SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Poder Judiciário da União
              Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios



Órgão                   6ª Turma Cível
Processo N.             Apelação Cível 20100710297579APC
Apelante(s)             CONDOMINIO RESIDENCIAL BRASILIA
Apelado(s)              WALTER PERES DE QUINTA
Relator                 Desembargador JAIR SOARES
Acórdão Nº              560.118


                                      EMENTA

   AÇÃO DE COBRANÇA. DESPESAS DE CONDOMÍNIO.
   1 – O condômino é obrigado a contribuir com as despesas de condomínio, na
  proporção de sua fração ideal (CC, art. 1.315).
   2 – Mesmo que o condômino não utilize a via pavimentada interna do
  condomínio e nem o portão de acesso, se sujeita ao rateio das despesas
  condominiais decorrentes dos serviços que são colocados à disposição de
  todos os condôminos.
   3 - Não cabe ao condômino, em ação de cobrança de despesas
  condominiais, impugnar o que foi decidido em assembleia e o que consta do
  estatuto dos moradores.
   4 - Apelação provida.




         Código de Verificação: CX43.2012.NDPZ.VNR6.L47K.K6XJ
APELAÇÃO CÍVEL 2010 07 1 029757-9 APC



                                    ACÓRDÃO

 Acordam os Senhores Desembargadores da 6ª Turma Cível do Tribunal de
Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, JAIR SOARES - Relator, JOSÉ
DIVINO DE OLIVEIRA - Vogal, VERA ANDRIGHI - Vogal, sob a Presidência da
Senhora Desembargadora VERA ANDRIGHI, em proferir a seguinte decisão:
CONHECIDO. DEU-SE PROVIMENTO. UNÂNIME, de acordo com a ata do
julgamento e notas taquigráficas.
                         Brasília (DF), 18 de janeiro de 2012




                                 Certificado nº: 44 36 9E C4
                                     19/01/2012 - 17:31
                          Desembargador JAIR SOARES
                                   Relator




          Código de Verificação: CX43.2012.NDPZ.VNR6.L47K.K6XJ
GABINETE DO DESEMBARGADOR JAIR SOARES                                                                  2
APELAÇÃO CÍVEL 2010 07 1 029757-9 APC



                                   RELATÓRIO


               Condomínio Residencial Brasília ajuizou ação de cobrança de
despesas de condomínio (ordinária e extraordinária) em atraso em face de Walter
Peres de Quinta.


                Disse que o réu, cessionário dos direitos sobre o lote n. 1, da
chácara 146, do SHVP, rua 12, não pagou despesas ordinárias de condomínio
referentes aos meses de maio a setembro de 2010, e as extraordinárias
referentes à revitalização do asfaltamento, no total atualizado de R$ 392,18.


               O réu, por sua vez, ao contestar o feito, formulou pedido
contraposto consistente na declaração de que lote n. 1 não integra o condomínio.
               A sentença julgou improcedente o pedido inicial e procedente o
pedido contraposto (fls. 51/2).
                 Apelou o autor (fls. 54/60).
                Sustenta que o fato de o apelado não participar das assembléias
não significa que não integra o condomínio. E que serviços como recolhimento do
lixo e entrega de correspondência são colocados à disposição dos condôminos,
podendo eles usufruí-los ou não.
              Assevera que nos autos 2008.07.1.019959-9, que tramitou na 4ª
Vara Cível de Taguatinga-DF, o apelado foi condenado ao pagamento das
despesas condominiais, em razão de integrar o condomínio apelante.
                 Preparo regular (f. 67). Contrarrazões não apresentadas (f. 71).



                                        VOTOS


O Senhor Desembargador JAIR SOARES - Relator


                 O apelado, ao argumento que não usufrui das áreas comuns do
condomínio e nem dos serviços colocados à disposição dos condôminos,
pretende não pagar as despesas condominiais e declaração no sentido de que
seu lote não integra o Condomínio Residencial Brasília.
                De fato, o lote n. 1 possui saída para via pública independente do
condomínio, não usufruindo da pavimentação interna do condomínio e do portão
de acesso (f. 41). No entanto, tal fato não leva a conclusão de que não integra ele
o condomínio e que não está obrigado a pagar as despesas condominiais.




          Código de Verificação: CX43.2012.NDPZ.VNR6.L47K.K6XJ
GABINETE DO DESEMBARGADOR JAIR SOARES                                                                3
APELAÇÃO CÍVEL 2010 07 1 029757-9 APC



               Segundo o estatuto da associação dos moradores, a associação
é composta dos proprietários e promitentes compradores das unidades
autônomas da chácara n. 146 de Vicente Pires, os quais são automaticamente
associados e gozarão de todas as prerrogativas asseguradas pelo estatuto, bem
como se submeterão aos deveres e obrigações correspondentes (art. 2º e 3º, f.
10).
                Entre os deveres do associado consta o de contribuir com as
despesas de manutenção mensal e taxas extras estabelecidas pela diretoria
executiva e referendada pela assembleia geral (art. 9º, V).
               O réu não nega que seu lote faz parte da chácara n. 146. É
considerado integrante da associação dos moradores e, em consequência, do
condomínio Residencial Brasília.
             E na condição de cessionário condômino é obrigado a contribuir
com as despesas de condomínio, na proporção de sua fração ideal (CC, art.
1.315).
                Essa a essência do condomínio: comunhão de esforços para que
despesas revertidas em benefício comum sejam suportadas por todos os
condôminos, e não apenas por alguns, pena de enriquecimento ilícito daqueles
que não se dispõem a com elas arcar, com comprometimento da própria
subsistência da entidade condominial.
                 Conquanto o réu não utilize a via pavimentada interna do
condomínio e nem o portão de acesso, vez que seu lote tem entrada
independente, sujeita-se ao rateio das despesas condominiais decorrentes dos
serviços que são colocados à disposição de todos os condôminos, tais como
coleta de lixo e entrega de correspondência.


