Reflexão

153 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
153
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reflexão

  1. 1. CONTEXTUALIZAÇÃOAPRESENTAÇÃOO Atelier de culinária “Doces e Salgados” do Agrupamento de Escolas deCuba, oportuniza o conhecimento e o desenvolvimento de práticas ehabilidades culinárias por meio da escolha e aprendizagem de receitas, bemcomo a confeção das mesmas pelos alunos.OBJETIVAÇÃODesenvolver nos alunos valores de cidadania, e de sociabilização, referindo-seà aquisição de skills imprescindíveis ao desempenho produtivo no campo dasociedade onde a aferição de resultados na conduta resolutiva esteja presente.Favorecer diferentes alternativas de aprendizagem, aptidões que irãodesenvolver:Costumes e valores de responsabilidade, cumprimentos de regras e normas,assim como da produtividade;Respeitar a dinâmica dos companheiros de grupo, suas limitações e desafios avencer, cooperando para a ampliação da relação inter e intrapessoal;Promover estratégias de trabalho que promovam os intercâmbios sinérgicos naescola.Construir conhecimentos fundamentais de higiene e limpeza pessoal, do localde trabalho, dando ênfase à importância destes conhecimentos para suainserção no mundo do trabalho.Avaliar a própria atuação e a evolução do grupo, através de uma ficha deobservação e avaliação previamente elaborada e definida pelo departamentodo SEA.DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADESO trabalho desenvolvido no “Atelier de Culinária” favorece a produção depequenas ementas e a realização prática das mesmas, em interação, comoutros técnicos membros de SEA.Para isso o trabalho organiza-se assim:- Folha de anotação dos materiais e produtividade do dia.-Ficha de desempenho, onde o professor menciona as capacidades adquiridas.Ricardo Rodrigues Página 1
  2. 2. CONTEXTUALIZAÇÃO- Reunião trimestral para avaliação dos alunos entre o professor e acoordenadora do SEA da escola, para acompanhamento do processo dasatividades do Atelier de Culinária.- Produção de uma pasta informática de imagens e receitas já praticadas.- Periodicamente os alunos produzem, no Atelier de Culinária, um pratoregional para consumo na Escola.- As receitas produzidas são vendidas na comunidade escolar, através depreços generosos.PROPOSITOS ALCANÇÁVEIS:Para os alunos portadores de deficiência é necessário que eles trabalhem, emtoda a sua plenitude com o conceito de pluri-temporalidade, desenvolvendocompetências e habilidades individuais que lhe garantam autonomia demovimentos e meios de se garantirem socialmente, que se dará como umprocesso de Educação continuada que se entende ao longo de toda vida dotrabalhador cidadão.Aprender fazendo” produz a manutenção do que se estuda. Quando se estudacom os conhecimentos do mundo, dificilmente se esquece o que se aprende éo que se pratica, quando se depara uma mesma situação.“Enfoque Amigo”, cujo princípio supõe que os amigos sejam apoiosimportantes, porque eles são fontes de garantia social.AVALIAÇÃO FUNCIONAL É uma metodologia de avaliação qualitativa e contínua, através daobservação informal e natural do educando especial em todas as situações devida e atividades habituais. Tem por objetivo obter dados sobre ofuncionamento do aluno, compreender todas as possibilidades globais everificar as necessidades específicas e dificuldades que intervém no processode desenvolvimento e aprendizagem. (SACRISTÁN, 1998). Chama-se funcional porque não avalia apenas o educando, masprocura entender o que pode ser útil e funcional para melhorar o desempenhoglobal, o acesso ao conhecimento, garantindo assim, a melhoria e qualidade devida do educando e seus familiares.Ricardo Rodrigues Página 2
  3. 3. CONTEXTUALIZAÇÃO Trata-se de um diagnóstico pedagógico com fim formativo, que deacordo com Sacristán (1998), serve à tomada de consciência e auxilia a refletirsobre o processo de intervenção, no planeamento de atividades e compreendercomo o educando está avançando; permite ainda inserir alternativas, correçõesou reforçar certos aspectos. Ainda, segundo o mesmo autor, a avaliação funcional pode serdesempenhada por meio de entrevistas, protocolos de observações, testes efichas de registos. O foco de atenção não é apenas o educando, mas, toda afamília. A participação ativa da família é essencial porque colabora cominformações sobre as necessidades do educando, seus interesses, como vê, oque lhe é difícil; como interage, comunica-se com outros educandos. Nesseprocesso, a família tem a possibilidade de especificar as suas dúvidas,ansiedades e frustrações, como também de compartilhar como mediador noprocesso educacional do educando. (SACRISTÁN 1998). Por esse caminho, a Avaliação Funcional, realizada pelo professorespecializado, não deve ver apenas a deficiência, a condição física; mas,procura conhecer integralmente o educando – compreender todas aspossibilidades, o desenvolvimento global, os interesses, as relaçõesinterpessoais, as dificuldades, as necessidades do educando; bem como osdesejos e expectativas do educando e de sua família.Ricardo Rodrigues Página 3

×