SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Os Contratualistas
Prof. Rogério Terra
O Contrato social – Séc. XVI a XVIII
 Compreende todas aquelas teorias políticas que veem a
origem da sociedade e o fundamento do poder político
(potestas, imperium, governo, soberania) num contrato,
isto é num acordo tácito ou expresso entre a maioria dos
indivíduos, acordo que assinalaria o fim do estado natural
e o início do estado social e político.
 Demonstram uma preocupação com a legitimidade da
estrutura política que fundamentará o Estado Moderno
(estado-nação).
 Pensamento que seculariza a explicação do poder estatal,
ao mesmo tempo que procura argumentos racionais
(modernos) para manutenção do status quo (manutenção
do poder real e da Igreja).
Jusnaturalismo
 Os autores procuram legitimar o Estado através do
direito natural (Jusnaturalismo), num período em que o
direito criado pelo soberano (Direito Positivo – direito
estabelecido pelo Estado) tende a substituir o direito
consuetudinário (Direito Costumeiro)
 O direito natural se constitui num limite à intervenção
estatal (liberdades e direitos individuais), em
contrapartida tende a consolidar o poder do rei e do
Estado.
 Na história da filosofia jurídico-político, aparecem pelo
menos três versões fundamentais, também com suas
variantes: a de uma lei estabelecida por vontade
divina; a de uma lei “natural”, em sentido estrito,
fisicamente observável no mundo; e a de uma lei
ditada pela razão e existente autonomamente.
Thomas Hobbes – 1588 -1679
 Leviathan – livro de Hobbes que traduz seu
pensamento.
 Tudo começa na analise que ele faz do da
Natureza Humana e do Estado de
Natureza.
 Não temos a concepção do homem como
resultado da sociedade em que vive.
 “A natureza fez os homens tão iguais
quanto a natureza do corpo e do espírito”
 “o mais fraco tem força suficiente para
matar o mais forte”
 “dificilmente acreditam que hajam muitos
tão sábios quanto eles próprios; porque
veem sua sabedoria bem de perto e a dos
outros homens a distância.”
Cont.
 Disso decorre a esperança que cada um tem de atingir
seus objetivos.
 Os homens fogem da dor, tem medo da morte e
buscam o prazer.
 Todo seu pensamento se estrutura a partir dessa
perspectiva INDIVIDUALISTA.
 Um individualismo possessivo, pois a conquista da
propriedade realiza os desejos humanos.
 Nós estamos no momento da construção de uma
sociedade capitalista e liberal. Seu pensamento
acompanha este momento.
O Estado de Natureza
 Dizia Hobbes que haviam três causas para a discórdia:
uma natureza humana competitiva, insegura e que
busca a glória.
 Ou seja, de maneira egoísta visam o lucro, tem medo
de que outros invejem as suas posses e entram em
conflito por sua reputação.
 É uma natureza EGOÍSTA>POSSESSIVA>INDIVIDUALISTA
 “O homem é o lobo do homem” essa é a condição que
viabiliza uma potencial “Guerra de todos contra
todos”
 Quando a liberdade natural é total e nenhum poder
existe para limitá-la.
O Contrato Social de Hobbes
 “O direito de natureza , a que os autores geralmente chamam
jus naturale, é a liberdade que cada homem possui de usar
seu próprio poder, da maneira que quiser, para preservação de
sua própria natureza, ou seja, de sua vida; e
consequentemente de fazer tudo aquilo que seu próprio
julgamento e razão lhe indiquem como meios adequados a
esse fim.” (Cap. XIV)
 Direito inalienável a vida.
 O contrato surge da renúncia da liberdade absoluta que o
homem encontra no estado de natureza.
 O contrato, para ele, é um pacto de SUBMISSÃO.
 Sem a instituição de um poder soberano e absoluto será
impossível estabelecer uma ordem social, respeitada e
temida.
Cont.
 O contrato funda o Estado e este organiza a sociedade
civil em contraposição a sociedade natural (que de fato
