SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
1
PREPARO DO COMPOSTO A PARTIR DO BAGAÇO DE CANA COM ESTERCO ANIMAL
Paulo Espíndola Trani (
1
)
Ronaldo S. Berton (
2
)
INTRODUÇÃO
“O adubo denominado composto é uma mistura de todos os resíduos, restos e mais
substâncias sem valor imediato, existentes ou produzidos na fazenda, reunidos e
preparados para fins de estrumação”. Essa definição é de Dafert, em 1893, o primeiro
Diretor do Instituto Agronômico de Campinas. Já naquela ocasião, em outros países, o uso
do composto proporcionava melhores produtividades, principalmente em solos "esgotados",
ou seja, de baixa fertilidade.
De modo geral, observa-se boas respostas das culturas à utilização de adubos
orgânicos como o esterco animal e tortas de oleaginosas. Esse material, porém, tem
disponibilidade limitada. A compostagem é uma maneira de multiplicar várias vezes o volume
dos adubos orgânicos chegando a um produto final com valor semelhante a tais adubos.
Descrevemos aqui o processo de compostagem a partir da utilização do bagaço de
cana com o esterco animal tendo em vista, principalmente, o aumento de disponibilidade do
bagaço de cana em diversas regiões do Estado de São Paulo e de outros Estados do
Brasil. Dentre os principais estercos animais destacam-se os de bovinos, equinos, galinha e
frango de corte e suínos. Além dos materiais citados, outros podem ser empregados tais
como a casca de café e resíduos vegetais de colheitas.
ESCOLHA DO LOCAL PARA COMPOSTAGEM
O preparo do composto orgânico em condições aeróbicas não causa odor. Porém, a
experiência demonstra que nem sempre a aeração do material durante a compostagem é
realizada satisfatoriamente, razão pela qual pode ocorrer exalação de mau cheiro.
Recomenda-se escolher um local distante de moradias, observando-se também a direção
dos ventos no local onde será instalado o galpão para preparo do composto orgânico.
Deverá ser construído um barracão aberto em suas laterais, com o comprimento
dependendo da quantidade de matéria-prima a ser tratada e com largura aproximada de 12
metros e altura aproximada de 5 metros. O piso deverá ser concretado e com desnível para
as laterais, a fim de escoar o excesso de umidade. A área ao redor do barracão deverá ser
de tamanho a comportar o trânsito de caminhões, carretas, além de área livre para
secagem de material com excesso de umidade. Recomenda-se deixar uma área coberta
próxima ao barracão para ensacamento do composto curado.
2
No caso de se realizar a compostagem a céu aberto, recomenda-se escolher locais
planos ou com leve declive, de 2 a 3% no máximo, procurando-se compactar o solo para
evitar o encharcamento da área pelas chuvas ou água de irrigação das camadas (pilhas).
Também é útil dispor-se de encerados de lona ou plásticos resistentes, para cobertura do
composto em épocas de chuvas intensas.
MATERIAL DE TRANSPORTE
Há necessidade de trator dotado de pá carregadeira para amontoar e revolver o
material em compostagem. São também necessários caminhões e caminhonetes para
transporte do material. Quando se utilizar quantidades limitadas de material para
compostagem é suficiente revirar os materiais a serem fermentados, com ferramentas
manuais como garfos (forcas), enxadas e pás.
Dependendo da espessura do material, poderá ser necessário picá-lo ou moê-lo, pois
quanto menos espesso o material, mais rápida é a decomposição e o processo de
compostagem ficará mais acelerado. O material deverá ter diâmetro máximo entre 2 e 4 cm.
PREPARO DO COMPOSTO
Construção da pilha
O material vindo da usina (bagaço) e dos estábulos ou granjas, deverá ser empilhado
um sobre o outro em camadas na forma de sanduíche, nas seguintes proporções: quatro
volumes de bagaço para 1 volume de esterco animal.
Faz-se a primeira camada sobre o piso com 40 cm de bagaço de cana. A seguir, adiciona-
