SlideShare uma empresa Scribd logo

Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias

Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias

1 de 5
Baixar para ler offline
LARVAS DE MOLUSCOS BIVALVES NA CRIAÇÃO DE TILÁPIAS
Sergio Henrique Canello Schalch
Veter., Dr., PqC do Polo Regional do Vale do Paraíba/Apta
sschalch@apta.sp.gov.br
As tilápias desovam várias vezes por ano causando o problema de superpopulação nos
tanques, e diante do fato dos machos crescerem 2 a 4 vezes mais que as fêmeas, foi
desenvolvida a técnica de monossexo através da reversão sexual, que consiste no uso de
hormônio masculino para reverter fêmeas em machos com intuito de aproveitar o maior
crescimento dos machos desta espécie. Esta técnica de reversão sexual consiste em usar o
hormônio metil-testosterona misturado à ração, para larvas de uma semana de vida ou mais
(MAINARDES PINTO, 1988). Ou seja, a reversão sexual deve começar antes que o tecido
gonadal de fêmeas tenha sido diferenciado em ovários (POPMA & GREEN, 1990).
Durante o processo de reversão sexual em tilápias nilóticas em pisciculturas da região do
Vale do Paraíba, em coletas realizadas neste ano de 2015, foi possível observar na fase de
alevinagem a presença de larvas de moluscos bivalves parasitando os peixes e causando
elevada mortalidade. A alta mortalidade constatada esteve presente na fase de reversão
sexual, que dura em média 30 dias. É nesta fase de larva que os peixes são mais sensíveis
ao ataque de doenças e outras predações.
Esta mortalidade pode passar despercebida para o produtor devido ao canibalismo
considerado normal na larvicultura, mas vimos no Laboratório do Setor de Aquicultura de
Pindamonhangaba que a porcentagem de mortalidade das larvas por este molusco é alta,
em torno de 80 a 90% se não tratada a tempo. Foi realizado um tratamento com cloreto de
sódio (sal de gado) a 5% durante 30 minutos por 3 dias consecutivos em três aquários de 20
litros contendo 150 larvas de tilápias recém revertidas sexualmente e os resultados não
foram animadores.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016
É possível encontrar uma grande variedade de molusco bivalves de água doce. Para o
desenvolvimento e metamorfose da larva veliger, deve ocorrer parasitismo em um peixe por
um certo tempo, estas larvas são chamadas de gloquídias. Parasitam as brânquias e o
tegumento dos peixes, ficando encapsuladas, levando a hiperplasia de células do
hospedeiro e redução do crescimento. Este contato com o peixe pode causar a morte do
hospedeiro. Houve relatos de casos em pisciculturas da região de Londrina em que as
larvas de moluscos A. trapesialis causaram sérios prejuízos em tilápias nilóticas (EIRAS et
al., 2010). As larvas são visíveis como pequenos pontos brancos no tegumento e nas
nadadeiras (Figura-1). Também foi diagnosticada por SCHALCH e GARCIA (2011)
causando mortalidade em tilápias na fase juvenil criadas em sistemas de tanque-rede na
região Noroeste Paulista do Estado de São Paulo.
Figura 1 – Larvas de moluscos bivalves (gloquídias) parasitando o tegumento e
nadadeiras de um juvenil de tilápia nilótica.
Com os diagnósticos apresentados é notório que este parasito é bastante prejudicial à
criação de peixes, principalmente na larvicultura de tilápias. Em propriedades rurais que
estão sofrendo com o ataque destas larvas, muitas vezes, as infestações são confundidas
pelo produtor com o ataque por protozoário que também causa sinais clínicos semelhantes
no tegumento dos peixes, conhecido como a doença dos pontos brancos que é causada
pelo ictio (Ichthyophthirius multifiliis) (Figura 2).
