SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
NOVOS CULTIVARES E HÍBRIDOS DE BANANEIRAS
Edson Shigueaki Nomura
Eng. Agr., Me.,PqC. do Pólo Regional do Vale do Ribeira/APTA
edsonnomura@apta.sp.gov.br
Erval Rafael Damatto Junior
Eng. Agr., Dr. PqC. do Pólo Regional do Vale do Ribeira/APTA
erval@apta.sp.gov.br
Eduardo Jun Fuzitani
Eng. Agr., Me., PqC. do Pólo Regional do Vale do Ribeira/APTA
edufuzitani@apta.sp.gov.br
A bananeira (Musa spp.), pertencente à família Musaceae, é uma das fruteiras mais comuns
nos países tropicais e seu fruto um dos mais consumidos no mundo.
O interesse pelo cultivo de bananeiras tem crescido consideravelmente nas últimas três
décadas por apresentar rápido retorno do capital investido e fluxo contínuo de produção a
partir do primeiro ano de cultivo, o que o torna atraente para os agricultores. A cultura da
banana também tem grande importância no aspecto social, constituindo importante fonte de
renda dos pequenos e médios produtores e da alimentação da população de baixa renda.
A Sigatoka-negra constitui um dos fatores limitantes da produção de banana em todas as
partes do mundo. Esta é uma doença causada por fungos que atacam as folhas da
bananeira provocando estrias marrons e manchas necróticas negras que reduzem os
tecidos fotossintetizantes, provocando amarelecimento precoce dos frutos no cacho e,
consequentemente, perdas dos rendimentos brutos.
Com a entrada da Sigatoka-negra nos bananais paulista no ano de 2004, houve grandes
prejuízos aos pequenos e médios produtores, principalmente aqueles que não possuem
recursos financeiros, e consequentemente não podem utilizar todas as tecnologias
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 1, Jan-Jun 2013
disponíveis para o controle desta doença. Uma das alternativas para esses pequenos
produtores para melhorar o controle da doença na região é a utilização de cultivares de
bananeiras resistentes ou tolerantes a esta doença, sendo a estratégia ideal do ponto de
vista econômico e de preservação do meio ambiente, principalmente para regiões onde a
bananicultura é caracterizada pelo baixo nível de adoção de tecnologias e com baixo retorno
econômico.
Alguns materiais de bananeira se destacaram com características agronômicas e/ou
fitossanitárias favoráveis, tais como ‘Nanicão IAC 2001’, ‘Thap Maeo’, ‘FHIA 17’, ‘FHIA 18’,
‘BRS Princesa’, ‘BRS Platina’.
‘NANICÃO IAC 2001’(Subgrupo Cavendish AAA)
Selecionado pelo Instituto Agronômico de Campinas (IAC), pelo Dr. Raul S. Moreira.
Apresenta altura entre 2,5 e 4,0 metros e o diâmetro do pseudocaule a 30 cm acima do nível
do solo varia de 24 a 26 cm. Os cachos apresentam formato quase cilíndrico, sendo que as
bananas já granadas ficam com suas extremidades distais voltada para cima. A massa
fresca do cacho varia de 20 e 25 kg e o número de pencas de 8 a 10 (Figura 1).
A casca da fruta quando madura é de coloração amarela clara, a polpa é um pouco
farinácea e de cor levemente creme, cujo paladar é menos adocicado que a Nanicão
comum. Além disso, é três vezes mais rica em vitamina C do que a Nanicão comum. Após a
climatização, conserva-se cerca de 4 a 5 dias a mais que a Nanicão comum.
É considerado resistente à Sigatoka amarela e tolerante à Sigatoka negra, pois na colheita
apresenta até oito folhas vivas e sem sinais de necrose destas doenças na região Sudeste,
porém na região Norte, esta cultivar é considerado suscetível. Além disso, apresenta-se
tolerante ao mal do Panamá (Fusarium oxysporum) e suscetível ao Moko (Ralstonia
