Período Interbíblico aula 1 - introdução

1.058 visualizações

Publicada em

O Material que segue é sobre os 400 anos de silencio profético entre Malaquias e o Evangelho de Mateus, que dá início ao que conhecemos como Novo Testamento.
Esse período de silencio profético também é conhecido e denominado como período interstamentário.

Ao todo serão 06 aulas, onde abarcaremos sobres as Fontes Históricas sobre esse período, Persas, Gregos, Macabeus, Romanos, Seitas Judaicas.

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Período Interbíblico aula 1 - introdução

  1. 1. 1 ENSINO BÍBLICO DE NIVELAMENTO – PERÍODO INTERBÍBLICO AULA 1 – Definição, ambiente e fontes Históricas. Obra de referência Enéas Tognini, teólogo, vice-presidente e fundador da Igreja Batista do Povo e presidente da Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), escreveu o livro “O Período Interbíblico: 400 Anos de Silêncio Profético”, que será a obra de referência deste estudo. Nesta obra, autor evidencia os fatos históricos que ocorreram durante o período em que a Bíblia “calou-se” no intervalo entre o Antigo e Novo Testamento, entre as palavras do profeta Malaquias e o evangelho de Mateus. Definição “Interbíblico” significa “entre a Bíblia” ou “entre testamentos”. O período chamado interbíblico tem início com a interrupção da atividade profética entre o povo de Deus. Malaquias foi o último profeta que transmitiu as palavras do Senhor ao povo de Israel até o advento de João Batista. Malaquias termina com a promessa do percursor do Messias (4.4-6; 3.1) e Mateus 3.1 é o cumprimento fiel desta promessa. Entre a promessa e o cumprimento transcorreram nada menos que 400 anos. Neste período muitas mudanças ocorreram na terra e na vida do povo do Senhor e também na história da humanidade. Durante o período Interbíblico, os judeus foram dominados por três nações, respectivamente: Pérsia, Grécia e Roma. Entre a dominação grega e romana, há o “Período Macabeus”, no qual os judeus retomaram o controle da nação e experimentaram um período de independência política e religiosa. Ambiente (geografia, economia, política, sociedade) O judaísmo do Novo Testamento é substancialmente diferente do judaísmo do Antigo Testamento. Antes do Período Interbíblico, as tribos de Israel já haviam desaparecido. Foram absorvidas no domínio Assírio. Isaías havia profetizado que apenas um restante de Judá seria salvo. A tribo de Judá sobreviveu apesar de ter enfrentado inúmeros inimigos. Depois do cativeiro babilônico, Judá retornou a Jerusalém para restaurar suas tradições, vida e religião. Neste tempo a esperança messiânica cujo desfecho seria em Jerusalém, cresceu no coração dos judeus. O cativeiro babilônico serviu para separar o novo e o velho judeu. O velho judeu era derrotado, desesperançado, mas o novo judeu, pós-cativeiro era cheio de esperança nas promessas do Eterno, curado de sua idolatria e pronto a obedecer fielmente a voz de Deus. Os dois voltaram para Jerusalém, mas o novo venceu a idolatria e as.
  2. 2. 2 ENSINO BÍBLICO DE NIVELAMENTO – PERÍODO INTERBÍBLICO tendências derrotistas do velho. Os novos judeus estavam dispostos a lutar até derramar sangue para preservar a pura religião do seu Deus. As transformações políticas no Período Interbíblico foram extremamente grandes. O Antigo Testamento termina com a Palestina sobre domínio dos persas e o Novo Testamento inicia com o domínio romano, tudo isto mediado pelo domínio grego. A Bíblia não traz informações sobre este período. Portanto, uma pesquisa em outros registros históricos para uma melhor compreensão do Novo Testamento faz-se necessária. Nota-se que os judeus também tiveram uma mudança profunda na língua que falavam. Antes do cativeiro babilônio falavam hebraico, após o