Espinho Ano XIX   Nº 1       Fevereiro 2010




                         1
Evolução do Homem Primitivo


      Há cerca de 2,5 e 1,6 milhões de anos atrás surge a
primeira espécie atribuída ao géne...
STONEHENGE

      Este monumento localiza-se no
condado de Wiltshire (Inglaterra) nas
planícies de Salisbury.
      Stoneh...
"An-Natifiyyun", que dependia da apanha de sementes para se alimentarem. Alguns destes grupos viviam em
cavernas, enquanto...
pagamento da travessia.
      Egípcios - acreditavam na vida para além da
morte, mas para tal acontecer era necessário que...
Armamento defensivo:
     * Elmo do tipo Montefortino. Usado durante a II Idade do
Ferro na Península Ibérica e resto da E...
COMÉRCIO FENÍCIO

                                             A Fenícia foi um dos países mais prósperos da antiguidade. ...
BRINCADEIRAS NA CULTURA ROMANA

                                      Bolinhas de Gude (Berlinde)

       O jogo era tão p...
qualidade de foederati ("federados" em latim). Tendo procurado estender-se até à Bélgica, foram abatidos por
Aécio em 436 ...
BATALHA DE POITIERS

       A Batalha de Poitiers, também conhecida como Batalha de Tours, travou-se entre o exército do R...
CONVENTO DE MAFRA


     D. João V mandou construir obras grandiosas que marcaram a sua época e uma delas foi o Convento d...
AQUEDUTO DAS ÁGUAS LIVRES

       Por volta de 1730 a população de Lisboa
devería rondar os 250.000 habitantes e apenas
di...
Por barroquismo, ou arte barroca, entende-se o tipo de arte que surgiu, entre nós, nos séculosXVII e XVIII
e que se caract...
Conta-se que naquela rua e nas ruas contíguas existia um grupo de moradores que em devoção à Nossa
Senhora do Terço se jun...
O Palácio de Cristal foi construído em granito, ferro
e vidro e media 150 metros de comprimento por 72 metros
de largura.
...
FERNÃO PERES DE TRAVA


      Fernão era filho de Pedro Froilaz de Trava, da Casa de Trava, a
mais poderosa do reino da Ga...
primeiro de nove filhos. Seu pai trabalhava na Casa Davanzatb, talvez como
                            administrador de be...
JÚLIO VERNE

       Júlio Verne foi o filho mais velho dos cinco filhos de Pierre Verne,
advogado e de Sophie de La Fuye, ...
seu talento para a escrita. Ainda muito novo já frequentava reuniões e encontros de escritores, jornalistas,
intelectuais....
da criação de indústrias, fundou escolas, bibliotecas, etc.
       O documento mais importante do Rio de Janeiro foi a Car...
A partir dos finais do século XVIII começaram a
elevar-se vozes humanitárias e a surgirem as primeiras
ideias de abolição....
Em 1648 e 1649, os holandeses foram derrotados em duas batalhas nos outeiros dos Guararapes, mas o
poderio naval holandês ...
A entrada gradual de militares no movimento dinamizá-lo-á, tornando-o mais agressivo e operacional em
vez de apenas vigila...
O VINHO DO PORTO
       O vinho do Porto, é um vinho único e extraordinário
produzido em Portugal e que gera grande riquez...
para a realeza portuguesa. A colecção começa pelo
                                                             coche de vi...
de nove séculos e meio. Foi do mar, que nasceu como
colónia grega ou fenícia. Sendo um concelho de gente
de terra e mar, Í...
PADRE ANTÓNIO VIEIRA
                                 402 ANOS SOBRE O SEU NASCIMENTO


     Nasceu a 6 de Fevereiro de 16...
Propriedade: EB 2/3 Sá Couto 4500 Espinho
Professores coordenadores/dinamizadores: Augusta Barbosa e Carminda Batista
Cola...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Bh Fev2010

1.516 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.516
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bh Fev2010

