O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

As 4 funções___atitudes_apostila

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
(4) honestidade intelectual
(4) honestidade intelectual
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 7 Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Semelhante a As 4 funções___atitudes_apostila (20)

Mais recentes (20)

Anúncio

As 4 funções___atitudes_apostila

  1. 1. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA SIEEESP MÓDULO I I. Identidade Pessoal I. Identidade do Psicopedagogo II. Jung / a educação / os tipos psicológicos a) Atitudes b) Função Sentimento c) Função Pensamento d) Função Percepção e) Função Intuição CARACTERIZANDO AS ATITUDES EXTRO E INTRO Atitude Extro O indivíduo quando tem sua energia psíquica voltada para o mundo exterior: • Deixa-se fascinar pela perspectiva de situações novas e desconhecidas. • Age primeiro, depois pensa (mais impulsivo). • Vai da ação para as considerações e depois volta para a ação. • Atitude relaxada e confiante. • Tende a se interessar por novas idéias e opiniões, novos lugares e grandes invenções. • O “objeto” é interessante e atraente. • Interesse e atenção dirigidos para acontecimentos objetivos, principalmente os de seu ambiente imediato. • Fraqueza típica: tende para a superficialidade intelectual. • Exs.: Freud, Darwin. Atitude Intro O indivíduo quando tem sua energia psíquica voltada para o mundo interior: • Tende a ser mais reflexivo; pensa muito. 1
  2. 2. • Considera atentamente as situações antes de agir (mais hesitante). • Vai das considerações para a ação e volta para as considerações. • Atitude reservada e questionadora. • Primeira reação perante as situações é de recusa. • O “sujeito” é mais importante do que o “objeto”. • Interesse e atenção voltados para eventos interiores. • Fraqueza típica: tende para a não praticidade. • Exs.: Jung, Eisntein. -o0o- FUNÇÃO SENTIMENTO O sujeito que apresenta esta função como sua facilitadora... • Valoriza o sentimento sobre a lógica. • Está sempre mais interessado nas pessoas, do que nas coisas. • Se forçado a dizer a verdade de forma nua e crua ou dizê-la de forma indireta, prefere esta última opção. • Apresenta mais facilidade para o contato social do que para as habilidades de execução. • Apresenta a tendência de concordar com as pessoas que estão à sua volta, acreditando que elas é que estão certas. • Amigável e sociável, encontra dificuldade em ser objetivo e profissional. • Acha difícil saber onde começar uma frase ou em que ordem apresentar suas idéias. Pode ser repetitivo, fornecendo mais detalhes do que o tipo pensamento. • Contribui para a comunidade através de seu apoio leal às boas obras e àqueles movimentos considerados bons pela comunidade. • Profissionalmente, desempenha-se melhor naquelas carreiras e profissões que se dedicam a criar um clima de cooperação entre as pessoas. • Chega a conclusões um tanto apressadamente, sem antes ter procurado abranger a situação como um todo. • Preocupa-se com o que os outros pensam ou querem. • É receptivo e responsável, podendo apresentar uma nova postura ou liderar um debate grupal com facilidade e tato. -o0o- FUNÇÃO SENTIMENTO SE MANIFESTANDO NA APRENDIZAGEM... • O objeto do saber tende a ser avaliado pela ótica do bom-mau, feio- bonito, prazeroso-desprazeroso, útil-inútil e a aprendizagem é significativa em função destes valores. 2
