David J. Lipman é uma figura muito respeitada
               no meio da Bioinformática. Lipman é o diretor
               ...
O NCBI cria uma base de dados públicos, realiza
investigação em biologia computacional, desenvolve
software para análise d...
 Estabelecimento de banco de dados públicos que
  possibilitem   aos    cientistas   trocarem    e
  compartilharem sequê...
 A   bioinformática      tem      revolucionado   o
 desenvolvimento da pesquisa médico-biológica e
 tem possibilitado qu...
 Estabelecimento de banco de dados públicos que
  possibilitem   aos    cientistas   trocarem    e
  compartilharem sequê...
 Mais especificamente, o NCBI foi montado com a
  criação de sistemas automatizados para armazenar e
  analisar os conhec...
 Facilitar a utilização deste tipo de base de dados e
  softwares para a investigação da comunidade
  médica;
 Coordena esforços para recolher informação, tanto
  a   nível   de      biotecnologia nacional   quanto
  internacional ...
 É um banco de dados online sobre heranças
  mendelianas   humanas.     O    OMIM   contém
  informações sobre todas as d...
 O OMIM oferece a relação entre genótipo e fenótipo
  desses genes. Ele é atualizado diariamente e editado
  no Instituto...
 A base de dados do OMIM é aberta ao público em
  geral. Embora, seu principal objetivo seja uma fonte
  de consulta para...
 Esta ferramenta nos permite o conhecimento mais
  aprofundado de um determinado gene. Cada gene
  conhecido recebe um ún...
 É uma ferramenta que tem como objetivo dar um
  nome único e uma classificação para cada gene
  humano. A finalidade des...
 Este trabalho é realizado pelo HUGO (Organização
  do Genoma Humano). Atualmente, há mais de vinte
  e cinco mil nomes e...
 São as sequências de referências. Estas sequências
  são cuidadosamente analisadas pelo NCBI (curadas).
  Vamos encontra...
 É uma coleção de sequências de DNA, RNA,
  proteínas de diversos taxons, como plasmídeos,
  vírus, archae, bactérias e e...
 São as sequências das proteínas obtidas a partir das
  espécies pesquisadas e catalogadas neste link. São
  as traduções...
 Os aminoácidos que            formam as proteínas são
  identificados pelas letras: A (Ala), C (Cis), D (Asp), E
  (Glu)...
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular

2.304 visualizações

Publicada em

Este artigo é um relato sobre a experiência de um grupo de seis alunos do 2º ano do ensino médio do Colégio Militar de Santa Maria - CMSM /RS, durante o 2º semestre de 2009, concretizada através da aplicação de uma Unidade Didática (UD) que envolveu 20 horas /aula onde constava, entre outras atividades, o acesso ao NCBI, utilizando os links OMIM, Entrez gene, protein, RefSeq. A finalidade dessa atividade era identificar se os alunos compreendiam melhor a relação DNA – RNA – Proteínas, utilizando as ferramentas do NCBI já citadas anteriormente. Uma das ações mais significativas dessa UD foi a montagem de um folheto sobre como acessar o NCBI por um dos alunos do grupo.

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.304
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
89
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Utilizando o GenBank como integrador de conceitos e Biologia Molecular

  1. 1. David J. Lipman é uma figura muito respeitada no meio da Bioinformática. Lipman é o diretor do NCBI, um dos autores originais do BLAST, programa de alinhamento de sequência. Fundado em 1988, o NCBI (Centro Nacional para Informação Biotecnológica) serve como um recurso nacional para informações sobre biologia molecular. Este é um órgão mantido pelo NIH (Institutos Nacionais de Saúde) dos Estados Unidos.
  2. 2. O NCBI cria uma base de dados públicos, realiza investigação em biologia computacional, desenvolve software para análise de dados do genoma e dissemina informações biomédicas, tudo para melhor compreensão dos processos moleculares das doenças que afetam a saúde humana.
  3. 3.  Estabelecimento de banco de dados públicos que possibilitem aos cientistas trocarem e compartilharem sequências genéticas. Todos os dias novas sequências são depositadas no banco de dados públicos do NCBI, chamado GenBank;
  4. 4.  A bioinformática tem revolucionado o desenvolvimento da pesquisa médico-biológica e tem possibilitado que novas descobertas relevantes sejam realizadas todos os dias.
  5. 5.  Estabelecimento de banco de dados públicos que possibilitem aos cientistas trocarem e compartilharem sequências genéticas. Todos os dias novas sequências são depositadas no banco de dados públicos do NCBI, chamado GenBank;
  6. 6.  Mais especificamente, o NCBI foi montado com a criação de sistemas automatizados para armazenar e analisar os conhecimentos sobre Biologia Molecular, Bioquímica e Genética;
  7. 7.  Facilitar a utilização deste tipo de base de dados e softwares para a investigação da comunidade médica;
  8. 8.  Coordena esforços para recolher informação, tanto a nível de biotecnologia nacional quanto internacional e realiza pesquisas em métodos avançados de processamento de informação baseado em sistemas computacionais para analisar a estrutura e função de moléculas biologicamente importantes.
  9. 9.  É um banco de dados online sobre heranças mendelianas humanas. O OMIM contém informações sobre todas as doenças mendelianas conhecidas e mais de 12.000 genes;
  10. 10.  O OMIM oferece a relação entre genótipo e fenótipo desses genes. Ele é atualizado diariamente e editado no Instituto Mckusick–Nathan de Genética Médica na Universidade Johns Hopkins, sob a direção do Dr. Ada Hamosh;
  11. 11.  A base de dados do OMIM é aberta ao público em geral. Embora, seu principal objetivo seja uma fonte de consulta para médicos, geneticistas e estudantes das áreas científicas.
  12. 12.  Esta ferramenta nos permite o conhecimento mais aprofundado de um determinado gene. Cada gene conhecido recebe um único número identificador, o GeneID (como se fosse a “carteira de identidade” do gene).
  13. 13.  É uma ferramenta que tem como objetivo dar um nome único e uma classificação para cada gene humano. A finalidade deste esforço é para que todos os pesquisadores, ao se referirem a um determinado gene usem nomes e símbolos em comum, unificando as informações;
  14. 14.  Este trabalho é realizado pelo HUGO (Organização do Genoma Humano). Atualmente, há mais de vinte e cinco mil nomes e símbolos já aprovados, que, na sua maioria, são usados para a codificação de proteínas e genes, e também para incluir, símbolos para pseudogenes, RNAs não codificantes e características fenotípicas e genotípicas.
  15. 15.  São as sequências de referências. Estas sequências são cuidadosamente analisadas pelo NCBI (curadas). Vamos encontrar, neste link, Entrez Nucleotide, os nucleotídeos que formam o gene pesquisado;
  16. 16.  É uma coleção de sequências de DNA, RNA, proteínas de diversos taxons, como plasmídeos, vírus, archae, bactérias e eucariotos. O objetivo é fornecer um padrão abragente de dados que represente uma sequência de informações das espé ies catalogadas.
  17. 17.  São as sequências das proteínas obtidas a partir das espécies pesquisadas e catalogadas neste link. São as traduções das regiões codificantes do gene, anotadas no GenBank;
  18. 18.  Os aminoácidos que formam as proteínas são identificados pelas letras: A (Ala), C (Cis), D (Asp), E (Glu), F (Fen), G (Gli), H (Hist), I ( Iso), L (Leu) K (Lis), M (Met), N (Asp), P (Pro), Q ( Glu), R ( Arg), S (Ser), T (Tre), V (Val), W (Trip), Y (Tir).

×