SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
CUIDADOS NA VACINAÇÃO DO REBANHO BOVINO
Vera Cláudia Magalhães Curci
Med. Vet., Dr., PqC da UPD Araçatuba do Polo Regional Extremo Oeste/APTA
vlmcurci@apta.sp.gov.br
Luiz Florencio Franco Margatho
Med. Vet., Dr., PqC do Polo Regional Centro Oeste/APTA
margatho@apta.sp.gov.br
Em qualquer tipo de manejo com os bovinos deve-se priorizar a boa relação entre o homem
e o animal. A vacinação é necessária na criação animal, quer pela obrigatoriedade pelo
serviço oficial de defesa, que visa a prevenção ou erradicação de algumas doenças, ou para
assegurar boas condições de saúde aos animais, minimizando riscos de doenças e
conseqüentes prejuízos econômicos.
No entanto, o produtor deve tomar alguns cuidados durante o procedimento de vacinação
para que não haja um impacto negativo no manejo:
Planejamento – Em uma propriedade, toda atividade a ser realizada deve ter um
planejamento. Na vacinação deve-se, inicialmente, estruturar um calendário de realização
da atividade, levando em consideração o programa oficial de vacinação da região ou estado,
data mais conveniente do ponto de vista imunológico e climático (em época de chuva,
dificulta o manejo), quais vacinas serão aplicadas, quais animais serão vacinados, onde
será realizado (instalações) e quem realizará o trabalho.
Cuidados com a vacina – Sempre adquirir os produtos de fabricantes, distribuidores e
estabelecimentos comerciais registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013
Abastecimento (MAPA). No momento da compra, verifique a validade e se estava bem
armazenado.
As vacinas devem ser protegidas da luz solar e mantidas em ambiente refrigerado entre 2° e
8°C. Para o transporte até a propriedade e para o dia da vacinação, recomenda-se a
utilização de caixa térmica, contendo três partes de gelo para uma parte de frascos de
vacina, e seu tamanho deve ser suficiente para acondicionar a seringa e as vacinas em seu
interior.
Quando necessário, adicionar-se gelo para que mantenha a temperatura da vacina
resfriada, dando preferência ao gelo reciclável ou dentro de garrafas plásticas, diminuindo o
risco de contaminação com acúmulo de água (suja) na caixa.
O armazenamento na propriedade pode ser feito no refrigerador (de uso exclusivo para
medicamentos e vacinas) e temperatura controlada entre 2ºC e 8ºC. Nunca coloque as
vacinas em congelador, pois estas quando congeladas podem perder parcial ou totalmente
a eficácia, além de riscos de nódulo no local da aplicação.
Verificar a dosagem a ser aplicada (indicada pelo fabricante) e comprar a quantidade que
será usada, considerando perdas em torno de 3%. Além disso, ler atentamente as
recomendações de uso da vacina no rótulo ou na bula, pois em alguns casos deve-se agitar
o frasco antes de carregar a seringa.
Durante a aplicação, o trabalhador deverá cuidar da sua higiene pessoal e estar com as
mãos limpas e unhas aparadas, evitando a contaminação do frasco de vacina no momento
da introdução da agulha. Recomenda-se ao retirar o lacre da tampa do medicamento,
desinfetá-lo com algodão umedecido em álcool a 70% ou iodado.
Uma vez aberto o frasco, procure utilizar todo o seu conteúdo. A introdução da agulha para
retirar a vacina normalmente causa contaminação. Ao guardar o frasco, mesmo que em
refrigerador, a vacina pode perder sua eficácia, além do risco de provocar reações não
desejadas, como abscessos nos animais vacinados. Descartar as vacinas vencidas e
frascos utilizados de maneira segura para o ambiente (incinerar).
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013
Preparo das instalações e equipamentos – Verificar as instalações (curral, bretes) antes
do manejo é muito importante. Manter o local limpo e seco, além de corrigir situações como
buracos, pedras ou objetos estranhos no caminho, pregos salientes, tábuas com pontas ou
soltas, poças d'água, lama, e porteiras e troncos com deficiências, proporciona maior
agilidade e evita acidentes para a equipe e para os animais.
Os equipamentos devem estar disponíveis em número adequado e em boas condições para
o trabalho. As seringas e agulhas devem ser de preferência descartáveis. Quando isto não
for possível, devem estar limpas e esterilizadas pelo calor (fervura). Não utilize agulhas
tortas, quebradas, enferrujadas ou rombudas.
Não use desinfetantes durante a aplicação. Utilize agulha, no máximo, a cada 10 animais,
utilizando uma pistola ou seringa para cada vacina. Após a utilização, os equipamentos e
agulhas devem ser lavados, esterilizados (15 minutos em água fervente) e armazenados
secos.
Formas de vacinação - A dose e a via de aplicação devem ser respeitadas, seguindo as
informações descritas na bula do produto. Em geral, as vacinas são aplicadas no animal por
via subcutânea ou intramuscular, havendo agulhas específicas para cada uma delas.
A administração intramuscular deve ser feita no interior do músculo (tábua do pescoço), com
o equipamento em posição perpendicular ao corpo do animal. Normalmente, utiliza-se
agulha 25 x 15 em bezerros e 30 x 15 em vacas, novilhas, garrotes e touros.
A administração subcutânea é introduzida embaixo da pele, na tábua do pescoço, com a
seringa e agulha na posição paralela ao corpo do animal. As agulhas utilizadas são com
dimensões 10 x 15, 10 x 18 ou 15 x 15.
Manejo dos animais - Boas práticas de contenção dos animais durante o manejo reduz o
risco de quebra de agulhas, perdas de doses e acidentes com a equipe e com os animais. A
condução até o local deve ser realizada com calma, sem gritos e correrias. Evitar estressar