se sobre o bagaço, uma camada de 10 cm de esterco. Novamente, adiciona-se 40 cm de
bagaço, e assim por diante, até atingir a altura de 1,50 m.
Acima dessa pilha, para acelerar a compostagem e enriquecer o adubo orgânico, deve-se
aplicar uma camada de 2 a 3 cm de fosfato natural em pó ou superfosfato simples em pó.
A largura da pilha não deverá ser superior a 3 metros. Ver esquema da pilha na figura 1.
3
Figura 1. Planta de galpão para preparo do composto orgânico. O comprimento do galpão
dependerá da quantidade do material disponível a ser compostado.
Irrigação das camadas
Caso o material esteja seco, irriga-se com água, à medida que é feita a pilha. O
material deverá ficar úmido, entre 40 e 60 % de umidade, e não molhado, isto é, quando
apertado nas mãos não poderá escorrer água .
Revolvimento da pilha
Nos primeiros quinze dias, deve-se revolver o material a cada cinco dias. É muito
importante essa operação, pois o revolvimento impede o mau cheiro e repele as moscas,
além de acelerar a compostagem.
Após os primeiros quinze dias será suficiente um revolvimento a cada dez dias. Considera-
se suficiente um total de oito revolvimentos.
Acompanhamento
Se a compostagem for bem feita, o material não deve apresentar mau cheiro. A
temperatura do material deve ficar entre 50° e 70° C. Acima disso, será necessário molhar
novamente a pilha.
AVALIAÇÃO FINAL DO COMPOSTO
O composto estará curado, ou seja, pronto para o uso cerca de 90 dias após o início
4
das operações. Quando preparado a céu aberto a cura total do composto poderá ser mais
demorada, chegando a 120 – 150 dias. O composto curado (humificado) tem coloração
escura, cheiro de bolor e consistência amanteigada, quando molhado e esfregado nas
mãos. O produto final deverá ter no máximo 25% a 30% de umidade ; pH superior a 6,0 e
a relação carbono / nitrogênio ( C/N) na faixa de 10/1 a 15/1.
USO AGRÍCOLA DO COMPOSTO
Época de aplicação
O composto deve ser incorporado ao solo trinta dias antes da instalação da cultura. No
caso de culturas perenes (como a do café e das frutíferas), este adubo orgânico deverá ser
enterrado formando uma coroa ao redor das plantas.
Quantidades a serem aplicadas
No caso do composto considera-se:
- adubação fraca: 5 a 10 toneladas por hectare;
- adubação média: 20 a 30 toneladas por hectare;
- adubação forte: 40 a 50 toneladas por hectare.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALOISI SOBRINHO, J. Adubação orgânica: o método Indore na produção do composto.
Campinas: Instituto Agronômico, 1945. 4p.
KIEHL, E.J. Preparo do composto na fazenda. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura
"Luiz de Oueiroz", 1978. 16p.
POINCELOT, R.P. The biochemistry and methodology of composting. Connecticut, U.S.A.,
Agricultural Experiment Station, 1975. (Bulletin, 754).
STOFFELLA, P.J; KAHN, B.A(Eds.) Compost utilization in horticultural cropping systems.
Boca Raton (USA), 2001. 432p.
TEIXEIRA, E.F. Como se prepara o adubo composto. São Paulo: Secretaria da Agricultura/
Divisão de Fomento Agrícola, s.d. 4p.
TRANI, P.E.; TRANI, A.L. Fertilizantes: cálculo de fórmulas comerciais. Campinas, Instituto
Agronômico, 2011. 29p. (Boletim Técnico IAC, 208).
5
AGRADECIMENTOS
Os autores agradecem ao Professor Doutor Edmar J. Kiehl (ESALQ - USP) pelas
sugestões apresentadas e à Pesquisadora Científica Silvia Rocha Moreira (IAC- Centro de
Horticultura) pela editoração do texto.
Autores
(
1
) Pesquisador Científico, Centro de Horticultura, Instituto Agronômico – IAC:
petrani@iac.sp.gov.br, fone: (19) 3202 - 1747.
(
2
) Pesquisador Científico, Centro de Solos e Recursos Ambientais, Instituto
Agronômico – IAC: berton@iac.sp.gov.br, fone: (19) 2137 - 0643.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3UERGS
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroKiller Max
 
Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)éltoon yagami
 
Cultura da Mandioca
Cultura da MandiocaCultura da Mandioca
Cultura da MandiocaJoão Felix
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de MandiocaÍtalo Arrais
 
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdfAula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdfViniciusCavalcante33
 
Novas tendências na produção de soja.
Novas tendências na produção de soja.Novas tendências na produção de soja.
Novas tendências na produção de soja.Geagra UFG
 
O espaço agrario mundial
O espaço agrario mundialO espaço agrario mundial
O espaço agrario mundialArtur Lara
 
Sistemas de Irrigação por Gotejamento e microaspersão
Sistemas de Irrigação por Gotejamento e microaspersãoSistemas de Irrigação por Gotejamento e microaspersão
Sistemas de Irrigação por Gotejamento e microaspersãoRobson de Aguiar
 
Apresentação horta
Apresentação hortaApresentação horta
Apresentação hortaCarlaensino
 
apostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfapostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfSaul Ramos
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozGeagra UFG
 
A cultura da goiaba
A cultura da goiabaA cultura da goiaba
A cultura da goiabaLaura Salles
 
Tipos de agricultura no mundo
Tipos de agricultura no mundoTipos de agricultura no mundo
Tipos de agricultura no mundoMayjö .
 

Mais procurados (20)

Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
 
Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
Cultura da Mandioca
Cultura da MandiocaCultura da Mandioca
Cultura da Mandioca
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
 
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdfAula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
 
Apostila de silvicultura
Apostila de silviculturaApostila de silvicultura
Apostila de silvicultura
 
Novas tendências na produção de soja.
Novas tendências na produção de soja.Novas tendências na produção de soja.
Novas tendências na produção de soja.
 
O espaço agrario mundial
O espaço agrario mundialO espaço agrario mundial
O espaço agrario mundial
 
Sistemas de Irrigação por Gotejamento e microaspersão
Sistemas de Irrigação por Gotejamento e microaspersãoSistemas de Irrigação por Gotejamento e microaspersão
Sistemas de Irrigação por Gotejamento e microaspersão
 
Apresentação horta
Apresentação hortaApresentação horta
Apresentação horta
 
cultura do café
cultura do cafécultura do café
cultura do café
 
Cultura da Cebolinha
Cultura da CebolinhaCultura da Cebolinha
Cultura da Cebolinha
 
apostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfapostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdf
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
 
A cultura da goiaba
A cultura da goiabaA cultura da goiaba
A cultura da goiaba
 
Tipos de agricultura no mundo
Tipos de agricultura no mundoTipos de agricultura no mundo
Tipos de agricultura no mundo
 
Agricultura convencional
Agricultura convencionalAgricultura convencional
Agricultura convencional
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 

Destaque

Agroeco aplicada
Agroeco aplicadaAgroeco aplicada
Agroeco aplicadamvezzone
 
Como Fazer Papel Artesanal
Como Fazer Papel ArtesanalComo Fazer Papel Artesanal
Como Fazer Papel Artesanalmnmaill
 
A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...
A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...
A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...Vis-UAB
 
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliçasAdubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliçasJoão Siqueira da Mata
 
Projeto brincando com reciclados
Projeto brincando com recicladosProjeto brincando com reciclados
Projeto brincando com recicladossandramirandan
 

Destaque (7)

Agroeco aplicada
Agroeco aplicadaAgroeco aplicada
Agroeco aplicada
 
Como Fazer Papel Artesanal
Como Fazer Papel ArtesanalComo Fazer Papel Artesanal
Como Fazer Papel Artesanal
 
Compostagem areia
Compostagem   areiaCompostagem   areia
Compostagem areia
 
A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...
A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...
A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...
 
