Sessao7tarefa1

223 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
223
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sessao7tarefa1

  1. 1. Práticas e modelos A.A. das BE - DRELVT - T1 Sessão 7 Com base nos resultados de avaliação apurados no processo de auto-avaliação da BE e incorporados na auto-avaliação da escola/agrupamento e na estrutura descritiva comum da IGE (utilizada a este nível como referencial para a reflexão) foi elaborado o trabalho desta sessão. A avaliação externa é, tal como qualquer processo de avaliação de carácter pedagógico onde podemos citar o próprio modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares, um instrumento de trabalho que se por um lado identifica pontos fortes, fracos, oportunidades e constrangimentos (análise swot da escola ou agrupamento), por outro aponta os caminhos/oportunidades de melhoria, oferecendo elementos para a construção de um plano de melhoria e, consequentemente, desenvolvimento da escola/agrupamento. Parte 1 Avaliação Externa da Escola Modelo de Auto-Avaliação das BE´s (estrutura descritiva comum) objectiv -fomentar a auto-avaliação como -objectivar a forma como se está a concretizar o os oportunidade de melhoria para o trabalho das Bibliotecas Escolares; agrupamento; -contribuir para as aprendizagens, para o -produzir documentos/instrumentos de sucesso educativo e para a promoção da reflexão e de debate; aprendizagem ao longo da vida; -efectuar uma análise swot da -conhecer o impacto que as actividades escola/agrupamento (identificar pontos realizadas pela e com a BE vão tendo no fortes e pontos fracos, bem como processo de ensino aprendizagem; oportunidades e constrangimentos); -conhecer o grau de eficiência e de eficácia dos -oferece elementos para a construção/ serviços prestados e de satisfação dos aperfeiçoamento de planos de melhoria e utilizadores da BE; desenvolvimento; -contribuir para a afirmação e reconhecimento -permite a articulação com a da BE; administração educativa e com a -determinar até que ponto a missão e os comunidade onde se insere; objectivos estabelecidos para a BE estão ou não a ser alcançados; -identificar práticas que têm sucesso e que deverão continuar; -identificar pontos fracos que importa melhorar;
  2. 2. Práticas e modelos A.A. das BE - DRELVT - T1 Informação resultante da auto-avaliação da BE nos Campos de análise e tópicos diferentes domínios estabelecidos pela IGE Modelo de Auto-Avaliação das BE´s (estrutura descritiva comum) 1.1.Contexto físico e 1. contexto e caracterização geral da escola social 1.2. Dimensão e D.1. Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e condições físicas da serviços prestados pela BE escola D.1.3. Resposta da BE às necessidades da escola e dos utilizadores. D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços D.2.3. Adequação da BE em termos de espaço e de equipamento às necessidades da escola/agrupamento 1.3. Caracterização da população discente 1.4. Pessoal Docente D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços D.2.1. Liderança do/a professor/a coordenador/a. D.2.2. Adequação da equipa em número e qualificações às necessidades de funcionamento da BE e às solicitações da comunidade educativa. 1.5. Pessoal não D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços docente D.2.2. Adequação da equipa em número e qualificações às necessidades de funcionamento da BE e às solicitações da comunidade educativa. 1.6. Recursos D.1. Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e financeiros serviços prestados pela BE D.1.2. Valorização da BE pelos órgãos de gestão e de decisão Pedagógica 2.1. Prioridades e D.1. Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e 2. projecto educativo objectivos serviços prestados pela BE D.1.1. Integração da BE na Escola/ Agrupamento D.3.1. Planeamento da colecção de acordo com a inventariação das necessidades curriculares e dos utilizadores 2.2 Estratégias e A.1. Articulação Curricular da BE com as Estruturas Pedagógicas e plano de acção os Docentes A.1.1. Cooperação da BE com os órgãos pedagógicos de gestão intermédia da escola/agrupamento. D.1. Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE D.1.1. Integração da BE na Escola/Agrupamento
