Cancro da mama

5.728 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Turismo, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.728
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cancro da mama

  1. 1. Anatomia Descritiva e TopográficaAnatomia Descritiva e Topográfica Escola Superior de Tecnologia da Saúde deEscola Superior de Tecnologia da Saúde de CoimbraCoimbra Cancro da Mama Março 2006
  2. 2. O que é o cancro da mama?O que é o cancro da mama?  Tumor maligno que se desenvolve nas células do tecidoTumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário;mamário; Pode apresentar-se como:Pode apresentar-se como:  uma massa dura e irregular que,uma massa dura e irregular que, quando palpada, se diferencia do restoquando palpada, se diferencia do resto da mama pela sua consistência.da mama pela sua consistência.  Frequente nas mulheres, podendo também atingir osFrequente nas mulheres, podendo também atingir os homens;homens;  É a principal causa de morte oncológica nas mulheres porÉ a principal causa de morte oncológica nas mulheres por cancro não previsível;cancro não previsível;  Grupo de células neoplásicas que podem invadir e metastizar para outros órgãos;
  3. 3. Alterações visíveis à inspecçãoAlterações visíveis à inspecção -- Alterações do desenvolvimento mamário;Alterações do desenvolvimento mamário; - Assimetria mamária; - Depressões / retracções da pele; - Formações tumorais / nodulares; - Sinais inflamatórios; - Doenças dermatológicas; - Traumatismos / hematomas;
  4. 4. Como é feito o diagnóstico clínico doComo é feito o diagnóstico clínico do cancro da mama?cancro da mama? Alterações detectadas à palpaçãoAlterações detectadas à palpação - Dor difusa ou localizada; - Nódulos únicos ou múltiplos de dimensões, consistência, mobilidade e sensibilidade variáveis; - Zonas de empastamento difuso; - Adenomegálias únicas ou múltiplas, moveis ou fixas, uni ou bilaterais;
  5. 5. MamografiaMamografia - exame radiográfico usadoexame radiográfico usado para detectar o cancro dapara detectar o cancro da mama;mama; - evidenciar cancros antesevidenciar cancros antes que sejam descobertosque sejam descobertos pela palpação;pela palpação; Vantagens Desvantagens - por vezes é falível, poispor vezes é falível, pois não consegue captarnão consegue captar cancros por se situaremcancros por se situarem em porções difíceis deem porções difíceis de visualizar;visualizar; Mamografia de triagem é realizada em mulheres assintomáticas, para detectar um cancro de mama insuspeito num estágio precoce. Mamografia diagnóstica é realizada para avaliar achados anormais nas mamas, como massas palpáveis, secreção mamilar, retracção do mamilo ou alterações da pele.
  6. 6. Ultrassonografia (ecografia)Ultrassonografia (ecografia) -- Informa se o nódulo é sólido ou contém líquido (quisto),Informa se o nódulo é sólido ou contém líquido (quisto), denunciando a presença de tumorações intracavitárias. Tomografia ComputarizadaTomografia Computarizada - Pode evidenciar massas mamárias muito posteriores, junto à parede torácica que podem ser difíceis de visualizar nas mamografias.
  7. 7. Lesões benignas da mamaLesões benignas da mama -- NodularesNodulares 1- Fibroadenonas: Nódulo palpável ( ≥1cm), consistência duro- elástica, superfície regular, móvel, indolor. Na mamografia apresentam opacidade redonda, regular e bem delimitada. 2- Quistos: Nódulos únicos ou múltiplos, por vezes lobulados, de consistência e tensão variáveis, podendo despertar dor. - OutrasOutras: Lesões (traumáticas, dermatológicas, do mamilo e da auréola, congénitas), mastites / abcessos mamários Fibroadenoma benigno com calcificações grandes, grosseiras e irregulares.
  8. 8. Lesões malignas da mamaLesões malignas da mama A maioria dos tumores malignos da mama tem origem nosA maioria dos tumores malignos da mama tem origem nos ductos ou nos lóbulos da mama, que são tecidos glandulares,ductos ou nos lóbulos da mama, que são tecidos glandulares, dos quais se destacam:dos quais se destacam: Carcinoma ductal “in situ” (CDIS)   Carcinoma lobular “in situ” (CLIS) Carcinoma ductal invasor (CDI) Carcinoma lobular invasor (CLI) Carcinoma inflamatório da mama Massa com bordos espiculados e infiltração da pele suprajacente.
  9. 9. Diferença entre lesões benignas e malignasDiferença entre lesões benignas e malignas AA BB A -A - fibroadenoma benigno, contendo calcificações densas B -B - cancro insuspeito, que poderia não ser detectado num exame físico.