e maltratar os animais, o que pode causar prejuízos (abortos, traumatismos, etc.) e
prejudicar a resposta imunológica à vacinação.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013
Não vacine animais doentes ou estressados. Para que produza anticorpos e fique protegido,
é necessário que esteja em boas condições de saúde e nutrição durante e após a
vacinação. O ideal é que haja nas instalações (curral) água e sombra para os animais. O
trabalho com pequenos lotes por vez também facilita o manejo.
Vacinas que integram o programa sanitário de bovinos
A vacinação de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa é obrigatória, seguindo o
Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA). Tem como
estratégia principal a implantação progressiva e manutenção de zonas livres da doença no
país.
No Brasil, é realizada em todos os estados e no Distrito Federal, com exceção do Estado de
Santa Catarina, considerado como livre de febre aftosa sem vacinação desde 2007 pela
Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). O produtor deve seguir o calendário oficial de
cada estado ou região.
No Estado de São Paulo, por exemplo, a vacinação é semestral, sendo no mês de maio,
vacinados os bovinos e bubalinos com idade abaixo de 24 meses e, no mês de novembro,
todo o rebanho. A aquisição e aplicação da vacina são de responsabilidade dos proprietários
dos animais e o controle das campanhas oficiais de vacinação é de responsabilidade do
serviço oficial de defesa.
A vacinação contra a brucelose também é obrigatória, seguindo o Programa Nacional de
Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT). Tem como objetivo
reduzir a prevalência e a incidência de novos focos da doença, diminuindo os prejuízos
econômicos ao produtor e o impacto negativo desta zoonose na saúde pública, além de
promover a competitividade da pecuária nacional.
A vacina de brucelose (amostra B19) é aplicada uma única vez em fêmeas bovinas e
bubalinas com idade entre 3 e 8 meses. A vacinação é de responsabilidade técnica de
médicos veterinários cadastrados no serviço oficial de defesa sanitária animal de seu estado
de atuação.
As fêmeas vacinadas são marcadas a ferro candente com a letra V, acompanhada do
algarismo final do ano da vacinação, no lado esquerdo da cara. Por ser uma vacina viva e
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013
patogênica para o homem, deve ser manuseada com cuidado, evitando-se a contaminação.
Recomenda-se o uso de óculos e luvas de proteção. Após o uso, os frascos, as agulhas e
seringas devem ser esterilizadas e descartadas adequadamente.
A vacinação contra Raiva é voluntária para os produtores, no entanto, o serviço oficial de
defesa sanitária torna-a obrigatória quando aparecem focos esporádicos da doença em
certas regiões. A aplicação da vacina é anual e feita em todo o rebanho, independentemente
de idade.
Embora seja voluntária, os produtores reconhecem a necessidade de vacinação contra as
doenças causadas por clostrídios, pela significativa redução de mortalidade dos animais.
Das clostridioses que acometem os bovinos, estão entre as mais importantes o Carbúnculo
Sintomático, Botulismo, Enterotoxemia, Tétano e Edema Maligno.
Atualmente existe no mercado um variado número de vacinas contra várias doenças
(leptospirose, rinotraqueite infecciosa dos bovinos (IBR), diarréia bovina a vírus (BVD),
mastite, paratifo, pasteurelose, campilobacteriose, colibacilose, mastite ambiental), que
devem ser indicadas pelo Médico Veterinário responsável pelo rebanho, baseado
principalmente na ocorrência da(s) doença(s) na propriedade ou na região e no tipo de
produção (corte ou leite).
Cada caso vai exigir uma conduta específica, um programa de vacinação de acordo com a
realidade local. Na prática, as vacinas passam a fazer parte dos programas de vacinação da
propriedade quando a doença suspeita é confirmada por sorologia, achada clínicos e de
necropsias ou outra forma de diagnóstico que confirme a sua ocorrência.
Cabe ainda ao veterinário, junto ao produtor, a análise de custo-benefício para a tomada de
decisão com relação a aplicação de determinada vacina. O melhor calendário sanitário é
aquele que se adapta à realidade de uma propriedade ou de uma região.
Ressalta-se ainda, que medidas complementares de manejo, tais como alimentação e
suplementação mineral adequada, higiene, controle de vetores de doenças (mosquitos,
carrapatos, morcegos), destinação correta de carcaças de animais, isolamento e tratamento
de animais doentes, entre outras, devem ser realizadas para melhor controle das
enfermidades.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013
Referências
Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manual de Legislação:
programas nacionais de saúde animal do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e
Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Departamento de Saúde Animal.
Brasília, 2009. 440p.
Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Produtos veterinários:
orientações para o uso responsável. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília, 2008. 24p.
Brasil. Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Programa Nacional de Controle
e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose Animal (PNCEBT): Manual técnico. Brasília,
2006. 184p.
Paranhos da Costa, M.J.R., Toledo, L.M., Schmidek, A. Boas Práticas de Manejo,
Vacinação. Funep. Jaboticabal, 2006. 32p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Programa Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das avesPrograma Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das avesMarília Gomes
 
Biosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e avesBiosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e avesMarília Gomes
 
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leiteCriação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leiteMarília Gomes
 
Cartilha gicra rdc 216
Cartilha gicra rdc 216Cartilha gicra rdc 216
Cartilha gicra rdc 216visacamacan
 
Medidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Medidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.comMedidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Medidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.comAntonio Silva
 
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...AgriPoint
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinosIvaristo Americo
 
Capacitação preparadores 2º semestre 2011
Capacitação preparadores 2º semestre 2011Capacitação preparadores 2º semestre 2011
Capacitação preparadores 2º semestre 2011sitedcoeste
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosMarília Gomes
 

Mais procurados (11)

Programa Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das avesPrograma Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das aves
 
Biosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e avesBiosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e aves
 
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leiteCriação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leite
 
Cartilha gicra rdc 216
Cartilha gicra rdc 216Cartilha gicra rdc 216
Cartilha gicra rdc 216
 
Medidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Medidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.comMedidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Medidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.com
 
Tristeza
TristezaTristeza
Tristeza
 
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...
 
Resolução anvisa 216
Resolução anvisa  216Resolução anvisa  216
Resolução anvisa 216
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
 
Capacitação preparadores 2º semestre 2011
Capacitação preparadores 2º semestre 2011Capacitação preparadores 2º semestre 2011
Capacitação preparadores 2º semestre 2011
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 

Destaque

The future belongs
The future belongsThe future belongs
The future belongsFer Nanda
 
Juego de la vida wha
Juego de la vida whaJuego de la vida wha
Juego de la vida whaWhaleejaa Wha
 
Advanced motion controls dr100ee60a40nac
Advanced motion controls dr100ee60a40nacAdvanced motion controls dr100ee60a40nac
Advanced motion controls dr100ee60a40nacElectromate
 
A dieta da alegria
A dieta da alegriaA dieta da alegria
A dieta da alegriaFer Nanda
 
Каталог оборудования: Теплообменные аппараты
Каталог оборудования: Теплообменные аппаратыКаталог оборудования: Теплообменные аппараты
Каталог оборудования: Теплообменные аппаратыАлександр Анисимов
 
A literature review on optimization of cutting parameters for surface roughne...
A literature review on optimization of cutting parameters for surface roughne...A literature review on optimization of cutting parameters for surface roughne...
A literature review on optimization of cutting parameters for surface roughne...IJERD Editor
 
