Exegese Bíblica. Prof. Roney Ricardo

896 visualizações

Publicada em

Exegese Bíblica: o que é? Métodos exegéticos.

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
896
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
106
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Por “cânon normativo” se entende as partes do texto bíblico que realmente contém a Palavra de Deus, Palavra esta misturada às palavras humanas da Bíblia, não inspiradas. “Normativo” porque corresponde àquilo que é normativo para a Igreja e o cristão.
  • Por “cânon normativo” se entende as partes do texto bíblico que realmente contém a Palavra de Deus, Palavra esta misturada às palavras humanas da Bíblia, não inspiradas. “Normativo” porque corresponde àquilo que é normativo para a Igreja e o cristão.
  • Exegese Bíblica. Prof. Roney Ricardo

    1. 1. Exegese Bíblica Interpretando as Escrituras Prof. Roney Ricardo roneycozzer@hotmail.com Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com
    2. 2. EXEGESE BÍBLICA Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com HERMENÊUTICA EXEGESE TEOLOGIA EXEGÉTICA
    3. 3. Definições O termo exegese procede do grego e significa “explicação e interpretação”. Wegner comenta: “O fato de usarmos o termo técnico “exegese” para o trabalho de interpretação de textos bíblicos deve-se ao caráter mais específico deste trabalho interpretativo: trata-se de uma interpretação “minuciosa”...” (Wegner, 1998, p. 11). Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 1 EXEGESE BÍBLICA: DEFINIÇÕES
    4. 4. Hermenêutica e Exegese: distinções Hermenêutica designa “mais particularmente os princípios que regem a interpretação dos textos; a exegese descreve mais especificamente as etapas ou os passos que cabe dar em sua interpretação” (Wegner, 1998, p. 11). Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 1 EXEGESE BÍBLICA: DEFINIÇÕES
    5. 5. Tarefas da Exegese  Os distanciamentos (Nicodemus).  Especificidade da cultura oriental.  Grupos religiosos e étnicos dos tempos bíblicos e também instituições da época bíblica (Wegner, 1998, p. 12). Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 1 EXEGESE BÍBLICA: DEFINIÇÕES
    6. 6. Tarefas da Exegese  “A primeira tarefa da exegese é aclarar as situações descritas nos textos, ou seja, redescobrir o passado bíblico de tal forma que o que foi narrado nos textos se torne transparente e compreensível para nós que vivemos em outra época e em circunstâncias e culturas diferentes” (Wegner, 1998, p. 12). Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 1 EXEGESE BÍBLICA: DEFINIÇÕES
    7. 7. Tarefas da Exegese  “A segunda tarefa da exegese é permitir que possa ser ouvida a intenção que o texto teve em sua origem” (Wegner, 1998, p. 13). Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 1 EXEGESE BÍBLICA: DEFINIÇÕES
    8. 8. Tarefas da Exegese  “A terceira tarefa da exegese é verificar em que sentido opções éticas e doutrinais podem ser respaldas e, portanto, reafirmadas, ou devem ser revistas e relativizadas” (Wegner, 1998, p. 13). Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 1 EXEGESE BÍBLICA: DEFINIÇÕES
    9. 9. Exegese e Leitura Popular da Bíblia  “[...] a exegese dificilmente pode ser realizada por pessoas que não tenham formação teológica acadêmica [...] Isto não pode significar, contudo, que a exegese vire assunto de letrados e para letrados. Ela deve ter uma finalidade comunitária e popular [...] A leitura popular, por sua vez, é de suma importância para o exegeta. O povo, embora não tenha formação teológica acadêmica, tem saber teológico...” (Wegner, 1998, p. 13). Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 1 EXEGESE BÍBLICA: DEFINIÇÕES
    10. 10. Alguns conceitos equivocados a serem superados  Dedução de que a inspiração e a inerrância pressupõe o abando do estudo sério e crítico do texto bíblico. Vemos um reflexo dessa compreensão em frases como:  “Só preciso da Bíblia e não dos livros”...  “a letra mata mas o Espírito vivifica”...  “eu tive uma “revelação do texto”... Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 1 EXEGESE BÍBLICA: DEFINIÇÕES
    11. 11. Alguns conceitos equivocados a serem superados  Entender a interpretação bíblica como exclusividade dos exegetas profissionais. Wegner comenta: “A dependência exagerada do saber alheio perpetua complexos de ignorância e inferioridade... Deus dá o seu Espírito a cada pessoa, independentemente de sua condição cultural ou social (At 2.17s), possibilitando uma maturidade em relação à expressão de fé” (Wegner, 1998, p. 14). Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 1 EXEGESE BÍBLICA: DEFINIÇÕES
    12. 12. Alguns conceitos equivocados a serem superados  Entender a interpretação bíblica como uma espécie de estudo individualizado. Isso pode conduzir a extremos e subjetivismos. Corre-se o perigo de interpretar a partir de “achismos” (Wegner, 1998, p. 14). Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 1 EXEGESE BÍBLICA: DEFINIÇÕES
