UNIVERSIDADE DO ESTADO PARÁ / PARFOR
CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E EDUCAÇÃO
CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA
DISCIP...
ACADÊMICAS:
 MACLYVALDETH MENDES
 MARIA ROSALINA MENEZES
 MARIA ROSINETE MENEZES
 MARIA RAIMUNDA MOREIRA DE FREITAS
...
TEMA: AVALIAÇÃO EDUCACIONAL NA FORMAÇÃO
DOCENTE PARA O ENSINO SUPERIOR EM SAÚDE
 JUSTIFICATIVA
O presente trabalho tem c...
APRESENTAÇÃO
 Seiffert & Abdalla discutem a avaliação educacional na
formação docente para o ensino superior em saúde e
...
Avaliação como verificação de congruência entre os
resultados e objetivos: Os dados sobre os resultados de
desempenho dev...
Avaliação como julgamento de valor: Preconiza-se a
necessidade de julgamento sobre todas as dimensões do
objeto da avalia...
Avaliação como potenciação: Esta recente
concepção focaliza o fortalecimento de
competências dos participantes do process...
CONSIDERAÇÕES FINAIS
 Sendo o currículo uma construção histórica e
social, é preciso identificar novas estruturas
curric...
 Assim, é preciso estabelecer relações
horizontalizadas entre professor e estudante no
processo de ensino e aprendizagem....
Referência bibliógrafica
Batista, N.A; Batista, S. H. (orgs.).Docência em
saúde e experiências. São Paulo: Editora
Senac...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Planejamento e avaliação

450 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Planejamento e avaliação

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO PARÁ / PARFOR CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO PROFESSORA MSC TEREZINHA SIRLEY RIBEIRO SOUZA ITAITUBA-PARÁ 2013
  2. 2. ACADÊMICAS:  MACLYVALDETH MENDES  MARIA ROSALINA MENEZES  MARIA ROSINETE MENEZES  MARIA RAIMUNDA MOREIRA DE FREITAS  ROSIVÂNIA DA SILVA PEREIRA ITAITUBA-PARÁ 2013
  3. 3. TEMA: AVALIAÇÃO EDUCACIONAL NA FORMAÇÃO DOCENTE PARA O ENSINO SUPERIOR EM SAÚDE  JUSTIFICATIVA O presente trabalho tem como objetivo relatar a trajetória de ensino sobre “ Avaliação Educacional na Formação Docente para o Ensino Superior em Saúde” fundamentado pela autoras, Otília Maria Lúcia Barbosa Seiffert ( Pedagoga) e Ively Guimarães Abdalla ( Psicóloga), elaborando novas sínteses sobre uma complexa e prazerosa caminhada que é a AVALIAÇÃO.
  4. 4. APRESENTAÇÃO  Seiffert & Abdalla discutem a avaliação educacional na formação docente para o ensino superior em saúde e apontam seis definições básicas de vários autores: Avaliação como medida: Objetiva-se a comparação dos resultados e desempenhos tomando como parâmetro uma escala padronizada. No processo avaliativo deve-se definir, primeiramente, os objetivos comportamentais e a situação na qual se manifestariam e seria possivel observá-los. A preocupação é construir instrumentos e testes capazes de medir o rendimentos escolar. ( SOUSA, 1998).
  5. 5. Avaliação como verificação de congruência entre os resultados e objetivos: Os dados sobre os resultados de desempenho devem ser obtidos, em referência a metas, objetivos ou padrão de rendimentos previamente estabelecidos. O papel do avaliador é definir e descrever padrões e critérios para estabelecer a relação dos resultados com os objetivos previstos, para concluir pelo sucesso ou não( FIRME, 1998). Avaliação como tomada de decisão: Assume-se a noção de que o processo de avaliação pode favorecer à tomada de decisão, devendo antes explicitar seu propósito. Significa, portanto, obter e fornecer informações para fundamentar a tomada de decisões. Tal modelo de avaliação envolve a análise de variáveis de contexto, entrada, processo e produto, fornecendo informações significativas para entender às necessidades de quem toma decisões.( SOUSA, 1998).
  6. 6. Avaliação como julgamento de valor: Preconiza-se a necessidade de julgamento sobre todas as dimensões do objeto da avaliação, inclusive os objetivos, sem perder de vista os princípios básicos dos conceitos anteriores ( mensuração e descrição de resultados) construídos. Reconhece-se a necessidade de considerar os resultados previstos e não previstos no plano da ação educativa. As produções construídas em um dado contexto escolar passam a constituir-se no ponto de partida da avaliação. Com este pressuposto se apresenta o conceito de avaliação somativa e formativa.( FIRME, 1998). Avaliação responsiva: é proposto um processo interativo, no qual são negociados critérios, procedimentos e recomendações entre os sujeitos envolvidos. Cabe ao avaliador o papel de investigador, pois dever identificar e procurar compreender importantes relações e resultados acerca do objeto avaliado.( FIRME, 1998, p.109-10).
  7. 7. Avaliação como potenciação: Esta recente concepção focaliza o fortalecimento de competências dos participantes do processo avaliativo. Na avaliação como potenciação, que também demanda negociação, “ o valiador atua, principalmente como colaborador, na medida em que permite aos envolvidos a descobertas e o uso de seu próprio poder”...”Impulsionando a autodeterminação e auto-aperfeiçoamento”. (FIRME, 1998, p. 21).
  8. 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS  Sendo o currículo uma construção histórica e social, é preciso identificar novas estruturas curriculares mais adequadas à formação de profissionais que possam atender as necessidades da sociedade contemporânea. Desse modo, o estudo aborda a complexidade dos objetos e problemas concretos à articulação entre teoria e prática, isto é, a continuidade entre ação- reflexão- ação no cotidiano da prática profissional com a formação da educação permanente dos profissionais docentes da área da saúde.
  9. 9.  Assim, é preciso estabelecer relações horizontalizadas entre professor e estudante no processo de ensino e aprendizagem. Para tanto, o que se pretende é provocar discussões de metodologias que possam despertar o envolvimento, Cooperatividade entre os vários tipos de profissionais que compõem as equipes de saúde e entre estas a população.
  10. 10. Referência bibliógrafica Batista, N.A; Batista, S. H. (orgs.).Docência em saúde e experiências. São Paulo: Editora Senac, 2004.

×