  3. 3. • A subjetividade é um fator predominante, no sentido de expressar e captar sob o ângulo das emoções, ao interpretar textos ou criá-los. • A tendência avaliativa e crítica, antecipada a qualquer atividade, está sempre presente. • Na escrita, emergem predominantemente significados relacionados aos sentimentos humanos ou aos seus próprios sentimentos. • Na leitura e composição de textos, predomina o juízo de valor, o posicionamento subjetivo da realidade associado à ética, ao prazer e desprazer. • A narrativa predomina, os temas mais envolventes são os conflitos da personagem. -o0o- FUNÇÃO PENSAMENTO O sujeito que apresenta esta função como sua facilitadora... • Atua sob o ponto de vista intelectual. Causas e princípios são importantes. • Olha o objeto como se fosse representação de significados associados às perguntas: “por quê?” – “para quê?” – “o que é?” • Mantém-se firme diante de um objetivo. • Raciocina a partir de uma regra geral. • Gosta do jogo de antecipação, da explicitação dos objetivos, do planejar para construção e vivência. • Prefere pessoas que são boas nas reflexões. • Ordena a vida pelos fatos externos ou pelo próprio processo mental. • Demonstra que as idéias, as regras, os ideais e os princípios objetivos são os parâmetros de sua existência; ao sujeito é dada pouca atenção. • É lógico, analítico e crítico / argumentos racionais / longe dos sentimentos. • É cordial, determinado e lidera com facilidade. • O pensamento extro é condicionado por dados objetivos transmitidos pelas percepções sensoriais (trabalha de fora para dentro). Já o intro preocupa-se em esclarecer as idéias, em elucidar o próprio processo mental, para depois ver sua aplicabilidade (trabalha de dentro para fora). -o0o- FUNÇÃO PENSAMENTO SE MANIFESTANDO NA APRENDIZAGEM... • Suas reflexões são teóricas em busca de leis, regras, princípios (intro) ou à aplicação destes princípios (extro). 3
  4. 4. • Ao interpretar e compor um texto, adota o jogo do raciocínio dedutivo e indutivo. • Na narração e dissertação busca teses, argumentações e contra- argumentações. • O significado das mensagens se expressam na busca de definições e de conceituações. • Usa jogos de probabilidades, estimativas com apoio lógico. • A presença de cadeia explicativa de causa e efeito é deduzida de qualquer fenômeno. • A valorização da questão temporal, do “antes” e “depois” está envolvida nos eventos. • Nas classificações adota critérios mais abstratos, faz classificação por categorias. • Surgem explicações abstratas com intenções definidoras e explicitação dos objetivos, dos porquês antecipados em relação às atividades. • O pensamento matemático caracteriza-se por demonstrações dedutivas e sistematizações passo a passo nos processos de raciocínio. • As pesquisas de causa e efeito surgem em relação aos estudos humanos e sociais. -o0o- ALGUMAS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DA FUNÇÃO PERCEPÇÃO O sujeito que apresenta esta função como sua facilitadora... • Orienta-se para a realidade objetiva / objetos externos (a reação ao objeto é condicionada pelo objeto). • Tende a descrever as propriedades do mundo externo. • Tem no presente e no aqui-agora sua grande preocupação. • Busca objetos (pessoas ou situações) que lhe provoque as mais fortes sensações. • Demonstra pouca paciência ou pouca compreensão em relação à realidade abstrata. • É orientado para um prazer concreto – para a vida real plenamente vivida; adapta-se à realidade como a vê e como a vivencia. • Apresenta um estado doentio em relação a tudo que procede do seu mundo interior. • Faz com sucesso: decifrar mapas; orientar-se em uma cidade estranha; lembrar-se de seus compromissos, desligar o fogão e as luzes à noite. • Profissões que podem abraçar: engenheiros, editores, atletas e homens de negócio. • Tende a descrever as sensações internas, sensoriais, corporais provocadas pelos objetos. 4
