SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
AMORA PRETA: QUEM É QUEM
Fumiko Okamoto
Zootecnista, Dra
., PqC da UPD Marília/Polo Regional Centro Oeste/APTA
fumiko@apta.sp.gov.br
Fernanda de Paiva Badiz Furlaneto
Med. Vet., Dra
., PqC da UPD Marília/Polo Regional Centro Oeste/APTA
fernandafurlaneto@apta.sp.gov.br
Adriana Novais Martins
Eng. Agr., Dra
., PqC da UPD Marília/Polo Regional Centro Oeste/APTA
adrianamartins@apta.sp.gov.br
As amoras pertencem a um grupo de frutas conhecido como “pequenas frutas”. Deste
grupo, destacam-se também as framboesas, mirtilo, morango e pitanga, entre outros.
Os frutos do gênero Morus são agregados resultantes de um conjunto de flor feminina.
Apresenta coloração de intensidade variável, sabor suave e bastante agradável. Possui
elevado valor nutricional e são compostos por fitoquímicos (como as antocianinas), cujos
benefícios para a saúde humana vêm sendo estudados no meio científico.
O grande destaque para o cultivo comercial é o baixo custo de produção, facilidade no
manejo e condução do pomar, além do reduzido uso de agrotóxicos, especialmente, para as
plantas do gênero Morus.
As amoras podem ser provenientes de plantas do gênero Morus, e especialmente se
pertencente a M. nigra, então conhecida como amoreira-preta, ou de plantas do gênero
Rubus, também denominada de amora-preta. Para melhor esclarecimento, o trabalho tem
como objetivo fornecer detalhes técnicos de cada tipo de amora.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013
Gênero Morus, família Moraceae
No Brasil, a importação de algumas amoreiras é atribuída a D. João VI, que iniciou o plantio
junto ao Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no começo do século XIX.
As plantas são perenes, arbustivas, com crescimento ereto e exploradas, principalmente,
para alimentação do bicho-da-seda (Bombyx mori L.). Recentemente, vem ganhando
destaque como planta forrageira para alimentação dos ruminantes. Os ramos e folhas
apresentam como qualidades o elevado teor de proteína bruta, baixo teor de fibra bruta e
alta aceitabilidade no consumo pelos animais, além da facilidade na digestão.
Dentre as espécies de importância econômica para a sericicultura, particularmente em
nosso país, destaca-se a Morus alba L. e, com menor expressão a Morus lhou Koidz e
Morus bombycis Koidz, selecionadas para produção de folhas.
►Morus lhou Koidz: Apresenta ramos marrom-amarelados, com folhas grandes,
arredondadas, com ondulação no limbo. As cultivares desta espécie são utilizadas
principalmente para cruzamentos, visando híbridos de grande produção foliar;
►Morus bombycis Koidz: A principal característica desta espécie é o estilo longo (parte da
flor), ramos de cor marrom avermelhada, folhas grandes, limbo de coloração verde escura.
Algumas cultivares, dessa espécie, também são utilizadas nos cruzamentos para
melhoramento genético.
O melhoramento genético das amoreiras, por meio de hibridação (cruzamentos das
variedades comuns e importadas) realizados pelo Instituto de Zootecnia permitiu a obtenção
de cultivares com elevado potencial para produção de folhas. São as cultivares conhecidas
como IZ, recomendadas para alimentação do bicho-da-seda e no uso como planta
forrageira, amoreiras estas conduzidas através de podas.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013
Figura 1. Cultivares IZ 13/6 (A) e IZ 10/1 (B) manejadas para produção de folhas (Fotos: Fumiko Okamoto)
Destaca-se ainda que, além da produção de folhas, estas mesmas amoreiras apresentam
uma produção elevada de frutos, principalmente entre os meses de agosto e setembro, que
podem ser exploradas, gerando mais uma alternativa de renda para as áreas de agricultura
familiar.
A cor do fruto pode ser branca, rosa, vermelha, vermelha intensa, preta ou preta brilhante,
de sabor insípido, adocicado, ácido ou agradável. Quanto ao peso unitário, pode variar de
2,14 a 4,37 gramas.
As espécies de amoreira da família Moraceae e do gênero Morus são classificadas
sobretudo pelo estilo ou estilete, região compreendida entre o estigma e o ovário (estruturas
da flor). A cor do fruto não deve ser considerada como caráter distintivo da amoreira, já dizia
Amilcar Savassi em 1931.
Com vistas à produção de frutos, as espécies cultivadas ou em estado selvagem são
provenientes de 3 grupos:
►Morus alba (amoreira branca): De grande importância por se tratar da espécie mais
cultivada para uso tradicional (alimentação do bicho-da-seda),mas que também se destaca
