SlideShare uma empresa Scribd logo

Apresentação Agro+ Produtor Rural MG

Apresentação Adriana Bicalho MAPA

Apresentação Agro+ Produtor Rural MG

1 de 29
Baixar para ler offline
PRODUTOR RURAL
Adriana Prado Bicalho
Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental
DPDAG/Gabinete/SFA-MG
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Viçosa, 10 de maio de 2017
O Programa Agro + Produtor Rural tem como objetivo alterar a
realidade das propriedades de pequenos e médios produtores rurais,
promovendo uma transformação do processo produtivo convencional
para um Sistema Integrado de Produção Agropecuária (SIPA), usando a
assistência técnica e gerencial continuada como principal ferramenta
na busca constante pela melhoria da qualidade de vida dos
produtores, do aumento de renda e de geração de empregos no
campo, e da sucessão familiar na propriedade rural.
OBJETIVO
• contratação de pessoa jurídica para prestar serviços de
assistência técnica e gerencial especializada e continuada
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 Fomentar a cultura de cooperação entre os produtores rurais
 Desenvolver e difundir modelos e sistemas sustentáveis de produção
agropecuária customizados às realidades locais;
 Aproximar a pesquisa agropecuária do produtor rural,
 Promover a recuperação da capacidade produtiva dos meios de produção
agrícola (solo, água e energia), a partir da microbacia hidrográfica;
 Promover a melhoria da gestão e do planejamento da propriedade rural;
 Fomentar a produção de alimentos saudáveis e seguros;
 Fomentar a competitividade na produção agrícola e pecuária, por meio da
agregação de valor e de ações de promoção e certificação de produtos e da
propriedade;
 Estimular a geração de empregos no meio rural.
PUBLÍCO BENEFICIÁRIO
 Diretamente, de 60 (sessenta) produtores rurais selecionados por adesão
voluntária, e suas propriedades rurais que serão consideradas Unidades de
Referência em Produção Integrada de Sistemas Agropecuários;
 Diretamente, 240 produtores satélites componentes dos Núcleos das 60
(sessenta) Unidades de Referência;
 Indiretamente, os demais produtores componentes dos Núcleos Satélites das
60 (sessenta) Unidades De Referência/URs.
1. Limite de renda e área:
área até o limite de 15 módulos fiscais e com renda familiar até o limite de R$
1.760.000,00 (hum milhão, setecentos e sessenta mil);
2. Critérios de seleção
Produtores organizados em associações e/ou cooperativas;
3. Critério de desempate
Maior tempo de vínculo do produtor rural com sua respectiva organização
CARACTERÍSTICAS
NÚCLEOS SATÉLITES
UR
Produtor
Satélite
Produtor
Satélite
Produtor
Satélite
Produtor
Satélite
ARÉA GEOGRÁFICA
Região
Municípios
Público
Beneficiário
Zona da
Mata
Santos Dumont, Ewbank da Câmara, Pedro Teixeira,
Juiz de Fora, Matias Barbosa, Pequeri, Bicas, Chácara,
Coronel Pacheco, Piau, Goianá, Aracitaba, Oliveira Fortes,
Paiva e Bias Fortes. 60
produtores
Rurais +
240
produtores
satélitesCampo das
Vertentes
Resende Costa, Ritápolis, Lagoa Dourada, Coronel Xavier
Chaves, Santa Cruz de Minas, Tiradentes, São João Del
Rey,
Prados, Barroso, Dores do Campo, Carandaí, Ressaquinha,
Alfredo Vasconcelos, Barbacena, Antônio Carlos.
Anúncio

Recomendados

W9 - Apresentação GESAI
W9 - Apresentação GESAIW9 - Apresentação GESAI
W9 - Apresentação GESAIRuan Coutinho
 
BPA Sérgio Gonzaga
BPA Sérgio GonzagaBPA Sérgio Gonzaga
BPA Sérgio Gonzagaagencialarue
 
Câmara Temática Agricultura, Pecuária e Pesca
Câmara Temática Agricultura, Pecuária e PescaCâmara Temática Agricultura, Pecuária e Pesca
Câmara Temática Agricultura, Pecuária e PescaSecretaria Planejamento SC
 