               Importa a disponibilização dos serviços aos possuidores de lotes
na chácara 146. A opção de usufruí-los ou não é de cada condômino, mas todos
são obrigados a contribuir com as despesas, vez que a obrigação de concorrer
para as despesas comuns decorre do vínculo entre os moradores da mesma
chácara.
              E as obrigações condominiais regem-se nos termos do decidido
em assembleia geral. Ainda que o apelado não concorde com a instituição de
despesa extraordinária ou aumento do condomínio, tem que pagar as despesas
autorizadas.
                 Saliente-se que a assembleia realizada em 27.6.2009 (f. 18),
considerando que os lotes externos, a exemplo do lote do réu, não usufruem de
todos os benefícios disponibilizados aos demais condôminos, decidiu que
referidos lotes pagariam somente 50% das despesas condominiais.
                Da mesma forma, a assembleia que instituiu a despesa
extraordinária para revitalização do asfalto (f. 21).




          Código de Verificação: CX43.2012.NDPZ.VNR6.L47K.K6XJ
GABINETE DO DESEMBARGADOR JAIR SOARES                                                                4
APELAÇÃO CÍVEL 2010 07 1 029757-9 APC



                Referidas assembleias, que estão de acordo com o que dispõe o
estatuto, não foram impugnadas em ação própria por qualquer dos condôminos.
Não cabe ao apelado, em ação de cobrança, de rito sumário, impugnar o que foi
decidido em assembléia e o que consta do estatuto dos moradores, segundo o
qual integra o condomínio.
                 A propósito do tema, decidiu este Tribunal:


              “CIVIL E PROCESSUAL CIVIL - AÇÃO DE COBRANÇA PELO
RITO SUMÁRIO - TAXAS CONDOMINIAIS - DISCUSSÃO ACERCA DE
NULIDADE DAS ASSEMBLÉIAS QUE AS INSTITUÍRAM - IMPOSSIBILIDADE -
MULTA - PERCENTUAL FIXADO NA CONVENÇÃO - PREVALÊNCIA ATÉ A
ENTRADA        EM       VIGOR     DO      NOVO       CÓDIGO       CIVIL.
1. As disposições aprovadas em assembléia-geral são válidas até que
sejam anuladas pelo Poder Judiciário. Somente através da ação própria, é
permitido ao condômino discutir a nulidade de assembléias condominiais,
sendo inviável fazê-lo na ação de cobrança, cujo objeto é a cobrança de
taxas.
(...)
                  (20030710171488APC, Relator Humberto Adjuto Ulhôa, 4a
Turma Cível, julgado em 30/05/2005, DJ 21/06/2005 p. 113).
               “DIREITO CIVIL. TAXAS CONDOMINIAIS. ÁREA COMUM.
SUCUMBIMENTO.               PRINCÍPIO             DA            CAUSALIDADE.
1. As taxas condominiais resultam do rateio das despesas havidas em todas as
unidades que integram a co-propriedade edilícia, relativamente às áreas que lhe
são comuns. Dessa forma, até que se proceda a dissolução parcial do
condomínio, estão todas as unidades indicadas na convenção obrigadas a
arcar com as despesas comuns do condomínio, nos termos do art. 1.336,
inciso I, do Código Civil e do artigo 5º, inciso I, da Convenção do
Condomínio.
(...)
            4. Apelos conhecidos e não providos. Preliminares rejeitadas.
Tudo à unanimidade.” (20070111524475APC, Relator WALDIR LEÔNCIO
LOPES JÚNIOR, 2ª Turma Cível, julgado em 25/03/2009, DJ 23/04/2009 p. 64)
                Comprovado que as despesas condominiais ordinárias e
extraordinárias foram aprovadas em assembleia geral, e que lote n. 1 integra a
chácara n. 146, se sujeita o apelado, na condição de condômino, ao pagamento
dos encargos condominiais autorizados pela maioria dos condôminos.
               Ressalte-se, por fim, que o apelado pagou as taxas condominiais
até abril de 2010, sendo, inclusive, condenado em anterior ação de cobrança
promovida pelo condomínio (f. 61/2).
           Não pode, agora, simplesmente porque optou não usufruir de
nenhum dos serviços que lhe é disponibilizado e porque tem acesso




          Código de Verificação: CX43.2012.NDPZ.VNR6.L47K.K6XJ
GABINETE DO DESEMBARGADOR JAIR SOARES                                                                5
APELAÇÃO CÍVEL 2010 07 1 029757-9 APC



independente à via pública, decidir, por conta própria, que não integra o
condomínio e que não pagará as despesas condominiais.
               Dou provimento e julgo procedente o pedido inicial e
improcedente o pedido contraposto. Condeno o réu a pagar as despesas
condominiais ordinárias e extraordinária, vencidas a partir de maio de 2010,
incluindo as que venceram no decorrer da ação, acrescidas de juros de mora e
correção monetária a partir do vencimento.
                   Custas e honorários que fixo em 20% do valor da condenação
pelo réu.


O Senhor Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA - Vogal


                  De Acordo.


A Senhora Desembargadora VERA ANDRIGHI - Vogal


                  De Acordo.



                                       DECISÃO


                  CONHECIDO. DEU-SE PROVIMENTO. UNÂNIME.




