Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.

7.319 visualizações

Publicada em

Trajetória histórica brasileira: Faces do período de 1960 a 1980 sob o enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.

Publicada em: Educação
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Trabalho muito bom e proveitoso, me baseei nele para dar começo ao meu ... :)
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.319
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
166
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.

  1. 1. SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO SERVIÇO SOCIAL ROSIANE GONCALVES ROCHA Trajetória histórica brasileira: Faces do período de 1960 a 1980 sob o enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social. CAMPO NOVO DO PARECIS 2014
  2. 2. ROSIANE GONCALVES ROCHA Trajetória histórica brasileira: Faces do período de 1960 a 1980 sob o enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social. Trabalho de: SERVIÇO SOCIAL, apresentado à Universidade Norte do Paraná - UNOPAR, como requisito parcial para a obtenção de média bimestral no 5 semestre flex 2 e 3. Prof.: Clarice da Luz Kernkamp; Marilucia Ricieri; Paulo Sérgio Aragão; Sérgio Goes. Orientador de sala: Marcela CAMPO NOVO DO PARECIS 2014
  3. 3. SUMÁRIO INTRODUÇÃO............................................................................................................3 DESENVOLVIMENTO . ..........................................................................................4 CONCLUSÃO............................................................................................................ ..6 REFERENCIA..............................................................................................................7
  4. 4. 3 1 INTRODUÇÃO No pequeno texto a seguir falaremos um pouco sobre as características das políticas sociais brasileiras no período de 1960 a 1980, e também as posturas do serviço social frente às políticas sociais naquele período. Veremos também que quando o Estado busca, em suas realizações, o atendimento a necessidades sociais básicas da população, seja através de garantias e ações concernentes à assistência social, saúde, educação, segurança, corresponde a uma ordem natural de produção da vida social, dando inicio a uma nova fase do Brasil político e agora social. E caracterizando uma nova política nos anos 60 a 80 onde o social passou a ser falado freqüentemente até os dias de hoje, em geral, transformações mais amplas a economia renda, ocupação, entre outras e nas políticas públicas educação, garantia de renda, entre outras. Neste raciocínio ao relacionar desenvolvimento e políticas sociais, paramos para fazer uma reflexão a respeito dos rumos da sociedade brasileira atual, em meio ao contexto de transformações decorrentes do processo de reestruturação produtiva e societária mundial.
  5. 5. 4 2. DESENVOLVIMENTO A política social tem sido uma política fundamental para o “bem estar dos cidadãos”, o envolvimento do serviço social na política teve sua grande colaboração, pois sua orientação mesmo de fraco conhecimento na época colaborou nos diversos casos onde a classe trabalhadora além de se constituir em objeto de reivindicação dos mais diferentes movimentos sociais e sindicais. Debater a política social como política no âmbito da sociedade capitalista é buscar resgatar seu caráter de classe social – ou seja, uma política que responde, principalmente, aos interesses das classes políticas e econômicas dominantes. Naquela época predominou a máxima governamental, em um Estado democrático, essa governabilidade é exercida pelo poder público, via representantes conduzidos ao poder, direta ou indiretamente, pelo povo e de atribuir à dinâmica do rápido crescimento econômico a própria responsabilidade pela trajetória da distribuição da renda, tanto que continua a se manifestar constantemente a perspectiva liberal-conservadora. Foram criados mecanismos de desenvolvimento ao serviço social motivando o seu empenho e acrescentando novas ferramentas a serem usadas em sua área foram criadas interações afetivas, e temos é uma sociedade capitalista, que não corresponde a uma ordem natural da vida social, já tivemos a forma escravista, ou a forma feudal, como temos, ainda que causa de profundos debates acadêmicos e políticos, a forma socialista. Foi a partir de 1964 que ouve mudanças, políticas sociais e econômicas, foi possível com o golpe militar que impulsionou o Serviço Social a ser vista como profissão, dentro deste novo contexto que a retomada da dinâmica expansionista da produção e, por conseqüência, da ocupação da força de trabalho, combinada com a reorientação das políticas públicas terminaram por estabelecer um novo padrão de mudanças sociais no Brasil, com isso observou-se ações governamentais que garantiram um mínimo de subsistência ao empregado, que na verdade foi uma forma de despertar o serviço social em busca de uma nova era na política social brasileira, implantou vários aspectos a sua classe desde sua busca por um reconhecimento profissional, até o fato de agregar suas idéias de forma