não era sociedade, dado o comportamento antissocial do
homem).
 O Estado garante a propriedade, estabelecendo a paz e
segurança para o desenvolvimento do comércio e da
burguesia crescente.
 O direto de resistência ao estado somente é legítimo
quando atinge a própria vida. De resto a verdadeira
liberdade só existe diante de um estado absoluto.
 A argumentação dos contratualistas era mais lógica do que
histórica e buscavam produzir um discurso completo do
estado sem apoiar-se na religião.
 O século XVII foi caracterizado pelo
confronto constante entre Coroa e
Parlamento que eram representado
pela burguesia ascendete e pela
dinastia Stuart (católicos).
 Havia um conflito de político, religioso
(com os anglicanos, presbiterianos e
puritanos) e econômico (livre comércio
e privilégios mercantilistas).
 1963 – 1704
 Importante teórico que escreve o livro
Segundo Tratado Sobre o Governo Civil
para defender a Revolução Gloriosa de
1688 – Defensor do LIBERALISMO e
contra o poder absoluto do Rei
Natureza Humana
 Médico, oriundo de uma família burguesa, defendeu a
liberdade e a tolerância religiosa. Empirista, desenvolveu a
teoria da tábula rasa segundo a qual nascemos como uma
página em branco e vamos registrando nossas experiências
nela ao longo da vida.
 Parte de uma perspectiva individualista segundo a qual as
pessoas precedem a sociedade. Essa percepção será
importante para construirmos a noção de “Eu” e identidade
que é importante na modernidade. Até então o indivíduo só
se constituía como pessoa a partir da comunidade.
 Diferentemente de Hobbes, Locke considera que o homem
tem uma natureza pacífica e racional o que possibilita que
ele viva de acordo com as leis naturais observando os limites
que se constituem entre as pessoas.
Direito Natural
 Para ele, a vida, a liberdade e a propriedade são direitos naturais
inalienáveis.
 A propriedade em si é decorrente de um trabalho. Portanto, defende o direito
ao trabalho da mesma maneira. Acompanha assim corretamente os interesses
da burguesia crescente e os ideais liberais que ajuda a construir.
 [uma maçã na árvore não é de ninguém. A partir do momento que alguém a
colhe e a leva ao mercado passa a ser propriedade e se origina de um
trabalho que a retira do estado natural]
Estado Natural
 Antes de existir o Estado Positivo, as pessoas
viviam de maneira relativamente pacífica.
Entretanto, isto não impede que eventualmente
alguém não invada o direito do outro.
 Dadas as características das pessoas e dos direitos
naturais constata-se que antes do contrato social
já existe uma sociedade.
 Nessas condições o exercício da liberdade é
relativo pois ele termina quando começa o dos
outros.
Contrato social
 A justificativa para a criação do Estado é a
preservação da paz e a promoção da sociedade com a
consequente observância dos direitos naturais.
 Constitui-se um PACTO DE CONSENTIMENTO para que
o governante atinja esses objetivos.
 O poder desse governante será limitado, uma vez que
no próprio estado de natureza a liberdade das pessoas
era limitada. Logo elas só podem transferir aquilo que
elas possuem.
 A violação dos direitos naturais justifica a resistência
ao Estado.
Questionamento
 A resistência ao estado é um tema
contemporâneo. O que justifica a desobediência
civil?
 Para Hobbes a ameaça a vida, para Locke um
governo tirânico que não respeita os direitos
naturais.
 Atualmente, o que justificaria a desobediência
civil e como ela deve ser?
Bibliografia
 BOBBIO, Norberto et ali. Dicionário de Ciência Política. Editora UnB, Brasilia.
 WEFFORT, Francisco (org.) Os Clássicos da Política. Vol.1 Editora Ática, São
Paulo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Aula 15 - Estado e Governo
Aula 15 - Estado e GovernoAula 15 - Estado e Governo
Aula 15 - Estado e Governo
 
