SlideShare uma empresa Scribd logo
UFCD - 7851-
Gestão e
Aprovisionamento
de Stocks
Formador: Carlos Batista
Formanda: Rute Pancha
Mediadora: Sónia Carvalheiro
Coordenadora: Ana Barreto
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Perspetiva Histórica da
Gestão de Stocks
Introdução:
 A gestão de produção ( o processo através do qual se criam
mercadorias e serviços que se encontram em fabricas,
escritórios hospitais e supermercados.) ou de operações,
existiu como função desde que o homem se organizou para
caçar ou recolher comida, variou , consideravelmente , e os
processos desenvolveram-se num rumo de evolução não
linear. Naturalmente , os egípcios devem ter possuído uma
capacidade de coordenação bastante desenvolvida para
construírem as pirâmides, os chineses para construírem a
grande muralha , os romanos para construírem os
aquedutos, os incas para construírem os seus templos, etc.
 A maioria das civilizações teve a sua “ idade dourada” de
obras magistrais nas quais os gestores primitivos de
projetos tiveram que defrontar questões de gestão de
operações tais com planeamento de tarefas, controlo de
produção, manipulação de materiais e controlo de stocks.
Perante a realização destes grandes projetos testaram ,
sem duvidas , as suas capacidades e tecnologias desses
povos da mesma forma que o programa especial lunar
desafia os responsáveis atuais.
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS 8/9/2023
 Um sistema produtivo é concebido para produzir um
produto que se originou numa ideia. Antes de esta ideia
se poder tornar a base do sistema produtivo ou
frutificar , sob a forma vendável é sujeita a uma análise
cuidada numa das decisões empresariais mais difíceis.
Tendo sempre em conta o cuidado da imagem na
escolha do produto que implica a recolha sistemática de
um numero de ideias e a escolha daquelas que, quando
traduzidas num produto tangível , satisfarão os
objetivos da empresa. Esta problemática implica o
exame da decisão do produto dentro duma perspetiva
da organização e dos objetivos dos vários subsistemas
bem como a análise das atividades, objetivos e
organização da função de produção. Algumas
atividades básicas são necessárias em todas as
organizações económicas, quer sejam grandes capitais ,
PME, ou micro empresas, incluem no mínimo , as
funções de produção, financeira, comercial e de direção
geral. Nas pequenas empresas todas estas atividades
podem ser realizadas por uma ou várias pessoas, nas
grandes empresas, estão organizadas como divisões ou
departamentos e são dirigidas por um individuo que
geralmente é responsável diretamente perante o
administrador executivo.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
 Cada função especializada ou subsistema cabe na empresa o seu
gerenciamento de forma a enquadrar melhor todos os seus objetivos e
prosseguir na finalidade todas a suas especificidades entre elas temos a
gestão de stocks, que foi solicitado pelo formador na atividade que se ira
demonstrar, seguindo os tópicos facultado pelo mesmo.
 Noção e Classificação de Stocks.Desenvolvimento:
 Os bens adquiridos pela empresa em geral são, encaminhados para os
armazéns da empresa, vulgo equipamento e produtos , onde ficam
depositados até serem utilizados ou escoados nas vendas a efetuar
futuramente ou oportunamente consoante a sua fiabilidade momentânea
usável e utilitária para os fins benéficos da empresa, quer pelos seus clientes
fieis depositários da sua credibilidade e confiança agregada que
necessariamente terá de ser bastante considerável a sua sustentabilidade e
vida da empresa. Sendo o conjunto destes bens que é considerado stock.
Resumidamente será toda a matéria, produto ou mercadoria ,como já
mencionado posteriormente, que se encontra em armazém á aguardar
escoamento pelas suas necessidades de clientelas agregadas aos seus
serviços e utilidade, e que permite assegurar os rácios de capital da empresa
,não a deixando em risco de insolvência ou com ativos tóxicos que podem
levar a sua solvabilidade financeira. São elementos patrimoniais
classificados e valorizados em existências.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Classificação de Stocks:
 Tipos de stock de acordo com a sua função:
Numa empresa grande capital , industrial
poderemos classificar os stocks de acordo
com as necessidades da clientela, e o seu
processo produtivo:
 Matérias primas – Matérias utlizadas na
fabricação por componentes de produtos
acabados. Exemplo –Caixilhos em alumínio
para varandas, marquises e janelas
calafetadas;
 Componentes – matérias ou partes
elementares que já não sofrem qualquer
transformação na empresa e se destinam a
ser incorporados nos produtos acabados.
 Exemplo: jantes de pneus de viaturas aéreas
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
 Produção “curso” – Produtos que se encontram
em certa fase ou operações intermédias do
processo de transformação;
 Exemplo: Chassis em fase de tratamento de
superfície ou em movimentação na linha de
produção.
 Semiacabados – Subconjuntos ou partes de
produtos que já sofreram operações de
transformação e que aguardam a montagem (do
produto acabado).
 Exemplo: jantes para pneus destinados a linha de
montagem .
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Produtos acabados – Bens resultantes do processo produtivo destinados a serem vendidos a cliente(s).
Exemplo: pneus destinados ao mercado de reposição ou a linhas de montagem de viaturas aéreas;
Subprodutos – produtos resultantes do processo de transformação , mas que não são incorporados no produto
acabado;
Exemplo: Crómio hexavalente recuperado de um banho de galvanização
Materiais subsidiários - Materiais necessários à produção, mas que não são incorporados nos produtos acabados;