Esquema (texto expositivo y argumentativo)
Esquema (texto expositivo y argumentativo)Esquema (texto expositivo y argumentativo)
Esquema (texto expositivo y argumentativo)Nieves San Andrés Vasco
 
Basics of AB testing in online products
Basics of AB testing in online productsBasics of AB testing in online products
Basics of AB testing in online productsAshish Dua
 

Destaque (11)

Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
19.25 maggio 2012
19.25 maggio 201219.25 maggio 2012
19.25 maggio 2012
 
The future belongs
The future belongsThe future belongs
The future belongs
 
Juego de la vida wha
Juego de la vida whaJuego de la vida wha
Juego de la vida wha
 
Advanced motion controls dr100ee60a40nac
Advanced motion controls dr100ee60a40nacAdvanced motion controls dr100ee60a40nac
Advanced motion controls dr100ee60a40nac
 
A dieta da alegria
A dieta da alegriaA dieta da alegria
A dieta da alegria
 
Каталог оборудования: Теплообменные аппараты
Каталог оборудования: Теплообменные аппаратыКаталог оборудования: Теплообменные аппараты
Каталог оборудования: Теплообменные аппараты
 
A literature review on optimization of cutting parameters for surface roughne...
A literature review on optimization of cutting parameters for surface roughne...A literature review on optimization of cutting parameters for surface roughne...
A literature review on optimization of cutting parameters for surface roughne...
 
Esquema (texto expositivo y argumentativo)
Esquema (texto expositivo y argumentativo)Esquema (texto expositivo y argumentativo)
Esquema (texto expositivo y argumentativo)
 
Basics of AB testing in online products
Basics of AB testing in online productsBasics of AB testing in online products
Basics of AB testing in online products
 
Onlinejournalismus
OnlinejournalismusOnlinejournalismus
Onlinejournalismus
 

Semelhante a Cuidados na vacinação do rebanho bovino

Manejo de bezerros embrapa comunicado técnico
Manejo de bezerros embrapa comunicado técnicoManejo de bezerros embrapa comunicado técnico
Manejo de bezerros embrapa comunicado técnicoAgroTalento
 
Higiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessosHigiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessosRenato Villela
 
Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018
Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018
Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018vacinacaoanimalrec
 
Manual-do-PNCEBT-Original.pdf
Manual-do-PNCEBT-Original.pdfManual-do-PNCEBT-Original.pdf
Manual-do-PNCEBT-Original.pdfAlexandrefelau1
 
Saiba como vacinar seu gado de forma correta contra febre Aftosa
Saiba como vacinar seu gado de forma correta contra febre Aftosa Saiba como vacinar seu gado de forma correta contra febre Aftosa
Saiba como vacinar seu gado de forma correta contra febre Aftosa Rural Pecuária
 
Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01Kelly Praxedes
 
Medidas profiláticas doenças
Medidas profiláticas  doençasMedidas profiláticas  doenças
Medidas profiláticas doençasWanderley Teixeira
 
Mapa - Cartilha recomendações para o uso responsável de produtos veterinários
Mapa - Cartilha recomendações para o uso responsável de produtos veterináriosMapa - Cartilha recomendações para o uso responsável de produtos veterinários
Mapa - Cartilha recomendações para o uso responsável de produtos veterináriosBeefPoint
 
A importância da brucelose bovina na saúde pública
A importância da brucelose bovina na saúde públicaA importância da brucelose bovina na saúde pública
A importância da brucelose bovina na saúde públicaPriscilla Ferreira
 
Mastite bovina e o uso de antissépticos
Mastite bovina e o uso de antissépticosMastite bovina e o uso de antissépticos
Mastite bovina e o uso de antissépticosRural Pecuária
 
Centro Veterinário São Paulo
Centro Veterinário São PauloCentro Veterinário São Paulo
Centro Veterinário São Paulosaaseyze1c
 
guia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdf
guia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdfguia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdf
guia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdfMarcio Domingues
 

Semelhante a Cuidados na vacinação do rebanho bovino (20)

Manejo de bezerros embrapa comunicado técnico
Manejo de bezerros embrapa comunicado técnicoManejo de bezerros embrapa comunicado técnico
Manejo de bezerros embrapa comunicado técnico
 
Higiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessosHigiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessos
 
Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018
Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018
Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018
 