Programa de Desenvolvimento da Pecuária Leiteira - PDPL
Programa de Desenvolvimento da Pecuária Leiteira - PDPL Programa de Desenvolvimento da Pecuária Leiteira - PDPL
Programa de Desenvolvimento da Pecuária Leiteira - PDPL equipeagroplus
 
Termo de Referência Projeto Muriqui da Mata PROFAUNA 001 2019
Termo de Referência Projeto Muriqui da Mata PROFAUNA 001 2019Termo de Referência Projeto Muriqui da Mata PROFAUNA 001 2019
Termo de Referência Projeto Muriqui da Mata PROFAUNA 001 2019Dimas Marques
 
SojaPlusMG_ApresentaçãoDoPrograma_Florestal
SojaPlusMG_ApresentaçãoDoPrograma_FlorestalSojaPlusMG_ApresentaçãoDoPrograma_Florestal
SojaPlusMG_ApresentaçãoDoPrograma_Florestalequipeagroplus
 
AgroSIG: O melhor SIG Agrícola do mercado!
AgroSIG: O melhor SIG Agrícola do mercado!AgroSIG: O melhor SIG Agrícola do mercado!
AgroSIG: O melhor SIG Agrícola do mercado!Nuvem Tecnologia Ltda.
 

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apresentação Agro+ Produtor Rural MG

Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...PIFOZ
 
Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...
Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...
Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...Oxya Agro e Biociências
 
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...Cristiane Assis
 
Modulo VIII PARTE I.ppsx
Modulo VIII PARTE I.ppsxModulo VIII PARTE I.ppsx
Modulo VIII PARTE I.ppsxAugustaPereira2
 
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa CBA-Agroecologia2013Agroecologia
 
Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...
Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...
Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...Oxya Agro e Biociências
 
Agricultura Familiar Oeste Bahia
Agricultura Familiar Oeste BahiaAgricultura Familiar Oeste Bahia
Agricultura Familiar Oeste Bahiaequipeagroplus
 
Fenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasil
Fenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasilFenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasil
Fenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasilRevista Cafeicultura
 
Apresentação_ABIOVE_BernardoPires
Apresentação_ABIOVE_BernardoPiresApresentação_ABIOVE_BernardoPires
Apresentação_ABIOVE_BernardoPiresequipeagroplus
 
Encontro GCF Belém - Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável
Encontro GCF Belém - Grupo de Trabalho da Pecuária SustentávelEncontro GCF Belém - Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável
Encontro GCF Belém - Grupo de Trabalho da Pecuária SustentávelIdesam
 
GestãO AgríCola
GestãO AgríColaGestãO AgríCola
GestãO AgríColaminasinvest
 
GestãO AgríCola
GestãO AgríColaGestãO AgríCola
GestãO AgríColaminasinvest
 
"Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ...
"Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ..."Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ...
"Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ...ExternalEvents
 
"Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ...
"Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ..."Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ...
"Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ...ExternalEvents
 
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...PIFOZ
 

Semelhante a Apresentação Agro+ Produtor Rural MG (20)

Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
 
Rosilene moura
Rosilene mouraRosilene moura
Rosilene moura
 
Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...
Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...
Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...
 
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...
 
Modulo VIII PARTE I.ppsx
Modulo VIII PARTE I.ppsxModulo VIII PARTE I.ppsx
Modulo VIII PARTE I.ppsx
 
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa CBA-Agroecologia2013
 
Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...
Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...
Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...
 
Agricultura Familiar Oeste Bahia
Agricultura Familiar Oeste BahiaAgricultura Familiar Oeste Bahia
Agricultura Familiar Oeste Bahia
 
Fenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasil
Fenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasilFenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasil
Fenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasil
 
V encuentro politica publica rs
V encuentro politica publica rsV encuentro politica publica rs
V encuentro politica publica rs
 
Apresentação_ABIOVE_BernardoPires
Apresentação_ABIOVE_BernardoPiresApresentação_ABIOVE_BernardoPires
Apresentação_ABIOVE_BernardoPires
 
Encontro GCF Belém - Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável
Encontro GCF Belém - Grupo de Trabalho da Pecuária SustentávelEncontro GCF Belém - Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável
Encontro GCF Belém - Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável
 
GestãO AgríCola
GestãO AgríColaGestãO AgríCola
GestãO AgríCola
 
GestãO AgríCola
GestãO AgríColaGestãO AgríCola
GestãO AgríCola
 
"Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ...
"Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ..."Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ...
"Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ...
 
"Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ...
"Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ..."Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ...
"Projeto Piloto - Brasil Primeiro Seminário Regional – Projeto FAO Guayaquil ...
 
Café forte master 2018
Café forte master 2018Café forte master 2018
Café forte master 2018
 
Minas Pecuária
Minas PecuáriaMinas Pecuária
Minas Pecuária
 
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
 
José guilherme tollstadius leal
José guilherme tollstadius lealJosé guilherme tollstadius leal
José guilherme tollstadius leal
 

Mais de Ruan Coutinho

W9 - Apresentacao GPRH
W9 - Apresentacao GPRHW9 - Apresentacao GPRH
W9 - Apresentacao GPRHRuan Coutinho
 
W9 - Programa carbono zero GEEA
W9 - Programa carbono zero GEEAW9 - Programa carbono zero GEEA
W9 - Programa carbono zero GEEARuan Coutinho
 
W9 - Apresentacao Familia do Leite
W9 - Apresentacao Familia do LeiteW9 - Apresentacao Familia do Leite
W9 - Apresentacao Familia do LeiteRuan Coutinho
 
W9 - Apresentação-aziz_agroplus
W9 - Apresentação-aziz_agroplusW9 - Apresentação-aziz_agroplus
W9 - Apresentação-aziz_agroplusRuan Coutinho
 
Familia leite financiamento
Familia leite financiamentoFamilia leite financiamento
Familia leite financiamentoRuan Coutinho
 

Mais de Ruan Coutinho (8)

W9 - NEPUT
W9 - NEPUTW9 - NEPUT
W9 - NEPUT
 
W9 - NEO
W9 - NEOW9 - NEO
W9 - NEO
 
W9 - Apresentacao GPRH
W9 - Apresentacao GPRHW9 - Apresentacao GPRH
W9 - Apresentacao GPRH
 
W9 - Programa carbono zero GEEA
W9 - Programa carbono zero GEEAW9 - Programa carbono zero GEEA
W9 - Programa carbono zero GEEA
 
W9 - Apresentacao Familia do Leite
W9 - Apresentacao Familia do LeiteW9 - Apresentacao Familia do Leite
W9 - Apresentacao Familia do Leite
 
W9 - Carlos Leite
W9 -  Carlos LeiteW9 -  Carlos Leite
W9 - Carlos Leite
 
W9 - Apresentação-aziz_agroplus
W9 - Apresentação-aziz_agroplusW9 - Apresentação-aziz_agroplus
W9 - Apresentação-aziz_agroplus
 
Familia leite financiamento
Familia leite financiamentoFamilia leite financiamento
Familia leite financiamento
 

Último

COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
CURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdfCURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdfdaniele690933
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOColaborar Educacional
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxssuser86fd77
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...manoelaarmani
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfkeiciany
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfalexandrerodriguespk
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfkeiciany
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfAndreiaSilva852193
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfkeiciany
 
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e AppsApresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e AppsAlexandre Oliveira
 

Último (20)

COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
CURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdfCURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdf
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
 
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e AppsApresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
 

