Aptidão Agroclimática para a cultura do abacaxi
MOCOCA-SP – região apta ao cultivo de abacaxi
Orivaldo Brunini
Marcelo Ben...
Limitações Climáticas – Os parâmetros adotados na definição de áreas de aptidão
climática, para a cultura comercial do aba...
Orivaldo Brunini é Pesquisador Científico do Instituto Agronômico - IAC e Diretor
do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aptidão Agroclimática para a cultura do abacaxi

432 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
432
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
112
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aptidão Agroclimática para a cultura do abacaxi

  1. 1. Aptidão Agroclimática para a cultura do abacaxi MOCOCA-SP – região apta ao cultivo de abacaxi Orivaldo Brunini Marcelo Bento Paes de Camargo Mário José Pedro Júnior Angélica Prela Pantano O abacaxi é uma bromeliaceae encontrada em condições naturais nas regiões tropicais e subtropicais da América. Existem muitas espécies do genêro Ananas, sendo as plantas cultivaveis pertencentes à espécie Ananas comosus (L.) Merril, dentro da qual existem as variedades comerciais. Exigências climáticas O abacaxi, em regiões quentes e úmidas tem grande desenvolvimento foliar e produz frutos volumosos. Nas regiões de temperatura mais baixa, os frutos são menores e com pequeno teor de açúcar. O abacaxi é bastante resistente à seca. Regiões com boa distribuição de chuva durante o ano, da ordem de 1200 a 1500mm, são consideradas ótimas. Uma deficiência hídrica tardia, sobretudo no começo da diferenciação da inflorescência e da formação do fruto, pode prejudicar muito o rendimento da cultura. Os principais fatores climáticos que causam prejuízos às culturas, em São Paulo, além das geadas, são o excesso de insolação, as chuvas de pedra e os ventos fortes. A luminosidade exerce, também um a ação marcante sobre o rendimento da cultura. Na Martinica, onde a luminosidade diminui rapidamente com o aumento de altitude, conseguiu-se um aumento de 58% no rendimento médio, seguindo a transição de uma região de 380m a outra de 50m de altitude, sendo que o aumento é devido ao efeito conjunto da luminosidade e da temperatura. Cartografia – Aptidão climática Para o preparo da carta de aptidão climática da cultura do abacaxi foram consideradas as exigências dos cultivares economicamente viáveis para o Estado e o comportamento de plantações comerciais existentes. Os parâmetros climáticos que definem as exigências da cultura foram delimitados, tomando-se por base a literatura existente e, principalmente, as informações técnicas e sugestões de especialistas.
  2. 2. Limitações Climáticas – Os parâmetros adotados na definição de áreas de aptidão climática, para a cultura comercial do abacaxi, foram: a) Temperatura Média Anual (Ta) = 19ºC: mostra o limite inferior da faixa termicamente apta, abaixo da qual começa a ocorrer restrições de ordem térmica, prejudicando o fruto; b) Ta = 18ºC: as regiões com temperatura abaixo desse limite apresentam geadas mais freqüentes e portanto, mostram-se inaptas para a cultura; c) Deficiência hídrica anual (Da) = 0mm: as áreas com essa condição, sem estação seca definida, portanto, mostram-se muito úmidas, trazendo problemas para o abacaxi. Cartografia – Na delimitação da aptidão climática para a abacaxicultura, foram consideradas as seguintes faixas: Faixa A – Ta, acima de 19ºC e Da maior que 0mm. Não apresenta restrição térmica nem hídrica. São regiões com condições para o crescimento vegetativo, apresentando umidade na época em que a cultura necessita, e oferecendo plena aptidão climática; compreendem a maior parte do Estado, abrangendo quase todo o planalto paulista, o Vale do Paraíba, exceto a região serrana do sul e leste e também a zona litorânea. Faixa B – Ta, acima de 19ºC e Da igual a 0mm. Nessa faixa existem condições térmicas satisfatórias; não apresentam, porém, estação seca, acarretando problemas fitossanitários. São regiões aptas, mas com restrições. Essa faixa abrange, principalmente, a região litorânea e pequenas ocorrências na serra de Botucatu, e no Sul do planalto. Faixa C – Ta, entre 18 e 19ºC. Compreende faixas que não apresentam problemas severos de geadas, mas começam a mostrar deficiência térmica para a cultura comercial. Atingem o sul do planalto, a região norte da Serra do Mar, parte do vale do Tietê bem como a serra de Botucatu. Faixa D – Ta, abaixo de 18ºC. Compreende áreas que, além da insuficiência térmica, apresentam problemas severos de geada, tornando-se inaptas para o plantio comercial da cultura. Abrange as partes altas dos planaltos de Poços de Caldas e de Campos de Jordão, na serra da Mantiqueira e do Planalto da Bocaina, na serra do Mar.
  3. 3. Orivaldo Brunini é Pesquisador Científico do Instituto Agronômico - IAC e Diretor do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Ecofisiologia e Biofísica Engenheiro Agrônomo: UNESP - Jabotical - 1971 Mestrado: CENA - USP - 1975 Doutorado: University of Guelph. - Canadá -1979 Linhas de Pesquisas: Bioclimatologia; Microclimatologia; Fenologia; Modelagem Agroclimatológica; Micrometeorologia; Agrometeorologia operacional; Água-SoloPlanta-Atmosfera Contato: brunini@iac.sp.gov.br Marcelo Bento Paes de Camargo é Engenheiro Agrônomo, Mestre e PhD em Agrometeorologia e PD pela University of Nebraska-USA. Pesquisador Científico VI do IAC desde 1978. Atua na área de Agronomia, com ênfase em Bioclimatologia, Agrometeorologia, Demanda Hídrica, Balanço Hídrico, Monitoramento e Modelagem Agrometeorológica, Estimativa de Produtividade, Fenologia, Café, Soja e Citrus. É lider do Grupo de Pesquisa/CNPq em Agrometeorologia junto ao IAC. É bolsista de Produtividade em Pesquisa 1D do CNPq. Contato: mcamargo@iac.sp.gov.br Mário José Pedro Júnior possui doutorado em Agrometeorology - University of Guelf (1980). Atualmente é Pesquisador Científico VI do Instituto Agronômico IAC. Tem experiência na área de agronomia com ênfase em Agrometeorologia. Atua principalmente nos seguintes temas: Videira, previsão de doenças, microclima, modelo agrometeorológico, café, balanço hídrico e zoneamento agrícola. É Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2. Contato: mpedro@iac.sp.gov.br Angélica Prela Pantano possui graduação em agronomia pelo Fundação Faculdade de Agronomia Luiz Meneghel (1996) , especialização em Especialização em Biologia Vegetal pelo Fundação Faculdade de Agronomia Luiz Meneghel (1998) , mestrado em Agronomia pela Universidade Estadual de Londrina (2001) e doutorado em Agronomia (Física do Ambiente Agrícola) pela Universidade de São Paulo (2005) . Atualmente é Pesquisador científico da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios - APTA, Instituto Agronômico - IAC. Tem experiência na área de Agronomia. Atuando principalmente nos seguintes temas: Enos, precipitação, balanço hídrico, trigo. (Texto gerado automaticamente pela aplicação CVLattes) Contato: angelica@iac.sp.gov.br

×