O slideshow foi denunciado.
1
CARTA BOIAs melhores e mais fiéis informações de mercado
Scot Consultoria
www.scotconsultoria.com.br
Vol. 15 • No. 180
o...
2 www.scotconsultoria.com.br
CARTA BOIAs melhores e mais fiéis informações de mercado Scot Consultoria • www.scotconsultor...
3 www.scotconsultoria.com.br
CARTA BOIAs melhores e mais fiéis informações de mercado Scot Consultoria • www.scotconsultor...
CARTA BOIAs melhores e mais fiéis informações de mercado
4 www.scotconsultoria.com.br
Scot Consultoria • www.scotconsultor...
Carta Boi - Como produzir mais carne pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa?
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Carta Boi - Como produzir mais carne pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa?

58 visualizações

Publicada em

Carta Boi - Como produzir mais carne pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa?

Publicada em: Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Carta Boi - Como produzir mais carne pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa?

  1. 1. 1 CARTA BOIAs melhores e mais fiéis informações de mercado Scot Consultoria www.scotconsultoria.com.br Vol. 15 • No. 180 outubro de 2017 www.scotconsultoria.com.br ISSN 1808-1207 Foto:BelaMagrelanoConfinamentoMonteAlegre COMO PRODUZIR MAIS CARNE PODE REDUZIR AS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA? A pecuária brasileira é conhecida, nacional e mundialmente, como a principal causa do desmatamento. Isto é verdade? POR: Mariane Crespolini e Rafael de Oliveira
  2. 2. 2 www.scotconsultoria.com.br CARTA BOIAs melhores e mais fiéis informações de mercado Scot Consultoria • www.scotconsultoria.com.br Vol. 15 • No. 180 • outubro de 2017 Ao invés de ser considerada a causa principal do desmatamento, como muitas vezes a mídia aponta, a pecuária seria usada como forma de operacionalizar o desmatamento, porém, não a causa principal, tampouco a inicial. Dois dos maiores historiados do Brasil, Prado Jr. e Furtado, consideram a expansão da bovinocultura de corte a atividade mais importante na ocupação do território brasileiro. Isto foi de extrema relevância para a soberania e economia nacional, pois garantiu território e foi a atividade inicial de muitas economias regionais. Porém, pelo mesmo motivo, a pecuária brasileira é conhecida, nacional e mundialmente, como a principal causa do desmatamento. Isto é verdade? Os estudos e pesquisas que relacionam a pecuária como causadora do desmatamento poucas vezes aprofundam-se numa dinâmica de desmatamento muito mais complexa que ocorre na prática. Se a área total de pastagens no Brasil não tem aumentado e a produção de carne sim, o que leva os agentes a abrirem a floresta? Estudos recentes demonstram que há uma fraca ligação entre as altas no preço da arroba, assim como com o total de carne produzida, com o desmatamento. Em outras palavras, quando o preço e a demanda aumentam, o desmatamento não necessariamente aumenta. Um dos motivos nesta complexa dinâmica do desmatamento, frequentemente ignorado em discursos “anti-agronegócio” é a remuneração pela venda da madeira. Um outro motivo é a expectativa de valorização da terra. Isto é, imediatamente à retirada da madeira, a terra valoriza e pode ser comercializada. O valor da terra nua é superior à terra com floresta e, após o início da atividade agropecuária, a valorização é ainda mais expressiva. Nesta situação, o desmatamento gera duas receitas: a da madeira, e aquela relativa à comercialização e valorização da terra, conforme apontado por Crespolini, em pesquisa realizada em 2015. Na sequência, sim, há a entrada dos bovinos. Cerca de 80% da área já desmatada é hoje usada como pasto para o gado. A pergunta, neste caso, talvez óbvia para produtores, mas muito longe da realidade dos consumidores das grandes cidades, é: porque é a pecuária a primeira atividade? Porque não a soja ou mesmo o milho? A resposta para isto é que a pecuária de corte é uma atividade que exige baixo investimento. É muito mais “barato” colocar os animais do que ter que preparar o solo, comprar maquinários e plantar soja. Além disso, é uma atividade de baixo risco e, o pastoreio dos animais impede que a floresta regenere. Assim, uma formulação coerente para esta complexa