  1. 1. Espinho Ano XIX Nº 1 Fevereiro 2010 1
  2. 2. Evolução do Homem Primitivo Há cerca de 2,5 e 1,6 milhões de anos atrás surge a primeira espécie atribuída ao género Homo. O Homo Habilis tinha dentadura mais delicada e face mais plana do que o Australopitecos; são os inventores da primeira técnica de talhar a pedra. Ainda não são considerados homens. Há de 1,9 milhões de anos, apareceram (e vivem ao mesmo tempo que o Homon Habilis), o Homo Erectus, ainda na África Oriental. Estes já são considerados verdadeiros homens! O Homo Erectus é o primeiro a dominar o fogo, a andar sobre os membros posteriores, daí o seu nome e, portanto, deixam de viver nas árvores. Aprendem a produzir instrumentos de pedra (bifaces) com os quais podem mais facilmente esquartejar a caça e controem as primeiras habitações resistentes ao frio e às tempestades. Alguns deles deixam a Àfrica e espalham-se pelos outros continentes. O Homo Sapiens apareceu há cerca de 150 mil anos atrás, possivelmente na África,como resultado de adaptações do Homo Erectus ao meio em que eles viviam. O seu esqueleto é mais leve, o seu tamanho médio é de 1,70m. Tem queixo proeminente e crânio redondo. As arcadas supraciliares, a face e os dentes foram diminuindo de tamanho. O primeiro Homo Sapiens da Europa (100.000 e 40.000 anos atrás) é chamado neandertaliano uma vez que em 1856 se ter descoberto um esqueleto deste, numa gruta do vale do rio Neander. Pensou-se que esta espécie teria sido destruída por guerras e substituída por outras espécies, mais evoluídas vindas de outros pontos da Terra. Hoje há provas de que os neandertalianos terão evoluído para seres humanos mais complexos uma vez que alguns crânios mostram características próprias de neandertaliano e do homem de Cro-Magnon. Também em certos depósitos de utensílios encontrados na natureza se vê a transição para as lâminas de sílex e para as pontas de espada já usadas pelo homem de Cro-Magnon. Ainda não se sabe bem onde teriam aparecido os primeiros Homo Sapiens. Para alguns teria sido em África, para outros no Oriente. Os fósseis mais antigos do homem moderno datam de 40.000 anos e foram encontrados primeiramente na localidade de Cro-Magnon, na região francesa da Dordogne, em 1868. Sara Ramos Castelo - 5ºA 2
  3. 3. STONEHENGE Este monumento localiza-se no condado de Wiltshire (Inglaterra) nas planícies de Salisbury. Stonehenge é um círculo de pedras da Idade do Bronze. A estrutura principal é formada por dois anéis monólitos de pedra, construídos a partir de 3100a.C. A arquitectura tem relação com o movimento do Sol e da Lua e alguns monólitos possuem 9 metros de altura. Alguns arqueólogos atribuem aos druidas utilizarem esta construção com propósitos religiosos. Acredita- se também que os povos antigos da Europa tenham usado o Stonehenge com fins de observação astronómica, incorporando vários conceitos avançados de matemática. Esta construção é também atribuída a seres alienígenas. É um dos pontos turísticos mais visitados da Europa, recebe mais de 700 mil visitantes por ano. É património da humanidade. Catarina Ganilho e Mateus Buzato - 5ºB JERICÓ NO PERÍODO NEOLÍTICO Jericó é uma cidade localizada perto do rio Jordão, nos territórios da Palestina em Israel. Situada 250 metros abaixo do nível do mar, Jericó é a localidade do mundo mais baixa em que vivem pessoas permanentemente. Vários jardins em volta e no centro da cidade fizeram com que se tornasse agradável a vida humana há vários milhares de anos. Os arqueólogos descobriram em Jericó várias ruínas de povoações, sendo que a mais antiga é de cerca de 9.000 a.C., o que faz com que esta cidade seja considerada a mais antiga do mundo. 6.800 a.C. As escavações revelaram que a cidade antiga foi habitada durante quatro intervalos seguidos nesta época. O primeiro foi no primeiro Neolítico. Nesta chamado 3
  4. 4. "An-Natifiyyun", que dependia da apanha de sementes para se alimentarem. Alguns destes grupos viviam em cavernas, enquanto outros grupos ocupavam aldeias primitivas. Assim começaram a construir cabanas redondas a partir de tijolos secos ao sol, planas no fundo e curvas no topo. Enterravam os seus mortos com as suas jóias pessoais em túmulos escavados na rocha. Estes povos cavavam canais para utilizar a água do rio para irrigação das suas terras. Construíram grandes muros com cerca de 2 metros de largura à volta das suas aldeias. Construíram dentro destas aldeias grandes torres circulares com 9 metros de diâmetro e 10 metros de altura. No seu meio havia escadas do chão até ao topo. Estas pessoas praticavam a agricultura, domesticação de animais como as ovelhas e tecelagem para o fabrico de cadeiras e tapetes assim como a caça de animais. Utilizavam lanças e setas. Também utilizavam pequenos machados para cortar ramos das árvores. 5.500 a.C. A construção de casas nesta altura mostra grandes progressos. Os quartos tinham cerca de 6,5 metros por 5 metros ou 3 por 7 metros, normalmente rectangulares e com um pátio com 7 metros de comprimento e 7 de largura, utilizado para cozinharem. A grossura das paredes era de meio metro. Usavam pedras para construir as fundações e o resto da casa era feito de tijolos secos ao sol. A sua forma era como um rectângulo com arestas afiadas. O chão era feito de lama coberta com uma massa colorida vermelha ou azul clara. As casa tinham um ou dois andares e o telhado era feito de colmo ou lama. Usavam utensílios afiados e pequenas estátuas feitas de lama. No passado estas estátuas tinham significado religioso. As estátuas femininas indicavam a deusa da fertilidade. 5.000 a 4.000 a.C. Esta época antecedeu vários séculos a descoberta da cerâmica. As pessoas que viviam neste período eram viajantes que vinham de fora. Ficavam nestas terras e devem ter sido beduínos nómadas. Encontraram-se vários objectos destes povos incluindo adornos e jóias, mas as suas casas desapareceram. Tiago Ribeiro Santos - 5ºC RITOS FUNERÁRIOS Os ritos funerários são as diferentes formas encontradas para o fim da vida na Terra. Curiosidades China - introduziam arroz cru na boca do defundo; Índia - a incineração é a manisfestação ritual mais usada. O Sati, era um antigo costume Hindu que obrigava as viúvas a sacrificarem-se em nome do marido, numa fogueira, à qual chamavam pira. Hoje em dia esta prática foi proibida; Roma - segundo a mitologia romana, a vida e a morte estavam separadas pelo rio da imortalidade, o rio Estige, e o barqueiro Coronte transportava os mortos no seu barco, até ao reino do submundo. Os defuntos levavam uma moeda na boca, como 4
  5. 5. pagamento da travessia. Egípcios - acreditavam na vida para além da morte, mas para tal acontecer era necessário que o corpo se preservasse e, por isso, começaram a praticar a mumificação. Primeiro, inseriam um gancho no nariz para retirar o cérebro, faziam um corte para extrair as vísceras, mas o coração e os rins ficavam dentro do corpo. Depois de lavado, o morto era enfaixado e colocado num sarcófago. Concluindo, cada povo, consoante a sua religião, recorre a rituais variados. Com o evoluir dos tempos, as práticas vão-se alterando: os católicos já permitem a cremação; em África continuam a enterrar os mortos com objectos, mas fazem caixas com formas estranhas, como a de um avião ou de uma garrafa de cerveja, conforme o gosto do defundo; nos EUA estão na moda os "funerais espaciais", em que se enviam as cinzas para lá da atmosfera. Assim, mesmo com alterações, os ritos funerários continuam com grandes diferenças. Rodrigo d`Alte e Artur Pinto - 5ºA ARMAS USADAS PELOS LUSITANOS Armamento ofensivo usado na luta corpo a corpo: * Punhal de fio recto e antenas atrofiadas ou afalcatado. * Espada do tipo La Tene ou espada de antenas atrofiadas. * Falcata - lança de ponta de bronze * Labrys - machado de dupla lâmina que aparece em moedas romanas da Lusitânia parece que não era usado pelos Lusitanos mas pelos Cantabros. Armamento ofensivo de arremesso: * Dardos farpados de ferro * Lança de arremesso, toda de ferro 5
  6. 6. Armamento defensivo: * Elmo do tipo Montefortino. Usado durante a II Idade do Ferro na Península Ibérica e resto da Europa * Caetra: é um pequeno escudo de dois pés de diâmetro que se manejava com a mão esquerda. * Cota de malha era feita de pequenas argolas de ferro entrelaçadas, era pesada, e usada apenas por alguns guerreiros, provavelmente os líderes. * Couraça de linho, era o tipo de protecção mais usada, era mais leve e adaptada ao clima que as cotas de malha, e provavelmente mais barata. * Elmos eram de couro, de nervos trançados ou de metal * Polainas eram feitas de couro para proteger as pernas. Pedro - 5ºD OS FENÍCIOS E O VIDRO A arte de fabricar o vidro é muito antiga, ignorando-se a forma como surgiu. O historiador romano Plínio, o Jovem, conta que uma noite, após desembarcar na Palestina perto da foz do rio Belus, os Fenícios acenderam uma fogueira para preparar a sua refeição. Como não encontrassem pedras apropriadas para pousar as suas vasilhas, voltaram ao navio para pegar quantidades de salitre que amontoaram para poder pousar os seus potes. O calor das chamas fez com que o salitre e a areia se fundissem e, para surpresa dos Fenícios, aquilo provocou o aparecimento de um fluido desconhecido que, mal esfriou, se transformou numa substância transparente e dura. Era o vidro. É evidente que esta história não passa de uma lenda, pois para a produção do vidro são necessárias temperaturas muito elevadas (> 2000º) e o calor produzido numa fogueira não pode atingir temperaturas desta ordem de valores. Mas de facto os Fenícios fabricaram vidro transparente e colorido, com ele produziram objectos muito variados e que eram muito apreciados pelos povos Mediterrâneos. Francisco Carvalhinho, José Pedro Belo e Nuno Miguel Barros- 5º C 6