            Código de Verificação: CX43.2012.NDPZ.VNR6.L47K.K6XJ
GABINETE DO DESEMBARGADOR JAIR SOARES                                                                  6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Legislação angolana proposta de lei do arrendamento urbano
Legislação angolana proposta de lei do arrendamento urbanoLegislação angolana proposta de lei do arrendamento urbano
Legislação angolana proposta de lei do arrendamento urbanoJoão Manuel Juvandes
 
Tcc lei do_inquilinato_e_situacoes_de_exoneracao_de_fianca
Tcc lei do_inquilinato_e_situacoes_de_exoneracao_de_fiancaTcc lei do_inquilinato_e_situacoes_de_exoneracao_de_fianca
Tcc lei do_inquilinato_e_situacoes_de_exoneracao_de_fiancaJuliana2014
 
Convencao residencial
Convencao residencialConvencao residencial
Convencao residencialsindiconet
 
Contrato de locação de imóvel comercial
Contrato de locação de imóvel comercialContrato de locação de imóvel comercial
Contrato de locação de imóvel comercialRobson Pereira
 
Contrato de locação de prazo determinado com caução enviado
Contrato de locação de prazo determinado com caução enviadoContrato de locação de prazo determinado com caução enviado
Contrato de locação de prazo determinado com caução enviadoAdriana Ribeiro
 
Contrato Locacao Imovel Nao Residencial
Contrato Locacao Imovel Nao ResidencialContrato Locacao Imovel Nao Residencial
Contrato Locacao Imovel Nao ResidencialRodolfo Rodrigo Acosta
 
Contrato de locação de automóvel de prazo determinado
Contrato de locação de automóvel de prazo determinadoContrato de locação de automóvel de prazo determinado
Contrato de locação de automóvel de prazo determinadomarasinf
 
Contrato De LocaçãO Comercial De Prazo Determinado Com Cauçã
Contrato De LocaçãO Comercial De Prazo Determinado Com CauçãContrato De LocaçãO Comercial De Prazo Determinado Com Cauçã
Contrato De LocaçãO Comercial De Prazo Determinado Com CauçãRodolfo Rodrigo Acosta
 
Minuta arrendamento opcao_compra
Minuta arrendamento opcao_compraMinuta arrendamento opcao_compra
Minuta arrendamento opcao_compramozca1
 
Contrato de locação de imóvel residencial
Contrato de locação de imóvel residencialContrato de locação de imóvel residencial
Contrato de locação de imóvel residencialMonitoria Contabil S/C
 
Contrato de locação sra therezinha (2)
Contrato de locação  sra  therezinha (2)Contrato de locação  sra  therezinha (2)
Contrato de locação sra therezinha (2)Jenny Domingues
 
Contrato de locação residencial8
Contrato de locação residencial8Contrato de locação residencial8
Contrato de locação residencial8Marcos Paixão
 

Mais procurados (20)

Legislação angolana proposta de lei do arrendamento urbano
Legislação angolana proposta de lei do arrendamento urbanoLegislação angolana proposta de lei do arrendamento urbano
Legislação angolana proposta de lei do arrendamento urbano
 
Tcc lei do_inquilinato_e_situacoes_de_exoneracao_de_fianca
Tcc lei do_inquilinato_e_situacoes_de_exoneracao_de_fiancaTcc lei do_inquilinato_e_situacoes_de_exoneracao_de_fianca
Tcc lei do_inquilinato_e_situacoes_de_exoneracao_de_fianca
 
Contrato de locação
Contrato de locaçãoContrato de locação
Contrato de locação
 
Ac. tr lisboa despejo
Ac. tr lisboa despejoAc. tr lisboa despejo
Ac. tr lisboa despejo
 
Convencao residencial
Convencao residencialConvencao residencial
Convencao residencial
 
Convenção
ConvençãoConvenção
Convenção
 
Convenção
ConvençãoConvenção
Convenção
 
Contrato Locacao Imovel Comercial
Contrato Locacao Imovel ComercialContrato Locacao Imovel Comercial
Contrato Locacao Imovel Comercial
 
Contrato de locação de imóvel comercial
Contrato de locação de imóvel comercialContrato de locação de imóvel comercial
Contrato de locação de imóvel comercial
 
Contrato de locação de prazo determinado com caução enviado
Contrato de locação de prazo determinado com caução enviadoContrato de locação de prazo determinado com caução enviado
Contrato de locação de prazo determinado com caução enviado
 
Contrato Locacao Imovel Nao Residencial
Contrato Locacao Imovel Nao ResidencialContrato Locacao Imovel Nao Residencial
Contrato Locacao Imovel Nao Residencial
 
Contrato de locação de automóvel de prazo determinado
Contrato de locação de automóvel de prazo determinadoContrato de locação de automóvel de prazo determinado
Contrato de locação de automóvel de prazo determinado
 
123
123123
123
 
Contrato De LocaçãO Comercial De Prazo Determinado Com Cauçã
Contrato De LocaçãO Comercial De Prazo Determinado Com CauçãContrato De LocaçãO Comercial De Prazo Determinado Com Cauçã
Contrato De LocaçãO Comercial De Prazo Determinado Com Cauçã
 
Minuta arrendamento opcao_compra
Minuta arrendamento opcao_compraMinuta arrendamento opcao_compra
Minuta arrendamento opcao_compra
 
Contrato de locação de imóvel residencial
Contrato de locação de imóvel residencialContrato de locação de imóvel residencial
Contrato de locação de imóvel residencial
 
Contrato de locação sra therezinha (2)
Contrato de locação  sra  therezinha (2)Contrato de locação  sra  therezinha (2)
Contrato de locação sra therezinha (2)
 
Contrato De LocaçãO De ImóVel
Contrato De LocaçãO De ImóVelContrato De LocaçãO De ImóVel
Contrato De LocaçãO De ImóVel
 
Contrato de locação residencial8
Contrato de locação residencial8Contrato de locação residencial8
Contrato de locação residencial8
 
Contrato aluguel
Contrato aluguelContrato aluguel
Contrato aluguel
 

Destaque (20)

C1 listo!
C1 listo!C1 listo!
C1 listo!
 