dinâmica de desmatamento é que ao invés de ser considerada a causa principal do desmatamento, como muitas vezes a mídia aponta, a pecuária seria usada como forma de operacionalizar o desmatamento, porém, não a causa principal, tampouco a inicial. Desde 1985, são os ganhos de produtividade, e não a expansão da área produtiva, que explicam o aumento da produção da bovinocultura de corte no Brasil. Este fenômeno intensifica-se a partir de 1996, quando a pecuária passa a liberar área para outras culturas. Para aumentar a produção de carne bovina, do ponto de vista de potencial das áreas de pastagenss atuais, definitivamente não é necessário derrubar uma única árvore, conforme apontam vários estudos. Como fazemos deste limão azedo, que é a imagem que existe da pecuária, como causa principal do desmatamento, uma doce limonada? Estudos apontam que o impacto da pecuária é muito menor do que tem sido estimado e, dentro de certas condições de manejo de pastagem, a atividade pode, até mesmo, absorver mais gases de efeito estufa do que emitir. Mariane Crespolini Gestora Ambiental (Esalq/USP); Mestra e Doutoranda em Economia (Unicamp); Pesquisadora do Cepea/Esalq/USP e Pesquisadora Visitante da Faculdade Rural da Escócia. rafael de oliveira silva Matemático (Unicamp), Doutor em Pesquisa Operacional (UniversidaWde de Edimburgo). Pesquisador e Pós-Doc da Faculdade Rural da Escócia.
  3. 3. 3 www.scotconsultoria.com.br CARTA BOIAs melhores e mais fiéis informações de mercado Scot Consultoria • www.scotconsultoria.com.br Vol. 15 • No. 180 • outubro de 2017 Para aumentar a produção de carne bovina, do ponto de vista de potencial das áreas de pastagens atuais, definitivamente não é necessário derrubar uma única árvore, conforme apontam vários estudos. De acordo com a pesquisa recente realizada por Oliveira e outros autores, capa da Nature Climate Change, uma das revistas mais exigentes do meio acadêmico, se as pastagens brasileiras forem bem manejadas, pode-se produzir mais carne sem aumentar as emissões de gases de efeito estufa. Na verdade, de acordo com os autores, as emissões totais podem inclusive cair. Claro que a pecuária, assim como qualquer produção de alimentos ou mesmo atividade humana, causa impactos ao meio ambiente. A questão é que, o impacto causado pela pecuária, em termos de gases de efeitos estufa, tanto por expansão das áreas de pastagem, quanto por emissões diretas do gado (o famoso arroto do boi) pode ser menor com o aumento da produção. Isto acontece por que, embora um aumento do consumo obviamente aumente o número de animais, e, portanto, as emissões diretas do gado, se este aumento não vier acompanhado de desmatamento, e sim pela intensificação de pastagens existentes, o ganho em carbono no solo, resultado da fotossíntese realizada pela pastagem, pode ser maior que as emissões extras de um rebanho maior. Neste caso as emissões líquidas não seriam zero, nem negativas, porém menores do que no caso da demanda e modelo atual de produção. Ressalta-se que, sob certas condições, também é possível que as pastagens sequestrem mais carbono da atmosfera do que emitido pelos bois. Nas últimas décadas, a atividade demonstrou que, colocá-la como causa do desmatamento parece não corresponder com a realidade. Apesar da pecuária estar em processo de intensificação, ainda há um montante expressivo de áreas com pastagens sob algum grau de degradação. Isto, apesar de ruim, representa uma grande oportunidade para País. Já que o potencial de sequestro de carbono destas pastagens é imenso. Assim, se a demanda por carne bovina aumentar, para atendê-la, os produtores terão que manejar os pastos. E sim, este aumento da demanda pode reduzir as emissões totais e por quilo de carne bovina produzida no Brasil. É claro que neste ponto é importante ressaltar que o aumento da produção não pode vir de abertura de novas áreas. Isto é ruim para a produção? Não! Não precisamos abrir novas áreas. Além disso, sistemas mais intensivos, ainda que mais arriscados, tendem a ser mais lucrativos. Daqui para frente, espera-se que a pecuária, via manejo de pastagem e adoções de tecnologia, demonstre que pode ser uma atividade aliada ao combate do aquecimento global. Para a indústria da carne, se isto for atingido, pode ser uma estratégia inclusive para abertura de novos mercados. Nota dos autores: os dados e inferências deste artigo são todos baseados em publicações científicas dos autores e também de outros pesquisadores, publicados em periódicos internacionais e nacionais, listados abaixo. Foto: Bela Magrela no Confinamento Monte Alegre