solanacearum). Apresenta ainda, baixa tolerância ao ataque da broca das bananeiras e do
nematóide cavernícola (Radopholus similis).
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 1, Jan-Jun 2013
Figura 1. Plantas com cacho e cacho da bananeira ‘Nanicão IAC 2001’ (Fotos: Luís Alberto
Saes)
‘THAP MAEO’ (Grupo AAB)
Esta cultivar foi selecionada pela EMBRAPA Mandioca e Fruticultura, em Cruz das Almas,
BA. Variante da Mysore, ela apresenta pseudocaule menos manchado, mais vigoroso e
cachos maiores.
Apesar de rústica, recomenda-se que seu cultivo seja feito em solos profundos, bem
drenados e realizando as adubações de rotina.
Em avaliação realizada em dois ciclos de produção na APTA Pólo Vale do Ribeira,
Pariquera-açu,SP, esta cultivar apresentou porte alto (média de 4,0 m no 1º ciclo e 5,2 m no
2º ciclo), diâmetro do pseudocaule a 30 cm acima do nível do solo de 24,4 cm (1º ciclo) e
32,0 cm no 2º ciclo. A massa fresca do cacho variou de 18 a 22 kg, mas pode atingir de até
35 kg, com cerca de 12 a 15 pencas e de 210 a 280 frutos/cacho (Figura 2).
A capacidade produtiva pode atingir de 30 a 35 t/ha, quando cultivada em solos de boa
fertilidade em condições de sequeiro, usando as práticas culturais recomendadas para a
cultura. Quando cultivados em solos de baixa fertilidade na região Amazônica, apresentam
um bom grau de rusticidade, com produtividade na faixa de 25 t/ha.
Possui alta resistência às Sigatokas amarela e negra e ao mal-do-Panamá, sendo
moderadamente resistente à broca das bananeiras e ao nematóide cavernícola.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 1, Jan-Jun 2013
Figura 2. Planta com cacho, penca e fruto da bananeira ‘Thap Maeo’ (Fotos: Edson
Shigueaki Nomura)
‘FHIA 17’ (híbrido tetraplóide AAAA)
Este híbrido é uma bananeira do tipo Gros Michel desenvolvido em 1989 pela Fundación
Hondureña de Investigación Agrícola (FHIA), sendo consumida como fruta fresca e os frutos
maduros têm sabor parecido ao da Gros Michel.
Plantas cultivadas na fazenda experimental da APTA - Pólo Vale do Ribeira apresentaram
altura entre 3,5 m (1º ciclo) e 4,0 m (2º ciclo), com pseudocaule cilíndrico com diâmetro de
30,0 cm (1º ciclo) a 33,3 cm (2º ciclo) e folhas decumbentes. O cacho é cilíndrico e a massa
fresca do cacho variou de 30,0 a 36,0 kg, com 180 a 210 frutos por cacho, distribuídos em
10 a 12 pencas. Os frutos apresentam coloração verde claro, semi-curvos, de 20 a 24 cm de
comprimento (Figura 3). A fruta madura é de cor amarelo claro e a polpa é de cor creme.
A casca das bananas ao amadurecer tem uma coloração amarelo claro bastante atrativa,
com uma textura da polpa suave e cremosa, de cor creme claro com sabor parecido aos das
cultivares Cavendish. Adicionalmente ao seu consumo em forma fresca, a banana madura
pode bem ser usada como purê para alimento de crianças. Também é recomendado seu
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 1, Jan-Jun 2013
uso em salada de frutas, porque ao cortar em rodelas, não oxida como as cultivares de
bananas comerciais de Cavendish.
Este híbrido é tolerante a Sigatoka-negra e resistente ao mal-do-Panamá. É
moderadamente resistente aos nematóides. Por sua tolerância às principais doenças, este
híbrido pode ser cultivado em sistema orgânico e pode ser uma boa alternativa para
agricultura de subsistência, já que não necessitam de aplicações de fungicidas nem
tecnologia sofisticada.
Figura 3. Planta com cacho, cacho, penca e fruto do híbrido ‘FHIA 17’ (Fotos: Edson
Shigueaki Nomura)
‘FHIA 18’ (híbrido tetraplóide AAAB)