  5. 5. • É guiado pela intensidade da sensação subjetiva excitada pelo estímulo objetivo. -o0o- FUNÇÃO SENSAÇÃO SE MANIFESTANDO NA APRENDIZAGEM... • Há ênfase na observação, na procura da objetividade dos fatos. • Tende a descrever as sensações internas, sensoriais, corporais provocadas pelos objetos (movimento intro), ou a descrever as propriedades do mundo externo (movimento extro). • Há uma preocupação pelo estético, pela boa forma. • A ênfase temporal está no presente, no imediato, no pragmático. • A escrita se manifesta com um estilo descritivo, trazendo atributos sensoriais (sons, formas, espacialidade), ou prendendo-se a ações das personagens ou a descrições do ambiente, do espaço, do cenário. • O ato de classificar aparece com uso de critérios mais funcionais e perceptivos. • As frases, nos textos, se apresentam geralmente de forma direta, com poucas articulações de subordinações e poucos períodos longos. • Interesse pelos estudos enquanto experiências concretas e manipulações. • Nos conteúdos, como os de matemática, a tendência é buscar o empírico, fórmulas concretas, práticas e econômicas, sem muitas elaborações e explicações teóricas. -o0o- FUNÇÃO INTUIÇÃO O sujeito que apresenta esta função como sua facilitadora... • Não se prende àquilo que pode ser visto, ouvido, tocado ou cheirado. • Relaciona-se aos conteúdos do inconsciente. • “Não se interessa pelas possibilidades exteriores, mas pelo que o objeto exterior liberou interiormente” (Jung). • Vê os bastidores do inconsciente, fica fascinado nas imagens interiores. • Tem capacidade de pressentir o futuro e as possibilidades ainda não visíveis de uma situação. • O jogo do possível e da fantasia que transcende o “aqui-agora” é objeto de maior satisfação e intenção. 5
  6. 6. • Resiste diante do pré-estabelecido, planejado e controlado previamente, principalmente se referir-se ao descritivo e às articulações lógicas lineares. • É motivado pelo uso de diferentes linguagens. A linguagem não- verbal é facilitadora na expressão. • Tende a entrar em contato com as totalidades e generalidades. • Apresenta dificuldade com fechamentos. -o0o- FUNÇÃO INTUIÇÃO SE MANIFESTANDO NA APRENDIZAGEM... • O sujeito entra em contato com as totalidades e generalidades. • No movimento extro, procura ir em busca da criação e modificações no ambiente. No movimento intro, tende a processar auto-descobertas, em busca do auto-conhecimento. • Encontra satisfação no diálogo com o jogo do possível e da fantasia, que transcende o “aqui e agora”. • Está voltado para o futuro e para as origens misteriosas e hipotéticas. • Na escrita tende ao jogo de associações, de estimativa, chegando muitas vezes à ficção, ao surrealismo e ao futurismo. Apresenta associações abundantes de viagens imaginárias e estimativas, mas as construções muitas vezes parecem vagas, soltas, pouco precisas. • As estruturas lingüísticas se apresentam de forma indireta, com muitas metáforas e com uma ordem toda própria que foge à linearidade. Os períodos às vezes tendem a ser longos, com justaposições de imagens e poucas articulações explícitas. • Muitas vezes, as situações de aprendizagem que enfatizam o utilitário, a realização presente, a sistematização e a organização pré-estabelecida ou imposta, geram paralisações e defesas, levando esse sujeito ao devaneio ou adiamento da ação. • Geralmente, as atividades com as quais essa pessoa se envolve não são compatíveis com o que se exige na formação acadêmica linear, principalmente se considerarmos aquelas com estruturas muito diretivas e pré-estabelecidas. -o0o BIBLIOGRAFIA 1. ALÍCIA FERNANDEZ – A inteligência aprisionada – Artes Médicas. 2. CLAUDETE SARGO – O berço da aprendizagem – Editora Ícone. 3. DARYL SHARP – Tipos de personalidade – Cultrix. 4. FERMINO FERNANDES SISTO – Atuação psicopedagógica e aprendizagem escolar – Editora Vozes. 5. JOSÉ JORGE DE MORAIS ZACHARIAS – Entendendo os tipos humanos – Editora Paulus. 6
  7. 7. 6. SARA PAIN – Diagnóstico e tratamento dos problemas de aprendizagem – Artes Médicas. 7. SUELY GRIMALDI MOREIRA – Da clínica à sala de aula – Edições Loyola. -o0o- 7

×