Recicla 2
Recicla 2Recicla 2
Recicla 2
 
Prognostico verao 2013
Prognostico verao 2013Prognostico verao 2013
Prognostico verao 2013
 
Aprendizaje basado en retos
Aprendizaje basado en retosAprendizaje basado en retos
Aprendizaje basado en retos
 
A oração
A oraçãoA oração
A oração
 
Jesus cristo
Jesus cristoJesus cristo
Jesus cristo
 
36648 43185-1-pb
36648 43185-1-pb36648 43185-1-pb
36648 43185-1-pb
 
Certificate_1
Certificate_1Certificate_1
Certificate_1
 
SafeServe Certificate - Tina Wilson
SafeServe Certificate - Tina WilsonSafeServe Certificate - Tina Wilson
SafeServe Certificate - Tina Wilson
 
Teorica 10
Teorica 10Teorica 10
Teorica 10
 
Previsão do tempo para o dia 15 e a tendência para o dia 16 de agosto de 2012
Previsão do tempo para o dia 15 e a tendência para o dia 16 de agosto de 2012Previsão do tempo para o dia 15 e a tendência para o dia 16 de agosto de 2012
Previsão do tempo para o dia 15 e a tendência para o dia 16 de agosto de 2012
 
Vectores
VectoresVectores
Vectores
 
Accounting Resume
Accounting ResumeAccounting Resume
Accounting Resume
 
Ilustracióon galega
Ilustracióon galegaIlustracióon galega
Ilustracióon galega
 
COMUNIDAD VIRTUAL
COMUNIDAD VIRTUALCOMUNIDAD VIRTUAL
COMUNIDAD VIRTUAL
 
Oficina Santa Dica - Módulo III - Aula II
Oficina Santa Dica - Módulo III - Aula IIOficina Santa Dica - Módulo III - Aula II
Oficina Santa Dica - Módulo III - Aula II
 
Cct edif mrj_baixada_fluminense_e_reg_lagos_2012_registrada
Cct edif mrj_baixada_fluminense_e_reg_lagos_2012_registradaCct edif mrj_baixada_fluminense_e_reg_lagos_2012_registrada
Cct edif mrj_baixada_fluminense_e_reg_lagos_2012_registrada
 
RSS
RSSRSS
RSS
 
Decisao deci sa_o dr marcos-obrigacao nao cumprida inss
Decisao deci sa_o dr marcos-obrigacao nao cumprida inssDecisao deci sa_o dr marcos-obrigacao nao cumprida inss
Decisao deci sa_o dr marcos-obrigacao nao cumprida inss
 
Q4 2015 key coverage
Q4 2015 key coverageQ4 2015 key coverage
Q4 2015 key coverage
 

Semelhante a Apl 293786220108070007 df_1331455463735

Ceu Incorporacao Estudo De Caso 090811 Acordao Apelacao
Ceu   Incorporacao   Estudo De Caso   090811   Acordao ApelacaoCeu   Incorporacao   Estudo De Caso   090811   Acordao Apelacao
Ceu Incorporacao Estudo De Caso 090811 Acordao ApelacaoPedro Kurbhi
 
Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...
Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...
Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...Ministério Público de Santa Catarina
 
Aã§ã£o de execuã§ã£o. dã­vida decorrente do estorno dos valores pagos por ter...
Aã§ã£o de execuã§ã£o. dã­vida decorrente do estorno dos valores pagos por ter...Aã§ã£o de execuã§ã£o. dã­vida decorrente do estorno dos valores pagos por ter...
Aã§ã£o de execuã§ã£o. dã­vida decorrente do estorno dos valores pagos por ter...Ilídia Direito
 
Oab seminario principais acoes civeis - 110129 - palestra 5
Oab   seminario principais acoes civeis - 110129 - palestra 5Oab   seminario principais acoes civeis - 110129 - palestra 5
Oab seminario principais acoes civeis - 110129 - palestra 5Pedro Kurbhi
 
Palestra condominio m. e - 29 01 11
Palestra condominio    m. e - 29 01 11Palestra condominio    m. e - 29 01 11
Palestra condominio m. e - 29 01 11Pedro Kurbhi
 
Ação anulatória de sentença arbitral
Ação anulatória de sentença arbitralAção anulatória de sentença arbitral
Ação anulatória de sentença arbitralAlyssondrg
 
Ação anulatoria sentença arbitral
Ação anulatoria sentença arbitralAção anulatoria sentença arbitral
Ação anulatoria sentença arbitralAlyssondrg
 
MRV é condenada a pagar taxa de condomínio por entregar imóvel com infiltração
MRV é condenada a pagar taxa de condomínio por entregar imóvel com infiltraçãoMRV é condenada a pagar taxa de condomínio por entregar imóvel com infiltração
MRV é condenada a pagar taxa de condomínio por entregar imóvel com infiltraçãoEngel e Rubel Advocacia
 
CONDOMÍNIO - CONTRATO - PAGAMENTO INDEVIDO
CONDOMÍNIO - CONTRATO - PAGAMENTO INDEVIDOCONDOMÍNIO - CONTRATO - PAGAMENTO INDEVIDO
CONDOMÍNIO - CONTRATO - PAGAMENTO INDEVIDOromeromelosilva
 
2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC Atualizado
2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC Atualizado2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC Atualizado
2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC AtualizadoConsultor JRSantana
 
Recurso Especial - Consumidor - STJ
Recurso Especial - Consumidor - STJRecurso Especial - Consumidor - STJ
Recurso Especial - Consumidor - STJConsultor JRSantana
 
Justiça Afasta Sindico de Condomínio em Caldas Novas
Justiça Afasta Sindico de Condomínio em Caldas NovasJustiça Afasta Sindico de Condomínio em Caldas Novas
Justiça Afasta Sindico de Condomínio em Caldas NovasCleuber Carlos Nascimento
 
Apelação cível. ação de obrigação de fazer cc indenização por danos morais e ...
Apelação cível. ação de obrigação de fazer cc indenização por danos morais e ...Apelação cível. ação de obrigação de fazer cc indenização por danos morais e ...
Apelação cível. ação de obrigação de fazer cc indenização por danos morais e ...Informa Jurídico
 
