Ms. Roosewelt Lins Silva roosewelt.com <memória> < /conhecimento> Redes 3ª Mostra Científica e Cultural de Biblioteconomia...
<conteúdo> <ul><li>memória oral e impressa; </li></ul><ul><li>interconectividade social;  </li></ul><ul><li>preservação e ...
<memória oral e impressa> <ul><li>predominância da oralidade; </li></ul><ul><li>relevância comunicacional da oralidade; </...
<ul><ul><ul><li>Conforme Thompson (2006): </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Em sociedades muito antigas o conhecimento e...
<ul><ul><ul><li>A consolidação do capitalismo, base da  cultura burguesa  de raiz européia, centrou-se na imprensa a parti...
<ul><ul><ul><li>Sencenko (2006) coloca que i sso criou um preconceito de origem contra quem, como pessoa, comunidade ou cu...
<ul><ul><ul><li>Por quase toda a existência humana, a tradição oral predominou. Narrativas circulavam em constante fluxo. ...
<ul><li>Socialização do conhecimento na sociedade digital; </li></ul><ul><li>Redes de compartilhamento; </li></ul><ul><li>...
<preservação e difusão cultural> <ul><li>Circulação de registro de História Oral; </li></ul><ul><li>Acesso à Obras raras; ...
< apropriação criativa das tecnologias > <ul><li>Inclusão mais que digital; </li></ul><ul><li>Convergência Digital; </li><...
<referências> SEVCENKO, Nicolau. A palavra e o reencantamento do mundo. In:  Worcman, Karen  & Pereira, Jesus Vasquez  (or...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

memoria, redes, conhecimento

443 visualizações

Publicada em

Palestra apresentada na 3ª Mostra Científica e Cultural de Biblioteconomia da UFMA. Apresenta alguns pontos sobre o uso da rede como plataforma participativa de preservação e difusão da cultura.

Publicada em: Tecnologia, Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
443
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

memoria, redes, conhecimento

  1. 1. Ms. Roosewelt Lins Silva roosewelt.com <memória> < /conhecimento> Redes 3ª Mostra Científica e Cultural de Biblioteconomia da UFMA
  2. 2. <conteúdo> <ul><li>memória oral e impressa; </li></ul><ul><li>interconectividade social; </li></ul><ul><li>preservação e difusão cultural; </li></ul><ul><li>apropriação criativa de tecnologias. </li></ul>
  3. 3. <memória oral e impressa> <ul><li>predominância da oralidade; </li></ul><ul><li>relevância comunicacional da oralidade; </li></ul><ul><li>o impresso como instrumento das elites. </li></ul>
  4. 4. <ul><ul><ul><li>Conforme Thompson (2006): </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Em sociedades muito antigas o conhecimento era transmitido de forma oral, incluindo habilidades cotidianas, trabalho, culinárias, bem como genealogia, história familiar, história oficial e literatura; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Poemas de Homero foram transmitidos durante 600 anos somente através da oralidade. </li></ul></ul></ul><memória oral e impressa>
  5. 5. <ul><ul><ul><li>A consolidação do capitalismo, base da cultura burguesa de raiz européia, centrou-se na imprensa a partir de Guttenberg. Conhecemos o seu efeito como agenciadora de conhecimentos que possibilitou a evolução tecnológica , que deu ao Ocidente o poder de domínio em escala global ( Sencenko, 2006) . </li></ul></ul></ul><memória oral e impressa>
  6. 6. <ul><ul><ul><li>Sencenko (2006) coloca que i sso criou um preconceito de origem contra quem, como pessoa, comunidade ou cultura, não de organiza pela palavra escrita, mas pela comunicação oral, aqueles que por essa razão, são classificados de ignorantes e primitivos, conotações sempre negativas e excludentes </li></ul></ul></ul><memória oral e impressa>
  7. 7. <ul><ul><ul><li>Por quase toda a existência humana, a tradição oral predominou. Narrativas circulavam em constante fluxo. A atuação era mais importante que os créditos autorais, que raramente podiam ser aplicados, pois a maior parte da cultura foi construída sobre mitos religiosos e folclore comum, e não de criadores individuais ( Sondeberg, 2004). </li></ul></ul></ul><memória oral e impressa>
  8. 8. <ul><li>Socialização do conhecimento na sociedade digital; </li></ul><ul><li>Redes de compartilhamento; </li></ul><ul><li>Redes sociais e comunidades; </li></ul><ul><li>Práticas colaborativas para circulação de bens imateriais </li></ul><interconectividade social>
  9. 9. <preservação e difusão cultural> <ul><li>Circulação de registro de História Oral; </li></ul><ul><li>Acesso à Obras raras; </li></ul><ul><li>Descentralização na publicação de conteúdos; </li></ul><ul><li>Escrita Coletiva. </li></ul>
  10. 10. < apropriação criativa das tecnologias > <ul><li>Inclusão mais que digital; </li></ul><ul><li>Convergência Digital; </li></ul><ul><li>Streaming media ; </li></ul><ul><li>Repositórios; </li></ul><ul><li>Metareciclagem; </li></ul><ul><li>Ambientes colaborativos. </li></ul>
  11. 11. <referências> SEVCENKO, Nicolau. A palavra e o reencantamento do mundo. In: Worcman, Karen & Pereira, Jesus Vasquez (org.). História Falada: Memória, Rede e Mudança Social, São Paulo: SESC, 2006. SÖDERBERG, J. Copyleft vc, copyrigth: a marxism critique. First Monday. v. 7, n.3, March 2002. Disponível em: <http://firstmonday.org/issues/issue7_3/soderberg/index.html>. Acesso em 03 de jun. 2004. THOMPSON, Paul. História de vida como patrimônio da humanidade. In: Worcman, Karen & Pereira, Jesus Vasquez (org.). História Falada: Memória, Rede e Mudança Social, São Paulo: SESC, 2006.

×