  4. 4. CARTA BOIAs melhores e mais fiéis informações de mercado 4 www.scotconsultoria.com.br Scot Consultoria • www.scotconsultoria.com.br AUTORES: Mariane Crespolini, Gestora Ambiental (Esalq/USP); Mestra e Doutoranda em Economia (Unicamp); Pesquisadora do Cepea/Esalq/USP e Pesquisadora Visitante da Faculdade Rural da Escócia. Rafael de Oliveira Silva, Matemático (Unicamp), Doutor em Pesquisa Operacional (Universidade de Edimburgo). Pesquisador e Pós-Doc da Faculdade Rural da Escócia. EDITORA: Marina Zaia •JORNALISTA RESPONSÁVEL: Isabel Torres - MTB 10097. DIAGRAMAÇÃO: Nataly Meschiari, Bela Magrela - www.belamagrela.com.br SCOT CONSULTORIA: Rua Coronel Conrado Caldeira, 578. Centro. Bebedouro-SP. CEP. 14.701-000. • (17) 3343-5111. • www.scotconsultoria.com.br Vol. 15 • No. 180 • outubro de 2017 PALESTRAS• SCOT CONSULTORIA PRÓXIMOS EVENTOS • SCOT CONSULTORIA EVENTOS LOCAL DATA Palestra da Scot Consultoria Brasilia-DF 01/11/17 Encontro de Analistas da Scot Consultoria São Paulo-SP 17/11/17 Evento da Vale Fertilizantes Campinas-SP 22/11/17 8th Symposium on Beef Cattle Piracicaba-SP 07/12/17 Encontro de confinamento e recriadores 2018 Ribeirão Preto-SP 17 a 20/04/18 BIBLIOGRAFIA Arima, E.Y., Barreto, P., Araújo, E., Soares¬Filho, B., 2014. Public policies can reduce tropical deforestation: Lessons and challenges from Brazil. Land use policy 41, 465–473. doi:10.1016/j.landusepol.2014.06.026 Buainain, A. M. Alguns condicionantes do novo padrão de acumulação da agricultura brasileira In: Buainain, A. M.; Alves, E.; Silveira, J. M.; Navarro, Z. O mundo rural no Brasil do século 21 – A formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília, DF : Embrapa - 2014 p. 211 – 240. Crespolini, M., 2015. As mudanças da bovinocultura de corte no Brasil: evidências a partir de Mato Grosso do Sul (2004–2015). (dissertation). University of Campinas. De Oliveira Silva, R; Barioni, L; Hall, J.; Moretti, A.; Fonseca R, ; Alexander, P.; Crespolini, M.; Moran, D. Sustainable intensification of Brazilian livestock production through optimized pasture restoration. Agricultural Systems, v. 153, p. 201-211, 2017. De Oliveira Silva, R.; Barioni, L. G. ; Moran, D. Reply to ‘Emissions from cattle farming in Brazil’. Nature Climate Change, v. 6, p. 894-894, 2016. De Oliveira Silva, R.; Barioni, L. G. ; Hall, J. A. J. ; Folegatti Matsuura, M. ; Zanett Albertini, T. ; Fernandes, F. A. ; Moran, D. Increasing beef production could lower greenhouse gas emissions in Brazil if decoupled from deforestation. Nature Climate Change, 2016. De Zen, S.; Barioni, L. G.; Bonato, D. B. B.; Almeida, M. H. S. P.; Rittl, T. F.; Pecuária de corte brasileira: Impactos Ambientais e Emissões de Gases do Efeito Estufa, Piracicaba/SP Cepea/Esalq/USP 6p., 2008. Dias-Filho, M. B. Degradação de pastagens: processos, causas e estratégias de recuperação. Embrapa Amazônia Oriental 4. Edição revisada, Belém, PA, 2011 Dias-Filho, M. B. Diagnóstico das pastagens no Brasil – Embrapa Amazônia Oriental, Belém – PA, 38 p., 2014 Furtado, C., Formação Econômica do Brasil. Editora Fundo de Cultura S/A, Rio de Janeiro, 1964. Martha, G. B., Alves, E., Contini, E., Land-saving approaches and beef production growth in Brazil. Agricultural Systems, v. 110, p. 173-177, 2012. Prado Júnior, C. Formação Do Brasil Contemporâneo. Vol. 1. Editora Brasiliense, 1945. Rivero S.; Almeida, O.; Ávila, S.; Oliveira, W. Pecuária e desmatamento: uma análise das principais causas diretas do desmatamento na Amazônia. Nova Economia, Vol. 19, no 1, p. 41-66, jan/abril 2009 Strassburg, B.B.N., Latawiec, A.E., Barioni, L.G., Nobre, C.A., da Silva, V.P., Valentim, J.F., Vianna, M., Assad, E.D., 2014. When enough should be enough: Improving the use of current agricultural lands could meet production demands and spare natural habitats in Brazil. Glob. Environ. Chang. 28, 84–97. doi:10.1016/j. gloenvcha.2014.06.001 Foto: Bela Magrela no Confinamento Monte Alegre

×