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliçasAdubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
 
Projeto brincando com reciclados
Projeto brincando com recicladosProjeto brincando com reciclados
Projeto brincando com reciclados
 
Catálogo de Hortaliças
Catálogo de HortaliçasCatálogo de Hortaliças
Catálogo de Hortaliças
 

Semelhante a Preparo composto bagaço cana esterco

Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixomiriammorata
 
Compostagem doméstica do lixo
Compostagem doméstica do lixoCompostagem doméstica do lixo
Compostagem doméstica do lixoMagno José Silva
 
Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoAlexandre Panerai
 
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem domésticaManual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem domésticaAlexandre Panerai
 
Vermicompostagem de Esterco Bovino
Vermicompostagem de Esterco BovinoVermicompostagem de Esterco Bovino
Vermicompostagem de Esterco BovinoPET Agronomia IFPA
 
Compostagem doméstica
Compostagem doméstica  Compostagem doméstica
Compostagem doméstica Fura Bolha
 
Compostagem 17 11 2008
Compostagem 17 11 2008Compostagem 17 11 2008
Compostagem 17 11 2008Ádila Faria
 
Oficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem domésticaOficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem domésticaAlexandre Panerai
 
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânicoManejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânicoMário Bittencourt
 
cursobsicodejardinagem-parte1-161214023607.pptx
cursobsicodejardinagem-parte1-161214023607.pptxcursobsicodejardinagem-parte1-161214023607.pptx
cursobsicodejardinagem-parte1-161214023607.pptxSamuelBrando21
 
Transformando a Natureza a partir da Compostagem em Pilha
Transformando a Natureza a partir da Compostagem em PilhaTransformando a Natureza a partir da Compostagem em Pilha
Transformando a Natureza a partir da Compostagem em PilhaPET Agronomia IFPA
 
Passo a passo de como montar uma composteira!
Passo a passo de como montar uma composteira!Passo a passo de como montar uma composteira!
Passo a passo de como montar uma composteira!Paula Bonazzi
 

Semelhante a Preparo composto bagaço cana esterco (20)

Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
 
Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
 
Compostagem doméstica do lixo
Compostagem doméstica do lixoCompostagem doméstica do lixo
Compostagem doméstica do lixo
 
Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
 
Produção de adubos orgânicos
Produção de adubos orgânicos Produção de adubos orgânicos
Produção de adubos orgânicos
 
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem domésticaManual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
 
Vermicompostagem de Esterco Bovino
Vermicompostagem de Esterco BovinoVermicompostagem de Esterco Bovino
Vermicompostagem de Esterco Bovino
 
Compostagem doméstica
Compostagem doméstica  Compostagem doméstica
Compostagem doméstica
 
A compostagem
A compostagemA compostagem
A compostagem
 
Compostagem 17 11 2008
Compostagem 17 11 2008Compostagem 17 11 2008
Compostagem 17 11 2008
 
Compostagem composto orgânico
Compostagem composto orgânicoCompostagem composto orgânico
Compostagem composto orgânico
 
Oficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem domésticaOficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem doméstica
 
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânicoManejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
 
cursobsicodejardinagem-parte1-161214023607.pptx
cursobsicodejardinagem-parte1-161214023607.pptxcursobsicodejardinagem-parte1-161214023607.pptx
cursobsicodejardinagem-parte1-161214023607.pptx
 
Como fazer uma horta
Como fazer uma hortaComo fazer uma horta
Como fazer uma horta
 
Compostagem.pdf
Compostagem.pdfCompostagem.pdf
Compostagem.pdf
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Cartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigidaCartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigida
 
Transformando a Natureza a partir da Compostagem em Pilha
Transformando a Natureza a partir da Compostagem em PilhaTransformando a Natureza a partir da Compostagem em Pilha
Transformando a Natureza a partir da Compostagem em Pilha
 
Passo a passo de como montar uma composteira!
Passo a passo de como montar uma composteira!Passo a passo de como montar uma composteira!
Passo a passo de como montar uma composteira!
 