  3. 3. Práticas e modelos A.A. das BE - DRELVT - T1 3.1. Estruturas de A.1. Articulação Curricular da BE com as Estruturas Pedagógicas e 3. a organização e gestão da escola gestão os Docentes A.1.1. Cooperação da BE com os órgãos pedagógicos de gestão intermédia da escola/agrupamento. 3.2. Gestão A.1. Articulação Curricular da BE com as Estruturas Pedagógicas e pedagógica os Docentes A.1.2. Parceria da BE com os docentes responsáveis pelas novas áreas curriculares não disciplinares (NAC). A.1.3. Articulação da BE com os docentes responsáveis pelos Apoios Educativos A.1.4. Integração da BE no Plano de Ocupação Plena dos Tempos Escolares (OPTE). A.1.5. Colaboração da BE com os docentes na concretização das actividades curriculares desenvolvidas no seu espaço ou tendo por base os seus recursos. 3.3. Procedimentos de D.1. Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e auto-avaliação serviços prestados pela BE institucional D.1.4. Avaliação da BE 4.1. Articulação e C.2.4. Estímulo à participação dos pais/EE em torno da promoção 4. ligação à comunidade participação dos pais da leitura e do desenvolvimento de competências e jovens que e encarregados de frequentam a escola educação na vida da escola 4.2. Articulação e C.2.3. Participação com outras Escolas /Agrupamentos e, participação das eventualmente, com outras entidades (por ex. DRE, RBE, CFAE), autarquias em reuniões da BM/SABE ou outro Grupo de Trabalho a nível concelhio ou inter-concelhio 4.3. Articulação e participação das instituições locais – empresas, instituições sociais e culturais 5.1. Disciplina e A.2.5. Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes 5. clima e ambiente educativos comportamento cívico indispensáveis à formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida. 5.2. Motivação e A.2.1. Organização de actividades de formação de utilizadores. empenho C.1.2. Dinamização de actividades livres, de carácter lúdico e cultural.
  4. 4. Práticas e modelos A.A. das BE - DRELVT - T1 6.1. Resultados A.2.2. Promoção do ensino em contexto de competências de 6. resultados académicos informação. A.2.5. Impacto da BE nas competências tecnológicas e de informação dos alunos B.3. Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e das literacias 6.2. Resultados A.2.5. Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes sociais da educação indispensáveis à formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida. 7. outros elementos relevantes para a caracterização da escola Parte 2 Tendo por base a amostra de Relatórios de avaliação externa dos Agrupamentos de Escolas Conde de Oeiras-Oeiras e D. Fernando II-Sintra (não escolhi o do meu agrupamento pois este nunca foi sujeito a uma avaliação externa) segue-se uma análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE, nesses Relatórios. análise à presença de referências a respeito das BE, nesses Agrupamento de Escolas Agrupamento de Relatórios Conde de Oeiras Escolas D. Fernando II I- Introdução II- Caracterização do agrupamento 1. Resultados Bom Bom III- Conclusões da avaliação por domínio 2. Prestação do serviço educativo Bom Bom 3. Organização e gestão escolar Bom Bom 4. Liderança Muito Bom Muito Bom 5. Capacidade de auto-regulação e melhoria do Bom Bom agrupamento
  5. 5. Práticas e modelos A.A. das BE - DRELVT - T1 IV- Avaliação por factor 1. 1.1. Sucesso académico Não refere explicitamente Não existem Resultados a BE, apenas a promoção referências à BE da leitura, de forma vaga 1.2. Participação e Não existem referências à Não existem desenvolvimento cívico BE referências à BE 1.3. Comportamento e disciplina Não existem referências à Não existem BE referências à BE 1.4. Valorização e impacto das Não existem referências à Não existem aprendizagens BE referências à BE 2. 2.1. Articulação e sequencialidade Não existem referências à Não existem Prestação BE referências à BE do serviço educativo 2.2. Acompanhamento da prática Não existem referências à Não existem lectiva em sala de aula BE referências à BE 2.3. Diferenciação e apoios Não existem referências à Não existem BE referências à BE 2.4. Abrangência do currículo e Refere a BE como local Refere a BE quanto valorização dos saberes e da com meios para acesso a ao seu papel no aprendizagem equipamentos desenvolvimento da informáticos, entenda-se dimensão artística computadores (de torre e através de diversas portáteis), com acesso à iniciativas planeadas internet; no âmbito da própria BE; cita ainda a BE pela vertente de taxa de ocupação mensal e requisição de livros; 3. 3.1. Concepção, planeamento e Não existem referências à Não existem Organizaçã desenvolvimento da actividade BE referências à BE o e Gestão Escolar 3.2. Gestão dos recursos humanos Não existem referências à Não existem BE referências à BE 3.3. Gestão dos recursos materiais Refere que a Biblioteca se Não existem e financeiros encontra inserida na Rede referências à BE de Bibliotecas Escolares 3.4. Participação dos pais e outros Não existem referências à Não existem elementos da comunidade BE referências à BE educativa 3.5. Equidade e justiça Não existem referências à Não existem BE referências à BE 4. Liderança 4.1. Visão e estratégia Não existem referências à Não existem BE referências à BE 4.2. Motivação e empenho Não existem referências à Não existem BE referências à BE 4.3. Abertura à inovação Refere actividades Não existem criativas dinamizadas referências à BE pela BE, no âmbito do
  6. 6. Práticas e modelos A.A. das BE - DRELVT - T1 V- Considerações finais

×