Exemplo: Óleos de corte e de lubrificação de equipamento fabril.
Materiais de embalagem – Materiais necessários ao acondicionamento, agrupamento e transporte de produtos e
componentes.
Exemplo: Paletes para transporte (embalagem terciária) de 50 caixas de cartão canelado (embalagem secundária) para
contenção e agrupamento de 20 unidades de venda (embalagem primária)
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS 8/9/2023
Numa empresa industrial ( matérias-primas; matérias subsidiarias; produtos em curso;
produtos acabados, peças sobresselentes; combustíveis; embalagens) a classificação
difere dos vários tipos de matérias , sendo de extrema importância na medida em que se
encontra associada a natureza da procura.
Exemplo: os stocks de produtos acabados são direcionados a um leque vasto de clientela,
tendo os resultados apurados na soma dos proveitos das variadas encomendas por
períodos Ex faseados enquadrados com o grau de utilização, resultar num dado histórico
para futuras avaliações de estatísticas de investimento na produtividade, permitindo
estabelecer as épocas de maior ou menor procura baseadas na informação adquirida que
veremos seguidamente.
Classificação de produtos ,” podem ser tangíveis” (materiais) ou
“bens intangíveis”(serviços), em
Stocks consoante o grau de utilização:
 Stocks Sazonais ou cíclicos;
 Quando a procura apresenta diferentes tipos, consoante a
fase do ciclo de vida do produto e a incidência que a afeta
diretamente, necessidades momentâneas das necessidades
do cliente. Quando o produto tem maior venda em
determinados meses do ano, sendo vendas cíclicas
mantendo-se ocasionais e diminutas fora da época alta. (
passagens de avião , diferem consoante a época do ano)
(stocks nulos)
 Venda de chapéus de chuva aumentam no inverno e os fatos
de bano no verão, as flores no dia dos namorados e todas as
vendas aumentam na quadra natalícia;(stocks variáveis e
por vezes grande fluxo)
 Qualquer destes pode ser utilizado resultante da aplicação
de um fator de correção a uma procura bem caraterizada,
transformando-a em procura pretendida , aos custos de
armazenamento, e níveis de encargos de produção.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Stocks de Antecipação
 Este tipo de stock forma-se quando há
oscilações previsíveis da procura,
entrega ou produção de um artigo.
Quando a produtividade do artigo se
prolonga por vários meses , no termo
dum produto acabado por outro
semiacabado, sendo imprescindível
manter os stocks por antecipação de
forma a prevenir carências de material
ao credor ,fornecedor, cliente final,
efetuando encomendas com grandes
meses de antecedência. Greves,
encerramento para férias ou
deficiências na capacidade produtiva.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Stocks de Segurança;
 É aquele destinado a evitar as ruturas de
material, provenientes de :
 Eventuais excessos de consumo em relação ao
previsto;
 Aumentos de prazos de entrega em relação aos
que tinham sido acordados;
 Rejeições de material na sua receção;
 Falta de material por deterioração, roubos, etc;
 É o inventário extra que existe no armazém para
lidar com imprevistos relacionados às alterações
na procura ou atrasos dos fornecedores.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Stocks deTransito;
 Refere-se a todas as mercadorias que
continuam estando presentes no
processo de produção ou
comercialização: em processo de
entrega, em processo de embalagem, em
processo de fabricação, etc
 São os produtos que estão em vias de
entrega. Basicamente, é o tempo em que
as mercadorias permanecem nos veículos
de transporte, como camiões, navios ou
avião. Aquando existem greves nas
alfandegas ou nas fronteiras
transfronteiriças de estado nação para
outro estado nação.
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS 8/9/2023
Stock de Alerta
Aquando assume o nível de emergência perto da
rutura de produtos em stock.
É na realidade um indicador que avisa quando é
necessário repor a mercadoria.
Deverá determinar sempre a capacidade de stock,
que deve ser imperativamente superior ao do stock
de segurança, uma vez que sua finalidade é
diferente.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Stock Especulativo
 Caracteriza-se na aquisição do produto
em quantidades superiores às realmente
necessárias para
aproveitar descontos ou preços mais
baixos em relação aos preços aplicados
habitualmente.
 Também pode ser necessário criar esse tipo
de stock se os fornecedores estiverem com
intenção de subir os preços de determinados
produtos.
 Exemplo: Petróleo, Gaz natural, etc, oscilando
constantemente as flutuações de mercado
nos encargos deflacionários na aquisição da
matéria –prima.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Stock Inativo
Nesta categoria são contabilizadas
todas as
referências obsoletas imobilizadas,
que já não podem ser vendidas nem
integradas nos pedidos dos clientes
(alteração de pacotes, novas
normas, etc.).
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Tipos de stock de acordo
com a data de validade
Stock Perecível
Neste tipo de armazenamento em stock
deparamo-nos com todos os produtos e
mercadorias que entram em corrosão e sofrem
deteoramento com o passar do tempo, semanas,
meses ou anos.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Stock Não
Perecível
Neste contexto de armazenamento
os produtos dentro da sua validade
não expiram, o tempo praticamente
não tem impacto na atuação de
determinadas matérias .
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Stock com data
de validade
Todos produtos armazenados em
stock com expiração não poderão
voltar ao mercado consumista.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Tipos de stock de acordo com a organização das operações