Agravo nos autos de Recurso Especial
Agravo nos autos de Recurso EspecialAgravo nos autos de Recurso Especial
Agravo nos autos de Recurso EspecialConsultor JRSantana
 
Apel. cível 70015727472
Apel. cível 70015727472Apel. cível 70015727472
Apel. cível 70015727472kduferraro
 
Contrato de-locacao-comercial
Contrato de-locacao-comercialContrato de-locacao-comercial
Contrato de-locacao-comercialShirleano Dacio
 
Tjsp des moura ribeiro 11ª câmara - 7
Tjsp des moura ribeiro   11ª câmara - 7Tjsp des moura ribeiro   11ª câmara - 7
Tjsp des moura ribeiro 11ª câmara - 7professoradolfo
 
Guiacondominio capitulo2 regulamento
Guiacondominio capitulo2 regulamentoGuiacondominio capitulo2 regulamento
Guiacondominio capitulo2 regulamentoAas Custodio
 

Semelhante a Apl 293786220108070007 df_1331455463735 (20)

Ceu Incorporacao Estudo De Caso 090811 Acordao Apelacao
Ceu   Incorporacao   Estudo De Caso   090811   Acordao ApelacaoCeu   Incorporacao   Estudo De Caso   090811   Acordao Apelacao
Ceu Incorporacao Estudo De Caso 090811 Acordao Apelacao
 
Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...
Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...
Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...
 
Aã§ã£o de execuã§ã£o. dã­vida decorrente do estorno dos valores pagos por ter...
Aã§ã£o de execuã§ã£o. dã­vida decorrente do estorno dos valores pagos por ter...Aã§ã£o de execuã§ã£o. dã­vida decorrente do estorno dos valores pagos por ter...
Aã§ã£o de execuã§ã£o. dã­vida decorrente do estorno dos valores pagos por ter...
 
Oab seminario principais acoes civeis - 110129 - palestra 5
Oab   seminario principais acoes civeis - 110129 - palestra 5Oab   seminario principais acoes civeis - 110129 - palestra 5
Oab seminario principais acoes civeis - 110129 - palestra 5
 
Palestra condominio m. e - 29 01 11
Palestra condominio    m. e - 29 01 11Palestra condominio    m. e - 29 01 11
Palestra condominio m. e - 29 01 11
 
Ação anulatória de sentença arbitral
Ação anulatória de sentença arbitralAção anulatória de sentença arbitral
Ação anulatória de sentença arbitral
 
Ação anulatoria sentença arbitral
Ação anulatoria sentença arbitralAção anulatoria sentença arbitral
Ação anulatoria sentença arbitral
 
MRV é condenada a pagar taxa de condomínio por entregar imóvel com infiltração
MRV é condenada a pagar taxa de condomínio por entregar imóvel com infiltraçãoMRV é condenada a pagar taxa de condomínio por entregar imóvel com infiltração
MRV é condenada a pagar taxa de condomínio por entregar imóvel com infiltração
 
CONDOMÍNIO - CONTRATO - PAGAMENTO INDEVIDO
CONDOMÍNIO - CONTRATO - PAGAMENTO INDEVIDOCONDOMÍNIO - CONTRATO - PAGAMENTO INDEVIDO
CONDOMÍNIO - CONTRATO - PAGAMENTO INDEVIDO
 
2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC Atualizado
2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC Atualizado2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC Atualizado
2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC Atualizado
 
Recurso Especial - Consumidor - STJ
Recurso Especial - Consumidor - STJRecurso Especial - Consumidor - STJ
Recurso Especial - Consumidor - STJ
 
Justiça Afasta Sindico de Condomínio em Caldas Novas
Justiça Afasta Sindico de Condomínio em Caldas NovasJustiça Afasta Sindico de Condomínio em Caldas Novas
Justiça Afasta Sindico de Condomínio em Caldas Novas
 
Decisão judicial
Decisão judicialDecisão judicial
Decisão judicial
 
Apelação cível. ação de obrigação de fazer cc indenização por danos morais e ...
Apelação cível. ação de obrigação de fazer cc indenização por danos morais e ...Apelação cível. ação de obrigação de fazer cc indenização por danos morais e ...
Apelação cível. ação de obrigação de fazer cc indenização por danos morais e ...
 
Agravo nos autos de Recurso Especial
Agravo nos autos de Recurso EspecialAgravo nos autos de Recurso Especial
Agravo nos autos de Recurso Especial
 
Apel. cível 70015727472
Apel. cível 70015727472Apel. cível 70015727472
Apel. cível 70015727472
 
Contrato de-locacao-comercial
Contrato de-locacao-comercialContrato de-locacao-comercial
Contrato de-locacao-comercial
 
Tjsp des moura ribeiro 11ª câmara - 7
Tjsp des moura ribeiro   11ª câmara - 7Tjsp des moura ribeiro   11ª câmara - 7
Tjsp des moura ribeiro 11ª câmara - 7
 
Guiacondominio capitulo2 regulamento
Guiacondominio capitulo2 regulamentoGuiacondominio capitulo2 regulamento
Guiacondominio capitulo2 regulamento
 
Decisão 2º grau sobre cobrança pela Brasil Telecom
Decisão 2º grau sobre cobrança pela Brasil TelecomDecisão 2º grau sobre cobrança pela Brasil Telecom
Decisão 2º grau sobre cobrança pela Brasil Telecom
 

Mais de romeromelosilva

2ª Semana do TST – Alterações, cancelamentos e novas Súmulas do Tribunal Supe...
2ª Semana do TST – Alterações, cancelamentos e novas Súmulas do Tribunal Supe...2ª Semana do TST – Alterações, cancelamentos e novas Súmulas do Tribunal Supe...
2ª Semana do TST – Alterações, cancelamentos e novas Súmulas do Tribunal Supe...romeromelosilva
 