  6. 6. 5 política. Ao se utilizar parâmetros relativamente homogêneos de medida da mobilidade social nacional, podemos dizer que o Brasil localiza-se entre os países com as mais altas taxas de mudança social, podemos dizer que esse tipo de conhecimento que vamos acumulando no nosso dia-a-dia é chamado de senso comum, esse fato é importante caracterizando-se pela exatidão de sua construção teórica. Como padrão de mobilidade social entende-se a alteração de posições de distintos segmentos populacionais no interior da estrutura social. Podemos dizer que três referenciais fazem parte do contexto de produção da Psicologia Social: os relacionados com o progresso de áreas afins como a sociologia, a antropologia, a educação, a história social e a própria psicologia, a psicologia social, até o início dos anos 1960 parecia que daria respostas a todos os problemas sociais, mas foi atravessada por uma polêmica em torno de seu caráter teórico e ideológico, contribuíram para uma reflexão crítica sobre a função da universidade em países de terceiro mundo, entretanto, a Psicologia Social não diz respeito apenas aos trabalhos desenvolvidos no campo comunitário, uma vez que é definida por seu objeto de estudo e não pelo local de atuação profissional. Lane evidenciava que: “Não há como separar realidade e teoria, teoria e pesquisa, tal como o faz o positivismo, para o qual o lugar do teórico, do científico é sempre um lugar neutro.” Para a psicologia social, um grupo é formado pela reunião de pessoas que compartilham um objetivo, produzindo traços de filiação e interação social entre elas, buscando autonomia cientifica, por um conjunto de atividades: crescimento expressivo da produção publicada, detalhamento das temáticas anteriormente abordadas, o poder já não estava somente com o estado, mas também em instituições sociais, uma das principais dificuldades encaradas pelos profissionais tanto psicólogos como assistentes sociais foi as mudanças que houve com grupos políticos que se encontrava no governo municipal.
  7. 7. 6 3. CONCLUSÃO Por fim concluímos que política social e psicologia social andam juntas a partir de um certo tempo, vimos que a política e a política social, portanto, apresentam claro e inequívoco conteúdo de classe social, e respondem, em última instância, aos interesses das classes dominantes. Com o processo de definição de políticas públicas para uma sociedade reflete os conflitos de interesses, tratava-se, em verdade, de restabelecer certo equilíbrio sistêmico os arranjos feitos nas esferas de poder que perpassam as instituições do Estado e da sociedade como um todo. Em todas as sociedades em que prevalecem mais ou menos extensamente as regras democráticas de interação política e social nas quais é reduzido o numero de interditos a formação de grupos de interesse, até o fato de empregar suas idéias de forma objetiva a política, que a perspectiva perdesse sua hegemonia, não incorporou seus segmentos críticos e se criou outras direções na política social brasileira veio a se revelar na década de 80 para frente, mas ainda podemos dizer que o passado encontra muito ligado ao presente.
  8. 8. 7 4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS IAMAMOTO, M. V. (2002) Renovação e Conservadorismo no Serviço Social, São Paulo, Cortez OSORIO, Luiz Carlos. Psicologia grupal: uma nova disciplina para o advento de uma era. Porto Alegre: Artmed, 2003. VIEIRA, Evaldo. Estado e miséria social no Brasil de Getúlio a Geisel. 4. ed.. São Paulo: Cortez, 1995. BOMFIM, Elizabeth de Melo. Psicologia social no Brasil. Belo Horizonte, Edições do Campo, Social, 2003a. BOMFIM, Elizabeth de Melo. Contribuições para a história da psicologia no Brasil. In: JACÓ-VILELA, Ana Maria; ROCHA, Marisa Lopes da; MANCEBO, Deise (Org.). Psicologia social: relatos na América Latina. São Paulo: 2003b.

×