 O conflito potencial entre varias areas funcionais é evidente. Os
departamentos comerciais tendem a ser inovadores e agressivos.
Isto conduz a uma maior predisposição da sua parte para assumir
maiores riscos no mercado do que da parte dos gestores dos
departamentos financeiros, que tendem a ser mais conservadores,
preferindo aumentar as vendas, confiar nos produtos
resentemente bem sucedidos. A defesa do gestor commercial de
linhas de produtos mais amplas, profundas e múltiplas pode ser
frustante para o gestor de produção, que tem a rewsponsabilidade
de minimizer as despesas em pessoal e em investimentos. Os
produtos múltiplos e especiais aumentam os custos de mão-de-
obra e de equipamento e as mudanças frequentes das linhas de
produtos pode dificultar o aproveitamento intensive de
equipamento dispendioso. A tarefa da administração consiste em
equilibrar esses interesses opostos por forma atingir os objectivos
da empresa.
 Estes que forneça uma linha orientadora para a escolha do
produto, por vezes complicam o processo de decisão. Quando
estes objectivos são interceptados de forma restrita, podem entrar
em conflito no que respeita a avaliação de um certo produto.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
 Sendo a questão principal relacionar a escolha do produto com o conhecimento da empresa de qual o
negócio a que se dedica.
 Isto é, um fabricante de computadores dedica-se a venda de instrumentos eletrónicos, de programas
de computador, ou de sistemas de análise de dados? Um certo hospital dedica-se a fornecer amplos
cuidados médicos para grandes massas ou a fornecer equipamento e aptidões para a resolução de
problemas médicos desde o transplante de órgãos a doenças raras?
 Perante esta observação , a implicação de produzir um novo produto, depende de fatores como:
 A natureza da tarefa principal da empresa, e seguidamente a sua competência diferencial.Tarefa esta
para que a empresa viva e prospere no mercado capitais acionista. Sendo de bastante relevância uma
boa gestão de stocks no seu gerenciamento de ativos e passivos como resultados de boas ou mas
vendas no âmbito de aproveitar todas as demandas da procura por parte de todo leque vasto de
clientela.A tarefa principal é essencialmente uma função do meio da empresa, entendendo-se
genericamente como meio da empresa o mercado e o enquadramento cultural da organização.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Stock Adequado
Trata-se de encontrar o justo equilíbrio que cada empresa tenta alcançar. Permite obter a máxima
rentabilidade ao minimizar a totalidade dos custos de manutenção. Neste tipo é possívelatender
favoravelmente à demanda e ao consumo de materiais da empresa e dos clientes durante o período
época baixa.
O stock adequado permite evitar situações como a rutura de stock ou o excesso de armazenamento.
Calculado para que se disponha da quantidade exata dos produtos necessários.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Stock Físico
Contabiliza todas as referências
disponíveis no armazém.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Stock Líquido
Stock físico sem incluir os pedidos
dos clientes que ainda não foram
processados.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Stock disponível
É a soma do stock líquido e dos
pedidos enviados pelos
fornecedores que ainda não
entraram em cash.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Stock Mínimo
É a quantidade mínima de stock
que sempre devemos ter no
armazém. Se chegarmos ao stock
mínimo, deveremos repor a
mercadoria.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
Stock máximo
Representa a quantidade máxima
de stock que não deve ser
ultrapassada. É necessário
determinar o limite em função das
necessidades da empresa e para
cada um dos produtos
armazenados.
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
 No estudo de gestão de stocks , a procura é conceptualizada como uma variável aleatória que segue
determinada distribuição estatística, permitindo assim a utilização e especificação de modelos de previsão para
prever o seu valor futuro.
 O objetivo do gestor de stocks, é minimizar o impacto negativo da componente aleatória da procura
observada, aproximando esta da procura real, isto é , reduzir ao máximo o erro de previsão, as fluências de
mercado especulativo, precavendo-se das ruturas de produto, na utilidade aos fornecedores, credores e
clientela na sua generalidade , afim de não correr riscos tóxicos com passivos acumulados do escoamento de
produtos em stocks excessivos causando prejuízo a empresa e a sua insolvência de capital ,por vendas não
conseguidas.
 Assim a lição a recolher é que a menos que a empresa tenha aptidões produtivas para fabricar o produto mais
eficientemente á medida que o mercado cresce (ou tenha a protecção da patente suficiente para atuar como
barreiras à entrada) deveremos pensar duas vezes antes de adotar essa “ideia brilhante”
 Confiança na oferta. Um produto pode ser eminentemente ajustado aos equipamentos e conhecimentos de
produção existentes, mas algumas das suas partes componentes poderão ser obtidas apenas de um
fornecedor, e os gestores deverão avaliar cuidadosamente a confiança do fornecedor relativamente á sua
capacidade para satisfazer os prazos de entrega e as especificações de qualidade ao mais baixo custo e na mais
alta performance.
Conclusão:
8/9/2023
UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teste sobre exponenciais e logaritmos resolvido- 12.º Ano - Fev2020
Teste sobre exponenciais e logaritmos resolvido- 12.º Ano - Fev2020Teste sobre exponenciais e logaritmos resolvido- 12.º Ano - Fev2020
Teste sobre exponenciais e logaritmos resolvido- 12.º Ano - Fev2020
Maths Tutoring
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
Carla Freitas
 