    13. 13. Alguns conceitos equivocados a serem superados  Deduzir que só a minha denominação detém a correta interpretação de determinados textos bíblicos. Isso caracteriza uma espécie de dominação ideológica ou dogmática. Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 1 EXEGESE BÍBLICA: DEFINIÇÕES
    14. 14. Alguns conceitos equivocados a serem superados  Interpretar (interpretar!?) os textos bíblicos com base unicamente no meu lugar vivencial, a partir da minha perspectiva pessoal/social.  Fazer a exegese dos textos bíblicos sem aplicá-los ao homem pós-moderno, entendendo que a Bíblia, enquanto mensagem de Deus, é supracultural, ilimitada, sempre atual e inesgotável. Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 1 EXEGESE BÍBLICA: DEFINIÇÕES
    15. 15. Exegese e o Sitz im Leben  “Lugar vivencial” é uma expressão que procura reproduzir as palavras alemãs Sitz im Leben. Sitz significa “lugar/assento” e im Leben quer dizer “na vida”. Literalmente Sitz im Leben significa, pois, “lugar na vida” = “lugar vivencial”. Alguns autores preferem outras traduções, como “lugar de origem”, “situação geratriz”, “ambiente vital” ou “contexto histórico” (Wegner, 1998, p. 171). Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 1 EXEGESE BÍBLICA: DEFINIÇÕES
    16. 16. A palavra “método”  A palavra “método” é originária do grego “methodos, composta de meta: através de, por meio, e de hodos: via, caminho. Servir-se de um método é, antes de tudo, tentar ordenar o trajeto através do qual se possa alcançar os objetivos projetados” (Dicionário Etimológico, Link: <http://www.dicionarioetimologico.com.br/metodo/> Acesso em 30/09/2015). Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    17. 17. O Método Histórico-Gramatical  Também chamado de Fundamentalista (Wegner).  Busca o sentido simples da palavra no texto bíblico, enquanto evento histórico, isto é, à luz do contexto histórico.  A intenção do autor do texto bíblico é fortemente considerada neste método. Calvino afirma: “a primeira tarefa do intérprete é deixar que o autor diga o que ele de fato diz, em vez de atribuir-lhe o que pensa que ele deva dizer”. Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    18. 18. O Método Histórico-Gramatical  Seus defensores o indicam como o método da Reforma Protestante (Nicodemus): “Os que adotam esse método geralmente seguem pressupostos para com as Escrituras, no todo ou em parte, que estão ligadas ao Cristianismo histórico e à Reforma protestante. Como reformado, por definição me inclino para esse método” (Blog O Tempora, O Mores. Disponível em: <http://tempora- mores.blogspot.com.br/2006/06/por-que-prefiro-o-mtodo- gramtico.html> Acesso em 30/09/2015. Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    19. 19. O Método Histórico-Gramatical  Embora não diacrônico, considera os aspectos linguísticos, históricos, gramaticais, culturais e geográficos da passagem.  O referido método considera ainda a perspicuidade do texto bíblico.  Este método recebe a Bíblia como Palavra de Deus, o que por si só já indica sua abertura ao sobrenaturalismo bíblico, inerrância e suficiência.  Recebe a Bíblia como sendo ela mesmo sua melhor intérprete, o que é representado por aquela velha máxima hermenêutica: “A Bíblia interpreta a si mesma”. Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    20. 20. O Método Histórico-Gramatical  Seus princípios se notam já nos primórdios da interpretação bíblica. Segundo Nicodemus, a Escola de Antioquia da Síria, alguns pais latinos e alguns estudiosos medievais podem ser considerados precursores do método histórico-gramatical (O dilema do método histórico-crítico. Augustus Nicodemus, p. 118). Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    21. 21. O Método Histórico-Gramatical  O método histórico-gramatical, partindo do pressuposto de que a Bíblia é divino-humana, “impediu que os exegetas reformados elucidassem os textos admitindo erros, falhas, imprecisões, inverdades, mentiras piedosas, mitos e pseudonímia nas páginas sagradas” (O dilema do método histórico-crítico. Augustus Nicodemus, p. 118). Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    22. 22. O Método Histórico-Gramatical “Quando os reformadores (Martinho Lutero, Philip Melanchton, João Calvino, Ulrich Zuínglio e outros) acentuaram a necessidade de retorno às Escrituras, eles ressaltaram a interpretação histórica, gramatical. Com histórica, estavam-se referindo ao contexto em que os livros da Bíblia foram escritos e às circunstâncias em jogo. Com “gramatical”, referiam-se à apuração do sentido dos textos bíblicos mediante estudo das palavras e das frases em seu sentido normal e claro”. ZUCK, Roy. A interpretação bíblica. Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    23. 23. Os Passos do Método Histórico-Gramatical 1. Identificar o texto que será estudado: a) Familiarizar-se com ele por meio de leituras consecutivas, em versões diferentes. b) Identificar a linha de pensamento do texto. c) Identificar as palavras-chave do texto. Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    24. 24. Os Passos do Método Histórico-Gramatical 2. Identificar o contexto da perícope: a) O Contexto Histórico b) O Contexto Literário c) O Contexto Cultural Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    25. 25. Os Passos do Método Histórico-Gramatical 3. Tradução: “Tecnicamente falando, versão é uma tradução da língua original (ou com consulta direta a ela) para outra língua, ainda que comumente se negligencie essa distinção. O segredo para a compreensão é que a versão envolve a língua original de determinado manuscrito”. GEISLER, Norman; NIX, William. Introdução Bíblica: como a Bíblia chegou até nós. 5ª impressão: 2003, editora Vida, p. 184. Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    26. 26. Os Passos do Método Histórico-Gramatical 4. Análises: a) Análise lexicográfica b) Análise Morfológica c) Análise Estilística d) Análise Sintática e) Análise Literária f) Análise Teológica Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    27. 27. Os Passos do Método Histórico-Gramatical 5. Síntese: a) Correlação b) Atualização c) Aplicação Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    28. 28. O Método Histórico-Crítico  Método que surge em decorrência dos avanços no campo da crítica bíblica, nos séculos XVIII e XIX.  É um método composto: a) crítica das formas (estuda gênese de pequenas unidades narrativas), b) crítica das fontes (identifica as fontes que influenciaram a redação final) e, c) crítica da redação (teologia do redator final). Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    29. 29. O Método Histórico-Crítico  Herdeiro do Iluminismo.  Procura separar Palavra de Deus e Escritura e cânon normativo do cânon formal.  Abriu uma brecha enorme entre a academia e a Igreja.  Crê que é possível produzir uma pesquisa verdadeira com total isenção e neutralidade. Por isso mesmo, vê o método histórico-gramatical como sendo um método “viciado”, em função de seus pressupostos dogmáticos. Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    30. 30. O Método Histórico-Crítico “A “crítica bíblica” veio a significar não simplesmente a investigação científica dos documentos bíblicos, mas um método que pressupôs, desde o início, o direito que o crítico tem de emitir juízos sobre as afirmações bíblicas como sendo ou não verdadeiras”. Moisés Silva, citado em O dilema do método histórico- crítico. Augustus Nicodemus, p. 122. Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    31. 31. O Método Histórico-Crítico “Contudo, o que ele tem de distintivo é seu débito para com as ideias do humanismo da Renascença, do deísmo inglês, do ceticismo francês e do iluminismo alemão no campo da teologia. Da Renascença, o método histórico-crítico absorveu a ênfase no humano em detrimento do divino. Do ceticismo francês, a dúvida como pressuposto dogmático e metodológico. E do Iluminismo, a razão em detrimento da revelação”. O dilema do método histórico-crítico. Augustus Nicodemus, p. 117. Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com AULA 2 EXEGESE BÍBLICA: MÉTODOS
    32. 32. -WEGNER, Uwe. Exegese do Novo Testamento: manual de metodologia. São Leopoldo: Sinodal; São Paulo: Paulus, 1998. - Artigo: Método histórico-gramatical: um estudo descritivo. Claiton André Kunz. Disponível em: <http://portalfbp.weebly.com/uploads/6/5/7/9/6579080/metodo_histori co-gramatical.pdf> Acesso em 30/09/2015. -Artigo: O dilema do método histórico-crítico. Augustus Nicodemus Lopes. Disponível em: <http://www.mackenzie.br/fileadmin/Mantenedora/CPAJ/revista/VOLU ME_X__2005__1/augustus.pdf> Acesso em 30/09/2015. NOTA: Os slides foram preparados a partir, especialmente, da obra de Wegner, ora transcrevendo, ora dialogando com ele ou reinterpretando-o. Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com REFERÊNCIAS
    33. 33. - GEISLER, Norman; NIX, William. Introdução Bíblica: como a Bíblia chegou até nós. 5ª impressão: 2003, editora Vida. - Dicionário Etimológico, Link: <http://www.dicionarioetimologico.com.br/metodo/> Acesso em 30/09/2015. - Blog Numinosum. Link: <file:///C:/CETAPES/RONEY%20RICARDO/LIVROS,% 20B%C3%8DBLIAS,%20REVISTAS%20E%20TEXTOS/EX EGESE%20&%20HERMEN%C3%8AUTICA/Numinosum %20Teologia%20Blog%20de%20Exegese.html> Acesso em 02/10/2015. Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com REFERÊNCIAS
    34. 34. Professor Roney Ricardo roneycozzer@hotmail.com Site Teologia & Discernimento Email: roneycozzer@hotmail.com / Site: www.teologiaediscernimento.wordpress.com CONTATOS

    ×