  7. 7. COMÉRCIO FENÍCIO A Fenícia foi um dos países mais prósperos da antiguidade. As suas cidades desenvolveram uma florescente indústria que abastecia os mais distantes mercados. Objectos de madeira talhada (cedro e pinho) e tecidos de lã, algodão e linho tingidos com a famosa púrpura de Tiro, extraída de um molusco, foram as manufacturas fenícias de maior prestígio e difusão. Também eram muito procurados os objectos de metal; o cobre, obtido em Chipre, o ouro, a prata e o bronze foram os mais utilizados, em objectos santuários e em jóias de alto valor. Os trabalhos em marfim alcançaram grande perfeição técnica na forma de pentes, estojos e estatuetas. Os Fenícios descobriram ainda a técnica de fabrico do vidro e aperfeiçoaram-na para confeccionar belos objectos. O comércio fez-se principalmente pelo mar, já que o transporte terrestre de grandes carregamentos era dificílimo. Essa exigência contribuiu para desenvolver a habilidade dos Fenícios como construtores navais e transformou-os em hábeis navegadores. Bruna Catarina Martins e Cíntia Sofia Silva - 5ºE MARE NOSTRUM Mare Nostrum ("nosso mar", em latim) era o nome dado pelos antigos romanos ao mar Mediterrâneo. Após dominar toda a Península Itálica, os romanos partiram para as conquistas de outros territórios. Com um exército bem preparado e muitos recursos, venceram os Cartagineses, liderados pelo general Aníbal, nas Guerras Púnicas (século III a.C). Esta vitória foi muito importante, pois garantiu a supremacia romana no Mar Mediterrâneo. Após dominar Cartago, Roma ampliou as suas conquistas, dominando a Grécia, o Egipto, a Macedónia, a Gália, a Germânia, a Trácia, a Síria e a Palestina. Com as conquistas, a vida e a estrutura de Roma passaram por significativas mudanças. O império romano passou a ser muito mais comercial do que agrário. Povos conquistados foram escravizados ou passaram a pagar impostos para o império. As províncias (regiões controladas por Roma) renderam grandes recursos para Roma. A capital do Império Romano enriqueceu e a vida dos romanos mudou. O Mar Mediterrâneo era muito importante, porque era o sitio onde todos os barcos Europeus passavam com mercadorias valiosas (ouro, tecidos, cobre…). Daniel Filipe Belinha, Eduardo Luís Dias e José Pedro Duarte - 5º F 7
  8. 8. BRINCADEIRAS NA CULTURA ROMANA Bolinhas de Gude (Berlinde) O jogo era tão popular na Roma dos Césares, onde era conhecido como "esbothyn", que o imperador César Augusto, tinha o costume de parar na rua para assistir às partidas. Acabou sendo difundido pelo Império pelas Legiões Romanas, ganhando assim o mundo. Jogo tipicamente infantil, percorreu os séculos chegando até os dias de hoje. O nome "gude" deriva de "gode", do provençal, que significa "pedrinha redonda e lisa". Difundiu-se pelo mundo e no sec. XVII, famoso ficou um poema, de escritor anónimo inglês, que descrevia o estudante como "um asno na sintaxe, mas perito no gude". Nos séculos XVIII até o início do século XX, o grande fabricante de bolas de gude foi a Alemanha. Mas a partir daí, difundiu-se o fabrico do brinquedo de um material bem mais barato e acessível, o vidro, dando origem assim, ao brinquedo que hoje conhecemos. O jornalista e cronista desportivo Orlando Duarte, no seu livro "História do Desporto" descreve duas formas de se jogar bolinhas de gude: BIROCA: são feitos quatro buracos - as "birocas" - na terra. Os jogadores (de 2 a 4) jogam as suas bolinhas até à primeira "biroca". Quem ficar mais perto dela, iniciará o jogo. A partir daí, deverá percorrer todo o "circuito", ou seja, colocar a sua bolinha em cada um dos buracos. Depois, poderá "matar" a bolinha dos adversários, ou seja, atingirá a bolinha do adversário com a sua, eliminando-o do jogo. Se errar a "biroca" ou a bolinha do adversário, "perde a vez". E assim por diante... TRIÂNGULO: nesta modalidade, risca-se um triângulo na terra. São colocadas no interior deste, bolinhas pertencentes aos jogadores. A partir daí, os jogadores revezam -se "matando" as bolinhas no interior do triângulo, até que não existam mais bolinhas para serem atingidas. André Dias, Diana Moreira da Silva e Tiago Moreira da Silva - 5ºH BURGÚNDIOS O nome dos burgúndios era antes ligado à região da moderna França que ainda mantém seu nome. Entre os séculos VI e XX, contudo, as fronteiras e as conexões políticas da região mudaram com freqüência. Nenhuma dessas mudanças teve algo a ver com os burgúndios originais. O nome burgúndios refere-se hoje aos habitantes do território da Borgonha. Os descendentes dos burgúndios hoje são encontrados inicialmente entre os franco-falantes da Suíça e nas regiões fronteiriças da França. Burgúndios conhecidos como "os Montanheses", são um antigo povo de origem escandinava. No Baixo Império Romano, instalaram-se na Gália e na Germânia na 8
  9. 9. qualidade de foederati ("federados" em latim). Tendo procurado estender-se até à Bélgica, foram abatidos por Aécio em 436 e transferidos para Savóia. De lá, espalharam-se pelas bacias do Saone e do Ródano. Foram submetidos pelos Francos em 532 e o seu território foi reunido à Neustria. Deram o seu nome à Borgonha. Aproximadamente em 300, a população de Bornholm (ilha dos burgúndios), desapareceu quase totalmente da ilha. Havia, ao que parece, naquela época um relacionamento amigável entre os Hunos e os Burgúndios. Era um costume Huno entre as mulheres ter o crânio alongado, este era apertado quando a criança ainda era um bébé. Túmulos germânicos foram encontrados com ornamentos Hunos e crânios de mulheres alongados. Inicialmente, os burgúndios parecem ter tido um relacionamento tempestuoso com os romanos. Diogo Sousa - 5ºG MESQUITA DE CÓRDOVA Construída por Abd al-Rahman I junto ao Guadalquivir onde antes tinha sido um templo cristão, foi iniciada em 785 com reaproveitamento de materiais, sendo hoje uma das principais atracções da cidade de Córdova. A mesquita maior ou mesquita Aljama é o monumento mais importante da arte hispano-muçulmana, denunciando vários períodos artísticos através das ampliações a que foi sujeita. A primeira mesquita apresenta uma planta quadrada de 79 metros de lado dividindo-se em duas partes iguais: tem a fun-ção de sala de orações e a setentrional era um pátio. A forma incomum de orientar a qibla e o mihrab para sul, explica-se pelo facto de esta ser influência de mesquitas sírias para as quais a orientação para Meca ficava a sul. As onze naves da sala de orações dispõem-se perpendicularmente. A mesquita sofreu várias ampliações, a maior esteve a cargo de Al-Hakam II: derrubou a qibla e acrescentou doze tramos à estrutura. A novidade desta planta é o uso tardio da disposição das naves em T, cujas extremidades formam quatro cúpulas de arcos cruzados. Sendo um dos mais deslumbrantes e soberbos monumentos islâmicos, a mesquita de Córdova preserva a estrutura original, incluindo os belíssimos arcos e pilares, o mihrab ( nicho de orações) e o maqsura ( recinto do califa), mas outras formas arquitectónicas foram acrescentadas pelos cristãos, como a capilla de Villaviciosa, a primeira capela cristã, construída em 1371. Ana Beatriz e Nelma Rocha - 5º H 9