Execução pode ser realizada por Vara diversa da originária, decide TST
Execução pode ser realizada por Vara diversa da originária, decide TSTExecução pode ser realizada por Vara diversa da originária, decide TST
Execução pode ser realizada por Vara diversa da originária, decide TSTromeromelosilva
 
Para TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidade
Para TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidadePara TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidade
Para TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidaderomeromelosilva
 
Lei 9784 desmontada pdf(novo)
Lei 9784 desmontada pdf(novo)Lei 9784 desmontada pdf(novo)
Lei 9784 desmontada pdf(novo)romeromelosilva
 
Analista judiciario administrativa
Analista judiciario administrativaAnalista judiciario administrativa
Analista judiciario administrativaromeromelosilva
 
Cct edif mrj_baixada_fluminense_e_reg_lagos_2012_termo_aditivo_registrado
Cct edif mrj_baixada_fluminense_e_reg_lagos_2012_termo_aditivo_registradoCct edif mrj_baixada_fluminense_e_reg_lagos_2012_termo_aditivo_registrado
Cct edif mrj_baixada_fluminense_e_reg_lagos_2012_termo_aditivo_registradoromeromelosilva
 
Lei estadual 4324 04 - poluição sonora
Lei estadual 4324 04 - poluição sonoraLei estadual 4324 04 - poluição sonora
Lei estadual 4324 04 - poluição sonoraromeromelosilva
 
Lei estadual 126 77 - lei do silêncio
Lei estadual 126 77 - lei do silêncioLei estadual 126 77 - lei do silêncio
Lei estadual 126 77 - lei do silêncioromeromelosilva
 
Dec municipal 29881_08parte_regulamento02daproteçãocontraruidos
Dec municipal 29881_08parte_regulamento02daproteçãocontraruidosDec municipal 29881_08parte_regulamento02daproteçãocontraruidos
Dec municipal 29881_08parte_regulamento02daproteçãocontraruidosromeromelosilva
 
Empregado demitido doente não receberá danos morais
Empregado demitido doente não receberá danos morais Empregado demitido doente não receberá danos morais
Empregado demitido doente não receberá danos morais romeromelosilva
 
Trabalhador não é obrigado a submeter demanda a comissão de conciliação prévia
Trabalhador não é obrigado a submeter demanda a comissão de conciliação préviaTrabalhador não é obrigado a submeter demanda a comissão de conciliação prévia
Trabalhador não é obrigado a submeter demanda a comissão de conciliação préviaromeromelosilva
 
Dívida quitada autoriza credor pedir exclusão da negativação em 5 dias
Dívida quitada autoriza credor pedir exclusão da negativação em 5 diasDívida quitada autoriza credor pedir exclusão da negativação em 5 dias
Dívida quitada autoriza credor pedir exclusão da negativação em 5 diasromeromelosilva
 
Mrv prazo-de-entrega-inicial
Mrv prazo-de-entrega-inicialMrv prazo-de-entrega-inicial
Mrv prazo-de-entrega-inicialromeromelosilva
 
Manual secretaria criminalconsolidadocr
Manual secretaria  criminalconsolidadocrManual secretaria  criminalconsolidadocr
Manual secretaria criminalconsolidadocrromeromelosilva
 

Mais de romeromelosilva (20)

2ª Semana do TST – Alterações, cancelamentos e novas Súmulas do Tribunal Supe...
2ª Semana do TST – Alterações, cancelamentos e novas Súmulas do Tribunal Supe...2ª Semana do TST – Alterações, cancelamentos e novas Súmulas do Tribunal Supe...
2ª Semana do TST – Alterações, cancelamentos e novas Súmulas do Tribunal Supe...
 
Execução pode ser realizada por Vara diversa da originária, decide TST
Execução pode ser realizada por Vara diversa da originária, decide TSTExecução pode ser realizada por Vara diversa da originária, decide TST
Execução pode ser realizada por Vara diversa da originária, decide TST
 
Para TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidade
Para TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidadePara TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidade
Para TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidade
 
Lei 9784 desmontada pdf(novo)
Lei 9784 desmontada pdf(novo)Lei 9784 desmontada pdf(novo)
Lei 9784 desmontada pdf(novo)
 
Gabaritos
GabaritosGabaritos
Gabaritos
 
Analista judiciario administrativa
Analista judiciario administrativaAnalista judiciario administrativa
Analista judiciario administrativa
 
Cct edif mrj_baixada_fluminense_e_reg_lagos_2012_termo_aditivo_registrado
Cct edif mrj_baixada_fluminense_e_reg_lagos_2012_termo_aditivo_registradoCct edif mrj_baixada_fluminense_e_reg_lagos_2012_termo_aditivo_registrado
Cct edif mrj_baixada_fluminense_e_reg_lagos_2012_termo_aditivo_registrado
 
Lei estadual 4324 04 - poluição sonora
Lei estadual 4324 04 - poluição sonoraLei estadual 4324 04 - poluição sonora
Lei estadual 4324 04 - poluição sonora
 
Lei estadual 126 77 - lei do silêncio
Lei estadual 126 77 - lei do silêncioLei estadual 126 77 - lei do silêncio
Lei estadual 126 77 - lei do silêncio
 
Dec municipal 29881_08parte_regulamento02daproteçãocontraruidos
Dec municipal 29881_08parte_regulamento02daproteçãocontraruidosDec municipal 29881_08parte_regulamento02daproteçãocontraruidos
Dec municipal 29881_08parte_regulamento02daproteçãocontraruidos
 
Empregado demitido doente não receberá danos morais
Empregado demitido doente não receberá danos morais Empregado demitido doente não receberá danos morais
Empregado demitido doente não receberá danos morais
 
Trabalhador não é obrigado a submeter demanda a comissão de conciliação prévia
Trabalhador não é obrigado a submeter demanda a comissão de conciliação préviaTrabalhador não é obrigado a submeter demanda a comissão de conciliação prévia
Trabalhador não é obrigado a submeter demanda a comissão de conciliação prévia
 
