SEMINÁRIO DE SEMIOLOGIA                     FebreRollanHirano eAna Alice Carneiro
Definições: febre - elevação da temperatura normal em conjunto  com a reconfiguração (aumento) do ponto de ajuste  hipota...
Porção anterior do hipotálamo(central):- Área anterior:centro de dissipação de calor- Área posterior: centro de promoção d...
 Início:Súbito: Quase sempre acompanhada dos demais  sintomas da síndrome febrilGradual: Prevalece a sudorese,cefaléia e ...
 Duração:Febre se instalou a poucos dias;Febre prolongada: Que permanece por mais de uma  semana tendo ou não caráter con...
Febre Contínua: Variações até 1°C, sempre       acima do normal       Ex: febre tifóide, pneumonia;40°C39°C38°C37°C
Febre Intermitente: Hipertermia com períodos       cíclicosde apirexia (terçã, quartã ,cotidiana) Ex:       linfomas, malá...
Febre Recorrente ou Ondulante: Períodos de       temperatura normal, que dura dias ou semanas       seguidos por períodos ...
Febre Remitente: Hipertermia diária com       variações maiores de 1°C, sem apirexia.       Ex: septicemia, pneumonia;40°C...
Febre Irregular ou Séptica: Picos muito altos       intercalados com por temp. baixas ou apirexia. Sem       caráter cícli...
   Febre       Astenia       Inapetência       Cefaléia       Taquicardia       Taquipnéia       Taquisfigmia     ...
 Condições   indutoras:  infecções(bacterianas,virais e  parasitárias);tumores;hemorragias;infartos;d  oenças auto-imunes...
   Estímulos para produção(ativação)de PE:           Endotoxinas de microorganismos, vírus e                          bac...
   Principais PE na corrente circulatória:                                       IL-1                                    ...
FEBRE DE ORIGEM OBSCURA FOO ou FOI caracteriza-se por TA> 37,9ºC em  várias ocasiões; febre com duração de mais de 3  sem...
FOO CLÁSSICA   3 consultas ambulatoriais ou 3 dias de internação    hospitalar ou 1 semana de investigação    ambulatoria...
FOO HOSPITALAR Suscetibilidade do paciente associada às  complicações potenciais de hospitalização. As mais comuns compl...
FOO HOSPITALAR Suscetibilidade do paciente associada às  complicações potenciais de hospitalização. As mais comuns compl...
FOO NEUTROPÊNICA Duração da doença pode ser curta, mas se não  tratada pode levar a situações catastróficas. Causas comu...
FOO ASSOCIADA AO HIV   A infecção pelo HIV isoladamente pode causar    febre. Em mais de 80% dos pacientes a FOO    assoc...
FÁRMACOS ANTI-PIRÉTICOS Atuam na inibição da formação das  prostaglandinas. Muitos deles, inibindo a  ciclooxigenase. Ex...
Semiologia febre
Semiologia febre
Semiologia febre
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Semiologia febre

34.483 visualizações

Publicada em

Seminário de semiologia (sinais e sintomas - febre) da Faculdade de medicina da UFF....Faltam hipotermia,hipertemia e semiotécnica

Publicada em: Saúde e medicina
2 comentários
13 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
34.483
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
388
Comentários
2
Gostaram
13
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Semiologia febre