  10. 10. BATALHA DE POITIERS A Batalha de Poitiers, também conhecida como Batalha de Tours, travou-se entre o exército do Reino Franco, liderados por Carlos Martel e o exército do Califado de Córdova, liderado por Abd-al-Rahman, governante de Córdova. Esta batalha é citada como sendo o marco do final da expansão muçulmana na Europa medieval. O exército Franco colocou-se junto à cidade de Tours, para sua defesa. O ataque muçulmano foi rechaçado, com a morte do seu comandante, junto a cidade de Poitiers. Embora Odo tivesse derrotado os invasores muçulmanos antes, quando eles retornaram, as coisas estavam muito diferentes. A chegada de um novo emir de Córdoba, Abdul Rahman Al Ghafiqi, que trouxe com ele uma grande força de cavaleiros árabes e berberes, dando início à grande invasão. Abdul Rahman Al Ghafiqi havia estado em Toulouse e os cronistas árabes deixam claro que ele se opôs fortemente à decisão do emir de não assegurar as defesas externas contra uma força de socorro, o que permitiu a Odo e à sua infantaria atacar sem piedade antes que a cavalaria islâmica pudesse estar preparada. Abdul Rahman Al Ghafiqi não tinha a intenção de permitir outro desastre. Desta vez os cavaleiros islâmicos estavam prontos para a batalha e os resultados foram terríveis para os aquitanianos. Odo, o herói de Toulouse, foi duramente derrotado na invasão muçulmana de 732, na batalha do rio Garone e a cidade de Bordeaux foi saqueada. Odo fugiu ao encontro de Carlos em busca de ajuda, que por sua vez concordou em ir em seu resgate, desde que ele e a sua casa fossem reconhecidos como seus soberanos - o que Odo fez oficialmente e de imediato. A batalha de Tours deu a Carlos o cognome "Martel", pela crueldade com que ele batia os seus inimigos. Muitos historiadores, incluindo o grande historiador militar Sir Edward Creasy, acreditam que, tivesse ele fracassado em Tours, o Islão provavelmente teria invadido a Gália e talvez o resto da Europa cristã ocidental. Edward Gibbon acredita claramente que os muçulmanos teriam conquistado de Roma ao rio Reno e até mesmo a Inglaterra com facilidade, caso Carlos Martel não vencesse. Creasy diz que "a grande vitória obtida por Carlos Martel deteve decisivamente o avanço árabe na conquista de Europa Ocidental, salvando a cristandade do Islão, e preservando as relíquias da Antigüidade e as origens da civilização moderna". Actualmente, Matthew Bennett e seus co-autores de "Fighting Techniques of the Medieval World" ("Técnicas de Ataque do Mundo Medieval"), publicado em 2005, argumenta que "poucas batalhas são lembradas depois de 1.000 anos depois de disputadas… mas a Batalha de Poitiers (Tours) é uma excepção. Carlos Martel fez retroceder uma invasão muçulmana que se não fosse evitada, talvez tivesse conquistado a Gália". Michael Grant, autor de "History of Rome", dá a Batalha de Tours tal importância que a coloca entre as principais datas históricas da era romana. Outro historiador contemporâneo, William Watson, acredita que o fracasso de Martel em Tours teria sido um desastre, destruindo o que se tornaria a civilização ocidental e, depois, o Renascimento. Muitos historiadores modernos tais como William Watson e Antonio Santosuosso geralmente apoiam o conceito de Tours como um evento histórico importante que favoreceu a civilização ocidental e a Cristandade, apesar deste último acreditar que as vitórias de Martel nas campanhas de 737 terem sido consideravelmente mais vitais. Bruno Gil - 5º G 10
  11. 11. CONVENTO DE MAFRA D. João V mandou construir obras grandiosas que marcaram a sua época e uma delas foi o Convento de Mafra. Com este e outras obras como o Aqueduto das Águas Livres, o monarca procura deslumbrar a Europa e mostrar toda a sua riqueza e poder. Esta grandiosa construção incluía o convento, o palácio real, uma igreja e uma biblioteca. É o mais importante monumento barroco em Portugal. Começou a ser construído em 1717 e terminou a construção em 22 de Outubro de 1730 e gastaram-se 13 anos na sua edificação. Nele chegaram a trabalhar cerca de 2500 operários. O conjunto ar quitectónico desenvolve-se simetricamente a partir de um eixo central, a basílica, ponto principal de uma longa fachada ladeada por dois torreões, localizando-se na sua zona posterior o recinto conventual da Ordem da são Francisco da Província da Arrábida. Alguns dos exemplos do barroco no Convento de Mafra: * Os seus exteriores dourados; * O chão de mármore (ex. a biblioteca) * A basílica do palácio * Quase todo o seu interior é barroco. A Basílica faz parte do conjunto monumental do Palácio Nacional de Mafra. Aqui se encontra a melhor colecção de estátuas italianas existentes em Portugal no século XVIII. Possui um conjunto sonoro de seis órgãos, únicos no mundo, para os quais existem partituras que só aqui podem ser executadas. No total a Basílica possui 11 capelas com 450 esculturas de mármore, 45 tribunas e é servida por 18 portas. Todas as cerimónicas da Basílica eram acompanhadas de Canto Gregoriano. D. João V, apreciador da mesma arte, reunia-se com frequência com os frades, chegando a cantar com eles no coro da Basílica. Lucas Rocha Gomes - 6º F 11
  12. 12. AQUEDUTO DAS ÁGUAS LIVRES Por volta de 1730 a população de Lisboa devería rondar os 250.000 habitantes e apenas dispunha de 3 chafarizes de água potável e mal distribuídos pela cidade, estando o negócio da distribuição entregue a particulares, que a entregavam bastas vezes em más condições de salubridade. Para resolver a situação, havia que trazer a água para a cidade de nascentes que existiam, a não muita distância da cidade. As referências ao projecto de construção dum aqueduto começam a ouvir-se e em Julho de 1729 foi decretado um imposto sobre determinados bens de consumo para financiamneto da obra. Pelos vistos, D. João V não achou necessário financiar a obra com o ouro e os diamantes que chegavam do Brasil, pelo que se pode dizer que a população pagou do seu bolso a água que passou a beber. Coisas do Absolutismo! Foi então decidido onerar o azeite, a carne, o sal, a palha e o vinho, para fazer o total de 300.000 cruzados por ano, durante 4 anos. O imposto indirecto é cego e a comunidade patriarcal, habituada a não pagar nada, achou-se prejudicada queixando-se ao rei que não quis saber, acabando ele próprio por contribuir com 10.000 cruzados. Este aqueduto, incluindo ramais e condutas, tinha 60Km de extensão e era suportado por 127 arcos. A sua dimensão monumental traduz-se nos números seguintes: o aqueduto principal, com 18,5 km de comprimento, atravessa os 940 m do vale da Ribeira de Alcântara, com 35 arcos dos quais um é o maior arco de pedra do mundo. Tem uma rede de captação de 30 km de galerias visitáveis e alimenta uma rede de distribuição de 12 km. Com as nascentes, mães de água, reservatórios e chafarizes, constitui um conjunto de alto valor patrimonial pela qualidade da construção e pela beleza da arquitectura. Esta construção, que poderia não ter passado de uma obra técnica, tornou-se um verdadeiro Templo da Água, pelo cuidado e a sensibilidade com que nela é tratada a água como elemento essencial e central – a água, que constitui um elemento maior da arquitectura do século XVIII. Bárbara Bleco - 6º J TORRE DOS CLÉRIGOS Iniciada em 1754, estava construída nove anos depois, em 1763. É a torre mais alta de Portugal, com seis andares e 76 metros de altura. É tida como o ex-libris da Cidade do Porto. 12
  13. 13. Por barroquismo, ou arte barroca, entende-se o tipo de arte que surgiu, entre nós, nos séculosXVII e XVIII e que se caracteriza pela abundância da decoração, pelo deslumbramento da decoração, de que a Torre é um caso exemplar. Uma escadaria de 225 degraus dá acesso aos varandins do último andar donde se pode gozar um panorama deslumbrante. CORPO PRINCIPAL 1º andar - Por cima da porta exterior da Torre vê-se uma imagem de S. Paulo e abaixo, dentro dum medalhão, um texto de S. Paulo, na Carta aos Romanos. Neste 1º andar a espessura das paredes, de granito, mede dois metros e vinte centímetros. 2º andar - No segundo andar vemos uma janela oval. 3º andar - Há quatro sineiras e aí está instalado o carrilhão de concerto, utilizando 49 sinos. Um computador controla o carrilhão, marcando as horas e debitando a música. Está programado para tocar ao meio dia e às 18 horas, está ligado a um relógio atómico, na Inglaterra ou na Alemanha; o computador capta as ondas emitidas e organiza as horas a partir desses relógios. 4º andar - apresenta uma janela abalaustrada, na face sul, e quatro mostradores de relógio. Logo ao deixar as escadas, vemos as torres da Igreja da Lapa: um pouco para a direita, a torre branca da Igreja da Senhora da Conceição, ao Marquês; um pouco mais altaneiras, as torres do Bonfim; mesmo à sua frente, logo em baixo, o edifício da Câmara do Porto. Olhando para a direita temos o Porto antigo, aninhado junto à Sé; ao lado, o imponente Paço Episcopal e Igreja dos Grilos; logo adiante o Rio Douro e as Caves do Vinho do Porto. A cortar o horizonte, o Monte da Virgem, com as antenas da TV e dos Correios. Olhando para a direita, vertente sul; em baixo, o Jardim da Cordoaria, a antiga Cadeia da Relação, o Mosteiro de S. Bento. Mais longe a Ponte da Arrábida. Agora, a parte final; por trás de si, uma cancela fechada dá acesso ao cume da torre. Lá em baixo a Faculdade de Ciências e as torres geminadas das igrejas do Carmo e das Carmelitas.É todo um Porto visto de cima, um Porto que nem se imagina, projectado para os lados de Gaia, de Gondomar, Maia, Boavista, até ao mar... A Torre é sem dúvida, a mais admirável obra de arte arquitectónica de Nasoni e constitui a última fase desta imponente construção, tendo servido em tempos, como telégrafo comercial ( referente à navegação ) e relógio da cidade. No interior tem uma escada de caracol de 218 degraus que permite o acesso aos varandins abalaustrados do quinto andar. Márcia Oliveira - 6º H IGREJA DA ORDEM DO TERÇO Esta igreja está situada na Rua Cimo de Vila e as suas origens prendem-se com a devoção e fé cristã em volta do terço. 13