pela produção das amoras. Os frutos são menores que o da M. nigra, e de coloração
variando de branca, vermelha e preta;
►Morus nigra (amoreira preta): A amora desta espécie é mais saborosa e de maior
tamanho em relação à M. alba, apresenta coloração roxo-escuro e é bastante apreciada
para o consumo. As folhas são duras e ásperas e de baixo valor nutritivo, portanto não
sendo recomendadas para alimentação do bicho-da-seda. Apropriadas para produção de
frutos e, também, como planta ornamental;
A B
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013
►Morus rubra (amoreira rubra ou vermelha): Pouco conhecida no Brasil. As folhas não são
totalmente impróprias para a alimentação do bicho-da-seda, mas são consideradas de baixa
qualidade. Os frutos apresentam coloração vermelha escura quando maduros com sabor
ácido bem agradável.
Figura 2. Amoreiral com produção de frutos, em diferentes estágios de maturação (A) e frutos totalmente maduro
da cultivar IZ 1/3 (B)(Fotos: Fumiko Okamoto)
Gênero Rubus, família Rosaceae
No Brasil, a cultura da amora preta (Rubus sp.) foi introduzida pela Estação Experimental de
Pelotas (atual Embrapa), no Rio Grande do Sul, na década de 70, e desde então seu cultivo
vem expandindo nos Estados do Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais.
Específica para produção de frutas, não havendo um aproveitamento conhecido de folhas, é
uma planta arbustiva de porte ereto, semi-ereto ou rasteiro. A parte subterrânea do caule e a
raiz são perenes. À medida que se desenvolvem, novas hastes emergem e crescem, no
final da colheita dos frutos, os ramos que produziram secam e as novas hastes produzirão
no ano seguinte.
As principais cultivares recomendadas para as diversas regiões brasileiras são: Xavante e
Ebano (sem espinhos), Guarani, Tupi, Comanche, Cherokee, Caingangue e Brazos.
Produz frutos agregados, com cerca de 4 a 7 gramas, de coloração preta e sabor acentuado
para ácido ou doce-ácido. A concentração da produção ocorre entre novembro a fevereiro,
dependendo da variedade e da região onde a cultura está estabelecida.
A B
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013
Figura 3. Cultura de Rubus sp., conduzida por tutores (A) e estágios de floração, frutos de véspera e totalmente
maduro (B) (Fotos: Arlindo Pinheiro da Silveira).
No geral, considera-se que as amoras do gênero Morus podem ser provenientes das áreas
de sericicultura ou especialmente das áreas de fruticultura. Os frutos apresentam sabor mais
suave e bastante agradável para consumo in natura ou polpas congeladas.
Do gênero Rubus, o aproveitamento é específico para fruticultura. De tamanho maior que o
anterior, com sabor mais acentuado para ácido e cujo consumo principal é nas formas
processadas, como geleias, doces, licores, em bolos e sorvetes, entre outras.
Bibliografias Consultadas
BASSOLS, M.C. A cultura da amora-preta, EMBRAPA:UEPAE de Cascata, Circular
Técnico 4. 1980.11p.
CHAGAS, E.A.; PIO, R.; BARBOSA, W.; DALL´ORTO, F.A.C.; MENDONÇA, V. Amora-
preta: a pequena fruta com elevado potencial de cultivo. 2007. Artigo em Hypertexto.
Disponível em: http://www.infobibos.com/Artigos/2007_2/amora/index.htm. Acesso em:
19/4/2007.
ERCISLI, S.; ORHAN, E. Chemical composition of white (Morus alba), red (Morus rubra)
and black (Morus nigra) mulberry fruits. Food Chemistry, v.103, n.4, p.1380-1384. 2007.
FONSECA, A.S.; FONSECA, T.C. Cultura da amoreira e criação do bicho-da-seda. São
Paulo: Nobel, 1988. 246p.
MOTA, R.V. Caracterização do suco de amora-preta elaborado em extrator caseiro. Ciência
e Tecnologia de Alimentos, v.26, n.2, p.303-308. 2006.
A B
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013
OKAMOTO, F.; VIDAL, A.A.; MARTINS, A.N.; FURLANETO, F.P.B.; FUNAI, C.H.;
SUGUINO, E. Alternativas de Uso da Amoreira (Morus spp.). Campinas:Fundag, 2012.
30p.
OKAMOTO, F.; PALHARINI, M.C.A.; VIDAL, A.A.; FUNAI, C.H.; FURLANETO, F.P.B.;
MARTINS, A.N.; JERÔNIMO, E.M. Caracterização Física e Química de Frutos de Cultivares
de Amoreira do Gênero Morus. Boletim da Indústria Animal, v.69, n.2, p.123-128. 2012.
SAVASSI, A. Sericicultura no Brasil, 8ª. Edição, 1931, Ministério da Agricultura, 1931.
224p.
TAKAHASHI, R.; TAKAHASHI, K.M.; TAKAHASHI, L.S. Sericicultura: uma promissora
exploração agropecuária. Jaboticabal:Funep, 2009. 100p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de bananaApresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de bananaAnderson Santos
 