Apresentação Agro+ Produtor Rural MG

  • 1. PRODUTOR RURAL Adriana Prado Bicalho Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental DPDAG/Gabinete/SFA-MG Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Viçosa, 10 de maio de 2017
  • 2. O Programa Agro + Produtor Rural tem como objetivo alterar a realidade das propriedades de pequenos e médios produtores rurais, promovendo uma transformação do processo produtivo convencional para um Sistema Integrado de Produção Agropecuária (SIPA), usando a assistência técnica e gerencial continuada como principal ferramenta na busca constante pela melhoria da qualidade de vida dos produtores, do aumento de renda e de geração de empregos no campo, e da sucessão familiar na propriedade rural. OBJETIVO • contratação de pessoa jurídica para prestar serviços de assistência técnica e gerencial especializada e continuada
  • 3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Fomentar a cultura de cooperação entre os produtores rurais  Desenvolver e difundir modelos e sistemas sustentáveis de produção agropecuária customizados às realidades locais;  Aproximar a pesquisa agropecuária do produtor rural,  Promover a recuperação da capacidade produtiva dos meios de produção agrícola (solo, água e energia), a partir da microbacia hidrográfica;  Promover a melhoria da gestão e do planejamento da propriedade rural;  Fomentar a produção de alimentos saudáveis e seguros;  Fomentar a competitividade na produção agrícola e pecuária, por meio da agregação de valor e de ações de promoção e certificação de produtos e da propriedade;  Estimular a geração de empregos no meio rural.
  • 4. PUBLÍCO BENEFICIÁRIO  Diretamente, de 60 (sessenta) produtores rurais selecionados por adesão voluntária, e suas propriedades rurais que serão consideradas Unidades de Referência em Produção Integrada de Sistemas Agropecuários;  Diretamente, 240 produtores satélites componentes dos Núcleos das 60 (sessenta) Unidades de Referência;  Indiretamente, os demais produtores componentes dos Núcleos Satélites das 60 (sessenta) Unidades De Referência/URs. 1. Limite de renda e área: área até o limite de 15 módulos fiscais e com renda familiar até o limite de R$ 1.760.000,00 (hum milhão, setecentos e sessenta mil); 2. Critérios de seleção Produtores organizados em associações e/ou cooperativas; 3. Critério de desempate Maior tempo de vínculo do produtor rural com sua respectiva organização CARACTERÍSTICAS
  • 6. ARÉA GEOGRÁFICA Região Municípios Público Beneficiário Zona da Mata Santos Dumont, Ewbank da Câmara, Pedro Teixeira, Juiz de Fora, Matias Barbosa, Pequeri, Bicas, Chácara, Coronel Pacheco, Piau, Goianá, Aracitaba, Oliveira Fortes, Paiva e Bias Fortes. 60 produtores Rurais + 240 produtores satélitesCampo das Vertentes Resende Costa, Ritápolis, Lagoa Dourada, Coronel Xavier Chaves, Santa Cruz de Minas, Tiradentes, São João Del Rey, Prados, Barroso, Dores do Campo, Carandaí, Ressaquinha, Alfredo Vasconcelos, Barbacena, Antônio Carlos.
  • 7. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES – ANO I Descrição da atividade Tipo Carga horária Quant. total Carga Horária total Oficina de nivelamento conceitual e Metodológico; Interna* 16hs 1 16hs Reuniões de mobilização para identificação e seleção do público beneficiário e articulação dos parceiros locais; Coletiva 4hs 3 12hs Visitas Técnicas de apresentação do Programa Individual 2hs 60 120hs Visitas Técnicas de Diagnóstico Inicial da Unidade Produtiva Individual 4hs 60 240hs Visitas Técnicas de elaboração do Plano de Produção Integrada Individual 4hs 60 240hs Visitas Técnicas de ajuste e validação do Plano de Produção Integrada Individual 4hs 60 240hs Seminário Regional de discussão do Programa Coletiva 8hs 1 8hs Visitas Técnicas de implantação do Plano de Produção Integrada Individual 4hs 360 1.440hs Oficinas de Capacitação Coletiva 8hs 2 16hs Dia de Campo de Difusão do Programa APR Minas Coletiva 8hs 1 8hs Edição de material didático e promocional do Programa APR Minas Operacional 80hs TOTAL 2.420hs