Professor iveraldo
Professor iveraldoProfessor iveraldo
Professor iveraldo
 
Manual-do-PNCEBT-Original.pdf
Manual-do-PNCEBT-Original.pdfManual-do-PNCEBT-Original.pdf
Manual-do-PNCEBT-Original.pdf
 
Saiba como vacinar seu gado de forma correta contra febre Aftosa
Saiba como vacinar seu gado de forma correta contra febre Aftosa Saiba como vacinar seu gado de forma correta contra febre Aftosa
Saiba como vacinar seu gado de forma correta contra febre Aftosa
 
influenza equina.docx
influenza equina.docxinfluenza equina.docx
influenza equina.docx
 
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POASegurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
 
Agrotoxicos slide
Agrotoxicos slideAgrotoxicos slide
Agrotoxicos slide
 
Agrotoxicos slide
Agrotoxicos slideAgrotoxicos slide
Agrotoxicos slide
 
Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01
 
Medidas profiláticas doenças
Medidas profiláticas  doençasMedidas profiláticas  doenças
Medidas profiláticas doenças
 
Manual de vacinação
Manual de vacinaçãoManual de vacinação
Manual de vacinação
 
Mapa - Cartilha recomendações para o uso responsável de produtos veterinários
Mapa - Cartilha recomendações para o uso responsável de produtos veterináriosMapa - Cartilha recomendações para o uso responsável de produtos veterinários
Mapa - Cartilha recomendações para o uso responsável de produtos veterinários
 
A importância da brucelose bovina na saúde pública
A importância da brucelose bovina na saúde públicaA importância da brucelose bovina na saúde pública
A importância da brucelose bovina na saúde pública
 
Mastite bovina e o uso de antissépticos
Mastite bovina e o uso de antissépticosMastite bovina e o uso de antissépticos
Mastite bovina e o uso de antissépticos
 
Centro Veterinário São Paulo
Centro Veterinário São PauloCentro Veterinário São Paulo
Centro Veterinário São Paulo
 
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de TupãApresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
 
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
 
guia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdf
guia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdfguia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdf
guia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdf
 

Mais de Rural Pecuária

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Rural Pecuária
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).Rural Pecuária
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Rural Pecuária
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Rural Pecuária
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalRural Pecuária
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...Rural Pecuária
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Rural Pecuária
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorRural Pecuária
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaRural Pecuária
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoRural Pecuária
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasRural Pecuária
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Rural Pecuária
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Rural Pecuária
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...Rural Pecuária
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Rural Pecuária
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovadoRural Pecuária
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelRural Pecuária
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesRural Pecuária
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteRural Pecuária
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Rural Pecuária
 

Mais de Rural Pecuária (20)