Desenvolvida pela Fundación Hondureña de Investigación Agrícola (FHIA), apresenta sabor
semelhante ao da banana ‘Prata Anã’.
A altura da planta variou de 2,7 m (1º ciclo) e 3,5 m (2º ciclo), com pseudocaule vigoroso e
resistente (diâmetros de 21,6 cm e 27,1 cm, respectivamente) (Figura 4). A massa fresca do
cacho variou de 15,0 a 20,0 kg, com 130 a 170 frutos por cacho em 9 a 11 pencas, quando
cultivados em Pariquera-Açu, SP (APTA - Pólo Vale do Ribeira).
As bananas maduras apresentam a casca com coloração amarela muito atraente, com
textura da polpa suave e cor creme. A banana madura pode ser usada como purê para
alimento de crianças.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 1, Jan-Jun 2013
Apresenta média tolerância a Sigatoka-amarela, resistência a Sigatoka-negra e ao mal-do-
Panamá.
Figura 4. Planta com cacho, cacho, penca e frutos do híbrido ‘FHIA 18’ (Fotos: Edson
Shigueaki Nomura)
‘BRS ‘PRINCESA’ (híbrido tetraplóide AAAB)
Este híbrido é resultante de cruzamento da cultivar Yangambi nº 2 com o híbrido diplóide
M53 (AA), criado pela EMBRAPA Mandioca e Fruticultura, em Cruz das Almas, BA.
O cultivo deste híbrido na fazenda experimental da APTA - Pólo Vale do Ribeira (Pariquera-
açu/SP) apresentou plantas de porte alto (1º ciclo: 3,8 m e 2º ciclo: 5,0 m), pseudocaule
vigoroso e resistente (25 a 30 cm de diâmetro). A massa fresca do cacho variou de 10 a 15
kg e os frutos são maiores e mais grosso do que a banana ‘Maçã’ (12 a 16 cm de
comprimento e 32 a 34 mm de diâmetro), com sabor semelhante ao da banana ‘Maçã’
(Figura 5). Apresenta-se resistente às Sigatokas amarela e negra e tolerante ao mal-do-
Panamá.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 1, Jan-Jun 2013
Figura 5. Planta, penca e frutos do híbrido ‘BRS Princesa’ (Fotos: Edson Shigueaki Nomura)
‘BRS PLATINA’ (híbrido tetraplóide AAAB)
Este híbrido é resultante de cruzamento da cultivar Prata-anã com o híbrido diplóide M53
(AA), desenvolvido pela EMBRAPA Mandioca e Fruticultura, em Cruz das Almas, BA.
Em avaliação realizada em dois ciclos de produção na APTA Pólo Vale do Ribeira,
Pariquera-açu/SP, apresentou plantas de porte alto (1º ciclo: 2,8 m; 2º ciclo: 3,5 m),
pseudocaule vigoroso e resistente (25 a 30 cm de diâmetro). A massa fresca do cacho
variou de 16,0 a 20,0 kg e os frutos são maiores e mais grosso do que a ‘Prata-anã (18 a 22
cm de comprimento e 34 a 36 mm de diâmetro) (Figura 6). Apresenta-se resistente ao mal-
do-Panamá e suscetível às Sigatokas amarela e negra.
Figura 6. Planta e cacho do híbrido ‘BRS Platina’ (Fotos: Edson Shigueaki Nomura)
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 1, Jan-Jun 2013
Estes novos cultivares e híbridos apresentam muitas vantagens, principalmente em relação
à tolerância as principais doenças que ocorrem em bananeiras, não sendo necessária a
aplicação de fungicidas para o seu controle, com menor custo de produção e garantia de
fruta isenta de contaminantes químicos. Além disso, podem ser utilizados em cultivo
orgânico.
Apesar destas vantagens, a aceitação destes novos materiais pelo mercado consumidor
ainda é dificultada, por falta de marketing ou simplesmente por apresentarem sabor
diferente as cultivares tradicionalmente comercializados (Nanica e Prata).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação e Seleção de Progênies de Cupuaçuzeiro em Belém, Pará
Avaliação e Seleção de Progênies de Cupuaçuzeiro em Belém, ParáAvaliação e Seleção de Progênies de Cupuaçuzeiro em Belém, Pará
Avaliação e Seleção de Progênies de Cupuaçuzeiro em Belém, ParáThiago Pinheiro
 
