SlideShare uma empresa Scribd logo

Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias

Rural Pecuária
Rural Pecuária
Rural Pecuária Administrador Rural em Rural Pecuária

Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias

Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias

1 de 5
Baixar para ler offline
LARVAS DE MOLUSCOS BIVALVES NA CRIAÇÃO DE TILÁPIAS
Sergio Henrique Canello Schalch
Veter., Dr., PqC do Polo Regional do Vale do Paraíba/Apta
sschalch@apta.sp.gov.br
As tilápias desovam várias vezes por ano causando o problema de superpopulação nos
tanques, e diante do fato dos machos crescerem 2 a 4 vezes mais que as fêmeas, foi
desenvolvida a técnica de monossexo através da reversão sexual, que consiste no uso de
hormônio masculino para reverter fêmeas em machos com intuito de aproveitar o maior
crescimento dos machos desta espécie. Esta técnica de reversão sexual consiste em usar o
hormônio metil-testosterona misturado à ração, para larvas de uma semana de vida ou mais
(MAINARDES PINTO, 1988). Ou seja, a reversão sexual deve começar antes que o tecido
gonadal de fêmeas tenha sido diferenciado em ovários (POPMA & GREEN, 1990).
Durante o processo de reversão sexual em tilápias nilóticas em pisciculturas da região do
Vale do Paraíba, em coletas realizadas neste ano de 2015, foi possível observar na fase de
alevinagem a presença de larvas de moluscos bivalves parasitando os peixes e causando
elevada mortalidade. A alta mortalidade constatada esteve presente na fase de reversão
sexual, que dura em média 30 dias. É nesta fase de larva que os peixes são mais sensíveis
ao ataque de doenças e outras predações.
Esta mortalidade pode passar despercebida para o produtor devido ao canibalismo
considerado normal na larvicultura, mas vimos no Laboratório do Setor de Aquicultura de
Pindamonhangaba que a porcentagem de mortalidade das larvas por este molusco é alta,
em torno de 80 a 90% se não tratada a tempo. Foi realizado um tratamento com cloreto de
sódio (sal de gado) a 5% durante 30 minutos por 3 dias consecutivos em três aquários de 20
litros contendo 150 larvas de tilápias recém revertidas sexualmente e os resultados não
foram animadores.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016
É possível encontrar uma grande variedade de molusco bivalves de água doce. Para o
desenvolvimento e metamorfose da larva veliger, deve ocorrer parasitismo em um peixe por
um certo tempo, estas larvas são chamadas de gloquídias. Parasitam as brânquias e o
tegumento dos peixes, ficando encapsuladas, levando a hiperplasia de células do
hospedeiro e redução do crescimento. Este contato com o peixe pode causar a morte do
hospedeiro. Houve relatos de casos em pisciculturas da região de Londrina em que as
larvas de moluscos A. trapesialis causaram sérios prejuízos em tilápias nilóticas (EIRAS et
al., 2010). As larvas são visíveis como pequenos pontos brancos no tegumento e nas
nadadeiras (Figura-1). Também foi diagnosticada por SCHALCH e GARCIA (2011)
causando mortalidade em tilápias na fase juvenil criadas em sistemas de tanque-rede na
região Noroeste Paulista do Estado de São Paulo.
Figura 1 – Larvas de moluscos bivalves (gloquídias) parasitando o tegumento e
nadadeiras de um juvenil de tilápia nilótica.
Com os diagnósticos apresentados é notório que este parasito é bastante prejudicial à
criação de peixes, principalmente na larvicultura de tilápias. Em propriedades rurais que
estão sofrendo com o ataque destas larvas, muitas vezes, as infestações são confundidas
pelo produtor com o ataque por protozoário que também causa sinais clínicos semelhantes
no tegumento dos peixes, conhecido como a doença dos pontos brancos que é causada
pelo ictio (Ichthyophthirius multifiliis) (Figura 2).