Experimentacao agricola manual
Experimentacao agricola manualExperimentacao agricola manual
Experimentacao agricola manualAssad Mutirua
 
Guia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentaisGuia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentaisEmerson Silva
 
2 morfologia externa de plantas vasculares
2 morfologia externa de plantas vasculares2 morfologia externa de plantas vasculares
2 morfologia externa de plantas vascularesPelo Siro
 
Cultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RPCultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RPRomario Gomes
 
Fórmula floral
Fórmula floralFórmula floral
Fórmula floralSam Adam
 
Flor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E AnatomiaFlor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E Anatomiaprofatatiana
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoKiller Max
 
Morfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescênciaMorfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescênciaJoseanny Pereira
 
Apresentação vertissolos
Apresentação vertissolosApresentação vertissolos
Apresentação vertissolosDaniel Tonetta
 

Mais procurados (20)

Apresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de bananaApresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de banana
 
Experimentacao agricola manual
Experimentacao agricola manualExperimentacao agricola manual
Experimentacao agricola manual
 
Guia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentaisGuia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentais
 
Caule
CauleCaule
Caule
 
Ordem Cucurbitales
Ordem CucurbitalesOrdem Cucurbitales
Ordem Cucurbitales
 
Princípios de Manejo Florestal - Cartilha do Instituto Mamirauá
Princípios de Manejo Florestal - Cartilha do Instituto MamirauáPrincípios de Manejo Florestal - Cartilha do Instituto Mamirauá
Princípios de Manejo Florestal - Cartilha do Instituto Mamirauá
 
Apres Algas
Apres AlgasApres Algas
Apres Algas
 
Morfologia floral
Morfologia floralMorfologia floral
Morfologia floral
 
2 morfologia externa de plantas vasculares
2 morfologia externa de plantas vasculares2 morfologia externa de plantas vasculares
2 morfologia externa de plantas vasculares
 
Estresses ambientais em vegetais
Estresses ambientais em vegetaisEstresses ambientais em vegetais
Estresses ambientais em vegetais
 
Aula programa Genes
Aula programa GenesAula programa Genes
Aula programa Genes
 
Cultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RPCultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RP
 
Aula polinização vs
Aula polinização vsAula polinização vs
Aula polinização vs
 
Fg aula 6
Fg aula 6Fg aula 6
Fg aula 6
 
Fórmula floral
Fórmula floralFórmula floral
Fórmula floral
 
Flor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E AnatomiaFlor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E Anatomia
 
Grupo 2sementes ppt
Grupo 2sementes  pptGrupo 2sementes  ppt
Grupo 2sementes ppt
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do Feijão
 
Morfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescênciaMorfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescência
 
Apresentação vertissolos
Apresentação vertissolosApresentação vertissolos
Apresentação vertissolos
 

Destaque

Instalações Sericícolas: Uma Revisão do Modelo Estrutural e Construtivo da Si...
Instalações Sericícolas: Uma Revisão do Modelo Estrutural e Construtivo da Si...Instalações Sericícolas: Uma Revisão do Modelo Estrutural e Construtivo da Si...
Instalações Sericícolas: Uma Revisão do Modelo Estrutural e Construtivo da Si...Rural Pecuária
 
Insetos 1º ano A
 Insetos 1º ano A Insetos 1º ano A
Insetos 1º ano Azezinhojc
 

Destaque (6)

Instalações Sericícolas: Uma Revisão do Modelo Estrutural e Construtivo da Si...
Instalações Sericícolas: Uma Revisão do Modelo Estrutural e Construtivo da Si...Instalações Sericícolas: Uma Revisão do Modelo Estrutural e Construtivo da Si...
Instalações Sericícolas: Uma Revisão do Modelo Estrutural e Construtivo da Si...
 