Dívida quitada autoriza credor pedir exclusão da negativação em 5 dias
Dívida quitada autoriza credor pedir exclusão da negativação em 5 diasDívida quitada autoriza credor pedir exclusão da negativação em 5 dias
Dívida quitada autoriza credor pedir exclusão da negativação em 5 dias
 
Mrv prazo-de-entrega-inicial
Mrv prazo-de-entrega-inicialMrv prazo-de-entrega-inicial
Mrv prazo-de-entrega-inicial
 
Consumidor 03
Consumidor 03Consumidor 03
Consumidor 03
 
Condominio
CondominioCondominio
Condominio
 
Consumidor
ConsumidorConsumidor
Consumidor
 
Convenio
ConvenioConvenio
Convenio
 
Manual jef compiladocr
Manual jef compiladocrManual jef compiladocr
Manual jef compiladocr
 
Manual secretaria criminalconsolidadocr
Manual secretaria  criminalconsolidadocrManual secretaria  criminalconsolidadocr
Manual secretaria criminalconsolidadocr
 

Apl 293786220108070007 df_1331455463735

  • 1. Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 6ª Turma Cível Processo N. Apelação Cível 20100710297579APC Apelante(s) CONDOMINIO RESIDENCIAL BRASILIA Apelado(s) WALTER PERES DE QUINTA Relator Desembargador JAIR SOARES Acórdão Nº 560.118 EMENTA AÇÃO DE COBRANÇA. DESPESAS DE CONDOMÍNIO. 1 – O condômino é obrigado a contribuir com as despesas de condomínio, na proporção de sua fração ideal (CC, art. 1.315). 2 – Mesmo que o condômino não utilize a via pavimentada interna do condomínio e nem o portão de acesso, se sujeita ao rateio das despesas condominiais decorrentes dos serviços que são colocados à disposição de todos os condôminos. 3 - Não cabe ao condômino, em ação de cobrança de despesas condominiais, impugnar o que foi decidido em assembleia e o que consta do estatuto dos moradores. 4 - Apelação provida. Código de Verificação: CX43.2012.NDPZ.VNR6.L47K.K6XJ
  • 2. APELAÇÃO CÍVEL 2010 07 1 029757-9 APC ACÓRDÃO Acordam os Senhores Desembargadores da 6ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, JAIR SOARES - Relator, JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA - Vogal, VERA ANDRIGHI - Vogal, sob a Presidência da Senhora Desembargadora VERA ANDRIGHI, em proferir a seguinte decisão: CONHECIDO. DEU-SE PROVIMENTO. UNÂNIME, de acordo com a ata do julgamento e notas taquigráficas. Brasília (DF), 18 de janeiro de 2012 Certificado nº: 44 36 9E C4 19/01/2012 - 17:31 Desembargador JAIR SOARES Relator Código de Verificação: CX43.2012.NDPZ.VNR6.L47K.K6XJ GABINETE DO DESEMBARGADOR JAIR SOARES 2
  • 3. APELAÇÃO CÍVEL 2010 07 1 029757-9 APC RELATÓRIO Condomínio Residencial Brasília ajuizou ação de cobrança de despesas de condomínio (ordinária e extraordinária) em atraso em face de Walter Peres de Quinta. Disse que o réu, cessionário dos direitos sobre o lote n. 1, da chácara 146, do SHVP, rua 12, não pagou despesas ordinárias de condomínio referentes aos meses de maio a setembro de 2010, e as extraordinárias referentes à revitalização do asfaltamento, no total atualizado de R$ 392,18. O réu, por sua vez, ao contestar o feito, formulou pedido contraposto consistente na declaração de que lote n. 1 não integra o condomínio. A sentença julgou improcedente o pedido inicial e procedente o pedido contraposto (fls. 51/2). Apelou o autor (fls. 54/60). Sustenta que o fato de o apelado não participar das assembléias não significa que não integra o condomínio. E que serviços como recolhimento do lixo e entrega de correspondência são colocados à disposição dos condôminos, podendo eles usufruí-los ou não. Assevera que nos autos 2008.07.1.019959-9, que tramitou na 4ª Vara Cível de Taguatinga-DF, o apelado foi condenado ao pagamento das despesas condominiais, em razão de integrar o condomínio apelante. Preparo regular (f. 67). Contrarrazões não apresentadas (f. 71). VOTOS O Senhor Desembargador JAIR SOARES - Relator O apelado, ao argumento que não usufrui das áreas comuns do condomínio e nem dos serviços colocados à disposição dos condôminos, pretende não pagar as despesas condominiais e declaração no sentido de que seu lote não integra o Condomínio Residencial Brasília. De fato, o lote n. 1 possui saída para via pública independente do condomínio, não usufruindo da pavimentação interna do condomínio e do portão de acesso (f. 41). No entanto, tal fato não leva a conclusão de que não integra ele o condomínio e que não está obrigado a pagar as despesas condominiais. Código de Verificação: CX43.2012.NDPZ.VNR6.L47K.K6XJ GABINETE DO DESEMBARGADOR JAIR SOARES 3