Estado sociedade e poder
Estado sociedade e poderEstado sociedade e poder
Estado sociedade e poder
 
Thommas Hobbes
Thommas HobbesThommas Hobbes
Thommas Hobbes
 
Thomas hobbes
Thomas hobbesThomas hobbes
Thomas hobbes
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
07 contrato social - rousseau
07  contrato social - rousseau07  contrato social - rousseau
07 contrato social - rousseau
 
Sartre
SartreSartre
Sartre
 
O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES
O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELESO QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES
O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
Schopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracionalSchopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracional
 
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel FoucaultAula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
 
Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.
 
Estado 02
Estado 02Estado 02
Estado 02
 
Introdução aos diálogos
Introdução aos diálogosIntrodução aos diálogos
Introdução aos diálogos
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
 
Filosofia Hegel
Filosofia HegelFilosofia Hegel
Filosofia Hegel
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: SócratesAula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: Sócrates
 
Aula 17 - Democracia e ditadura
Aula 17 - Democracia e ditaduraAula 17 - Democracia e ditadura
Aula 17 - Democracia e ditadura
 
Liberdade Filosofia
Liberdade FilosofiaLiberdade Filosofia
Liberdade Filosofia
 
Karl marx
 Karl marx Karl marx
Karl marx
 

Semelhante a Os contratualistas: Hobbes e Locke

Formação do estado moderno terceiro ano
Formação do estado moderno terceiro anoFormação do estado moderno terceiro ano
Formação do estado moderno terceiro ano
Adriano Capilupe
 
Contrato social – wikipédia, a enciclopédia livre
Contrato social – wikipédia, a enciclopédia livreContrato social – wikipédia, a enciclopédia livre
Contrato social – wikipédia, a enciclopédia livre
Adilsonivp
 
Os contratualistas
Os contratualistasOs contratualistas
Os contratualistas
Conrado_p_m
 
Jean jacques rousseau
Jean jacques rousseauJean jacques rousseau
Jean jacques rousseau
Rogerio Terra
 

Semelhante a Os contratualistas: Hobbes e Locke (20)

4 - Contratualistas (1).pptx
4 - Contratualistas (1).pptx4 - Contratualistas (1).pptx
4 - Contratualistas (1).pptx
 
Jusnaturalismo 3
Jusnaturalismo 3Jusnaturalismo 3
Jusnaturalismo 3
 
Aulla iv john locke 15042014
Aulla iv   john locke 15042014Aulla iv   john locke 15042014
Aulla iv john locke 15042014
 
Jusnaturalismo 3
Jusnaturalismo 3Jusnaturalismo 3
Jusnaturalismo 3
 
Aula filosofia do-direito-rousseau
Aula filosofia do-direito-rousseauAula filosofia do-direito-rousseau
Aula filosofia do-direito-rousseau
 
Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...
 
Formação do estado moderno terceiro ano
Formação do estado moderno terceiro anoFormação do estado moderno terceiro ano
Formação do estado moderno terceiro ano
 
Nicolau Maquiavel
Nicolau MaquiavelNicolau Maquiavel
Nicolau Maquiavel
 
Fundamentos do pensamento liberal e introução do liberalismo nas RI.pptx
Fundamentos do pensamento liberal e introução do liberalismo nas RI.pptxFundamentos do pensamento liberal e introução do liberalismo nas RI.pptx
Fundamentos do pensamento liberal e introução do liberalismo nas RI.pptx
 
Hobbes, Locke e Rousseau.pptx
Hobbes, Locke e Rousseau.pptxHobbes, Locke e Rousseau.pptx
Hobbes, Locke e Rousseau.pptx
 
Contrato social – wikipédia, a enciclopédia livre
Contrato social – wikipédia, a enciclopédia livreContrato social – wikipédia, a enciclopédia livre
Contrato social – wikipédia, a enciclopédia livre
 
Os contratualistas
Os contratualistasOs contratualistas
Os contratualistas
 
Aula 2 [1-2022-filo] - Contratualistas
Aula 2 [1-2022-filo] - ContratualistasAula 2 [1-2022-filo] - Contratualistas
Aula 2 [1-2022-filo] - Contratualistas
 