PANORAMA DA CULTURA DA ACEROLA NO ESTADO DE SÃO PAULO
PANORAMA DA CULTURA DA ACEROLA NO ESTADO DE SÃO PAULOPANORAMA DA CULTURA DA ACEROLA NO ESTADO DE SÃO PAULO
PANORAMA DA CULTURA DA ACEROLA NO ESTADO DE SÃO PAULORural Pecuária
 
A CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
A CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
A CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZANTONIO INACIO FERRAZ
 
Boletim MarkEsalq em Rede Ano 4 n°19/ Outubro 2016 – Uva
Boletim MarkEsalq em Rede Ano 4 n°19/ Outubro 2016 – UvaBoletim MarkEsalq em Rede Ano 4 n°19/ Outubro 2016 – Uva
Boletim MarkEsalq em Rede Ano 4 n°19/ Outubro 2016 – UvaMarkEsalq
 
Novas cultivares de quiabo para agricultura familiar
Novas cultivares de quiabo para agricultura familiarNovas cultivares de quiabo para agricultura familiar
Novas cultivares de quiabo para agricultura familiarRural Pecuária
 
5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da canaCristóvão Lopes
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Rural Pecuária
 
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01Bruno Rodrigues
 
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Proyecto InterFruta Universidad de Azores
Proyecto InterFruta Universidad de AzoresProyecto InterFruta Universidad de Azores
Proyecto InterFruta Universidad de AzoresPTMacaronesia
 
Cultura da Mandioca
Cultura da MandiocaCultura da Mandioca
Cultura da MandiocaJoão Felix
 
Cultivo Consorciado de café e macadâmia
Cultivo Consorciado de café e macadâmiaCultivo Consorciado de café e macadâmia
Cultivo Consorciado de café e macadâmiaRural Pecuária
 

Mais procurados (20)

Cana de açúcar!
Cana de açúcar!Cana de açúcar!
Cana de açúcar!
 
Avaliação e Seleção de Progênies de Cupuaçuzeiro em Belém, Pará
Avaliação e Seleção de Progênies de Cupuaçuzeiro em Belém, ParáAvaliação e Seleção de Progênies de Cupuaçuzeiro em Belém, Pará
Avaliação e Seleção de Progênies de Cupuaçuzeiro em Belém, Pará
 
832 3044-1-pb
832 3044-1-pb832 3044-1-pb
832 3044-1-pb
 
11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb
 
PANORAMA DA CULTURA DA ACEROLA NO ESTADO DE SÃO PAULO
PANORAMA DA CULTURA DA ACEROLA NO ESTADO DE SÃO PAULOPANORAMA DA CULTURA DA ACEROLA NO ESTADO DE SÃO PAULO
PANORAMA DA CULTURA DA ACEROLA NO ESTADO DE SÃO PAULO
 
A CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
A CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
A CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Boletim MarkEsalq em Rede Ano 4 n°19/ Outubro 2016 – Uva
Boletim MarkEsalq em Rede Ano 4 n°19/ Outubro 2016 – UvaBoletim MarkEsalq em Rede Ano 4 n°19/ Outubro 2016 – Uva
Boletim MarkEsalq em Rede Ano 4 n°19/ Outubro 2016 – Uva
 
Novas cultivares de quiabo para agricultura familiar
Novas cultivares de quiabo para agricultura familiarNovas cultivares de quiabo para agricultura familiar
Novas cultivares de quiabo para agricultura familiar
 
POMAR AGROECOLÓGICO
POMAR AGROECOLÓGICOPOMAR AGROECOLÓGICO
POMAR AGROECOLÓGICO
 
Eapt 2012-903
Eapt 2012-903Eapt 2012-903
Eapt 2012-903
 
5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
 
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
 
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
 
Cana de-açúcar
Cana de-açúcarCana de-açúcar
Cana de-açúcar
 
Arrtigooo
ArrtigoooArrtigooo
Arrtigooo
 
Proyecto InterFruta Universidad de Azores
Proyecto InterFruta Universidad de AzoresProyecto InterFruta Universidad de Azores
Proyecto InterFruta Universidad de Azores
 
Cultura da Mandioca
Cultura da MandiocaCultura da Mandioca
Cultura da Mandioca
 
Cultivo Consorciado de café e macadâmia
Cultivo Consorciado de café e macadâmiaCultivo Consorciado de café e macadâmia
Cultivo Consorciado de café e macadâmia
 
Cana de-açucar
Cana de-açucarCana de-açucar
Cana de-açucar
 

Semelhante a Novos cultivares e híbridos de bananeiras resistentes a doenças

A bananeira BRS conquista em sistema Agroflorestal regenerativo
A bananeira BRS conquista em sistema Agroflorestal regenerativoA bananeira BRS conquista em sistema Agroflorestal regenerativo
A bananeira BRS conquista em sistema Agroflorestal regenerativoRural Pecuária
 
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores ruraisImportância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores ruraisRural Pecuária
 
Goiaba: Características de frutos de um banco de germoplasma
Goiaba: Características de frutos de um banco de germoplasmaGoiaba: Características de frutos de um banco de germoplasma
Goiaba: Características de frutos de um banco de germoplasmaRural Pecuária
 
Cana - de - Açucar
Cana - de - AçucarCana - de - Açucar
Cana - de - Açucarwenderson24
 
ANONÁCEAS: Principais porta-enxertos para produção de mudas
ANONÁCEAS: Principais porta-enxertos para produção de mudasANONÁCEAS: Principais porta-enxertos para produção de mudas
ANONÁCEAS: Principais porta-enxertos para produção de mudasRural Pecuária
 