  10. 10. localização primária Estimativa Casos Novos Estimativa dos Óbitos Nº Casos Taxa Bruta Nº Óbitos Taxa Bruta Neoplasia maligna da mama feminina 700 18,87 190 5,10 Neopl.maligna traquéia, bronq.pulmão 100 2,79 100 2,58 Neoplasia maligna estômago 210 5,78 130 3,38 Neoplasia maligna colo do útero 570 15,35 90 2,44 Neoplasia maligna cólon e recto 100 2,78 40 1,13 Neoplasia maligna esófago 60 1,49 30 0,70 Leucemias 89 2,40 50 1,20 Neoplasia maligna da boca 70 1,97 20 0,48 Outras localizações 1.341 36,16 730 19,69 TOTAL 3.530 95,19 1.390 37,48 Estimativa para ano 2000 das taxas brutas de incidência e mortalidade por 1000.000 e de numero de casos novos e de óbitos por cancro, em mulheres, segundo localização primária
  11. 11. Como se trata o cancro da mama?Como se trata o cancro da mama? CirurgiaCirurgia:: - tratamento mais comum.- tratamento mais comum. - O tumor será removido, assim como os gânglios linfáticos- O tumor será removido, assim como os gânglios linfáticos da axila, porque é através deles que o cancro podeda axila, porque é através deles que o cancro pode alastrar.  alastrar.   Radioterapia:Radioterapia: utiliza raios de alta energia que têm a capacidade de destruir as células cancerosas e impedir que elas se multipliquem. A radiação pode ser externa ou interna.   Quimioterapia:Quimioterapia: é a utilização de drogas que agem na destruição das células malignas. Podem ser aplicadas através de injecções intramusculares ou endovenosas ou por via oral.  
  12. 12. Hormonoterapia:Hormonoterapia: impede que as células malignas continuem a receber a hormona que estimula o seu crescimento. O tratamento pode incluir o uso de drogas, que modificam a forma de actuar das hormonas, ou a cirurgia, que remove os ovários – órgãos responsáveis pela produção dessas hormonas. Actua nas células do corpo todo. ReabilitaçãoReabilitação:: vem auxiliar os métodos de tratamento para que a paciente tenha melhor qualidade de vida. É feita através da cirurgia plástica de reconstrução e dos serviços médicos de apoio (fisioterapia, psicologia, etc.).
  13. 13. Tratamento cirúrgicoTratamento cirúrgico  TumorectomiaTumorectomia:: - remove apenas o tumor; - aplica-se a terapia por radiação; - é aplicada em tumores mínimos;  QuadrantectomiaQuadrantectomia:: - retira o tumor, uma parte do tecido normal que o envolve e o tecido que recobre o peito abaixo do tumor; - tratamento que conserva a mama.  Mastectomia simples ou total:Mastectomia simples ou total: - remove apenas a mama e por vezes os gânglios linfáticos mais próximos   - aplicada em casos de tumor difuso.
  14. 14.  Mastectomia radical modificada:Mastectomia radical modificada: - retira a mama, os gânglios linfáticos das axilas e o tecido que- retira a mama, os gânglios linfáticos das axilas e o tecido que reveste os músculos peitorais;reveste os músculos peitorais;  Mastectomia radical:Mastectomia radical: - retira a mama, os músculos do peito, todos os gânglios linfáticos da axila, alguma gordura em excesso e pele; - raramente utilizada;  Prevenção do cancro da mama Para que seja diagnosticado precocemente, é importante que: Faça um auto-exame das mamas mensalmente, após o período menstrual; Vá ao médico especialista em patologia mamária uma vez por ano; Participe em programas de rastreio, sendo o seu intervalo de 2 anos; O risco deO risco de desenvolver cancro desenvolver cancro da mama aumenta da mama aumenta de formade forma constante com a constante com a idade,idade, especialmente após especialmente após os 40 anos. os 40 anos.
  15. 15. Bibliografia:Bibliografia: ► Selley Rod R., Stephens Trent D., Tate Philip, 2003,Selley Rod R., Stephens Trent D., Tate Philip, 2003, Anatomia e Fisiologia, 6ª edição;Anatomia e Fisiologia, 6ª edição; ► Harrison, 1998, Medicina Interna, 14ª edição;Harrison, 1998, Medicina Interna, 14ª edição; ► Novelline, Robert A.,1999, Fundamentos de Radiologia deNovelline, Robert A.,1999, Fundamentos de Radiologia de Squire, 5ª edição, Porto Alegre;Squire, 5ª edição, Porto Alegre; ► http://www.senologia.no.sapo.pt/tratamento do cancro dahttp://www.senologia.no.sapo.pt/tratamento do cancro da mamamama ► http://www.min-saude.pthttp://www.min-saude.pt ► Apontamentos sobre doenças da mama fornecidos ao curso deApontamentos sobre doenças da mama fornecidos ao curso de Medicina, no ano lectivo 05/06;Medicina, no ano lectivo 05/06;
  16. 16. Elaborado por:Elaborado por: - Rogério Lopes- Rogério Lopes Fim !!!Fim !!!

×