  • 8. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES – ANO II Descrição da atividade Tipo Carga horária Quant. total Carga horária total Visitas Técnicas de acompanhamento da implantação do Plano de Produção Integrada Individual 4hs 540 2160hs Oficinas de Capacitação Coletiva 8hs 3 24hs Cursos Técnico de Capacitação Coletiva 8hs 2 16hs Intercâmbio de experiências técnico científica entre as UDs e outras propriedades Coletiva 16hs 1 16hs Dia de campo (Novas tecnologias) Coletiva 8hs 2 16hs Seminário Regional de Avaliação Intermediária do Programa APR Minas Coletiva 8hs 1 8hs Edição de material didático e promocional do Programa APR Minas Operacional 180hs TOTAL 2420hs
  • 9. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES – ANO II Descrição da atividade Tipo Carga horária Quant. total Carga horária total Visitas Técnicas de acompanhamento da implantação do Plano de Produção Integrada Individual 4hs 480 1920 Oficinas de capacitação Coletiva 8hs 3 24hs Cursos Técnico de Capacitação Coletiva 8hs 2 16hs Intercâmbio de experiências técnico científica entre as UDs e outras propriedades Coletiva 16hs 1 16hs Dias de campo (Novas tecnologias) Coletiva 8hs 2 16hs Visitas Técnicas de elaboração do Diagnóstico Final Individual 4hs 60 240hs Sistematização dos Diagnósticos inicial e final Operacional 180hs Seminário Regional de avaliação final do Programa APR Minas Coletiva 8hs 1 8hs TOTAL 2420hs
  • 10. PERFIL DA EMPRESA EXECUTORA  Pessoa Jurídica capacitada a prestar assistência técnica especializada na implantação, implementação, desenvolvimento, conclusão e resultados de projetos de desenvolvimento rural sustentável e na implantação e implementação da Produção Integrada de Sistemas Agropecuários (PISA) sustentáveis nas áreas de produção dos produtores beneficiários.  Será exigida uma estrutura operacional mínima, necessária a efetiva execução do contrato;  A Equipe técnica deverá ter a característica de multidisciplinariedade, favorecendo a participação de jovens e mulheres, todos com experiência comprovada.
  • 11. EQUIPE TÉCNICA Nº MÍNIMO DE COORDENADOR COM NÍVEL SUPERIOR (Agronomia, Medicina Veterinária ou Zootecnia) Nº MÍNIMO DE TÉCNICOS/AS COM NÍVEL SUPERIOR (Ciências agrárias) Nº MÍNIMO DE TÉCNICOS/AS COM NÍVEL MÉDIO (áreas agrícolas e afins) Nº MÍNIMO DE TÉCNICOS/AS COM NÍVEL SUPERIOR (Outras áreas do conhecimento) 01 03 02 01
  • 13. METODOLOGIA Recursos Financeiros: Recurso aplicado na contratação de empresa prestadora de ATER Humanos: Técnicos extensionista capacitados, pesquisadores, colaboradores eventuais, servidores públicos. Tecnológicos: Tecnologias de produção sustentáveis aplicadas a pequenas e médias propriedades, disponibilizadas pela pesquisa agropecuária. Atividades Visita técnica, reunião, seminário, cursos, oficinas, Dias de campo (DC), intercâmbio, Unidade de Referência. Produtos Mobilização local e regional, Unidades de Referência em SIPA implantadas, diagnósticos sistematizados, material didático e promocional para divulgação das tecnologias aplicadas. Beneficiários Diretos: pequenos e médios agricultores e produtores rurais dentro de uma determinada área de abrangência. Indiretos: comunidade, território, região. Resultados esperados Curto Prazo: conversão do sistema produtivo convencional para sistemas integrados e sustentáveis na propriedades rurais. Médio Prazo: conversão de sistemas convencionais para sistemas integrados e sustentável de produção agrícola e pecuária, em nível local e regional. Longo Prazo: desenvolvimento rural sustentável
  • 14. PRINCÍPIOS E DIRETRIZES 1. O contexto cultural do produtor rural 2. As condições objetivas e subjetivas do produtor rural 3. O caráter participativo das ações de ATER 4. O protagonismo do produtor rural 5. O respeito e a valorização da diversidade 6. A promoção da inclusão social 7. A democracia participativa 8. A formação continuada dos agentes de desenvolvimento rural 9. O respeito ao patrimônio ambiental
  • 15. PILARES TÉCNICOS  Fortalecimento organizacional da base produtiva por meio do Associativismo e Cooperativismo  Adoção de Sistemas Integrados de Produção Agrícola (SIPA);  Interação Pesquisa agropecuária e Assistência Técnica, e demais políticas públicas do MAPA  Adoção da microbacia hidrográfica como unidade básica de planejamento da implantação Programa;  Gestão eficiente da propriedade agrícola;  Qualidade e segurança alimentar na produção de alimentos  Agregação de valor à produção, comercialização e geração de empregos