Bichos da seda
Bichos da sedaBichos da seda
Bichos da seda
 
Bichos da-seda
Bichos da-sedaBichos da-seda
Bichos da-seda
 
Sericultura
SericulturaSericultura
Sericultura
 
Insetos 1º ano A
 Insetos 1º ano A Insetos 1º ano A
Insetos 1º ano A
 
Bichos da-seda
Bichos da-sedaBichos da-seda
Bichos da-seda
 

Semelhante a Amoras pretas: conheça as diferenças

Semelhante a Amoras pretas: conheça as diferenças (20)

Plantas silvestres comestíveis
Plantas silvestres comestíveisPlantas silvestres comestíveis
Plantas silvestres comestíveis
 
Amoras: nutritivas e promotoras da saúde
Amoras: nutritivas e promotoras da saúdeAmoras: nutritivas e promotoras da saúde
Amoras: nutritivas e promotoras da saúde
 
Apostilha meio ambiente
Apostilha meio ambienteApostilha meio ambiente
Apostilha meio ambiente
 
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do paisAula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
 
656 1172-1-sm
656 1172-1-sm656 1172-1-sm
656 1172-1-sm
 
656 1172-1-sm
656 1172-1-sm656 1172-1-sm
656 1172-1-sm
 
Agroecologia - Cabeça de negro
Agroecologia - Cabeça de negroAgroecologia - Cabeça de negro
Agroecologia - Cabeça de negro
 
SILVICULTURA APLICADA.pdf
SILVICULTURA APLICADA.pdfSILVICULTURA APLICADA.pdf
SILVICULTURA APLICADA.pdf
 
Plantas úteis em agricultura biológica
Plantas úteis em agricultura biológicaPlantas úteis em agricultura biológica
Plantas úteis em agricultura biológica
 
Arvores do rs
Arvores do rsArvores do rs
Arvores do rs
 
Arvores do RS: Henrique
Arvores do RS: HenriqueArvores do RS: Henrique
Arvores do RS: Henrique
 
Frutas tropicais
Frutas tropicais  Frutas tropicais
Frutas tropicais
 
TRABALHO DE FRUTICULTURA I.pdf
TRABALHO DE FRUTICULTURA I.pdfTRABALHO DE FRUTICULTURA I.pdf
TRABALHO DE FRUTICULTURA I.pdf
 
Artigo cientifico gravitropismo da mangueira 01
Artigo cientifico gravitropismo da mangueira 01Artigo cientifico gravitropismo da mangueira 01
Artigo cientifico gravitropismo da mangueira 01
 
Caqui
CaquiCaqui
Caqui
 
Os coentros
Os coentros Os coentros
Os coentros
 
Os coentros
Os coentros Os coentros
Os coentros
 
U_AMB - Ingá-Ferradura
U_AMB - Ingá-FerraduraU_AMB - Ingá-Ferradura
U_AMB - Ingá-Ferradura
 
Plantas Aromaticas
Plantas AromaticasPlantas Aromaticas
Plantas Aromaticas
 
Plantas comestiveis
Plantas comestiveisPlantas comestiveis
Plantas comestiveis
 

Mais de Rural Pecuária

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Rural Pecuária
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).Rural Pecuária
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Rural Pecuária
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Rural Pecuária
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalRural Pecuária
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...Rural Pecuária
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Rural Pecuária
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorRural Pecuária
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaRural Pecuária
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoRural Pecuária
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasRural Pecuária
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Rural Pecuária
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Rural Pecuária
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...Rural Pecuária
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Rural Pecuária
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovadoRural Pecuária
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelRural Pecuária
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesRural Pecuária
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteRural Pecuária
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Rural Pecuária
 

Mais de Rural Pecuária (20)