ARTIGO EXTRAÇÃO DE NANOCELULOSE A PARTIR DO PSEUDOCAULE DA BANANEIRA PARA PRO...
ARTIGO EXTRAÇÃO DE NANOCELULOSE A PARTIR DO PSEUDOCAULE DA BANANEIRA PARA PRO...ARTIGO EXTRAÇÃO DE NANOCELULOSE A PARTIR DO PSEUDOCAULE DA BANANEIRA PARA PRO...
ARTIGO EXTRAÇÃO DE NANOCELULOSE A PARTIR DO PSEUDOCAULE DA BANANEIRA PARA PRO...Richard Oliveira AMORIM
 
Castanha Portuguesa no Estado de São Paulo
Castanha Portuguesa no Estado de São PauloCastanha Portuguesa no Estado de São Paulo
Castanha Portuguesa no Estado de São PauloRural Pecuária
 
Altas diluições no rendimento de rúcula, salsa e Gypsophila elegans
Altas diluições no rendimento de rúcula, salsa e Gypsophila elegansAltas diluições no rendimento de rúcula, salsa e Gypsophila elegans
Altas diluições no rendimento de rúcula, salsa e Gypsophila elegansPaulo Antonio de Souza Gonçalves
 
DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO
DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃODIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO
DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃOAna Aguiar
 
Produção de minicenouras não processadas em função de diferentes
Produção de minicenouras não processadas em função de diferentesProdução de minicenouras não processadas em função de diferentes
Produção de minicenouras não processadas em função de diferentesJose Carvalho
 
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...Ana Aguiar
 
Programa de melhoramento genético de antúrio
Programa de melhoramento genético de antúrioPrograma de melhoramento genético de antúrio
Programa de melhoramento genético de antúrioRural Pecuária
 

Semelhante a Novos cultivares e híbridos de bananeiras resistentes a doenças (20)

A bananeira BRS conquista em sistema Agroflorestal regenerativo
A bananeira BRS conquista em sistema Agroflorestal regenerativoA bananeira BRS conquista em sistema Agroflorestal regenerativo
A bananeira BRS conquista em sistema Agroflorestal regenerativo
 
Artigo bioterra v21_n2_03
Artigo bioterra v21_n2_03Artigo bioterra v21_n2_03
Artigo bioterra v21_n2_03
 
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores ruraisImportância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
 
Cultivo banana
Cultivo bananaCultivo banana
Cultivo banana
 
abc23
abc23abc23
abc23
 
Goiaba: Características de frutos de um banco de germoplasma
Goiaba: Características de frutos de um banco de germoplasmaGoiaba: Características de frutos de um banco de germoplasma
Goiaba: Características de frutos de um banco de germoplasma
 
Cana - de - Açucar
Cana - de - AçucarCana - de - Açucar
Cana - de - Açucar
 
Glifosato yamada
Glifosato yamadaGlifosato yamada
Glifosato yamada
 
ANONÁCEAS: Principais porta-enxertos para produção de mudas
ANONÁCEAS: Principais porta-enxertos para produção de mudasANONÁCEAS: Principais porta-enxertos para produção de mudas
ANONÁCEAS: Principais porta-enxertos para produção de mudas
 
ARTIGO EXTRAÇÃO DE NANOCELULOSE A PARTIR DO PSEUDOCAULE DA BANANEIRA PARA PRO...
ARTIGO EXTRAÇÃO DE NANOCELULOSE A PARTIR DO PSEUDOCAULE DA BANANEIRA PARA PRO...ARTIGO EXTRAÇÃO DE NANOCELULOSE A PARTIR DO PSEUDOCAULE DA BANANEIRA PARA PRO...
ARTIGO EXTRAÇÃO DE NANOCELULOSE A PARTIR DO PSEUDOCAULE DA BANANEIRA PARA PRO...
 
