Alimentação escolar evolução e desafios.

436 visualizações

Publicada em

conteúdo elaborado para o CONALCO.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
436
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alimentação escolar evolução e desafios.

  1. 1. Alimentação escolar sua evolução e desafios
  2. 2. Quem coordena isso? O Ministério da Educação, por meio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, garante a transferência de recursos financeiros para subsidiar a alimentação escolar de todos os alunos da educação básica de escolas públicas e filantrópicas. O repasse é feito diretamente aos estados e municípios, com base no censo escolar realizado no ano anterior ao do atendimento.
  3. 3. O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), popularmente conhecido como merenda escolar, é gerenciado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e visa à transferência, em caráter suplementar, de recursos financeiros aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios destinados a suprir, parcialmente, as necessidades nutricionais dos alunos. É considerado um dos maiores programas na área de alimentação escolar no mundo e é o único com atendimento universalizado.
  4. 4. Um pouco de história Na história da alimentação nos sec XIX e XX somos marcados pela privação de alimentos. Nem todas as pessoas tinham acesso aos alimentos necessários em quantidade e em qualidade nutricional. Isso atribui a alimentação escolar a idéia de suprir essa necessidade em função do aprendizado.
  5. 5. Surge um conceito desafiador. ALIMENTAÇÃO COMBUSTÍVEL. - Comer para poder aprender.
  6. 6. Mas seria a alimentação, somente um combustível?
  7. 7. Alimentação é uma Prática Social! Uma experiência rica de possibilidades. Experiências sensoriais Significados simbólicos Que a escola não poderia deixar de considerar.
  8. 8. Quais significados sociais podemos ler nesta foto? disposição dos pratos é comum? os utencilios são os que comumente usamos com as crianças mesmo em casa? Elas puderam escolher o que e quanto comer?
  9. 9. Alimentação é uma atividade central da vida, que define a nossa forma de viver, de morar e de organizar a sociedade. proporciona apreensão da cultura, a assimilação de valores sociais, éticos. Por isso hoje o termo educação alimentar.
  10. 10. Por exemplo uma aluno que chega com fome , e recebe um lanche fora de hora. Será que recebeu só o lanche? NÃO. Ele recebe através do lanche: Cuidado, atenção individualizada, consideração
  11. 11. Dados atuais da Associação Brasileira para Estudos da obesidade e da Síndrome metabólica para as crianças de 5 a 9 anos por região os dados de excesso de peso são: NORTE - 25,65% NORDESTE - 28,15% CENTRO OESTE - 35,15% SUDESTE - 38,8% SUL - 35,9% Fonte: http://www.abeso.org.br/atitude-saudavel/mapa-obesidade
  12. 12. O que fazer com esse desafio da obesidade? Alimentação não é mais para combater a fome, mas para educar para um futuro saudável. Comer muito não é hoje saudável. Escola precisa pensar na repetição. Precisa conversar com os pais e mudar os horários das refeições e a receita mais adequada. Pois ninguém almoça as 9h e janta as 16h. As crianças que vivem isso estão ensinado ao seu corpo que se deve almoçar duas vezes e jantar duas vezes. Pois a maioria quando chega em casa come novamente com a família. Deixar que a criança se sirva em quantidade e no que ela quer comer. Atenta ao exagero. Por fim dedicar ao horário da alimentação uma atenção especial de cuidado.
  13. 13. Existem experiências que apontam um novo caminho na alimentação escolar. Mas pela grandeza e diversidade do Brasil temos todos os modelos juntos! Por isso é preciso muita atenção no momento de escolher uma escola para o filho, e considerar também a alimentação como conteúdo.
  14. 14. Bibliografia: HISTÓRIA DA ALIMENTAÇÃO/ Sob a direção de Jean-Louis Flandrin, e Massimo Montanari; tradução de Luciano Vieira Machado e Guilherme J. F. Teixeira - São Paulo: Estação Liberdade, 1998. BOOG, Maria Cristina Faber - O professor e a alimentação escolar: ensinando a amar a terra e o que ela produz. Campinas-SP: Comedi, 2008.
  15. 15. ROSANA PADIAL NOUS – Desenvolvimento Profissional Ltda. Contato: ropadial@gmail.com Cel: (11) 99290-9424

×