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
 

Amoras pretas: conheça as diferenças

  • 1. AMORA PRETA: QUEM É QUEM Fumiko Okamoto Zootecnista, Dra ., PqC da UPD Marília/Polo Regional Centro Oeste/APTA fumiko@apta.sp.gov.br Fernanda de Paiva Badiz Furlaneto Med. Vet., Dra ., PqC da UPD Marília/Polo Regional Centro Oeste/APTA fernandafurlaneto@apta.sp.gov.br Adriana Novais Martins Eng. Agr., Dra ., PqC da UPD Marília/Polo Regional Centro Oeste/APTA adrianamartins@apta.sp.gov.br As amoras pertencem a um grupo de frutas conhecido como “pequenas frutas”. Deste grupo, destacam-se também as framboesas, mirtilo, morango e pitanga, entre outros. Os frutos do gênero Morus são agregados resultantes de um conjunto de flor feminina. Apresenta coloração de intensidade variável, sabor suave e bastante agradável. Possui elevado valor nutricional e são compostos por fitoquímicos (como as antocianinas), cujos benefícios para a saúde humana vêm sendo estudados no meio científico. O grande destaque para o cultivo comercial é o baixo custo de produção, facilidade no manejo e condução do pomar, além do reduzido uso de agrotóxicos, especialmente, para as plantas do gênero Morus. As amoras podem ser provenientes de plantas do gênero Morus, e especialmente se pertencente a M. nigra, então conhecida como amoreira-preta, ou de plantas do gênero Rubus, também denominada de amora-preta. Para melhor esclarecimento, o trabalho tem como objetivo fornecer detalhes técnicos de cada tipo de amora.
  • 2. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013 Gênero Morus, família Moraceae No Brasil, a importação de algumas amoreiras é atribuída a D. João VI, que iniciou o plantio junto ao Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no começo do século XIX. As plantas são perenes, arbustivas, com crescimento ereto e exploradas, principalmente, para alimentação do bicho-da-seda (Bombyx mori L.). Recentemente, vem ganhando destaque como planta forrageira para alimentação dos ruminantes. Os ramos e folhas apresentam como qualidades o elevado teor de proteína bruta, baixo teor de fibra bruta e alta aceitabilidade no consumo pelos animais, além da facilidade na digestão. Dentre as espécies de importância econômica para a sericicultura, particularmente em nosso país, destaca-se a Morus alba L. e, com menor expressão a Morus lhou Koidz e Morus bombycis Koidz, selecionadas para produção de folhas. ►Morus lhou Koidz: Apresenta ramos marrom-amarelados, com folhas grandes, arredondadas, com ondulação no limbo. As cultivares desta espécie são utilizadas principalmente para cruzamentos, visando híbridos de grande produção foliar; ►Morus bombycis Koidz: A principal característica desta espécie é o estilo longo (parte da flor), ramos de cor marrom avermelhada, folhas grandes, limbo de coloração verde escura. Algumas cultivares, dessa espécie, também são utilizadas nos cruzamentos para melhoramento genético. O melhoramento genético das amoreiras, por meio de hibridação (cruzamentos das variedades comuns e importadas) realizados pelo Instituto de Zootecnia permitiu a obtenção de cultivares com elevado potencial para produção de folhas. São as cultivares conhecidas como IZ, recomendadas para alimentação do bicho-da-seda e no uso como planta forrageira, amoreiras estas conduzidas através de podas.
  • 3. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013 Figura 1. Cultivares IZ 13/6 (A) e IZ 10/1 (B) manejadas para produção de folhas (Fotos: Fumiko Okamoto) Destaca-se ainda que, além da produção de folhas, estas mesmas amoreiras apresentam uma produção elevada de frutos, principalmente entre os meses de agosto e setembro, que podem ser exploradas, gerando mais uma alternativa de renda para as áreas de agricultura familiar. A cor do fruto pode ser branca, rosa, vermelha, vermelha intensa, preta ou preta brilhante, de sabor insípido, adocicado, ácido ou agradável. Quanto ao peso unitário, pode variar de 2,14 a 4,37 gramas. As espécies de amoreira da família Moraceae e do gênero Morus são classificadas sobretudo pelo estilo ou estilete, região compreendida entre o estigma e o ovário (estruturas da flor). A cor do fruto não deve ser considerada como caráter distintivo da amoreira, já dizia Amilcar Savassi em 1931. Com vistas à produção de frutos, as espécies cultivadas ou em estado selvagem são provenientes de 3 grupos: ►Morus alba (amoreira branca): De grande importância por se tratar da espécie mais cultivada para uso tradicional (alimentação do bicho-da-seda),mas que também se destaca pela produção das amoras. Os frutos são menores que o da M. nigra, e de coloração variando de branca, vermelha e preta; ►Morus nigra (amoreira preta): A amora desta espécie é mais saborosa e de maior tamanho em relação à M. alba, apresenta coloração roxo-escuro e é bastante apreciada para o consumo. As folhas são duras e ásperas e de baixo valor nutritivo, portanto não sendo recomendadas para alimentação do bicho-da-seda. Apropriadas para produção de frutos e, também, como planta ornamental; A B