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
 

Cuidados na vacinação do rebanho bovino

  • 1. CUIDADOS NA VACINAÇÃO DO REBANHO BOVINO Vera Cláudia Magalhães Curci Med. Vet., Dr., PqC da UPD Araçatuba do Polo Regional Extremo Oeste/APTA vlmcurci@apta.sp.gov.br Luiz Florencio Franco Margatho Med. Vet., Dr., PqC do Polo Regional Centro Oeste/APTA margatho@apta.sp.gov.br Em qualquer tipo de manejo com os bovinos deve-se priorizar a boa relação entre o homem e o animal. A vacinação é necessária na criação animal, quer pela obrigatoriedade pelo serviço oficial de defesa, que visa a prevenção ou erradicação de algumas doenças, ou para assegurar boas condições de saúde aos animais, minimizando riscos de doenças e conseqüentes prejuízos econômicos. No entanto, o produtor deve tomar alguns cuidados durante o procedimento de vacinação para que não haja um impacto negativo no manejo: Planejamento – Em uma propriedade, toda atividade a ser realizada deve ter um planejamento. Na vacinação deve-se, inicialmente, estruturar um calendário de realização da atividade, levando em consideração o programa oficial de vacinação da região ou estado, data mais conveniente do ponto de vista imunológico e climático (em época de chuva, dificulta o manejo), quais vacinas serão aplicadas, quais animais serão vacinados, onde será realizado (instalações) e quem realizará o trabalho. Cuidados com a vacina – Sempre adquirir os produtos de fabricantes, distribuidores e estabelecimentos comerciais registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e
  • 2. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013 Abastecimento (MAPA). No momento da compra, verifique a validade e se estava bem armazenado. As vacinas devem ser protegidas da luz solar e mantidas em ambiente refrigerado entre 2° e 8°C. Para o transporte até a propriedade e para o dia da vacinação, recomenda-se a utilização de caixa térmica, contendo três partes de gelo para uma parte de frascos de vacina, e seu tamanho deve ser suficiente para acondicionar a seringa e as vacinas em seu interior. Quando necessário, adicionar-se gelo para que mantenha a temperatura da vacina resfriada, dando preferência ao gelo reciclável ou dentro de garrafas plásticas, diminuindo o risco de contaminação com acúmulo de água (suja) na caixa. O armazenamento na propriedade pode ser feito no refrigerador (de uso exclusivo para medicamentos e vacinas) e temperatura controlada entre 2ºC e 8ºC. Nunca coloque as vacinas em congelador, pois estas quando congeladas podem perder parcial ou totalmente a eficácia, além de riscos de nódulo no local da aplicação. Verificar a dosagem a ser aplicada (indicada pelo fabricante) e comprar a quantidade que será usada, considerando perdas em torno de 3%. Além disso, ler atentamente as recomendações de uso da vacina no rótulo ou na bula, pois em alguns casos deve-se agitar o frasco antes de carregar a seringa. Durante a aplicação, o trabalhador deverá cuidar da sua higiene pessoal e estar com as mãos limpas e unhas aparadas, evitando a contaminação do frasco de vacina no momento da introdução da agulha. Recomenda-se ao retirar o lacre da tampa do medicamento, desinfetá-lo com algodão umedecido em álcool a 70% ou iodado. Uma vez aberto o frasco, procure utilizar todo o seu conteúdo. A introdução da agulha para retirar a vacina normalmente causa contaminação. Ao guardar o frasco, mesmo que em refrigerador, a vacina pode perder sua eficácia, além do risco de provocar reações não desejadas, como abscessos nos animais vacinados. Descartar as vacinas vencidas e frascos utilizados de maneira segura para o ambiente (incinerar).
  • 3. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013 Preparo das instalações e equipamentos – Verificar as instalações (curral, bretes) antes do manejo é muito importante. Manter o local limpo e seco, além de corrigir situações como buracos, pedras ou objetos estranhos no caminho, pregos salientes, tábuas com pontas ou soltas, poças d'água, lama, e porteiras e troncos com deficiências, proporciona maior agilidade e evita acidentes para a equipe e para os animais. Os equipamentos devem estar disponíveis em número adequado e em boas condições para o trabalho. As seringas e agulhas devem ser de preferência descartáveis. Quando isto não for possível, devem estar limpas e esterilizadas pelo calor (fervura). Não utilize agulhas tortas, quebradas, enferrujadas ou rombudas. Não use desinfetantes durante a aplicação. Utilize agulha, no máximo, a cada 10 animais, utilizando uma pistola ou seringa para cada vacina. Após a utilização, os equipamentos e agulhas devem ser lavados, esterilizados (15 minutos em água fervente) e armazenados secos. Formas de vacinação - A dose e a via de aplicação devem ser respeitadas, seguindo as informações descritas na bula do produto. Em geral, as vacinas são aplicadas no animal por via subcutânea ou intramuscular, havendo agulhas específicas para cada uma delas. A administração intramuscular deve ser feita no interior do músculo (tábua do pescoço), com o equipamento em posição perpendicular ao corpo do animal. Normalmente, utiliza-se agulha 25 x 15 em bezerros e 30 x 15 em vacas, novilhas, garrotes e touros. A administração subcutânea é introduzida embaixo da pele, na tábua do pescoço, com a seringa e agulha na posição paralela ao corpo do animal. As agulhas utilizadas são com dimensões 10 x 15, 10 x 18 ou 15 x 15. Manejo dos animais - Boas práticas de contenção dos animais durante o manejo reduz o risco de quebra de agulhas, perdas de doses e acidentes com a equipe e com os animais. A condução até o local deve ser realizada com calma, sem gritos e correrias. Evitar estressar e maltratar os animais, o que pode causar prejuízos (abortos, traumatismos, etc.) e prejudicar a resposta imunológica à vacinação.