  14. 14. Conta-se que naquela rua e nas ruas contíguas existia um grupo de moradores que em devoção à Nossa Senhora do Terço se juntavam à noite e em conjunto rezavam o terço, num oratório que existiu próximo do local onde hoje se encontra a igreja. Vendo isto o padre Geraldo Pereira em conjunto com o padre João Moreira juntaram o seu próprio dinheiro ao das esmolas angariadas e compraram, em 1754, umas casa velhas que após demolidas dariam lugar ao nascimento de uma igreja em honra da Nossa Senhora. Assim as obras começaram a 8 de Setembro de 1756 ficando concluídas em três anos. Esta igreja é um edificio de proporções modestas com uma decoração exuberante. O interior da igreja é composto por uma só nave, coberta por uma abóbada de tijolo e é forrada por azulejos de relevo amarelos e brancos, quatro altares separados por pilastras ladeiam a igreja sendo que à direita temos o de S. Francisco de Paula e o de Nossa Senhora das Dores e à esquerda o do Senhor Jesus e o da Nossa Senhora da Conceição. . No século XIX foi acrescentado um painel bem expressivo da devoção mariana: Nossa Senhora do Terço, sentada com o Menino e rodeada de anjos, pendendo das mãos de todos terços. Na igreja predomina a exuberância das formas, com revestimento a ouro e também o uso do azulejo. Do edifício em si salientamos a fachada, que está decorada com elementos de estilo rococó, o remate da frontaria, como os alçados e as molduras do interior têm tradição italiana. A Nasoni pertence o janelão central rodeado por um terço, cujo crucifixo está da parte de cima. Marta Couto Silva - 6º M QUINTA DA PRELADA A Casa da Prelada foi construída em meados do séc. XVIII e é uma das obras mais emblemáticas do arquitecto italiano Nicolau Nasoni. Está inserida numa quinta onde se destacam os obeliscos, os jardins - no "maior labirinto da Penísula Ibérica" -, um castelo e um lago. O projecto na altura da construção ficou incompleto - a casa deveria ser constituída por quatro torres, mas acabou por ficar com uma. Francisco Noronha de Menezes, doou a propriedade à Santa Casa da Misericórdia do Porto, com a condição de que fosse criado um serviço que prestasse cuidados de saúde. Beatriz Januária Silva - 6º M O PALÁCIO DE CRISTAL O Palácio de Cristal data do século XIX e localiza-se na freguesia de Massarelos, na cidade do Porto. O Palácio era da autoria do arquitecto inglês Thomas Dillen Jones e do engenheiro W. Shields, que se inspiraram no Crystal Palace londrino para o projectar. 14
  15. 15. O Palácio de Cristal foi construído em granito, ferro e vidro e media 150 metros de comprimento por 72 metros de largura. Começou a ser construído em 1861 e, a 18 de Setembro de 1865 foi inaugurado pelo rei D. Luís. Este edifício foi concebido para acolher a grande Exposição Internacional do Porto, que foi organizada pela Associação Industrial Portuense da época. Nesta exposição estiveram presentes o rei D. Luís, D. Maria, o príncipe herdeiro e uma grande quantidade de expositores vindos de várias partes do mundo. O compositor Viana da Mota e a violoncelista Guilhermina Suggia foram alguns dos nomes importantes ligados à música, a realizarem importantes concertos naquele espaço. A Câmara Municipal do Porto adquiriu este edifício e os seus jardins em 1933. Chegando o ano de 1951, o Palácio foi mandado demolir pela autarquia. O edifício foi demolido em menos de um ano e o seu magnífico órgão de tubos foi destruído à martelada. Na altura houve uma enorme contestação popular à demolição e, talvez por isso, a designação"Palácio de Cristal" tenha sobrevivido até aos nossos dias. No seu lugar foi construída uma nave de betão armado, que em nada se assemelha ao antigo palácio. Joana Milheiro Gonçalves - 6º A O ROMANTISMO O Romantismo surge em meados do século XVIII e prolonga-se até ao século XIX, manifestando-se nas mais variadas áreas, como a pintura, literatura, arquitectura e música. O Romantismo na Arquitectura O Romantismo, ligado à recuperação de formas artísticas medievais, acompanhada pelo gosto pelo exótico contido nas culturas orientais, favoreceu a mistura de vários estilos, como o românico, o gótico, o bizantino, o chinês ou o árabe. Foi na Inglaterra que se verificaram as primeiras manifestações da arquitectura romântica. Paralelamente ao revivalismo estilístico, a arquitectura do século XIX apresentou um outro vasto campo de desenvolvimento, proporcionado pelos novos materiais de construção surgidos com a industrialização, como o ferro e o vidro.Embora a Inglaterra tenha sido pioneira na utilização do ferro para construção de estruturas arquitectónicas, foi em França que esta tecnologia encontrou uma mais significativa expressão estética. O Palácio da Pena é o expoente máximo do Romantismo em Portugal. Ivo Bernardo, José Caetano e José Cruz - 6º G 15
  16. 16. FERNÃO PERES DE TRAVA Fernão era filho de Pedro Froilaz de Trava, da Casa de Trava, a mais poderosa do reino da Galiza na época. Participou na revolta galaico- -portuguesa contra Urraca de Leão e Castela, liderada pelo seu pai em 1116, em aliança com Teresa de Leão. Esta insurreição pretendia defender os direitos de Afonso Raimundes, coroado rei da Galiza e garantir a autonomia do Condado Portucalense frente à rainha castelhano- leonesa. Os triunfos nas batalhas de Vilasobroso e Lanhoso selaram a aliança entre os Trava e Teresa de Portugal. a regência do Condado Portucalense. Fernão Peres de Trava passou então a governar o Porto e Coimbra e a firmar com Teresa importantes disposições e documentos no Condado de Portugal . Com a morte de Urraca, Fernão tornou-se um grande aliado do rei Afonso VII de Leão e Castela no Reino da Galiza. Tanto que lhe foi confiada a importante tarefa de ser preceptor do seu filho, o futuro rei Fernando II de Leão. A “Crónica Latina de Castilla” considera que a sua influência foi determinante para que, no testamento de Afonso VII, os reinos de Galiza e Leão se separassem de Toledo e Castela. Teresa exerceu a regência do Condado Portucalense durante a menoridade de D. Afonso Henriques. Mas em 1122, sob a orientação do arcebispo Paio Mendes de Braga , Afonso pretendeu assegurar o seu domínio do Condado e armou-se cavaleiro em Tui. Juntando os cavaleiros portugueses à sua causa contra Fernão Peres e Teresa de Leão, derrotou ambos na Batalha de S. Mamede em 1128, quando pretendiam tomar a soberania do espaço galaico-português e assumiu o governo do Condado. Ana Rita Valente e Mariana Isabel Ferreira - 5ºF VIDA E OBRA DE NICOLAU NASONI Nicolau Nasoni nasceu a 2 de Junho de 1661 às 2 horas da manhã em Sam Eiotani di Sopra na Toscana na zona de Florença.Era filho de Giuseppe Francesco Nasoni e de Margaretta, filha de Nicodó Rossi, sendo o 16
  17. 17. primeiro de nove filhos. Seu pai trabalhava na Casa Davanzatb, talvez como administrador de bens. Como consequência, Nasoni ia manter futuras relações com fidalgos do Porto, vários dos quais eram padrinhos dos seus numerosos irmãos. Viveu em Siena, depois mudou-se para Roma e, mais tarde para Malta. Em 1724 assinou e datou um dos tectos que pintou, no palácio de La Valeta, obra esta dirigida ao frei D. António Manuel de Vilhena, Grão Mestre da Ordem de Malta e deu, assim, os primeiros passos na arquitectura. Não se sabe ao certo quando veio para o Porto, mas em Novembro de 1725 iniciou as pinturas da Sé do Porto e pensa-se que terá vindo no Verão desse ano. Casado por duas vezes, teve um filho de Isabel de Rixaral (falecida no parto) e cinco de Antónia de Mascarenhas de Malafaia. Foram várias as suas obras de arquitectura, pintura e talha em igrejas, sés, solares e palácios, sendo a última a Torre dos Clérigos (um dos ex-libris da cidade do Porto), onde foi sepultado quando faleceu em 30 de Agosto de 1773, com 82 anos , aparentemente na miséria. Sara Maria Gonçalves - 6ºC Rafael Bordalo Pinheiro Nascido Rafael Augusto Prostes Bordalo Pinheiro, viveu entre 1845 e 1905, filho de Manuel Maria Bordalo Pinheiro e de D. Maria Augusta do Ó Carvalho Prostes. Nasceu em família de artistas, cedo ganhou o gosto pelas artes. Em 1860 inscreveu-se no Conservatório de Belas Artes (desenho de arquitectura civil, desenho antigo e modelo vivo) e, posteriormente, matriculou- -se sucessivamente, no Curso Superior de Letras e na Escola de Arte Dramática, para, logo de seguida desistir. Estreou-se no Teatro Garrett, embora nunca tenha vindo a fazer carreira como actor. Em 1863, o pai arranjou-lhe um lugar na Câmara dos Pares, onde acabou por descobrir a sua verdadeira vocação, derivada das intrigas políticas dos bastidores. Casou com Elvira Ferreira de Almeida, em 1866 e, no ano seguinte, nasceu o seu filho Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro. Começou por tentar ganhar a vida como artista plástico com composições realistas, apresentando, pela primeira vez trabalhos seus em 1868, na exposição promovida pela Sociedade Promotora das Belas – Artes, onde apresentou oito aguarelas inspiradas nos costumes e tipos populares, com preferência pelos campinos de trajes vistosos. Em 1871, recebeu um prémio da Exposição Internacional de Madrid, paralelamente foi desenvolvendo a sua faceta de ilustrador e decorador. Em 1875, criou a figura do Zé Povinho, publicada na “Lanterna Mágica”. Nesse mesmo ano, partiu para o Brasil onde colaborou em alguns jornais e enviava a sua colaboração para Lisboa, voltando a Portugal em 1879, tendo lançado o "António Maria". Experimentou trabalhar o barro em 1885 e começou o fabrico de louça artística da Fábrica das Faianças das Caldas da Rainha. Faleceu em 23 de Janeiro de 1905, em Lisboa, no nº 28 da rua da Abegoaria (actual Largo Rafael Bordalo Pinheiro), freguesia do Sacramento. Em Lisboa. Pedro Gomes Martins – 6º H 17