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016
A diferença básica é que o protozoário ictio é móvel e as larvas de moluscos bivalves ficam
encapsuladas imóveis e algumas apresentam uma coloração amarelada (Figura 1). No
entanto, para fechar o diagnóstico é necessário o acompanhamento de um profissional
capacitado para recomendar medidas profiláticas e curativas diferentes das usadas
normalmente para combater o protozoário ictio.
As consequências da parasitose por larvas de molusco podem ser várias. Alevinos de O.
kisutch parasitados por mais de 50 larvas de moluscos A. oregonensis morreram nos
primeiros dez dias da infecção. Foi observado neste mesmo hospedeiro, redução de
crescimento mesmo com infecção de pequena intensidade (EIRAS, 1994).
Figura 2 - Rhamdia quelen infestada pela doença dos pontos
brancos Ichthyophthirius multifiliis (EIRAS, 2010).
No seu ciclo de vida, os moluscos adultos se reproduzem e liberam as larvas chamadas
gloquídias, que infectam um peixe. Depois se transformam em moluscos jovens,
completando o ciclo como moluscos adultos. (Figura 3).
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016
Figura 3 – Molusco bivalve adulto, Polo Vale do Paraíba-Setor Aquicultura/Apta
Para esta enfermidade é recomendado um tratamento curativo, que é justificado pela alta
mortalidade que causa principalmente para as larvas de tilápias nilóticas. Um dos produtos
que se utiliza e que atinge melhores resultados para combater esta enfermidade é o sulfato
de cobre. Cabe lembrar aqui, que deve-se evitar o uso indiscriminado deste produto ou de
qualquer outro tipo de produto químico no ambiente de criação, pois pode provocar danos à
flora e fauna do seu viveiro, afetando a qualidade da água, e o tempo de carência para este
produto é de 30 dias (MARTINS, 1998).
Assim que o produtor observar as primeiras mortalidades é necessário entrar em contato
com um profissional capacitado para indicar o melhor tratamento para o caso. Os
quarentenários são locais mais indicados para realizar qualquer tratamento, pois fica longe
do ambiente de criação e o resíduo pode ser tratado antes de devolver a água para o meio
ambiente.
Esta parasitose está sendo disseminada por diversas regiões de criação. Nos dias de hoje,
não é exigido um certificado ictiossanitário emitido por um profissional do ramo, ou seja, as
larvas, alevinos, juvenis e peixes adultos que são transportadas das pisciculturas carregam
com si diversos agentes infestantes como é o caso desta larva de molusco que está sendo
amplamente disseminada. O vazio sanitário com a utilização de 200 gramas de cal virgem
por metro quadrado, durante o período de dez dias, favorece a eliminação dos moluscos
bivalves.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016
Referencias Bibliográficas:
EIRAS, J.C. Elementos de ictioparasitologia. Porto, Portugal: Fundação Eng. Antônio de
Almeida, 339p., 1994.
EIRAS, J. C., TAKEMOTO, R. M., PAVANELLI, G. C. Diversidade dos parasitas de peixes
de água doce do Brasil, Maringá: Clichetec, 333p., 2010.
MAINARDES-PINTO, C.S.R., Criação de Tilápias, São Paulo, Instituto de Pesca,
Coordenadoria de Pesquisa Agropecuária, Boletim Técnico nº 10, 13p., 1988.
MARTINS, M.L. Doenças Infecciosas e Parasitárias de Peixes. Boletim Técnico nº 3, 2ª
edição. Ed. FUNEP, Jaboticabal-SP, 66 p, 1998.
POPMA, T. J., GREN, B. W. Manual de Produccion Acuicola, Reversión de Tilapia em
Lagunas de Tierra, ASA, Asociación Americana de Soja, Auburn University, p. 7-33, 1990.
SCHALCH, S.H.C.; GARCIA, F. Enfermidade de Peixes. In: AYROZA, L.M.S. (Org.).
Piscicultura. 1ed. Campinas: CATI, 2011, p. 99-123. (Manual Técnico 79).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