Jean jacques rousseau
Jean jacques rousseauJean jacques rousseau
Jean jacques rousseau
 
Do contrato social Vol. 1
Do contrato social Vol. 1 Do contrato social Vol. 1
Do contrato social Vol. 1
 
Interesse Nacional e Sistema de Partidos - Legitimidade Eleitoral, Legitimida...
Interesse Nacional e Sistema de Partidos - Legitimidade Eleitoral, Legitimida...Interesse Nacional e Sistema de Partidos - Legitimidade Eleitoral, Legitimida...
Interesse Nacional e Sistema de Partidos - Legitimidade Eleitoral, Legitimida...
 
Rousseau, Do Contrato Social
Rousseau, Do Contrato SocialRousseau, Do Contrato Social
Rousseau, Do Contrato Social
 
HOBBES.pptx
HOBBES.pptxHOBBES.pptx
HOBBES.pptx
 
Filosofia 2
Filosofia 2Filosofia 2
Filosofia 2
 
Concepções de Estado 02
Concepções  de Estado 02Concepções  de Estado 02
Concepções de Estado 02
 

Mais de Rogerio Terra

Cidadania exercicio 4
Cidadania exercicio 4Cidadania exercicio 4
Cidadania exercicio 4
Rogerio Terra
 
Exercício aula 2 cidadania
Exercício aula 2 cidadaniaExercício aula 2 cidadania
Exercício aula 2 cidadania
Rogerio Terra
 

Mais de Rogerio Terra (20)

Validação e prototipagem
Validação e prototipagem Validação e prototipagem
Validação e prototipagem
 
Emepreendedorismo etapa 2 2018
Emepreendedorismo etapa 2 2018Emepreendedorismo etapa 2 2018
Emepreendedorismo etapa 2 2018
 
Pitch
Pitch Pitch
Pitch
 
Empreendedorismo Slide etapa 1 2018
Empreendedorismo Slide etapa 1 2018Empreendedorismo Slide etapa 1 2018
Empreendedorismo Slide etapa 1 2018
 
Conhecendo o mercado
Conhecendo o mercadoConhecendo o mercado
Conhecendo o mercado
 
Conhecendo o cliente
Conhecendo o clienteConhecendo o cliente
Conhecendo o cliente
 
Desenvolvimento de Carreira parte 2
Desenvolvimento de Carreira parte 2Desenvolvimento de Carreira parte 2
Desenvolvimento de Carreira parte 2
 
Desenvolvimento de Carreira
Desenvolvimento de CarreiraDesenvolvimento de Carreira
Desenvolvimento de Carreira
 
Empreendedorismo UNISUAM A2 2017
Empreendedorismo UNISUAM A2 2017Empreendedorismo UNISUAM A2 2017
Empreendedorismo UNISUAM A2 2017
 
Regras do Time
Regras do TimeRegras do Time
Regras do Time
 
Divisão de Cargos em Empresas de Alto Impacto
Divisão de Cargos em Empresas de Alto ImpactoDivisão de Cargos em Empresas de Alto Impacto
Divisão de Cargos em Empresas de Alto Impacto
 
Lean canvas: velhos paradigmas, novas possibilidades.
Lean canvas: velhos paradigmas, novas possibilidades.Lean canvas: velhos paradigmas, novas possibilidades.
Lean canvas: velhos paradigmas, novas possibilidades.
 
Canvas para planejamento e execução de ações de cidadania
Canvas para planejamento e execução de ações de cidadaniaCanvas para planejamento e execução de ações de cidadania
Canvas para planejamento e execução de ações de cidadania
 
Canvas social
Canvas socialCanvas social
Canvas social
 
Empreendedorismo social
Empreendedorismo socialEmpreendedorismo social
Empreendedorismo social
 
Políticas públicas e o profissional do serviço social
Políticas públicas e o profissional do serviço socialPolíticas públicas e o profissional do serviço social
Políticas públicas e o profissional do serviço social
 
