Livro da rose

175 visualizações

Publicada em

História da professora Quézia.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
175
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro da rose

  1. 1. Quézia Cardoso de Souza nasceu em 24/11/1971, na cidade de Santo André estado de São Paulo, filha de Osvaldo Cardoso e Deolinda Cardoso, comerciantes. Morou em Santo André até os 7 anos de idade, e depois mudou-se para uma cidadezinha do interior de nome Paranapiacaba. Lá ela viveu com seus familiares momentos marcantes. Não tinha energia elétrica mas tinha cachoeira, um gramado bem grande, e muitas brincadeiras como: subir em árvores, brincar de casinha, tomar banho de cachoeira e correr no gramado.
  2. 2. Quem escolheu o seu nome foi um tio que achava muito bonito. Quézia é o nome de uma das filhas de Jó, personagem Bíblico. Quando criança não gostava de seu nome, primeiro porque não sabia de ninguém que tivesse esse nome e porque as pessoas não sabiam pronunciar corretamente. Sempre erravam ou trocavam, mas com o tempo ela passou a gostar.
  3. 3. Quando criança aconteceu um fato muito engraçado e sério. A sua mãe sempre comprava farinha láctea para comerem com leite.
  4. 4. Então, Quézia bem quietinha subiu na cadeira, pegou a lata de farinha láctea, abriu com dificuldade e colocou uma colherada na boca. A sua mãe percebeu sua travessura mas não falou nada, só ficou cantando uma musiquinha do comercial da farinha láctea. Nesse momento Quézia começou a rir com a boca cheia e...
  5. 5. Aconteceu, a farinha endureceu em sua boca, ela engasgou e foi uma correria só, de seus familiares.
  6. 6. Iniciou seus estudos aos 7 anos de idade, naquela época já entrava direto na 1ª série, até tinha Pré-escola, mas onde ela morava era longe. Ela começou seus estudos em Santo André – São Paulo, onde nasceu, mas como a família mudou-se para uma cidadezinha do interior foi estudar na escola rural. Lá era muito diferente , tinha apenas uma professora e as quatro séries juntas na mesma sala. Nessa época Quézia estava na 1ª série.
  7. 7. A professora era muito brava, todos tinham medo dela, inclusive Quézia. Recreio era tudo de bom, bem diferente dos de hoje, merenda feita na escola, e o cheirinho ia até as salas de aula, e era muito gostoso. Não tinha brigas, corriam bastante porque o espaço era enorme. O respeito entre todos era grande.
  8. 8. Quézia morava em Santana do Parnaíba, foi uma época de muitas lembranças boas, tinha várias amigas, brincavam bastante na rua de taco, brincadeira que não esquece. Ouvia música, não era e nem é muito fã de esportes, tinha até medo da bola quando brincavam de queimada. Devia ser porque na época as aulas de Educação Física era no período contrário de estudo, como ela morava distante da escola não tinha como vir duas vezes ao dia.
  9. 9. Ela começou trabalhar aos quinze anos quando mudou-se com a sua família para Indaiatuba. Na época as opções de emprego eram poucas , existiam apenas algumas fábricas. Quézia foi trabalhar numa fábrica de guarda-chuva “Fábrica Mazoni”, era muito cansativo, fazia bolhas nas mãos, saia toda suja, mas ficou trabalhando por três anos.
  10. 10. Com seu primeiro salário, ela comprou roupas, e realizou seu sonho de comprar um relógio que trocava de pulseiras de cada cor. Ela foi com seu pai e sua irmã em Campinas para comprar porque aqui em Indaiatuba não tinha tantas lojas, como hoje.
  11. 11. A professora Quézia é casada há 16 anos com Joelson, tem uma família pequena, ela, esposo e uma filha, a Júlia. É muito feliz com sua família, nas horas vagas gostam bastante de passear, viajar, ir ao cinema, teatro. É uma família tranquila. Um fato curioso e engraçado que aconteceu, foi quando ela casou e foi morar em outro bairro, é que as meninas da rua iam chamá-la para brincar achando que era a filha da dona da casa, só porque ela é baixinha.
  12. 12. Sempre foi muito esforçada, trabalha desde a adolescência, fez magistério com muita dificuldade, mas com apoio da família tudo foi mais fácil.
  13. 13. Trabalhou em escritório, Escola Particular com Maternal, fez Faculdade de Educação Artística, fez Concurso Municipal, atuou na EMEI e na Educação Fundamental Regular. Mas como sempre gostou de Arte, prestou concurso e optou por dar aulas de Educação Artística.
  14. 14. Hoje, Quézia é professora de Arte em algumas Escolas Municipais, confecciona peças lindas de artesanato, vive feliz com suas escolhas pessoais e profissionais e tem uma grande amiga que é a sua filha. Só não gosta de injustiças, acredita em dias melhores para essa geração do futuro e deixa uma mensagem: “ Todos somos capazes e quando temos que tomar alguma decisão que estamos em dúvida é só pedir sabedoria para Deus.”
  15. 15. PROJETO MEMÓRIA LOCAL NA ESCOLA 2013
  16. 16. BAÚ DE MEMÓRIAS
  17. 17. ENTREVISTA COM A DEPOENTE
  18. 18. EMEB Prof. Leonel José Vitorino Ribeiro

×