IMPACTO AMBIENTAL E RESÍDUOS DA CARCINICULTURA
IMPACTO AMBIENTAL E RESÍDUOS DA CARCINICULTURAIMPACTO AMBIENTAL E RESÍDUOS DA CARCINICULTURA
IMPACTO AMBIENTAL E RESÍDUOS DA CARCINICULTURAPriscila de Oliveira
 
Av2 de biologia,química e física
Av2 de biologia,química e físicaAv2 de biologia,química e física
Av2 de biologia,química e físicaemanuel
 
Exercicios biologia parasitologia
Exercicios biologia parasitologiaExercicios biologia parasitologia
Exercicios biologia parasitologiaAlice MLK
 
Macrófitas aquáticas
Macrófitas aquáticasMacrófitas aquáticas
Macrófitas aquáticasLimnos Ufsc
 
Apresentação cianotoxina
Apresentação cianotoxinaApresentação cianotoxina
Apresentação cianotoxinauilson2013
 
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016Juliana Queiroz
 
Questões dissertativas ciências - 7º ano - reinos monera, fungi e protista
Questões dissertativas  ciências - 7º ano - reinos monera, fungi e protistaQuestões dissertativas  ciências - 7º ano - reinos monera, fungi e protista
Questões dissertativas ciências - 7º ano - reinos monera, fungi e protistaJames Martins
 
1EM #02 Um pouco de Evolução (2016)
1EM #02 Um pouco de Evolução (2016)1EM #02 Um pouco de Evolução (2016)
1EM #02 Um pouco de Evolução (2016)Professô Kyoshi
 
Interações entre plantas e insetos
Interações entre plantas e insetos Interações entre plantas e insetos
Interações entre plantas e insetos larryribbeiro
 
Caderno de provas SSA 2 UPE - 2º dia
Caderno de provas SSA 2 UPE -  2º diaCaderno de provas SSA 2 UPE -  2º dia
Caderno de provas SSA 2 UPE - 2º diaPortal NE10
 

Mais procurados (20)

IMPACTO AMBIENTAL E RESÍDUOS DA CARCINICULTURA
IMPACTO AMBIENTAL E RESÍDUOS DA CARCINICULTURAIMPACTO AMBIENTAL E RESÍDUOS DA CARCINICULTURA
IMPACTO AMBIENTAL E RESÍDUOS DA CARCINICULTURA
 
Nota de repúdio
Nota de repúdioNota de repúdio
Nota de repúdio
 
Enem 2015
Enem 2015 Enem 2015
Enem 2015
 
Cap11
Cap11Cap11
Cap11
 
AQUICULTURA
AQUICULTURAAQUICULTURA
AQUICULTURA
 
Av2 de biologia,química e física
Av2 de biologia,química e físicaAv2 de biologia,química e física
Av2 de biologia,química e física
 
Macrófitas Aquáticas
Macrófitas AquáticasMacrófitas Aquáticas
Macrófitas Aquáticas
 
Manejo integrado de tripes na cultura da cebola
Manejo integrado de tripes na cultura da cebolaManejo integrado de tripes na cultura da cebola
Manejo integrado de tripes na cultura da cebola
 
Atividade avaliativa de biologia 1 ano
Atividade avaliativa de biologia 1 anoAtividade avaliativa de biologia 1 ano
Atividade avaliativa de biologia 1 ano
 
Tripes em cebola: cuidados no manejo
Tripes em cebola: cuidados no manejoTripes em cebola: cuidados no manejo
Tripes em cebola: cuidados no manejo
 
Exercicios biologia parasitologia
Exercicios biologia parasitologiaExercicios biologia parasitologia
Exercicios biologia parasitologia
 
Macrófitas aquáticas
Macrófitas aquáticasMacrófitas aquáticas
Macrófitas aquáticas
 
Apresentação cianotoxina
Apresentação cianotoxinaApresentação cianotoxina
Apresentação cianotoxina
 
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
 
Questões dissertativas ciências - 7º ano - reinos monera, fungi e protista
Questões dissertativas  ciências - 7º ano - reinos monera, fungi e protistaQuestões dissertativas  ciências - 7º ano - reinos monera, fungi e protista
Questões dissertativas ciências - 7º ano - reinos monera, fungi e protista
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
1EM #02 Um pouco de Evolução (2016)
1EM #02 Um pouco de Evolução (2016)1EM #02 Um pouco de Evolução (2016)
1EM #02 Um pouco de Evolução (2016)
 
Interações entre plantas e insetos
Interações entre plantas e insetos Interações entre plantas e insetos
Interações entre plantas e insetos
 
Apresentação fernando jardim - seminário cianobactérias
Apresentação  fernando jardim - seminário cianobactériasApresentação  fernando jardim - seminário cianobactérias
Apresentação fernando jardim - seminário cianobactérias
 
Caderno de provas SSA 2 UPE - 2º dia
Caderno de provas SSA 2 UPE -  2º diaCaderno de provas SSA 2 UPE -  2º dia
Caderno de provas SSA 2 UPE - 2º dia
 