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016
A diferença básica é que o protozoário ictio é móvel e as larvas de moluscos bivalves ficam
encapsuladas imóveis e algumas apresentam uma coloração amarelada (Figura 1). No
entanto, para fechar o diagnóstico é necessário o acompanhamento de um profissional
capacitado para recomendar medidas profiláticas e curativas diferentes das usadas
normalmente para combater o protozoário ictio.
As consequências da parasitose por larvas de molusco podem ser várias. Alevinos de O.
kisutch parasitados por mais de 50 larvas de moluscos A. oregonensis morreram nos
primeiros dez dias da infecção. Foi observado neste mesmo hospedeiro, redução de
crescimento mesmo com infecção de pequena intensidade (EIRAS, 1994).
Figura 2 - Rhamdia quelen infestada pela doença dos pontos
brancos Ichthyophthirius multifiliis (EIRAS, 2010).
No seu ciclo de vida, os moluscos adultos se reproduzem e liberam as larvas chamadas
gloquídias, que infectam um peixe. Depois se transformam em moluscos jovens,
completando o ciclo como moluscos adultos. (Figura 3).
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016
Figura 3 – Molusco bivalve adulto, Polo Vale do Paraíba-Setor Aquicultura/Apta
Para esta enfermidade é recomendado um tratamento curativo, que é justificado pela alta
mortalidade que causa principalmente para as larvas de tilápias nilóticas. Um dos produtos
que se utiliza e que atinge melhores resultados para combater esta enfermidade é o sulfato
de cobre. Cabe lembrar aqui, que deve-se evitar o uso indiscriminado deste produto ou de
qualquer outro tipo de produto químico no ambiente de criação, pois pode provocar danos à
flora e fauna do seu viveiro, afetando a qualidade da água, e o tempo de carência para este
produto é de 30 dias (MARTINS, 1998).
Assim que o produtor observar as primeiras mortalidades é necessário entrar em contato
com um profissional capacitado para indicar o melhor tratamento para o caso. Os
quarentenários são locais mais indicados para realizar qualquer tratamento, pois fica longe
do ambiente de criação e o resíduo pode ser tratado antes de devolver a água para o meio
ambiente.
Esta parasitose está sendo disseminada por diversas regiões de criação. Nos dias de hoje,
não é exigido um certificado ictiossanitário emitido por um profissional do ramo, ou seja, as
larvas, alevinos, juvenis e peixes adultos que são transportadas das pisciculturas carregam
com si diversos agentes infestantes como é o caso desta larva de molusco que está sendo
amplamente disseminada. O vazio sanitário com a utilização de 200 gramas de cal virgem
por metro quadrado, durante o período de dez dias, favorece a eliminação dos moluscos
bivalves.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016
Referencias Bibliográficas:
EIRAS, J.C. Elementos de ictioparasitologia. Porto, Portugal: Fundação Eng. Antônio de
Almeida, 339p., 1994.
EIRAS, J. C., TAKEMOTO, R. M., PAVANELLI, G. C. Diversidade dos parasitas de peixes
de água doce do Brasil, Maringá: Clichetec, 333p., 2010.
MAINARDES-PINTO, C.S.R., Criação de Tilápias, São Paulo, Instituto de Pesca,
Coordenadoria de Pesquisa Agropecuária, Boletim Técnico nº 10, 13p., 1988.
MARTINS, M.L. Doenças Infecciosas e Parasitárias de Peixes. Boletim Técnico nº 3, 2ª
edição. Ed. FUNEP, Jaboticabal-SP, 66 p, 1998.
POPMA, T. J., GREN, B. W. Manual de Produccion Acuicola, Reversión de Tilapia em
Lagunas de Tierra, ASA, Asociación Americana de Soja, Auburn University, p. 7-33, 1990.
SCHALCH, S.H.C.; GARCIA, F. Enfermidade de Peixes. In: AYROZA, L.M.S. (Org.).
Piscicultura. 1ed. Campinas: CATI, 2011, p. 99-123. (Manual Técnico 79).