  • 4. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013 Não vacine animais doentes ou estressados. Para que produza anticorpos e fique protegido, é necessário que esteja em boas condições de saúde e nutrição durante e após a vacinação. O ideal é que haja nas instalações (curral) água e sombra para os animais. O trabalho com pequenos lotes por vez também facilita o manejo. Vacinas que integram o programa sanitário de bovinos A vacinação de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa é obrigatória, seguindo o Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA). Tem como estratégia principal a implantação progressiva e manutenção de zonas livres da doença no país. No Brasil, é realizada em todos os estados e no Distrito Federal, com exceção do Estado de Santa Catarina, considerado como livre de febre aftosa sem vacinação desde 2007 pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). O produtor deve seguir o calendário oficial de cada estado ou região. No Estado de São Paulo, por exemplo, a vacinação é semestral, sendo no mês de maio, vacinados os bovinos e bubalinos com idade abaixo de 24 meses e, no mês de novembro, todo o rebanho. A aquisição e aplicação da vacina são de responsabilidade dos proprietários dos animais e o controle das campanhas oficiais de vacinação é de responsabilidade do serviço oficial de defesa. A vacinação contra a brucelose também é obrigatória, seguindo o Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT). Tem como objetivo reduzir a prevalência e a incidência de novos focos da doença, diminuindo os prejuízos econômicos ao produtor e o impacto negativo desta zoonose na saúde pública, além de promover a competitividade da pecuária nacional. A vacina de brucelose (amostra B19) é aplicada uma única vez em fêmeas bovinas e bubalinas com idade entre 3 e 8 meses. A vacinação é de responsabilidade técnica de médicos veterinários cadastrados no serviço oficial de defesa sanitária animal de seu estado de atuação. As fêmeas vacinadas são marcadas a ferro candente com a letra V, acompanhada do algarismo final do ano da vacinação, no lado esquerdo da cara. Por ser uma vacina viva e
  • 5. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013 patogênica para o homem, deve ser manuseada com cuidado, evitando-se a contaminação. Recomenda-se o uso de óculos e luvas de proteção. Após o uso, os frascos, as agulhas e seringas devem ser esterilizadas e descartadas adequadamente. A vacinação contra Raiva é voluntária para os produtores, no entanto, o serviço oficial de defesa sanitária torna-a obrigatória quando aparecem focos esporádicos da doença em certas regiões. A aplicação da vacina é anual e feita em todo o rebanho, independentemente de idade. Embora seja voluntária, os produtores reconhecem a necessidade de vacinação contra as doenças causadas por clostrídios, pela significativa redução de mortalidade dos animais. Das clostridioses que acometem os bovinos, estão entre as mais importantes o Carbúnculo Sintomático, Botulismo, Enterotoxemia, Tétano e Edema Maligno. Atualmente existe no mercado um variado número de vacinas contra várias doenças (leptospirose, rinotraqueite infecciosa dos bovinos (IBR), diarréia bovina a vírus (BVD), mastite, paratifo, pasteurelose, campilobacteriose, colibacilose, mastite ambiental), que devem ser indicadas pelo Médico Veterinário responsável pelo rebanho, baseado principalmente na ocorrência da(s) doença(s) na propriedade ou na região e no tipo de produção (corte ou leite). Cada caso vai exigir uma conduta específica, um programa de vacinação de acordo com a realidade local. Na prática, as vacinas passam a fazer parte dos programas de vacinação da propriedade quando a doença suspeita é confirmada por sorologia, achada clínicos e de necropsias ou outra forma de diagnóstico que confirme a sua ocorrência. Cabe ainda ao veterinário, junto ao produtor, a análise de custo-benefício para a tomada de decisão com relação a aplicação de determinada vacina. O melhor calendário sanitário é aquele que se adapta à realidade de uma propriedade ou de uma região. Ressalta-se ainda, que medidas complementares de manejo, tais como alimentação e suplementação mineral adequada, higiene, controle de vetores de doenças (mosquitos, carrapatos, morcegos), destinação correta de carcaças de animais, isolamento e tratamento de animais doentes, entre outras, devem ser realizadas para melhor controle das enfermidades.
  • 6. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013 Referências Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manual de Legislação: programas nacionais de saúde animal do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Departamento de Saúde Animal. Brasília, 2009. 440p. Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Produtos veterinários: orientações para o uso responsável. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília, 2008. 24p. Brasil. Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose Animal (PNCEBT): Manual técnico. Brasília, 2006. 184p. Paranhos da Costa, M.J.R., Toledo, L.M., Schmidek, A. Boas Práticas de Manejo, Vacinação. Funep. Jaboticabal, 2006. 32p.