  • 4. APELAÇÃO CÍVEL 2010 07 1 029757-9 APC Segundo o estatuto da associação dos moradores, a associação é composta dos proprietários e promitentes compradores das unidades autônomas da chácara n. 146 de Vicente Pires, os quais são automaticamente associados e gozarão de todas as prerrogativas asseguradas pelo estatuto, bem como se submeterão aos deveres e obrigações correspondentes (art. 2º e 3º, f. 10). Entre os deveres do associado consta o de contribuir com as despesas de manutenção mensal e taxas extras estabelecidas pela diretoria executiva e referendada pela assembleia geral (art. 9º, V). O réu não nega que seu lote faz parte da chácara n. 146. É considerado integrante da associação dos moradores e, em consequência, do condomínio Residencial Brasília. E na condição de cessionário condômino é obrigado a contribuir com as despesas de condomínio, na proporção de sua fração ideal (CC, art. 1.315). Essa a essência do condomínio: comunhão de esforços para que despesas revertidas em benefício comum sejam suportadas por todos os condôminos, e não apenas por alguns, pena de enriquecimento ilícito daqueles que não se dispõem a com elas arcar, com comprometimento da própria subsistência da entidade condominial. Conquanto o réu não utilize a via pavimentada interna do condomínio e nem o portão de acesso, vez que seu lote tem entrada independente, sujeita-se ao rateio das despesas condominiais decorrentes dos serviços que são colocados à disposição de todos os condôminos, tais como coleta de lixo e entrega de correspondência. Importa a disponibilização dos serviços aos possuidores de lotes na chácara 146. A opção de usufruí-los ou não é de cada condômino, mas todos são obrigados a contribuir com as despesas, vez que a obrigação de concorrer para as despesas comuns decorre do vínculo entre os moradores da mesma chácara. E as obrigações condominiais regem-se nos termos do decidido em assembleia geral. Ainda que o apelado não concorde com a instituição de despesa extraordinária ou aumento do condomínio, tem que pagar as despesas autorizadas. Saliente-se que a assembleia realizada em 27.6.2009 (f. 18), considerando que os lotes externos, a exemplo do lote do réu, não usufruem de todos os benefícios disponibilizados aos demais condôminos, decidiu que referidos lotes pagariam somente 50% das despesas condominiais. Da mesma forma, a assembleia que instituiu a despesa extraordinária para revitalização do asfalto (f. 21). Código de Verificação: CX43.2012.NDPZ.VNR6.L47K.K6XJ GABINETE DO DESEMBARGADOR JAIR SOARES 4
  • 5. APELAÇÃO CÍVEL 2010 07 1 029757-9 APC Referidas assembleias, que estão de acordo com o que dispõe o estatuto, não foram impugnadas em ação própria por qualquer dos condôminos. Não cabe ao apelado, em ação de cobrança, de rito sumário, impugnar o que foi decidido em assembléia e o que consta do estatuto dos moradores, segundo o qual integra o condomínio. A propósito do tema, decidiu este Tribunal: “CIVIL E PROCESSUAL CIVIL - AÇÃO DE COBRANÇA PELO RITO SUMÁRIO - TAXAS CONDOMINIAIS - DISCUSSÃO ACERCA DE NULIDADE DAS ASSEMBLÉIAS QUE AS INSTITUÍRAM - IMPOSSIBILIDADE - MULTA - PERCENTUAL FIXADO NA CONVENÇÃO - PREVALÊNCIA ATÉ A ENTRADA EM VIGOR DO NOVO CÓDIGO CIVIL. 1. As disposições aprovadas em assembléia-geral são válidas até que sejam anuladas pelo Poder Judiciário. Somente através da ação própria, é permitido ao condômino discutir a nulidade de assembléias condominiais, sendo inviável fazê-lo na ação de cobrança, cujo objeto é a cobrança de taxas. (...) (20030710171488APC, Relator Humberto Adjuto Ulhôa, 4a Turma Cível, julgado em 30/05/2005, DJ 21/06/2005 p. 113). “DIREITO CIVIL. TAXAS CONDOMINIAIS. ÁREA COMUM. SUCUMBIMENTO. PRINCÍPIO DA CAUSALIDADE. 1. As taxas condominiais resultam do rateio das despesas havidas em todas as unidades que integram a co-propriedade edilícia, relativamente às áreas que lhe são comuns. Dessa forma, até que se proceda a dissolução parcial do condomínio, estão todas as unidades indicadas na convenção obrigadas a arcar com as despesas comuns do condomínio, nos termos do art. 1.336, inciso I, do Código Civil e do artigo 5º, inciso I, da Convenção do Condomínio. (...) 4. Apelos conhecidos e não providos. Preliminares rejeitadas. Tudo à unanimidade.” (20070111524475APC, Relator WALDIR LEÔNCIO LOPES JÚNIOR, 2ª Turma Cível, julgado em 25/03/2009, DJ 23/04/2009 p. 64) Comprovado que as despesas condominiais ordinárias e extraordinárias foram aprovadas em assembleia geral, e que lote n. 1 integra a chácara n. 146, se sujeita o apelado, na condição de condômino, ao pagamento dos encargos condominiais autorizados pela maioria dos condôminos. Ressalte-se, por fim, que o apelado pagou as taxas condominiais até abril de 2010, sendo, inclusive, condenado em anterior ação de cobrança promovida pelo condomínio (f. 61/2). Não pode, agora, simplesmente porque optou não usufruir de nenhum dos serviços que lhe é disponibilizado e porque tem acesso Código de Verificação: CX43.2012.NDPZ.VNR6.L47K.K6XJ GABINETE DO DESEMBARGADOR JAIR SOARES 5
  • 6. APELAÇÃO CÍVEL 2010 07 1 029757-9 APC independente à via pública, decidir, por conta própria, que não integra o condomínio e que não pagará as despesas condominiais. Dou provimento e julgo procedente o pedido inicial e improcedente o pedido contraposto. Condeno o réu a pagar as despesas condominiais ordinárias e extraordinária, vencidas a partir de maio de 2010, incluindo as que venceram no decorrer da ação, acrescidas de juros de mora e correção monetária a partir do vencimento. Custas e honorários que fixo em 20% do valor da condenação pelo réu. O Senhor Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA - Vogal De Acordo. A Senhora Desembargadora VERA ANDRIGHI - Vogal De Acordo. DECISÃO CONHECIDO. DEU-SE PROVIMENTO. UNÂNIME. Código de Verificação: CX43.2012.NDPZ.VNR6.L47K.K6XJ GABINETE DO DESEMBARGADOR JAIR SOARES 6