  1. 1. SEMINÁRIO DE SEMIOLOGIA FebreRollanHirano eAna Alice Carneiro
  2. 2. Definições: febre - elevação da temperatura normal em conjunto com a reconfiguração (aumento) do ponto de ajuste hipotalâmico. temperatura – A temperatura corporal normal (≤ 37,2°C pela manhã e ≤ é 37,7°C à noite) é mantida porque o centro termorregulador hipotalâmico equilibra o excesso de calor produzido pela atividade metabólica nos músculos e fígado com dissipação de calor através da pele e dos pulmões.
  3. 3. Porção anterior do hipotálamo(central):- Área anterior:centro de dissipação de calor- Área posterior: centro de promoção de calorReceptores localizados, principalmente na pele(periférico): Particularmente nas situações de baixa da temperatura.
  4. 4.  Início:Súbito: Quase sempre acompanhada dos demais sintomas da síndrome febrilGradual: Prevalece a sudorese,cefaléia e inapetência Intensidade: Toma-se como referência a temperatura axilar #Febre leve ou febrícula : até 37,5°C # Febre moderada: de 37,5 a 38,5 °C # Febre alta ou eleveada: acima de 38,5
  5. 5.  Duração:Febre se instalou a poucos dias;Febre prolongada: Que permanece por mais de uma semana tendo ou não caráter contínuo Modo de evolução: Verificado por meio de um quadro térmico Quadro térmico: Registro da temperatura em uma tabela, dividida no mínimo em dias subdivididos em 4 ou 6 horários Término em crise(febre desaparece subitamente- malária) e em Lise(a febre diminui lentamente
  6. 6. Febre Contínua: Variações até 1°C, sempre acima do normal Ex: febre tifóide, pneumonia;40°C39°C38°C37°C
  7. 7. Febre Intermitente: Hipertermia com períodos cíclicosde apirexia (terçã, quartã ,cotidiana) Ex: linfomas, malária, tuberculose;39°C38°C37°C36°C
  8. 8. Febre Recorrente ou Ondulante: Períodos de temperatura normal, que dura dias ou semanas seguidos por períodos com febre. Ex: linfomas, tumores;39°C38°C37°C36°C
  9. 9. Febre Remitente: Hipertermia diária com variações maiores de 1°C, sem apirexia. Ex: septicemia, pneumonia;40°C39°C38°C37°C
  10. 10. Febre Irregular ou Séptica: Picos muito altos intercalados com por temp. baixas ou apirexia. Sem caráter cíclicos, totalmente imprevisíveis. Ex: septicemia;39°C38°C37°C36°C
  11. 11.  Febre  Astenia  Inapetência  Cefaléia  Taquicardia  Taquipnéia  Taquisfigmia  Oligúria  Dor no corpo  Calafrios  Sudorese  Náuseas  VômitosD
  12. 12.  Condições indutoras: infecções(bacterianas,virais e parasitárias);tumores;hemorragias;infartos;d oenças auto-imunes... Dentre os mecanismos de produção da febre destaca-se a produção de pirogênio endógeno que é uma molécula protíca. Esta que ativa os neurônios do centro termorregulador por meio dos níveis de AMP-cíclico.
  13. 13.  Estímulos para produção(ativação)de PE: Endotoxinas de microorganismos, vírus e bactérias Hormônios( esteróides e progesterona) Produtos de hidrólise Pólen,Vacinas, Proteínas Quem produz os PE? Neutrófilos Monócitos Eosinófilos Cél. De Kuppfer Cél. Sinusoidais Esplênicas Macrófagos alveolares Cél. peritoniais
  14. 14.  Principais PE na corrente circulatória: IL-1 IL-6 TNF PIM( proteína alfa inflamatória do macrófago) FNT( interferon alfa e beta)
  15. 15. FEBRE DE ORIGEM OBSCURA FOO ou FOI caracteriza-se por TA> 37,9ºC em várias ocasiões; febre com duração de mais de 3 semanas; impossibilidade de estabelecer um diagnóstico a despeito de 1 semana de investigação hospitalar. 4 tipos: FOO clássica, FOO hospitalar, FOO neutropênica, FOO associada a infecção pelo HIV.
  16. 16. FOO CLÁSSICA 3 consultas ambulatoriais ou 3 dias de internação hospitalar ou 1 semana de investigação ambulatorial “criteriosa e invasiva” sem elucidação de uma causa.
  17. 17. FOO HOSPITALAR Suscetibilidade do paciente associada às complicações potenciais de hospitalização. As mais comuns complicações hospitalares são: ITU, pneumonia, infecções de incisões cirúrgicas, infecções relacionadas aos acessos e monitorações intravasculares.
  18. 18. FOO HOSPITALAR Suscetibilidade do paciente associada às complicações potenciais de hospitalização. As mais comuns complicações hospitalares são: ITU, pneumonia, infecções de incisões cirúrgicas, infecções relacionadas aos acessos e monitorações intravasculares.
  19. 19. FOO NEUTROPÊNICA Duração da doença pode ser curta, mas se não tratada pode levar a situações catastróficas. Causas comuns: Candida e Aspergillus, herpes vírus simples ou CMV, tromboflebite séptica (associada à cateteres).
  20. 20. FOO ASSOCIADA AO HIV A infecção pelo HIV isoladamente pode causar febre. Em mais de 80% dos pacientes a FOO associada ao HIV é por causas infecciosas, mas a febre medicamentosa e o linfoma são possibilidades importantes.
  21. 21. FÁRMACOS ANTI-PIRÉTICOS Atuam na inibição da formação das prostaglandinas. Muitos deles, inibindo a ciclooxigenase. Ex: paracetamol, dipirona, ácido acetil salicílico.

×