Artigo bioterra v18_n2_08
Artigo bioterra v18_n2_08Artigo bioterra v18_n2_08
Artigo bioterra v18_n2_08
 
Castanha Portuguesa no Estado de São Paulo
Castanha Portuguesa no Estado de São PauloCastanha Portuguesa no Estado de São Paulo
Castanha Portuguesa no Estado de São Paulo
 
Artigo_Bioterra_V22_N1_10
Artigo_Bioterra_V22_N1_10Artigo_Bioterra_V22_N1_10
Artigo_Bioterra_V22_N1_10
 
Artigo bioterra v16_n2_08
Artigo bioterra v16_n2_08Artigo bioterra v16_n2_08
Artigo bioterra v16_n2_08
 
Altas diluições no rendimento de rúcula, salsa e Gypsophila elegans
Altas diluições no rendimento de rúcula, salsa e Gypsophila elegansAltas diluições no rendimento de rúcula, salsa e Gypsophila elegans
Altas diluições no rendimento de rúcula, salsa e Gypsophila elegans
 
DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO
DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃODIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO
DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO
 
Acmella oleracea2
Acmella oleracea2Acmella oleracea2
Acmella oleracea2
 
Produção de minicenouras não processadas em função de diferentes
Produção de minicenouras não processadas em função de diferentesProdução de minicenouras não processadas em função de diferentes
Produção de minicenouras não processadas em função de diferentes
 
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
 
Programa de melhoramento genético de antúrio
Programa de melhoramento genético de antúrioPrograma de melhoramento genético de antúrio
Programa de melhoramento genético de antúrio
 

Mais de Rural Pecuária

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Rural Pecuária
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).Rural Pecuária
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Rural Pecuária
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Rural Pecuária
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalRural Pecuária
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...Rural Pecuária
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Rural Pecuária
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorRural Pecuária
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaRural Pecuária
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoRural Pecuária
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasRural Pecuária
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Rural Pecuária
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Rural Pecuária
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...Rural Pecuária
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovadoRural Pecuária
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelRural Pecuária
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesRural Pecuária
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteRural Pecuária
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Rural Pecuária
 
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...Rural Pecuária
 

Mais de Rural Pecuária (20)