Mais de Rural Pecuária

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Rural Pecuária
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).Rural Pecuária
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Rural Pecuária
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Rural Pecuária
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalRural Pecuária
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...Rural Pecuária
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Rural Pecuária
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorRural Pecuária
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaRural Pecuária
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoRural Pecuária
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasRural Pecuária
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Rural Pecuária
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Rural Pecuária
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...Rural Pecuária
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Rural Pecuária
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovadoRural Pecuária
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelRural Pecuária
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesRural Pecuária
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteRural Pecuária
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Rural Pecuária
 

Mais de Rural Pecuária (20)

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
 

Preparo composto bagaço cana esterco

  • 1. 1 PREPARO DO COMPOSTO A PARTIR DO BAGAÇO DE CANA COM ESTERCO ANIMAL Paulo Espíndola Trani ( 1 ) Ronaldo S. Berton ( 2 ) INTRODUÇÃO “O adubo denominado composto é uma mistura de todos os resíduos, restos e mais substâncias sem valor imediato, existentes ou produzidos na fazenda, reunidos e preparados para fins de estrumação”. Essa definição é de Dafert, em 1893, o primeiro Diretor do Instituto Agronômico de Campinas. Já naquela ocasião, em outros países, o uso do composto proporcionava melhores produtividades, principalmente em solos "esgotados", ou seja, de baixa fertilidade. De modo geral, observa-se boas respostas das culturas à utilização de adubos orgânicos como o esterco animal e tortas de oleaginosas. Esse material, porém, tem disponibilidade limitada. A compostagem é uma maneira de multiplicar várias vezes o volume dos adubos orgânicos chegando a um produto final com valor semelhante a tais adubos. Descrevemos aqui o processo de compostagem a partir da utilização do bagaço de cana com o esterco animal tendo em vista, principalmente, o aumento de disponibilidade do bagaço de cana em diversas regiões do Estado de São Paulo e de outros Estados do Brasil. Dentre os principais estercos animais destacam-se os de bovinos, equinos, galinha e frango de corte e suínos. Além dos materiais citados, outros podem ser empregados tais como a casca de café e resíduos vegetais de colheitas. ESCOLHA DO LOCAL PARA COMPOSTAGEM O preparo do composto orgânico em condições aeróbicas não causa odor. Porém, a experiência demonstra que nem sempre a aeração do material durante a compostagem é realizada satisfatoriamente, razão pela qual pode ocorrer exalação de mau cheiro. Recomenda-se escolher um local distante de moradias, observando-se também a direção dos ventos no local onde será instalado o galpão para preparo do composto orgânico. Deverá ser construído um barracão aberto em suas laterais, com o comprimento dependendo da quantidade de matéria-prima a ser tratada e com largura aproximada de 12 metros e altura aproximada de 5 metros. O piso deverá ser concretado e com desnível para as laterais, a fim de escoar o excesso de umidade. A área ao redor do barracão deverá ser de tamanho a comportar o trânsito de caminhões, carretas, além de área livre para secagem de material com excesso de umidade. Recomenda-se deixar uma área coberta próxima ao barracão para ensacamento do composto curado.