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)
Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)
Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)Ronaldo Santana
 
Apresentação 1o A - peixes e anfíbios
Apresentação 1o A - peixes e anfíbiosApresentação 1o A - peixes e anfíbios
Apresentação 1o A - peixes e anfíbiosSESI 422 - Americana
 
Introdução pesca
Introdução pescaIntrodução pesca
Introdução pescaarlesbreno
 
Anatomia e Fisiologia dos Artrópodes
Anatomia e Fisiologia dos ArtrópodesAnatomia e Fisiologia dos Artrópodes
Anatomia e Fisiologia dos ArtrópodesKiller Max
 
7º ano cap 18 equinodermos
7º ano  cap 18 equinodermos7º ano  cap 18 equinodermos
7º ano cap 18 equinodermosISJ
 
Plano de aula 1º bimestre biologia - 2º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre   biologia - 2º ano matutino - 2022Plano de aula 1º bimestre   biologia - 2º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre biologia - 2º ano matutino - 2022dibugiu
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)Ana Maciel
 

Mais procurados (20)

Crustaceos
CrustaceosCrustaceos
Crustaceos
 
Aula polinização vs
Aula polinização vsAula polinização vs
Aula polinização vs
 
Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)
Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)
Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)
 
Apresentação 1o A - peixes e anfíbios
Apresentação 1o A - peixes e anfíbiosApresentação 1o A - peixes e anfíbios
Apresentação 1o A - peixes e anfíbios
 
Morfologia externa tórax e abdome
Morfologia externa   tórax e abdomeMorfologia externa   tórax e abdome
Morfologia externa tórax e abdome
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 
Introdução pesca
Introdução pescaIntrodução pesca
Introdução pesca
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
 
Osteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Osteichthyes Actinopterygii SarcopterygiiOsteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Osteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
 
Aula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetaisAula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetais
 
Peixes - BIOLOGIA
Peixes - BIOLOGIA Peixes - BIOLOGIA
Peixes - BIOLOGIA
 
Anatomia e Fisiologia dos Artrópodes
Anatomia e Fisiologia dos ArtrópodesAnatomia e Fisiologia dos Artrópodes
Anatomia e Fisiologia dos Artrópodes
 
7º ano cap 18 equinodermos
7º ano  cap 18 equinodermos7º ano  cap 18 equinodermos
7º ano cap 18 equinodermos
 
Plano de aula 1º bimestre biologia - 2º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre   biologia - 2º ano matutino - 2022Plano de aula 1º bimestre   biologia - 2º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre biologia - 2º ano matutino - 2022
 
Extracção do DNA
Extracção do DNAExtracção do DNA
Extracção do DNA
 
Algas aula
Algas aulaAlgas aula
Algas aula
 
Aves
AvesAves
Aves
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
 
Célula vegetal e Parede Celular
Célula vegetal e Parede CelularCélula vegetal e Parede Celular
Célula vegetal e Parede Celular
 
Aula 6 - Caule
Aula 6 - CauleAula 6 - Caule
Aula 6 - Caule
 

Destaque

Diversidade genética de toxoplasma gondii
Diversidade genética de toxoplasma gondiiDiversidade genética de toxoplasma gondii
Diversidade genética de toxoplasma gondiiRural Pecuária
 
ICC$ - Índice da Vaca Ideal, o mais moderno e completo índice de seleção e co...
ICC$ - Índice da Vaca Ideal, o mais moderno e completo índice de seleção e co...ICC$ - Índice da Vaca Ideal, o mais moderno e completo índice de seleção e co...
ICC$ - Índice da Vaca Ideal, o mais moderno e completo índice de seleção e co...Rural Pecuária
 
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo Rural Pecuária
 
Resultado Final do Concurso Leiteiro do Gir Leiteiro da 80ª Expozebu
Resultado Final do Concurso Leiteiro do Gir Leiteiro da 80ª ExpozebuResultado Final do Concurso Leiteiro do Gir Leiteiro da 80ª Expozebu
Resultado Final do Concurso Leiteiro do Gir Leiteiro da 80ª ExpozebuRural Pecuária
 
Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?
Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?
Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?Rural Pecuária
 
Consaguinidade ou Endogamia Bovina
Consaguinidade ou Endogamia Bovina Consaguinidade ou Endogamia Bovina
Consaguinidade ou Endogamia Bovina Rural Pecuária
 