  • 16. MÉTODOS E FERRAMENTAS Coletivas Individuais Operacionais Reunião Seminário Curso Oficina Dia de campo Intercâmbio Visita técnica Produção de Material didático e de divulgação Coleta e Sistematização de dados Consolidação da Unidade de Referência (UR)
  • 17. Algumas tecnologias  Integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF);  Integração lavoura-pecuária (ILP);  Sistemas agropecuárias de produção integrada (SAPI);  Agricultura de baixo impacto ambiental;  Plantio direto na palha;  Sistemas agroflorestais (SAF);  Indicação geográfica (IG);  Boas práticas agropecuárias (BPA);  Bem-estar animal;
  • 18. RESULTADOS ESPERADOS Resultados de Curto Prazo:  Conversão das propriedades rurais atendidas, do sistema produtivo convencional para Unidades de Referência de Sistemas Integrados de Produção Agropecuária (SIPA), promovendo um efeito multiplicador na comunidade e no território;  Aumento da renda do produtor por meio da melhoria dos processos de gestão e planejamento da propriedade rural, da recuperação da capacidade produtiva dos meios de produção e a consequente redução dos custos de produção;  Inserção do pequeno e médio produtor no contexto do agronegócio brasileiro, com competitividade a partir da agregação de valor e de ações de promoção e certificação de produtos e da propriedade;  Sucessão familiar nas propriedades rurais;  Geração de empregos no meio rural;  Desenvolvimento rural sustentável.
  • 19. RESULTADOS ESPERADOS Resultados de Médio Prazo:  Difusão de tecnologias e modelos sustentáveis de produção agropecuária customizados às realidades locais e regionais, por meio da integração entre a pesquisa agropecuária e a assistência técnica e gerencial especializada;  Melhoria dos índices de sustentabilidade econômica, ambiental, social, cultural e territorial da atividade agropecuária em pequenas e médias propriedades rurais, a partir da adoção de novas tecnologias sustentáveis de produção agropecuária;  Produção de alimentos saudáveis e seguros, com qualidade e em quantidade, segundo a demanda e as exigências atuais do mercado consumidor;
  • 20. RESULTADOS ESPERADOS Resultados de Longo Prazo:  Fortalecimento do associativismo e o cooperativismo como forma de organização da base produtiva, de estruturação das cadeias produtivas, e da promoção de uma melhor distribuição da riqueza gerada no agronegócio;  Inserção do pequeno e médio produtor no contexto do agronegócio brasileiro, com competitividade a partir da agregação de valor e de ações de promoção e certificação de produtos e da propriedade;  Sucessão familiar nas propriedades rurais;  Geração de empregos no meio rural;  Desenvolvimento rural sustentável.
  • 21. Uso de uma “cesta” de indicadores adequados para avaliar a sustentabilidade das URs em contextos de desenvolvimento rural sustentável MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO “Avaliação de sustentabilidade deve prescindir do uso de ferramentas que permitam a análise do agroecossistema, evidenciando seu desempenho e eficiência como sistema produtivo e os problemas que estão sendo enfrentados, de modo que possam trazer informações para as tomadas de decisões e monitoramento das ações desenvolvidas em unidades de produção, a partir da seleção de um conjunto de indicadores de sustentabilidade” Gliessman (2001).
  • 22. PRINCIPAIS INDICADORES DIMENSÃO ECONÔMICA Agregação de valor Valor agregado, relação preço recebido/preço de mercado Estabilidade dos preços Variação dos preços pagos aos produtores Grau de endividamento Relação entre dívida e patrimônio Diversidade da renda % de renda total obtido em diferentes atividades e produtos Dinâmica econômica local % de produção total destinado ao local e % de destino externo Gestão da propriedade Uso de ferramentas de gestão, gestão da informação Integração à agroindústria Nº de agricultores integrados à agroindústria