Cidadania exercicio aula 5
Cidadania exercicio aula 5Cidadania exercicio aula 5
Cidadania exercicio aula 5
 
Cidadania exercicio 4
Cidadania exercicio 4Cidadania exercicio 4
Cidadania exercicio 4
 
Exercício aula 2 cidadania
Exercício aula 2 cidadaniaExercício aula 2 cidadania
Exercício aula 2 cidadania
 
Exercício aula 1 cidadania
Exercício aula 1 cidadaniaExercício aula 1 cidadania
Exercício aula 1 cidadania
 

Os contratualistas: Hobbes e Locke

  • 2. O Contrato social – Séc. XVI a XVIII  Compreende todas aquelas teorias políticas que veem a origem da sociedade e o fundamento do poder político (potestas, imperium, governo, soberania) num contrato, isto é num acordo tácito ou expresso entre a maioria dos indivíduos, acordo que assinalaria o fim do estado natural e o início do estado social e político.  Demonstram uma preocupação com a legitimidade da estrutura política que fundamentará o Estado Moderno (estado-nação).  Pensamento que seculariza a explicação do poder estatal, ao mesmo tempo que procura argumentos racionais (modernos) para manutenção do status quo (manutenção do poder real e da Igreja).
  • 3. Jusnaturalismo  Os autores procuram legitimar o Estado através do direito natural (Jusnaturalismo), num período em que o direito criado pelo soberano (Direito Positivo – direito estabelecido pelo Estado) tende a substituir o direito consuetudinário (Direito Costumeiro)  O direito natural se constitui num limite à intervenção estatal (liberdades e direitos individuais), em contrapartida tende a consolidar o poder do rei e do Estado.  Na história da filosofia jurídico-político, aparecem pelo menos três versões fundamentais, também com suas variantes: a de uma lei estabelecida por vontade divina; a de uma lei “natural”, em sentido estrito, fisicamente observável no mundo; e a de uma lei ditada pela razão e existente autonomamente.
  • 4. Thomas Hobbes – 1588 -1679  Leviathan – livro de Hobbes que traduz seu pensamento.  Tudo começa na analise que ele faz do da Natureza Humana e do Estado de Natureza.  Não temos a concepção do homem como resultado da sociedade em que vive.  “A natureza fez os homens tão iguais quanto a natureza do corpo e do espírito”  “o mais fraco tem força suficiente para matar o mais forte”  “dificilmente acreditam que hajam muitos tão sábios quanto eles próprios; porque veem sua sabedoria bem de perto e a dos outros homens a distância.”
  • 5. Cont.  Disso decorre a esperança que cada um tem de atingir seus objetivos.  Os homens fogem da dor, tem medo da morte e buscam o prazer.  Todo seu pensamento se estrutura a partir dessa perspectiva INDIVIDUALISTA.  Um individualismo possessivo, pois a conquista da propriedade realiza os desejos humanos.  Nós estamos no momento da construção de uma sociedade capitalista e liberal. Seu pensamento acompanha este momento.
  • 6. O Estado de Natureza  Dizia Hobbes que haviam três causas para a discórdia: uma natureza humana competitiva, insegura e que busca a glória.  Ou seja, de maneira egoísta visam o lucro, tem medo de que outros invejem as suas posses e entram em conflito por sua reputação.  É uma natureza EGOÍSTA>POSSESSIVA>INDIVIDUALISTA  “O homem é o lobo do homem” essa é a condição que viabiliza uma potencial “Guerra de todos contra todos”  Quando a liberdade natural é total e nenhum poder existe para limitá-la.
  • 7. O Contrato Social de Hobbes  “O direito de natureza , a que os autores geralmente chamam jus naturale, é a liberdade que cada homem possui de usar seu próprio poder, da maneira que quiser, para preservação de sua própria natureza, ou seja, de sua vida; e consequentemente de fazer tudo aquilo que seu próprio julgamento e razão lhe indiquem como meios adequados a esse fim.” (Cap. XIV)  Direito inalienável a vida.  O contrato surge da renúncia da liberdade absoluta que o homem encontra no estado de natureza.  O contrato, para ele, é um pacto de SUBMISSÃO.  Sem a instituição de um poder soberano e absoluto será impossível estabelecer uma ordem social, respeitada e temida.