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
 
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
 

Novos cultivares e híbridos de bananeiras resistentes a doenças

  • 1. NOVOS CULTIVARES E HÍBRIDOS DE BANANEIRAS Edson Shigueaki Nomura Eng. Agr., Me.,PqC. do Pólo Regional do Vale do Ribeira/APTA edsonnomura@apta.sp.gov.br Erval Rafael Damatto Junior Eng. Agr., Dr. PqC. do Pólo Regional do Vale do Ribeira/APTA erval@apta.sp.gov.br Eduardo Jun Fuzitani Eng. Agr., Me., PqC. do Pólo Regional do Vale do Ribeira/APTA edufuzitani@apta.sp.gov.br A bananeira (Musa spp.), pertencente à família Musaceae, é uma das fruteiras mais comuns nos países tropicais e seu fruto um dos mais consumidos no mundo. O interesse pelo cultivo de bananeiras tem crescido consideravelmente nas últimas três décadas por apresentar rápido retorno do capital investido e fluxo contínuo de produção a partir do primeiro ano de cultivo, o que o torna atraente para os agricultores. A cultura da banana também tem grande importância no aspecto social, constituindo importante fonte de renda dos pequenos e médios produtores e da alimentação da população de baixa renda. A Sigatoka-negra constitui um dos fatores limitantes da produção de banana em todas as partes do mundo. Esta é uma doença causada por fungos que atacam as folhas da bananeira provocando estrias marrons e manchas necróticas negras que reduzem os tecidos fotossintetizantes, provocando amarelecimento precoce dos frutos no cacho e, consequentemente, perdas dos rendimentos brutos. Com a entrada da Sigatoka-negra nos bananais paulista no ano de 2004, houve grandes prejuízos aos pequenos e médios produtores, principalmente aqueles que não possuem recursos financeiros, e consequentemente não podem utilizar todas as tecnologias
  • 2. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 1, Jan-Jun 2013 disponíveis para o controle desta doença. Uma das alternativas para esses pequenos produtores para melhorar o controle da doença na região é a utilização de cultivares de bananeiras resistentes ou tolerantes a esta doença, sendo a estratégia ideal do ponto de vista econômico e de preservação do meio ambiente, principalmente para regiões onde a bananicultura é caracterizada pelo baixo nível de adoção de tecnologias e com baixo retorno econômico. Alguns materiais de bananeira se destacaram com características agronômicas e/ou fitossanitárias favoráveis, tais como ‘Nanicão IAC 2001’, ‘Thap Maeo’, ‘FHIA 17’, ‘FHIA 18’, ‘BRS Princesa’, ‘BRS Platina’. ‘NANICÃO IAC 2001’(Subgrupo Cavendish AAA) Selecionado pelo Instituto Agronômico de Campinas (IAC), pelo Dr. Raul S. Moreira. Apresenta altura entre 2,5 e 4,0 metros e o diâmetro do pseudocaule a 30 cm acima do nível do solo varia de 24 a 26 cm. Os cachos apresentam formato quase cilíndrico, sendo que as bananas já granadas ficam com suas extremidades distais voltada para cima. A massa fresca do cacho varia de 20 e 25 kg e o número de pencas de 8 a 10 (Figura 1). A casca da fruta quando madura é de coloração amarela clara, a polpa é um pouco farinácea e de cor levemente creme, cujo paladar é menos adocicado que a Nanicão comum. Além disso, é três vezes mais rica em vitamina C do que a Nanicão comum. Após a climatização, conserva-se cerca de 4 a 5 dias a mais que a Nanicão comum. É considerado resistente à Sigatoka amarela e tolerante à Sigatoka negra, pois na colheita apresenta até oito folhas vivas e sem sinais de necrose destas doenças na região Sudeste, porém na região Norte, esta cultivar é considerado suscetível. Além disso, apresenta-se tolerante ao mal do Panamá (Fusarium oxysporum) e suscetível ao Moko (Ralstonia solanacearum). Apresenta ainda, baixa tolerância ao ataque da broca das bananeiras e do nematóide cavernícola (Radopholus similis).
  • 3. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 1, Jan-Jun 2013 Figura 1. Plantas com cacho e cacho da bananeira ‘Nanicão IAC 2001’ (Fotos: Luís Alberto Saes) ‘THAP MAEO’ (Grupo AAB) Esta cultivar foi selecionada pela EMBRAPA Mandioca e Fruticultura, em Cruz das Almas, BA. Variante da Mysore, ela apresenta pseudocaule menos manchado, mais vigoroso e cachos maiores. Apesar de rústica, recomenda-se que seu cultivo seja feito em solos profundos, bem drenados e realizando as adubações de rotina. Em avaliação realizada em dois ciclos de produção na APTA Pólo Vale do Ribeira, Pariquera-açu,SP, esta cultivar apresentou porte alto (média de 4,0 m no 1º ciclo e 5,2 m no 2º ciclo), diâmetro do pseudocaule a 30 cm acima do nível do solo de 24,4 cm (1º ciclo) e 32,0 cm no 2º ciclo. A massa fresca do cacho variou de 18 a 22 kg, mas pode atingir de até 35 kg, com cerca de 12 a 15 pencas e de 210 a 280 frutos/cacho (Figura 2). A capacidade produtiva pode atingir de 30 a 35 t/ha, quando cultivada em solos de boa fertilidade em condições de sequeiro, usando as práticas culturais recomendadas para a cultura. Quando cultivados em solos de baixa fertilidade na região Amazônica, apresentam um bom grau de rusticidade, com produtividade na faixa de 25 t/ha. Possui alta resistência às Sigatokas amarela e negra e ao mal-do-Panamá, sendo moderadamente resistente à broca das bananeiras e ao nematóide cavernícola.