cativeiro, começam a falar aramaico, pois em Babilônia perderam a língua hebraica. O aramaico é o hebraico influenciado pelas várias línguas orientais. Durante o cativeiro surgiram as sinagogas, que ao atravessar os séculos, foram importantes para a vida religiosa dos judeus e para a evangelização. Em lugar das doze tribos de Israel ocupando o território da Palestina, encontramos nos dias de Jesus, quatro ou cinco regiões, como: Galileia, Samaria, Judeia, Pereia, etc. O cativeiro babilônico foi o tiro de morte na tendência dos judeus à adoração de ídolos. Ainda nos dias de hoje, o judeu prefere a morte a prestar culto à imagens. No cativeiro, graças à benéfica influencia dos profetas do Altíssimo, graças também ao sofrimento, cresceu a esperança messiânica, que se mantinha viva nos dias do Novo Testamento. Fontes Históricas As fontes de estudo do Período Interbíblico vem principalmente de Flávio Josefo e dos livros apócrifos. Flávio Josefo Josefo era natural de Jerusalém, nascido em 37 d.C.; aos 14 anos, conforme indica sua autobiografia ensinava aos sumos sacerdotes pontos obscuros da Lei. Após as vitórias dos judeus sobre o governador da Síria, Celtius Gallus, os judeus nomearam Josefo comandante da Galileia, a fim de levar o povo a guerra contra os romanos.
  3. 3. 3 ENSINO BÍBLICO DE NIVELAMENTO – PERÍODO INTERBÍBLICO Neste contexto Nero enviou Vespasiano e seu filho Tito para guerrear contra os judeus. Vespasiano e Tito prenderam Josefo, mas este se apresentou como profeta e disse que tanto Vespasiano como Tito chegariam a ocupar o trono do Grande Império, o que os agradou e os levou a libertar Josefo. Devido a este fato, quando Vespasiano tornou-se imperador, Josefo, tornou-se oficial romano, o que fizeram com que os judeus o odiassem muito. A grande questão é que Josefo não estava traindo sua pátria, mas tentando preservá-la. Nos dias em que Jerusalém caiu sob a força de Roma, Josefo usou sua influencia para salvar centenas de Judeus. As obras mais importantes de Flávio Josefo são: Guerras Judaicas, Antiguidade dos Judeus, Contra Apion, Autobiografia. Josefo foi um grande historiador e suas obras ainda hoje são estudadas e prestam inestimável auxílio ao estudo do Período Interbíblico. Apócrifos O termo Apócrifo significa “escondido” ou “oculto”, pois significava sigilo aos iniciados e revelado aos sábios. Séculos mais tarde serviu para designar escritos de segunda classe. Nos dias de Jerônimo, um dos Pais da Igreja, este tipo de literatura significava “ilegítima”, “falsa”. Os escritos dos Apócrifos surgiram nos anos entre Malaquias e João Batista. Pseudoepigráfica Nome dado aos escritos judaicos extrabíblicos ou não inspirados do Antigo Testamento. Apocalíptica Termo que significa “revelado”. É uma subdivisão da literatura pseudoepigráfica e são escritos sob pseudônimos. Lista dos Apócrifos 1. Históricos: Livro do Jubileu, Vida de Adão e Eva, Ascensão de Isaías, 3 Esdras, 3 Macabeus, O Testamento de Moíses, Eudade e Medade, História de João e Hircano. 2. Didáticos: Testamento dos 12 Patriarcas, Salmos de Salomão, Ode de Salomão, Oração de Manasses e 4 Macabeus.
  4. 4. 4 ENSINO BÍBLICO DE NIVELAMENTO – PERÍODO INTERBÍBLICO 3. Apocalípticos: Livro de Enoque, Ascensão de Moisés, 4 Esdras, Apocalipse de Baruque, Apocalipse de Elias, Apocalipse de Ezequiel e Oráculos Sibilianos. A Igreja Romana por resolução do Concílio de Trento(1545) aceita apenas os seguintes “apócrifos”: Judite, Tobias, Acréscimos de Ester, Sabedoria, Eclesiástico, Baruque, Acréscimos de Daniel, 1 Macabeus, 2 Macabeus. A Igreja Romana designa-os como “deuterocanônicos”, ou seja, pertencentes ao segundo cânon. Fonte: TOGNINI, Enéas; O Período Interbíblico:400 anos de silêncio profético, São Paulo: Hagnos, 2009.

×