  18. 18. JÚLIO VERNE Júlio Verne foi o filho mais velho dos cinco filhos de Pierre Verne, advogado e de Sophie de La Fuye, esta de uma família burguesa de Nantes. É considerado por críticos literários o precursor do género de ficção científica, tendo feito nos seus livros previsões sobre o aparecimento de novos avanços científicos, como os submarinos, máquinas voadoras e viagem à Lua. Júlio Verne passou a infância com os pais e irmãos na cidade francesa de Nantes, na casa de Verão da família. A proximidade do porto e das docas constituíram provavelmente grande estímulo para o desenvolvimento da imaginação do autor sobre a vida marítima e viagens a terras distantes. Foi mandado pelo seu pai para Paris, para estudar Direito, com a esperança de que o seu filho seguisse a carreira de advogado. Ali começou a interessar- -se mais pelo teatro do que pelas leis, tendo escrito livretes de operetas e pequenas histórias de viagens. O seu pai, ao saber disso, cortou-lhe o apoio financeiro, o que o levou a trabalhar como corretor de acções. Foi quando conheceu uma viúva com duas filhas, chamada Honorine de Viane Morel, com quem se casou em 1857 e teve, em 1861 um filho chamado Michel Jean Pierre Verne. A carreira literária de Júlio Verne começou a destacar-se quando se associou a Piere Jules Hetzel, editor experiente que trabalhava com grandes nomes da época, como Victor Hugo, George Sand… Hetzel publicou o primeiro romance de sucesso de J. Verne em 1862, o relato de uma viagem à África em balão intitulado "Cinco Semanas em Balão". Esta história continha detalhes tão minuciosos de coordenadas geográficas, culturas, animais, etc que os leitores se perguntavam se era ficção ou um relato verídico. Na verdade Júlio Verne nunca tinha estado num balão ou viajado à África. Toda a informação sobre a história veio da sua imaginação e da capacidade de pesquisa. Júlio Verne ganhou fama e dinheiro com esta obra e a sua produção literária seguia em ritmo acelerado, publicando quase todos os anos um livro: "Vinte Mil Léguas Submarinas"; "Viagem ao Centro da Terra", "A Volta ao Mundo em Oitenta Dias", "Da Terra à Lua". O seu último livro chamou-se "Paris no Século XX", escrito em 1863. Yara Pinto – 6º G ALEXANDRE HERCULANO Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo nasceu em Lisboa no ano de 1810. Foi um escritor da era do Romantismo, um historiador, um jornalista e um poeta português. A família habitava uma pequena casa no Pátio do Gil, perto de S. Bento e vivia com dificuldades. Muito inteligente e estudioso, Alexandre gostaria de ir para a Universidade de Coimbra, mas como o pai não lhe podia pagar estudos tão demorados, optou por um curso prático e rápido que lhe permitiria arranjar emprego como funcionário público. Acontece que as aulas de um desses cursos funcionavam na Torre do Tombo, local onde se guardavam (e guardam) documentos históricos preciosos. Ali terá descoberto a sua paixão pela História e desenvolvido o 18
  19. 19. seu talento para a escrita. Ainda muito novo já frequentava reuniões e encontros de escritores, jornalistas, intelectuais. Tornou-se amigo da Marquesa de Alorna, que o incentivou a aprender alemão, para poder ler as obras de autores românticos alemães que tinham alcançado grande sucesso. Ele seguiu esse conselho, que lhe veio a ser útil, porque lhe permitiu salvar a pele num momento de grande perigo. Alexandre Herculano viveu o período de lutas entre liberais e absolutistas. Era liberal, participou numa conspiração falhada, cujos responsáveis foram quase todos mortos. Mas ele salvou-se, porque se escondeu na casa do padre capelão da colónia alemã que vivia em Lisboa. Daí fugiu para Inglaterra, depois para França. Só voltou a Portugal como soldado das tropas liberais que se instalaram no Porto, onde ficaram cercadas durante um ano. Alexandre Herculano sabia aproveitar o tempo à sua maneira: além de tomar parte nos combates, quando os havia, organizou a Biblioteca Pública do Porto por ordem do rei D. Pedro. Depois da vitória do Liberalismo, instalou-se em Lisboa e entregou-se de alma e coração à escrita, à investigação histórica, às vezes ao debate público. Tornou-se um homem admirado e respeitado por toda a gente, incluindo a família real. O marido de D. Maria II, D. Fernando, nomeou-o Director da Biblioteca do Palácio da Ajuda, cargo que lhe permitiu dar largas ao seu desejo de investigação e ao seu talento de escritor. Manteve-se, no entanto, sempre um homem austero, pouco dado a honrarias. Da sua obra constam, por exemplo “Lendas e Narrativas”, “Eurico , o Presbítero”, “O Bobo” de “O Monge de Cister”. Morreu em Vale de Lobo em 1887. Luísa Margarida Montenegro Paulo - 6ºA A FAMÍLIA REAL NO BRASIL Foi na cidade da Baía que surgiu uma das primeiras medidas tomadas pore D. João VI no Brasil – foi a abertura dos portos brasileiros às nações amigas, em 1808, possibilitando assim que a Inglaterra pudesse fazer abertamente o comércio com o Brasil. Ainda em 1801, em Março, D. João VI transferiu-se para o Rio de Janeiro, transformando a cidade em sede da Monarquia. Aí formou o seu ministério, aboliu a proibição 19
  20. 20. da criação de indústrias, fundou escolas, bibliotecas, etc. O documento mais importante do Rio de Janeiro foi a Carta Régia. Em primeiro lugar sintetiza e justifica as medidas e compromissos estabelecidos pela Corte, procurando tranquilizar politicamente os interesses económicos e, em segundo lugar, procura minimizar os efeitos do Tratado Luso-Britânico. Em 1815, elevou o Brasil a Reino Unido. Os domínios portugueses da época ficaram ,a partir de então, oficialmente chamados de Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves e D. João passou a ostentar o título de Príncipe Real do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. Com a partida do rei D. João VI para Portugal em Abril de 1821, começam as lutas políticas entre as cortes e o regente D. Pedro, entre os que pretendiam reduzir o Brasil novamente a colónia e os que defendiam o progresso obtido com a estadia de D. João VI no Brasil e já tinham em mente a emancipação política. D. Pedro declara o Brasil independente em 7 de Setembro de 1822, tornando-se o primeiro imperador no Brasil. Neuza Viviana Pereira e Maria Inês Madureira Costa - 6º D OS BANDEIRANTES Os bandeirantes eram um grupo de homens que, a partir do século XVI, iam para o interior do Brasil à procura de riquezas miner ais, principalmente da prata. Os bandeirantes também apanhavam negros e índios selvagens para vender aos colonizadores. Os bandeirantes eram na sua maioria compostos por índios escravos e aliados por mestiços de índios com brancos e de brancos que eram capitães. Esses homens vestiam-se com uma camisa de algodão, chapéu de abas largas, usavam botas de cano alto (alguns andavam descalços por influência dos índios). Eles levavam para comer mandiocas, milho, feijão e carne seca. Para dormir levavam redes. Muitos dos bandeirantes não voltavam a ver as famílias, pois morriam. Essas mortes ou eram causadas por febres ou por picadas de cobras. Nuno Rio -6ºE O FIM DA ESCRAVATURA NO SÉCULO XX A segunda metade do século XVIII e o princípio do seguinte foram a época de maior desenvolvimento do tráfico esclavagista. Em 1786, 38.000 africanos rumaram às colónias da América e, mais tarde, ao Brasil para trabalharem, sobretudo nas minas de diamantes. 20