  • 8. Cont.  O contrato funda o Estado e este organiza a sociedade civil em contraposição a sociedade natural (que de fato não era sociedade, dado o comportamento antissocial do homem).  O Estado garante a propriedade, estabelecendo a paz e segurança para o desenvolvimento do comércio e da burguesia crescente.  O direto de resistência ao estado somente é legítimo quando atinge a própria vida. De resto a verdadeira liberdade só existe diante de um estado absoluto.  A argumentação dos contratualistas era mais lógica do que histórica e buscavam produzir um discurso completo do estado sem apoiar-se na religião.
  • 9.  O século XVII foi caracterizado pelo confronto constante entre Coroa e Parlamento que eram representado pela burguesia ascendete e pela dinastia Stuart (católicos).  Havia um conflito de político, religioso (com os anglicanos, presbiterianos e puritanos) e econômico (livre comércio e privilégios mercantilistas).  1963 – 1704  Importante teórico que escreve o livro Segundo Tratado Sobre o Governo Civil para defender a Revolução Gloriosa de 1688 – Defensor do LIBERALISMO e contra o poder absoluto do Rei
  • 10. Natureza Humana  Médico, oriundo de uma família burguesa, defendeu a liberdade e a tolerância religiosa. Empirista, desenvolveu a teoria da tábula rasa segundo a qual nascemos como uma página em branco e vamos registrando nossas experiências nela ao longo da vida.  Parte de uma perspectiva individualista segundo a qual as pessoas precedem a sociedade. Essa percepção será importante para construirmos a noção de “Eu” e identidade que é importante na modernidade. Até então o indivíduo só se constituía como pessoa a partir da comunidade.  Diferentemente de Hobbes, Locke considera que o homem tem uma natureza pacífica e racional o que possibilita que ele viva de acordo com as leis naturais observando os limites que se constituem entre as pessoas.
  • 11. Direito Natural  Para ele, a vida, a liberdade e a propriedade são direitos naturais inalienáveis.  A propriedade em si é decorrente de um trabalho. Portanto, defende o direito ao trabalho da mesma maneira. Acompanha assim corretamente os interesses da burguesia crescente e os ideais liberais que ajuda a construir.  [uma maçã na árvore não é de ninguém. A partir do momento que alguém a colhe e a leva ao mercado passa a ser propriedade e se origina de um trabalho que a retira do estado natural]
  • 12. Estado Natural  Antes de existir o Estado Positivo, as pessoas viviam de maneira relativamente pacífica. Entretanto, isto não impede que eventualmente alguém não invada o direito do outro.  Dadas as características das pessoas e dos direitos naturais constata-se que antes do contrato social já existe uma sociedade.  Nessas condições o exercício da liberdade é relativo pois ele termina quando começa o dos outros.
  • 13. Contrato social  A justificativa para a criação do Estado é a preservação da paz e a promoção da sociedade com a consequente observância dos direitos naturais.  Constitui-se um PACTO DE CONSENTIMENTO para que o governante atinja esses objetivos.  O poder desse governante será limitado, uma vez que no próprio estado de natureza a liberdade das pessoas era limitada. Logo elas só podem transferir aquilo que elas possuem.  A violação dos direitos naturais justifica a resistência ao Estado.
  • 14. Questionamento  A resistência ao estado é um tema contemporâneo. O que justifica a desobediência civil?  Para Hobbes a ameaça a vida, para Locke um governo tirânico que não respeita os direitos naturais.  Atualmente, o que justificaria a desobediência civil e como ela deve ser?
  • 15. Bibliografia  BOBBIO, Norberto et ali. Dicionário de Ciência Política. Editora UnB, Brasilia.  WEFFORT, Francisco (org.) Os Clássicos da Política. Vol.1 Editora Ática, São Paulo.