Destaque

Artigo Técnico: Por que estimar exigências nutricionais de ovinos no Brasil
Artigo Técnico: Por que estimar exigências nutricionais de ovinos no BrasilArtigo Técnico: Por que estimar exigências nutricionais de ovinos no Brasil
Artigo Técnico: Por que estimar exigências nutricionais de ovinos no BrasilRural Pecuária
 
Goiaba: Características de frutos de um banco de germoplasma
Goiaba: Características de frutos de um banco de germoplasmaGoiaba: Características de frutos de um banco de germoplasma
Goiaba: Características de frutos de um banco de germoplasmaRural Pecuária
 
Atualidades sobre o uso da inseminação artificial na pecuária de corte no brasil
Atualidades sobre o uso da inseminação artificial na pecuária de corte no brasilAtualidades sobre o uso da inseminação artificial na pecuária de corte no brasil
Atualidades sobre o uso da inseminação artificial na pecuária de corte no brasilRural Pecuária
 
Resíduos orgênicos gerados na psicicultura
Resíduos orgênicos gerados na psiciculturaResíduos orgênicos gerados na psicicultura
Resíduos orgênicos gerados na psiciculturaRural Pecuária
 
Proyecto integral cultivo de tilapia y procesamiento
Proyecto integral cultivo de tilapia y procesamientoProyecto integral cultivo de tilapia y procesamiento
Proyecto integral cultivo de tilapia y procesamientofelix holger filian hurtado
 
Qual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaça
Qual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaçaQual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaça
Qual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaçaRural Pecuária
 
188 panorama-da-aquicultura-construcao-de-viveiros-parte-1
188 panorama-da-aquicultura-construcao-de-viveiros-parte-1188 panorama-da-aquicultura-construcao-de-viveiros-parte-1
188 panorama-da-aquicultura-construcao-de-viveiros-parte-1Engpesca
 
Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...
Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...
Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...Rural Pecuária
 
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-redeEnfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-redeRural Pecuária
 
Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...
Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...
Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...Rural Pecuária
 
Os benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias Nilóticas
Os benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias NilóticasOs benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias Nilóticas
Os benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias NilóticasRural Pecuária
 
Polyculture and Integrated Tilapia Farming Systems - Kuala Lumpur, Malaysia
Polyculture and Integrated Tilapia Farming Systems - Kuala Lumpur, MalaysiaPolyculture and Integrated Tilapia Farming Systems - Kuala Lumpur, Malaysia
Polyculture and Integrated Tilapia Farming Systems - Kuala Lumpur, MalaysiaFayina19z
 
Hatchery technology on tilapia
Hatchery technology on tilapiaHatchery technology on tilapia
Hatchery technology on tilapiaRodney Peñafiel
 
Genetically Improved Farmed Tilapia
Genetically Improved Farmed TilapiaGenetically Improved Farmed Tilapia
Genetically Improved Farmed Tilapiamiteshramteke
 

Destaque (20)

Artigo Técnico: Por que estimar exigências nutricionais de ovinos no Brasil
Artigo Técnico: Por que estimar exigências nutricionais de ovinos no BrasilArtigo Técnico: Por que estimar exigências nutricionais de ovinos no Brasil
Artigo Técnico: Por que estimar exigências nutricionais de ovinos no Brasil
 
Intens.vs.semi2
Intens.vs.semi2Intens.vs.semi2
Intens.vs.semi2
 
Goiaba: Características de frutos de um banco de germoplasma
Goiaba: Características de frutos de um banco de germoplasmaGoiaba: Características de frutos de um banco de germoplasma
Goiaba: Características de frutos de um banco de germoplasma
 
Atualidades sobre o uso da inseminação artificial na pecuária de corte no brasil
Atualidades sobre o uso da inseminação artificial na pecuária de corte no brasilAtualidades sobre o uso da inseminação artificial na pecuária de corte no brasil
Atualidades sobre o uso da inseminação artificial na pecuária de corte no brasil
 
Resíduos orgênicos gerados na psicicultura
Resíduos orgênicos gerados na psiciculturaResíduos orgênicos gerados na psicicultura
Resíduos orgênicos gerados na psicicultura
 
Proyecto integral cultivo de tilapia y procesamiento
Proyecto integral cultivo de tilapia y procesamientoProyecto integral cultivo de tilapia y procesamiento
Proyecto integral cultivo de tilapia y procesamiento
 
Qual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaça
Qual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaçaQual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaça
Qual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaça
 
A global outlook for Tilapia and the potential for growth in the UK tilapia i...
A global outlook for Tilapia and the potential for growth in the UK tilapia i...A global outlook for Tilapia and the potential for growth in the UK tilapia i...
A global outlook for Tilapia and the potential for growth in the UK tilapia i...
 