Precise : Teste genômico que identifica as melhores fêmeas do seu rebanho
 Precise : Teste genômico que identifica as melhores fêmeas do seu rebanho  Precise : Teste genômico que identifica as melhores fêmeas do seu rebanho
Precise : Teste genômico que identifica as melhores fêmeas do seu rebanho Rural Pecuária
 
Desmama pesada ou troncuda?
Desmama pesada ou troncuda?Desmama pesada ou troncuda?
Desmama pesada ou troncuda?Rural Pecuária
 
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da sojaSistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da sojaRural Pecuária
 
Seleção de linhagens de soja da Embrapa para resistência a doenças: histórico...
Seleção de linhagens de soja da Embrapa para resistência a doenças: histórico...Seleção de linhagens de soja da Embrapa para resistência a doenças: histórico...
Seleção de linhagens de soja da Embrapa para resistência a doenças: histórico...Rural Pecuária
 
Manual de Orientação sobre o Sistema Nacional de Cadastro Rural
Manual de Orientação sobre o Sistema Nacional de Cadastro Rural Manual de Orientação sobre o Sistema Nacional de Cadastro Rural
Manual de Orientação sobre o Sistema Nacional de Cadastro Rural Rural Pecuária
 
2ª edição do livro "Gestão Sustentável na Agricultura"
2ª edição do livro "Gestão Sustentável na Agricultura"2ª edição do livro "Gestão Sustentável na Agricultura"
2ª edição do livro "Gestão Sustentável na Agricultura"Rural Pecuária
 
Girolando publica Avaliação de Vacas TOP 1.000
Girolando publica Avaliação de Vacas TOP 1.000Girolando publica Avaliação de Vacas TOP 1.000
Girolando publica Avaliação de Vacas TOP 1.000Rural Pecuária
 
Novos cultivares de sorgo-vassoura para agricultura regional
Novos cultivares de sorgo-vassoura para agricultura regionalNovos cultivares de sorgo-vassoura para agricultura regional
Novos cultivares de sorgo-vassoura para agricultura regionalRural Pecuária
 
Guia de Provas da raça Holandesa - Agosto de 2016
Guia de Provas da raça Holandesa - Agosto de 2016 Guia de Provas da raça Holandesa - Agosto de 2016
Guia de Provas da raça Holandesa - Agosto de 2016 Rural Pecuária
 
Cultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da cultura
Cultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da culturaCultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da cultura
Cultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da culturaRural Pecuária
 
Revista Indicadores da Agropecuária
Revista Indicadores da AgropecuáriaRevista Indicadores da Agropecuária
Revista Indicadores da AgropecuáriaRural Pecuária
 
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026Rural Pecuária
 

Destaque (19)

Diversidade genética de toxoplasma gondii
Diversidade genética de toxoplasma gondiiDiversidade genética de toxoplasma gondii
Diversidade genética de toxoplasma gondii
 
ICC$ - Índice da Vaca Ideal, o mais moderno e completo índice de seleção e co...
ICC$ - Índice da Vaca Ideal, o mais moderno e completo índice de seleção e co...ICC$ - Índice da Vaca Ideal, o mais moderno e completo índice de seleção e co...
ICC$ - Índice da Vaca Ideal, o mais moderno e completo índice de seleção e co...
 
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
 
Resultado Final do Concurso Leiteiro do Gir Leiteiro da 80ª Expozebu
Resultado Final do Concurso Leiteiro do Gir Leiteiro da 80ª ExpozebuResultado Final do Concurso Leiteiro do Gir Leiteiro da 80ª Expozebu
Resultado Final do Concurso Leiteiro do Gir Leiteiro da 80ª Expozebu
 
Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?
Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?
Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?
 
Consaguinidade ou Endogamia Bovina
Consaguinidade ou Endogamia Bovina Consaguinidade ou Endogamia Bovina
Consaguinidade ou Endogamia Bovina
 
Precise : Teste genômico que identifica as melhores fêmeas do seu rebanho
 Precise : Teste genômico que identifica as melhores fêmeas do seu rebanho  Precise : Teste genômico que identifica as melhores fêmeas do seu rebanho
Precise : Teste genômico que identifica as melhores fêmeas do seu rebanho
 
Desmama pesada ou troncuda?
Desmama pesada ou troncuda?Desmama pesada ou troncuda?
Desmama pesada ou troncuda?
 