  21. 21. A partir dos finais do século XVIII começaram a elevar-se vozes humanitárias e a surgirem as primeiras ideias de abolição. Em França, Montesquieu, um "iluminado" ataca o comércio feito à volta dos negros e, à medida que o século foi avançando, maiores eram os movimentos anti-esclavagistas e mais pessoas se mostravam a favor da libertação dos escravos. Portugal declarou efectiva a libertação dos escravos em todos os domínios portugueses nos finais da década de 1880. No decorrer do século XVIII a escravatura foi sendo abolida na maior parte dos estados europeus, fazendo valer a igualdade perante Deus. Esta luta converteu-se numa atitude defendida por intelectuais e aristocratas "iluminados". Os navios ingleses passaram a ser uma espécie de corpo policial nos mares por onde passaram, tentando pôr, assim, fim ao tráfico de escravos na África, na Ásia e América. Na sequência do Tratado de Viena, em 1815, assinado por Inglaterra e Portugal, estes dois países comprometiam-se a atenuar o tráfico de escravos nas possessões portuguesa e suprimi-lo totalmente a norte do Equador. Carlota Lameiras Ferreira - 6º I ATAQUES DOS HOLANDESES AO BRASIL Os holandeses, depois de terem criado, em 1621 a Companhia das Índias Ocidentais, decidiram atacar o Brasil açucareiro. Saquearam a Baía em 1624, mas a cidade de Salvador foi recupera em 1625. Repelidos da sede do Governo Geral, os ataques dirigiram-se em seguida a Pernambuco, a capitania mais florescente com numerosos engenhos de açúcar. Olinda caiu nas mãos dos holandeses em 1630, mas a resistência portuguesa no interior durou até 1632. Entretanto, os invasores além de se fortificarem e de se reforçarem, organizaram administrativamente a conquista. Depois de destruírem Olinda, iniciaram, com a ajuda de reforços vindos da Holanda, a ocupação de Igaraçu e Itamaracá, Paraíba do norte ea ilha Fernão de Noronha. Em 1635 tinham consolidado as suas posições e, em 1637, chegou , como governado,r Maurício de Nassau, que levou a região ao apogeu cultural e científico. Depois da sua partida, o Brasil holandês, entrou em declínio até à capitulação do Recife, em 1654. Do ponto de vista administrativo, o período da monarquia dual foi assinalado por transformações na organização judiciária. A Relação do Estado do Brasil foi criada em 1609 e extinta em 1626, por ocasião dos ataques holandeses. Com a Restauração da Independência de Portugal (1640), os luso-brasileiros decidiram-se a tentar a expulsão dos invasores. Em 1645 iniciou-se a insurreição fomentada na Metrópole e na Baía levada a efeito pelos senhores de engenho de Pernambuco e capitanias vizinhas. D. João IV, ora procurava aplacar o poder holandês, prometendo a entrega das capitanias rebeladas, ora, às escondidas, lhes enviava socorro e, com grandes dificuldades, os insurrectos conseguiram manter-se em campo, reunindo para a luta,tropas brasileiras com soldados negros e ameríndios. 21
  22. 22. Em 1648 e 1649, os holandeses foram derrotados em duas batalhas nos outeiros dos Guararapes, mas o poderio naval holandês e a inferioridade portuguesa no mar não permitiu a sua expulsão. O início da guerra entra a Holanda e a Inglaterra, em 1652, veio dar a oportunidade desejada: uma esquadra da Companhia do Comércio do Brasil , fundada em 1649, completou por mar o cerco dos invasores e, em 7 de Janeiro de 1654, o domínio português foi restaurado no nordeste brasileiro. Alexandre dos Santos Amorim – 6ºL SINÉDRIO Um grupo de homens em 24 de Agosto de 1820 veio a instaurar o regime liberal em Portugal. Os abusos dos invasores ingleses mantiveram-se desde essa altura, tal como a miséria pública e a necessidade de reformas urgentes. É assim fundado o Sinédrio, em 22 de Janeiro de 1818, por quatro sujeitos do Porto: Fernandes Tomás, Ferreira Borges, Silva Carvalho, todos juristas e Ferreira Viana, comerciante. Rapidamente acolhe outros elementos, homens de outras profissões liberais, vindos das mais diversas regiões do país. Nem todos eram maçons, embora todos se tenham assim tornado na altura do levantamento de 1820. Contudo a importância da Maçonaria na acção e na composição do Sinédrio é relevante, pois ele colabora mesmo com lojas maçónicas existentes ou com elementos seus em todo o país. Norteados pelo projecto liberal, vários eram os objectivos a que se votaram os membros do Sinédrio. Acima de tudo era importante controlar a opinião pública, observando os sentidos de expressão e vigiando as novas que vinham de Espanha, observando para saber, tentando antecipar e controlar todos os acontecimentos. Tudo isto era previsto estatutariamente. Com todo o organismo controlado ou apoiado pela Maçonaria, viam-se os membros deste grupo do Porto impelidos a jurar e manter segredo face à sociedade sobre tudo o que faziam ou planeavam, ao mesmo tempo que deviam preservar um sentido de lealdade comum, renovado periodicamente em jantares na Foz do Douro todos os dias 22 de cada mês. O futuro era aí discutido, planificando as acções e estratégias, embora houvesse outras reuniões de noite preferencialmente. De acordo ainda com os estatutos e no caso de haver qualquer movimento ou revolta, o Sinédrio conduzi-lo-ia sempre salvaguardando a fidelidade dos seus membros e ideais à Casa de Bragança 22
  23. 23. A entrada gradual de militares no movimento dinamizá-lo-á, tornando-o mais agressivo e operacional em vez de apenas vigilante. Este grande número de militares que aderia de várias unidades do país, principalmente do norte, não era conhecedor dos objectivos e das ordens principais. Depois do golpe de 1820, ver-se-á neste ocultar de objectivos primordiais uma das causas para as desavenças que levaram à formação de partidos políticos e à cisão no seio da família liberal portuguesa. Os meios militares eram fundamentais para o seguimento do movimento revolucionário do Sinédrio. Tentava-se, assim, controlar as informações no seu interesse, visto que as cadeias de comando interno, poderiam ser afectas ou fiéis em grande parte ao regime e, dado que muitos dos seus chefes eram ingleses, deitar por terra qualquer conspiração, pondo em perigo o Sinédrio. O Sinédrio afirmava-se simultaneamente nacionalista, chegando mesmo a recusar, na pessoa de Fernandes Tomás, qualquer tendência para a União Ibérica, pretendida por alguns membros do grupo, influenciados pelo intercâmbio crescente com liberais espanhóis. Ana Luísa Sousa e Ana Raquel Sousa – 6º B A MÁQUINA A VAPOR Revolução Industrial A substituição das ferramentas pelas máquinas, da energia humana pela energia motriz e do modo de produção doméstico pelo modo de produção fabril, constituiu a Revolução Industrial; revolução com um enorme impacto sobre a estrutura da sociedade, num processo de transformação acompanhado por notável evolução tecnológica. Aconteceu na Inglaterra, na segunda metade do século XVIII e encerrou a transição entre o feudalismo e o capitalismo, a fase de acumulação primitiva de capitais e de preponderância do capital mercantil sobre a produção. Completou ainda o movimento da revolução burguesa iniciada na Inglaterra no século XVII. Surgiram fábricas com assalariados, sem controlo sobre o produto do seu trabalho. A produtividade aumentou por causa da divisão social, isto é, cada trabalhador realizava uma etapa da produção. O desenvolvimento da máquina a vapor no século XVIII contribuiu para a expansão da indústria moderna. Até então, os trabalhos eram executados na dependência exclusiva da potência dos músculos dos operários e da energia animal, do vento ou da água. A única máquina a vapor realizava o trabalho de centenas de cavalos. Fornecia a energia necessária para accionar todas as máquinas de uma fábrica. Podia ainda deslocar cargas pesadas a grandes distâncias num único dia. Os navios a vapor ofereciam transporte rápido, económico e seguro. André Gonçalves, João Renato, Orlando Pinto e Pedro Silva - 6ºJ 23
  24. 24. O VINHO DO PORTO O vinho do Porto, é um vinho único e extraordinário produzido em Portugal e que gera grande riqueza ao nosso País. A sua produção provém das vinhas cultivadas nas encostas do rio Douro, desde a fronteira Espanhola até ao Porto. A toda essa zona é chamada região do Douro, e é também denominada como região demarcada do vinho do Porto. No entanto as gentes simples da região Duriense gostam de chamar- -lhe, não vinho do Porto, mas antes Douro Fino. A partir dessa época, todos os anos, os agricultores deixavam de lado algumas uvas melhores, para amadurecerem mais e fazer o vinho do Porto Esta, dizem os habitantes da Região do Douro, é a verdadeira história. No entanto, é do conhecimento geral no mundo inteiro, em especial de quem aprecia este vinho que este produto único e de qualidade assumidamente superior como bebida de classe, nasceu nas encostas do rio Douro por volta do século III, ou IV da era cristã. Vestígios arqueológicos de lagares e recipientes para vinho têm sido achados por toda a região duriense evidenciando os registos documentais que se conheciam há muito tempo; no entanto , o nome pelo qual ficou conhecida a mais famosa bebida portuguesa só adquiriu essa designação há cerca de 300 anos, quando se começou a dar mais atenção à viticultura e à exportação do vinho, levando-o ao expoente máximo de classificação ao ser criada a região demarcada mais antiga do mundo, em 1756, por Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal. Depois vieram as doenças nos vinhedos produzidas pelo oídio (um fungo) e pela filoxera (um parasita importado nas vides americanas) a partir de meados do século XIX, com a destruição de grande parte das vinhas e ampliação da linha de demarcação para o Douro Superior onde o problema se fazia sentir em menor escala. Surgiram novas técnicas de plantio, selecção de castas e enxertos, uso de adubos e evolução no processo de vinificação; todavia os problemas só estavam a começar, pois o inimigo maior surgia na forma de uma crise comercial aliada às primeiras fraudes e imitações do vinho do Porto. No início do século XX, surge a denominação “Porto” para os vinhos com graduação alcoólica mínima de 16,5º, deixando a protecção e fiscalização da marca a cargo da Comissão de Viticultura da Região do Douro. Guilherme Paulino – 6º A MUSEU DOS COCHES O Museu Nacional dos Coches fica junto ao rio Tejo, na Praça Afonso de Albuquerque, no bairro de Belém, em Lisboa, Portugal. Era antigamente uma escola de equitação, o Picadeiro Real do Palácio de Belém, construída pelo arquitecto italiano Giacomo Azzolini, em 1726. Em 1905, foi transformada num museu pela rainha D. Amélia, esposa do rei D. Carlos, sob o nome de Museu dos Coches Reais que, após o golpe republicano, teve o seu nome alterado. É o museu mais visitado de Portugal. Feitos em Portugal, Itália, França, Áustria e Espanha, os coches abrangem três séculos e vão dos mais simples aos mais sofisticados. A galeria principal no estilo Luís XVI, é ocupada por duas filas de coches construídos 24
