Texto By Rozilda Euzebio Costa
Há quem garanta que as rosas nos escutam, e que algumas
delas até sentem a nossa tristeza q...
acreditava que as estrelas cadentes realizavam pedidos de amor, e
que todas as flores falavam e ouviam. Inclusive as rosas...
Hoje, pensando com mais maturidade em relação à
comunicação natureza versus homem, eu sei que tudo que existe e
tem vida, ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O riso das Rosas - Texto by Rozilda Euzebio Costa

110 visualizações

Publicada em

Gênero: Contos

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
110
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O riso das Rosas - Texto by Rozilda Euzebio Costa

  1. 1. Texto By Rozilda Euzebio Costa Há quem garanta que as rosas nos escutam, e que algumas delas até sentem a nossa tristeza quando choramos perto delas. Dizem ainda que algumas rosas até choram quando nos veem chorando! Hoje eu tenho dúvidas sobre isso porque me tornei uma adulta, e a maioria dos adultos se tornam céticos. Talvez pela dureza da vida, os adultos perdem a essência natural dessa magia que envolve toda a criação, que é a capacidade de acreditar que todas as criaturas vivas possuem seu próprio meio de comunicação. Uma linguagem capaz de ser compreendida pelas almas mais sensíveis. Eu me recordo muito bem de quando eu tive a minha primeira paixão platônica. Eu era uma menina de 15 anos, com uma ingenuidade tão acima dos padrões normais para a minha idade! Eu
  2. 2. acreditava que as estrelas cadentes realizavam pedidos de amor, e que todas as flores falavam e ouviam. Inclusive as rosas! Naquele tempo, eu tinha duas amigas confidentes, e elas não eram gente como eu. Elas eram duas lindas roseiras que viviam belas e felizes, plantadas no pequeno jardim da casa em que eu morava. Eu era uma menina muito sonhadora! Oh, como eu sonhava! Se houvesse registrado todas aquelas fantasias que germinavam em minha mente sonhadora, eu teria escrito muitos livros de ficção. E eu sonhava mais acordada do que dormindo! No entanto, conversar com as plantas e com as estrelas era minha especialidade. Eu acreditava que as minhas amigas roseiras me ouviam. E por acreditar piamente nisso, eu sempre contava todos os meus segredinhos para elas. Contava-lhes sobre os meus sentimentos em relação ao meu príncipe do cavalo branco. Eu percebia que quando eu lhes contava algo feliz e interessante, elas vibravam! E eu sentia que elas pareciam dar gargalhadas de felicidade. Eu até ouvia o riso das rosas! Era magnífico sentir toda aquela magia que elas me faziam experimentar. Houve uma vez em que presenciei uma cena entre as minhas amigas roseiras que me fizeram crer que elas haviam compreendido a minha linguagem. Quando lhes relatei sobre o meu primeiro beijo, elas se balançaram todas, como dançarinas felizes em um salão de festa de debutantes. Não foi o vento que fez com que os ramos das duas roseiras se balançassem. Estava um tempo muito parado! E, no entanto, eu presenciei o bailar feliz de todas as minhas amigas rosas. Elas sentiram a minha alegria, e eu me senti tão honrada com cumplicidade de todas àquelas rosas para comigo, que até os dias de hoje, as rosas são minhas flores preferidas! Claro que eu não ando por aí conversando com as rosas, não porque elas não me escutem, mas porque eu é que me tornei surda e cega para a linguagem das flores.
  3. 3. Hoje, pensando com mais maturidade em relação à comunicação natureza versus homem, eu sei que tudo que existe e tem vida, é energia em movimento. A própria natureza trabalha em sintonia energética com o ser humano. O homem dá a sua energia para cultivar a natureza, e ela o alimenta com a energia que ele precisa para manter a vida.

×