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da sojaSistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
 
Seleção de linhagens de soja da Embrapa para resistência a doenças: histórico...
Seleção de linhagens de soja da Embrapa para resistência a doenças: histórico...Seleção de linhagens de soja da Embrapa para resistência a doenças: histórico...
Seleção de linhagens de soja da Embrapa para resistência a doenças: histórico...
 
Manual de Orientação sobre o Sistema Nacional de Cadastro Rural
Manual de Orientação sobre o Sistema Nacional de Cadastro Rural Manual de Orientação sobre o Sistema Nacional de Cadastro Rural
Manual de Orientação sobre o Sistema Nacional de Cadastro Rural
 
2ª edição do livro "Gestão Sustentável na Agricultura"
2ª edição do livro "Gestão Sustentável na Agricultura"2ª edição do livro "Gestão Sustentável na Agricultura"
2ª edição do livro "Gestão Sustentável na Agricultura"
 
Girolando publica Avaliação de Vacas TOP 1.000
Girolando publica Avaliação de Vacas TOP 1.000Girolando publica Avaliação de Vacas TOP 1.000
Girolando publica Avaliação de Vacas TOP 1.000
 
Novos cultivares de sorgo-vassoura para agricultura regional
Novos cultivares de sorgo-vassoura para agricultura regionalNovos cultivares de sorgo-vassoura para agricultura regional
Novos cultivares de sorgo-vassoura para agricultura regional
 
Guia de Provas da raça Holandesa - Agosto de 2016
Guia de Provas da raça Holandesa - Agosto de 2016 Guia de Provas da raça Holandesa - Agosto de 2016
Guia de Provas da raça Holandesa - Agosto de 2016
 
Cultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da cultura
Cultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da culturaCultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da cultura
Cultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da cultura
 
Volume de Leite na Prova
Volume de Leite na ProvaVolume de Leite na Prova
Volume de Leite na Prova
 
Revista Indicadores da Agropecuária
Revista Indicadores da AgropecuáriaRevista Indicadores da Agropecuária
Revista Indicadores da Agropecuária
 
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
 

Semelhante a Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias

avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdfavaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdfRicardoEliasValeLima
 
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucessoControle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucessoRural Pecuária
 
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-redeEnfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-redeRural Pecuária
 
Primeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaPrimeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaMarcel Vieira
 
Algas
AlgasAlgas
AlgasURCA
 
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof james
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof jamesAula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof james
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof jamesJames Martins
 
Provas do segundo dia do SSA2 da UPE
Provas do segundo dia do SSA2 da UPEProvas do segundo dia do SSA2 da UPE
Provas do segundo dia do SSA2 da UPELuiza Freitas
 
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdfAulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdfosiasmartinsmagalhes
 
Algas verdes trabalho de biologia
Algas verdes trabalho de biologia Algas verdes trabalho de biologia
Algas verdes trabalho de biologia jtvedy
 
Ecologia de insetos
Ecologia de insetosEcologia de insetos
Ecologia de insetosLimnos Ufsc
 
Diversidade das Algas Explicação
Diversidade das Algas ExplicaçãoDiversidade das Algas Explicação
Diversidade das Algas ExplicaçãoSam Adam
 

Semelhante a Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias (20)

avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdfavaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
 
Coccinellidae
CoccinellidaeCoccinellidae
Coccinellidae
 
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucessoControle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
 
Piscicultura doenças parasitárias em peixes
Piscicultura   doenças parasitárias em peixesPiscicultura   doenças parasitárias em peixes
Piscicultura doenças parasitárias em peixes
 
Aula 04
Aula 04Aula 04
Aula 04
 
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-redeEnfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
 
Difilobotrise
DifilobotriseDifilobotrise
Difilobotrise
 
Primeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaPrimeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologia
 