  • 4. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013 ►Morus rubra (amoreira rubra ou vermelha): Pouco conhecida no Brasil. As folhas não são totalmente impróprias para a alimentação do bicho-da-seda, mas são consideradas de baixa qualidade. Os frutos apresentam coloração vermelha escura quando maduros com sabor ácido bem agradável. Figura 2. Amoreiral com produção de frutos, em diferentes estágios de maturação (A) e frutos totalmente maduro da cultivar IZ 1/3 (B)(Fotos: Fumiko Okamoto) Gênero Rubus, família Rosaceae No Brasil, a cultura da amora preta (Rubus sp.) foi introduzida pela Estação Experimental de Pelotas (atual Embrapa), no Rio Grande do Sul, na década de 70, e desde então seu cultivo vem expandindo nos Estados do Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais. Específica para produção de frutas, não havendo um aproveitamento conhecido de folhas, é uma planta arbustiva de porte ereto, semi-ereto ou rasteiro. A parte subterrânea do caule e a raiz são perenes. À medida que se desenvolvem, novas hastes emergem e crescem, no final da colheita dos frutos, os ramos que produziram secam e as novas hastes produzirão no ano seguinte. As principais cultivares recomendadas para as diversas regiões brasileiras são: Xavante e Ebano (sem espinhos), Guarani, Tupi, Comanche, Cherokee, Caingangue e Brazos. Produz frutos agregados, com cerca de 4 a 7 gramas, de coloração preta e sabor acentuado para ácido ou doce-ácido. A concentração da produção ocorre entre novembro a fevereiro, dependendo da variedade e da região onde a cultura está estabelecida. A B
  • 5. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013 Figura 3. Cultura de Rubus sp., conduzida por tutores (A) e estágios de floração, frutos de véspera e totalmente maduro (B) (Fotos: Arlindo Pinheiro da Silveira). No geral, considera-se que as amoras do gênero Morus podem ser provenientes das áreas de sericicultura ou especialmente das áreas de fruticultura. Os frutos apresentam sabor mais suave e bastante agradável para consumo in natura ou polpas congeladas. Do gênero Rubus, o aproveitamento é específico para fruticultura. De tamanho maior que o anterior, com sabor mais acentuado para ácido e cujo consumo principal é nas formas processadas, como geleias, doces, licores, em bolos e sorvetes, entre outras. Bibliografias Consultadas BASSOLS, M.C. A cultura da amora-preta, EMBRAPA:UEPAE de Cascata, Circular Técnico 4. 1980.11p. CHAGAS, E.A.; PIO, R.; BARBOSA, W.; DALL´ORTO, F.A.C.; MENDONÇA, V. Amora- preta: a pequena fruta com elevado potencial de cultivo. 2007. Artigo em Hypertexto. Disponível em: http://www.infobibos.com/Artigos/2007_2/amora/index.htm. Acesso em: 19/4/2007. ERCISLI, S.; ORHAN, E. Chemical composition of white (Morus alba), red (Morus rubra) and black (Morus nigra) mulberry fruits. Food Chemistry, v.103, n.4, p.1380-1384. 2007. FONSECA, A.S.; FONSECA, T.C. Cultura da amoreira e criação do bicho-da-seda. São Paulo: Nobel, 1988. 246p. MOTA, R.V. Caracterização do suco de amora-preta elaborado em extrator caseiro. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.26, n.2, p.303-308. 2006. A B
  • 6. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013 OKAMOTO, F.; VIDAL, A.A.; MARTINS, A.N.; FURLANETO, F.P.B.; FUNAI, C.H.; SUGUINO, E. Alternativas de Uso da Amoreira (Morus spp.). Campinas:Fundag, 2012. 30p. OKAMOTO, F.; PALHARINI, M.C.A.; VIDAL, A.A.; FUNAI, C.H.; FURLANETO, F.P.B.; MARTINS, A.N.; JERÔNIMO, E.M. Caracterização Física e Química de Frutos de Cultivares de Amoreira do Gênero Morus. Boletim da Indústria Animal, v.69, n.2, p.123-128. 2012. SAVASSI, A. Sericicultura no Brasil, 8ª. Edição, 1931, Ministério da Agricultura, 1931. 224p. TAKAHASHI, R.; TAKAHASHI, K.M.; TAKAHASHI, L.S. Sericicultura: uma promissora exploração agropecuária. Jaboticabal:Funep, 2009. 100p.