Aula 1 Economia e Mercado Global
Aula 1 Economia e Mercado GlobalAula 1 Economia e Mercado Global
Aula 1 Economia e Mercado Global
Luciano Cavalcante
 
5 01 a revolucao americana
5 01 a revolucao americana5 01 a revolucao americana
5 01 a revolucao americana
Vítor Santos
 
Hegemonia britânica.
Hegemonia britânica.Hegemonia britânica.
Hegemonia britânica.
barbarafixe
 
O triunfo das revoluções liberais
O triunfo das revoluções liberaisO triunfo das revoluções liberais
O triunfo das revoluções liberais
Carlos Pinheiro
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
Carlos Vieira
 
4- Números Reais_parte1.pptx
4- Números Reais_parte1.pptx4- Números Reais_parte1.pptx
4- Números Reais_parte1.pptx
Francisco Márcio Bezerra Oliveira
 
Dízimas finitas e infinitas periódicas
Dízimas finitas e infinitas periódicasDízimas finitas e infinitas periódicas
Dízimas finitas e infinitas periódicas
Andreia Horta
 
Equações e Formulas da Física.
Equações e Formulas da Física.Equações e Formulas da Física.
Equações e Formulas da Física.
varzeano07
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
Susana Simões
 
Política econ. pombalina
Política econ. pombalinaPolítica econ. pombalina
Política econ. pombalina
EconomicSintese
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 
Equações do 2.º grau
Equações do 2.º grauEquações do 2.º grau
Equações do 2.º graualdaalves
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 
agenda professor
agenda professoragenda professor
agenda professor
v v
 
Resolver inequações lineares na forma geométrica ou na recta graduada
Resolver inequações lineares na forma geométrica ou na recta graduadaResolver inequações lineares na forma geométrica ou na recta graduada
Resolver inequações lineares na forma geométrica ou na recta graduada
Jeremias Manhica
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
Susana Simões
 

Mais procurados (20)

Teste sobre exponenciais e logaritmos resolvido- 12.º Ano - Fev2020
Teste sobre exponenciais e logaritmos resolvido- 12.º Ano - Fev2020Teste sobre exponenciais e logaritmos resolvido- 12.º Ano - Fev2020
Teste sobre exponenciais e logaritmos resolvido- 12.º Ano - Fev2020
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
 
Aula 1 Economia e Mercado Global
Aula 1 Economia e Mercado GlobalAula 1 Economia e Mercado Global
Aula 1 Economia e Mercado Global
 
5 01 a revolucao americana
5 01 a revolucao americana5 01 a revolucao americana
5 01 a revolucao americana
 
Hegemonia britânica.
Hegemonia britânica.Hegemonia britânica.
Hegemonia britânica.
 
O triunfo das revoluções liberais
O triunfo das revoluções liberaisO triunfo das revoluções liberais
O triunfo das revoluções liberais
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
 
4- Números Reais_parte1.pptx
4- Números Reais_parte1.pptx4- Números Reais_parte1.pptx
4- Números Reais_parte1.pptx
 
Dízimas finitas e infinitas periódicas
Dízimas finitas e infinitas periódicasDízimas finitas e infinitas periódicas
Dízimas finitas e infinitas periódicas
 
Equações e Formulas da Física.
Equações e Formulas da Física.Equações e Formulas da Física.
Equações e Formulas da Física.
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Política econ. pombalina
Política econ. pombalinaPolítica econ. pombalina
Política econ. pombalina
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
Equações do 2.º grau
Equações do 2.º grauEquações do 2.º grau
Equações do 2.º grau
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
agenda professor
agenda professoragenda professor
agenda professor
 
Resolver inequações lineares na forma geométrica ou na recta graduada
Resolver inequações lineares na forma geométrica ou na recta graduadaResolver inequações lineares na forma geométrica ou na recta graduada
Resolver inequações lineares na forma geométrica ou na recta graduada
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
 

Semelhante a UFCD 7851 - Classificação de Stocks 1.pptx

Gestao de stocks
Gestao de stocksGestao de stocks
Gestao de stocks
warier96
 
Logística Aula 4
Logística Aula 4Logística Aula 4
Logística Aula 4
robsonnasc
 
Logística de produção
Logística de produçãoLogística de produção
Logística de produção
Sandro Souza
 
Sistemas de Informação - Faveni - Prof. Evaldo Wolkers - Aula 5
Sistemas de Informação - Faveni - Prof. Evaldo Wolkers - Aula 5Sistemas de Informação - Faveni - Prof. Evaldo Wolkers - Aula 5
Sistemas de Informação - Faveni - Prof. Evaldo Wolkers - Aula 5
Evaldo Wolkers
 
Logística Aula 7
Logística Aula 7Logística Aula 7
Logística Aula 7
robsonnasc
 
Gerenciando seu empreendimento e7
Gerenciando seu empreendimento   e7Gerenciando seu empreendimento   e7
Gerenciando seu empreendimento e7
silviofsouza
 
Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
RitasAlmeidaMartins
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4º
João Barata
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4º
João Barata
 
Gestão de stocks
Gestão de stocks Gestão de stocks
Gestão de stocks
Bruno Andrade
 
2º trabalho jorge madeira
2º trabalho  jorge  madeira2º trabalho  jorge  madeira
2º trabalho jorge madeira
warier96
 
Noções de administração de material
Noções de administração de materialNoções de administração de material
Noções de administração de material
John Paul John Paul
 
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUEESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
Kamilla Lima
 
Conceitos 1
Conceitos   1Conceitos   1
Conceitos 1
Hortênsia Morais
 
Gestão da Produção
Gestão da ProduçãoGestão da Produção
Gestão da Produção
zbam
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
Adilson Paradella
 
Planejamento de Estoque
Planejamento de EstoquePlanejamento de Estoque
Planejamento de Estoque
Nyedson Barbosa
 
Curso Fundamentos de Logística
Curso Fundamentos de LogísticaCurso Fundamentos de Logística
Curso Fundamentos de Logística
Grade TI
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
Ricardo Pinheiro
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
Ricardo Pinheiro
 

Semelhante a UFCD 7851 - Classificação de Stocks 1.pptx (20)

