Aula abelha sem_ferro

12.208 visualizações

Publicada em

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA “LUIZ DE QUEIRÓZ”
DEPT. DE ENTOMOLOGIA E ACAROLOGIA
INSETOS ÚTEIS

ABELHAS SEM FERRÃO

Publicada em: Educação
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.208
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.487
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
535
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula abelha sem_ferro

  1. 1. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA “LUIZ DE QUEIRÓZ” DEPT. DE ENTOMOLOGIA E ACAROLOGIA INSETOS ÚTEIS ABELHAS SEM FERRÃO Lorena Andrade Nunes Luzimario Lima Pereira Piracicaba-SP Junho-2009
  2. 2. Taxonomia Apoidea Apidae Apinae Apini Apina Meliponina Bombina Euglossina Silveira et al. 2002
  3. 3. Espécies mais conhecidas Melipona scutellaris Tetragonisca angustula Uruçu Jataí
  4. 4. DIFERENÇAS ENTRE MELÍPONAS E TRIGONAS Como reconhecê-las no campo?
  5. 5. Entrada do ninho
  6. 6. Tamanho das abelhas M. quadrifasciata Partamona sp
  7. 7. População das abelhas NOME VULGAR POPULAÇÃO URUÇU VERDADEIRA ± 5.000 URUÇU AMARELA ± 5.000 MANDAÇAIA ± 1.000 MUNDURI ± 800 JANDAÍRA ± 800 NOME VULGAR POPULAÇÃO JATAÍ ± 5.000 IRAÍ ± 1.500 TUBIBA ± 30.000 ARAPUÁ ± 100.000 MOÇA-BRANCA ± 1.000
  8. 8. Células de cria M. scutellaris Scaptotrigona sp Frieseomelitta sp
  9. 9. Potes de pólen e mel Frieseomelitta sp T. angustula M. scutellaris T. angustula M. scutellaris
  10. 10. Disposição das asas M. quadrifasciata Partamona sp.
  11. 11. MELIPONAS M. asilvai M. mondury M. mandacaia M. marginata M. quadrifasciata M. scutellaris
  12. 12. Melipona scutellaris Melipona mondury Melipona quadrifasciata
  13. 13. Melipona marginata
  14. 14. TRIGONINEOS Frieseomelitta sp. sp. Partamona sp. sp. Tetragonisca angustula Nannotrigona testaceicornis Plebeia sp. sp. Lestrimelitta sp. sp. Oxytrigona tataira Scaptotrigona sp. sp.
  15. 15. Frieseomelitta sp. sp. Plebeia sp. sp. Nannotrigona testaceicornis Partamona sp. sp.
  16. 16. Cephalotrigona capitata Frieseomelitta sp. sp. Tetragonisca angustula
  17. 17. Trigona sp. sp. Partamona sp. sp.
  18. 18. Melipona scutellaris Tetragonisca angustula Nannotrigona testaceicornis
  19. 19. Enxameação
  20. 20. Distância de voo 1. Pequenas abelhas (3 a 4 mm), como as do gênero Plebeia têm raio máximo de ação da ordem de 300 m. 2. Abelhas de médio porte (5 mm), como as do gênero Trigona têm raio máximo de ação da ordem de 600 m. 3. Abelhas de grande porte (10 mm), como Trigona silvestriana, têm raio máximo de ação da ordem de 800 m. 4. Abelhas muito grandes (13 a 15 mm), como Melipona fuliginosa, têm raio máximo de ação da ordem de 2.000 m. Wille (1983)
  21. 21. MELIPONÁRIOS
  22. 22. Translado do cortiço para caixa INPA
  23. 23. Divisão
  24. 24. Meliponíneos
  25. 25. Trigoníneos Com rainha Sem rainha
  26. 26. Manejo
  27. 27. Mandaçaia 12 a 15 cm 7 a 10 cm
  28. 28. Batume Umidade Fezes
  29. 29. Ovos de Hermetia Inimigos Forideos Formiga Sapo Lagartixa
  30. 30. FICHA DE REVISÃO ALIMENTO FAVOS LIXO/ DESENVOLV. COLMÉIA DATA UMIDADE COLHEITA FAMÍLIA MEL PÓLEN MOFADOS BATUME DO NINHO 15 0504 MUI MUI N N S EXC - EXC LEGENDA: ALIMENTO MUITO/MÉDIO/POUCO UMIDADE SIM/NÃO FAVOS MOFADOS SIM/NÃO LIXO SIM/NÃO DESENVOLVIMENTO DO NINHO RUIM/MÉDIO/EXCELENTE FAMÍLIA RUIM/MÉDIO/EXCELENTE
  31. 31. PRODUÇÃO DE MEL POR ESPÉCIE PRODUÇÃO DE MEL ESPÉCIE NOME VULGAR (l/cx/ano) Melipona scutellaris, Uruçu 4,0 a 10,0 M. rufiventris M. subnitida Jandaíra 2,0 a 3,0 M. quadrifasciata anthidiodes Mandaçaia 2,0 a 4,0 M. mandacaia M. asilvae Munduri 1,0 a 2,5 Scaptotrigona postica Mandaguari 1,5 a 3,0 Tetragonisca angustula Jataí 0,6 a 1,2 PREÇO DO MEL ESPÉCIE R$/LITRO/ VAREJO URUÇU 20,00 – 50,00 MANDAÇAIA 20,00 - 40,00 MOÇA-BRANCA 15,00 – 20,00 JATAÍ 50,00 – 100,00
  32. 32. Retirada das melgueiras
  33. 33. Desoperculação e procedimentos
  34. 34. FERMENTAÇÃO UMIDADE % <17,0 NÃO FERMENTÁVEL, INDEPENDENTE DO NÚMERO DE LEVEDURAS; 17,1 - 18,0 NÃO FERMENTÁVEL, SE O NÚMERO DE LEVEDURAS FOR 1000 UFC.g-1; 18,1 - 19,0 NÃO FERMENTÁVEL, SE O NÚMERO DE LEVEDURAS FOR 10 UFC.g-1; 19,1 - 20,0 NÃO FERMENTÁVEL, SE O NÚMERO DE LEVEDURAS FOR 1,01 UFC.g-1; >20 SEMPRE FERMENTÁVEL. (CRANE, 1976)
  35. 35. ATIVIDADE DE ÁGUA Descreve o status de energia da água em um sistema. Velocidade das Reações (VAN DEN BERG; BRUIN, 1981)
  36. 36. CARACTERÍSTICA DO MEL POR ESPÉCIE Atividade de ESPÉCIE UMIDADE (%) AÇÚCARES (%) água Melipona scutellaris 23 – 30 77 – 70 0,69 0– 0,743 Melipona 27 – 32 73 – 68 0,725 – 0,784 quadrifasciata Tetragonista 25,5 – 32 65,9 – 70 0,598 – 0,660 angustula Melipona rufiventris 25 – 34 66 - 75 Melipona marginata 26 – 30 70 – 74 Apis mellifera 15,8 – 20,3 76,9 – 86,8 0,550 – 0,641
  37. 37. 25 UFC.g-1 910 UFC.g-1 100 UFC.g-1 Valor adequado
  38. 38. Câmara de desumidificação
  39. 39. Sala de desumidificação
  40. 40. POTE PARA CONSERVAÇÃO

×