188 panorama-da-aquicultura-construcao-de-viveiros-parte-1
188 panorama-da-aquicultura-construcao-de-viveiros-parte-1188 panorama-da-aquicultura-construcao-de-viveiros-parte-1
188 panorama-da-aquicultura-construcao-de-viveiros-parte-1
 
Impactos Ambientais da Piscicultura
Impactos Ambientais da PisciculturaImpactos Ambientais da Piscicultura
Impactos Ambientais da Piscicultura
 
Tilapia Husbandry
Tilapia HusbandryTilapia Husbandry
Tilapia Husbandry
 
Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...
Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...
Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...
 
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-redeEnfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
 
Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...
Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...
Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...
 
Os benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias Nilóticas
Os benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias NilóticasOs benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias Nilóticas
Os benefícios do alimento vivo na criação de Tilápias Nilóticas
 
Tilapia bio & cul jitendra
Tilapia bio & cul jitendraTilapia bio & cul jitendra
Tilapia bio & cul jitendra
 
Polyculture and Integrated Tilapia Farming Systems - Kuala Lumpur, Malaysia
Polyculture and Integrated Tilapia Farming Systems - Kuala Lumpur, MalaysiaPolyculture and Integrated Tilapia Farming Systems - Kuala Lumpur, Malaysia
Polyculture and Integrated Tilapia Farming Systems - Kuala Lumpur, Malaysia
 
Hatchery technology on tilapia
Hatchery technology on tilapiaHatchery technology on tilapia
Hatchery technology on tilapia
 
Genetically Improved Farmed Tilapia
Genetically Improved Farmed TilapiaGenetically Improved Farmed Tilapia
Genetically Improved Farmed Tilapia
 
Cadeia de Suprimentos
Cadeia de SuprimentosCadeia de Suprimentos
Cadeia de Suprimentos
 

Semelhante a Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias

avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdfavaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdfRicardoEliasValeLima
 
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucessoControle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucessoRural Pecuária
 
Primeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaPrimeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaMarcel Vieira
 
Algas
AlgasAlgas
AlgasURCA
 
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof james
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof jamesAula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof james
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof jamesJames Martins
 
Provas do segundo dia do SSA2 da UPE
Provas do segundo dia do SSA2 da UPEProvas do segundo dia do SSA2 da UPE
Provas do segundo dia do SSA2 da UPELuiza Freitas
 
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdfAulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdfosiasmartinsmagalhes
 
Algas verdes trabalho de biologia
Algas verdes trabalho de biologia Algas verdes trabalho de biologia
Algas verdes trabalho de biologia jtvedy
 
Ecologia de insetos
Ecologia de insetosEcologia de insetos
Ecologia de insetosLimnos Ufsc
 
Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...
Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...
Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...Lilian De Rezende Jordão
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosITPAC PORTO
 
Questoes abertas
Questoes abertasQuestoes abertas
Questoes abertasraahgma
 

Semelhante a Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias (20)

avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdfavaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
 
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucessoControle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
 
Piscicultura doenças parasitárias em peixes
Piscicultura   doenças parasitárias em peixesPiscicultura   doenças parasitárias em peixes
Piscicultura doenças parasitárias em peixes
 
Difilobotrise
DifilobotriseDifilobotrise
Difilobotrise
 
Primeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaPrimeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologia
 
Insetos em ordem
Insetos em ordemInsetos em ordem
Insetos em ordem
 
13
1313
13
 
Algas
AlgasAlgas
Algas
 
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof james
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof jamesAula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof james
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof james
 
Provas do segundo dia do SSA2 da UPE
Provas do segundo dia do SSA2 da UPEProvas do segundo dia do SSA2 da UPE
Provas do segundo dia do SSA2 da UPE
 
Artigo bioterra v14_n2_01
Artigo bioterra v14_n2_01Artigo bioterra v14_n2_01
Artigo bioterra v14_n2_01
 