Gestao de stocks
Gestao de stocksGestao de stocks
Gestao de stocks
 
Logística Aula 4
Logística Aula 4Logística Aula 4
Logística Aula 4
 
Logística de produção
Logística de produçãoLogística de produção
Logística de produção
 
Sistemas de Informação - Faveni - Prof. Evaldo Wolkers - Aula 5
Sistemas de Informação - Faveni - Prof. Evaldo Wolkers - Aula 5Sistemas de Informação - Faveni - Prof. Evaldo Wolkers - Aula 5
Sistemas de Informação - Faveni - Prof. Evaldo Wolkers - Aula 5
 
Logística Aula 7
Logística Aula 7Logística Aula 7
Logística Aula 7
 
Gerenciando seu empreendimento e7
Gerenciando seu empreendimento   e7Gerenciando seu empreendimento   e7
Gerenciando seu empreendimento e7
 
Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4º
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4º
 
Gestão de stocks
Gestão de stocks Gestão de stocks
Gestão de stocks
 
2º trabalho jorge madeira
2º trabalho  jorge  madeira2º trabalho  jorge  madeira
2º trabalho jorge madeira
 
Noções de administração de material
Noções de administração de materialNoções de administração de material
Noções de administração de material
 
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUEESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
 
Conceitos 1
Conceitos   1Conceitos   1
Conceitos 1
 
Gestão da Produção
Gestão da ProduçãoGestão da Produção
Gestão da Produção
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
 
Planejamento de Estoque
Planejamento de EstoquePlanejamento de Estoque
Planejamento de Estoque
 
Curso Fundamentos de Logística
Curso Fundamentos de LogísticaCurso Fundamentos de Logística
Curso Fundamentos de Logística
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
 

Mais de Nome Sobrenome

UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA 2
UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA  2UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA  2
UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA 2
Nome Sobrenome
 
UFCD 366 Plano de Marketing.docx
UFCD 366 Plano de Marketing.docxUFCD 366 Plano de Marketing.docx
UFCD 366 Plano de Marketing.docx
Nome Sobrenome
 
UFCD-366- plano marketing.ppt
UFCD-366- plano marketing.pptUFCD-366- plano marketing.ppt
UFCD-366- plano marketing.ppt
Nome Sobrenome
 
UFCD 576 - IRC- .pptx
UFCD 576 - IRC- .pptxUFCD 576 - IRC- .pptx
UFCD 576 - IRC- .pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptx
UFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptxUFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptx
UFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD 366 - ACT. 1 .docx
UFCD 366 - ACT. 1 .docxUFCD 366 - ACT. 1 .docx
UFCD 366 - ACT. 1 .docx
Nome Sobrenome
 
UFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptx
UFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptxUFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptx
UFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptx
UFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptxUFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptx
UFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptx
UFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptxUFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptx
UFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptx
UFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptxUFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptx
UFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD _6217_ .pptx
UFCD _6217_ .pptxUFCD _6217_ .pptx
UFCD _6217_ .pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptx
UFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptxUFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptx
UFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD 6217 - Gastos Rendimentos e Resultados.pptx
UFCD 6217 - Gastos   Rendimentos e Resultados.pptxUFCD 6217 - Gastos   Rendimentos e Resultados.pptx
UFCD 6217 - Gastos Rendimentos e Resultados.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptx
UFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptxUFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptx
UFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptx
Nome Sobrenome
 
ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...
ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...
ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...
Nome Sobrenome
 
UFCD-8518-Inventario.pptx
UFCD-8518-Inventario.pptxUFCD-8518-Inventario.pptx
UFCD-8518-Inventario.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptx
UFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptxUFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptx
UFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptx
UFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptxUFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptx
UFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptx
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptxUFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptx
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 3ª parte- -
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 3ª parte- -UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 3ª parte- -
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 3ª parte- -
Nome Sobrenome
 

Mais de Nome Sobrenome (20)

UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA 2
UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA  2UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA  2
UFCD - 6578 CUIDADOS DE SAUDE MATERNA 2
 
UFCD 366 Plano de Marketing.docx
UFCD 366 Plano de Marketing.docxUFCD 366 Plano de Marketing.docx
UFCD 366 Plano de Marketing.docx
 
UFCD-366- plano marketing.ppt
UFCD-366- plano marketing.pptUFCD-366- plano marketing.ppt
UFCD-366- plano marketing.ppt
 
UFCD 576 - IRC- .pptx
UFCD 576 - IRC- .pptxUFCD 576 - IRC- .pptx
UFCD 576 - IRC- .pptx
 
UFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptx
UFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptxUFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptx
UFCD - 605 -FLUXOS GESTÃO FINANCEIRA 3ª Parte.pptx
 
UFCD 366 - ACT. 1 .docx
UFCD 366 - ACT. 1 .docxUFCD 366 - ACT. 1 .docx
UFCD 366 - ACT. 1 .docx
 
UFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptx
UFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptxUFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptx
UFCD - 605- GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS 2ª PARTE.pptx
 
UFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptx
UFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptxUFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptx
UFCD -605 -GESTÃO FLUXOS FINANCEIROS.pptx
 
UFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptx
UFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptxUFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptx
UFCD 7851 ARRUMAÇÃO de mercadorias EM ARMAZÉM.pptx
 
UFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptx
UFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptxUFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptx
UFCD 6214 - sistema_de_normalizao_contabilstica.pptx
 
UFCD _6217_ .pptx
UFCD _6217_ .pptxUFCD _6217_ .pptx
UFCD _6217_ .pptx
 
UFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptx
UFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptxUFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptx
UFCD- 10746- situações endêmicas pandêmicas -virus marburg.pptx
 
UFCD 6217 - Gastos Rendimentos e Resultados.pptx
UFCD 6217 - Gastos   Rendimentos e Resultados.pptxUFCD 6217 - Gastos   Rendimentos e Resultados.pptx
UFCD 6217 - Gastos Rendimentos e Resultados.pptx
 
UFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptx
UFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptxUFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptx
UFCD - 6223- Direito Aplicado as Empresas.pptx
 
ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...
ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...
ufcd 607 - Instituições bancarias e titulos de credito , movimentaçao_das_con...
 