  • 4. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 1, Jan-Jun 2013 Figura 2. Planta com cacho, penca e fruto da bananeira ‘Thap Maeo’ (Fotos: Edson Shigueaki Nomura) ‘FHIA 17’ (híbrido tetraplóide AAAA) Este híbrido é uma bananeira do tipo Gros Michel desenvolvido em 1989 pela Fundación Hondureña de Investigación Agrícola (FHIA), sendo consumida como fruta fresca e os frutos maduros têm sabor parecido ao da Gros Michel. Plantas cultivadas na fazenda experimental da APTA - Pólo Vale do Ribeira apresentaram altura entre 3,5 m (1º ciclo) e 4,0 m (2º ciclo), com pseudocaule cilíndrico com diâmetro de 30,0 cm (1º ciclo) a 33,3 cm (2º ciclo) e folhas decumbentes. O cacho é cilíndrico e a massa fresca do cacho variou de 30,0 a 36,0 kg, com 180 a 210 frutos por cacho, distribuídos em 10 a 12 pencas. Os frutos apresentam coloração verde claro, semi-curvos, de 20 a 24 cm de comprimento (Figura 3). A fruta madura é de cor amarelo claro e a polpa é de cor creme. A casca das bananas ao amadurecer tem uma coloração amarelo claro bastante atrativa, com uma textura da polpa suave e cremosa, de cor creme claro com sabor parecido aos das cultivares Cavendish. Adicionalmente ao seu consumo em forma fresca, a banana madura pode bem ser usada como purê para alimento de crianças. Também é recomendado seu
  • 5. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 1, Jan-Jun 2013 uso em salada de frutas, porque ao cortar em rodelas, não oxida como as cultivares de bananas comerciais de Cavendish. Este híbrido é tolerante a Sigatoka-negra e resistente ao mal-do-Panamá. É moderadamente resistente aos nematóides. Por sua tolerância às principais doenças, este híbrido pode ser cultivado em sistema orgânico e pode ser uma boa alternativa para agricultura de subsistência, já que não necessitam de aplicações de fungicidas nem tecnologia sofisticada. Figura 3. Planta com cacho, cacho, penca e fruto do híbrido ‘FHIA 17’ (Fotos: Edson Shigueaki Nomura) ‘FHIA 18’ (híbrido tetraplóide AAAB) Desenvolvida pela Fundación Hondureña de Investigación Agrícola (FHIA), apresenta sabor semelhante ao da banana ‘Prata Anã’. A altura da planta variou de 2,7 m (1º ciclo) e 3,5 m (2º ciclo), com pseudocaule vigoroso e resistente (diâmetros de 21,6 cm e 27,1 cm, respectivamente) (Figura 4). A massa fresca do cacho variou de 15,0 a 20,0 kg, com 130 a 170 frutos por cacho em 9 a 11 pencas, quando cultivados em Pariquera-Açu, SP (APTA - Pólo Vale do Ribeira). As bananas maduras apresentam a casca com coloração amarela muito atraente, com textura da polpa suave e cor creme. A banana madura pode ser usada como purê para alimento de crianças.
  • 6. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 1, Jan-Jun 2013 Apresenta média tolerância a Sigatoka-amarela, resistência a Sigatoka-negra e ao mal-do- Panamá. Figura 4. Planta com cacho, cacho, penca e frutos do híbrido ‘FHIA 18’ (Fotos: Edson Shigueaki Nomura) ‘BRS ‘PRINCESA’ (híbrido tetraplóide AAAB) Este híbrido é resultante de cruzamento da cultivar Yangambi nº 2 com o híbrido diplóide M53 (AA), criado pela EMBRAPA Mandioca e Fruticultura, em Cruz das Almas, BA. O cultivo deste híbrido na fazenda experimental da APTA - Pólo Vale do Ribeira (Pariquera- açu/SP) apresentou plantas de porte alto (1º ciclo: 3,8 m e 2º ciclo: 5,0 m), pseudocaule vigoroso e resistente (25 a 30 cm de diâmetro). A massa fresca do cacho variou de 10 a 15 kg e os frutos são maiores e mais grosso do que a banana ‘Maçã’ (12 a 16 cm de comprimento e 32 a 34 mm de diâmetro), com sabor semelhante ao da banana ‘Maçã’ (Figura 5). Apresenta-se resistente às Sigatokas amarela e negra e tolerante ao mal-do- Panamá.
  • 7. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 1, Jan-Jun 2013 Figura 5. Planta, penca e frutos do híbrido ‘BRS Princesa’ (Fotos: Edson Shigueaki Nomura) ‘BRS PLATINA’ (híbrido tetraplóide AAAB) Este híbrido é resultante de cruzamento da cultivar Prata-anã com o híbrido diplóide M53 (AA), desenvolvido pela EMBRAPA Mandioca e Fruticultura, em Cruz das Almas, BA. Em avaliação realizada em dois ciclos de produção na APTA Pólo Vale do Ribeira, Pariquera-açu/SP, apresentou plantas de porte alto (1º ciclo: 2,8 m; 2º ciclo: 3,5 m), pseudocaule vigoroso e resistente (25 a 30 cm de diâmetro). A massa fresca do cacho variou de 16,0 a 20,0 kg e os frutos são maiores e mais grosso do que a ‘Prata-anã (18 a 22 cm de comprimento e 34 a 36 mm de diâmetro) (Figura 6). Apresenta-se resistente ao mal- do-Panamá e suscetível às Sigatokas amarela e negra. Figura 6. Planta e cacho do híbrido ‘BRS Platina’ (Fotos: Edson Shigueaki Nomura)
  • 8. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 1, Jan-Jun 2013 Estes novos cultivares e híbridos apresentam muitas vantagens, principalmente em relação à tolerância as principais doenças que ocorrem em bananeiras, não sendo necessária a aplicação de fungicidas para o seu controle, com menor custo de produção e garantia de fruta isenta de contaminantes químicos. Além disso, podem ser utilizados em cultivo orgânico. Apesar destas vantagens, a aceitação destes novos materiais pelo mercado consumidor ainda é dificultada, por falta de marketing ou simplesmente por apresentarem sabor diferente as cultivares tradicionalmente comercializados (Nanica e Prata).