  • 2. 2 No caso de se realizar a compostagem a céu aberto, recomenda-se escolher locais planos ou com leve declive, de 2 a 3% no máximo, procurando-se compactar o solo para evitar o encharcamento da área pelas chuvas ou água de irrigação das camadas (pilhas). Também é útil dispor-se de encerados de lona ou plásticos resistentes, para cobertura do composto em épocas de chuvas intensas. MATERIAL DE TRANSPORTE Há necessidade de trator dotado de pá carregadeira para amontoar e revolver o material em compostagem. São também necessários caminhões e caminhonetes para transporte do material. Quando se utilizar quantidades limitadas de material para compostagem é suficiente revirar os materiais a serem fermentados, com ferramentas manuais como garfos (forcas), enxadas e pás. Dependendo da espessura do material, poderá ser necessário picá-lo ou moê-lo, pois quanto menos espesso o material, mais rápida é a decomposição e o processo de compostagem ficará mais acelerado. O material deverá ter diâmetro máximo entre 2 e 4 cm. PREPARO DO COMPOSTO Construção da pilha O material vindo da usina (bagaço) e dos estábulos ou granjas, deverá ser empilhado um sobre o outro em camadas na forma de sanduíche, nas seguintes proporções: quatro volumes de bagaço para 1 volume de esterco animal. Faz-se a primeira camada sobre o piso com 40 cm de bagaço de cana. A seguir, adiciona- se sobre o bagaço, uma camada de 10 cm de esterco. Novamente, adiciona-se 40 cm de bagaço, e assim por diante, até atingir a altura de 1,50 m. Acima dessa pilha, para acelerar a compostagem e enriquecer o adubo orgânico, deve-se aplicar uma camada de 2 a 3 cm de fosfato natural em pó ou superfosfato simples em pó. A largura da pilha não deverá ser superior a 3 metros. Ver esquema da pilha na figura 1.
  • 3. 3 Figura 1. Planta de galpão para preparo do composto orgânico. O comprimento do galpão dependerá da quantidade do material disponível a ser compostado. Irrigação das camadas Caso o material esteja seco, irriga-se com água, à medida que é feita a pilha. O material deverá ficar úmido, entre 40 e 60 % de umidade, e não molhado, isto é, quando apertado nas mãos não poderá escorrer água . Revolvimento da pilha Nos primeiros quinze dias, deve-se revolver o material a cada cinco dias. É muito importante essa operação, pois o revolvimento impede o mau cheiro e repele as moscas, além de acelerar a compostagem. Após os primeiros quinze dias será suficiente um revolvimento a cada dez dias. Considera- se suficiente um total de oito revolvimentos. Acompanhamento Se a compostagem for bem feita, o material não deve apresentar mau cheiro. A temperatura do material deve ficar entre 50° e 70° C. Acima disso, será necessário molhar novamente a pilha. AVALIAÇÃO FINAL DO COMPOSTO O composto estará curado, ou seja, pronto para o uso cerca de 90 dias após o início
  • 4. 4 das operações. Quando preparado a céu aberto a cura total do composto poderá ser mais demorada, chegando a 120 – 150 dias. O composto curado (humificado) tem coloração escura, cheiro de bolor e consistência amanteigada, quando molhado e esfregado nas mãos. O produto final deverá ter no máximo 25% a 30% de umidade ; pH superior a 6,0 e a relação carbono / nitrogênio ( C/N) na faixa de 10/1 a 15/1. USO AGRÍCOLA DO COMPOSTO Época de aplicação O composto deve ser incorporado ao solo trinta dias antes da instalação da cultura. No caso de culturas perenes (como a do café e das frutíferas), este adubo orgânico deverá ser enterrado formando uma coroa ao redor das plantas. Quantidades a serem aplicadas No caso do composto considera-se: - adubação fraca: 5 a 10 toneladas por hectare; - adubação média: 20 a 30 toneladas por hectare; - adubação forte: 40 a 50 toneladas por hectare. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALOISI SOBRINHO, J. Adubação orgânica: o método Indore na produção do composto. Campinas: Instituto Agronômico, 1945. 4p. KIEHL, E.J. Preparo do composto na fazenda. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura "Luiz de Oueiroz", 1978. 16p. POINCELOT, R.P. The biochemistry and methodology of composting. Connecticut, U.S.A., Agricultural Experiment Station, 1975. (Bulletin, 754). STOFFELLA, P.J; KAHN, B.A(Eds.) Compost utilization in horticultural cropping systems. Boca Raton (USA), 2001. 432p. TEIXEIRA, E.F. Como se prepara o adubo composto. São Paulo: Secretaria da Agricultura/ Divisão de Fomento Agrícola, s.d. 4p. TRANI, P.E.; TRANI, A.L. Fertilizantes: cálculo de fórmulas comerciais. Campinas, Instituto Agronômico, 2011. 29p. (Boletim Técnico IAC, 208).
  • 5. 5 AGRADECIMENTOS Os autores agradecem ao Professor Doutor Edmar J. Kiehl (ESALQ - USP) pelas sugestões apresentadas e à Pesquisadora Científica Silvia Rocha Moreira (IAC- Centro de Horticultura) pela editoração do texto. Autores ( 1 ) Pesquisador Científico, Centro de Horticultura, Instituto Agronômico – IAC: petrani@iac.sp.gov.br, fone: (19) 3202 - 1747. ( 2 ) Pesquisador Científico, Centro de Solos e Recursos Ambientais, Instituto Agronômico – IAC: berton@iac.sp.gov.br, fone: (19) 2137 - 0643.