacina pentavalente, contra tétano, contra difteria, contra coqueluche, contra certos tipos de meningite, contra pneumonia e contra hepatite B. vacina contra o rotavírus. vacina pneumocócica 10. Aos 5 meses: vacina meningocócica C, contra meningite. Aos 6 meses: vacina contra a pólio. vacina pentavalente, contra tétano, contra difteria, contra coqueluche, contra certos tipos de meningite, contra pneumonia e contra hepatite B. vacina pneumocócica 10. Os pais precisam estar atentos para manter as vacinas de suas crianças em dia. 14
  • 145. O bebê de 2 a 11 meses Por que a vitamina A é importante? 15 O leite materno oferece a quantidade de vitamina A de que o bebê precisa até os 6 meses de idade. A vitamina A é importante porque previne as complicações de doenças, como diarreia, infecções e problemas na visão. A mãe que amamenta deve comer frutas e verduras amarelas e alaranjadas, vegetais de folhas verde-escuras, fígado, carnes, óleos e peixes. Assim, seu leite terá a quantidade de vitamina A de que o bebê precisa.
  • 146. A vitamina A 15 O bebê de 2 a 11 meses A vitamina A fortalece o sistema de defesa do corpo. Quando a criança não ingere a quantidade necessária de vitamina A, tem maiores riscos de diarreia mais grave e prolongada. As pessoas com deficiência de vitamina A enxergam mal em ambientes pouco iluminados. Criança com diarreia há mais de 14 dias, com desnutrição grave, tem riscos maiores de lesão nos olhos e cegueira por deficiência de vitamina A. A mãe com boa reserva de vitamina A no corpo fornece, pelo seu leite, a quantidade da vitamina de que o bebê precisa nos primeiros seis meses de vida. Importante: A mãe deve comer frutas e verduras amarelas e alaranjadas, vegetais de folhas verde-escuras, óleos, fígado, peixes e carnes. Assim, o leite materno terá uma boa quantidade de vitamina A. As crianças de 6 meses a 4 anos e 11 meses, residentes em área de risco para deficiência de vitamina A, devem receber suplementação. Para mais informações, veja a Caderneta de Saúde da Criança. Observe: A. de enxergar em ambiente pouco iluminado, ou dificuldade de voltar para casa ao anoitecer. A vitamina A previne doenças e evita lesões nos olhos.
  • 147. O bebê de 2 a 11 meses 16 O ferro do leite materno é o mais aproveitado pelo organismo do bebê. O ferro previne infecções, anemia e ajuda no desenvolvimento da criança. A anemia pode provocar fraqueza e falta de apetite. O bebê recebe o ferro de que precisa pelo leite materno. As outras fontes de ferro são: fígado, carnes magras, feijão, lentilha, farinha de trigo e milho fortificado com ferro e ácido fólico e vegetais folhosos verde-escuros. Comer laranja, limão, acerola ajuda o organismo a aproveitar melhor o ferro dos alimentos. Por que o ferro é importante?