UFCD-8518-Inventario.pptx
UFCD-8518-Inventario.pptxUFCD-8518-Inventario.pptx
UFCD-8518-Inventario.pptx
 
UFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptx
UFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptxUFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptx
UFCD - 7851- Aprovisionamento .Gestão de Stocks.pptx
 
UFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptx
UFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptxUFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptx
UFCD - 621 - Planeamento e controlo de produção- 5ª parte-2.pptx
 
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptx
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptxUFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptx
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 4ª parte- 1.pptx
 
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 3ª parte- -
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 3ª parte- -UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 3ª parte- -
UFCD - 621- Planeamento e controlo de produção- 3ª parte- -
 

UFCD 7851 - Classificação de Stocks 1.pptx

  • 1. UFCD - 7851- Gestão e Aprovisionamento de Stocks Formador: Carlos Batista Formanda: Rute Pancha Mediadora: Sónia Carvalheiro Coordenadora: Ana Barreto 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 2. Perspetiva Histórica da Gestão de Stocks Introdução:  A gestão de produção ( o processo através do qual se criam mercadorias e serviços que se encontram em fabricas, escritórios hospitais e supermercados.) ou de operações, existiu como função desde que o homem se organizou para caçar ou recolher comida, variou , consideravelmente , e os processos desenvolveram-se num rumo de evolução não linear. Naturalmente , os egípcios devem ter possuído uma capacidade de coordenação bastante desenvolvida para construírem as pirâmides, os chineses para construírem a grande muralha , os romanos para construírem os aquedutos, os incas para construírem os seus templos, etc.  A maioria das civilizações teve a sua “ idade dourada” de obras magistrais nas quais os gestores primitivos de projetos tiveram que defrontar questões de gestão de operações tais com planeamento de tarefas, controlo de produção, manipulação de materiais e controlo de stocks. Perante a realização destes grandes projetos testaram , sem duvidas , as suas capacidades e tecnologias desses povos da mesma forma que o programa especial lunar desafia os responsáveis atuais. UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS 8/9/2023
  • 3.  Um sistema produtivo é concebido para produzir um produto que se originou numa ideia. Antes de esta ideia se poder tornar a base do sistema produtivo ou frutificar , sob a forma vendável é sujeita a uma análise cuidada numa das decisões empresariais mais difíceis. Tendo sempre em conta o cuidado da imagem na escolha do produto que implica a recolha sistemática de um numero de ideias e a escolha daquelas que, quando traduzidas num produto tangível , satisfarão os objetivos da empresa. Esta problemática implica o exame da decisão do produto dentro duma perspetiva da organização e dos objetivos dos vários subsistemas bem como a análise das atividades, objetivos e organização da função de produção. Algumas atividades básicas são necessárias em todas as organizações económicas, quer sejam grandes capitais , PME, ou micro empresas, incluem no mínimo , as funções de produção, financeira, comercial e de direção geral. Nas pequenas empresas todas estas atividades podem ser realizadas por uma ou várias pessoas, nas grandes empresas, estão organizadas como divisões ou departamentos e são dirigidas por um individuo que geralmente é responsável diretamente perante o administrador executivo. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 4.  Cada função especializada ou subsistema cabe na empresa o seu gerenciamento de forma a enquadrar melhor todos os seus objetivos e prosseguir na finalidade todas a suas especificidades entre elas temos a gestão de stocks, que foi solicitado pelo formador na atividade que se ira demonstrar, seguindo os tópicos facultado pelo mesmo.  Noção e Classificação de Stocks.Desenvolvimento:  Os bens adquiridos pela empresa em geral são, encaminhados para os armazéns da empresa, vulgo equipamento e produtos , onde ficam depositados até serem utilizados ou escoados nas vendas a efetuar futuramente ou oportunamente consoante a sua fiabilidade momentânea usável e utilitária para os fins benéficos da empresa, quer pelos seus clientes fieis depositários da sua credibilidade e confiança agregada que necessariamente terá de ser bastante considerável a sua sustentabilidade e vida da empresa. Sendo o conjunto destes bens que é considerado stock. Resumidamente será toda a matéria, produto ou mercadoria ,como já mencionado posteriormente, que se encontra em armazém á aguardar escoamento pelas suas necessidades de clientelas agregadas aos seus serviços e utilidade, e que permite assegurar os rácios de capital da empresa ,não a deixando em risco de insolvência ou com ativos tóxicos que podem levar a sua solvabilidade financeira. São elementos patrimoniais classificados e valorizados em existências. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 5. Classificação de Stocks:  Tipos de stock de acordo com a sua função: Numa empresa grande capital , industrial poderemos classificar os stocks de acordo com as necessidades da clientela, e o seu processo produtivo:  Matérias primas – Matérias utlizadas na fabricação por componentes de produtos acabados. Exemplo –Caixilhos em alumínio para varandas, marquises e janelas calafetadas;  Componentes – matérias ou partes elementares que já não sofrem qualquer transformação na empresa e se destinam a ser incorporados nos produtos acabados.  Exemplo: jantes de pneus de viaturas aéreas 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 6.  Produção “curso” – Produtos que se encontram em certa fase ou operações intermédias do processo de transformação;  Exemplo: Chassis em fase de tratamento de superfície ou em movimentação na linha de produção.  