  25. 25. para a realeza portuguesa. A colecção começa pelo coche de viagem de Filipe I de Portugal, de madeira e couro vermelho, do século XVII. Os coches são forrados a veludo vermelho e ouro, com exteriores esculpidos e decorados com alegorias e as armas reais, trabalho denominado talha dourada. As filas terminam com três enormes coches barrocos feitos em Roma para o embaixador português no Vaticano, D. Rodrigo de Almeida e Menezes, marquês de Abrantes, em embaixada enviada ao papa Clemente XI a mando do rei D. João V. Estes coches de 5 toneladas têm interiores luxuosos e esculturas douradas em tamanho natural; durante muitos anos nenhum monarca europeu enviou embaixadas ao Vaticano por não conseguir igualar tamanha magnitude. Destacam-se ainda, entre outros, os Coches da Coroa, de D. João V e a Carruagem da Coroa, mandada executar por D. João VI, quando regressou do Brasil e que foi utilizado pelos dois últimos reis nas suas aclamações. A galeria seguinte tem outros exemplos de carruagens reais, incluindo cabriolés de duas rodas da Família Real. A caleche do século XVIII, com janelas que parecem olhos, foi fabricada durante a época de Pombal. A galeria superior exibe arneses, trajos da corte e retratos a óleo da família real. O último coche deste museu que foi utilizado foi a Carruagem da Coroa, aquando da visita de Isabel II de Inglaterra a Portugal, em 1957. Diogo Yaguas e Diogo Maia – 6ºG HISTÓRIA DE ÍLHAVO Apesar de muito se escrever sobre as suas origens, não se sabe ao certo a sua origem histórica, nem quando foi designado como Concelho. Sabemos, no entanto, que é um Concelho antigo, mencionado em documentos datados de 1095. Um documento histórico relevante que o reconhece é a Carta de Foral de D. Dinis, de 13 de Outubro de 1296. Outro documento que reafirma essa atribuição é também o Foral concedido por D. Manuel I, em 8 de Março de 1514 e que rege a vida concelhia nacional até à Lei de Mouzinho da Silveira, de 16 de Maio de 1832, que vai abolir os Forais. O Município de Ílhavo é um dos 19 Concelhos do Distrito de Aveiro, da Região Centro de Portugal. Com uma área de 76 Km2, este concelho tem as suas primeiras referências históricas há cerca 25
  26. 26. de nove séculos e meio. Foi do mar, que nasceu como colónia grega ou fenícia. Sendo um concelho de gente de terra e mar, Ílhavo tem o mar como realidade viva na geografia, na história e na cultura. No conjunto de beleza natural de, sol, mar e ria, encontra duas toalhas de água, presença da Bela Ria de Aveiro no Concelho de Ílhavo. Estes canais (o de Mira e de Ílhavo) utilizados para a prática de actividades náuticas e de pesca, reflectem uma beleza única e permitem di- ferentes utilizações do espaço natural . Durante o século XII inicia-se, em mares longínquos, a pesca do bacalhau, passando a converter- -se em um dos mais importantes pilares da riqueza dos ilhavenses. O desenvolvimento experimentado pela população leva a D.Manuel a conceder-lhe o Foral que acima já foi referido. O aproveitamento da terra através de uma agricultura intensiva e a fundação no ano de 1824 da fábrica de porcelanas Vista Alegre, produtora de uma das porcelanas mais prestigiosas do mundo fazem do século XIX uma época de grande prosperidade. No ano de 1836 eleva-se à categoria de concelho. Durante o século XX surge com força a construção naval e a indústria do frio. No final do século a pesca sofre uma crise e o desemprego dirige-se à indústria e às actividades relacionadas com o comércio marítimo. Hoje em dia o turismo é uma das suas principais fontes de riqueza, graças às suas magníficas praias e os seus famosos museus. Diogo Sousa, Gonçalo Valente e Rita Ferreira - 5º G O BARCO MOLICEIRO O barco moliceiro destinou-se, na sua origem à apanha e transporte do moliço, nos braços da ria de Aveiro. Os barcos moliceiros são baixos para facilitar o carregamento do moliço(vegetação existente na ria). O seu comprimento total é de cerca de 50 metros, de costados muito baixos, medindo a frente 2,5 metros. Com uma proa e uma ré muito elegantes, têm normalmente pinturas que ridicularizam o dia a dia. Navega facilmente em pouca altura de água. É construído de madeira de pinheiro e resiste, em média doze anos ao serviço. O castelo da proa é coberto e fechado com porta e chave. A apanha dos moliços foi primitivamente realizada pelos agricultores que, mais tarde inventaram a profissão de moliceiro. O moliço é utilizado como fertilizante na transformação dos terrenos arenosos e improdutivos em excelentes terrenos agrícolas. O barco moliceiro está em vias de desaparecer .Hoje é praticamente usado na ria de Aveiro para fins turísticos. Alunos do Clube do Património 26
  27. 27. PADRE ANTÓNIO VIEIRA 402 ANOS SOBRE O SEU NASCIMENTO Nasceu a 6 de Fevereiro de 1608, em Lisboa, e faleceu na Baía a 18 de Julho de 1697. Foi um dos maiores escritores da língua portuguesa e, também, um dos mais inspirados e completos oradores da história da Europa. Aos seis anos vai para o Brasil com os pais e fixa-se na Baía onde fez os primeiros estudos no Colégio dos Jesuítas em Salvador, onde, principiando com dificuldades, veio a tornar-se um aluno brilhante. Por volta dos catorze anos, começa a ser notado: escreve bem o português e domina com facilidade o latim. Em 1623 inicia o noviciado na Companhia de Jesus. Ordena-se sacerdote em 1635 e exerce funções de pregador nas aldeias baianas. Em 1641, restaurada a independência, regressa a Portugal e cativa o favor de D. João IV, sendo por ele nomeado pregador régio.Inicia uma carreira diplomática sobressaindo pela vivacidade de espírito e como orador. Em Portugal havia quem não gostasse de suas pregações em favor dos judeus. Após tempos conturbados acabou voltando ao Brasil, de 1652 a 1661, foi missionário no Maranhão e no Grão-Pará, sempre defendendo a liberdade dos índios. Em 1654, pouco depois de proferir o célebre "Sermão de Santo António aos Peixes" em São Luís, no Estado do Maranhão, o padre António Vieira partiu para Lisboa, junto com dois companheiros, a bordo de um navio da Companhia de Comércio, carregado de açúcar. Tinha como missão defender junto do monarca os direitos dos indígenas escravizados, contra a cobiça dos colonos portugueses. É expulso do Maranhão pelos colonos, em 1661, e regressa a Lisboa. Em 1665 é preso em Coimbra pelo Tribunal do Santo Ofício sob a acusação de acreditar nas profecias do poeta Bandarra. Três anos depois é amnistiado e retoma as pregações em Lisboa. Em 1669 parte para Roma e obtém grande sucesso como pregador, combatendo o Tribunal do Santo Ofício. Regressa a Portugal em 1675; mas, agora sem apoios políticos e desiludido pela perseguição aos cristãos-novos (que tanto defendera), retira-se de vez para a Baía em 1681 onde se entrega ao trabalho de compor e editar os seus Sermões. Deixou uma obra complexa que exprime as suas opiniões políticas. Além dos Sermões redigiu o "Clavis Prophetarum", livro de profecias que nunca concluiu. Entre os inúmeros sermões, referiremos alguns dos mais célebres: o "Sermão da Quinta Dominga da Quaresma", o "Sermão da Sexagésima", o "Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal Contra as de Holanda", o "Sermão do Bom Ladrão", e o "Sermão de Santo António aos Peixes" entre outros. Os seus sermões eram inflamados, belos, magistrais. 27
  28. 28. Propriedade: EB 2/3 Sá Couto 4500 Espinho Professores coordenadores/dinamizadores: Augusta Barbosa e Carminda Batista Colaboração directa: Departamento de Ciências Sociais e Humanas Composição e Processamento de Texto: Professoras Augusta Barbosa e Carminda Batista Offset: Sr. Hugo Castro Tiragem deste número:700 ex. 28

×