Protista
ProtistaProtista
Protista
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdfAulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
 
Algas verdes trabalho de biologia
Algas verdes trabalho de biologia Algas verdes trabalho de biologia
Algas verdes trabalho de biologia
 
Ecologia de insetos
Ecologia de insetosEcologia de insetos
Ecologia de insetos
 
Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...
Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...
Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Questoes abertas
Questoes abertasQuestoes abertas
Questoes abertas
 

Mais de Rural Pecuária

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Rural Pecuária
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).Rural Pecuária
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Rural Pecuária
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Rural Pecuária
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalRural Pecuária
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...Rural Pecuária
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Rural Pecuária
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorRural Pecuária
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaRural Pecuária
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoRural Pecuária
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasRural Pecuária
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Rural Pecuária
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Rural Pecuária
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...Rural Pecuária
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Rural Pecuária
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovadoRural Pecuária
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelRural Pecuária
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesRural Pecuária
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteRural Pecuária
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Rural Pecuária
 

Mais de Rural Pecuária (20)

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
 

Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias

  • 1. LARVAS DE MOLUSCOS BIVALVES NA CRIAÇÃO DE TILÁPIAS Sergio Henrique Canello Schalch Veter., Dr., PqC do Polo Regional do Vale do Paraíba/Apta sschalch@apta.sp.gov.br As tilápias desovam várias vezes por ano causando o problema de superpopulação nos tanques, e diante do fato dos machos crescerem 2 a 4 vezes mais que as fêmeas, foi desenvolvida a técnica de monossexo através da reversão sexual, que consiste no uso de hormônio masculino para reverter fêmeas em machos com intuito de aproveitar o maior crescimento dos machos desta espécie. Esta técnica de reversão sexual consiste em usar o hormônio metil-testosterona misturado à ração, para larvas de uma semana de vida ou mais (MAINARDES PINTO, 1988). Ou seja, a reversão sexual deve começar antes que o tecido gonadal de fêmeas tenha sido diferenciado em ovários (POPMA & GREEN, 1990). Durante o processo de reversão sexual em tilápias nilóticas em pisciculturas da região do Vale do Paraíba, em coletas realizadas neste ano de 2015, foi possível observar na fase de alevinagem a presença de larvas de moluscos bivalves parasitando os peixes e causando elevada mortalidade. A alta mortalidade constatada esteve presente na fase de reversão sexual, que dura em média 30 dias. É nesta fase de larva que os peixes são mais sensíveis ao ataque de doenças e outras predações. Esta mortalidade pode passar despercebida para o produtor devido ao canibalismo considerado normal na larvicultura, mas vimos no Laboratório do Setor de Aquicultura de Pindamonhangaba que a porcentagem de mortalidade das larvas por este molusco é alta, em torno de 80 a 90% se não tratada a tempo. Foi realizado um tratamento com cloreto de sódio (sal de gado) a 5% durante 30 minutos por 3 dias consecutivos em três aquários de 20 litros contendo 150 larvas de tilápias recém revertidas sexualmente e os resultados não foram animadores.