Semiacabados – Subconjuntos ou partes de produtos que já sofreram operações de transformação e que aguardam a montagem (do produto acabado).  Exemplo: jantes para pneus destinados a linha de montagem . 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 7. Produtos acabados – Bens resultantes do processo produtivo destinados a serem vendidos a cliente(s). Exemplo: pneus destinados ao mercado de reposição ou a linhas de montagem de viaturas aéreas; Subprodutos – produtos resultantes do processo de transformação , mas que não são incorporados no produto acabado; Exemplo: Crómio hexavalente recuperado de um banho de galvanização Materiais subsidiários - Materiais necessários à produção, mas que não são incorporados nos produtos acabados; Exemplo: Óleos de corte e de lubrificação de equipamento fabril. Materiais de embalagem – Materiais necessários ao acondicionamento, agrupamento e transporte de produtos e componentes. Exemplo: Paletes para transporte (embalagem terciária) de 50 caixas de cartão canelado (embalagem secundária) para contenção e agrupamento de 20 unidades de venda (embalagem primária) 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 8. UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS 8/9/2023 Numa empresa industrial ( matérias-primas; matérias subsidiarias; produtos em curso; produtos acabados, peças sobresselentes; combustíveis; embalagens) a classificação difere dos vários tipos de matérias , sendo de extrema importância na medida em que se encontra associada a natureza da procura. Exemplo: os stocks de produtos acabados são direcionados a um leque vasto de clientela, tendo os resultados apurados na soma dos proveitos das variadas encomendas por períodos Ex faseados enquadrados com o grau de utilização, resultar num dado histórico para futuras avaliações de estatísticas de investimento na produtividade, permitindo estabelecer as épocas de maior ou menor procura baseadas na informação adquirida que veremos seguidamente.
  • 9. Classificação de produtos ,” podem ser tangíveis” (materiais) ou “bens intangíveis”(serviços), em Stocks consoante o grau de utilização:  Stocks Sazonais ou cíclicos;  Quando a procura apresenta diferentes tipos, consoante a fase do ciclo de vida do produto e a incidência que a afeta diretamente, necessidades momentâneas das necessidades do cliente. Quando o produto tem maior venda em determinados meses do ano, sendo vendas cíclicas mantendo-se ocasionais e diminutas fora da época alta. ( passagens de avião , diferem consoante a época do ano) (stocks nulos)  Venda de chapéus de chuva aumentam no inverno e os fatos de bano no verão, as flores no dia dos namorados e todas as vendas aumentam na quadra natalícia;(stocks variáveis e por vezes grande fluxo)  Qualquer destes pode ser utilizado resultante da aplicação de um fator de correção a uma procura bem caraterizada, transformando-a em procura pretendida , aos custos de armazenamento, e níveis de encargos de produção. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 10. Stocks de Antecipação  Este tipo de stock forma-se quando há oscilações previsíveis da procura, entrega ou produção de um artigo. Quando a produtividade do artigo se prolonga por vários meses , no termo dum produto acabado por outro semiacabado, sendo imprescindível manter os stocks por antecipação de forma a prevenir carências de material ao credor ,fornecedor, cliente final, efetuando encomendas com grandes meses de antecedência. Greves, encerramento para férias ou deficiências na capacidade produtiva. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 11. Stocks de Segurança;  É aquele destinado a evitar as ruturas de material, provenientes de :  Eventuais excessos de consumo em relação ao previsto;  Aumentos de prazos de entrega em relação aos que tinham sido acordados;  Rejeições de material na sua receção;  Falta de material por deterioração, roubos, etc;  É o inventário extra que existe no armazém para lidar com imprevistos relacionados às alterações na procura ou atrasos dos fornecedores. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 12. Stocks deTransito;  Refere-se a todas as mercadorias que continuam estando presentes no processo de produção ou comercialização: em processo de entrega, em processo de embalagem, em processo de fabricação, etc  São os produtos que estão em vias de entrega. Basicamente, é o tempo em que as mercadorias permanecem nos veículos de transporte, como camiões, navios ou avião. Aquando existem greves nas alfandegas ou nas fronteiras transfronteiriças de estado nação para outro estado nação. UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS 8/9/2023
  • 13. Stock de Alerta Aquando assume o nível de emergência perto da rutura de produtos em stock. É na realidade um indicador que avisa quando é necessário repor a mercadoria. Deverá determinar sempre a capacidade de stock, que deve ser imperativamente superior ao do stock de segurança, uma vez que sua finalidade é diferente. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 14. Stock Especulativo  Caracteriza-se na aquisição do produto em quantidades superiores às realmente necessárias para aproveitar descontos ou preços mais baixos em relação aos preços aplicados habitualmente.  Também pode ser necessário criar esse tipo de stock se os fornecedores estiverem com intenção de subir os preços de determinados produtos.  Exemplo: Petróleo, Gaz natural, etc, oscilando constantemente as flutuações de mercado nos encargos deflacionários na aquisição da matéria –prima. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 15. Stock Inativo Nesta categoria são contabilizadas todas as referências obsoletas imobilizadas, que já não podem ser vendidas nem integradas nos pedidos dos clientes (alteração de pacotes, novas normas, etc.). 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 16. Tipos de stock de acordo com a data de validade Stock Perecível Neste tipo de armazenamento em stock deparamo-nos com todos os produtos e mercadorias que entram em corrosão e sofrem deteoramento com o passar do tempo, semanas, meses ou anos. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 17. Stock Não Perecível Neste contexto de armazenamento os produtos dentro da sua validade não expiram, o tempo praticamente não tem impacto na atuação de determinadas matérias . 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 18. Stock com data de validade Todos produtos armazenados em stock com expiração não poderão voltar ao mercado consumista. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 19. Tipos de stock de acordo com a organização das operações  O conflito potencial entre varias areas funcionais é evidente. Os departamentos comerciais tendem a ser inovadores e agressivos. Isto conduz a uma maior predisposição da sua parte para assumir maiores riscos no mercado do que da parte dos gestores dos departamentos financeiros, que tendem a ser mais conservadores, preferindo aumentar as vendas, confiar nos produtos resentemente bem sucedidos. A defesa do gestor commercial de linhas de produtos mais amplas, profundas e múltiplas pode ser frustante para o gestor de produção, que tem a rewsponsabilidade de minimizer as despesas em pessoal e em investimentos. Os produtos múltiplos e especiais aumentam os custos de mão-de- obra e de equipamento e as mudanças frequentes das linhas de produtos pode dificultar o aproveitamento intensive de equipamento dispendioso. A tarefa da administração consiste em equilibrar esses interesses opostos por forma atingir os objectivos da empresa.  Estes que forneça uma linha orientadora para a escolha do produto, por vezes complicam o processo de decisão. Quando estes objectivos são interceptados de forma restrita, podem entrar em conflito no que respeita a avaliação de um certo produto. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 20.  Sendo a questão principal relacionar a escolha do produto com o conhecimento da empresa de qual o negócio a que se dedica.  Isto é, um fabricante de computadores dedica-se a venda de instrumentos eletrónicos, de programas de computador, ou de sistemas de análise de dados? Um certo hospital dedica-se a fornecer amplos cuidados médicos para grandes massas ou a fornecer equipamento e aptidões para a resolução de problemas médicos desde o transplante de órgãos a doenças raras?  Perante esta observação , a implicação de produzir um novo produto, depende de fatores como:  A natureza da tarefa principal da empresa, e seguidamente a sua competência diferencial.Tarefa esta para que a empresa viva e prospere no mercado capitais acionista. Sendo de bastante relevância uma boa gestão de stocks no seu gerenciamento de ativos e passivos como resultados de boas ou mas vendas no âmbito de aproveitar todas as demandas da procura por parte de todo leque vasto de clientela.A tarefa principal é essencialmente uma função do meio da empresa, entendendo-se genericamente como meio da empresa o mercado e o enquadramento cultural da organização. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 21. Stock Adequado Trata-se de encontrar o justo equilíbrio que cada empresa tenta alcançar. Permite obter a máxima rentabilidade ao minimizar a totalidade dos custos de manutenção. Neste tipo é possívelatender favoravelmente à demanda e ao consumo de materiais da empresa e dos clientes durante o período época baixa. O stock adequado permite evitar situações como a rutura de stock ou o excesso de armazenamento. Calculado para que se disponha da quantidade exata dos produtos necessários. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 22. Stock Físico Contabiliza todas as referências disponíveis no armazém. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 23. Stock Líquido Stock físico sem incluir os pedidos dos clientes que ainda não foram processados. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 24. Stock disponível É a soma do stock líquido e dos pedidos enviados pelos fornecedores que ainda não entraram em cash. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 25. Stock Mínimo É a quantidade mínima de stock que sempre devemos ter no armazém. Se chegarmos ao stock mínimo, deveremos repor a mercadoria. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 26. Stock máximo Representa a quantidade máxima de stock que não deve ser ultrapassada. É necessário determinar o limite em função das necessidades da empresa e para cada um dos produtos armazenados. 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS
  • 27.  No estudo de gestão de stocks , a procura é conceptualizada como uma variável aleatória que segue determinada distribuição estatística, permitindo assim a utilização e especificação de modelos de previsão para prever o seu valor futuro.  O objetivo do gestor de stocks, é minimizar o impacto negativo da componente aleatória da procura observada, aproximando esta da procura real, isto é , reduzir ao máximo o erro de previsão, as fluências de mercado especulativo, precavendo-se das ruturas de produto, na utilidade aos fornecedores, credores e clientela na sua generalidade , afim de não correr riscos tóxicos com passivos acumulados do escoamento de produtos em stocks excessivos causando prejuízo a empresa e a sua insolvência de capital ,por vendas não conseguidas.  Assim a lição a recolher é que a menos que a empresa tenha aptidões produtivas para fabricar o produto mais eficientemente á medida que o mercado cresce (ou tenha a protecção da patente suficiente para atuar como barreiras à entrada) deveremos pensar duas vezes antes de adotar essa “ideia brilhante”  Confiança na oferta. Um produto pode ser eminentemente ajustado aos equipamentos e conhecimentos de produção existentes, mas algumas das suas partes componentes poderão ser obtidas apenas de um fornecedor, e os gestores deverão avaliar cuidadosamente a confiança do fornecedor relativamente á sua capacidade para satisfazer os prazos de entrega e as especificações de qualidade ao mais baixo custo e na mais alta performance. Conclusão: 8/9/2023 UFCD - 7851 - APROVISIONAMETO E GESTÃO DE STOCKS

Notas do Editor

  1. Pode precisar de mais do que um diapositivo