  • 23. DIMENSÃO SOCIAL Qualidade de vida Alimentação, moradia, educação, saúde, esperança de vida, cultura e lazer (IDH) Organização N° de associações, nº cooperativas, nº de núcleos organizados e grau de autogestão Inclusão de Jovens e mulheres Grau de participação da mulher nas atividades Grau de participação dos jovens nas atividades Relações de trabalho Nº de empregados carteira assinada/ trabalhadores eventuais Grau de concentração fundiária Coeficiente de Gini
  • 24. DIMENSÃO CULTURAL Integração cultural % da população participa de atividades culturais, de esporte e lazer Diversidade social % de famílias pertencentes a diversos grupos étnicos ou religiosos Participação e cidadania Nº de famílias que participam de núcleos e grupos organizados, % de agricultores nos conselhos municipais e câmara de vereadores, existência de processos de formação de liderança Capacitação e conhecimento Nº, tipo e frequência de cursos de capacitação Processos de educação permanente/ educação ambiental % de participantes de eventos, nº de eventos educativos
  • 25. DIMENSÃO AMBIENTAL Grau de biodiversidade N° de cultivos, nº rotação de cultivos, n° de espécies Grau de dependência de insumos externos % de insumos externos na produção Condição do solo Grau de fertilidade do solo Grau de adoção de práticas conservacionistas % de área erodida Nível de agroquímicos no solo (t/ha) Relação entre o solo descoberto e o solo com cobertura (viva ou adubação verde) Condição da água Principais fontes de abastecimento/ Qualidade da água Nível de contaminação por agroquímicos na água Impactos em outros sistemas Destino dos esgotos líquidos e sólidos % de reciclagem e reaproveitamento Conservação de estradas Ecologia da paisagem agrícola % de área protegida (APPs e Reserva legal) % de área de vegetação nativa Diversificação da paisagem
  • 26.  Considerar indicadores exógenos à propriedade.  Avaliar impactos nos índices de desenvolvimento rural das comunidades e regiões de abrangência do programa. “O desenvolvimento rural tenta reconstruir a agricultura não apenas no nível dos estabelecimentos, mas em termos regionais e da economia rural como um todo, em um processo multifacetado, que envolve múltiplos atores atuando em diversos níveis, do local ao global” (VEIGA, 2000). MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO
  • 27. FISCALIZAÇÃO E ACOMPANHAMENTO  Pautada nos princípios da Administração Pública  Garantir a plena execução das atividades programadas e efetivo cumprimento das cláusulas contratuais,  Estabelecer uma relação de respeito e confiança com a entidade contratada  Processos simplificados, com clareza e celeridade, reduzindo a burocracia
  • 28. Descrição das atividades ANO I ANO II ANO III CH Q CHT CH Q CHT CH Q CHT Oficina de nivelamento conceitual e metodológico 16hs 1 16hs Reuniões de mobilização para identificação e seleção do público beneficiário e articulação dos parceiros locais 4hs 3 12hs Visitas de apresentação do Programa Agro+ Produtor Rural (APR) Minas 2hs 60 120hs Visitas de elaboração de diagnóstico inicial da unidade produtiva 4hs 60 240hs Visitas de elaboração de diagnóstico final da unidade produtiva 4hs 60 240hs Sistematização dos diagnósticos inicial e final 180hs 1 180hs Visita de elaboração do Plano de Produção Integrada (PPI) 4hs 60 240hs Visita de ajuste e validação do Plano de Produção Integrada (PPI) 4hs 60 240hs Visitas de implantação do Plano de Produção Integrada (PPI) 4hs 360 1440hs 4hs 540 2160hs Visitas de acompanhamento da implantação do Plano de Produção Integrada (PPI) 4hs 480 1920 hs Oficinas de capacitação 8hs 2 16hs 8hs 3 24hs 8hs 3 24hs Cursos técnico de capacitação 8hs 2 16hs 8hs 2 16hs Dias de campo de Difusão do Programa APR Minas 8hs 1 8hs Dias de campo (Novas tecnologias) 8hs 2 16hs 8hs 2 16hs Intercâmbio de experiências Inovadoras 16hs 1 16hs 16hs 1 16hs Seminário regional de discussão do Programa APR Minas 8hs 1 8hs Seminário regional de avaliação intermediária do programa APR Minas 8hs 1 8hs Seminário regional de avaliação final do programa APR Minas 8hs 1 8hs Edição e impressão de material didático e promocional do programa APR Minas 80hs 1 80 hs 180hs 1 180 hs TOTAL DE HORAS TÉCNICAS 2420hs 2420hs 2420hs