Insetos em ordem
Insetos em ordemInsetos em ordem
Insetos em ordem
 
13
1313
13
 
Algas
AlgasAlgas
Algas
 
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof james
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof jamesAula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof james
Aula complementar COM RESPOSTAS - bio reino protista - prof james
 
Provas do segundo dia do SSA2 da UPE
Provas do segundo dia do SSA2 da UPEProvas do segundo dia do SSA2 da UPE
Provas do segundo dia do SSA2 da UPE
 
Artigo bioterra v14_n2_01
Artigo bioterra v14_n2_01Artigo bioterra v14_n2_01
Artigo bioterra v14_n2_01
 
Protista
ProtistaProtista
Protista
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdfAulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
 
Algas verdes trabalho de biologia
Algas verdes trabalho de biologia Algas verdes trabalho de biologia
Algas verdes trabalho de biologia
 
Ecologia de insetos
Ecologia de insetosEcologia de insetos
Ecologia de insetos
 
Diversidade das Algas Explicação
Diversidade das Algas ExplicaçãoDiversidade das Algas Explicação
Diversidade das Algas Explicação
 

Mais de Rural Pecuária

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Rural Pecuária
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).Rural Pecuária
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Rural Pecuária
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Rural Pecuária
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalRural Pecuária
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...Rural Pecuária
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Rural Pecuária
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorRural Pecuária
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaRural Pecuária
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoRural Pecuária
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasRural Pecuária
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Rural Pecuária
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Rural Pecuária
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...Rural Pecuária
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Rural Pecuária
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovadoRural Pecuária
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelRural Pecuária
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesRural Pecuária
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteRural Pecuária
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Rural Pecuária
 

Mais de Rural Pecuária (20)

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
 

Último

MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docxMAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx2m Assessoria
 
Aula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptx
Aula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptxAula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptx
Aula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptxHugoHoch2
 
ATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docxATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docx2m Assessoria
 
Apresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de software
Apresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de softwareApresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de software
Apresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de softwareAleatório .
 
MAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
MAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxMAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
MAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docx
ATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docxATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docx
ATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docxjosecarlos413721
 
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxMAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx2m Assessoria
 
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docxMAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docxjosecarlos413721
 
ATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docxATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docx2m Assessoria
 
Uniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdf
Uniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdfUniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdf
Uniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdfPatriciaAraujo658854
 
ATIVIDADE 1 - GFIN - FLUXO DE CAIXA E ADMINISTRAÇÃO DE CAPITAL DE GIRO - 5120...
ATIVIDADE 1 - GFIN - FLUXO DE CAIXA E ADMINISTRAÇÃO DE CAPITAL DE GIRO - 5120...ATIVIDADE 1 - GFIN - FLUXO DE CAIXA E ADMINISTRAÇÃO DE CAPITAL DE GIRO - 5120...
ATIVIDADE 1 - GFIN - FLUXO DE CAIXA E ADMINISTRAÇÃO DE CAPITAL DE GIRO - 5120...2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docxATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docx2m Assessoria
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docx
MAPA   -   DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docxMAPA   -   DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docx
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docx2m Assessoria
 
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docxMAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docxjosecarlos413721
 
ATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docxATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docxjosecarlos413721
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx2m Assessoria
 

Último (17)

MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docxMAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
 
Aula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptx
Aula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptxAula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptx
Aula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptx
 
ATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docxATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docx
 
Apresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de software
Apresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de softwareApresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de software
Apresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de software
 
MAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
MAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxMAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
MAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docx
ATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docxATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docx
ATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docx
 
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxMAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
 
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docxMAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docxATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docx
 
Uniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdf
Uniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdfUniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdf
Uniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdf
 
ATIVIDADE 1 - GFIN - FLUXO DE CAIXA E ADMINISTRAÇÃO DE CAPITAL DE GIRO - 5120...
ATIVIDADE 1 - GFIN - FLUXO DE CAIXA E ADMINISTRAÇÃO DE CAPITAL DE GIRO - 5120...ATIVIDADE 1 - GFIN - FLUXO DE CAIXA E ADMINISTRAÇÃO DE CAPITAL DE GIRO - 5120...
ATIVIDADE 1 - GFIN - FLUXO DE CAIXA E ADMINISTRAÇÃO DE CAPITAL DE GIRO - 5120...
 
ATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docxATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docx
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docx
MAPA   -   DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docxMAPA   -   DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docx
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docx
 
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docxMAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docxATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
 

Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias

  • 1. LARVAS DE MOLUSCOS BIVALVES NA CRIAÇÃO DE TILÁPIAS Sergio Henrique Canello Schalch Veter., Dr., PqC do Polo Regional do Vale do Paraíba/Apta sschalch@apta.sp.gov.br As tilápias desovam várias vezes por ano causando o problema de superpopulação nos tanques, e diante do fato dos machos crescerem 2 a 4 vezes mais que as fêmeas, foi desenvolvida a técnica de monossexo através da reversão sexual, que consiste no uso de hormônio masculino para reverter fêmeas em machos com intuito de aproveitar o maior crescimento dos machos desta espécie. Esta técnica de reversão sexual consiste em usar o hormônio metil-testosterona misturado à ração, para larvas de uma semana de vida ou mais (MAINARDES PINTO, 1988). Ou seja, a reversão sexual deve começar antes que o tecido gonadal de fêmeas tenha sido diferenciado em ovários (POPMA & GREEN, 1990). Durante o processo de reversão sexual em tilápias nilóticas em pisciculturas da região do Vale do Paraíba, em coletas realizadas neste ano de 2015, foi possível observar na fase de alevinagem a presença de larvas de moluscos bivalves parasitando os peixes e causando elevada mortalidade. A alta mortalidade constatada esteve presente na fase de reversão sexual, que dura em média 30 dias. É nesta fase de larva que os peixes são mais sensíveis ao ataque de doenças e outras predações. Esta mortalidade pode passar despercebida para o produtor devido ao canibalismo considerado normal na larvicultura, mas vimos no Laboratório do Setor de Aquicultura de Pindamonhangaba que a porcentagem de mortalidade das larvas por este molusco é alta, em torno de 80 a 90% se não tratada a tempo. Foi realizado um tratamento com cloreto de sódio (sal de gado) a 5% durante 30 minutos por 3 dias consecutivos em três aquários de 20 litros contendo 150 larvas de tilápias recém revertidas sexualmente e os resultados não foram animadores.
  • 2. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016 É possível encontrar uma grande variedade de molusco bivalves de água doce. Para o desenvolvimento e metamorfose da larva veliger, deve ocorrer parasitismo em um peixe por um certo tempo, estas larvas são chamadas de gloquídias. Parasitam as brânquias e o tegumento dos peixes, ficando encapsuladas, levando a hiperplasia de células do hospedeiro e redução do crescimento. Este contato com o peixe pode causar a morte do hospedeiro. Houve relatos de casos em pisciculturas da região de Londrina em que as larvas de moluscos A. trapesialis causaram sérios prejuízos em tilápias nilóticas (EIRAS et al., 2010). As larvas são visíveis como pequenos pontos brancos no tegumento e nas nadadeiras (Figura-1). Também foi diagnosticada por SCHALCH e GARCIA (2011) causando mortalidade em tilápias na fase juvenil criadas em sistemas de tanque-rede na região Noroeste Paulista do Estado de São Paulo. Figura 1 – Larvas de moluscos bivalves (gloquídias) parasitando o tegumento e nadadeiras de um juvenil de tilápia nilótica. Com os diagnósticos apresentados é notório que este parasito é bastante prejudicial à criação de peixes, principalmente na larvicultura de tilápias. Em propriedades rurais que estão sofrendo com o ataque destas larvas, muitas vezes, as infestações são confundidas pelo produtor com o ataque por protozoário que também causa sinais clínicos semelhantes no tegumento dos peixes, conhecido como a doença dos pontos brancos que é causada pelo ictio (Ichthyophthirius multifiliis) (Figura 2).