  • 2. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016 É possível encontrar uma grande variedade de molusco bivalves de água doce. Para o desenvolvimento e metamorfose da larva veliger, deve ocorrer parasitismo em um peixe por um certo tempo, estas larvas são chamadas de gloquídias. Parasitam as brânquias e o tegumento dos peixes, ficando encapsuladas, levando a hiperplasia de células do hospedeiro e redução do crescimento. Este contato com o peixe pode causar a morte do hospedeiro. Houve relatos de casos em pisciculturas da região de Londrina em que as larvas de moluscos A. trapesialis causaram sérios prejuízos em tilápias nilóticas (EIRAS et al., 2010). As larvas são visíveis como pequenos pontos brancos no tegumento e nas nadadeiras (Figura-1). Também foi diagnosticada por SCHALCH e GARCIA (2011) causando mortalidade em tilápias na fase juvenil criadas em sistemas de tanque-rede na região Noroeste Paulista do Estado de São Paulo. Figura 1 – Larvas de moluscos bivalves (gloquídias) parasitando o tegumento e nadadeiras de um juvenil de tilápia nilótica. Com os diagnósticos apresentados é notório que este parasito é bastante prejudicial à criação de peixes, principalmente na larvicultura de tilápias. Em propriedades rurais que estão sofrendo com o ataque destas larvas, muitas vezes, as infestações são confundidas pelo produtor com o ataque por protozoário que também causa sinais clínicos semelhantes no tegumento dos peixes, conhecido como a doença dos pontos brancos que é causada pelo ictio (Ichthyophthirius multifiliis) (Figura 2).
  • 3. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016 A diferença básica é que o protozoário ictio é móvel e as larvas de moluscos bivalves ficam encapsuladas imóveis e algumas apresentam uma coloração amarelada (Figura 1). No entanto, para fechar o diagnóstico é necessário o acompanhamento de um profissional capacitado para recomendar medidas profiláticas e curativas diferentes das usadas normalmente para combater o protozoário ictio. As consequências da parasitose por larvas de molusco podem ser várias. Alevinos de O. kisutch parasitados por mais de 50 larvas de moluscos A. oregonensis morreram nos primeiros dez dias da infecção. Foi observado neste mesmo hospedeiro, redução de crescimento mesmo com infecção de pequena intensidade (EIRAS, 1994). Figura 2 - Rhamdia quelen infestada pela doença dos pontos brancos Ichthyophthirius multifiliis (EIRAS, 2010). No seu ciclo de vida, os moluscos adultos se reproduzem e liberam as larvas chamadas gloquídias, que infectam um peixe. Depois se transformam em moluscos jovens, completando o ciclo como moluscos adultos. (Figura 3).
  • 4. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016 Figura 3 – Molusco bivalve adulto, Polo Vale do Paraíba-Setor Aquicultura/Apta Para esta enfermidade é recomendado um tratamento curativo, que é justificado pela alta mortalidade que causa principalmente para as larvas de tilápias nilóticas. Um dos produtos que se utiliza e que atinge melhores resultados para combater esta enfermidade é o sulfato de cobre. Cabe lembrar aqui, que deve-se evitar o uso indiscriminado deste produto ou de qualquer outro tipo de produto químico no ambiente de criação, pois pode provocar danos à flora e fauna do seu viveiro, afetando a qualidade da água, e o tempo de carência para este produto é de 30 dias (MARTINS, 1998). Assim que o produtor observar as primeiras mortalidades é necessário entrar em contato com um profissional capacitado para indicar o melhor tratamento para o caso. Os quarentenários são locais mais indicados para realizar qualquer tratamento, pois fica longe do ambiente de criação e o resíduo pode ser tratado antes de devolver a água para o meio ambiente. Esta parasitose está sendo disseminada por diversas regiões de criação. Nos dias de hoje, não é exigido um certificado ictiossanitário emitido por um profissional do ramo, ou seja, as larvas, alevinos, juvenis e peixes adultos que são transportadas das pisciculturas carregam com si diversos agentes infestantes como é o caso desta larva de molusco que está sendo amplamente disseminada. O vazio sanitário com a utilização de 200 gramas de cal virgem por metro quadrado, durante o período de dez dias, favorece a eliminação dos moluscos bivalves.
  • 5. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016 Referencias Bibliográficas: EIRAS, J.C. Elementos de ictioparasitologia. Porto, Portugal: Fundação Eng. Antônio de Almeida, 339p., 1994. EIRAS, J. C., TAKEMOTO, R. M., PAVANELLI, G. C. Diversidade dos parasitas de peixes de água doce do Brasil, Maringá: Clichetec, 333p., 2010. MAINARDES-PINTO, C.S.R., Criação de Tilápias, São Paulo, Instituto de Pesca, Coordenadoria de Pesquisa Agropecuária, Boletim Técnico nº 10, 13p., 1988. MARTINS, M.L. Doenças Infecciosas e Parasitárias de Peixes. Boletim Técnico nº 3, 2ª edição. Ed. FUNEP, Jaboticabal-SP, 66 p, 1998. POPMA, T. J., GREN, B. W. Manual de Produccion Acuicola, Reversión de Tilapia em Lagunas de Tierra, ASA, Asociación Americana de Soja, Auburn University, p. 7-33, 1990. SCHALCH, S.H.C.; GARCIA, F. Enfermidade de Peixes. In: AYROZA, L.M.S. (Org.). Piscicultura. 1ed. Campinas: CATI, 2011, p. 99-123. (Manual Técnico 79).