  • 3. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016 A diferença básica é que o protozoário ictio é móvel e as larvas de moluscos bivalves ficam encapsuladas imóveis e algumas apresentam uma coloração amarelada (Figura 1). No entanto, para fechar o diagnóstico é necessário o acompanhamento de um profissional capacitado para recomendar medidas profiláticas e curativas diferentes das usadas normalmente para combater o protozoário ictio. As consequências da parasitose por larvas de molusco podem ser várias. Alevinos de O. kisutch parasitados por mais de 50 larvas de moluscos A. oregonensis morreram nos primeiros dez dias da infecção. Foi observado neste mesmo hospedeiro, redução de crescimento mesmo com infecção de pequena intensidade (EIRAS, 1994). Figura 2 - Rhamdia quelen infestada pela doença dos pontos brancos Ichthyophthirius multifiliis (EIRAS, 2010). No seu ciclo de vida, os moluscos adultos se reproduzem e liberam as larvas chamadas gloquídias, que infectam um peixe. Depois se transformam em moluscos jovens, completando o ciclo como moluscos adultos. (Figura 3).
  • 4. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016 Figura 3 – Molusco bivalve adulto, Polo Vale do Paraíba-Setor Aquicultura/Apta Para esta enfermidade é recomendado um tratamento curativo, que é justificado pela alta mortalidade que causa principalmente para as larvas de tilápias nilóticas. Um dos produtos que se utiliza e que atinge melhores resultados para combater esta enfermidade é o sulfato de cobre. Cabe lembrar aqui, que deve-se evitar o uso indiscriminado deste produto ou de qualquer outro tipo de produto químico no ambiente de criação, pois pode provocar danos à flora e fauna do seu viveiro, afetando a qualidade da água, e o tempo de carência para este produto é de 30 dias (MARTINS, 1998). Assim que o produtor observar as primeiras mortalidades é necessário entrar em contato com um profissional capacitado para indicar o melhor tratamento para o caso. Os quarentenários são locais mais indicados para realizar qualquer tratamento, pois fica longe do ambiente de criação e o resíduo pode ser tratado antes de devolver a água para o meio ambiente. Esta parasitose está sendo disseminada por diversas regiões de criação. Nos dias de hoje, não é exigido um certificado ictiossanitário emitido por um profissional do ramo, ou seja, as larvas, alevinos, juvenis e peixes adultos que são transportadas das pisciculturas carregam com si diversos agentes infestantes como é o caso desta larva de molusco que está sendo amplamente disseminada. O vazio sanitário com a utilização de 200 gramas de cal virgem por metro quadrado, durante o período de dez dias, favorece a eliminação dos moluscos bivalves.
  • 5. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 1, Jan-Jun 2016 Referencias Bibliográficas: EIRAS, J.C. Elementos de ictioparasitologia. Porto, Portugal: Fundação Eng. Antônio de Almeida, 339p., 1994. EIRAS, J. C., TAKEMOTO, R. M., PAVANELLI, G. C. Diversidade dos parasitas de peixes de água doce do Brasil, Maringá: Clichetec, 333p., 2010. MAINARDES-PINTO, C.S.R., Criação de Tilápias, São Paulo, Instituto de Pesca, Coordenadoria de Pesquisa Agropecuária, Boletim Técnico nº 10, 13p., 1988. MARTINS, M.L. Doenças Infecciosas e Parasitárias de Peixes. Boletim Técnico nº 3, 2ª edição. Ed. FUNEP, Jaboticabal-SP, 66 p, 1998. POPMA, T. J., GREN, B. W. Manual de Produccion Acuicola, Reversión de Tilapia em Lagunas de Tierra, ASA, Asociación Americana de Soja, Auburn University, p. 7-33, 1990. SCHALCH, S.H.C.; GARCIA, F. Enfermidade de Peixes. In: AYROZA, L.M.S. (Org.). Piscicultura. 1ed. Campinas: CATI, 2011, p. 99-123. (Manual Técnico 79).